História Second mother (Em reforma) - Capítulo 51


Escrita por:

Postado
Categorias Justin Bieber, Ryan Newman
Personagens Justin Bieber, Personagens Originais, Ryan Newman
Tags Justin Bieber, Ryan Newman
Visualizações 737
Palavras 3.593
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Preparem o colete que aí vem tiro (literalmente) fiz um capítulo grandão, então eu espero receber comentários ❤ (não é obrigado, mas gente por favor né, são 4 da manhã, quase 5 eu acho que mereço, ksksks)


Caralho Berg. Chegamos a 299 favoritos e eu nem sei como agradecer. Muito obrigado família, sim, família, eu considero todos vocês como parte da minha família ❤ todos juntos somos uma família.

Obrigada mesmo pessoal. Esse é o último capítulo. Calma que ainda vai ter o Epílogo and dois bônus que eu irei fazer ❤.

Na capa temos : Danny e Justin

Perdoem os erros, reviso quando eu acordar (até porque são 4 da manhã. Vou usar essa desculpa sempre ksksks)

Eu não quero encher vocês aqui, então. Nos vemos nas notas finais.

Capítulo 51 - He came back for me.


Fanfic / Fanfiction Second mother (Em reforma) - Capítulo 51 - He came back for me.



7 anos atrás...

Nashville, domingo dia 23, 22:00 horas


Lil andava de um lado para o outro. Eu não sabia o que tinha acontecido, mas sabia que era algo relacionado ao meu irmão e as cargas roubadas de ontem anoite

— Mas que porra ! - ouço o moreno sussurrar. - não pode fazer, vocês não podem ir embora. - ele faz uma pausa antes de voltar a falar. - não, Harry. Você vai e ela fica, eu não estou brincando, você fez suas merdas sozinho, agora resolva. Ela não tem nada haver com isso, Danny vai ficar ! Sabe que eu irei cuidar dela muito bem.... Filho da puta ! 

Ele desliga o celular e o arremessa na parede, Lil não estava de bom humor, não sei o que aconteceu com ele e meu irmão, temo que seja uma briga por cargas, sei do que Lil é capaz pelo tráfico. Não quero meu irmão de intrigas com gente com Lil. 

— Lil? O que tá acontecendo? - finalmente tomo coragem para entrar no seu escritório. O moreno se vira em minha direção me abraça e diz : 

— Amor, nós vamos embora. 


Tempos atuais. 

Pov's Danny. 

Aquele foi a última vez que eu vi Lil Darlison, mas conhecido como pump. Nós iríamos para Austrália, mas meu irmão não deixou e depois ouve o incêndio. 

— E-eu, merda ! Isso não tá acontecendo.

— Está acontecendo sim, meu amor eu senti tanta falta. - ele se aproxima pra me beijar mas eu viro o rosto. Mesmo eu e o Justin não tendo nada, eu sentia que se eu beijasse qualquer outra boca que não fosse a sua, seria traição. 

Eu preciso ir embora. - sussurro para que ele escute. - agora ! 

Lil se afasta rindo debochado, ele chuta uma mesa de vidro que tinha ali, fazendo ela se partir em vários pedaços. 

— IR EMBORA PRA QUE ? PARA CHORAR PELOS CANTOS? CHORAR PELO BIEBER, QUANDO VOCÊ QUE ELE NÃO ESTÁ NEM AI PARA VOCÊ? - ele berra com raiva. Fico sem entender. - FALA ! 

— Como sabe sobre o Justin? ...

— Eu estou atrás de você a  cinco anos, eu sei tudo que você fez neses últimos anos, tudo. 

— O que ?? V-você estava esse tempo todo a par de tudo? Por que não me procurou? Por que deixou que eu e Mônica nos ferrase-mos sozinhas ? - disparo a fazer perguntas. 

— Eu tinha perdido tudo, minha casa, meu tráfico, meu dinheiro, meu amigo, minha garota.. - ele suspira fundo. - eu queria voltar e te levar comigo, mas eu não tinha dinheiro para nada. Não podia dar a você a vida que nós tinhamos antes do incêndio. 

— Eu não ligava para bens, você sabia disso ! 

— Eu sei, eu sei meu, amor. - ele coloca as mãos envolta do meu rosto. - me perdoa por favor. - vejo ele chorar como nunca fez em minha frente. 

— Lil, isso é muita loucura. - nego com a cabeça. - não, isso não está acontecendo. - passo a língua em cima dos lábios. 

— Por que você não pode simplesmente aceitar? É tão difícil assim pra você, aceitar que eu voltei? - ele pergunta meio alterado. - Eu quero você de volta. 

