História Secrets. - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bts, Cute, Gay, Jeon Jungkook, Jung Hoseok, Kim Namjoon, Kim Seokjin, Kim Taehyung, Lemon, Lgbt, Min Yoongi, Namjin, Park Jimin, Sope, Taekook, Vkook
Visualizações 36
Palavras 1.907
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Slash, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi pessoas, tudo bom? Trouxe outro cap pra vcs, e agora eu nem demorei tanto tempo. Espero que gostem.

Boa leitura. ^^

Capítulo 2 - Quem disse que eu quero te beijar?


Dias depois...

Era quase nove e quarenta da noite. E Namjoon  batia na minha porta, gritando aos quatro ventos que precisava da minha ajuda e blá blá blá. Porra, era justamente minha hora do descanso, quando eu podia até ver um filme e depois bater uma pensando no professor de física, e nada além disso. 

Ah claro, dar atenção ao Chocco. Que mesmo estando um poço de chatice, ainda era meu amorzinho. 

Com muito custo, eu aceitei sair lá fora e receber ele no portão mesmo, já que Nam precisava sair logo e se entrasse iria atrasar tudo. Como sempre. 

 –  Ah, vai Jungkook! Eu prometo de dedinho que essa é a primeira vez.  –  Agora foi a vez de Namjoon me chantagear com seus pedidos, além daqueles olhos pidões de cachorro sem dono. 

– Não! Tu devia ter pedido sei lá, há duas semanas atrás? – Cruzei meus braços. 

Eu realmente estava indignado com o fato de ele além de ter se esquecido do dia do seu aniversário de namoro e de não ter sequer escolhido um presente para o cara que ele tanto dizia amar. 

– Por que eu só vi as mensagens dele hoje!! – Gritou, ansioso demais em entrar na floricultura onde estávamos discutindo a um certo tempo. Mantendo a tal discussão. além do que queria.  

– Não vem gritar comigo não! 

– Então não estraga meu namoro!! Caramba, salva essa pra mim? Só hoje, Jungkook? – Ele juntou as mãos e fez um bico chorão nos lábios.  Enquanto nós atravessávamos a rua iluminada pelos portes de luz. 

Não que eu estivesse querendo me aproveitar da boa vontade do tal homem da floricultura. Long de mim. Mas, ao que parece, Nam estava e muito. 

– Tá, tá tá. Vamos logo. – Cedi. – Mas, é a primeira e  ultima vez. – Avisei com o dedo levantado. 

Bufei alto, descruzando meus braços e me deixando levar pelo mais velho para dentro do lugar. Namjoon sorriu, mostrando as covinhas fundas e empurrando a porta de vidro, sem me deixar ver o que havia escrito ali. Nunca imaginei que estaria dentro de uma floricultura. Quem diria acompanhado de alguém que só pensa em sexo e, não é do tipo, delicado. 

Os diferentes vasos ficavam suspensos no ar, com flores grandes e de cores vivas. Algumas estantes pretas com buquês e outros vasos coloriam as paredes do espaço. Haviam duas luminárias grandes, pertinho do balcão, onde Marshmallow desfilava, balançando todo seu corpo branquinho. 

 – Toca.  –  Disse o moreno, apontando o indicador para um campainha que estava no balcão. Dourada e reluzente. 

 –  Eu não. Toca você.  –  Resmunguei, observando a porta branca atrás do balcão.  No entanto o mesmo ficou receoso, pensando se devia ou não fazer. – Toca logo criança. 

– Já que você insiste. 

O Kim rodou os olhos e, depois abriu um sorriso começando a bater no pequeno objeto. Feito um completo, bobão. Eu sabia que ele só pediu por educação, sabia que eu iria negar e ele poderia se divertir. 

 –  Chega. Deu, hyung.  –  O parei, antes que Taehyung entrasse lá e não quisesse nos vender nada. – Conheça limites, Namjoon, limites. 

Nos entreolhamos por segundos antes de vê-lo abrir a tal porta branca. Por seu descuido ele a deixou aberta, chamando a gatinha preguiçosa de cima do balcão. Entretanto ela sequer o olhou.  

 – Ingrata.  –  O moreno resmungou andando até nós.  –  Jungkook, que bom te ver aqui.  –  Ele sorriu abertamente, apoiando os braços em cima do balcão, até mesmo ele parecia exalar animação. Além de um cheiro cítrico de limão e laranja, gostos estranhos.   –  Achei que não viria.  –  Deu uma risadinha breve, sem tirar seus olhos de mim. 

