1. Spirit Fanfics >
  2. Secret Coven >
  3. Iniciação

História Secret Coven - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


História escrita e criada por :
@eveebarretto e @thisisboomnow

Capítulo 3 - Iniciação


Fanfic / Fanfiction Secret Coven - Capítulo 3 - Iniciação

-Clair-

Adentrei a sala em silêncio e olhei em volta. Todos os anciões estavam na sala. Ela era imensa e lembrava uma arena. Em volta, havia uma plateia de bruxos sentados em assentos. Ao centro uma fogueira imensa queimando. A temperatura da sala era escaldante. Ainda sim, todos estavam bem vestidos e com olhares sérios. Encarei Bell na plateia, ela tinha um olhar calmo e seguro. Dei um meio sorriso para ela e caminhei até o centro.

Quando eu estava perto da fogueira, abri meu vestido e me despi. Deixei minhas roupas no chão e fui para mais perto. O fogo iluminou meu rosto e senti meu coração acelerar um pouco. Pela primeira vez tive medo de não dar certo e não ser acolhida pelo próprio fogo. Fechei meus olhos e estendi minha mão direita para a fogueira. Apenas quando abri os olhos e vi que estava tudo bem, notei que havia parado de respirar. Soltei minha respiração e caminhei para o centro. Meus pés instintivamente encontraram o caminho certo enquanto eu desapareci em meio ao fogo.

Fiquei alguns segundos ali dentro. O tom avermelhado e quente me envolvia e acolhia. Eu não enxergava mais nada, além disso. Meus ombros se relaxaram. Eu senti todo o meu corpo ser parte da fogueira. Aquecendo o salão e iluminando a tudo e todos.

O fogo e eu. Somos um só.

-Contenha a chama. – Eu ouvi o ancião comandar em seu lugar na sala.

Assim eu fiz. Ergui meus braços e no instante que desejei que ela diminuísse, ela passou a cessar lentamente. Recuou para mim, dançando em volta do meu corpo, até só eu e as cinzas da lenha posta no centro dela estar no centro do salão. Os anciões se ergueram e bateram palmas. Dei um sorriso aliviado e me vesti imediatamente. Bell se aproximou e me ajudou, logo caminhando comigo para a sala.

-Você foi ótima.

-Bell-

Depois de ajudar Clair a se vestir voltei para o salão, os anciões já haviam preparado tudo, a Belladonna estava lá. Era uma das mais agressivas que havia visto. Era imensa e mesmo que estivesse estática na maior parte do tempo, era ameaçadora. Mas quando eu me aproximei ela no mesmo instante exalou um perfume. Inalei-o com hesitação, mas aquele perfume era de aceitação.

-Pronta ? – O ancião indagou.

Eu confirmei com a cabeça e então caminhei em direção à planta. Ela movimentou as raízes na minha direção, seus espinhos eram grandes, mas nenhum deles tocou minha pele. Continuei me aproximando, ela então abriu suas enormes pétalas e me puxou para dentro. Podia sentir Clair estava aflita do outro lado.

Aquele interior era escuro e úmido. Eu podia enxergar o veneno escorrer entre as pétalas e sentir meus batimentos e tudo dela estarem em sintonia. Sorri de imediato.

-Controle a planta. -Eu ouvi uma voz feminina e doce ordenar do lado de fora.

Eu fechei meus olhos e as raízes da planta me envolveram com delicadeza. Elas me ergueram e me colocaram do lado de fora.

-Isso! – Eu ouvi Clair comemorar.

-Ótimo, senhorita Belladonna.

O ancião disse dando um passo à frente. Mas ele foi interrompido por uma das raízes da planta se erguendo em direção dele.

-Não se preocupe, está tudo bem. - Eu disse enquanto acariciava a planta. Ela ficou mais calma e se enrolou em mim fazendo uma espécie de carinho no meu rosto.

Uma das anciãs estava me olhando ela sorriu.

-Senhorita Belladonna a senhorita está aprovada, e poderia, por favor, controla-la para que ela não acabe atacando alguém?

Eu sabia que aquilo era uma espécie de ironia.

- Ela só ataca quem ache que vai ferir a ela ou a mim, ancião.

Ele sorriu de canto, mesmo que aparentasse estar um pouco desconfiado.

-Podem retornar até a sala. Iremos chama-las quando estiver tudo pronto.

-Clair-

Me sentei na cadeira aliviada. Bell se sentou ao meu lado e soltou um suspiro.

