1. Spirit Fanfics >
  2. Seduction and Submission >
  3. The club

História Seduction and Submission - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Uma noite fora com seu personal trainer sexy parece a distração perfeita depois de pegar seu noivo traidor.  Mas você está prestes a obter mais do que esperava.

Capítulo 2 - The club


Fanfic / Fanfiction Seduction and Submission - Capítulo 2 - The club

The club

(O clube)

Você voltou para casa mais cedo do trabalho e agora encontra seu noivo nu na cama... Com outra mulher.

Rayssa: Chris...?

Chris pula da cama, enrolando-se em um lençol.

Chris: Amor, eu sei que isso parece ruim. Mas...

Rayssa: Não diga que não é o que parece!

Chris: Rayssa. Veja. Não era assim que eu queria que você descobrisse.

Rayssa: Suspeito que você nunca quis que eu descobrisse. Apenas me diga uma coisa... Há quanto tempo isso está acontecendo?

Chris: Não muito!

Mulher: Apenas cerca de dois meses.

Rayssa: Espere... eu conheço você! Você trabalha na empresa de Chris!  Você é clichê, como você consegue? O grande e poderoso CEO dormindo com a nova estagiária?

Mulher: Você pode culpá-lo? Ele precisava de alguma emoção em sua vida.

Rayssa: Que?

Mulher: Você me ouviu. Chris me contou tudo sobre como você nunca... Alguém teve que se levantar.

Chris: Exatamente. Não fazemos sexo há meses! Eu tinha que satisfazer meus desejos de alguma forma.

Rayssa: Mas... Você sabe o quanto eu tenho trabalhado! A promoção...

Chris: Mesmo antes disso, você sempre foi frígida.  Sexo uma vez por semana, se eu tiver sorte!

(Eu não posso acreditar que ele está me culpando!)

Rayssa: Chris... saia. Leve suas coisas, saia do meu apartamento e não volte mais. Você e eu acabamos.

Chris: Mas... eu moro aqui também. Você não tem o direito de...

Rayssa: Meu nome ta no contrato de locação. Eu tenho todo o direito.

Chris: Ótimo! Eu não quero viver com uma cadela viciada em trabalho frígida como você por mais um segundo, de qualquer maneira! Você vai se arrepender de me deixar ir logo.

Ferve bolhas de raiva dentro de você.

Rayssa: Hum? Depois que você me traiu e deixou essa vadia zombar e me humilhar na minha própria casa?

(Este idiota já me tratou como lixo por tempo suficiente. Vou embora.)

Rayssa: Você sabe o quê mais?  Estou indo embora. Você tem 3 horas para pegar suas coisas e ir embora, ou prometo que as coisas vão ficar feias.

Você vai para sala de estar, indo para a porta da frente com Chris em seus calcanhares. Alcançando a maçaneta, seu anel de noivado brilhante chama sua atenção.

(Vou colocar isso onde pertence ... Com o resto do lixo.)

Você caminha até a lata de lixo e a abre.

Chris: Ei, aquele anel custou 12k...

Rayssa: E a cara do seu rosto agora?  Impagável.

Você joga dentro, depois volta para a porta e sai correndo.

Chris: Não se afaste de mim! Você vai se arrepender!

Rayssa: Duvido!

Você bate a porta. O som ecoa pelo corredor.

(Sorte de ter treino hoje... Tenho muita raiva para trabalhar.)

Naquela noite, você entra na academia com sua melhor cara.

(Paul é muito perceptivo. Não preciso que ele faça perguntas.)

Recepcionista: Olá, Sra. Tuner. Posso ficar com seu cartão?

Rayssa: Droga, meu cartão... Está na minha carteira no trabalho. Deixei na evacuação!

Recepcionista: Você sempre pode passar o dia, mas há uma taxa de $10.

(Terei que pagar com meu telefone.)

Você o tira do bolso... Para descobrir que ele morreu.

