História Secret Truths - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Styles, One Direction, Selena Gomez, Zayn Malik
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Personagens Originais, Selena Gomez
Tags Harlena, Harry Styles, Jogo, Revelaçoes, Romance, Selena Gomez
Visualizações 128
Palavras 4.208
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Fantasia, Magia, Mistério, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OIIII, não disse que voltava LOGOOOOO, posso não ter voltado tão rápido, mas voltei o mais rápido que conseguiu e já avisando que a FIC terá mudanças, começando pelo primeiro capítulo, quem já leu vai identificar as mudanças, quem não leu só aproveitem, ainda que o capítulo esteja DESTRUIDOR, essa FIC terá uma carga gramática muito forte em cima da Selena, mas também do Harry, não julguem nada, por enquanto.

Gostei de ver leitores antigos aqui, também fiquei feliz com novos leitores, sejam todos bem-vindos, meus amores e não sei ainda dia certo de postagem, vocês preferem sábado/domingo?

Cada capítulo terá uma música como base, pra o primeiro capítulo temos: For You (feat. Liam Payne) Rita Ora, essa música é um HINO e super combina com o capítulo.

Esse banner ficou a cara do capítulo, até parece uma cena de uma série, (nem sou exagerada), mas eu amei, amei muitíssimo.

P R E P A R A D O S???

Boa leitura, meus amores!!!

Capítulo 2 - Chapter One


Fanfic / Fanfiction Secret Truths - Capítulo 2 - Chapter One

C H A P T E R || O N E

23 de Março de 2013, São Francisco, Califórnia;


Em seus olhos, estou viva
Por dentro, você é lindo
Algo tão incomum
Em seus olhos
eu sei que estou em casa

— Mas, por quê?

Ela não conseguia articular palavras em sequência, tampouco insinuações a respeito do ocorrido, nada fazia sentido até então.

— Não temos tempo para descobrir o porquê dessa tentativa de homicídio, mas... Selena eu tenho algumas suposições a respeito. — Ela estava tremendo, entretanto, não era por causa do clima ameno, mas pelo medo, afinal, atentaram contra a sua vida, não estavam para brincadeira, realmente. — Tenho uma boa ideia. — Harry já estava com o celular na mão e discou o número de um amigo da polícia local. Ele expôs o problema à Liam, o amigo em questão e o mesmo informou que seria importante que eles não mexessem em nada e que ele precisaria tanto da caneca, quanto da cafeteira e seu conteúdo para análise, bem como o pacote de café.

Ele aconselhou a Harry que deveria comprar um modelo idêntico da cafeteira, assim substituindoa, para que não desconfiassem de nada. Liam providenciaria tudo. Ele subiria pelas escadarias, para não levantar suspeitas e processaria a cena de acordo, levando consigo a cafeteira nova.

Irritado com o rumo que a situação estava tomando, ele, ainda com o celular entre dedos, discou às pressas para o possível responsável pelo atentado:

— Mandei que ficasse longe dela, por que diabos você tentou matá-la? — ele berrava para quem quer que estivesse do outro lado da linha telefônica, sem se importar com a presença da namorada que seguia com feições assustadas, seu olhar era de pânico. — Responde desgraçado, ou eu sou capaz de...

— Não seja tolo, sabe que eu não seria capaz de trair sua confiança pequeno, Harry, está atacando a pessoa errada.

— Eu não entendo...

— Pense, quem se beneficiaria com a morte da sua garota?

Os pensamentos dele eram confusos, inconclusivos. A única pessoa que pensou ser responsável pelo atentado estava alegando inocência e apelando para seu raciocínio lógico. Era como se nada mais fizesse sentido aquela altura.

Medo.

Ele sentia medo, agora, não ousaria a demonstrar o quanto sua mente estava trabalhando contra ele, olhar fixamente para Selena e ver o quanto a garota que ele amava, não ajudava em nada.

Encerrando a chamada, ele se dirigiu à ela. Elevou as mãos até seu rosto, desdenhando os lábios com os polegares, massageando as maçãs faciais em seguida e terminando com as mãos em seus cabelos. Gostava tanto daquele rosto; poderia jurar que Selena Gomez era a garota mais bonita de todo o estado da Califórnia, aliás, do mundo todo.

