História See the devil in i - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens All For One, Dabi, Denki Kaminari, Eijirou Kirishima, Enji Todoroki (Endeavor), Fumikage Tokoyami, Hitoshi Shinsou, Hizashi Yamada (Present Mic), Iida Tenya, Inko Midoriya, Katsuki Bakugou, Kyoka Jiro, Midoriya Izuku (Deku), Mina Ashido, Momo Yaoyorozu, Neito Monoma, Shouta Aizawa (Eraserhead), Shouto Todoroki, Stain, Tetsutetsu, Toga Himiko, Tomura Shigaraki, Tsuyu Asui, Uraraka Ochako (Uravity), Yagi Toshinori (All Might)
Tags Bakudeku, Bnha, Bnha Yaoi, Evil Deku, Katsudeku, Tododeku, Villain Deku, Violencia, Yaoi
Visualizações 157
Palavras 2.043
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drabs, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, Lemon, LGBT, Literatura Feminina, Luta, Magia, Mistério, Poesias, Policial, Romance e Novela, Seinen, Shonen-Ai, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Canibalismo, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Yo! Primeira one, primeira fic!
espero trazer mais sobre esse conteúdo, juro!
(Não villain deku, mas, bnha e yaoi ^^)
é mesmo, preciso avisar:

SImplesmente não leia caso não goste de Yaoi(que nem é muito, mas né/eu mesma nem consideraria ,-,) Violência, multilação, sadomasoquismo e etc, bla bla blá A capa fui eu que fiz, dono da arte: Achei no pinterest (Não faço ideia) o banner tbm fui eu(trabalho Alone;-;) e é isso, leia por sua conta e risco, etc.
Nem é tão pesado, eu só quis fazer algo do gênero.

nos vemos lá embaixo :vv

Capítulo 1 - Mil e uma maneiras - One Shot


Fanfic / Fanfiction See the devil in i - Capítulo 1 - Mil e uma maneiras - One Shot

Com este acontecimento, o mundo certamente deveria ter se tornado melhor; Digo, quando poderes se tornaram reais, entretanto, conquistar isso não fora nada fácil. Mesmo na atualidade ainda há a vilania, que não se sobressai por conta do heroísmo. 

Eu acredito que estes dias estejam próximos ao fim, já que, com a ajuda do vilão mais popular anterior à mim (conhecido por Stain, já preso e condenado), eu me tornei o mais forte deles sem nem mesmo ter uma individualidade. E isso prova o quanto as pessoas erram, mas, fazer o que? Ser herói não teria dado certo de qualquer forma. 

Lembro-me com cautela até os dias de hoje do momento em que fui humilhado pelo tão proclamado "herói numero um", eu tentei até não aguentar mais, e o que recebi em troca? O óbvio que esmurrava o meu nariz fino todos os dias. 

Custava ter dito que eu poderia ter me tornado um herói? Mesmo que fosse morrer, lhe caíria um braço se alimentasse meu sonho quase morto por uma série de bullyings? Abusos? depois de toda a dor que foi ter Katsuki Bakugou nas minhas costas o tempo todo?  depois de, por algum motivo, eu me apaixonar por ele como um louco, fascinado por sabe-se-lá o que, e simplesmente viciado na ideia de cortar seus membros fora, costurá-los em outro lugar e depois transar com o corpo já morto? 

Não, é claro que não, e talvez pudesse ter salvo todas as pessoas - contadas á fio, no total 677 - que morreram por minhas mãos, todos aqueles que se dizem heróis: Homens, mulheres e até crianças tiveram suas gargantas dilaceradas sem a misericórdia de seu Deus. Se é que exista um, nesse caso, aonde esteve enquanto eu me fodia de todas as formas possíveis? 

E agora? Eu perambulo pelos cantos à procura de mais vítimas? É claro que não, isso seria ridículo. Todas as pessoas que morreram foram selecionadas á dedo, e cada caso tem um motivo. 

Lembro-me até os dias de hoje de um crime de um ano e meio atrás: Uma linda garota, de seios fartos e cabelos castanhos que lhe decaíam os ombros, estudava na U.A, e era naturalmente chamada de Uravity

No leito de morte, disse-me fracamente: -Não! Eu preciso ajudar aos meus pais! - E isso não significou nada, pois morreria de todas as formas; tendo seus órgãos internos retirados quando ainda viva colocados em sua boca e deixada á porta de sua casa, como uma última visita á seus pais.

Ela seria uma ótima heroína, a quem se pode chamar de esforçada, creio eu que se aposentaria assim que tivesse o suficiente para dar à seus pais a vida que lhes julgava merecidas. 

Matei-a por 20.000¥,e reconhecimento, é claro. 

Assim que me tornei o Vilão n1, não precisei matar por dinheiro; a liga dos vilões passou a tentar me contatar, mas, aqueles caras realmente não me interessam uma vez que seu líder já esteja preso; acredito que vá fugir, enquanto isso não acontecer, eu serei meu próprio dono, com meu próprio buraco e meus próprios homens, certamente confiáveis. 

