1. Spirit Fanfics >
  2. Segredos após a morte (Interativa) >
  3. A noite é uma criança

História Segredos após a morte (Interativa) - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


Olá meus queridos toddys!
Um capítulo aí pra vocês, desculpem o tamanho e eu espero que gostem!
Ah! E depois eu corrigo os erros, estou morta de sono, sério, se vocês vê nomes aí nada haver, vírgula em lugar de ponto, peço mil perdões. Mas amanhã eu juro que concerto tudo!
E pessoal, desculpa não ter respondido os últimos comentários de alguns, fiquei meio sem tempo, e acabou não dando pra responder os comentários. Mas eu li cada um, e amei todos de coração, quase chorei com os comentários de vocês, de verdade! E mesmo sendo meio antigo, de capítulo passado eu vou responder (amanhã, claro) mesmo assim e foda-se! Eu gosto de responder comentários!
Outra coisa, próximo capítulo vai ter mais destaque nos personagens que não ganharam destaque nesse capítulo, tô selecionando aqui de maneira aleatória pra resumir em casa capítulo. Até porque não tem eu falar de DEZESSEIS personagens em um capítulo sem que pareça forçado.
Enfim, boa leitura <3

Capítulo 5 - A noite é uma criança


Fanfic / Fanfiction Segredos após a morte (Interativa) - Capítulo 5 - A noite é uma criança

Sereno deu uma leve arrumada na camiseta branca que usava, e depois arrumou melhor seus aparelhos auditivos, eles estavam meio tortos e isso estava incomodando ele.

- É tão bom pensar em encher minha cara... – Olívia falou se espreguiçando na cama de Sereno. A morena preferiria estar fumando e bebendo juntamente, mas como só tinha a bebida, ela teria apenas que aproveitar.

- Você é bem folgada né? – O garoto falou e se virou para a amiga – Anda, levanta daí, já tem um monte de gente lá em baixo.

- É, eu sei. – A garota levantou da cama e abaixou seu short jeans – Da pra ouvir o som daqui de cima.

E então os dois saíram do quarto do rapaz. Todos ali naquela enorme casa estavam extasiados e ansiosos, até porque não é sempre que você fica no meio de um bosque em uma casa enorme cheio de adolescentes desmiolados, ainda mais contando com essa festa e muita bebida alcoólica.

Ninguém iria escapar da merda que a festa poderia dar.

Sereno e Olívia chegaram no primeiro andar da casa, e foram até os fundos para ir para a ala da piscina, que vai ser onde vai rolar toda a festa. Os lábios de Olívia formaram uma linha fina, os olhos verdes foram diretamente nos copos de bebidas, o que a deixou ansiosa. A morena agarrou o braço de Sereno e começou a puxa-lo rapidamente para que fossem mais rápidos, só que um obstáculo impediu que continuassem o percurso.

- Ai. – O garoto olhou para baixo sentindo uma dor leve no ombro, e viu Ângela, que passava a mão na cabeça, onde ela havia chocado com o ombro do rapaz.

- Qual o seu problema? – Ele perguntou se sentindo mais irritado – Olha por onde anda porra!

- Da uma segurada aí Sereno, não foi de propósito. – O jovem rapaz nem tinha prestado atenção na presença de Alice.

- Desculpa. – Ângela murmurou, mesmo com toda brutalidade do garoto ela fez questão de manter a educação.

- Vamos logo Sereno! – Olívia puxou o braço do garoto e acenou para as meninas – Você tem problema? Precisava ser ignorante daquele jeito? – Hernandez indagou nervosa.

- Ah Olívia, me poupe. – O castanho pediu – Você é a Miss Ignorante então não vem querer apontar o dedo na minha cara.

- A questão meu querido, é que Ângela sempre está na dela sem fazer mal nenhum pra ninguém. – Diz a morena – Se eu fosse ela naquele momento teria pulado no seu pescoço.

- Garota raivosa...

- Eu que o diga né Sereno! – O garoto mostrou a língua de forma infantil e eles pararam de frente uma mesa, que tinha uma boa variedade de comida, sem contar as bebidas alcoólicas, eram diferentes garrafas de cores e tamanhos, com um monte de copo de plástico.