— Você é a garota mais bonita do mundo, sabia?

Ela soltou um sorriso nasalar, meio desconfiada e enlaçou os braços em volta de seu pescoço.

— Com quem falava no telefone, Harry?

Aquela pergunta foi o bastante para que ele se afastasse dela e passasse a encarar os próprios pés. Sabia que aquela conversa seria difícil, só não imaginou que seria tão doloroso deixá-la, já que consuistar seu afeto fora uma verdadeira batalha e troca de farpas, além de suportar todo cinismo que aquele ser de semblante angelical conseguia sustentar em uma única conversa.

Selena Gomez era incrível, em todos os sentidos da palavra, pra Styles, isso era indiscutível.

— Sumirei por algum tempo. — ele começou, experimentando olhá-la por um longo instante; ela, por sua vez, virou-se na direção contrária e inalou abruptamente. Aquelas palavras lhe doíam até a alma, realmente não queria ouvi-las.

— Você já disse isso tantas vezes que eu tentei me acostumar com a ideia de não ter você do meu lado, só quero saber quanto tempo ficara fora da cidade dessa vez. — tentava controlar suas emoções, não queria desabar emocionalmente, ao menos, não faria isso diante dele que seguia quieto, calado, seu olhar estava distante, ainda que seu corpo estivesse tão próximo. Mantendo-se absorta, Selena se aproximou dele, tocando seus ombros com as pontas dos dedos. — Quanto tempo? — indagou-lhe com calma, fingindo desinteresse pelo assunto. Ela queria ser forte o bastante para ignorar aquela situação, entretanto, estava ruindo como um castelo de cartas exposto ao vento. — Quanto tempo, Harry Styles?! — insistiu explosiva, finalmente olhando para ele.

— Tempo suficiente para que possa me esquecer, e principalmente: esquecer tudo o que descobriu sobre mim. — lançou-lhe um olhar frio, averiguando-a e caminhou até a janela do quarto, impondo uma distância ainda maior entre os dois. — Faço isso para sua segurança, aliás, sua e dos seus pais.

— Não quero que vá.

Ela realmente não queria que Harry Styles fosse embora dessa vez, sabia que seria definitivo, estava escrito em seus olhos.

— Não dá pra ficar aqui e correr o risco de que machuquem você, tenta entender isso, por favor. — argumentou enfático, deixando a outra ainda mais irritada, como se sua tentativa de justificar suas ações não fosse vista como tal. — Não aja como a garota mimada e arrogante que sempre foi, Selena, achei que tivesse mudado.

Ela bufou de raiva.

Selena encarava aquelas palavras como uma provocação, estava cega o bastante para não perceber a tentativa do outro de mantê-la a salvo, mesmo que precisasse salvá-la de si mesma. Só queria que tudo acabasse logo, ou que as coisas continuassem como estavam antes da tentativa de envenenando.

— Olha, Harry, — Selena estendeu os braços virados para cima em sua direção e ele se aproximou sorrateiro, abismado. — Parei de me automutilar no momento em que você me pediu, também deixei de ser a garotinha mimada do papai, até deixei de andar com a gangue do Josh por sua causa e não me sinto preparada pra ver você ir embora novamente e eu sei que não vai voltar dessa vez

Antes de começar a namorar Harry Styles, Selena era a típica patricinha californiana de família rica e imponente, acostumada a ter tudo quando e como queria, com um ônus por ser filha de agentes da Interpol, ainda que isso não tenha sido o suficiente para mantê-la longe das más influências. Aos 15 anos começou a se mutilar, de cortes superficiais a cortes profundos o suficiente para lhe matar nos pulsos; ainda tinham as drogas que sua amiga, Sky Foster a apresentara, começando por LSD, depois êxtase e, por fim cocaína.