(Não... Depois de tudo que aconteceu com Chris, esqueci de cobrar.)

É a gota d'água. Seus olhos começam a arder.

(Não posso chorar por causa disso... Nunca mais vou conseguir mostrar meu rosto aqui. Eu preciso... Me controlar. Respire fundo... Não perca o controle.)

Paul: Voltou para mais punições?

Rayssa: Paul!

Paul: Você não parece estar vestida para a academia.  Ainda com sua roupa de trabalho?

Rayssa: Sim. É uma longa história.

Você conta a ele sobre o incêndio e sua situação com o cartão de membro.

Rayssa:... Então, terei que cancelar esta semana. Eu sinto Muito.

Paul: Não cancele.

Rayssa: Mas eu...

Paul: Dispenso. Eu não quero que você saia.

Ele coloca uma mão reconfortante em seu ombro, sorrindo gentilmente. Seu toque é relaxante.

Paul: Deixe comigo. Eu cubro você.

Rayssa: Eu... tudo bem.

Paul: Didi, registre a Rayssa como minha convidada.

Recepcionista: Claro... Pode ir, Sra. Tuner.

Rayssa: Paul... Você não precisava fazer isso.

Paul: Não é nada. Além disso, o que eu faria se minha cliente favorita cancelasse?

Rayssa: Sua favorita...?

Paul: Shh... Não conte a ninguém.

(É apenas brincadeira... Eu não deveria ficar confusa.)

Você empurra o cabelo para trás com a mão esquerda. As sobrancelhas de Paul se erguem.

(... Ele percebeu que falta meu anel?)

Rayssa: É melhor eu me trocar.

Depois de colocar as roupas sobressalentes em seu armário, você e Paul começam a trabalhar.

Paul: Acho que é hora de mudar sua rotina. Apresente alguns novos desafios.

Rayssa: Você disse que eu poderia tentar o boxe esta semana, certo?

Paul: Você gostaria?

Rayssa: Com certeza. Eu tenho alguma frustração reprimida para liberar.

Você quebra o saco de pancadas, jogando todo o seu corpo para trás dos jabs.

(É por desperdiçar quatro anos da minha vida... Por trepar com outra mulher em nossa cama... Por constantemente me fazer sentir inferior a você!)

Paul: Nossa. Você tem uma vingança pessoal contra esse saco de pancadas?

Você faz uma pausa, percebendo como está respirando pesadamente

Paul: Já faz um tempo que não vejo um iniciante assim tão difícil.

Rayssa: Oh, uh...

Paul: Você está bem?

Rayssa: Claro! Estou bem.

Paul: Tudo bem. Então, vamos terminar com alguns agachamentos com jab-cross. Bata com o braço esquerdo, cruze com a direita e agache-se.

Você imagina o rosto de Chris e dirige seu braço esquerdo para a frente, depois o direito.

(Desgraçado!)

Você se agacha, mas fica desequilibrada com a força do soco. Você cambaleia para trás e começa a cair. Você fecha os olhos com medo! Mas antes que você possa atingir o chão, um par de braços fortes a envolve, puxando-a para cima.

Rayssa: Ahh!

Paul: Shh... está tudo bem. Eu peguei você.

Paul embala você contra ele, os músculos rígidos de seu corpo ao seu redor. Ele cheira inebriante... De colônia sutil, sabonete é seu próprio perfume masculino. Você se pega querendo apenas afundar em seu abraço poderoso.

Paul: Você está bem?

Seus lábios estão bem perto de sua orelha, e as cócegas de sua respiração fazem todos os seus nervos ganharem vida.

(Eu me sinto tão segura em seus braços... Protegida. Nunca me senti assim com... Com Chris.)

Uma onda de emoções conflitantes cresce dentro de você e você se afasta de Paul.

Rayssa: Estou bem agora. Vamos continuar.

Paul: Você não parece bem...