-Vou buscar uma pizza quando chegarmos em casa. Vamos comemorar!

-Pizza? – Bell franziu o cenho.

-Ah vamos. Podemos gastar um pouco até eu conseguir um emprego.

-Nós não sabemos ainda como vai ser, Clair.

-Tá brincando? Fizemos um espetáculo.

Ela riu baixo e eu a abracei com um semblante animado. Minutos depois, o ancião retornou e nos chamou para fora. Nós caminhamos até a sala novamente e o centro estava vazio. Nós paramos nele e nos viramos para o ancião.

-Claire e Belladonna. Vocês foram convidadas para nossas provas e passaram delas com excelência. Mostraram que são bruxas dignas e que os boatos sobre vocês duas não eram apenas boatos. Meus parabéns.

Dei um sorriso largo e olhei para Bell de canto. Ela retribuiu o olhar e voltamos a fitar o ancião.

-Vocês irão direto para a terceira classe de bruxos. Que é a classe de prodígios. – Meu coração nunca se acelerou tanto naquele momento. Senti Bell procurar minha mão e as entrelaçamos.

-Entretanto - uma das anciãs continuou- Precisarão adquirir os poderes equivalentes a essas classes. Poderes que, apesar de sabermos que possuem potencial para tê-los, ainda não estão marcados na pele de vocês duas.

Assentimos rapidamente e agradecemos.

-Digiram-se para fora. Iremos apresentar as duplas de cada uma.

Nós caminhamos para fora e duas anciãs nos aguardavam. Uma delas chamou Bell para um lado do corredor, enquanto a outra me convidou para acompanha-la do lado oposto. Caminhei ao lado dela em silêncio, e ela andou até uma sala nos corredores. Quando entramos, um rapaz loiro estava lá dentro. Ele rapidamente ajustou a postura e deu um sorriso amigável.

-Claire Lancastre, esse será seu parceiro. Madson Blake, um bruxo do ar.

Dei um sorriso um pouco animado e caminhei para dentro da sala. A anciã prosseguiu dizendo:

-Madson, essa é Clair. Uma bruxa do fogo. Imaginamos que formariam uma ótima dupla. – Ela então me olhou – Ele acabou de ir para nossa classe, estava aguardando uma parceira à altura.

-É um prazer conhece-la. Claire. – Ele disse estendendo a mão.

-Pode me chamar de Clair. E o prazer é todo meu. – Respondi apertando a mão dele.

Madson tinha uma pele pálida e um cabelo loiro. Seus olhos eram castanhos cinzentos, e tinham um destaque agradável com as sardas em seu rosto. Ele estava, como todos, vestido formalmente.

A anciã nos deixou a sós e eu me sentei em uma cadeira. A sala era grande e tinha estantes cheias de livros. Alguns sofás nos cantos e quadros de dragões e leões.

-Grifinória.

-O que? – Ele me olhou.

-Nada não!

-Bell-

A anciã gentilmente me levou até uma sala enorme com portas detalhadas, ela se chamava Jasmine, era uma bruxa da terra, ela era doce e me passava tranquilidade.

- Eu serei sua mestra, porém, aqui nos trabalhamos em duplas, sua dupla está lhe esperando aqui dentro, quando acabarem de conversar e quando acabar de se ajeitar eu estarei em minha sala.

Ela sorriu, e olhou para mim, eu sentia que ela estava orgulhosa, talvez pelas bruxas da terra serem julgadas como bruxas inferiores

- Minha sala é no final deste corredor, eu pedi pessoalmente para ser sua mestre, vejo talento em você, Belladonna. -Jasmine então se virou indo em direção a sua sala.

Entrei na sala e lá encontrei o Hisashi, ele me olhou enquanto estava encostado na enorme mesa de madeira, ele sorriu ironicamente.

- Olha, como é o destino. Nosso primeiro encontro foi com farpas, agora somos parceiros.

Eu caminhei até um jarro onde tinham algumas flores que estavam morrendo.

- Nosso primeiro encontro foi com farpas porque você não me conhecia.

-E você me conhece? – Ele indagou caminhando até mim.

Eu toquei nas flores, as fazendo voltarem à vida.

-Você é Lee Hisashi é o filho mais novo de um bruxo bilionário, conhecido por dominar o veneno cedo e sobreviver ao teste. – Eu notei de canto de olho ele permanecer com um sorriso irônico. - Mas você sabe quem sou eu ?