Ela se sentia pressionada pelos pais para ser a garota perfeita, modelo a ser seguido, por isso, agiu justamente o oposto para confrontá-los, mas isso mudou naquela noite, quando ela o conheceu, sem saber que o homem de semblante angelical era filho de Anne Styles, inimiga declarada de Lilian Gomez, sua mãe.

— Lembra da noite em que nos conhecemos?

— Sim, Selena. — ele caminhou em direção a janela entreaberta do quarto, ficando de costas. — Estava tão bêbada que pensei que entraria num coma alcoólico, vomitou no meu carro e quando acordou, na manhã seguinte, você me deu um soco e me ameaçou com uma faca que encontrou na cozinha do meu apartamento.

— Ainda assim você decidiu que seríamos amigos e sempre que eu sentia vontade de beber ou me drogar, era você que eu procurava, sempre. — ela seguiu para junto dele e o abraçou por trás, descansando a cabeça em seus ombros largos. — Foi por você que eu mudei, Harry, querendo ou não, sua atenção, afeto... — as palavras se perderam, dando espaço para as lágrimas que imundavam seu rosto. Bem, ela já havia segurado o choro por tempo demais, se sentia sufocada, não fez aquilo para comover Harry, ele sabia disso. — Intencionalmente ou não, você me salvou da ruína e não quero que vá embora.

— Selena, eu não posso ficar. — insistiu em sua decisão e viu ela se afastar de forma abrupta, até parecia irritada. — Precisa entender que nem tudo tem que ser como você quer... Como queremos.

— Tudo bem... — riu com ironia e sentou-se em sua cama. Seus olhos estavam ardendo, porém, ela recusava-se a chorar mais, não queria demonstrar fraqueza, não diante a ele.

Harry estava a um passo de contar toda a verdade para a garota, quando, Liam entrou no quarto, deixando-os incrédulos de sua agilidade, passaram-se apenas alguns minutos desde a ligação. Selena estava preocupada com seus pais, sendo assim, caminhou até as escadas para certificar-se da integridade de ambos. Eles continuavam conversando na sala. Isso deixou-lhe intrigada. Afinal, Liam era invisível ou o quê?

— Como... Como você passou pelos meus pais sem...

— Foi fácil, apenas me presentei como seu novo namorado e eles permitiram a minha entrada na casa. — esclareceu como se aquela fosse a melhor desculpa do mundo e começou a estudar o quarto com cautela, qualquer detalhe despercebido poderia pôr tudo a perder. — Entretanto, antes de subir, passei por um pequeno interrogatório e seu pai disse que não posso ficar no seu quarto por mais de 15min, acho que ele pensa que nós...

— Já entendemos, Liam. — disse Harry, cortando o amigo tagarela e alternou a atenção entre Selena e o amigo que revirava os olhos pra ele e seu pudor exagerado.

— Harry, me esclareça tudo que aconteceu enquanto estava aqui com ela e não me omita detalhes, por menos relevantes que possam parecer. — disparou com o olhar alternado entre ambos e sinalizou com os olhos pra que fossem para o outro lado do quarto, assim teriam mais liberdade para conversarem.

Afastaram-se de, Selena e ela sentou-se em sua cama. Liam começou uma verdadeira varredura no quarto de Selena. Harry estava impaciente e caminhava de um lado para o outro. Seus pensamentos eram inconclusivos. Seus medos estavam mais próximos e suas "verdades secretas" mais acessíveis. A palavra "medo", lhe definiria perfeitamente. Tudo estava fugindo de seu controle.

— O resultado da análise sai em dois dias no máximo, levarei as amostras pessoalmente e entregarei a Dra. Clifford que é de minha inteira confiança. — informou, Liam, tirando o amigo dos seus devaneios nocivos. — Harry, depois preciso conversar com você á respeito da... — nesse momento, o outro sinalizou com a cabeça e brecou o amigo rapidamente. — Me procure no meu apartamento e conversarmos mais abertamente, também não precisa se preocupar com seus pais, certamente não direi nada sobre o que aconteceu aqui. — dito isso, Liam foi embora, levando consigo a garrafa juntamente com a caneca, onde estava todo o conteúdo café.

Sozinhos novamente, Selena direcionou-se à Harry, mas ele estava distante e não só fisicamente.

