História Secrets du royaume - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hizashi Hyuuga, Itachi Uchiha, Neji Hyuuga
Tags Itaneji
Visualizações 5
Palavras 1.360
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Iae, vim aqui trazer algo diferente, graças a uma outra fanfic minha, eu e uma amiga (ScarSeverus aquela doida) começamos a shipar Itachi e Neji, Então aqui estamos, vamos ver a onde isso vai dar kkkk

Espero que gostem, Boa leitura!

Capítulo 1 - Chapitre un: le prince et le "chevalier"


Neji:

– Itachi, podemos parar um pouco? Estou cansado…_ peço ao cavaleiro ao meu lado. Infelizmente estou sendo obrigado a andar durante todo esse caminho… sinceramente, só quero chegar logo…

Isso por que o meu reino está sob ataque de um outro reino próximo, então estou indo para um outro reino vizinho, meu pai disse que consegue lidar com tudo por lá, mas que se eu fosse feito refém ele não saberia o que fazer, sorrio, o meu pai é sempre tão gentil.

– Tem um riacho daqui a alguns quilômetros, acha que consegue andar até lá?_ ele pergunta, suspiro, apenas a aceno com a cabeça, e continuo andando…

Depois de mais ou menos vinte minutos andando, chegamos no riacho, rapidamente tiro os sapatos e coloco os pés na água, não sabia que esses troços machucavam tanto…

– Ahhh, bem melhor…_ digo mais para mim mesmo do que para ele, não só meus pés doem, como também minhas pernas, eu não aguento mais, e não está nem perto de anoitecer! Não faz nem três horas desde que saímos do castelo…

– Acho que esses sapatos estão apertados de mais pra você…_ ele diz, tirando a mochila das costas e procurando algo lá dentro. Ele tira de lá sandálias feitas de couro, um pouco maior que o meu número._ Não são bonitas, mas são mais confortáveis que esses seus sapatos aí._ ele diz me entregando as sandálias.

– Obrigado._ digo pegando as sandálias e calçando, bem mais confortável… sorrio, Itachi é sempre tão fofo… e tão lindo… ah, Neji, não é hora para isso! Aliás, o que é isso, que nojo!

Levanto e vou procurar a mochila que joguei em algum lugar antes de chegar ao rio, me agacho perto dela, pego meu cantil com água, e tomo um pouco, espero ter um lugar descente para dormir… e se possível, um cavalo, não aguento mais andar…

– Temos que voltar a andar se quisermos chegar no vilarejo de Kusagakure._ ele diz normalmente, esperando que eu me levante. Suspiro desanimado, só de pensar o quanto eu ainda vou ter que andar…

– Itachi-san, podemos comprar um cavalo no vilarejo? Não aguento mais andar…_ digo, ele ri um pouco, faço bico._ Eu não sou acostumado a andar como você!_ digo emburrado, tudo bem que eu tinha várias aulas de esgrima, montaria, negócios, diplomacia e tudo mais, mas continuo detestando caminhadas! É para isso que existem cavalos!

– Tudo bem, podemos tentar, mas não garanto nada, Kusagakure não é um vilarejo comercial, pode ser que nem tenha pousadas por lá… teremos que dar sorte._ ele diz, enquanto anda, acompanhando meu ritmo.

Espero ter sorte, pelo menos dessa vez… tá, eu sei que ter nascido príncipe é muita sorte e que vários queriam o meu lugar, mas poxa, eu precisava ser o príncipe mais azarado da face da terra?

Espera, parando para pensar acho que nunca vi Itachi antes… será que ele é novo como cavaleiro? Ou será que estava em missão para algum outro reino?

– Itachi-san, eu não lembro de ter-lo visto no castelo antes, você é um novo cavaleiro ou é de fora?_ pergunto, apesar de nunca tê-lo visto, tenho certeza de que seus olhos ônix me são familiares.

– Cavaleiro? De onde tirou isso?_ ele pergunta, um pouco ofendido? Ueee, isso não é coisa boa não? Ser um cavaleiro real significa quase um título de nobreza, e só os mais ricos e os nobres conseguem tal título.

– Meu pai que disse isso, disse que você era um cavaleiro de sua confiança._ digo olhando-o procurando algum resquício de ironia ou brincadeira vindo dele.

– Pois seu pai mentiu para você, não sou nenhum cavaleiro, mas fique tranquilo, estou sendo muito bem pago para deixa-lo em segurança em Suna._ ele diz com o mesmo tom calmo de sempre, apesar de que agora ele parece mais irritado do que calmo.

