1. Spirit Fanfics >
  2. Secret Door >
  3. CAPÍTULO 02

História Secret Door - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Tenham uma boa leitura!

Capítulo 2 - CAPÍTULO 02


Fanfic / Fanfiction Secret Door - Capítulo 2 - CAPÍTULO 02

Como é que algumas vezes, ao sermos afastados de algumas coisas, ficamos ainda mais próximos delas?

- Coraline e o Mundo Secreto

Encarei a chave em minhas mãos e a porta pequena em seguida. Fiz isso algumas vezes antes de suspirar e apertá-la entre meus dedos.

- Mais que merda... - praguejei e fiz uma careta. - Mais que coisa mais bizarra. To me sentindo num filme.

Me aproximei da porta e a observei. Com a mão um pouco tremula eu a destranquei e a abri rapidamente, encarando a passagem pequena com as luzes roxa e rosa. Só que eu notei algo que não estava ali antes. 

Era um post-it azul, grande demais para um post-it. Tinha algumas coisas escrita nele e peguei o papel que estava colado na porta com cuidado, para não rasgar. Aquilo não estava ali antes, ou eu não havia percebido?

Encarei o papel que tinha uma caligrafia simples, como se alguém tivesse escrito a mão a mensagem ali. 

" Nunca, nunca abra aquela porta. As coisas não serão mais as mesmas. "

Para você conseguir lidar com essa porta, haverá de saber algumas coisas:

1- Só você pode ver a porta, mas outras pessoas poderá ver caso você fale a palavra: porta secreta.

2- Quando você passar para o outro lado, não estará mais em um lugar conhecido por você, e muito menos em um lugar que fale o mesmo idioma que você. 

3- Para conseguir se comunicar com as pessoas do outro lugar, você terá de abraçar o dono da casa a qual a porta te levou.

4- Não conte sobre a existência dessa porta para todos, apenas para pessoas confiáveis. Essa porta foi até você por um motivo, unir seu destino com a pessoa que está destinada a você. É seu destino. Não tente impedi-lo.

 

Encarei o post-it sem fôlego. Destino? Quer dizer que a casa que a pequena porta me levou, é da pessoa que estou destinada? Meu deus. Eu preciso ir a um psiquiatra. E rápido.

Destino? Não existe destino, tudo acontece absolutamente por acaso. Mas dizer que uma porta pequena que nunca esteve ali, que emanava uma luz roxa e rosa, que me leva em algum lugar no mundo que eu não sei qual é, que não fala o mesmo idioma que eu. E que a casa a qual a porta me levou é da pessoa que estou destinada, não é nada sensato dizer que é acaso.

Ah, estou confusa. Eu preciso descobrir mais sobre isso. Parece ficção. 

Eu preciso atravessar a pequena passagem novamente e ir até a outra casa. Eu preciso saber o que está acontecendo. Por que isto não parece acaso. É surreal. 

Respirei fundo e comecei a fazer o caminho, e quando abri a porta para o lugar a qual eu não sabia aonde eu ficava. Na casa luxuosa. Fechei atrás de mim. 

Sai do quarto e olhei em volta, estava silêncioso. Talvez não tenha ninguém em casa. Parecia ser de manhã. Caminhei pela casa a procura de pistas. Alguma coisa que fizesse eu identificar aonde eu estava. Mas não achei nada.

Ouvi um barulho de tranca, e uma músiquinha tocou brevemente. Como um sinal de que a porta havia sido aberta e fechada. Deve ser o som daquelas portas que tem de saber a senha para abrir. 

Segui o som e vi um vulto alto de alguém, o homem da última vez. Estava com uma blusa preta, e com um brinco em uma única orelha. Usava uma calça jeans azul com rasgos no joelho e sapatos pretos. Ele era muito bonito. 

Me aproximei devagar, ficando a poucos metros dele. Ele estava de costas, parecia mexer em algo que estava na bancada da cozinha. Ele era muito alto, e tinha ombros largos. Fiquei encarando suas costas até que ele se virasse e paralisasse no lugar ao me notar. 

Ficamos nos encarando por breves segundos, até que eu descido quebrar o silêncio e tentar falar alguma coisa. Mesmo eu sabendo que ele não entenderia uma sequer palavra que eu irei dizer.

- Então... - comecei a dizer. - Eu, sabe...

O homem continuou me encarando, como se tentasse similar o que estava acontecendo. É cara, eu também estou tentando similar o que está acontecendo. 

Ai eu lembrei do post-it que estava grudado na porta, umas das regras dizia: Para conseguir se comunicar com as pessoas do outro lugar, você terá de abraçar o dono da casa a qual a porta te levou.

Eu precisava abraça-lo, puta merda. Eu tinha mais ou menos 1,70 de altura. Não era baixa. Mas mesmo assim ele era bem mais alto que eu. E além do mais, imagina uma estranha aparecer em sua casa e avançar contra você o abraçando? Eu surtaria. 

Dei um passo em sua direção, prestando a atenção em sua reação. Alevantei as mãos para cima em sinal de rendição e na tentativa de lhe mostrar que eu não faria nada de mal consigo, e nem o machucaria. 

Me aproximei mais e mais e quando fiquei a poucos centímetros de seu corpo, de modo excitante, eu o abracei. E senti seu corpo ficar rigído e paralisado. Fiquei assim, o abraçando por algum tempo, e quando o soltei. O homem estava com o olhos arregalados e a boca entreaberta. Me afastei um pouco, para que conseguisse encarar seu rosto com mais facilidade. 

- Me desculpe por isso.. - comecei a dizer e senti seu olhar se prender em mim, agora com o rosto mais carregado em surpresa ainda. - Eu tive que fazer isso.