Sereno parou para olhar em volta e ver quem estava lá em baixo, e todos alunos (e os professores) que estavam ali. A iluminação está meio fosca, pois a lâmpada que tem na parte exterior da casa não é forte o suficiente para iluminar tudo, só que de acordo com o cenário também está lindo, as árvores são sombras negras que colorem o céu azul escuro, que por sinal está limpíssimo sem nenhuma nuvem, sendo bem visível as lindas estrelas.

Sereno olhou bem a paisagem, só que cerrou os olhos azuis quando viu alguém indo para trás de um arbusto, o garoto tentou ver mais, e continuou olhando para o emanhado de folha que estava longe a alguns metros de distância, e foi quando algo parecido com uma cabeça, era uma silhueta, tinha alguém ali atrás?

- Sereno, porra! – O rapaz se assustou com o grito da Olívia.

- O que foi retardada?

- Eu estou te chamando a horas querido, o que aconteceu hein? – Sereno piscou os olhos repetidamente.

- Não aconteceu nada, estava apenas observando o ambiente. – Olívia cruzou os braços desconfiada.

- Sei...

- Tá, mas o que você estava dizendo?

- Ah, bom! - Olívia pegou um espeto de churrasco, que tem em cima da mesa bem empilhado - Eu estava dizendo, que eu estou preocupada com a Luna... E o Eudine.

- Como assim? - Indaga o acastanhado confuso.

- Eu parei para observar um pouco, e ele está olhando de um jeito muito estranho para a Luna. - Olívia respirou fundo - Eu não confio nele.

- Da pra entender. - Sereno da de ombros, não muito interessado no assunto - Eudine só está interessado em foder com a vida de todo mundo. - Olivia negou com a cabeça, e os dois olharam na direção de Eudine.

Naquele momento, Eudine não prestava atenção de fato na Luna, mas ele esbarrou com Eduardo, e isso acabou fazendo se questionar o por que da Luna estar saindo muito brava do quarto do professor mais cedo. Então depois disso, ele realmente viu Luna, e sorriu consigo mesmo vendo que a garota está sozinha. O garoto andou até ela, que apenas estava parada contemplando seu copo de vodca.

- Luna! - Exclamou o rapaz, parando do lado da Hernandez. Ela ergueu os olhos, estranhando que ele tinha se aproximado dela do nada. Até porque, ele geralmente faz isso apenas quando quer estressar a menina.

- Eudine?

- Tudo bem com você? - O garoto perguntou, e Luna apenas assentiu, achando aquilo muito estranho. Então Eudine parou do seu lado - Sabe... Coisas estranhas sempre acontecem, acontecem o tempo todo! E isso é bem irônico.

- O que você está insinuando Eudine? - Luna foi direta perguntando, querendo entender de vez aquela ladainha toda.

- Insinuando? - Repetiu a palavra indagando - Ok, eu estava pensando em como foi estranho ver você saindo puta da vida do quarto do professor. - O coração da jovem acelerou instantaneamente, sua pele ficou mais clara ainda e agora a jovem se encontra branca como um papel - O você fazia lá Luna, se declarou para ele e foi rejeitada, foi isso?

- Eudine, isso não é da sua conta, e eu não faço a menor ideia do que você está falando. - O garoto simplesmente explodiu em risadas.

- Luna, qualquer coisa, só não vem com essa de "eu não sei do que está falando". - Ele fez aspas com as mãos - Eu não sou burro, não sou idiota, e certamente, tenho uma visão maravilhosa, e sei muito bem o que vi.

- Eu só vou te falar uma coisa. - Luna se virou para Eudine de repente, e isso assustou um pouco o rapaz, mas ainda mantém a pose debochada - Se eu fosse você ficaria na sua, você não tem nada haver com a minha vida, e nem a de ninguém! Tá me entendendo? Eu posso ser bem legal e gentil com os outros, mas também não sou besta, e eu posso ser o demônio quando quero.

- Ah é? - O garoto ergueu as sobrancelhas de maneira cínica - Vai fazer o que? Chamar a sua irmãzinha mais velha pra te defender é?

