História Segredos de Emma - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Aventura, Fantasia, Romance
Visualizações 3
Palavras 2.253
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Se notarem algum erro é porque tenho preguiça de ficar editando,boa leitura!!!

Capítulo 11 - Um propósito


Maio 2002

Avistei Derick no balanço do seu quintal, observando os carros, pessoas passando, estava pedalando minha bicicleta quando resolvi me aproximar e me sentar no outro balanço.

- Sabia que quando não estou fazendo nada também, gosto de pensar sobre tudo?- Derick parecia muito distraído, porque não me respondeu, então cutuquei ele.

- Hã. Oi Emma bem nem vi você.

- É, eu percebi, no que está pensando?- Comecei a me balançar devagar.

- Quando eu crescer eu vou morar em outra cidade.- Disse Derick ainda olhando pra frente.

- Porque?

- Essa cidade é pequena, não dá pra fazer muita coisa. Talvez eu more em Nova York ou Flórida.

- Além de ser úmido aqui, parece até uma cidade onde os vampiros morariam.- Derick franziu a testa e riu

- Você e essa sua imaginação.

- Ter imaginação é uma coisa boa não?- Perguntei.

- Minha mãe diz que imaginações as vezes podem ser perigosas.

Dei de ombros

- Tanto faz, imaginar me leva a muitos lugares.

Derick e eu tínhamos apenas nove anos de idade, já fazia dois anos desde que nos conhecemos, ele amava jogos e histórias em quadrinhos e se amarrava em culinária. Ele não era tão nerd quanto eu era, até aparelho já usei para minha sorte.

* * *

Podia sentir que estava ali para cumprir uma missão, um propósito, mas não sabia qual. Qual era o propósito disso tudo, não podia ser só uma garota normal e pronto? Sem a existência de luz elétrica naquele lugar, o céu apresentava muitas estrelas, o que me chamou a atenção, e o clima de Everron não tinha nada a ver com o de Forks.

- Não quer mais a sopa?- Perguntou Amélia enquanto eu estava brincando com a sopa.

- Estava aqui pensando...

- E quando é que você não está pensando Emma?- Falou ela me olhando de canto e dando uma risadinha.

- Hã... você também lê minha mente?

- Não, a Kathryn me falou muito sobre você.- Disse Amélia, se levantando e levando os pratos.

Eu não estava entendo, quem era Kathryn?

- Quem é..- Amélia me interrompeu

- A mulher que te trouxe aqui.

- Ah, a blibiotecaria! Como ela te chamou pra cuidar de mim?- Perguntei.

- Ora Emma, vindo até a mim.- Disse num tom irônico.

- Mas ela é uma fada, porque não foi voando para sua casa e te disse lá mesmo?

- Como você sabe que ela é uma fada?

- Ela disse, isso tudo não seria possível se ela não tivesse poderes mágicos.

Amélia sorriu

- Amanhã iremos comprar vestidos novos pra você, não pode ficar com o mesmo vestido não é mesmo?- Suspirei exasperada.- O que foi Emma?

- Estou com saudades de casa, do meu pai, da Amy e meus amigos.- Amélia me abraçou, bem apertado.

- Kathryn quando coloca algo na cabeça, não há ninguém que faça a mudar de ideia.

- Mas eu não pedi por isso.

- Emma você está aqui para um propósito, você é especial.

- Só mais uma pergunta, isso não vai durar pra sempre não né? Porque tipo assim eu tenho uma vida, tenho minha família.

- Não se preocupe.

Durante a madrugada, resolvi levantar para tomar um ar, acendi uma lamparina e saí de fininho para não acordar Amélia. Podia não ter luz elétrica mas a lua fazia um ótimo trabalho iluminando tudo, não fui muito longe.

Créc! Créc!

Escutei barulho de galho vindo do meio da floresta, deveria ser só algum animalzinho pensei voltando a caminhar. A floresta era muito diferente a noite do que quando era de dia, era assombrosa, misteriosa nunca imaginaria estar num lugar como aquele.

- Everron é assombrosamente fantástica!- Falei em voz alta. Ouvi passos não muito longe.- Quem tá aí?- Gritei, os passos continuaram mais altos e rápidos.

Então resolvi seguir a pessoa, ela aumentou os passos e eu também. Era difícil correr com aquele vestido longo e pesado, a pessoa que estava correndo estava de capa então não dava para identificar. Ela parou de costas para mim.

- Quem é você?...- Perguntei iluminando ela com a lamparina.- Por que me trouxe aqui?- Ela se virou e abaixou o capuz, era uma mulher loira com aparência angelical, parecia preocupada e com medo. Fiquei poucos centímetros de distância para não assustá-la mais.