Estes eram Hitoshi shinsou e Todoroki Shouto, que se juntaram a mim quando lhes convenci de que estariam seguros ao meu lado e que lhes daria tudo que quisessem, inclusive a atenção que desejassem, seja na mídia ou a minha própria. Disse-lhes que ambos são meu braço direito, e que se precisasse escolher entre um preferiria mandar ambos para a puta que pariu; O que não era mentira. Eram meus homens mais confiáveis. 

No assunto da U.A, causei tantos problemas que quase - tão perto, tão perto! - levei-os à falência. De lá, levei 7 garotos da Sala 1-a para o inferno, 1 se juntou à mim e mais outro sequestrei. Da sala 1-b levei 5 deles para a casa do caralho e os vendi, da 1-c apenas convenci Shinsou, e de resto 16 pessoas daquela escola que não tinham foco morreram nas minhas mãos, além de deixar grande parte dos outros feridos. Após esse ocorrido quase 59% das pessoas que lá estudavam, saíram da escola, e o resto paralisado de medo. 

O aluno sequestrado da 1-a, recebe o nome de Katsuki Bakugou, e está atualmente preso em uma das celas no meu porão, acorrentado e drogado para que não use sua individualidade contra mim. 

Era reconfortante saber que quando acordasse daquele sono poderíamos reiniciar nossas sessões de tortura, esta que evoluía bem aos poucos. 

Hoje ele teria uma surpresa que eu guardei para o grande final. 

Observei-o abrir seus olhos lentamente, se acostumando à claridade do local bem iluminado, e demonstrei um de meus sorrisos largos e costumeiros; o mais gentil e animado que pude; entretanto, pela feição de seu rosto, parecia ter visto o próprio diabo. 

- O que foi, Kachan? - Era o apelido dado quando éramos crianças, na época em que ninguém esperava este futuro vindo de mim. Suas pernas não estavam amarradas, o que o possibilitava de andar, mas não o fez, ficou parado ali me olhando com desprezo e curiosidade, respirando como conseguia pelo tempo que ainda dava. 

- Deku. - Era a primeira vez que o vi falar em ( dois ) dias, geralmente apenas grunhia ou xingava qualquer coisa quando lhe cortava ou lhe olhava diretamente nos olhos. - O idiota do Todoroki também está aqui? - De todas, não esperava que se preocupasse com meu comparsa, e antigo próprio colega de sala.

- É claro. Mas vivo. - Soltei, como se alguém morto ali fosse o mais comum (e era). - Quer vê-lo? 

-  Não. - Surpreendeu-me. - Então ele se juntou a você? 

- Sim... - Cruzei os braços após concertar minha luva fina e negra, olhando diretamente nos únicos olhos que me chamavam a atenção no mundo. - Kachan, se preocupa com algo? 

Não responde, encarando-me sem abaixar a cabeça. 

- Você só resolveu falar algo hoje, te fiz perguntas ontem e fui ignorado. - Dramatizei propositalmente, capaz de escutar um grunhido irritado do outro único presente nessa sala. - Esteve pensando? 

Haviam apenas dois dias aos quais Katsuki Adentrou à esse lugar, contando com ontem hoje era o segundo. Estranhei quando ele não soltou nem uma lamúria sequer, permanecendo parado e quieto todo o tempo; parecia ignorar minha presença com tudo o que tinha enquanto observava um canto, aparentemente extremamente interessante e qualquer. 

Nem mesmo os alguns cortes que fiz em seus braços e pernas o fizera abrir a boca. Apenas manteve seu olhar carrancudo de sempre. 

- Kachan, pensou em mim?  Perguntou a sí mesmo aonde estava e o que estava fazendo? - Me aproximava sem aviso prévio ou permissão, ajoelhando-me em sua frente e o olhando de baixo. - Sequer sentiu minha falta? 

- E por qual motivo eu sentiria? - riu baixo, com o natural sorriso de canto e a face torta em desgosto. Ele realmente deve me odiar. 

- Kachan. - Era realmente bom tê-lo sob minha guarda novamente, poder chamar seu nome enquanto me referia a si, e não enquanto estivesse me tocando. Me causava um sentimento à muito esquecido de nostalgia, fazia-me sentir bem. - Kachan... Se apaixonou enquanto estive fora? 

- Aonde conseguiu essa? - Trocou rapidamente de assunto, olhando diretamente para meu olho cego; referia-se à cicatriz enorme que ali residia. 

- Ah, uma briga com um conhecido seu, ele esperneou e não aceitou morrer até o último momento; disse que não era um final digno e me enfiou o pé na cara, acredita? - Sorri sinceramente para o rosto alheio, tocando seus fios louros (e agora um pouco sujos),  e com o outro braço abraçando sua perna, escorando-me. - Tenya Iida, conhece? 

Arregalou um pouco os olhos, desacreditando. Ele deve pensar no que todos pensam: "Como sem uma individualidade?"; e eu lhes digo, um poder não é tudo se você coloca isso acima das outras coisas; e aquele rapaz agia compulsivamente e cego de ódio; por eu ter sido o principal culpado na morte de seu irmão mais velho.