 –  Tsc. Culpe o Namjoon, não eu.   –  Murmurei colocando minhas mãos no  bolso, olhando o mais velho ao lado. – Esse besta ficou me atormentando o dia todo, só pra vir aqui. Acredita? 

– Acredito, também tenho amigos que me enchem. – Rimos depois dele parar de falar, fazendo Nam bufar. 

  –  Tá chatinho hoje, hein. credo. Poxa, Jungkook, é um caso de VIDA ou MORTE.  –  Dramatizou.  –  Eu nunca  te pedi nada, e agora fica ai. Me difamando pros outros. Moço, eu sou um bom rapaz, acredite. – Tentou defender o restinho de dignidade que ainda restava. 

Namjoon era tão exagerado as vezes.  Dei de ombros e olhei ao redor, olhando tantos arranjos e vasos decorados. 

 –  Eu sou um especialista em casos de vida ou morte.  Vem comigo. 

 –  Sério?! Isso é ótimo.  Sabia que pelo menos você iria me ajudar. –  Animou-se. Jogando a indireta mais direta pra mim. 

Ele veio até nós andando lentamente, analisando o moreno atrás de mim. Encarando o rapaz de cima à baixo, depois desviou seus olhos castanhos na direção de uma mesinha, com algumas flores soltas e em tons rosados. 

Ora ora, quem diria que Jeon Jungkook um dia  estaria falando em tons de rosa. Puff, o que um amigo não faz?  Namjoon não demorou segundos e já estava conversando e discutindo com o florista sobre qual dos buquês seriam melhores para se dar de presente. 

E enquanto tudo acontecia, fiquei brincando com Llow, não que eu fosse muito fan de gatos e nem de outros animais que não fossem meu cachorro ou algo que eu sabia que não veria muito facilmente como uma onça ou um elefante. Já que os animais convencionais não me agradavam em nada, só que com ela, foi amor a primeira vista.

 – Que tal esse? – O moreno pegou o ramo de flores ainda sem todo o enfeite e as fitas que tinha nos outros. – É  delicado, bonito e tulipas  são na minha opinião, perfeitas pra dar de presente. Elas são minhas preferidas. – Sorriu mais uma vez, mostrando todos sues dentinhos brancos. 

Quem repararia em dentes quando se tem todo o resto? Aquela bela voz rouca, ah que coisa excitante ...Foco Jungkook, foco nas flores de Namjoon. 

– Jungkook-Ah, o que você acha? – O bobão apaixonado levantou as sobrancelhas com o típico olhar de: Por favorzinho, vamos levá-las? – Elas combinam com meu rosto. Olha. – E depois o maior fez uma pose esquisita, sorrindo feito um maluco. 

Joon e suas caretas que assustam qualquer um. 

– Sem caretas, pelo amor dos céus. – Pedi cortando seu barato por completo. – Mas, elas são bonitas, hyung. – Murmurei sem vontade. Naquele momento só precisava atravessar a rua e ir me deitar. – Jin vai amar. 

Namjoon levantou os dois polegares na minha direção e depois correu para meu lado, acompanhando os passos do florista de volta para trás de seu balcão. Com certeza criando todas as mais diversas cenas de pedir seu namorado em namoro. 

É um lance estranho, já que Seok havia feito o pedido há quase três anos atrás, que foi quando ambos se conheceram em um grupo de apoio no cursinho de inglês que Joon frequentava nos finais de semana. Depois de semanas juntos eles começaram a namorar de verdade, com direito a pedido na minha frente e tudo. 

– Eu devia levar ele a um lugar especial? 

– Acho que sim, dependendo do lugar.... – Continuei a massagear as orelhinhas peludas da gata, ouvindo a mesma ronronar e se esticar toda sobre os papéis dali de cima. 

– Jungkook, sem carinhos pra ela. – O dono me lançou um olhar de soslaio, enquanto passava o papel rosado no ramo de flores, começando a decorá-las.  

– Por que? Ela é tão fofinha. 

– Eu quero um animal também. – Namjoon comentou aleatoriamente.  – Sabe, você tem um cachorro, e ele tem uma gata. Eu não tenho ninguém.  

– Nada a ver, você tem o Jin. E ele já te da todos os mimos do mundo. 

– Jin não é um animal.

O florista nos olhou e andou até o moreno, estendendo as mãos, em uma havia um pequeno cartãozinho, com detalhes dourados e decoraçõezinhas ao lado. E uma caneta. 

