História Seduction Game - Capítulo 20


Escrita por:

Postado
Categorias Amor Doce, Anahí, Avril Lavigne, Demi Lovato, Justin Bieber, Taylor Swift, The Originals, The Vampire Diaries, Zayn Malik
Personagens Caroline Forbes, Davina Claire, Dimitry, Katherine Pierce, Personagens Originais, Rebekah Mikaelson, Rosalya
Visualizações 208
Palavras 1.916
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 20 - Surpassing


Fanfic / Fanfiction Seduction Game - Capítulo 20 - Surpassing

Me arrasto pelo campus com a cabeça baixa, quando escuto uma voz me chamar. Começo a andar mais rápido, mas acabo tropeçando e caindo com tudo no chão.

- Belle, você tá bem? – Dois braços me ajudam a levantar.

- Hum rum. – Assinto, já de pé, enquanto arrumo minha mochila nas minhas costas e permaneço de cabeça baixa.

- Então olha pra mim.

Eu não consigo, é o que eu tento falar, mas quando abro a boca as lagrimas que eu estava prendendo irrompem em um choro doído.

- Oh, Belle. – Dimitry passa os braços em volta de mim e me prende em um abraço apertado.

Eu demoro alguns minutos para me acalmar e durante esse tempo Dimitry continua parado, me abraçando.

- O que aquele desgraçado fez com você? – Pergunta ele quando eu finalmente paro de chorar.

- Ele não fez nada. – Murmuro, fungando e limpando minhas lagrimas.

- E então por quê...

- A gente terminou, mas não porque ele fez algo. A gente conversou e... Enfim, vou perguntar pra Taylor se posso voltar pro quarto dela, mesmo que seja só por um tempo.

- Entendo. – O olhar do garoto revela que na verdade ele não entende nada. – Vamos, eu te acompanho até lá.

 

- Você quer falar sobre o que aconteceu? – Taylor questiona, me observando.

Estamos deitadas lado a lado na cama da loira, que após abrir a porta e me vê do lado de fora ao lado de Dimitry, me deu um abraço forte, me puxou para dentro, fechou a porta e se feitou em sua cama, chamando-me para me deitar ao seu lado.

- Hum hum.

- Quer chocolate?

- Não.

- Quer cortar o pinto dele, para assar e depois obriga-lo a comer? – Rosa pergunta, entrando na conversa.

- Não, obrigada. – Respondo, rindo.

- Foi só uma sugestão. – A platinada dá de ombros.

- Obrigada, meninas, mas tudo o que quero agora é dormir. – Abro um meio sorriso para as duas que parecem entender o recado.

- Tudo bem. – Rosa fala antes de levantar da sua cama, que era a minha antiga, e ir apagar a luz.

- Boa noite, Belle. – Taylor fala na escuridão.

- Boa noite, Tay. – Falo de volta me virando e fechado os olhos, sem um pingo de sono.

Vai ser uma longa noite.

 

- Isabelle, acorda. – Escuto Rosalya falar, mas não me mecho, nem abro os olhos.

- Ela não está dormindo. – Taylor afirma. – Você sabe que vai precisar levantar em algum momento, não é? E que vai precisar comer alguma coisa.

- É verdade, você não comeu nada o dia todo.

- Não tô com fome. – Digo, sentando-me na cama e as encarando.

- Mas você vai pro refeitório com a gente nem que eu tenha que te arrastar pelos cabelos.

Estreito os olhos para Taylor que está com uma expressão decidida.

- Não acho que você tenha moral para me ameaçar, considerando o fato de que você fez eu me sentir bem pior quando me traiu com Dimitry.

Meu tom é mais ácido do que eu queria e faz a loira corar, envergonhada.

- Olha, eu só quero ajudar porque estou preocupada com você, mas se não quiser...

- Tudo bem, eu vou. – Digo, sentindo-me mal por tocar no assunto que tanto nos deixa desconfortáveis.

- Tá bom, vamos te esperar aqui. – Rosa sorri na intenção de me incentivar.

Me obrigo a levantar da cama e ir tomar banho. Minutos depois, já arrumada, me observo em frente ao espelho.

- Passa um batom. – Rosa sugere.