Rayssa: Eu disse que estou bem! Eu só preciso... eu preciso...

Seus olhos começam a formigar, ficando úmidos de lágrimas não derramadas.

Paul: Qual é. Vamos para um lugar tranquilo.

Ele o leva para um escritório vazio. Você se senta, enterrando a cabeça nas mãos.

(Sai dessa. Não dê a Chris tanto poder sobre você.)

Paul: Rayssa... O que há de errado?

Rayssa: Só foi um longo dia, com o incêndio e deixando minhas coisas no trabalho...

Paul: E seu anel de noivado desaparecido...

Rayssa: Uhh...

Paul: Não vou fazer você falar se não quiser. Mas... acho que pode ajudar.

Rayssa: Eu... acabei de terminar com meu noivo.

Paul: Oh.

Você conta tudo a ele. Ele escuta em silêncio, permitindo que você derrame seu coração.

Rayssa:... E ele teve a coragem de me culpar! Depois que ele trouxe outra mulher para a nossa cama! Mas não posso deixar de me perguntar... E se eu for a culpada? Eu poderia ter arranjado mais tempo para ele...

Você tamborila os dedos na mesa. Paul estende a mão, pegando sua mão.

Paul: Você está pensando muito. Só está te deixando ansiosa.

Rayssa: Claro, estou pensando muito. Essas são minhas configurações padrão. Não posso simplesmente desligar.

Paul: Então você precisa de uma distração... Estarei fora do trabalho às 8:00. Toma uma bebida comigo. Eu acho que você poderia...

Rayssa: Uma bebida? Contigo?

Paul: Espero não estar ultrapassando nenhum limite. Se eu estiver, diga-me.

Rayssa: Não... De forma alguma.

Paul: Então saia comigo. Ao contrário, vou passar o resto da noite me preocupando com você. Será um prazer. Você merece depois de hoje.

Rayssa: Não posso! Além disso, estou bem agora.

Algo em sua voz muda. De repente está comandando. Inflexível.

Paul: Venha comigo esta noite. Eu insisto.

Você sente que suas objeções se dissipam.

Rayssa:... Tudo bem.

Paul: Ótimo. Estabelecimento favorito? Lugares a evitar?

Você se lembra da sua primeira sessão de treinamento e do clube misterioso que ele mencionou...

Rayssa: E quanto a esse clube? O que você disse que eu gostaria?

Paul fica rígido, desviando o olhar de você.

(Eu o ofendi?)

Paul limpa a garganta enquanto olha para você.

Paul: Boa ideia. Eu só tenho que fazer uma ligação para ter certeza de que eles vão deixar você entrar.

Rayssa: Por que eles não... É algum tipo de clube exclusivo?

Paul:... Mais ou menos. Mas você não precisa se preocupar. Deixe tudo comigo. Ah, e Rayssa?

Rayssa: Sim?

Paul: O código de vestimenta... Não é como os clubes normais.

Rayssa: Oookay... Então o que devo vestir?

Paul: Em caso de dúvida?  Preto.

Rayssa: Você vai ter que ser mais específico.

Paul levanta uma sobrancelha, um sorriso divertido brincando em seus lábios. Ele se inclina um pouco mais perto, com os olhos brilhando enquanto ele murmura para você.

Paul: Digamos... Se você usasse no Halloween, mas não quisesse mostrar para sua mãe? Vai ser perfeito.

Seu coração começa a disparar e sua língua salta para umedecer os lábios repentinamente secos.

Rayssa: Então... Algo que não deixa muito para a imaginação? Parece exatamente o que eu preciso agora.

Paul não responde, mas seu sorriso se alarga e ele solta uma risada suave.

Paul: Ainda temos 20 minutos restantes para sua sessão. Vamos voltar ao trabalho, hum?

(No que eu me meti?)

Após a sessão, você vai para casa para se preparar.  Você abre a porta com cautela, mas o apartamento está escuro e silencioso. Muitas das coisas de Chris sumiram.