A sala ficou repleta de flores, nasceram de lugares impossíveis. Ele se espantou um pouco, mas voltou a me encarar. Seu corpo estava a centímetros do meu.

-Eu sou Belladonna Lancastre.

- Prazer, Belladonna Lancastre.

-Clair-

No dia seguinte, entramos rápido na faculdade. Conseguimos acordar cedo tentamos ser as mais despercebidas possíveis. Mas foi um pouco impossível. Boa parte dos alunos nos encarou e murmuravam algumas coisas. Os amigos de Nick estavam no corredor, me encarando com um olhar mortal.

-Espero que daqui há uma semana isso acabe.

-Amanhã já terão esquecido. – Disse com calma – As pessoas brigam o tempo todo.

-Não estamos mais no ensino médio.

-Vai dar tudo certo. Te vejo no refeitório.

-Até lá. – Ela caminhou para dentro de sua sala e eu segui reto para o vestiário.

Me troquei e entrei na quadra ajustando meu short. Os garotos ainda me encaravam, principalmente Nick. Mas ele estava longe deles hoje. Enquanto todos estavam sentados juntos, Nick estava em outro canto. Sentei-me perto das outras garotas e ouvi o professor. Ambrose acenou suavemente para mim e deu um sorriso amigável. Acenei de volta antes.

-Esse primeiro bimestre será de basquete. Formem duplas e vamos jogar. Cada dupla disputará com outra dupla. Confiem nos seus pares para que possamos nos aquecer.

Me levantei com calma e olhei em volta. Ambrose conseguiu uma dupla em segundos, as outras garotas conversaram e logo formaram seus pares. Cruzei meus braços com um semblante um pouco desconcertado e esperei sobrar alguém. O professor chamou meu nome logo em seguida, e me puxou gentilmente.

-Vocês dois podem formar uma dupla, já que sobraram.

Olhei para quem ele me levava e fechei a cara no mesmo instante. Era Nick. Ele olhou para o professor e tentou dizer algo, mas o mesmo apitou chamando pela primeira dupla. Caminhamos para o canto e esperamos nossa vez. Nick me olhou por um momento, eu o encarei de volta. Ele desviou o olhar no mesmo segundo, soltando um suspiro.

-Desculpe por ontem. Eu devia ter só... te entregado o dinheiro.

-Tá se desculpando pra não apanhar de novo? – Indaguei cruzando os braços.

-O que? Não. Eu só não quero que pense que eu fui te assediar.

-Você fez isso com seus amigos.

-O que? Foram os gêmeos e o Tom. Eu não te disse nada!

-Você riu com eles – Eu o olhei – Não me enche tentando bancar o mocinho arrependido depois de eu ter quase quebrado o seu nariz.

Ele tentou dizer mais algo, mas o professor nos chamou para jogar. Me levantei rápido e peguei a bola de basquete. Apesar dele ter me acompanhado, Nick não disse mais nada.

Quando a aula acabou, me troquei rapidamente e fui para fora procurando Bell. Eu estava próxima do corredor. A maioria dos alunos já estava no refeitório. Comecei a caminhar para lá, até ouvir um sussurro trêmulo no meu ouvido. Virei-me para trás com um semblante espantado, mas não havia ninguém atrás de mim.

Bell.

Caminhei rápido pelos corredores e virei uma curva. Eu podia sentir batimentos cardíacos fortes até avistar duas garotas no final do corredor. Elas estavam encurralando Bell.

-O professor sabe que você debocha desse jeito? Sua vadiazinha.

-Vou fazer você querer mudar de curso. Antes que eu mate você.

Bell ficou em silêncio. Mas aquele olhar já dizia tudo. Ela queria fazer algo, mas preferiu se controlar. Uma delas parecia impaciente o suficiente com Bell, e ergueu a mão para bater nela. Caminhei rapidamente em direção delas e disse alto.

-O que tá acontecendo aqui?

Elas me encararam rapidamente, eu continuei caminhando até estar perto delas. A garota chegou a dar um passo para trás, mas eu continuei avançando e as empurrei para longe dela.

-Clair! –Bell disse me puxando para perto. As garotas me encararam com um semblante irritado. Dei um sorriso largo as encarando.

-O que foi? Vocês pareciam muito animadas para brigar!

-Ninguém te convidou para isso.

-Eu mesma me convidei. Vamos! Quem vem primeiro?

