1. Spirit Fanfics >
  2. Secret Coven >
  3. Recomeço

História Secret Coven - Capítulo 43


Escrita por: EeveBarretto

Notas do Autor


História escrita e criada por :
@strawberry_eve_ e @thisisboomnow

Capítulo 43 - Recomeço


Fanfic / Fanfiction Secret Coven - Capítulo 43 - Recomeço

      -Bell-

     Eu não sabia como reagir. Aquilo era algum tipo de brincadeira? Seu olhar me dizia que não era brincadeira. Mas meu coração parecia saltar do meu peito.

     -Você está falando sério ?

     -Tão sério quanto os meus fios brancos.    

     Hisashi colocou a mão no cabelo jogando o mesmo e sorrindo.

      -Mas, por quê?

      -Eu quero me casar com você. Eu acho que não somos mais um casal de um simples namoro. E eu sinceramente preciso de você Bell, você me faz ser uma pessoa melhor.. Normalmente a mulher pedida em casamento responde sim. Mas você está demorando um pouco.

      Eu ainda estava sem palavras.

      -Você tem certeza?

      -Por qual motivo eu não teria? Olha só você! Eu nunca imaginei que teria alguém como você ao meu lado.

      Escondi meu rosto em seu peito. Hisashi soltou um riso, mas estava convicto.

      -Então, Belladonna Lancastre, qual é a sua resposta?

      Eu olhei nos olhos de Hisashi enquanto o ele fazia o mesmo. Eu sentia aqueles olhos negros atentos a cada movimento meu.

      -Sim, eu aceito.

      Hisashi se levantou em um movimento rápido da cama me pegando pela cintura e girando no ar. Levei um susto, a ponto de balbuciar.

      -Você não estava fraco ?

      Ele apenas respondeu quando parou. Ele me olhou ofegante, se sentando novamente. 

      -Eu não podia deixar de ficar feliz.

      -Agora, onde está o Nick?

      -Deve estar com a Clair, por quê?

      -A aliança está com ele.

      -O que?

      -Ele veio planejando isso comigo há meses.

      -Meses?

      -É. Nicholas é um ótimo agente duplo.

     -Clair-

       -Me desculpe por ter te derrubado. - Eu disse gentilmente para Madson. Ele estava sentado ao lado com um olhar compreensivo. Ele havia se ferido pouco. Só tinha um braço enfaixado e um olho roxo.

      -Eu sabia no fundo que não tinha como te parar.

      -Nunca tem. Ela é cabeça dura. - Moore disse.

      Soltei um riso e me ajeitei na maca. Talvez fosse verdade.

      -Sua cabeça dura acabou fazendo eles recuarem de vez. Foi fantástico.

      -Só consegui porque a Bell voltou. - Admiti - Eu teria morrido muito antes.

      Ele assentiu suavemente e se levantou.

      -Vou voltar ao trabalho. Estão levando os animais para a masmorra. Vão chamar o conselho para tentar resolver algo sobre eles.

      -Vai ser uma perda de tempo. - Moore disse com pessimismo.

       -Não custa tentar. - Rebati - A fauna da cidade vai ser afetada se eles não puderem retornar para a floresta.

       -Exato. - Madson disse caminhando para fora - Te vejo mais tarde.

      Madson caminhou para fora com calma. Eu pensei em descansar mais, entretanto, queria muito voltar ao trabalho.

      Fiquei de pé com um pouco de esforço. Moore me observava aflito na cama. Minha perna estava bem, mas tenho quase certeza que vai estar roxa amanhã. O chute que dei mais cedo deixou ela acabada.

      Dei um sorriso convencido para Moore, e caminhei até Kamala, que dormia serenamente em sua maca. Ajeitei seus cabelos e os tirei de seu rosto pardo.

      -Ela vai se recuperar facil.

      -Mais fácil do que eu, espero. -Ele respondeu.

       -Que nada. Você é bem forte, mesmo sendo um cabeça dura.

       Moore fez uma careta, mas sorriu em seguida. Dei a ele meu travesseiro, para que ficasse um pouco mais confortável. Passei pelas macas e observei os bruxos ainda acordados. Jung já havia voltado ao trabalho, não tinha nem um rastro dos outros anciões, muito menos de Django. Dei um sorriso otimista.