- Experimenta Eudine, experimenta. Eu nunca fiz nada pra você, não tem motivo nenhum pra você se meter na minha vida! Então, experimenta.

- Aí meu Deus, que medo! - E ele riu, Luna achou que aquela seria sua deixa, apenas lhe lançou um olhar de está avisado, e Eudine não se deixou abalar, e retribuiu o olhar da garota. E então Luna se afastou do Eudine.

Enquanto isso, Mabel e Gabriela se requebravam juntas, ao som de Luis Fonse, com copos de whisky nas mãos. Aquelas duas AMAM uma festa, e era agora que iriam aproveitar.

- Ai amiga, ainda bem que você e o Murilo tiveram a ideia dessa festa! - Berrou Gabriela para a cacheada.

- Eu jurava que não iria dar certo. - Diz Mabel - Achei que os professores não iriam deixar de jeito nenhum, mas que bom que deu tudo certo. Miguel vai ter pra sempre um lugar especial no meu coração!

- Concordo, no meu também! - A loira deu um gole na própria bebida - A propósito, ele é um gatinho né? - Ela falou cheia das intenções.

- Ai mulher, sai dessa! O estagiário é gay assumido!

- Poxa... - Ela fez um biquinho - O cara que se envolver com ele é um homem de sorte.

- Com certeza! - Exclamou Arabella - Estava olhando aqui, e não tenho muita opção, dessa turma aqui, eu só estou de olho no professor Eduardo.

- E quem não tá né Mabel?

- Eu não ligo para os outros. - Deu de ombros a Ortiz - Dês de que eu o domine da forma que eu sempre quis, não estou nem aí!

- Misericórdia garota! - Gabriela começou a rir.

- Mas então amiga, tem uns garotos aqui que são interessantes... - Murmurou Mabel - O Anthony, ou o Conan...

- Ai Mabel, não! Eles dois são os meus amigos! E não são o tipo que amigo que eu pegaria sem dó, são do tipo amigo irmão, entende?

- Entendo... - Murmurou a cacheada - É tipo eu e o Arquimedes, entendo. Mas... Ainda tem o Murilo, por que não hein?

- É verdade! Tem o Murilo, eu nem havia pensado nele.

- Então amiga... - Mabel arqueia a sobrancelha de forma sugestiva, e então começou a cantar o refrão da música: - Despacito. Quiero respirar tu cuello despacito, deja que te diga cosas al oído para que te acuerdes si no estás conmigo. - E então começou a mexer seu corpo com uma sensualidade nata.

Então ela acabou escorregando e indo com tudo para trás, e por sorte, alguém lhe segurou, ela se apoiou nos braços masculinos para que pudesse ficar em pé, e arrumou o vestido dourado que acabou passando um pouco de suas coxas pela quase-queda.

- Está tudo bem? - A garota assentiu lentamente, e então ela subiu seus olhos azuis e viu rosto do seu professor preferido.

- S-sim... Mais ou menos. - Mabel pensou por uns instantes, e achou que aquela seria chance. Então ela se afastou dele, ficando de pé, e "sem querer" tropeçou novamente, o loiro rapidamente a segurou, só que dessa vez, ela caiu de costas, e fez questão de se esfregar no homem - Me desculpa! - Pediu imediatamente, usando um tom arrependido - Eu sou muito desastrada! - E novamente Ortiz ficou em pé, e se virou para o professor, dando um sorriso sem graça, e o loiro retribuiu.

- Não, tudo bem. - Eduardo se virou para ir embora, mas antes, Arabella segurou seu braço, impedindo que ele seguisse seu percurso - Sim? - Indagou ele meio confuso, e Mabel não falou nada, apenas ficou olhando para ele imaginando coisas muito obscenas, e então deu um sorriso malicioso, Gutierrez mesmo sem entender nada se sentiu agitado, e gostou do sorriso que a aluna deu para ele. Gabriela apenas observava tudo de longe, não querendo se intrometer naquele clima, então apenas seguiu dançando a música que tocava.