(Isso não deve doer... Não depois de hoje. Eu deveria estar feliz por ele ter ido embora, mas... Não. Esqueça ele. Eu preciso me trocar. Tenho que encontrar algo que se encaixe nesse código de vestimenta estranho. Impressionar Paul também não faria mal... Talvez eu possa reaproveitar algumas partes das minhas velhas fantasias de Halloween...)

Você coloca um vestido preto com decotes no meio dos seios até a cintura.

Paul pega você em um táxi do lado de fora do seu apartamento. Você sobe ao lado dele.

Rayssa: Por favor, diga que isso funciona para o código de vestimenta.

Os olhos de Paul se iluminam com aprovação... E outra coisa.

Paul: Perfeito. Você vai se encaixar perfeitamente. E você está... incrível.

Rayssa: Bom saber.

O táxi para em uma rua não muito movimentada em frente a um prédio indefinido.

(É isso...?)

Paul: Chegamos.

Um segurança enorme e imponente está parado do lado de dentro.

Segurança: Paul Wesley! Fiquei surpreso ao saber que você viria esta noite.

Seus olhos se voltam para você. Você engole.

Rayssa: Er...

Você sorri.

Paul: Esta é a Rayssa. Eu mencionei ela quando liguei.  Eu posso garantir por ela.

(Garantir por mim...?)

Segurança: Bom, bom. Aqui estão suas pulseiras. Troque-as por bebidas no bar.

Ele entrega a você duas pulseiras de papel para cada um.

Segurança: Certifique-se de que ela conhece as regras e se divirta.

Rayssa: Paul... O que você quis dizer com "garantir" por mim?

Paul: Para entrar no clube, você precisa de um membro atual para cuidar de você aqui dentro.

Rayssa: Sério? Isso é falar de 'exclusividade' um pouco longe...

Você alcança uma porta. Você não está preparada para a visão que a cumprimenta lá.

(Isso é muito couro. E muito látex... E muito...)

Rayssa: Uh, Paul. Essas mulheres podem... Ficar sem camisa?

Paul: Se elas quiserem. Agora, acredito que te prometi uma bebida.

Rayssa: Certo...

Conforme você caminha em direção ao bar, algo chama sua atenção.

Rayssa: Aquela senhora...

Você estica o pescoço para ver melhor, mas ela já desapareceu.

(Eu juro que ela estava usando uma coleira... Que lugar é este?)

Vocês vão para o bar.

Barman: O que vocês querem?

Paul: Vou tomar uma cerveja.  Rayssa?

Rayssa: Vou querer vinho.

Barman: Já estou indo. Pulseiras, por favor.

Rayssa: Uma pergunta. O que fazemos quando estamos sem pulseiras?

Paul: Então não podemos mais beber. É um limite de duas bebidas.

Rayssa: Sério? Em um bar? Como eles ainda estão no mercado? A entrada gratuita deve ser muito cara.

Paul apenas sorri misteriosamente e pega sua bebida.

Paul: Saúde.

Apesar da estranheza do clube, a conversa com Paul flui facilmente. Ele é gentil e atencioso, e você começa a se divertir.

(Não me lembro quando foi a última vez que relaxei e me alegrei desse jeito. Chris e eu só conversamos sobre trabalho, ou... O casamento.)

Paul: O que é essa cara triste?

Rayssa: O quê? Não. Eu só estava pensando em...Minha tartaruga de estimação morta.

O olhar de Paul é penetrante, como se ele estivesse olhando bem dentro da sua cabeça.

Paul: Você está mentindo.

Rayssa: Eu não estou...

Paul: Rayssa...

Rayssa: Ok, tudo bem... Eu estava pensando no Chris.  Esta manhã estávamos noivos... E agora, não estamos. Eu sei que é bobagem ficar chateada. Ele me traiu. Eu deveria estar feliz que ele se foi. Mas em vez disso me sinto... Estúpida.