— Harry, eu...

— Você realmente não entende, — murmurou tristonho e inalou fechando os punhos. — virão atrás de você. Irão caçá-la como um animal qualquer e nao terão compaixão, Selena. — depois de observá-la por bastante tempo com os olhos semicerrados, ele voltou a falar: — Não estou preparado para te ver morrer, pois é exatamente isso o que acontecerá se eu ficar e por mais que isso nos machuque, é o que precisa ser feito. — concluiu insatisfeito, direcionando-se a ela com cautela. Uma vez próximos, o homem segurou as mãos de Selena, beijando-as com destreza.

— Harry, eu sei quem eles são e o que você é, mas eu não me importo... Meu amor, se for preciso, eu enfrentarei meus pais e os seus. — contrapôs, evidenciando sintomas de irritabilidade em sua face desprovida de cor. — Não posso ser tão descartável na sua vida... Posso? — questionou enraivecida e o silêncio se abateu entre os dois. Talvez a resposta dele tenha se perdido ou não houvesse uma em mente, limitou-se a contempla-la. — Você estava disposto a me levar pra seu país e viveríamos juntos lá, lembra?

— Me perdoa, mas isso já não está em minhas mãos, não mais, desculpa se não sou o fodido babaca que você tanto quer, não vou optar por nossa felicidade agora e viver com medo de que te machuquem a qualquer momento pra me atingir. — Interpôs ávido, sussurrando-lhe em meio a um abraço sufocante, ambos não queriam pôr um fim naquele ato, até então era o mais íntimo entre os dois. — Em um mês tudo será esquecido por você, embora isso me machuque de forma cortante, não quero que sofra por achar que foi abandonada pelo cara que julga amar, porque eu te amo e isso é o suficiente pra que eu abra mão de ser feliz com você em nome de algo maior que nós.

— Mas, Harry, eu...

— Não se lembrará de mim, Selena, isso é fato. O pouco que restará em sua memória será o suficiente para que me queira longe e você vai querer isso quando souber toda a verdade sobre mim e minha família. — afirmou incessante, seus longos dedos deslizavam por sua face endurecida pela ira. Suas afirmações eram absurdas e até então, incompreendidas pela garota, que se mantinha-se em silêncio com os olhos vidrados. — Se tudo ocorrer bem, voltaremos a nos ver em breve, eu prometo. — replicou, atrevendo-se a beijá-la pela primeira vez, em seguida.

Permitiu-se explorar sua boca com desejo, provando cada espaço; deslizando as mãos por toda a extremidade do seu quadril à amostra; beijava-lhe sofregamente, parecia devorá-la. A combustão natural dos corpos era sensacional. O beijo era uma forma de conectá-los definitivamente, para Harry que sabia após aquilo, jamais a esqueceria, e durou o bastante para deixá-los ofegantes e satisfeitos. Suas respirações estavam ritimadas.

— Isso é tudo... O suficiente pra que nunca te esqueça, meu amor. — murmurou ofegante, pressionando seus ombros com as mãos espalmadas. — Por enquanto, isso precisa ser tudo entre a gente e voce deve saber meus motivos. Lembre-se que faço isso em nome dá sua segurança, querida. — enfatizou e um minuto depois havia sumido do quarto como magia, deixando uma, Selena Gomez desiludida para trás.

***

Passaram-se dois meses desde a última vez em que ela o viu, mas tudo continuava nítido em sua mente. Já havia anoitecido, apagaram-se as luzes em, São Francisco, mas, Selena não conseguia dormir. Ela estava deitada sobre o chão gélido e áspero do seu quarto sombrio.

Ele refletia com perfeição sua atual personalidade, tão vazio quanto ela. Seu pai não era mais seu confidente, já não podia ouvir suas lamúrias, e sua mãe? Bom... Ela gritava ao telefone no quarto ao lado. Havia lágrimas em seu rosto pequeno e perfeitamente desenhado.