— As coisas não funcionam assim. - digo sem paciência - Não é do seu jeito, não agora. - Ele franze o cenho com a minha ousadia. 

— Era sempre do meu jeito. - ele bate na mesa. 

— Exatamente, era. Não é mais, não é assim que a banda toca agora. - encaro ele seria. - Você achou que ia chega assim, depois de anos e tudo ia se resolver? Não, Lil, não. Eu tenho uma vida agora ! 

Ele sai de perto de mim, anda até uma prateleira com garrafas, ele enche o copo com uma bebida até então desconhecida por mim. 

— Você não vai mais voltar pra aquele apartamento. - ele dá um gole na sua bebida antes de falar. - : — Nem para a mansão, você vai voltar para Nashville. 

— Quem vai me obrigar? - Pergunto desafiadora. 

Ele arqueia as sombracelhas. Lil taca o copo no chão, causando um pequeno susto de minha parte. 

— Eu não sei o que ele fez com você, mas você vai mudar. - ele caminha em minha direção. - vai mudar, não pensa que as coisas serão assim, porque não serão. 

— Você não tem direito algum sobre mim, ou sobre a minha vida, eu quero ir embora agora ! - levanto da cadeira. - você é perturbado. 

— Eu não sei que tipo de moral o Justin te dava naquela casa; comigo não vai ser assim. - ele segura meu rosto com força. - você mudou muito. 

— Ele era homem, ao contrário de você. - digo após tirar sua mão do meu rosto. - não oprimia nem uma vontade minha. 

— Ele é um trouxa por fazer vontade de mulher. - ele ri debochado se afastando. 

— O que você quer de mim? 

— Você ainda não entendeu não foi? - ele volta a se aproximar. - eu quero você. 

Mas eu ...

Abel,  amor ? - alguém o chama . Volto meu olhar para a porta, onde vejo Charlotte passar por ela. 

Mas que porra é essa ? 

 Que bom que ela está aqui ! - Charlotte sorri caminhando até mim . - você não sabe a sensação de ver todos procurando por você e só eu sabendo onde você está. 

— O que você tá fazendo aqui ? - pergunto sem entender. 

— Abel não contou? - ele olha pra ele chocada. - não acredito querido. 

Abel? Mas o que ... Merda ! Não, não pode ser o mesmo Abel. 

— Abel? 

— Charlotte. - ele fecha os olhos respirando fundo. - eu falei para você não vim aqui.

— Achou mesmo que eu ia perder todo o show? Já contou a ela? - Charlotte puxa uma cadeira e se senta em minha frente. 

— Não, não contei. - Lil diz sem paciência. - mas já que está aqui, quer fazer as honras? 

— Claro ! 

— Eu não estou entendendo, vocês se conhecem? - digo sem entender nada. - como ? 

— Eu irei explicar do começo : Como você sabe, eu era namorada do Justin, vamos ser bem francas, eu o amava. Quando Justin começou a se envolver nesse mundo  — Graças ao Zayn —  eu comecei a me interessar. - ela faz um pausa e volta a falar - aos poucos fomos descobrindo um mundo novo, cheio de dinheiro e muitas oportunidades. Tanto eu quanto Justin se quiséssemos um futuro teríamos que fazer faculdade como toda pessoa normal, e pagar por uma faculdade era algo não muito bom para nós dois. Depois de alguns roubos e venda de drogas nós tínhamos o bastante para viver uma vida perfeita, mas algo em nós dois tinha mudado, uma ambição tinha tomado conta de nós dois. - ela dizia calma. - Justin mudou muito, ele começou a usar drogas desenfreado, se tornou agressivo e muito canalha. Eu não fiquei para trás, começei a dormir com outros caras, me afundei nas bebidas e estava cada vez mais obsecada pelo poder e pelo dinheiro. Com o tempo nosso amor e relacionamento foi acabando, deixando apenas dois corações partidos e amargurados, Justin era a pessoa que eu mais odiava, ele me batia me traía e sempre era melhor que eu em tudo, eu não queria abaixar a cabeça queria que ele sofresse por mim, se ajoelhesse no chão e se humilhasse por mim, mas ele não fez e nunca faria. - ela pigarreia e logo da continuidade a sua história. - dois anos depois de entrar pro tráfico eu fiquei grávida de Rose, Justin e eu estávamos no pior período da nossa relação, brigavamos constantemente, ele me batia com frequência e eu o magoava sempre. Decidi que acabar com aquilo era o melhor a se fazer, não podíamos dar continuidade aquele relacionamento doentio e possessivo que nós tinhamos. Eu fui embora para casa da minha mãe, mas as coisas começam a apertar, ela tinha que sustentar meu irmão e comigo lá às coisas pioraram, então eu decidi contar ao Justin. - Lil bufa fazendo Charlotte revirar os olhos. - ele ficou louco com a idéia de ser pai, ele estava feliz e ao mesmo tempo nervoso. Rose nasceu uma semana depois que eu contei a ele. 