– Qual é o seu nome? – Joon mordeu o lábio, com certeza sem nenhuma ideia. 

– O meu? Taehyung, Kim Taehyung. 

– O que você gostaria de ouvir, Taehyung? 

– Isso é sério? – Ele riu sem graça, tomando um tom vermelho nas maçãs do rosto. – Não sei, diga sobre algum detalhe que goste no corpo dele, dela. Ainda não sei se é uma mulher, um homem. – Disse todo simples, ignorando totalmente sua gata. 

Que continuava manhosa , pedindo carinho ao seu dono. 

– É um homem. Olha, Jin gosta quando fala dos olhos dele. – Deu uma sugestão, vendo ele abrir seu sorriso mais aliviado do mundo. 

– Eu até pareço que não gosto dele. Tsc. Ah, Namjoon, pensa homem, pensa. – Deu tapas em sua testa, querendo lembrar das suas maravilhosas frases. 

– Ele não é muito bom com palavras. – Sussurrei a Taehyung que abafou o risinho frouxo. – Por que não dá atenção pra ela? Tadinha Taehyung, ela parece bem carente. – Acariciei o pelo alvo da mesma, antes de parar e encarar a face de desdém do homem. 

– Ela me arranhou.

 – Tanto drama pra um arranhão? – Arqueei minha sobrancelha direita, o vendo revirar os olhos e, subir a manga do moletom que vestia. 

– Não é um arranhão, são vários. Olha! – Mostrou-me seu braço todo cheios de marquinhas finas das unhas da gatinha. – Ela é uma ingrata, eu dou tudo, dou comida, uma cama quentinha, casa, caixinha de areia e até divido meu leite com essa chatice. Precisava me violentar dessa maneira? 

– Mas a Llow tá tão carente. 

– Ela tá é de castigo! Isso sim. – Reforçou sua decisão. 

– Papai, mas eu te amo tanto. Me dá mais uma chance? –Sabe quando você se esconde atrás da gata e fala coisas que nem deviam estar passando na sua mente? Ainda mais, usando uma voz extremamente aguda, que fariam até mesmo você duvidar da sua hétero-sexualidade?  

Puta que pariu, parabéns Jungkook. Você só faz merda.

– Depois dessa declaração eu casaria. – Namjoon logo se intrometeu, pegando o buquê nas mãos e, guardando o cartão no bolso de sua calça jeans. 

– Calado, não pedimos sua opinião. – Continuei a encenar, dando um tapa nele com a pata de Marshmallow. – Agora, chega com essa viadagem toda.  Quanto ficou, Taehyung?

– Ah, é considere como um presente. 

– Hã? Não, não vou abusar da sua boa vontade. eu insisto em te pagar. – Educação era tudo, quando alguém lhe oferece algo de graça, e você sabe que não devia estar aceitando. Tente insistir duas vezes e, caso ela continue negando, pegue sem remorso ou culpa. 

– Sério, não precisa. Fica como um pagamento pela Llow ter afiado as unhas dela no seu travesseiro. – Realmente ela havia estragado meu amado travesseiro com a ajuda do seu novo cúmplice, Chocco. – Sua mãe disse que você comprou outro. 

– Se bem que o Chocco comeu duas plantas suas. – Rebati, o deixando sem ter o que dizer. – Então....

– Vamos fazer assim, esse buquê será um presente meu, se você aceitar cuidar da ingrata aqui, amanhã? Por favor. – Sorriu pidão. 

Eu era alguém muito bom na vida passada, daqueles que só fazem favores para todos e depois se lasca. 

– Feito. – Apertei sua destra, sentindo seus dedos fecharem um a um em minha pele. Taehyung estava quente, muito quente. – Te vejo amanha? 

Ele assentiu. 

– Jungkook, eu até te dava um beijo. Mas eu namoro etão, não rola. – O Kim sorriu cheirando as flores que seriam o presente de seu namorado. 

– E quem disse que eu quero te beijar? – Com tal frase os dois riram na minha direção. – Taehyung, valeu, nós já vamos indo. Ele tem um pedido pra fazer. 

– Obrigada, Taehyung, tu salvou meu namoro. 

– Imagina, voltem sempre que quiserem. Principalmente você, Jungkook. – Falou simpático. – Eu levo vocês até a porta. 

Bom, para quem não  iria fazer nada a semana inteira, eu já serviria de babá na noite seguinte. Tentando parar a dupla a incrível dinâmica. 


Notas Finais


Vejo vocês no próximo <3 Bjs no kore.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...