– Pago…? Então você é um mercenário ou algo assim?_ concluo em um tom de pergunta, mas destinada mais a mim do que a ele. Ele apenas da de ombros e não fala mais nada.

O resto da manhã foi assim, ficamos em silêncio, paramos para "almoçar" e não trocamos nem sequer uma palavra.

Se ele não é um cavaleiro, eu posso mesmo confiar nele? O que me garante que ele não é espião do Reino que nos atacou e quer apenas me matar? Mas… se ele quisesse fazer isso ele já teria feito, certo? Já teve muitas chances e também em nenhum momento ele precisaria me revelar que é um mercenário. Além disso, meu pai disse que ele é de confiança, então ele não deve me fazer mal, certo? Suspiro pesadamente, talvez o reino necessitasse de todos os soldados que pudesse para conter a invasão, e meu pai se viu obrigado a contratar o Itachi para me levar até Suna…

– Pergunte logo de uma vez, vai acabar soltando fumaça se continuar penando desse jeito…_ ele diz me assustando um pouco, o que arrancou uma pequena risada dele.

– Ahh, certo… primeiro, foi meu pai que te contratou mesmo? E por quanto? Ah! E qual sua missão especificamente?_ pergunto tudo bem rápido, ele fica alguns segundos em silêncio, não sei dizer se é por que falei tudo muito rápido, ou se ele apenas está pensando em como me responder apropriadamente.

– Foi o seu pai sim, e o preço foi de três vezes o meu peso em ouro. E a missão é leva-lo até Suna, e ficar te protegendo por lá até que seu pai nos chame de volta._ ele diz simplista.

– Entendo… e você é de onde? E quantos anos você tem? Ah, e qual seu sobrenome?_ pergunto começando a ficar animado para saber mais sobre ele.

– Sou de Konoha mesmo, tenho 23 anos e meu sobrenome é Uchiha._ ele diz calmamente, como sempre, é bom saber um pouco mais sobre ele também.

– Então… falta muito para chegar?_ pergunto em expectativa, afinal, andamos a tarde inteira sem nenhuma parada… e claro, também para quebrar o silêncio que se formou entre nós depois de sua resposta.

– Não sei, mas acho que não falta muito…_ ele diz sem nunca desviar seus olhos do caminho a nossa frente.

– Parados aí! E vão logo passando tudo de valor que tiverem._ ouço uma voz vindo de trás e de cima. Logo, estavamos cercados por vários bandidos…

Saquei a minha espada e o vi fazendo o mesmo, prefiro ser morto do que entregar tudo de assim fácil, e pelo que percebi ele pensa o mesmo. Sorrio aflito, essa caminhada toda acabou comigo… mas tudo bem, posso simplesmente descontar minha raiva por ter que andar tanto nesse idiotas.

– Olha só o que temos aqui… o príncipe fugitivo de Konoha, quanto será que vão pagar em seu resgate em?_ vi o ruivo sorrir sadicamente enquanto se aproximava lentamente.

– Não de mais nenhum passo._ digo apontando a espada em direção ao seu pescoço.

– O que pretende fazer? Somos muitos, além disso, você não teria a coragem necessária para me matar, ou teria?_ ele diz ainda sorrindo enquanto continuava andando em minha direção, sem se importar nenhum pouco com a espada.

– Se ele não tem, eu tenho._ a voz assustadoramente macabra soou atrás de mim, Itachi tomou a frente e cortou a garganta do homem a minha frente, fazendo-o cair no chão sangrando muito. Senti meu estômago embrulhar… não tenho tempo para vomitar agora, parece que o resto da gangue não ficou nada feliz ao ver seu provável líder morto.

– Seu maldito!_ um outro homem, dessa vez moreno veio pra cima de nós, Itachi cuidou desse, enquanto eu me concentrava nos que vinham da costas.

Não cheguei a matar nenhum, apenas demaiei a maioria, depois Itachi apenas os machucava seriamente. Respirei pesadamente quando percebi que estávamos apenas nós dois em pé no meio de todos aqueles corpos caídos pelo chão, alguns vivos, outros quase mortos, e outro apenas desmaiados.

Corri por entre as árvores e ouvi Itachi vindo atrás de mim, parei atrás de uma árvore e vomitei, nunca fui fraco para sangue, mas ver vários corpos mortos e quase mortos pelo chão mexeu comigo.

– Vai ficar tudo bem… não vou deixar você passar por isso novamente, eu prometo.



Notas Finais


O que acharam? Espero que tenham gostado! Até o próximo capítulo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...