História Secret Desire II - Capítulo 30


Escrita por:

Postado
Categorias Andrew "Andy" Biersack
Visualizações 45
Palavras 1.535
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi! Trouxe mais um capítulo pra atualizar vocês. Espero que gostem.


Boa leitura 💜

Capítulo 30 - Capítulo Trinta


Zoey


A água estava limpa, pouco antes do jato subir pela minha garganta e sair pela boca. Era definitivo. Eu adorava estar grávida, mas odiava os enjoos matinais. Meu estômago parecia estar revirando dentro de mim, e a eternidade que passei debruçada sobre o sanitário me comprovava isso. Quando a náusea finalmente parou, eu me levantei, escovei os dentes e desci pra tomar café com meu futuro marido.

-Pensei que você não sairia de lá.- ele brincou enquanto lambuzava uma fatia de pão com pasta de amendoim

-Eu também.- fui até um dos armários e peguei uma tigela -Essa é sem dúvidas a pior parte do dia.

-Mas vai valer a pena quando ele estiver aqui.

-Ele? Nós ainda nem sabemos se é um menino.

-Sinceramente não me importo com essa parte. Só quero que ele seja forte e saudável.- despejei uma bela qua idade de cereais na tigela -Mas a mãe dele precisa colaborar melhorando os hábitos alimentares.

-Eu sou uma senhorita grávida, e cereais é o que ele me pediu como café da manhã.- Andrew me passou a garrafa de leite

-Claro, então quero dizer que bananas com calda de chocolate, torradas e leite condensado, e os inúmeros sorvetes também são pedidos dele durante a madrugada?

-Sim!- ele riu

-Uma semana que nós estamos grávidos e você não comeu nada decente, amor.

-As bananas são saudáveis. Não são?

-São, claro que são. Mas numa salada de frutas ou vitaminas, não mergulhadas em calda de chocolate como você as tem comido.

-Mas ainda são bananas.- enchi a boca de cereais -A calda não muda isso.

-Tudo bem, hoje você vai almoçar comigo. E isso não significa que vamos comer um hambúrguer gorduroso e batatas fritas. Almoço! Carboidratos e proteínas.

-Você consegue ser pior que meu obstetra, Andrew.

-É por isso que preciso ir na próxima consulta.

-Pra queimar o meu filme?

-Exatamente.- ele tomou um último gole do seu capuccinno. -Nós partimos em dez minutos.

-Sim senhor.


-x-


Aquele era um dia infernal. Depois ds fusão das empresas o trabalho parecia ter dobrado, e duas horas depois do meu horário de almoço, Andrew apareceu com a caixa do restaurante e os nossos pedidos.

-Nada de papéis na mesa. Chega de trabalho por uma hora.

-Já estou terminando.

-Zoey Stewart Dawis...- eu larguei a caneta -Não é nada que não possamos resolver depois.

-Eu sei. Mas é que tem algo aqui que não está batendo. Você pode pedir pra Alice avisar alguém do financeiro pra me passar uns papéis?- ele me observava atento

-Posso, mas no presente momento, quero só a minha esposa pra almoçar comigo. Tudo bem?- respirei fundo

-Desculpa, amor.

-Você consegue ser tão obcecada quanto eu, senhorita CEO. Qual é o problema?- ele puxou a cadeira sentando de frente pra mim do outro lado da mesa

-Tem uma conta no nome da empresa pra campanha da Brooke.

-Sim.

-Ontem pela manhã, a Cecília fez o depósito do valor que nós pretendemos investir no projeto. Ela me passou os dados logo em seguida e eu chequei com o banco à respeito.

-Uhum.

-Hoje a Brooke me ligou dizendo que recebeu os dados da conta e também quis checar pra saber se estava tudo certo, mas a conta tava zerada. Sem nenhum mísero centavo.

-Quanto foi depositado?

-Nada menos que cem mil dólares.

-Me deixa ver os papéis.- eu os entreguei -Tem certeza que a Brooke recebeu os dados certos?

-Tenho. Batem com os que eu tenho aqui.

-Já ligou pro banco novamente?

-Sim, eles estão verificando o que aconteceu, mas não me deram retorno.

-Isso não é bom. A gente não pode simplesmente dispor de outros cem mil.

-Eu sei. Mas não há nada que a gente possa fazer. O banco não vai querer reaver o dinheiro.

-Mas alguma coisa aconteceu. O dinheiro não pode ter sumido assim, Zoey.

-Sei disso, Andy. Mas eu chequei ontem a noite e estava lá.

-Eu não quero ter que envolver Abigail nos assuntos daqui. Ela ainda está investigando o sumiço da Nathaly.

-Ela poderia apenas verificar se houve alguma falha no sistema e alguém teve acesso.

-Tá tentando me dizer que alguém de fora roubou esse dinheiro?

-Se não foi alguém de fora, então é alguém daqui. As únicas pessoas com acesso a conta somos eu, você, Cecília e Brooke.

-Brooke não faria isso. E eu sei que a Cecília também não.- ele pensou um pouco -Tire um tempo pra almoçar. Vou dar um jeito nisso.- ele se levantou

-Não vai almoçar?

-Perdi a fome. Peça pra Alice não passar os meus recados, também não marque nenhum compromisso pra essa tarde e desmarque os que houverem.

-Onde você vai?

-Pro banco. Não são cem dólares, Zoey. São cem mil.