— Por que você fingiu que estava morta ? - questiono sem entender. 

— Eu nunca quis ser mãe, eu nunca quis ser a mãe de Rose, naquele momento tudo que eu queria era ter um império no tráfico, com isso veio a idéia de forja minha morte, assim que Rose nasceu eu subornei o idiota do médico para que ele dissesse a todos que eu tinha morrido. O corpo que ele enterrou era de uma indigente, que chegou no hospital para análise. No dia que eu "morri" foi o mesmo dia que eu conheci o Lil, era uma estrada de terra, eu dirigia com rapidez e medo, a essa altura todos em Atlanta e nas cidades vizinhas sabiam da morte de Charlotte Crosby. - ela para e olha para Lil. - eu bati com o carro em um homem que corria desesperado pela estrada, Lil, eu dei uma carona a ele que me contou sua história no caminho. 

— Dois meses depois estávamos juntos. - Lil deu continuidade. - Charlotte era a garota perfeita, amava correr riscos, não ligava pra nada e o melhor de tudo sabia muito bem a arte da manipulação, o que nós caiu bem nós últimos meses. 

Uau Danny, que belo tapa na cara ! 

Depois de cinco anos ricos e felizes no sul da França, o azar chegou em nossa porta, em um jogo de poker perdemos tudo e fomos banidos de lá. Tivemos que voltar para o Canadá. Charlotte não queria viver a vida miserável que ela tinha e quando a mesma soube que Justin estava podre de rico e que Pattie era uma socialite famosa, ela pós nosso plano em prática. - ele segura a mão de Charlotte. - recrutei meus antigos homems fui ganhando cada vez mais aliados, até que decidimos sequestrar,  Rose. 

Meu coração erra as batidas naquele momento, ela sequestrou a própria filha ? Por dinheiro? 

— Não podíamos fazer isso sozinhos, falei com Caleb, ele quase surtou quando soube que eu nunca havia de fato morrido, mas aceitou me ajudar. Com a ajuda dele os homens de Lil invadiram a mansão é sequestraram a Rose. Claro que Caleb não sabia um terço da história, ele achava que eu estava resgatando Rose de Justin e que eu tinha ido embora,  porque tinha medo de morrer nas mãos do Bieber. - Charlotte revira os olhos. - infelizmente os inúteis dos homens de Lil sofreram um acidente no caminho, isso resultou com que Rose fosse para na porta da sua casa. -  eu estava me controlando ao máximo para não voar no pescoço dessa mocreia. - foi aí que você entrou na jogada, atrapalhou tudo. Justin se apaixonou por você assim como Caleb, que desistiu de todo o plano de matar Justin, porque se apaixonou por você. - ele bufa irritada. - então eu tive que entrar na história, inventei a história estapafúrdia de que eu havia perdido a memória e não sabia de nada, novamente voltei ao hospital e subornei o médico para que ele me desse um laudo falso. Tirar você da jogada foi difícil, muito difícil, porque tudo que eu fazia parecia pouco e eu não podia pegar pesado, como por exemplo te matar, porque Caleb não faria a parte do combinado e segundo porque Lil não deixou que eu fizesse nada a você, até que eu tive uma ideia brilhante, helidromicina, uma droga tão forte que em pessoa fracas pode causar a morte instantâneamente. Esse foi meu erro/acerto, com essa droga que eu dei a você, infelizmente, os efeitos dos anticoncepcionais foram cortados deixando você grávida. - ela nega com a cabeça. - tive que dormir com Justin, coloquei uma Pitadinha de cocaína na bebida dele, ele não estava tão alterado mas mesmo assim transou comigo, era óbvio que ele queria. Depois disso você foi embora, e quase todos os dias eu ouvia Chaz e Judith falando sobre como você estava mal e podia morrer, isso só me deixava mais feliz. Tudo que eu preciso agora é que Lil te leve para outra cidade, eu continuarei com o meu show até que Justin esteja enfeitiçado por mim outra vez. Eu vou mata-lo e se quiser pode ficar com o meu resto de aborto, vulgo Rose. 

Sinto as lágrimas grossas descerem dos meus olhos. Primeiro Caleb sabia de tudo e não fez nada para impedir, eu estou nessa situação graças a essa vadia, terceiro, eles machucaram o Chaz e quarto,  ela quer matar o meu homem. Isso não vai ficar assim. 


