1. Spirit Fanfics >
  2. Segredos da Imortalidade >
  3. Capítulo 5

História Segredos da Imortalidade - Capítulo 5


Escrita por:


Capítulo 5 - Capítulo 5


Fanfic / Fanfiction Segredos da Imortalidade - Capítulo 5 - Capítulo 5

 Algumas semanas se passaram e a empolgação por nossa chegada havia acabado, as pessoas haviam se acostumado com nossa presença e o falatório diminuiu aos poucos. Uma reunião de última hora foi ordenada no limite entre as fronteiras, aparentemente minha discussão com o lobo abalou a aliança estabelecida entre nossas espécies.

 As coisas foram resolvidas quando conseguimos provar que os lobos tem ultrapassado os limites e vigiado nossas ações de bem perto. Sam, o líder da matilha, parece nutrir um ódio especial por mim desde então, o enorme lobisomem de pelagem escura não esconde sua raiva, é como se o quileute fizesse questão de mostrar que não sou bem vinda.

 Os alunos do colégio compreenderam que prefiro ficar sozinha e pararam de tentar se aproximar e socializar, isso significa que tenho passado bastante tempo sozinha e reclusa. É óbvio que Jéssica aproveitou essa oportunidade para espalhar inúmeros boatos maldosos ao meu respeito, admito que muitos deles são criativos e altamente elaborados.

 Hoje o dia amanheceu ensolarado e com o céu azul e cheio de nuvens branquinhas, isso implica em minha permanência dentro de casa e na ausência de meus pais no trabalho. Posso imaginar as pessoas aproveitando essa regalia junto de seus amigos e familiares, mas é bom ficar distante e sem o desejo ardente de matar cada humano ao redor.


- Jade, você deveria sair e aproveitar o dia - Incentivou Pablo, embora também estivesse jogado no sofá ao meu lado - Talvez uma caçada posso animar você - Propôs, nem mesmo seu dom surtiu efeito.


- Não, obrigada - Respondi sem mover um músculo, concentrada no filme exibido na televisão - Cacei ontem a noite - Informei, complementando as informações fornecidas e torcendo para ser o suficiente para encerrar a conversa.


- Jade... - Insistiu e franzi o cenho diante de sua atitude, meus pais tem agido de forma estranha desde ontem a noite.


- Meu Deus, o que está acontecendo com vocês dois? - Perguntei irritada, sinto que algo importante está sendo mantido sob segredo e não gosto disso.


- Nada, meu amor - Melanie se aproximou logo após terminar o banho, ela cheira a pêssego e flor de laranjeira - Mas o dia está tão lindo, é um desperdício ficar trancada dentro de casa - Ela sentou ao lado do companheiro.


 Permaneci em silêncio e ponderei a situação, ambos estavam aflitos e olhavam constantemente para o relógio na parede lateral, é nítido que algo aconteceu na noite anterior. Entretanto, eles se preocupam comigo e jamais colocariam minha vida em risco, ainda mais depois de tanto esforço e tempo aplicados em minha adaptação, somos uma família.

 Respirei fundo, mesmo sem a necessidade de encher os pulmões com oxigênio, e concordei de maneira silenciosa e nada satisfeita. Calcei as sapatilhas jogadas próximas do sofá e caminhei em direção a porta de entrada, murmurando vários xingamentos e maldições em minha língua natal, o português, fechei a porta com extrema força e andei sem ânimo.

 Rosnei assim que os primeiros raios de sol atingiram minha pele e o característico brilho reluzente se manifestou, deixando visível que não sou humana. Corri para dentro da floresta e agradeci quando a copa densa das árvores bloqueou grande parte da iluminação, o som dos animais fugindo trouxe a sensação de angustia.

 O inverno tornou o cenário ainda mais dramático e solitário, a neve encobrindo o chão deixou as marcas de minhas pegadas a mostra, talvez seja um lembrete de que ainda estou caminhando sobre essa terra e deva aproveitar essa oportunidade. Avistei a maior e mais imponente árvore por essas redondezas e saltei para o topo.

 Um enorme sorriso emoldurou meu rosto quando meus pés atingiram um dos galhos resistentes do pinheiro, sentei sobre ele e encostei o corpo contra a madeira sólida e desbotada. Forks pode ser um lugar pequeno e isolado, mas a paisagem é encantadora e apaixonante, é possível sentir a energia pura partindo da natureza.