 

E depois disso, Arabella queria apenas arrastar o professor para seu quarto e realizar todas as suas fantasias. Isso até poderia dar certo, até porque pela maneira que ele retribuía todo aquele olhar secreto de desejo, no entanto, algo fez com que Eduardo tirasse sua atenção da garota, e focou nos cabelos curtos negros que cortavam o ar.

 

- Desculpe, eu tenho que ir. - Eduardo diz de repente, e simplesmente sai de perto da moça. Arabella ficou sem entender, e aí ela viu Luna, que andava apressadamente para sabe-se lá onde, e o professor foi atrás dela.

 

- Que droga! - Resmungou consigo mesma, e se virou para a amiga, que tinha um sorriso convencido.

 

- Tá vendo? Eu estou certa por não gostar dela. - Gabriela falou.

 

 

 

Eduardo puxou o pulso de Luna, ela se assuntou por um momento, e depois ficou aliviada vendo que é apenas Eduardo, só que mesmo assim, a garota se sentiu irritada, e se soltou dele.

 

- Luna, espere! - Gutierrez segurou ela de novo - Vamos conversar, só por cinco minutos...

 

- Eu não tenho nada pra falar com você, professor. - A morena usou um tom frio, se soltou dele novamente, e dessa vez, ele a deixou ir.

 

Eduardo se sente arrependido por aquela tarde, e entendia a garota ficar brava com ele. O loiro sempre soube dos sentimentos que ela possui sobre si, e mesmo assim, só se contentou em usá-la, em vez de agir como o adulto que realmente é.

 

Do outro lado da festa, novamente Sereno e Olívia estavam juntos, bebendo jogando conversa fora, o clima começou a esfriar, e ele achou melhor ir pegar uma jaqueta para usar, e aproveitaria e emprestaria uma de suas blusas de frio para Olívia.

 

Então, o garoto estava indo para o seu quarto, e passou na parte onde vários alunos dançavam, e de repente Murilo puxou o rapaz o chamando para dançar.

 

- Me solta Murilo, não tô afim de dançar.

 

- Alguém já falou que você é muito chato? - Murilo está meio alterado, e isso é bem notável.

 

- Ai, caralho... - Sereno murmurou com preguiça - Murilo, faz o seguinte, não me estressa não, sério.

 

- Eu não fiz nada, apenas chamando o meu amigo para dançar.

 

- Amigo um cacete! - Sereno apenas deu as costas ao cacheado, e voltou para ir para o seu quarto.

 

E lógico que Murilo não resistiu dar uma encaradinha na bunda do Sereno.

 

É, talvez sua psicopatia por bundas seja bem alta.

Anthony puxou Murilo, para que eles voltassem a se divertir. 

- O que aconteceu cara? Deu investida no Sereno e tomou patada? - Anthony perguntou. 

- Você sabe que ele é sempre assim. - Resmungou o castanho - Você fala apenas um oi e ele vem com duas pedras nas mãos. 

- É só deixar de lado, você pega todo mundo mesmo. - Anthony deu de ombros - E sabe, estamos passando pela mesma situação. 

- Tá falando da Juan? 

- Sim... Quer dizer, ela é legal quando não está brigando comigo entende? 

- Há, tá apaixonado é Tony? - O cacheado perguntou de maneira provocativa. 

- Claro que não idiota! 

- Aham, sei não hein...

- Murilo, é sério, eu não estou apaixonado, eu sei muito bem das coisas que sinto, porém... Não negaria uns amassos. 

- É, eu te entendo. - O cacheado deu um tapinha no ombro do amigo - E quer saber? Possa ser que essa coisa do amasso de certo, até porque a Juan é muito foda-se, só que tem a questão dela possivelmente te odiar. 

- Acho que não é pra tanto. 

- Acredite, é sim. 

- Só porque eu irrito ela as vezes, bom, se for assim, era pra você estar a sete palmos de baixo da terra, considerando o fato de você irritar a minha irmã das piores formas. 

- O ódio daquela ali por mim é declarado, perdi as contas de quantas vezes ela me ameaçou de morte. 

- Ok... Eu sei bem que a Olívia não te odeia, ela tem essa pose de durona e tal, só que no fundo é uma manteiga derretida. 

- Ata, duvido! 

