1. Spirit Fanfics >
  2. Segredos >
  3. Capítulo Um

História Segredos - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Olá cerejas, eu realmente espero que vocês gostem dessa fanfic, tentarei não demorar nas atualizações, e prometo dar o meu melhor para que se torne uma fanfic tão boa ao ponto de ser inesquecível. Enfim, boa leitura para vocês e até as notas finais. ♡🍒

Capítulo 1 - Capítulo Um


Fanfic / Fanfiction Segredos - Capítulo 1 - Capítulo Um


° 𝕮apítulo 𝖀m:


Um suspiro baixo escapou dos lábios da loira enquanto os olhos se mantiveram atentos a sua filha, a preocupação beirava ao desespero enquanto os olhos atentos observavam a menor deitada na cama hospitalar com todos aqueles aparelhos monitorando cada pedacinho do pequeno corpo. Seus olhos se desviaram para a porta ao notar que uma de suas amigas íntimas estava parada na porta lhe chamando com um sinal de mão, os olhos se voltaram rapidamente para a pequena e ao notar que a mesma permanecia dormindo, se levantou e seguiu a passos calmos até o lado de fora do quarto. Assim que sentiu o corpo se abraçado um soluço doloroso escapou de seus lábios e se aconchegando no abraço quente deixou que toda a angústia viesse em forma de grossas e dolorosas lágrimas. 



— Você precisa contar para ele Lucy, eu sei que é complicado, e eu sei que envolve muitas coisas, eu realmente não queria que tivesse de tomar essa decisão mas não temos escolha. Ela precisa de um transplante e ele é o único com chances de ser compatível, além disso, ele pode ajudar financeiramente com as despesas hospitalares. 


Um gemido escapou dos lábios da loira enquanto a mesma fechava os olhos já pressentindo a dor de cabeça que viria ao contatar o pai de sua filha. Engolindo em seco segue até os assentos que tinha próximo onde estavam e se senta aguardando que a menor fizesse o mesmo. 


   Levy. - murmura mordendo os lábios em puro nervosismo. Levando as mãos até o rosto limpa as lágrimas com as pontas dos dedos, e após tomar fôlego volta a se pronunciar. - Ele não sabe da existência dela, e eu quero que continue assim, porque se algum dia  vier a descobrir, eu não sei nem mesmo o que pode acontecer comigo. 


—  Lucy, Nashi precisa de um transplante e sabemos que você não é compatível. - suspira enquanto entrelaça os dedos nos dela e sorri de forma encorajadora. - E só nos resta ele como opção, você precisa contar para ele, mesmo que as consequências sejam devastadoras. Quando você foi embora sabia muito bem que esse dia chegaria, que em algum momento ele iria descobrir, agora cabe a você lidar com isso. Sinto muito mais ele é a nossa única opção. 


— Eu sei, eu só estou com medo da forma com que ele vai reagir, eu nem mesmo sei como contar. 


— Bom, eu não sei como isso vai se desenrolar, a única coisa que eu sei é que não deixarei minha afilhada continuar passando por tudo isso, sinto muito Lucy, mas se você não contar, eu contarei. - da de ombros balançando a cabeça em negativo quando a loira abriu a boca pronta para responder. - A cinco anos atrás você optou por ir embora, não deu sequer a chance dele saber sobre a filha, eu não concordei naquela época e continuo não concordando porém te apoiei porque você é a minha melhor amiga acima de qualquer coisa. Porém agora as coisas são diferentes, Nashi está debilitada, e farei qualquer coisa para vê-la bem, isso inclui até mesmo quebrar a promessa que eu te fiz a cinco anos atrás. Então você quem decide, ou você mesma o preocupa ou eu o farei. 


Mordendo os lábios a loira ergueu o olhar até encontrar com os olhos azuis da melhor ameiga, e suspirando balança a cabeça em afirmação desviando sua atenção para a porta do quarto que estava alguns metros de distância. 


— Eu sei exatamente o que tenho que fazer, e eu o farei. - sussurra escondendo uma mecha de cabelo atrás da orelha. - Eu vou procurar por ele, e farei com que ele me escute. Você pode ficar com ela enquanto faço isso? 


Sorrindo a azulada balançou a cabeça em afirmativo voltando a abraçar o corpo da loira enquanto sussurrava que ficaria tudo bem contra o ouvido da loira que a essa altura já tinha voltado a chorar sentindo o coração apertar dolorosamente com tudo o que estava prestes a acontecer. A decisão que tinha acabado de tomar naquele momento novamente daria uma total reviravolta em sua história lhe trazendo sentimentos que julgou estar adormecidos a anos, e o coração batendo de forma tão acelerada demonstrava que  não estava preparada para o que viria. 