Paul: Isso não é bobo. Essa é uma reação natural. Mas pense dessa maneira. Agora você está livre para encontrar alguém melhor. Alguém que te valoriza... Alguém que te satisfaz.

Seu tom da voz dele acende um fogo em sua barriga.

Rayssa: Já se passou muito tempo desde que alguém... me satisfez.

Paul: Isso não está certo. Você merece um homem que pode acompanhar você... Um homem que pode dar o que você precisa.

O espaço entre vocês estala de tensão.

(Ele está me deixando tão... Eu não deveria fazer isso, mas...)

Você se aproxima. Você se inclina para perto, deixando seus lábios roçarem na orelha dele. Você o sente enrijecer enquanto sua respiração acaricia sua pele.

Rayssa: Eu me pergunto onde vou encontrar um homem forte o suficiente para lidar comigo...

Paul: Você precisa parar.

Rayssa: Oh. Desculpe, eu pensei...

Paul exala pesadamente, passando a mão pelo cabelo.

Paul: Vou ser honesto. Estou muito atraído por você, Rayssa.

Ele abaixa a cabeça, rosnando em seu ouvido.

Paul: Então, a menos que você queira testar meu controle... Você deve parar.

Você se inclina mais perto, deixando seu peito descansar no braço dele.

Rayssa: Bem...

Você acaricia a coxa dele, perigosamente perto de sua virilha.

Rayssa: Interessante... E se eu não fizer?

Paul segura sua mão. A maneira como ele olha para você transforma suas entranhas em mingau.

Paul: Então você descobrirá como eu puno garotas malcriadas e impacientes.

Rayssa Oh...

Seus dedos acariciam seu pulso provocativamente. De repente, um casal aparece em sua visão periférica. Você rapidamente coloca espaço entre você e Paul. O homem passa por você, sentando-se no bar, mas a mulher cai de joelhos a seus pés.

(Que diabos?)

Ele coloca a mão em seu cabelo, acariciando-o. Você espera que ela pareça envergonhada ou irritada... Mas quando ela olha para cima, sua expressão é tão adorável que rouba sua respiração.

(Esquisito...)

E ainda assim, você sente uma pontada de saudade no peito. Você se força a desviar o olhar.

Paul: Você está bem?

Rayssa: Muito bem....

Você dá outra espiada, tentando ignorar a excitação mexendo em você.

Paul: Você os conhece?

Rayssa: Não... É só que ela está sentada aos pés dele. Como um animal de estimação.

Paul: Isso te perturba?

Rayssa: Bem... um pouco.

Paul: Talvez eu não devesse ter trazido você. Você quer ir embora?

Rayssa: Não! Este lugar é bizerro. Mas é intrigante.

Paul: Hmm...

Rayssa: O quê?

Paul: É só que essa é a parte mansa do clube. Se você achar isso perturbador, então...

Rayssa: Isso é manso? O que acontece nas outras partes?

Paul se inclina no balcão, avaliando você com aquele olhar penetrante.

Paul: Eu poderia te mostrar... Se você acha que se sentiria confortável com isso.

Você olha para ele desafiadoramente

Rayssa: Tenho certeza de que ficaria bem. Além disso... estou curiosa.

Paul: Você já descobriu que tipo de clube é este?

Rayssa: Obviamente, algum tipo de clube fetichista...

Paul: Ok. Você não está errada.

Ele pega sua bebida, drenando-a.

Paul: ...Você já ouviu falar em BDSM?

Rayssa: Tipo... 'Algemas e chicotes' BDSM?

Paul: Sim. No entanto, essa é uma parte muito pequena.

Rayssa: Então, este é um clube BDSM?

Paul: Sim.

Rayssa: Oh.

Paul: Podemos ir embora se quiser. Mas ninguém fará nada a você sem consentimento.