 Aproveitando a tranquila ocasião e a completa ausência de qualquer ser vivo ao meu redor, decidi usar de maneira inútil e frivola os dons que possuo. Minhas mãos foram envolvidas pela névoa vermelha e fios luminosos rodearam meu corpo, o som de minha risada ecoou pelo espaço aberto e alguns pássaros piaram e na sequência alçaram vôo.


- Quem é você e o que está fazendo aqui? - Perguntou uma voz melodiosa, porém fria e firme.


 Olhei para baixo e me surpreendi ao encontrar uma garota absolutamente deslumbrante, os traços em seu rosto eram delicados e elegantes. O tom esbranquiçado e pálido de sua pele contrastava com a cor dourada em seus olhos, sem mencionar os lábios levemente rosados e carnudos, essa vampira é uma das mais belas e atraentes que encontrei ao longo do tempo.

 Ao seu lado, e em contrapartida, havia uma garota muito pequena e de aparência extremamente frágil e delicada, ela inspirava confiança e cuidado. Seu cabelo possuía uma coloração escura e o comprimido era pouco acima dos ombros e com as pontas desfiadas para os lados, seus traços eram cheios de doçura e certa inocência, sua inquietação indicou ansiedade, nervosismo e empolgação.


- É educado dizer o seu nome antes de perguntar o de outra pessoa - Respondi e sorri antes de levantar e pular do topo da árvore.


- Eu sou, Alice Cullen - A vampira mais baixa se apresentou assim que parei a sua frente - E essa é minha irmã, Rosalie - Apontou para a garota ao seu lado.


- Jade, muito prazer - Respondi envolvendo as duas em um abraço rápido, certos hábitos nunca mudam.


- Você ainda não respondeu a pergunta, o que está fazendo aqui? - Insistiu Rosalie fazendo menção de se aproximar.


- Eu moro aqui, por qual outro motivo alguém estaria em Forks voluntariamente? - Questionei, não disfarçando a zombaria predominante em minha voz.


- Ela tem razão - Concordou Alice, ela olhava atentamente para meu vestido - Onde comprou? É tão bonito - Tocou o tecido vermelho bordô com a ponta dos dedos.


- Minha mãe tem uma loja em Port Angeles, apenas roupas de alta costura e as últimas coleções - Afirmei e ambas pareceram bastante aliviadas com a notícia.


- Ao menos isso... - Murmurou Rosalie antes de ajeitar os fios macios e brilhantes de seu cabelo - A quanto tempo estão aqui? - Perguntou curiosa.


- Algumas semanas, ainda é tudo muito recente - Dei os ombros - A chegada de vocês é um verdadeiro alívio - Comentei sentindo o peso sair de cima dos meus ombros.


- Porque? - Alice transbordava animação e euforia.


- O foco de Forks serão vocês, então boa sorte - Sorri maliciosa - Terei um pouco de paz e sossêgo - Completei.


- Eu acho que não, querida - Provocou Rosalie exibindo um sorriso de puro escárnio e divertimento - Paz e sossêgo são as últimas coisas que você terá - Riu alto.


- O que isso significa? - Perguntei sentindo um arrepio estranho e medonho.


- Você vai descobrir em breve - Insistiu antes de simplesmente correr e sumir em meio as árvores.


- O que ela quis dizer, Alice? - Perguntei incomodada com o comportamento misterioso e evasivo da loira.


- Nada com que deva se preocupar, ela tem a tendência a exagerar - Respondeu a garota, embora sua postura estivesse inquieta e agitada - Eu preciso ir, foi um prazer conhecê-la, Jade - Alice sorriu com ternura.


- Digo o mesmo - Acenei antes de vê-la correr e seguir o mesmo trajeto que a irmã.


 Permaneci em silêncio enquanto absorvia as informações do que acabou de acontecer, ao que parece a família Cullen acaba de chegar em Forks e serão os nossos novos vizinhos. Alice e Rosalie parecem saber de algo importante envolvendo o meu futuro e se recusaram a explicar os motivos e razões, e para melhorar a situação, meus pais tem agido de maneira suspeita e bastante contraditória.


- Tem como piorar? - Rosnei e corri para casa, entrando no quarto e buscando inspiração para terminar mais um quadro.



(...)



 Três dias foram gastos e utilizado muita tinta, mas finalmente terminei a obra em que venho trabalhando há algumas semanas, um belíssimo quadro cheio de cores e formas diferentes. Infelizmente, sendo segunda-feira e com o céu acinzentado e tempestuoso, preciso retornar ao colégio e aguentar os dramas adolescentes e problemas hormonais.