Faço o que ela disse para ver se melhoro minha aparência abatida. Ajuda um pouco.

- Vamos. – Digo, andando em direção a porta.

Quando chegamos ao refeitório andamos em direção a uma mesa vazia, mas sou obrigada a parar no meio do caminho, pois Rebekah assim que me vê, joga os braços ao redor de mim e sussurra em meu ouvido:

- Jus me disse o que aconteceu. Eu sinto muito Izzy. Como você tá?

- Eu tô bem, Bekah. – Sussurro de volta. – Obrigada pela preocupação.

- Certo. – Ela me solta. – Qualquer coisa fala comigo, tá?

Assinto, sorrindo e ela se vai. Sigo meu caminho para uma mesa Rosalya e Taylor já estão sentadas, me esperando. Agradeço por uma delas ter pego uma bandeja com comida para mim e começo a comer.

Como o máximo que consigo – o que não é o suficiente para as meninas – e resolvo voltar para o quarto antes delas. Já deitada na de Taylor pego meu celular para ler as últimas mensagens. Depois de ler apenas algumas e ignorar a maioria, levanto-me e saio do quarto. Ando pelo campus lentamente e tento não chamar atenção para mim. Entro no colégio e ando pelos corredores até chegar onde quero.

Justin olha atentamente na minha direção quando fecho a porta e entro no porão onde ele me espera. Eu sorrio, andando até o loiro.

- Oi, meu amor. – Ele me cumprimenta com um selinho rápido.

- Oi, meu bem. – Me sento no sofá e ele se senta ao meu lado, pega minha mão e entrelaça nossos dedos.

- Como foi seu dia?

- Ruim e o seu?

- Da mesma forma. – Suspira ele. – Mas vamos ficar separados só por um tempo, eu prometo. O que precisamos agora é ser convincentes para que todos acreditem que terminamos mesmo.

- Oh, todos estão acreditando mesmo. Eu nem preciso fingir, porque tô mesmo mal.

- Eu sei, baby. – Jus solta minha mão e passa o braço ao redor dos meus ombros, puxando-me para si e abraçando-me de lado.

Eu entrelaço meus braços no corpo do garoto, descansando minha cabeça em seu peito e ele começa a fazer cafuné em mim.

- Sabe o que eu estava pensando? – Fala com a voz baixa. – Acho que você deveria ir ficar uns dias com sua filha, que tal esse final de semana?

- Jus, – Respondo calmamente. – eu adoraria, mas não tenho dinheiro pra isso e de qualquer forma eu já fiquei com ela quando Davina e ela vieram para cá e depois nós fomos para lá.

- Eu sei, mas é que seria ainda mais convincente se você fosse, sabe? E eu fosse pra um dos jantares sociais do meu pai com outra garota e...

- Como assim outra garota? – Saio dos braços do mesmo e o encaro com os olhos estreitos.

- É que se for mesmo meu pai quem está por trás das ameaças a você ele ficará satisfeito em me ver com outra, entende? – Jus explica, calmamente. – Mas eu não farei nada demais com ela, nem vou tocá-la, mas eu acho que...

- Eu já entendi. – Assinto uma vez. – Se isso for mesmo necessário...

- Necessário, necessário não é, porém eu acho que ajudaria. E quanto ao dinheiro da passagem pra ir, eu pago.

- Jus, eu não...

- Izzy, por favor, meu amor.

Nos encaramos, sérios, em uma batalha mental e eu sinto que estou vencendo até ver algo se acender nos olhos dele.

- Ain, tá boooom. – Reviro os olhos, cedendo.

- Ah, que bom. – Comemora ele, fingindo mais empolgação do que eu sei que está sentindo.

 

- Bom dia, Belle. – Dimitry para ao meu lado na sala de aula, sorridente.

- O que quer? – Meu tom desfaz o sorriso do garoto.

- Achei que já tivéssemos passado dessa fase. – Diz, parecendo decepcionado.

Mordo meu lábio inferior, pensativa.

- Okay. – Forço um sorriso. – Bom dia, Dimitry. Como está? Dormiu bem? Se alimentou direitinho?

Ele ri, negando com a cabeça.