Rayssa: Mas... Outras pessoas aqui podem estar fazendo essas coisas? Ficando amarrado? Vendados? Açoitado?

Paul: Possivelmente. Embora seja noite de iniciante, provavelmente não há nada muito extremo acontecendo.

(Isso está realmente acontecendo? Estou realmente em um clube de BDSM com meu personal trainer? Não sei como me sentir... Mas não posso negar que estou curiosa.)

Rayssa: OK. Mostre-me.

Paul: Essa é a Rayssa decisiva que eu conheço.  Vamos.

Você deixa a área em direção a um conjunto de portas duplas. Você passa por eles... A primeira coisa que vê é um homem amarrado a uma enorme cruz em forma de X. Você desvia o olhar, apenas para ver uma mulher, nua no colo de um homem, sendo espancada.

Rayssa: Oh meu Deus...

Paul: Podemos sair a qualquer momento. Não se force se for opressor.

Rayssa: Não... eu... estou bem.

Paralisada com a surra, você sente uma umidade crescendo entre as pernas.

Paul: Deixe-me mostrar a você.

Você afasta o olhar da mulher.

(Ele vai me mostrar outro local? Isso significa que há ainda mais para ver aqui?)

Você segue Paul até uma parede cheia de instrumentos estranhos.

Paul: A maioria das pessoas traz seus próprios brinquedos, mas o clube fornece alguns.

Você fica boquiaberta com os instrumentos desconhecidos.

Rayssa: São esses chicotes? Eles parecem doloridos.

Paul: Eles são floggers. Alguns são dolorosos, sim.  Mas alguns são muito... prazerosos.

Um arrepio percorre você com as palavras do Paul.

Paul: Alguma coisa chamou sua atenção?

Rayssa: Talvez...

Você aponta para... O fino de couro.

Paul: Escolha interessante. Esse com as finas quedas de couro doeria muito. Aquele com pele de veado cai... Aquele iria estimular... Construir sensação...

Ele estende. Você engole, sua respiração fica mais pesada.

Paul: O que você acha?

(Como seria se ele usasse em mim...? Eu deveria...)

Rayssa: Eu... eu quero tentar. Eu quero que você use isso em mim.

Os olhos ardentes de Paul queimam você.

Paul: Eu também gostaria.

Ele a leva a um banco vazio e a conduz até ele. Seu vestido sobe, expondo suas coxas, deixando sua bunda mal coberta.

(Eu perdi o controle. E se isso doer? Devo parar com isso...)

Paul: Você precisa limpar sua mente. Relaxar. Pare de ficar obcecada.

Ele passa a ponta do açoite sobre suas pernas.

Paul: Vou começar agora. Me interrompa a qualquer momento.

Você não sente nada por um segundo... Então um estalo ressoa em seus ouvidos!

Rayssa: Ooh!

As quedas batem na parte de trás de sua coxa, mas mal há uma picada.

(É alto... Mas não dói.)

Paul: Você está bem?

Rayssa: Sim... Não pare.

Ele afunda na lambida do açoite em sua pele, o calor se espalhando por você. Você soltou um gemido suave, quase querendo algo... Mais.

Paul: Acho que é o suficiente.

Você abre seus olhos. Ele ajuda você a se levantar e você se apressa para arrumar sua roupa.

(Não acredito que esqueci que estamos em público...)

Paul: Você foi ótima. Como você está se sentindo?

Rayssa: Tudo bem... Ótima.

Paul limpa o flogger e o coloca de volta em seu lugar na parede.

Rayssa: Acho que preciso de um momento para me sentar e absorver isso...

Paul: Sim, é uma boa ideia. Vamos voltar para o bar.

Vocês voltam para o bar.

Rayssa: Então. Isso foi intenso.

Paul: Sua primeira visita a uma masmorra tem que ser.

Rayssa: Você está... nele? BDSM? O que estou dizendo? Claro que você é. Por que mais você viria aqui?

Paul: Bem... sim.