      O Coven nunca perdia a organização. O salão principal estava cercado de bruxos e feiticeiros  ajudando e fazendo poções que ajudassem na cura dos feridos. Alguns descansavam lá mesmo com as macas improvisadas, era visível que muitos que lutaram na guerra ainda estavam trabalhando, por não terem se ferido tanto.

      Virei o corredor com calma procurando por qualquer um da família. Passei a descer as escadas com cautela.

      -Claire? - Uma voz rouca chamou. Olhei para trás me apoiando no corrimão. Rogers estava no inicio da escada.

      Ele teve prioridade nos cuidados médicos. As feridas do seu rosto já estavam até mesmo cicatrizadas. Mas Rogers ficou realmente cego de um dos olhos. Seu semblante era mais do que sério naquele momento.

      -Já está de pé.

      -Bom. - Eu disse tentando dar um sorriso - Há muito o que ser feito.

      Rogers assentiu suavemente, sem nenhum sinal de impaciência.

       -O senhor Zurzolo está na sala dos feiticeiros ajudando Axel. Eu os vi entrar. As outras Lancastre estavam ajudando nas outras salas com feridos.

       -Obrigada. Vou atrás deles agora mesmo.

       Voltei a descer as escadas, mas ouvi a voz de Rogers novamente.

      -Lancastre.

     Olhei para trás erguendo as sobrancelhas. Ele ainda estava no mesmo lugar, me fitando com uma expressão que eu nunca vi antes em seu rosto.

       -Fez um bom trabalho no campo de batalha.

        Por algum motivo, meus joelhos se bambearam. A expressão de Rogers era respeitosa. Dei um sorriso de canto agradecido e voltei a andar.

      -O senhor também fez um bom trabalho, ancião.

     

     

     Nick estava no corredor da sala dos feiticeiros. Ele estava sentado com a cabeça apoiada nos joelhos. Sua exaustão era nitida. Ele ergueu o rosto pouco antes de eu estar proxima dele, e se levantou no mesmo instante.

      -Você acordou.

      -E você parece nem ter descansado. - Eu disse colocando as duas mãos em seu rosto. Nick as segurou como quem se sentia em casa, e me abraçou logo em seguida.

      -Não consegui pregar os olhos. Não sei se vou pregar tão cedo.

      -Nem eu. - Sussurrei quando nos sentamos de novo. Encostei minha cabeça no peito dele, enquanto ele envolvia seus braços em mim.

       Um choro baixo era escutado na sala dos feiticeiros. Junto dele, a voz suave de Diana era ouvida acalmando o choro.

       -Jens foi morto na batalha. - Nick disse baixo - Axel teve uma crise horrível quando viu o corpo. Anelise o acalmou e consolou ao máximo. Ele se acalmou e foi descansar há poucos minutos.

      Nick gesticulou com calma para o final do corredor. Era uma das salas onde alguns bruxos descansavam. Ela estava entreaberta e era possível ver colchões e panos no chão e alguns bruxos dormindo. Ele olhou para a porta na nossa frente com um semblante entristecido, enquanto ouvia os soluços baixos atrás dela.

      -Ela desmoronou agora.

      A voz de Diana dizia coisas doces e reconfortantes para Anelise. Não consegui entender, mas o tom de voz dela conseguia acalmar qualquer um. Nick quis esconder seu rosto no meu ombro, e eu o ajudei. Vê-lo mal daquele jeito partia meu coração. 

      -Tudo bem se você quiser desmoronar também - Sussurrei - Eu estou aqui.

      Ele me abraçou ainda mais e soluçou baixo. Apesar de ter se permitido chorar, agora Nick não iria deixar de esconder o rosto. Acariciei gentilmente seus cabelos.

      -Você foi incrível. - Eu murmurei.

      -Hisashi-

       Clair e Nick entraram na sala após alguns minutos. Os dois tinham curativos em seus rostos, mas se locomoviam normalmente. Clair abraçou Bell por longos segundos. Nick quase me esmagou com seu abraço quando foi até mim. Clair arregalou os olhos quando me viu, e encostou no meu cabelo antes de me abraçar.

       -Puta merda, você virou o Draco.

      Bell caiu na gargalhada, e se sentou na cama. Era bom vê-los bem. Eles se sentaram na maca ao lado e nos olharam.