- Só quero saber se está melhor, Belle. – Afirma. – Não precisa ficar com fingimento pra cima de mim.

- Estou melhor sim, obrigada. – Meu sorriso dessa vez é leve e verdadeiro.

- Que bom. – Ele parece querer dizer mais alguma coisa, mas apenas se aproxima rapidamente, beija minha bochecha, se afasta e sai.

Intrigada, sento em minha carteira. Quando olho para trás, vejo Justin me observando com uma expressão confusa.

 

O que foi aquilo com Dimitry na sala?

Um sorriso se forma em meus lábios ao ler a mensagem de Justin e eu logo o respondo:

Acho que ele está tentando se redimir.

Huuuuum... Devo sentir ciúmes?

Sabe que não, bobinho. Só tenho olhos pra você.

Acho bom.

Quando estou prestes a responder, Anahí chama minha atenção com uma pergunta:

- Vai fazer o quê no fim de semana, Izzy?

- Eu... – Guardo meu celular no sutiã e a encaro. – Vou para casa, ficar com minha família.

- Isso é maravilhoso! – Ela saltita sob os saltos altos das botas do nosso uniforme. – Espero que se divirta bastante!

- Obrigada. – Agradeço sentindo-me contagiada pela empolgação da garota.

- Agora eu preciso ir, senão o chato do professor não me deixa mais entrar na sala. – Annie me informa e sai do banheiro. – Tchau, Izzy.

- Tchau, Annie.

- Quem começou com isso de te chamar de Izzy? – Taylor pergunta saindo de uma das cabines do banheiro, assim que a outra sai.

- Justin. – Respondo de forma automática.

- Ah, sim. – A loira caminha até a pia para lavar as mãos. – Ouvi que vai passar o final de semana com seus pais. Você tem dinheiro para isso? – Hesito, antes de assentir. – Só estou perguntando porque se você precisar de alguma ajuda com dinheiro, eu posso ajudar.

- Obrigada, mas não preciso.

- Tudo bem.

 

Sexta a noite e eu já estou na casa de minha mãe, jantando com Davina, Melissa e ela. Justin – que pagou minha passagem como disse que faria – está acompanhado por outra em um jantar chique em algum lugar caro em Nova York.

Assim que eu cheguei Melissa me perguntou por ele e eu disse que nós não estamos mais juntos. Davina e minha mãe logo vieram me consolar e eu admito que amei os mimos, o carinho e a atenção das duas.

Depois de jantarmos, nós quatro colocamos colchões no chão e nos deitamos para assistir filmes, enquanto comemos pipoca e brigadeiro de panela.

Depois nós adormecemos abraçadas umas às outras.

 

- Bom dia, mamãe. – Cumprimento a mulher com um beijo no rosto.

- Bom dia, Iz. – Ela sorri e me observa. – Vai visitar seu pai?

- Sim, vou passar o dia com ele. – Me despeço, chamo Melissa e nós duas saímos.

 

Depois de passar um dia agradável com meu pai, na hora de voltar para casa de mamãe, resolvo levar minha filha para brincar no parque.

O parque está quase vazio, mas isso não acaba com a felicidade da pequena que brinca com uma outra garotinha no escorregador. Enquanto ela se diverte, eu me sento em um banco próximo para observá-la.

Pego meu celular para ver se alguém me mandou mensagem e leio primeiro as de Caroline.

Olha a vadia que Jus levou para jantar com a gente, diz uma delas e depois há uma foto de Justin sentado ao lado de uma ruiva elegante. Ele parece desconfortável ao lado dela que parece radiante.

O nome dela é Katherine, continuou Caroline, ela é uma vadia esnobe.

Ao ler o nome da garota automaticamente me lembro de que Justin me disse que a garota que ia acompanha-lo na noite em que nos conhecemos chamava-se Katherine e era ruiva.

Suspiro pesadamente e respondo Care:

Ela é bonita.

- Nossa filha é mesmo linda, não é?

Congelo, sentindo todos os cabelos do meu corpo se arrepiarem ao ouvir uma voz conhecida sussurrar no meu ouvido.

Não, não pode ser!

Muito lentamente viro minha cabeça para o lado e ao encara os olhos que tanto me atormentavam antes, estremeço.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...