- Tem que sair daqui, esse não é o seu lugar.

Meu olhar era de pura confusão, tinha certeza de que ela sabia demais.

- É sim... eu moro aqui como os outros camponeses.- Me coloquei em defensiva, não conhecia ela, então não podia confiar.

Ela sorriu

- Não é não Emma, você veio de um lugar muito distante. Eu sinto isso.- Se aproximou.

- C-como sabe meu nome, quem é você?

- Meu nome é Maya sou uma fada do Sul, vi quando você chegou a Everron, fiquei esse tempo todo te observando.

Franzi as sobrancelhas

- Que ótimo! Era só o que me faltava, mais uma fada, olha eu não preciso da sua ajuda ok?! Estou bem.

- Eu não tenho muito tempo, Emma estou aqui para avisar que corre grande perigo.- Segurou as minhas mãos.- Everron não é um lugar seguro, ainda mais pra você.

- O que, porquê?

- Fuja daqui enquanto é tempo!- Soltou as minhas mãos e saiu correndo.

Aquela frase percorreu a minha cabeça a noite toda, nem dormi direito."Fuja daqui enquanto é tempo!" O que significava? A menos que esse seja o propósito para eu estar em Everron, salvar o reino e manter todos a salvos, eu não vim aqui para nada e eu precisava descobrir de algum jeito.

* * *

- Mais Amélia só pode ser isso, se não for o que pode ser então?

- Eu não tenho ideia, você vai descobrir sozinha mas não acho que você veio para salvar Everron. Por isso não se coloque em perigo a toa.- Disse Amélia preocupada.

- Tá bom, eu vou descobrir sozinha mas pra isso eu tenho que me arriscar, ter um plano pra todas as possibilidades.

- Isso não é um conto de fadas Emma, isso é real, você pode se ferir de verdade.- Disse Amélia procurando mais morangos.

Naquela manhã Amélia me acordou cedo para colher algumas frutas com ela. Eu implorei para dormir mais 5 minutos mas ela não cedeu- E cá estou eu, umas 6h da manhã colhendo frutas enquanto podia estar dormindo mais- e me puxou para ir com ela. Depois fomos para o vilarejo comprar uns vestidos e calçados, só que eu não aceitei preferi usar meus tênis, já bastavam aqueles espartilhos sufocando a alma, meus pés não mereciam tortura. As fofocas por lá corriam solta, as pessoas começaram a estranhar a minha ilustre visita, porque é óbvio ninguém por lá me conhecia. Os olhares que caíam em cima de mim eram curiosos, Amélia vivia em Everron então não era nada de extraordinário, quando alguém parava para conversar com a gente e perguntavam sobre mim ela dizia que eu era sua irmã distante por parte de pai, e que eu havia vindo passar uma temporada. Avistei Eduarte numa lojinha acompanhando Valentina, observei um pouco mais perto e era uma joalheria onde eles estavam. Ele sussurrou algo no ouvido de Valentina, ela olhou para mim com um grande sorriso e Eduarte veio ao meu encontro.

- Senhorita Emma é uma prazer revê-la por aqui.- Fez uma messura, fiz também.

- Vim com a Amélia fazer umas comprinhas, achei que seria diferente o lugar, mas até que tudo parece bem ajeitadinho.- Eduarte riu, percebi que tinha uma covinha enfeitando seu rosto belo. Eduarte era lindo, tinha o maxilar quadrado, sorriso branco e os cabelos longos encaracolados até a nuca entravam em contraste com sua pele morena bronzeada.

- A senhorita tem muito peculiaridade, admiro isso.- Me peguei olhando para sua boca e parei antes que ele notasse.

- É... Então conhece bem Everron né? É um lugar incrível, eu queria saber mais sobre ele, na verdade sobre tudo.- Eu tinha que descobrir tudo, só assim poderia ajudar a salvar Everron.

- Além de peculiar é bastante curiosa.

- Então porque não começamos um tour hoje mesmo ou talvez agora.

- Um tu..?- Perguntou ele confuso.

- Uma passeio, uma caminhada para eu conhecer o lugar.

- Olha não é má ideia, porém estou acompanhando Valentina não posso deixar ela sozinha, então poderá ser em outro dia.

Fiz biquinho

- Ah que pena! Eu precisava mesmo saber sobre Everron.

- Fique tranquila senhorita, dia desses terei o prazer de mostrar os lugares que só eu conheço, bem distantes.- Seus lábios se curvaram para cima maliciosamente, Eduarte jogou uma piscadela e seguiu até Valentina.