- Tô falando sério cara. Tá... Ela não é uma manteiga derretida, mas também não tem essa pose toda, é mais para deixar os outros com medo, e é sério, até eu tenho medo. 

- E olha que você convive com ela! - Exclamou Murilo, e ambos deram risada. Murilo olhou para um canto, e viu Juan bebendo junto com a Yasmin, o cacheado notou que depois que elas dividiram o quarto estavam mais próximas - Aí, eu vou arrastar a Yasmin pra conversar, e você vai pra cima da Juan. 

- Pra mim levar um chute no queixo? Não muito obrigada, sou jovem demais pra morrer. 

- Deixa de frescura. Você mora com a Olívia, então não tem perigo nenhum bater um papo com a Juan. - O garoto puxou o Hernandez, o garoto ficou parado - Anda logo porra! 

Mesmo relutante, os dois foram até as garotas, e as meninas estavam conversando sobre uma outra garota que Yasmin está de olho nessa noite. 

- Aí, gente! - Murilo parou de frente a elas - Vocês estão aí paradas, bora dançar! 

- Estamos aqui visando o ambiente Murilo. - Respondeu Juan num tom meio malicioso. 

- Vocês são duas safadas né? Não que eu esteja reclamando! - Ele levantou as mãos, e tirou um sorriso das garotas. 

- Olá Anthony! - Yasmin cumprimentou o garoto, que até então se manteve na dele, Rámon Hernandez abriu um sorriso gentil e a cumprimentou de volta. 

- Tá quieto Anthony. - Observou Juan - Até parece que é um anjo. 

- Mas eu sou. - Antes o sorriso gentil, agora um sorriso convencido. 

- Cara, no dia que você for anjo, eu sou a Virgem Maria. - Juan falou com deboche e ele riu. 

- Isso é meio impossível, não? Logo você! 

- É, se for pra competir posso ser mais anjo que você. 

- Ata bom, só se for o anjo que caiu do céu. Lúcifer. - Ela colocou uma mão no peito fingindo mágoa. 

- Como ousa falar assim de mim? - O garoto apenas deu risada do tom da platinada. Murilo observava tudo orgulhoso, e foi aí que ele enlaçou a cintura da Yasmin. 

- Vem, vamos coisa linda, eu quero dançar. - Yasmin sem entender nada, apenas se deixou levar pelo Murilo, e assim ficaram Juan e Anthony sozinhos. 

- Então... - Blanco começou dizendo - Aqueles dois estão estranhos, principalmente o Murilo, não acha? 

- Não sei, não percebi. - Respondeu o moreno olhando para baixo - A propósito, gostei do seu tênis. - E assim, Juan também olhou para baixo e sorriu vendo o seu lindo e maravilhoso Jordan, na cor preto, azul e branco. 

- Valeu, custou os meus rins. 

- Caramba, é bem barato né! 

- Ah, sim! Com certeza! - Respondeu com ironia. 

- Tá, mas sei lá, é um tênis estiloso e bem bonito mesmo, só que olhando assim no seu pé... Parece aqueles memes onde aparece isso no tamanho de um pé de bebê, com a legenda: Se não for pra ter um filho que use isso, eu nem quero! - Anthony fez uma voz fina e engraçada, Juan apenas lhe mostrou o dedo médio - Desculpa, mas eu tenho certeza que seu pé deve parecer uma bisnaguinha. 

- Simplesmente, vai tomar no seu cu Anthony. 

- Ei, calma, só estava fazendo uma análise do seu pé. - Ela acabou rindo, se sentindo patética por rir de uma piada que se resume em dizer que seu pé parece uma bisnaguinha. 

- Cara, você tem problema, sério. 

- Na verdade, o nome disso é humor, e isso faz parte da minha lista de qualidades. 

- Ata, como se você tivesse alguma qualidade. 

- Mas eu tenho, várias ainda, só pra te falar! 

- Bem, até agora você só me mostrou os seus defeitos. 

- Ah é? Quais? - O rapaz perguntou cruzando os braços. 

- Bom, você é narcisista, idiota, distraído demais, e tonto, ham... Idiota, orgulhoso pra cacete e babaca, ah! Eu já falei idiota? 