      -Voltamos vivos.

      -Eu realmente estou feliz por isso. - Clair disse entrelaçando seus dedos nos de Nick.

      -Eu estava com tanto medo.. - Bell murmurou nos fitando.

      - Você foi inacreditável. Como se regenerou daquele jeito?

      Bell olhou para os próprios joelhos e apertou os lábios.

     -Bom, eu sabia que em algum momento seria necessário uma regeneração mais avançada. Ingeri o máximo de coisas que ajudassem em cicatrização e foquei ao máximo na minha concentração. Jasmine e  Violeta me ajudaram com isso. Eu não queria me arriscar quando a vida da Clair estava em jogo.

     Clair ergueu as sobrancelhas e coçou a nuca.

      -Então por isso você estava meditando com uma ametista aquele dia?

      - Você não foi a única com dificuldades para ter uma marca. Eu precisava da marca de regeneração avançada.

      Bell ergueu a sua camiseta. Havia uma marca ali, exatamente onde ela havia sido apunhalado na batalha. Nick riu por empolgação.  

      -Cacete.

      -A borboleta é um símbolo de renascimento. - Bell disse sorridente - A borboleta vive como lagarta e depois ela faz seu casulo pra morrer a lagarta, e nascer uma borboleta.

      -Meu escudo foi seu casulo. - Nick disse empolgado.

      -Seu escudo foi meu casulo. - Bell respondeu rindo.

      -Eu vou conseguir uma dessas um dia? - Nick indagou admirando a marca. Clair soltou uma gargalhada.

      -De um jeito diferente, mas pode.

      -E você, Hisashi, como conseguiu a cicatriz e o cabelo branco ? -Clair perguntou.

       -Bom, meu corpo é resistente ao veneno. Minhas células já se curam sozinhas. O que aconteceu foi que a produção de veneno era mais rápida que a cura. Eu perdi o controle do que eu fazia. Perdi boa parte da minha melanina. Mais um pouco que eu teria virado líquido por dentro.

      -Como quando matou o Ambrose?

      -Pior, talvez. - Eu disse respirando fundo. - E sobre a minha cicatriz, eu me descuidei. Mas garanto que o autor está muito pior do que eu.

      -Clair-

          -Estou destruída. Minhas costas estão me matando. - Vó Constance disse caminhando para a caminhonete.

      - Vocês trabalharam muito. - Respondi olhando para ela.

      Já era o dia seguinte e nem percebemos. Todos nós ajudamos com algo. Ora em poções para os feridos ora, limpar campo e preparar refeições para todos. O movimento do Coven nunca foi tão grande durante esses dias. Só voltávamos para casa nesse momento, quando era evidente que o perigo não voltaria.

      -Os Clarividentes disseram que os próximos dias serão calmos. - Madson disse ajudando tia Flora a entrar no carro. Seus pés doíam muito para que ela andasse sem sentir agulhadas.- Poderão descansar..

      -Não tenho tanta certeza. - Satoru disse o olhando - Esse momento será importante para que a ajuda e reforços sejam chamados.

      -E precisaremos cuidar dos animais. Não sei como vamos mantê-los vivos daquele jeito.

       -Ora, se preocupem com o Coven quando estivermos no Coven novamente. - Tia Flora retrucou. - Vou precisar de um banho depois do que eu vi por aqui.

         Nick dirigiu para casa, seguindo o carro de Hisashi. Diana e minha mãe cochilavam, enquanto vó Constance fitava a janela. Era um anoitecer agradável, apesar de eu não conseguir pregar os olhos.

      -Preferem passar a noite na nossa casa? Podem voltar amanhã de manhã.

      -É, vai ser menos tenso. - Nick respondeu com um sorriso agradecido.

      -Vou apagar assim que eu chegar.

      -Digo o mesmo. - Vó Constance disse apoiando o queixo com as mãos.

      Paramos e entramos em casa. Bell abriu a porta e deu de cara com Sun. A cadeia saltou nela e a cheirou ansiosa. Logo em seguida foi em todos que iam entrando. Ela acabou pegando Nick despercebido, e o derrubou no tapete.

       -Ah! Oi, chegamos! - Ele disse enquanto tinha o rosto lambido. Hisashi soltou uma gargalhada tirando os sapatos.