Seu pulso estava fraco e seus olhos teimavam em querer descansar, todavia, ela insistia em permanecer acordada, pois tinha medo de sonhar com ele... Com seus olhos... Seu corpo. Tudo que ela queria, era estar só e exilá-lo dos seus pensamentos, algo terminantemente inútil, já que, ele estava preso à sua alma e dentro dela, como ninguém mais esteve antes.

Seu pesadelo estava mais real, agora. Ela escutava sua voz ecoando em seu subconsciente instável e chorava continuamente.

"Não se iluda, nada é por acaso."

"Fique longe de mim... não sou o melhor para você.”

"Você foi apenas mais uma na vida dele, querida!"

"O amor verdadeiro só existe em livros, Selena."

Já não podia controlar suas emoções, na verdade, nunca pôde, entretanto, agora, isso estava nítido para ela. Seu pensamento voava desinteressadamente e encontrava o seu. Ainda fraca, ela caminhou em direção ao telefone, em uma última tentativa de consertar algo... Algo perturbador. Não houve retorno, não havia esperanças... Não havia mais nada para, Selena Gomez, além de uma tenebrosa solidão. Provar do seu próprio veneno estava lhe destruindo... Bem mais do que ela poderia prever.

Apaixonar-se por, Harry Styles parecia algo absurdo e proibido, entretanto o "errado", sempre foi mais atrativo para a californiana de costumes noturnos e indisciplinados, sendo assim, o inimigo declarado da sua família, parecia à vítima ideal para mais uma das suas conquistas, mas só parecia.

Mexer em um passado intocável foi o seu maior erro. Em decorrência do trabalho da sua mãe, a jovem vía-se obrigada a mudar de país. Estava tudo preparado para a mudança. Embora não quisesse se desapegar das lembranças e pessoas daquela cidade, ela tinha convicção que era o melhor a ser feito, já que, Harry havia sumido como lhe antecipara meses atrás.

Com grande melancolia, e ela despedía-se do seu antigo quarto, o observara como se quisesse retê-lo em sua memória. Realmente viveu momentos bons ali.

— Seja forte, Selena, nem tudo é tão ruim quão parece ser, minha querida e quando se der conta, já estará familiarizada com o novo país. — murmurou seu pai, pressionando os seus ombros. Demorou alguns instantes para que a garota percebesse a presença do homem ao seu lado no cômodo. Estava completamente anestesiada. — Tudo bem com você? — seu pai indagou, cuja pergunta tinha uma finalidade oposta ao que parecera, na verdade ele gostaria que ela estivesse bem, embora soubesse que as coisas eram bem mais complicadas.

— Eu vou sobreviver, papai. — respondeu com um meio sorriso e no mesmo instante o homem de estatura mediana, envolveu a garota em seus braços com bastante força. — Vai acabar me matando, pai e sua garotinha está muito jovem pra morrer. — reclamou com falsa indignação e tentou desvencilhar-se dos braços do seu pai, como a boa menina mimada que sempre fora.

— E a mamãe que nao quer ser chamada de mamãe, onde a tirana narcisista está? — questionou indo para frente do espelho e fez um rabo de cavalo, disciplinando-os, mantendo as madeixas sob controle.

— Lilian está terminando de se arrumar, você sabe como ela é, sempre preocupada com a própria aparência acima de todas as coisas. — informou bem-humorado e pegou as últimas malas da filha que seguia em frente ao espelho, tão desanimada quanto nos dias anteriores, aliás, ela não estava bem desde a partida de Harry e não saber se ele voltaria, deixava-lhe ainda pior e mais insegura de si mesma.

— Podemos ir de uma vez? — questionou frustrada e tentando não olhar para o teto. Seu coração estava menor, agora. Lembrar do abandono dele a deixava péssima ao ponto de querer por fim na própria vida, entretanto, apenas pensar no sofrimento do pai deixava-lhe culpada.

Aquela noite já não lhe importava mais, Selena só queria ir embora o quanto antes. Logo se despediu de todos os seus amigos e juntamente com seus pais, rumou para o aeroporto central de São Francisco. Sua mãe parecia irritada com algo. Seus olhos transbordavam raiva, mais uma vez o ciúme fazia-se presente no casamento.