- Você que tem uma visão ruim de mim, deveria me conhecer melhor. 

- Pode até ser, se você não fosse tão chato e... - Nesse segundo Juan franziu a testa, e depois que ela veio entender o tom malicioso que ele usou em sua fala - Pera aí, o que você falou? 

- Não é nada, deixa pra lá. - Tony achou engraçado em ver que mesmo Juan sendo uma pessoa tão pra frente, consegue ser mais lerda que uma tartaruga. Mesmo assim, achou melhor trocar de assunto. 

E lá estavam Murilo e Yasmin dançando feito loucos e virando copo atrás de copo. A garota simplesmente está louca, e com um fogo do caralho de preferência, a única coisa que ela conseguia pensar é no quanto ela quer transar, e tem duas pessoas na sua cabeça. Tem o seu amigo dos belos cachos, ou a britânica das pernas lindas. 

E Yasmin está preferindo a segunda opção, pois a primeira opção ela já experimentou, e agora queria coisa nova. E não é como se não fosse recíproco, a garota notou os olhares da Álvarez pra cima de si, então já que as pessoas dizem demais que ela é uma vadia, ela simplesmente vai agir como uma e foda-se. Afinal das contas ela que estará sentando mesmo. 

- Aí, vou te deixar sozinho por enquanto, já volto! - Yasmin berrou no ouvido do seu amigo e se afastou dele. 

Lentamente, ela se aproximou de Alice, que conversava tranquilamente com Ângela, e a Rizzato percebeu que alguém se aproximava, então deu a desculpa de que estava com sede e pegaria mais um copo de suco, deixando assim a britânica sozinha. 

E foi aí que Alice percebeu uma aproximação, e viu que Yasmin estava indo em sua direção com uma áurea completamente sedutora, e ela sentiu dentro de si um reboliço. Yasmin parou em sua frente, e deu um sorriso mordendo o lábio inferior. 

- Boa noite Álvarez. - A garota falou com um tom rouco, fazendo Alice respirar fundo - O que está achando da festa? 

- Eu estou... - Alice passou a língua nos lábios - Estou achando meio pacato. 

- Pacato, ora! Não aconteceu nada demais, sério? 

- Por enquanto não. - Respondeu a britânica, e Gomez ficou feliz por esse por enquanto não. 

- Hum... Eu sei de uma coisa que pode deixar a sua noite de ser tão pacata. 

- Oh... E o que é? - Alice perguntou com a voz sexy. 

- Vem cá, eu te mostro. - A britânica ficou animada em ver que Yasmin é uma mulher de atitude, e isso só fez com que ficasse com mais vontade. 

Yasmin apenas puxou rosto de Alice, selando os lábios delas, e em poucos segundos o beijo ficou mais intenso, uma a outra querendo conhecer mais o corpo uma da outra, mas elas não poderiam fazer isso na frente de todo mundo. 

Então Yasmin puxou Alice para que elas fossem para seu quarto, e ela implorou internamente que Juan não fosse para lá. 

A próxima cena, é elas duas se beijando de forma quente, necessitando cada vez mais uma da outra. Com um chute, Alice fechou a porta do quarto e segurou a fortemente a cintura da Gomez. Yasmin segurou a raiz do cabelo da outra, intensificando aquele beijo, se sentindo cada vez mais quente com as salivas que se misturavam, ou o toque perfeito das línguas. 

Elas deitaram na cama, Alice ficando entre as pernas de Yasmin, descendo seu lábios para pescoço da garota, destribuindo beijos e mordidas, enquanto Yasmin se encontra completamente ofegante. 

E elas ficaram ali naquela agarração por minutos, e sem mais paciência alguma Yasmin tirou a camisa da Alice, e a britânica apenas fez o mesmo com a outra. E quando ambas foram perceber, estavam sem nenhuma roupa. 

Os toques se tornaram cada vez mais urgentes, Yasmin só pensando no enfim, e foi quando aconteceu. Alice desceu seus dedos para a vagina da Gomez, seu indicador começou a estimular o clitóris da garota, que começou a soltar alguns gemidos, ainda bem que o som tá alto, pensou Yasmin. 