      - Chegamos. Finalmente chegamos.

      -E estamos todos vivos. - Bell declarou enquanto eu puxei Sun de cima de Nick.

       A ração dela já estava prestes a acabar. Senti a sensação de ter chegado na hora certa.

       -Bell-

      Finalmente estávamos em casa. E eu adorava dormir nos braços de Hisashi, mas eu precisava da minha cama. Não tínhamos contado a ninguém sobre o pedido, entretanto, o sorrisinho de Nick denunciava muita coisa.

       -O que foi ? -Eu disse enquanto colocava água para Sun.

      -Nada, senhora Lee.

     Arregalei meus olhos e dei um tapa em seu ombro. Nick riu.

    -Eu gostaria de fazer um convite a todos. - Hisashi disse na sala. Todos nós o fitamos.

     -Vamos organizar um jantar na casa dos meus pais. Temos motivos de sobra para comemorar.  Quero que todos nós, inclusive meus pais estejamos juntos.

      Minha mãe sorriu e bateu palminhas. Hisashi olhou para Diana em seguida, e disse gentilmente.

       -A senhora também está convidada.

      Diana retribuiu com um sorriso animado, e tocou o ombro de Hisashi antes de caminhar para a cozinha.

        -Um jantar por termos voltado vivos? Isso é suspeito. -Clair disse sentada do sofá.

      -Há algo a mais, mas é surpresa.

      -Mas eu quero saber!

      -Se você souber vai deixar de ser surpresa, sua anta.

      -Olha como fala comigo, velhote.

      Hisashi fez uma careta, mas disse com paciência.

      -Espere até amanhã, vcê não vai morrer por isso.

     Clair me olhou como se implorasse para que eu falasse o que era, mas eu fiz um gesto de que não sabia de nada. Ela revirou os olhos e resmungou.

      -Clair-

      Nick deslizou os dedos pelas pétalas de rosas que botavam na banheira. O banho pôde levar um pouco da tensão embora. Ele afundou a mão na água e tocou minha perna gentilmente.

      -Certeza que já está tudo bem com ela agora?

      -Sim. O processo de cura foi rápido. - Respondi otimista - Como você está agora?

      -Menos preocupado. Eu acho. - Ele disse dando um sorriso fraco.

      Assenti suavemente para ele, e Nick se virou de costas. Deslizes algumas ervas sobre os hematomas e massageei seu cabelo. Ele estava muito melhor do que antes. Seu corpo já havia recuperado cor e todos os cortes haviam sumido.

      -Como você fez aquilo no campo de batalha? - Ele murmurou.

      -Aquilo o quê? - perguntei.

      -Você liberou energia como se ela não acabasse nunca na batalha. - Ele disse virando o rosto para mim - Nem mesmo conjurou em alguns momentos. Você estava completamente instável, mas...

      -Eu não sei. Acho que estava muito irritada. - Eu disse brevemente - Eu perdi muito o controle na batalha. Não consegui nem mesmo prever a quantidade de energia que eu liberaria.

       Ele respirou fundo e olhou para frente inquieto. Eu entendia que não era convincente. Mas não haveria outra explicação a não ser essa.

      -Talvez tenha sido uma benção divina. Quem sabe.

      Ele soltou um riso nervoso e se virou para mim. Nick jogou seus cabelos para trás e tirou um pouco da espuma de seu queixo. Levei minhas mãos até seu rosto delicadamente, e o mesmo avançou tocando meus lábios. Meu peito sempre formigava como se quisesse entrar em combustão quando Nick me beijava daquela forma. Era sem pressa, como se ninguém pudesse nos tirar dali. Ele deixou nossas testas coladas quando separou nossos lábios, e manteve seus olhos fechados.

       Eu poderia ficar para sempre ali.

     

    

      

      

     -Bell-

      Nick bateu na porta quando íamos dormir. Ele estendeu uma caixinha de veludo para Hisashi, e esboçou um sorriso de canto. Ele saiu do quarto logo em seguida, sem dizer uma palavra.

      -Essa é a minha aliança? - Questionei.

      -Nossa. Você não vai se casar sozinha. - Ele respondeu rindo baixo.

      Acabei retribuindo com o riso. Aquilo ainda me deixava ansiosa.