Selena sentiu o celular vibrar no bolso do suéter, ao desbloquear a tela do IOS, constatou várias mensagens de um número que ela definitivamente não conhecia. Elas diziam:

Selena, não pode viajar nessa noite, peça que seus pais cancelem a ida para o aeroporto, por favor.

Harry, é você?

Ela clicou "enviar" e esperou por uma resposta, estava tão feliz com o fato dele aparecer que não se deu conta do perigo que estava correndo.

Sim. Onde vocês estão?

Estamos a um quarteirão do aeroporto. Por quê?

Pede pro seu pai parar no acostamento agora e me espera que eu estou chegando aí em meia hora no máximo.

— Pai, pode parar o carro no acostamento, por favor? — ela pediu, chamando a atenção dos pais para si.

— Não para, precisamos embarcar em alguns minutos e eu não posso perder esse voo, porque Selena decidiu chamar nossa atenção no pior momento possível. — protestou, Lilian, visivelmente irritada com o pedido da filha.

— Mas, Lilian, eu...

— Cala a boca, garota estúpida. — berrou alterada, fazendo a filha se arrepender de ter aberto a boca. — Não estou com paciência pra atuarar seus chiliques hoje, pode controlar sua boca até chegarmos no aeroporto?

— Não precisa falar assim com a garota, Lilian. — o pai de Selena resolveu interceder pela filha que agradeceu com um sorriso apagado e se encolheu ainda mais no banco. — Chegaremos no aeroporto logo, Selena e lá você me contará por que está tão nervosa e apreensiva.

— Tudo bem, pai.

Chovia fortemente, a visibilidade era mínima e por vezes os freios do automóvel não obedeceram aos comandos de seu pai. O asfalto estava escorregadio demais e juntamente com os buracos, faziam o carro chacoalhar por inúmeras vezes. Selena estava com um olhar fixo para o nada e ignorou algumas chamadas em seu celular de um número privado, não era o mesmo das mensagens que Harry mandara. Cansado do clima tenso, seu pai pressionou as mãos fortemente no volante e não contendo sua raiva, o homem soltou um palavrão e em contrapartida, mãe e filha, envolveram-se em seus próprios braços.

Sua cabeça latejava e parecia está prestes a explodir. Manualmente, seu pai aumentou a velocidade do automóvel. O céu estava escuro e encoberto por nuvens. Podiam-se ouvir os estrondosos barulhos provocados pelos trovões. Já estavam a apenas alguns metros do aeroporto, quando ao desviar de um carro, que vinha na contramão, ele perdeu o controle do automóvel. O carro capotou por diversas vezes e para o desespero da garota, seu pai foi jogado violentamente para fora mesmo, enquanto ela estava presa ao sinto de segurança e com o carro prestes a pegar fogo, apavorou-se, ainda mais.

Por sorte, Selena recebeu ajuda da sua mãe e ao libertar-se daquele infortúnio, tentou correr em direção a seu pai, que estava desacordado, entretanto, não pôde mover seu corpo. Uma de suas pernas havia se fraturado com o impacto da queda, a dor era lancinante, quase insuportável. Atordoada, a jovem elevou uma das mãos ao seu rosto e sentiu algo molhado em sua face, quase teve um surto ao ver que se tratava de sangue. A movimentação em torno do seu pai era intensa, ouvia algumas especulações e com ajuda, Selena conseguiu chegar até ele, que estava desacordado e seus batimentos cardíacos estavam lentos demais.

Gritou por ajuda e então lhe informaram que a ajuda já estava a caminho. Suas mãos, ainda ensanguentadas, percorriam seu delicado rosto e quando ele abriu seus olhos sentiu um grande alívio, todavia, este alívio não durou muito.

— Lilian... Eu te... Eu te amo... Nunca esqueça tudo o que construímos juntos... Cuide bem da nossa filha... Se-Selena, eu te amo, meu amor.

Essas foram as últimas palavras do seu pai e ali mesmo, em seus braços, ele deixou que a vida o abandonasse.

— Meu amor, você está bem?