Normalmente eu fazia esse tipo de loucura porque sabia que ninguém iria brigar comigo de verdade. Elas recuaram e olharam para o início do corredor. Ali estava Ambrose. Ele observava com um semblante espantado e se aproximava.

-Você está brigando de novo? – Ele indagou.

-Elas tentaram bater na Bell. – Eu respondi rapidamente. Ele as olhou com um semblante sério e indagou.

-Isso é verdade?

Elas rapidamente negaram e recuaram, mas Ambrose não parecia dar muita atenção para elas. Ele se aproximou de Bell e indagou:

-Está tudo bem? Eu estava procurando você.

Bell deu um sorriso fraco e assentiu. Rapidamente ele perguntou com um sorriso amigável.

-Eu pensei em chamar você para ir na minha casa hoje. Ia ter pipoca e...

-Pode ser. – Ela disse rapidamente.

Como é que é?

Ele deu um sorriso e coçou a nuca.

-Certo! Certo! Eu te levo assim que..

-Eu vou junto. E posso levar ela. – Eu cheguei ao lado de Bell e disse rapidamente. Eles me encararam com um olhar um pouco desconcertado.

-Certo, certo...bom, até logo.

Ele acenou e caminhou para fora. Bell rapidamente olhou para mim. Suas bochechas estavam vermelhas.

-Pra que você quer ir junto?

-Vamos comer algo no refeitório ou não?

-Bell-

Estávamos prontas para ir, Clair estava ajeitando a moto quando eu apareci na garagem.

-Olha só, alguém tá linda, será que alguém quer o Ambrose ?

Eu olhei para ela e ri, Clair era inteligente nesse assunto e tenho que admitir que Ambrose me deixava interessada.

-Sobe aí gatinha - Clair falou depois de colocar o capacete e subir na moto.

Depois de alguns minutos com a Clair acelerando muito e das minhas reclamações nós chegamos. Clair tocou a campainha e esperamos. Para a surpresa dela, quem abriu foi o Nick. Vi a expressão dela mudar e ela quase dar meia volta para ir embora.

-Ah não, agora você vai ficar. - Eu disse enquanto segurava ela pelo braço, ela revirou os olhos e entrou.

Os dois ficaram se encarando de cara fechada por um bom tempo até Ambrose aparecer.

-Oi Clair, oi gatinha. – Ele me deu um beijo na bochecha sorrindo -Eu fiz pipoca, e achei justo já que vocês não se deram bem, convidar o Nick para ver se dessa vez vocês pelo menos ficam no mesmo lugar.

Clair andou até a sala resmungando e então sentou no sofá, Ambrose colocou o filme e foi até a cozinha pegar as coisas eu fui ajudar. No meio de tudo, ele começou a sorrir para mim.

-Sabe Bell, eu me interessei por você, eu acho que.....

Eu o encarei de relance e sem pensar o beijei. O beijo foi calmo e lento, só paramos com Clair forçando uma tosse parada na porta da cozinha Nick estava junto dela com a mesma expressão de nojo, os dois falaram juntos em um coro.

- Que nojo, se quiserem se comer tem os quartos.

-Clair-

Bell subiu com Ambrose. Ela parecia não querer perder tempo dessa vez. Peguei a pipoca e me sentei no sofá com Nick. Ainda não conseguia encarar ele. Me levantei novamente e fui buscar mais refrigerante. Um rapaz alto estava lá, ele se virou e me olhou com um semblante assustado.

-Clair?

-Madson?

Ele riu alto e eu ri junto, o abracei e indaguei.

-O que você faz aqui?

-Eu moro aqui com o meu irmão! O Ambrose.

-Você é irmão do Ambrose? Como assim você é irmão do Ambrose e ainda é um..

Ele fez um sinal alarmante para silêncio e eu fiz. Nick ainda estava na sala.

-Eu te explico amanhã. Vamos assistir o filme.

Ele caminhou comigo para a sala e nos sentamos. Madson cumprimentou Nick e ficou entre nós dois enquanto assistíamos. Era um filme de terror gore qualquer. Nick e Madson riam nos momentos das mortes e eu ri junto. Poderia sentir a energia de Bell se elevar um pouco lá em cima, e tentei elevar a minha também, me divertindo por alguns momentos.

Nick procurava evitar contato visual comigo, e fiz o mesmo. Por um momento, agradeci por Madson estar perto, aliviando um pouco a tensão de nós dois.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...