      -Se eu deixasse aqui, Clair encontraria. Se eu deixasse na minha casa, Satoru encontraria. Não havia ninguém melhor, nesse caso do que o Nick. Agora ele me deve menos favores.

      -Bruxas do fogo são ótimas detetives. - Respondi enquanto ajeitava a cama.

      -Sim, as vezes Satoru me dá nos nervos.

      -Sim, a Clair também. Mas as duas são as melhores pessoas para se ter ao lado. - Eu disse colocando as mãos em seus ombros - Nunca vi satoru tão preocupada com alguém como quando você estava desacordado.

      Hisashi sorriu e apertou os próprios lábios.

      -Ela nunca perde o instinto de irmã mais velha.

      Hisashi guardou a caixinha no bolso de seu casaco na cadeira e então se deitou na cama. Ele me olhou e deu batidinhas no lençol.

      -Vamos, Bell. Ainda está frio e eu preciso me aquecer.

      Eu sorri apagando a luz do quarto e me deitando. Hisashi apagou a luz do abajur que tinha perto da cama e eu senti seus braços me envolverem sua respiração em meu pescoço.

      -Boa noite.

      Eu pude ouvir sua voz rouca próxima do meu ouvido aquilo me fez dar um sorriso.

      -Boa noite - Respondi fechando os olhos.

      -Nick-

      -Vocês demoraram para chegar! A praia estava tão boa assim? - Selene perguntou quando entramos em casa. Minha mãe deu um riso empolgado.

       -Na verdade nem pegamos muito sol. A casa da praia estava muito aconchegante.

      -Nick agora não é o filho favorito por ter te levado para a praia, né ? - Marcus disse querendo pegar minha bolsa. Recuei de imediato e coloquei meus pés na escada.

      -Como você é ciumento. - Minha mãe retrucou rindo, o puxando gentilmente para que tirasse o foco de mim. - Um dia podemos ir também. Não vou deixar de amar você, Nolan ou Isaac por isso.

      -Tem espaço para os seus sobrinhos também? - Selene perguntou.

      -Mas é claro! - Ela riu. - Apoio uma noite das moças ainda hoje. Onde está Amélia, aliás?

      -Ela foi com os meninos para a cabana.

      Ergui as sobrancelhas e recuei os passos. Minha mãe deu um sorriso nada surpreso, mas seus olhos se arregalaram por alguns segundos.

      -A cabana...?

      -Não é o que a senhora está pensando. - Marcus riu baixo - Ela quem foi chamada. Tio Mangnus foi junto.

      -Eles estão longe de ganhar suas marcas. Foi uma chamada apenas para...ver como os dois homens deles estão bem.

      -É uma pena que você não tenha ido, querida. - Minha mãe disse sabendo fingir seu companheirismo. Talvez nem estivesse fingindo.

       -Não faz mal. Eu estou bem.

       Subi as escadas antes que me voltassem a atenção. Joguei a mochila debaixo da minha cama e me sentei na cama.

      Já havia um bom tempo em que a cabana não era citada. Eu mal havia voltado da casa das Lancastre, mas já telefonava novamente para Clair.

      -Clair-

    -O que isso significa, exatamente?

    -Que há figuras importantes dos caçadores na cidade. Eles chamaram pelos meus primos para um tipo de avaliação. Logo vão chamar eu e meus irmãos. - Nick respondeu.

    -Acha que eles podem representar um risco muito alto agora? - Bell indagou.

    -Se eles notarem a ausência de boa parte dos animais, sim. É improvável, mas real.

     -Vamos precisar de um aprimoramento nas medidas de camuflagem. Obrigado por avisar, Zurzolo.

     Nick assentiu suavemente. Nós nos separamos e eu entrei na sala de feridos. As cortinas estavam bem abertas e haviam poucas pessoas nas camas. Muitos bruxos se recuperaram na virada da noite.

      -Pensei que não ia vir cedo. - Uma voz no fim da sala disse. Era a de Kamala.

      Ela estava sentada na cama, mastigava os vegetais de um caldo verde. Kamala tinha um sorriso radiante, apesar de ter uma cicatriz difícil de se ignorar nos lábios.

      -Você já acordou! - Eu disse parando na cama. A abracei forte, apesar da cautela. Kamala deu um riso baixo e bagunçou meu cabelo.

      -Depois de dormir durante a batalha inteira, eu tinha que acordar.