Ela não teve dúvidas que o dono daquela voz era Harry, quando girou o pescoço para trás e ergueu a vista, constatou que ele estava ali, havia acabado de chegar, se deparando com uma cena desoladora. O carro estava destruído, tinha sangue em grande quantidade espalhado da pista até o acostamento.

Desejava com todas as forças que aquela cena de terror não passasse de uma peripécia de sua mente, entretanto, bastou que ela tocasse sua mão para que se deparasse com a realidade, uma fria e tortuosa realidade.

— Meu pai... Harry... Ele está...

Suas palavras eram desconexas. Estava desesperada demais para pensar com clareza.

— Se afasta dela, desgraçado imundo! — disparou Lilian ao se aproximar, ainda cambaleando, dos dois, empurrando styles para longe da filha. — A culpa disso que acabou de acontecer é sua Styles maldito.

— Não é verdade, Lilian! — Selena saiu em defesa de Harry, enfrentando a mãe pela primeira vez naquela noite e afirmou com veemência: — Ele não seria capaz de algo assim, não é, meu amor?

Silêncio. Resiliência. Culpa.

Harry Styles não se achou no direito de defender-se. Tudo estava contra ele, incluindo o próprio. Apenas deu as costas e saiu caminhando para fora do acostamento o mais depressa que conseguira, deixando a garota que ele amava desolada pela segunda vez, mas agora sim, agora era definitivo.

No mesmo momento, ela sentiu todas as forças que restara em seu corpo, abandonando-a. Após o ocorrido, Selena Gomez só lembra que acordou dois dias depois, em um quarto de hospital, com um grande vazio em seu coração. Um pedaço dela estava incompleto e uma parte da sua memória havia se apagado, como, Harry Styles lhe avisara semanas atrás. Fora diagnósticada com estresse pós-traumático, além da síndrome do sobrevivente. Contudo, algo a intrigava. Mexendo em uma das agendas com anotações aleatórias, ela encontrou um coração mal-desenhado, dentro dele estava escrito as iniciais H.S, ao lado tinha as suas, S.G. Ainda indecisa, a garota decidiu questionar sobre, a única pessoa que poderia sanar suas dúvidas, ou seja, a própria mãe.

— Lilian, você conhece alguém com as iniciais H.S? — soltou a pergunta enquanto entrava no escritório da mãe e sentou-se em sua frente, deixando a outra sem ação por um momento. — Conhecemos ou não alguém com essas iniciais?

— Definitivamente, você não conhece ninguém com essas iniciais, Selena. — afirmou serena e categórica, deixando a filha ainda mais intrigada, pois sabia que a mãe estava mentindo, só não sabia o porquê e quando a primeira verdade secreta envolvendo a família Gomez viesse à tona, haveria uma implosão familiar arrebatadora, ainda que Lilian fosse esperta o bastante para tardar isso por dias, meses, quem sabe até anos.


Cada lágrima, cada medo
foi embora com a lembrança de
você
Mudando o que achei que sabia
Eu serei sua por milhares de vidas


Notas Finais


Identificaram as mudanças, veteranos? Aposto que sim. Mas não se preocupem, tudo que aconteceu, vai acontecer novamente, só que colocarei umas mudanças ali e outras aqui pra não ficar tão previsível, ok?

Pra quem está está boiando, é o seguinte: a Selena descobriu algo grave sobre o passado do Harry e isso a colocou em perigo, pois tem gente que queria as coisas ficassem como estavam. Só precisam saber que Harry não é tão culpado, nem tão inocente, seu caráter é dúbio, digamos assim.

Sim, Selena perdeu a memória, além de adquirir certos transtornos, a vida da garota anda impossível.

Parei.

QUERO SABER SE GOSTARAM? QUEREM CONTINUAÇÃO? TAMBÉM QUERO SABER QUAL MELHOR DIA PRA POSTAR. OPINIÕES SAO SEMPRE BEM-VINDAS. EU GOSTO É DE INTERAGIR COM VCS.

Obrigada pela atenção.
Obrigada pela leitura.
Amo vocês.

I SEE YOU
KISSES HONEY
XXGEHXX


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...