— Vou levar você até seu quarto. - Lil se manifesta depois de cinco minutos de silêncio. 


      [••••] 

Sentada de frente para a varanda que tinha no quarto era como eu me encontrava, sem conseguir pregar os olhos. Tudo que eu conseguia pensar era : quando eu ver ele outra vez, eu vou abraça-lo e dizer o quanto eu o amo. 

— Pensando em mim? - a voz de Lil preencher o ambiente. Me viro para trás vendo o mesmo caminhar até mim e se sentar ao meu lado. - me diz o que você tem ? 

— Sai daqui. - rosno com ódio. 

— Eu sei que está chateada com tudo que aconteceu, mas eu quero você saiba que eu te amo independente de tudo. - ele diz fazendo eu gargalhar auto. - de verdade. 

— Você me ama ? Por deus Lil, isso não é amor, isso é doença. - digo sem paciência. - você e a sua amante ridícula tentaram me matar, sequestraram uma criança e agora vão matar o meu namorado, você quer que eu esteja como? Feliz? 

— Eu sou seu namorado. - Ele diz segurando minhas mãos. - eu sou o homem que você ama. 

— Não, não é. - me solto de suas mãos. - não é e nunca vai ser, você não é ele,  e é ele que eu amo. 

— Você só está dizendo isso porque está com raiva de tudo que eu fiz.... - Não

— Eu estou dizendo isso porque é a verdade, eu não amo você e você não me ama.

— Amo sim meu, amor. Quando seus filhos nascerem eu vou cria-los como meus, não deixarei que a Charlotte encoste um dedo em você, eu não a amo eu sempre quis você, sempre foi você. - ele sorri. - sei o quanto aquela garotinha é importante para você, eu não me importo de você trazê-la para morar com a gente. Tudo que eu pesso a você, amor, é que me dê uma chance, eu te amo tanto, não posso te perder. Não posso. - ele beija meu rosto. - você não vai ficar aqui como uma prisioneira e sim como uma convidada, eu vou tirar você daqui, desse mundo, vamos ser felizes como combinamos a 7 anos atrás minha loira. Eu cuidarei de vocês. - ele coloca as mãos sobre a minha barriga, sorrio com isso.

Ele é louco, o sorriso que eu dei foi de pena, pena por ele ainda viver no passado sabendo que agora eu tenho um futuro. 

— Eu te amo. 

Eu não, não mais ....




                *___*

fez  cinco  meses que eu estou trancafiada nessa mansão sem notícias de nada. Nem preciso dizer que aquele "eu não te amo, não mais". Me custou um olho roxo, Lil sempre foi agressivo, eu tinha medo do Justin por isso, por ter apanhado do Lil quando namoravamos. 

— Terminou? - Lil Pergunta fazendo meus pensamentos se esvairem. 

— Sim - digo sem olha-lo. - tudo pronto. 

— Ótimo meu, amor. - ele me dá um selinho. - não faça careta enquanto eu beijo você. - ele ordena segurando meu queixo com força. 

— Não me machuca. - tiro sua mão do meu rosto.- não está satisfeito com o que fez semana passada? - viro meu rosto um pouco para o lado para relembra-lo dos socos que eu levei. 

— Eu já pedi desculpas.- ele diz mais baixo. 

— Não foi o suficiente.

— O que você quer que eu faça? 

— EU QUERO QUE VOCÊ ME DEIXE EM PAZ, QUERO VOLTAR PARA O MEU NAMORADO E PARA OS MEUS AMIGOS, EU QUERIA QUE VOCÊ ESTIVESSE REALMENTE MORTO.  - berro sem paciência. Em menos de segundos, Lil puxa meu cabelo para trás fazendo eu voltar até onde ele está, ele acerta um soco em meus lábios fazendo eu sentir o gosto do sangue. 

— Eu tive muita paciência com você sua vadia, se você falar mais alguma coisa eu juro, juro que acabo com você e esses fetos que você carrega. 

Ele solta meus cabelos fazendo eu ir para frente. Caiu de joelhos no chão, Lil passa por mim com raiva. 

— Deixe me ajudar senhora. - a obstetra responsável pelo meu bem estar me estende a mão. 

Lil não deixou que nada faltasse para mim esses últimos meses, tomei todos os remédios corretamente. Meus filhos estavam perto de nascer, muito perto, eu já completei 9 meses e apartir de agora eles podem nascer a qualquer hora. Eu havia escolhido os nomes Michael e  Jesse. Lembro uma vez que em um filme que eu e o Justin assistíamos,  o protagonista era chamado de Jesse  "eu gosto desse nome, é bem maneiro" foi o que Justin disse. Então decidi colocar o nome de um dos meninos de Jesse. 