      -Você foi ótima. Nos ajudou muito.

      -Você foi ótima. Moore me contou o que fez.

      -Apanhei feio?

      -Para com isso! - Kamala me deu um tapa no ombro rindo - Para alguém que foi colocada lá atrás, você foi incrível.

      -Eu teria morrido se Belladonna não voltasse.

      Kamala ficou em silêncio, chegou a morder os lábios.

      -Ela voltou mesmo?

      -Voltou. Ela conseguiu se regenerar, não tenho ideia de como.

      -Pensei que Moore estivesse doido. - Kamala soltou - É raro um bruxo que consegue se regenerar depois de tanto tempo! Isso é fantástico.

      Dei um sorriso fraco e me sentei na cama. Kamala abriu espaço comendo mais uma colherada do seu caldo.

      -Bell é sempre cheia de surpresas.

    

      -Hisashi-

      Estávamos todos reunidos na sala de jantar. Eu havia pedido a cozinheira para preparar uma refeição grande já que todo mundo estaria lá, inclusive Ivar. Achei justo, já que ele é da família de Bell e Clair. Tudo ficou mais que perfeito. Tínhamos vários tipos de pratos. 

       Meu pai estava observando Bell enquanto ela falava algo sobre artes com minha mãe. Clair conversava com Nikola ao lado, e Satoru conversava com Diana. Nick trocou olhares comigo antes de eu tomar minha devida decisão.

     Peguei uma das taças onde estavam sendo servidos vinho e bati delicadamente uma das facas de prata nela. O som chamou a atenção de todos, o silêncio se estabeleceu.

      -Eu gostaria de agradecer a todos por estarem aqui. O motivo desse jantar ao contrário do que muitos pensam não é somente para comemorar a vitória, mas também para comemorar algo muito importante para mim e para Bell.

      Meu pai ergueu as sobrancelhas.

      - Assim que acordei após toda aquela batalha, a primeira coisa que vi foi Belladonna.  Metade de sua energia vital foi dada para mim, para que minha vida fosse salva.

      Bell olhou para seu prato e deu um sorriso tímido. Notei Clair olhar para Nick inquieta.

      -Ali eu tive certeza que tudo que eu estava planejando a cerca de um ano com a ajuda de Nick iria dar certo. O que eu quero dizer é que ontem na enfermaria do Coven, eu pedi a mão de Belladonna em casamento. E ela aceitou. Eu fiz tudo no calor do momento e não foi um pedido apropriado. Portanto...

      Eu me ajoelhei no chão ao lado de Bell. Ela sorriu e me olhou, sua expressão era de carinho.

      -Belladonna Lancastre, você aceita se casar comigo e a partir desse dia me dar a honra de ser seu noivo e futuramente seu marido ?

      Bell abriu um sorriso maior ainda.

      -Sim, eu aceito.

     Eu abri a caixa de camurça e coloquei o anel em seu dedo. Um coro alto da mesa era ouvido. Ela fez o mesmo com um sorriso que mostrava seus dentes. 

      -Eu amo você. - Sussurrei.

     Bell colocou sua mão livre por cima da minha.

      -Eu também te amo.

     Assim que me levantei dei um beijo delicado em Bell. Nós nos sentamos novamente. A primeira coisa que ouvi foi a de Clair.

      -Nicholas Zurzolo, como assim você sabia disso há um ano e não me falou nada ?

      -Eu devia um favor pra ele.

      Satoru começou a rir.

      -Está revoltada por ele não ter contado ou por você não ter descoberto antes?

      -Os dois. -Clair disse.

      -Satoru! Não provoque. - Nikola repreendeu, apesar de não conseguir conter o riso.

      -Eu fico tão feliz por você, minha filha. -Mirian disse sorrindo.

      -Digo o mesmo. - Jacinth disse segurando a mão se Mirian.

      -Estamos realmente velhas. Nossas crianças cresceram e uma delas vai se casar. - Constance disse.

      -Pela primeira vez concordo com você. - Flora respondeu.

       -Ainda bem que eu aprovei o mauricinho.  Sei que ele será ótimo para a Bell. -Ivar disse debochado.

      -Não seja recalcado, todos sabemos que você não perderia tempo em ocupar essa vaga. - Eu disse começando a rir.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...