Então Alice penetrou a garota com seus dois dedos, de forma rápida com avidez, Yasmin também não quis ficar por baixo, e aproveitando a situação começou a chupar os seios da britânica que está na altura do seu rosto. As moças ainda assim não saciaram por completo o desejo, querendo ficar ali a noite toda. 

Alice segurou as pernas da Yasmin, fazendo com que ela mudasse de posição, ficando de quatro. Álvarez sorriu em ver o traseiro bem empinado da garota, e isso a animou mais. A britânica então apenas deu um tapa na bunda da outra, e depois segurou cada parte de sua nádega, separando-as, assim deixando bem visível a intimidade da Yasmin, que brilhava de tão molhada que estava. Yasmin mordeu o lábio inferior, segurando o gemido quando sentiu a língua da Alice lá, lhe chupando com maestria. 

Essa noite vai demorar pra acabar. 

 

 

No andar de baixo, Olívia estava trocando um papo com o Nïcholas e a professora Dulce, só que ela notou que Sereno estava demorando demais, isso a preocupou, então ela achou que fosse melhor ir até o quarto dele verificar, dando a desculpa de que iria pegar um cigarro. 

Ela foi andando tão rápido que nem prestou atenção em volta, e acabou esbarrando com alguém sem querer, com muita, mais muita força. Só não imaginava que esse alguém fosse seu inimigo, que são declarados de guerra. 

- Qual a porra do seu problema, caralho? - Arquimedes perguntou nervoso massageando o peito. 

- Aí, da uma relaxada! Não precisa gritar assim porque eu não sou surda! 

- Não é surda, mas é cega. - Ele revidou. 

- Ah garoto, vai se foder, tenho coisa mais importante pra perder o meu tempo do que com você! 

- Ah claro, vai lá! Te aconselho a começar a usar um óculos, porque desse jeito... Você sai atropelando todo mundo que tem a sua frente. 

- Ou você que é dramático demais. 

- Dramático o meu cu! 

- Será que dá pra parar com essa merda vocês dois? - Conan interferiu na discussão - Puta que pariu, só sabem brigar! Não sabe seguir com vida, como vocês são imaturos! 

- Eu não, ele! - Olívia apontou para Arquimedes - Deveria cuidar do bebezinho que fica bravinho por causa de um esbarro. 

- Tá me chamando de imaturo é? - O carioca cruzou os braços dando um sorriso debochado - Você que fica aí pagando de bravona, só que no final é mais medrosa que sua irmã mais nova. 

- Escuta aqui garoto! - Olívia iria xinga-lo, se não fosse por Conan que interrompeu novamente. 

- Me poupe, se poupe e nos poupe, por favor. Não comecem briga justo agora, por favor! Vocês vão destruir a diversão de todo mundo. - Chega a ser engraçado a forma como Conan diz, como se fosse o pai deles e e tivesse o repreendendo por brigarem por uma fatia de pão.

Eles não disseram nada, e Olívia apenas passou por eles dois, querendo procurar o amigo, Arquimedes fez cara de nojo e imitou vômito. Esses dois em briga de gato e rato é engraçado de alguma forma. 

Olívia subiu as escadas e entrou no corredor amplo, estranhou quando ouviu uns gemidos, mas deixou isso para lá. Ela chegou no quarto de Sereno que está vazio e escuro, apenas a luz da Lua que iluminava lá dentro, e um pouco da luz da área da piscina. Hernandez fuçou mais tentando encontrar o amigo. 

E então ela se virou para trás, arregalando seus olhos com o que acabou de ver. Uma forma preta completamente deformada na sua frente, parecia um monstro com a energia bem pesada que resmungava coisas incompreensíveis. Seu coração começou a acelerar. 

Essa silhueta tem a forma muito horrenda de dar medo em qualquer um, uma criatura completamente assustadora, e foi então que Hernandez deu apenas deu um grito insurdesedor. 


Notas Finais


TAM, TAM, TAAAAAM
O terror chegou gente?
Desculpa pelo yuri merda, meu forte são os hentais e yaois.
Bjs e até a próxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...