_


_


_


_


_


_



Lucy On*



Senti meu coração bater em minhas costas de forma tão forte que joguei ser possível qualquer passo á minha volta escutar o tamborilar agitado do meu coração enquanto caminhava a passos lentos em direção ao hall de entrada da empresa Dragneel'entertainment. Deixei um sorriso cordial se desenhar em meus lábios e levei minhas mãos que estavam úmidas de suor até a saia que estava usando descansando a mão ali enquanto continuava a seguir a passos rápidos até o balcão de atendimento. Deixei um sorriso doce e gentil se desenhar em meus lábios enquanto meus olhos se dirigiam até a morena que estava com os olhos agora focados em mim. 


— Olá, bom dia, em que possa ajudar? 


Me permitir respirar fundo antes de enfim pronunciar tentando manter a calma a todo o custo já que o pior ainda estava por vir. Soltei meus lábios que antes estavam sendo "agarrados" por meus dentes e sorri. 


— Olá, bom dia... - desviei o olhar para o identificador que estava no lado esquerdo do peito da mulher e logo voltei com meus olhos para os dela. - Cana, eu gostaria de falar com Natsu Dragneel é algo de bastante urgência. 


— Tem horário agendado? 


— Uh, não. - murmura mordendo os lábios em nervosismo. - Mas se deixar claro que sou em quem está tentando um contato com ele, tenho certeza que ele me receberá. Eu realmente preciso falar com ele, é algo de extrema urgência. 


— Sinto muito, mas as ordens são para deixar passar somente quem tem um horário agendado, então se você quiser agendar, eu posso olhar quando ele estará disponível. 


Balancei a cabeça em negativo descartando totalmente a opção de voltar outro dia, eu provavelmente não teria coragem, eu me conhecia o suficiente para ter essa certeza, se eu não falasse com ele naquele momento, provavelmente isso não aconteceria nunca. Deixei que um suspiro baixo escapasse dos meus lábios enquanto murmurei um "obrigada", não adiantaria insistir, então eu teria que tentar de outra forma. Me despedindo da mulher girei o corpo por sobre os meus pés e me voltei para a porta por onde eu tinha entrado e quando meus olhos se encontraram com os dele senti todo o ar do meu corpo se esvair enquanto meu coração bateu de forma dolorosa em meu peito, meus olhos arregalados encararam o homem parado a alguns metros a minha frente. Meu cérebro gritava comandos para que eu corresse o máximo que conseguisse até que estivesse a léguas de distância dele, porém minhas pernas não me obedeciam. Meus olhos permaneceram presos nele enquanto ele se aproximava, ficando cada vez mais perto. 


— Vem comigo. 


Foi a única coisa que ouvir vindo dele antes dele passar por mim e seguir a passos calmos em direção ao elevador, e mesmo com toda a vontade de sair correndo para longe eu o segui, de forma relutante deixando meus olhos focados no chão enquanto aguardava que o elevador finalmente parasse no andar solicitado. Era sufocante permanecer no mesmo ambiente que ele. Meu corpo se arrepiava em antecipação só de sentir a presença dele. Mordendo meus lábios deixei que um suspiro de alívio explodisse para fora de mim quando enfim o elevador parou do andar solicitado. Continuei o seguindo parando somente quando ele o fez para trocar rápidas palavras com a secretária. 


— Não quero receber ligações ou qualquer intromissão. Só passe as ligações para mim, quando eu tiver finalizado, entendido? 


— Sim senhor Dragneel. 


Observei o momento em que ele apenas assentiu  com um movimento de cabeça e seguiu em entre adentrando a sala e eu apenas o segui tentando me acalmar no processo. Segui para dentro da sala e me mantive em pé no meio dela deixando que meus olhos focassem no homem que agora estava parado de braços cruzados com a lateral do corpo encostado na parede e os olhos focados nos meus. Senti as borboletas ganharem vida novamente dentro do meu estômago e engoli a vontade de gemer em desgosto, eu sempre odiei o poder que ele tinha sobre mim. 


— O que exatamente te trouxe após cinco anos Luce? Eu estou realmente curioso para descobrir, porque até ontem eu jurava que você estivesse morta já que sumiu do mapa. 


Suspirando eu tentei me acalmar, eu sabia que ele estava sendo maldoso, claro que eu sabia que eu estava viva, Natsu sempre sabia de tudo que me envolvia, ou quase tudo. Deslizei minha língua sobre meus lábios e desviei o olhar por alguns instantes tentando encontrar uma forma de contar sobre o que eu tinha ido fazer ali. 


— Eu preciso que você me escute, sem me interromper. - deixei que as palavras chegassem até o rosado e assim que o mesmo confirmou com um leve movimento de cabeça respirei fundo e me pronunciei. - Nós temos uma filha, o nome dela e Nashi e ela tem quatro anos. Eu escondi a existência dela de você por motivos diversos, e eu sei que você vai me questionar o motivo porém antes disso eu preciso que você venha comigo. Nashi está doente, faz algum tempo e ela precisa de um transplante, e eu não sou compatível, e você é a minha única esperança. 