- Alguém mais morreu? - Parecia mais preocupado do que amedrontado. Seria esse o Kachan nunca existente em sua época infantil? O que se preocupa mais com os outros que consigo mesmo? 

Entretanto, ele parecia querer informações de uma pessoa em especial; Kachan definitivamente gostava daquela pessoa, não há dúvidas. 

- Sim, ora, odiava quase todas as pessoas da tua sala! Fora que alguns deles me deram valiosas recompensas. - Seu olhar ígneo se estreitou em fúria, prestes a chutar meu rosto, já nem tão juvenil, e tirar-me alguns dentes. Porém, segurei suas pernas. - Você quer saber de alguém em especial? Eu te conto e não vou mentir, prometo! 

Hesitou por alguns segundos, desviando o olhar e sussurrando quase que inaudível um "Kirishima"; como forma de provocá-lo, acrescentei para que comentasse de pouco mais alto. 

- Esteve preocupado com o 'Kirishima', Kachan... - Fora mais uma afirmação à uma pergunta, olhei-o de relance e despertei um alegre sorriso, este que o fez tremer a espinha. - Tudo bem, ele está bem agora! 

Levantei-me e afastei-me dele, movendo com os pés uma caixa embrulhada (porém, não fechada) com papel de presente, chutei-a à alguns metros de distância (aposto em três) fazendo-a parar bem à sua frente, dando sinal para que abrisse com as pernas livres. 

Usando os doi pés, o vi abrir a caixa com pouca dificuldade, para depois arregalar os olhos absurdamente, e largar a tampa no chão. 

Trocou de semblante várias vezes, sem saber como se expressar, para depois de algumas lágrimas rolarem seu olhar repleto de fúria ser dirigido à mim. Era possível sentir a aura obscura que o rodeava, me deixava excitado o ver furioso por conta de seu amiguinho. 

- Quer saber como foi, Kachan?? - Dei pulinhos de alegria, realmente contente por vê -lo naquele estado absurdo, absolutamente puto. Desviei o olhar para o conteúdo da caixa, ainda à alguns metros de distância do meu amigo de infância, era a cabeça já em estado de decomposição de Kirishima Eijirou, A quem observei por um tempo apenas para realizar a façanha de presenteá-lo com este; Fora o melhor presente dado por mim desde que nasci,  e nunca me arrependerei das expressões ali vividas. 

Todas direcionadas à mim. 

- Ele realmente foi complicado! Ficava endurecendo e demoraram horas para ele ceder e eu lhe cortar a cabeça. Era um rapaz bonito, alegre e sorridente, e é por causa disso que não me dói. - Notei-o hiperventilar, desesperado, suava muito. 

Parecendo mais calmo (não estava, muito pelo contrário, seu ódio tomava uma forma ainda maior a cada segundo; apenas raciocinava melhor mesmo que por um pouco)  levantou-se, e sem rancor proferiu:

- Eu vou te matar, Deku - Firmeza na voz agora engrossada, não vacilou em nenhum segundo. - Vou te explodir esse rostinho de merda, quebrar todos os seus ossos e fazê-lo implorar por misericórdia, desgraçado! 

- Ora, adoraria ver-te tentar! - Sorri alegremente, no fundo pensava apenas em como eu o torturaria por anos, e depois o jogaria em frente a sua casa já todo fodido bem depois que já tivera desejado morrer mais de uma vez. O sentimento de quando presencio os gritos agonizantes é reconfortante, faz-me sentir ótimo e já ansiando pelo próximo. Mas com Kachan é diferente, vê-lo sentir dor me faria tocar o paraíso com os pés calçados em meias macias. Me excitaria do topo da cabeça até as unhas dos pés. 

 Levantou-se pisando forte e lentamente com os pés em minha direção, parando em algum momento do percurso quando direcionei minha costumeira lâmina à sua direção, já preparado para seu ataque de nervos. 

- Dê mais um passo, Kachan. - Travou, encarando o vazio de minha orbe esmeralda, a única que ainda brilhava para meu contentamento. - e veja o demônio em mim. 

Ameaçou-me com o olhar angustiado, já  tremendo em pura íra. 

- Eu consigo pensar em mil e uma maneiras de faze-lo sofrer tanto, que vá esquecer outros sentimentos,  não for a dor. - Contorci meu rosto em uma face jamais vista por alguém antes, expressava todas as idéias lúgubres que me brotavam a cada segundo de forma psicótica.

Mas Kachan e eu não teríamos e não chegaríamos perto ao fim, nem que quiséssemos; nunca.

 

 


Notas Finais


Olha, na realidade eu acho que vou fazer uma 1.5, maas não tenho certeza ainda; é só uma ideia pq há algumas coisas que preciso explicar e terminar
(tipo, como o Mido entrou na U.A e mato aquele pessoal sendo que a segurança é mto alta, coisas desse tipo :v)

Não revisei, então qualquer erro podem dizer :)

enfim eu realmente espero que tenham gostado, pq eu levei um dia para fazer isso :v ( é pouco? é, perdão sdjak)
Até a próxima :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...