-Toma cuidado.

-Pode deixar.- ele me beijou antes de se afastar -Vejo você em casa.


-x-


Eu estava literalmente quebrando a cabeça com as pilhas de papéis na minha mesa. Ainda faltavam duas horas pro fim do dia de trabalho, e o tempo parecia se arrastar pra isso.

-Zoey?- Alice entrou em minha sala -Trouxe alguns pãezinhos pra você comer. Optei por suco já que não é recomendado café na gravidez.

-Deixa eu adivinhar, obra do Andy?- ela riu

-Só come alguma coisa, tá? É a minha cabeça que está em jogo.

-Obrigada, Alice.

-Se quiser mais alguma coisa é só avisar.

-Tá bom.

-Ah, antes que eu me esqueça, Ian Houston ligou e pediu pra avisar o Andrew que está vindo pra Nova York.

-Ian Houston?

-Ele é do grupo da França, você deve conhecê-lo.

-Esse não é o irmão da Norma?

-Isso mesmo.

-E o que ele vem fazer aqui?

-Ah, checar como estão as coisas após a fusão, blá blá blá. Aquela graça toda pro conjunto de lá.

-Você não existe, Alice.

-Não esqueça da consulta de amanhã.

-Ah meu Deus.

-Pois é, e o Andrew quer ir junto.

-Ah meu Deus em dobro!

-Qualquer coisa é só chamar.

-Tudo bem, obrigada, Alice.


-x-

Eu podia ouvir os gritos da sala. O escritório ficava no andar de cima, próximo ao quarto, mas mesmo assim, eu escutava perfeitamente Andrew esbravejando com alguém.

Deixei a bolsa no sofá e subi as escadas pra saber do que se tratava, e após entrar cuidadosamente no escritório pude ver Norma na tela do notebook, discutindo a respeito do dinheiro que sumiu.

-...eu não sei porque ainda perco meu tempo discutindo com você. Nem o seu cargo de presidente tem mais.- ela cruzou os braços e encostou na cadeira

-Tá querendo brincar comigo? Já aviso que não é uma boa hora.

-Onde está sua noiva? Ela devia estar se preocupando com isso. É trabalho dela saber o que acontece na empresa.

-Quer falar comigo?- eu me aproximei da tela -É só me dizer se sabe de alguma coisa, mas não fique pensando que eu saio de casa pra esquentar minha cadeira, Norma.

-Não me leve à mal, Zoey. Eu só acho que Andrew precisa se acalmar um pouco. Eu não posso resolver nada da noite pro dia. Ele conseguiu a informação de que o dinheiro foi retirado de alguém daqui, mas logo em seguida depositado numa conta em Vegas. Não tenho nenhum poder paranormal pra adivinhar quem foi, estamos trabalhando nisso mas...

-Mas nada, Norma!- ele esbravejou -É a segunda vez que isso acontece, e da primeira eu larguei de mão porque não queria mais problemas.

-Na verdade você estava ocupado demais se aventurando.

-Eu vou te dar até amanhã pra me dizer quem foi. Não tem poderes paranormais? Dê o seu jeito. Não é assim que você sempre fez? E é bom voltar com boas notícias.

Ele desligou a chamada e ficou um tempo encarando a mesa. Ainda usava as roupas de quando saiu pra trabalhar, e eu duvidava que tivesse tirado pelo menos dez minutos pra comer alguma coisa.

-Eu tô exausto de tudo isso.

-Nós vamos resolver tudo.

-Não, Zoey. Não é só disso que tô cansado. É tudo! Meus pais, a empresa, toda essa merda por fora, Nathaly, Norma, tudo. Às vezes eu tenho vontade de jogar tudo pelos ares e ver o que acontece.

-Vai ficar tudo bem. Com os dias passando certas coisas vão ficar pra trás.

-Conversei com os meus pais nesse meio tempo que tentava resolver a questão dinheiro que sumiu.- ele ficou em silêncio por um tempo antes de continuar -Não sei mais o que fazer, Zo. Minha mãe foi mesmo envenenada pelas mentiras da Nathaly e...

-E ela não quer me ver nem pintada de ouro. Não posso culpá-lá. A Nathaly parece mesmo um anjo quando usa a máscara.

-Acontece que eu cansei de viver pelos outros. A minha vida inteira foi pra agradar os meus pais. Eu assumi uma empresa na qual eu não queria nem estar, e quando achei alguém pra passar a bola tive que voltar às pressas porque o meu pai tava farto do próprio trabalho.

-Entendo você, querido. Mas nós vamos dar um jeito nisso. Nós vamos manter o plano de conversar com seus pais e abrir o jogo.

-Ela não vai entender, Zoey.

-Aí já não é mais problema nosso, Andy. Nós sabemos o que acontece aqui, quando somos só nós dois. As opiniões de fora não fazem mais diferença pra mim.

-Eu vou tomar um banho e deitar um pouco. Esse dia foi um saco e eu quero muito descansar.

-Tudo bem, vou preparar algo pra gente comer.

-Tá.


Ele saiu sem pressa do escritório, pegou o caminho até o quarto. Eu conseguia sentir o quanto ele estava preocupado, em como as coisas pareciam pesar em suas costas. Por isso estava decidida a falar com Amy sozinha e tentar amenizar as coisas.


Notas Finais


Então é isso. Espero que tenham gostado.
Beijos :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...