Rayssa: Então... O quê? Você é um sádico?

Paul: Definitivamente não. Há muito mais no BDSM do que bater nas pessoas com coisas. Algumas pessoas gostam de causar dor. Alguns gostam de receber. Alguns preferem a troca de energia.

Rayssa: E você? Qual é o seu negócio?

Paul: Meu negócio? Eu gosto de troca de energia.

Sua boca está seca de repente.

Rayssa: E... O que isso significa?

Os olhos de Paul escurecem. Ele olha para você e um arrepio desce pela sua espinha.

Paul: Dominando alguém. Fazê-los se submeter a mim e abrir mão de todo o controle.

(Então ele só gosta de mulheres fracas e subservientes?)

Rayssa: Eu não acho que eu poderia fazer isso... Me submeter a alguém.

Paul: Tem certeza?

Rayssa: Você me conheceu, certo? Gosto muito de estar no comando. As pessoas sempre dizem que pareço "muito forte". Eu sou apenas... Não sou um capacho suficiente.

Paul: É preciso uma mulher forte para se submeter.  Alguém que conhece sua própria mente. Não é um capacho. Ser capaz de colocar o seu bem-estar físico e mental nas mãos de alguém exige muita força.

Rayssa: Acho que é verdade... Mas eu simplesmente não conseguia desistir do controle assim.

Paul: Talvez devêssemos testar isso... Você se divertiu esta noite, Rayssa?

Rayssa: Eu... eu acho. Foi interessante.

Paul: Você gostaria de voltar na próxima semana?

Rayssa: Não sei... talvez.

Paul: Se você quiser, terá que me mostrar.

Ele se inclina. Sua voz é baixa, suave e firme ao mesmo tempo.

Paul: Levante-se. Tire sua calcinha aqui mesmo e dê para mim.

(Que diabos?)

Rayssa: Você está brincando?

Paul: Se você não quiser, podemos tomar outro drinque e terminar esta noite aí.  É a sua escolha.  Mas se você fizer...

Ele sorri.

(Isso é loucura. Eu deveria estar horrorizada. Então, por que eu quero obedecer...? Eu deveria...)

Você respira fundo... E levanta da sua cadeira.

(Não acredito que estou fazendo isso...)

Um homem chama a sua atenção do outro lado da sala. Você baixa o olhar para o chão.

(As pessoas podem me ver...)

Seu batimento cardíaco está acelerado. Você fica envergonhado e excitado ao mesmo tempo. O tempo todo, você pode sentir os olhos de Paul em você.

(Eu posso fazer isso...)

Mordendo o lábio, você alcança por baixo da saia e lentamente desliza o fio dental por suas pernas.

(Está molhado. Espero que ele não perceba.)

Você se endireita, o tecido se agarra primeiro e ouve a risada de Paul.

Paul: Você tem algo para me dar?

Você os coloca na mão dele, arriscando uma olhada em seu rosto. Ele sorri ao pegá-los e, em seguida, os coloca no bolso.

Paul: Você foi bem. Estou orgulhoso de você. E estou ansioso para a próxima semana... Esta noite ainda nem acabou... E eu mal posso esperar.

Rayssa: Paul... Só tenho uma pergunta... Meu primeiro dia de treinamento, você disse que eu poderia gostar deste lugar... Por quê? O que fez você pensar que eu gostaria de um clube de BDSM?

Paul: Rayssa... Eu sou um Dominador há muito tempo. Eu conheci minha cota de submissas. Você aprende a escolhê-los depois de um tempo. Às vezes você pode dizer antes mesmo de eles se conhecerem.

(Ele está insinuando...)

Paul: Posso estar errado, mas frequentemente não estou. E...

Ele olha você bem nos olhos, confiante, inigualável.

Paul: Eu acho que você pode ser uma submissa, Rayssa.



Notas Finais


Obrigada pela leitura e desculpe por qualquer erro.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...