— Senhora? - sou tirada dos meu pensamento por Amber, uma senhora um tanto simpática. - O Senhor Lil a espera na sala. 


 [••••]


— Vamos embora, agora ! - ele diz assim que eu apareço na sala. - faça suas malas . 

— Como é que é? - pergunto 

— Parace que seu namoradinho sabe de tudo, o filho da puta juntou- se com praticamente todos os traficantes da região, nesse exato momento estão a minha procura. - não consegui  não sorri com isso. - acha isso legal? Olha, não vou discutir com você, só faz o que eu estou pedindo, Charlotte está vindo para cá. 

Subo os degraus com um sorriso enorme no rosto, ele está me procurando, ele está atrás de mim. Céus ! 

 

[•••] 

Com as malas prontas eu esperava Charlotte no sofá, eu só espero que tudo dê errado para o Lil e que nós não precisemos sair do país. 


— Não devia estar feliz, se seu namorado pisar aqui ele é um cara morto. - ele diz entre dentes. - morto ! 

— Você não sabe do que ele é capaz por mim. - digo com orgulho. 

— Eu  também sou capaz de qualquer coisa por você. 

— Ele vai matar você.

— Não tem como ele me matar estando morto, porque eu vou mata-lo antes de qualquer coisa. 


Seu cretino miserável, eu odeio vo... Lil iria com certeza me dar um murro no meio da cara se não fosse por Charlotte.

— Lil.. - ela pronuncia com dificuldade. - prepare s-seus homens, temos que estar preparados para quando eles chegarem. 


— Para quem chegar? O que tá acontecendo e o  que foi que aconteceu com você? - ele toca o rosto com certa brutalidade. 

Podemos dizer que Charlotte estava bem, BEM, machucada. 

— Justin, ele sabe onde é a mansão, ele está vindo para cá, não só ele como um exército de traficantes aliados dele. - ele diz com dificuldade. 

Então Justin tinha feito isso com ela, e agora ele está vindo para cá. Ótimo. 

— Você trouxe eles para cá? Ficou Louca? Filha da puta . 

Lil chuta a mesa de centro. 

— Lil, nós precisamos....

Não teve tempo de Charlotte terminar a frase, uma série de tiros é disparado na casa. 

— DROGA ! - Charlotte grita sacando sua arma. 

..

— Chefe, Bieber está na mansão, juntos com os tráficantes como, Tyga, Chaz, Ryan, Christian, Nolan, Evan, Rowley e muitos outros. - um homen avisa. 

Nunca senti tanta felicidade em minha vida.

— Vamos sair daq... 

Lil não conclui a frase alguns seguranças invadem a sala, ele corre para os fundos e eu para a sala de música que tinha ao lado. 

A casa estava lotada de homems uns atirando no outro, eu estava abaixada atrás do sofá, foi quando eu o vi no batente da porta com o braço baleado, com o rosto repleto de raiva que some assim que seus olhos caem sobre mim. Ele estava ali ! 

Vejo seu sorriso lindo ser aberto, ele solta um grito de felicidade antes de jogar sua arma para o lado e correr para me abraçar. 

Depois de cinco meses sem vê-lo, sem sentir seus beijos e seu abraço, tudo parecia mais intensificado. Sorri quando senti sua língua pedir passagem, ele fazia sucsões leves com os labios, isso sempre me fez delirar. Não era extremamente um cenário de filme romântico. 

Você volto. - sussurro contra sua boca, ainda chorando. 

Voltei por você, vida. - ele me abraça forte. 

Quando abro os olhos vejo Lil apontando a arma para Justin, Lil chorava de ódio, foi tudo tão rápido, eu só tive tempo de virar Justin ao contrário, fazendo eu ficar em direção da bala, e assim levar o tiro por ele ! 



Notas Finais


ISSO MESMO GALERO, O LIL É O ABEL TCHARAMM....



Quase 5 horas da manhã e a garota vem postar capitulo, vê se pode.

Meus amores, eu quero dizer que esse é o último capítulo da fanfic, claro que ainda tem o epílogo e os dois bônus que eu farei. Eu só tenho a agradecer a vocês, obrigada do fundo do meu coração 💜 .

AI DEUS FINALMENTE EU POSSO DORMIR EM PAZ SEM AQUELE SENSAÇÃO RUIM DE "Não atualizou a Fanfic" glória deus.


Leiam também: https://www.spiritfanfiction.com/historia/hell-11616894

Então meus amores, bye bye e até o epílogo ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...