 Eu usava meia calça preta bastante grossa e reforçada, e um vestido vermelho esvoaçante e uma jaqueta de couro preta e nos pés um par de scarpin's vermelhos. Pode parecer infantil, mas sou completamente apaixonada pela cor escarlate, ela sempre chamou a minha atenção e se tornou ainda mais importante quando a minha magia adquiriu esse tom chamativo.

 É um pouco tarde e meus pais haviam saído para trabalhar então decidi que o mais saudável seria ocupar o tempo da melhor maneira. Peguei a mochila de cima da bancada e caminhei até a garagem, sorrindo satisfeita ao avistar o belíssimo automóvel estacionado no canto mais afastado da garagem, seu design é sensual e extremamente poderoso.

 Joguei a mochila ali dentro e sentei no banco acolchoado do motorista, o seu interior estava começando a ficar com característico o cheiro adocicado da minha espécie, embora nenhum cheiro seja minimamente parecido. Acelerei pela estrada de terra e pisei ao máximo no pedal do acelerador, a velocidade alta e exagerada é algo inevitável, vampiros não precisam se preocupar com ideias como a morte.

 Segui pelo mesmo trajeto de sempre, as inúmeras árvores e pinheiros estavam se tornando familiares, embora o aroma impregnado no ambiente continuasse puro e intenso. Cheguei ao estacionamento do colégio e procurei pela vaga em que costumo deixar o carro, para minha surpresa havia dois carros parados ali, um volvo prata e um jipe branco.


- Bom dia, Jade - Comprimentou Alice assim que desci e acionei o alarme - Adorei seu look - Elogiou ao observar a combinação das peças.


- Obrigada, você também está linda - Afirmei e seu rosto se iluminou - Olá, Rosalie - Sorri para a loira agarrada a um garoto enorme.


- Olá - Acenou de forma educada e gentil - Esse é, Emmett, meu parceiro - Apresentou apontando para a parede feita de músculos.


- Iai, gatinha - Disse Emmett e não segurei o riso, é como estar na presença de uma criança travessa.


- Esse é, Jasper - Se manifestou Alice puxando um garoto alto e loiro, era nítido o seu sofrimento ao estar na presença de tantos humanos.


- Ainda tentando se adaptar a dieta? - Questionei compreensiva, ele respondeu com um aceno rígido - Eu entendo, o gosto é asqueroso - Murmurei e notei um sorriso quase imperceptível em seu rosto.


 Olhei discretamente ao redor e suspirei ao perceber que éramos alvos de todos os olhares, as emoções eram conturbadas e os pensamentos não passavam de pilhas de besteira e pura estupidez. Revirei os olhos e apertei a alça da mochila, decidida a conter o instinto assassino e continuar neutra, ouvi o som de passos firmes se aproximando acompanhado do cheiro doce de chocolate e amêndoas, a combinação mais tentadora que já senti.


- E esse é o meu irmão, Edward - Anunciou Rosalie com diversão transbordando através de seus póros - Irmãozinho, essa é nossa vizinha, Jade - A loira sorriu abertamente.


 Girei o corpo e meus olhos foram de encontro aos do outro adolescente pálido e de feições tristes e depressivas, seu cabelo ruivo acobreado se destacava em relação aos de seus irmãos. Ele é absurdamente atraente, até mesmo para os padrões sobrenaturais, o garoto pareceu surpreso e assombrado quando olhou para meu rosto, o fluxo de pensamentos em sua mente era rápido e acelerado, causando um leve incômodo em meu cérebro.


- É um prazer conhecê-lo, Edward - Sorri na tentativa de ser simpática, mas o garoto continuou inerte e em silêncio - Ele sabe falar, né? - Busquei por explicações de seus irmãos.


 Porém, eles estavam ocupados demais rindo e desfrutando do embaraçado da pobre criatura, as pessoas ao redor olharam tudo com curiosidade e espanto, provavelmente pelo fato de eu estar interagindo naturalmente com os recém chegados. Diante da situação senti o constrangimento aumentar e optei pela saída mais óbvia, sair daqui o mais rápido possível e fingir que nada aconteceu, Edward continuou olhando para mim e não apresentou qualquer tipo de reação, ele sequer piscava.


- Eu já vou indo, tenham um bom dia - Afirmei recuando aos poucos - Bem vindos a Forks - Sorri antes de praticamente correr para a primeira aula, assustada com o comportamento de Edward.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...