- Eu... Eu consigo te entender.

O encarei e arregalei os olhos. Puta merda. Funcionou. Que magia negra da porra. 

- Então... - fiz uma careta. - Realmente funcionou. 

- Quem é você?

Eu ainda estava na casa de um desconhecido, num lugar desconhecido. E com um simples abraço eu comecei a falar o idioma ou língua dele. Eu praticamente tenho de ir num psiquiatra. 

- Eu sou a S/n - me apresentei e estendi a mão. - Eu não sei aonde estou, e não sei o que está acontecendo. Vai por mim, estou mais confusa que você. Mas eu posso explicar o que eu sei. 

- Sente-se no sofá - apontou para a sala atrás de mim. - E não saia de lá.

Apenas concordei e caminhei em passos rápidos até o sofá, e me sentei relaxando. O sofá era enorme, e extremamente macio. 

Fiquei encarando o nada por um tempo, apenas esperando o homem de cabelos pretos e bela aparência voltar. Quando ouvi sua voz e seus passos se aproximando, o encarei, vi que estava fazendo uma ligação, e não demorou muito para que voltasse sua atenção para mim. 

- Vai chamar a polícia? - perguntei relutante. 

- Ainda não - diz e eu suspirei concordando. - Alguns amigos meus estão vindo, e espero que você colabore. 

Eu apenas concordei novamente, afinal, eu o entendia. Uma pessoa simplesmente aparecer em sua casa e logo depois sumir, e do nada, aparecer novamente. É muito suspeito. Apenas tentei ficar calma, e rezar para que não desce nenhuma merda para o meu lado. 

────────────────────────

- Quem é você?

- De onde você é?

- Como some e aparece do nada?

Encarei os sete rapazes a minha frente e suspirei, coçando a nuca antes de respirar fundo e os encarar novamente. Pensando em alguma resposta que fizesse sentido. 

- Eu sou a S/n, sou do Brasil - comecei e vi os olhares curiosos dos mesmos. - E o jeito como eu desapareço e apareço é meio bizarro. 

- Como meio bizarro? - o dono da casa, a qual eu ainda não sei o nome, assim como de seus outros amigos me perguntou. - Espero que fale algo que faça sentido. 

- Eu também... - murmurei. 

Eu não sabia como falar. Eu não sabia como explicar. Eu praticamente estava encrencada. Eu deveria ter ignorado a presença daquela porta pequena e misteriosa, mesmo que fosse impossível. Talvez eu não estaria na enrascada que estou agora. 

Me lembrei das regras, e principalmente dá que eu não poderia falar para Deus e o mundo sobre a porta. Mas acho que contar apenas para esses rapazes, não terá problema. Eu não tenho escolha. 

- Preciso que venham comigo - me alevantei e vi os mesmos fazerem o mesmo que eu. - Relaxem, eu não irei fugir. 

- Assim espero. 

Comecei a caminhar calmamente pela casa, com os sete ao meu encosto. Quando cheguei naquele quarto reserva encarei os meninos mais uma vez, prestando mais a atenção no no dono da casa, dono de lábios carnudos e ombros largos, e beleza exuberante. Vi que ele arqueou a sobrancelha quando coloquei minha mão na maçaneta e abri a porta. 

Entrei e logo de cara coloquei meus olhos na porta colorida que estava fechada, mas que mesmo assim, as cores roxa e rosa saiam de dentro de si. Os garotos começaram a procurar algo pelo quarto, e prenderam a atenção no canto do quarto a qual eu estava encarando. 

- O que está encarando? - perguntaram. - Não tem nada aqui. 

-Na verdade tem, mais do que os seus olhos podem ver - os encarei, e a palavra chave em minha mente apareceu. - Porta secreta. 

Vi a cara de confusos nos rapazes se transformarem em surpresos. Eles podiam ver a porta agora, assim como eu. 

- Como isso... - o dono da casa começou a dizer. - Como isso foi parar ali? Ela nunca esteve ali!

- Eu sei - senti sua atenção ir até mim, assim como os dos outros rapazes, que até neste momento estavam quietos. - Essa porta apareceu do nada na minha casa, e eu vivo nela a muitos anos, e sei melhor que ninguém que ela nunca esteve lá. 

O garoto olhou para mim, e depois a porta. E fez isso algumas vezes até eu voltar a me pronunciar novamente.

- Essa porta apareceu do nada na minha casa, quando eu a abri - caminhei até a porta e a abri  fazendo com o que o pequeno túnel fosse mostrado a eles. - Atravessei esse pequeno caminho neste túnel meio bizarro, e vim parar aqui. Em sua casa.

- Isso é impossível... 

- Vai por mim, eu também estou a ponto de ter um colapso - suspirei e deixei a porta aberta. - Eu não como isso está acontecendo, e por que está acontecendo. Mas eu encontrei enquanto eu atravessava o túnel para chegar até aqui, um post-it, que continham algumas informações. E uma delas dizia: Não conte sobre a existência dessa porta para todos, apenas para pessoas confiáveis. Essa porta foi até você por um motivo, unir seu destino com a pessoa que está destinada a você. É seu destino. Não tente impedi-lo.

- Destino? Você só pode estar brincando - riu soprado. 

- Eu realmente iria adorar que isso tudo fosse apenas uma brincadeira, mas pelo que eu vi, não é - me sentei na cama de casal que havia no quarto, vendo alguns dos rapazes fazer o mesmo, murmurando coisas como: isso é loucuraestamos ficando loucosacho que aqueles pé de galinha apimentada estava apimentada demais, e está nos fazendo delirar; - Mas eu tenho uma única pergunta neste momento. 

- E qual é?

- Aonde eu estou?

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...