Meu corpo se arrepiou por completo ao ouvir uma risada baixa e totalmente sem humor vinda do homem a minha frente, o que fez com que eu engolisse em seco e desse alguns passos para trás, eu realmente não tinha notado toda a aproximação até que ele estivesse a apenas alguns centímetros de mim. 


— Você está dizendo que eu tenho uma filha de quatro anos ao qual eu não sabia da existência, e que essa filha está doente o suficiente para precisar de um transplante? Você está brincando com a porra da minha cara, Lucy? 


— E-Eu… 


Ele me interrompeu com apenas um balançar de cabeça, deixei que meus olhos focassem meus pés enquanto permanecia calada aguardando que ele voltasse a se pronunciar. 


— Acredite em mim quando eu digo que desculpa nenhuma vai amenizar o que você fez, eu não consigo acreditar que você escondeu minha filha de mim durante cinco anos, não acredito que me negou o direito de ser pai durante todos esses anos, eu nunca pensei que você fosse capaz disso. 


Senti meu coração doer ao notar a forma como a voz dele se quebrou, fazendo com que a culpa se instala-se em meu peito de uma forma tão dolorosa que a falta de ar se fez presente. Tentei me acalmar já que eu não teria outra opção. 


— Eu tive os meus motivos. 


— Eu imagino quais motivos são esses, e eu espero que eles sejam o suficiente para quando você estiver de frente para o juiz. 


— O que? Não, você não pode fazer isso comigo, Natsu, ela é a minha filha, eu t-... 


— Nossa filha Lucy, que você escondeu de mim durante cinco fodido anos, você me fez passar o inferno quando sumiu seu avisar, quando resolveu sair da minha vida levando algo que talvez tivesse me salvado a cinco anos atrás, você me fez passar o inferno na terra e eu juro que devolverei tudo na mesma moeda. 


Meus olhos se mantiveram focados nos lábios dele que agora trazia um sorriso sarcástico e frio, que trouxe sensações assustadoras em todo meu corpo. 


— Sinto muito Natsu. 


— Não, quem sente muito sou eu, porque a partir de hoje farei da sua vida um inferno, eu serei o seu inferno pessoal, Luce e nada nem ninguém te livrará dele. 


— Você não pod-... 


— Você vai aprender que nesse mundo eu posso muitas coisas, é só você tentar os meus limites e eu te mostrarei até onde eu posso ir, e eu tenho certeza absoluta que você não vai gostar nada do final. Agora vamos, primeiro eu preciso conhecer minha filha e resolver o mais urgentemente que é a saúde dela e enquanto eu faço isso você pode ir arrumando suas malas. 


— E porque eu o faria? 


— Porque você virá morar comigo, ou acha que tolerarei minha filha longe de mim por mais tempo? Você tem duas opções Lucy, ou faz o que eu estou mandando ou vamos resolver isso em um tribunal e já sabemos onde isso vai dar, então eu te aconselho a escolher a primeira opção. 


Deixei um xingamento baixo escapar dos meus lábios enquanto sentia minhas mãos tremerem de uma pura e genuína raiva, desde o começo quando decidi ir atrás dele, sabia que seria assim porém não posso me impedir de sentir tudo o que eu estava sentindo naquele momento.


— Tudo bem. - resmunguei em tom baixo concordando com o rosado. Eu não iria contra ele, até porque no final era ele quem ganharia de qualquer forma. - Eu farei o que você está mandando, porém irei com você até o hospital, eu mesma contarei para minha filha quem você é. 


— Nossa filha Luce, nossa filha. Espero que você aprenda logo que ela é tanto sua quanto minha, porque a partir de hoje eu espere presente você queira ou não. 


Observei o sorriso predatório ganhar forma nos lábios dele enquanto o mesmo se afastava em direção a porta, ao passar por mim senti meu corpo estremecer e mordi meus lábios segurando o suspiro que queria espancar dos meus lábios, e enquanto o seguida tive a sensação de que nada conseguiria me salvar do rumo que meu destino estava tomando após a revelação do meus mais importante e doce segredo…


Notas Finais


Então espero que vocês tenham gostado, me perdoe qualquer erro ortográfico. Quero deixar claro que eu iniciei a escrita dessa fanfic hoje então não tenho capítulos prontos, vou tentar adiantar alguns e organizar tudo direitinho, e prometo voltar o mais rápido possível com uma nova atualização, e é isso. Qualquer dúvida deixe nos comentários e eu responderei a todas as perguntas, amo cada um de vocês. Até + minhas cerejas. ♡🍒


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...