Eu tinha que provocar, ele fora o único que me salvou da bruxa, o único que poderia me levar para conhecer Everron sem fazer tantas perguntas. Pelo menos era o que eu achava.

Naquela tarde enquanto estava ouvindo a história de Amélia, de como era sua família e amigos, Kathryn me chamou para voltar para o meu mundo, me despedi de Amélia e fui. Quando abri os olhos estava no meu quintal deitava na grama com o livro de Everron abraçado.

Ouvi Amy se aproximar, eu ainda estava deitada!

- Sabia que existe cama pra isso?- Disse Amy me olhando com ironia.- Onde você estava? Te procurei a manhã inteira e você aparece aqui no quintal?

- Hã... e-eu fui caminhar de manhã, é foi isso, depois aproveitei para ler.- Apontei o livro.

- Nossa, esse livro é muito grande... e velho você não costuma ler livros assim.

- Resolvi experimentar outros tipos de leitura.- Amy deu de ombros.

Amy estava se virando para ir embora mas parou

- Ah. Esqueci de falar, Derick ligou, várias vezes...- Revirou os olhos.- Querendo saber onde você estava, até Kate ligou, disse que te enforcaria caso você aparecesse.- Dei risada, Kate era tão amor.- Porque você ainda tá no chão? Levanta.

- Tem razão.- Levantei.- Fiquei curiosa o que o Derick disse no telefone?

- Nada demais, só queria falar com você. Já a Kate te xingou de tudo quanto é nome.

* * *

- Onde é que você estava? Deixava uma mensagem, um bilhete, QUALQUER COISA mas não sumia desse jeito.- Kate esbravejou enquanto eu guardava meus livros no armário.

- Ai! Você é tão exagerada, talvez eu estivesse dando uns amassos com um cara gato do Colégio.- Suspirei irônica.

Kate arqueou uma das sobrancelhas

- Emma Neakail Clark eu te conheço mulher, aliás você não teve experiências com muitos caras, na verdade não teve com nenhum.- Me senti ofendida.

- T-tive s-sim tá? Eu hein, e o Diego era o que?- Droga eu sempre gaguejava quando estava nervosa.

- Uma aventura do ginásio, você mal trocou dois beijos com o cara. Fala logo o que você estava fazendo de tãoo importante que nem teve tempo para dar atenção pra sua querida amiguinha?

- Tive muitas...- Me enrolei.- tive que resolver alguns assuntos.

- E você fala isso nessa calma? Eu precisei de você Emma.- Kate cruzou os braços, mas logo os soltou quando viu Candy se aproximar.

Sorri para ela mas Candy me fuzilou com os olhos e seguiu em frente com Cassy e Charlotte, suas leais amigas inseparáveis. Olhei para a Kate confusa me perguntando o que tinha acontecido.

- A Candy é uma tremenda de uma vaca, é só olhar na cara dela que se percebe. Você não soube né?- Kate perguntou, sua raiva se dissipou.

- Saber o quê?

- Ela e Derick terminaram. Graças à Deus ele não tem nada a ver com aquela cobra.

- O quê?... Como assim terminaram, eles não estavam super bem?- Falei chocada.

- Super bem também não, Candy fala de si mesma sempre que pode, eu duvido que Derick ficava que nem uma toupeira ouvindo tudo sem falar nada.

- É. Pode ser.

Derick passava pelo corredor na hora, com Travis, Kevin e Grant do lado pareciam estar rindo como se nada tivesse acontecido, talvez ele nem ligava tanto para Candy a ponto de ficar arrasado com o término. Talvez ele nem gostasse tanto dela como pensava. Não queria interromper a conversa dele com os amigos então mandei uma mensagem de texto.

Oi? Queria falar com você.

Derick não respondeu na hora, se passaram uma hora antes que ele tocasse no celular. O treinador Taylor não gostava quando seus alunos mexiam no celular, mas mesmo assim ele respondeu quando ficou de reserva. Eu estava com Kate na arquibancada.

Também queria, você sumiu.

Revirei os olhos

Amy me disse que você ligou.

Posso te levar pra casa hoje? Assim a gente conversa.

Ok.

* * *

- E foi isso que aconteceu, ela é tão linda, mas tão superficial, eu ainda gosto dela mas ela precisa de limites.- Desabafou Derick, ele parou com o carro em frente a minha casa e começamos a conversar.

- Sinceramente Derick, eu não acho que Candy combine com você, fala sério você é melhor do que isso.- Ele só me encarou sem dizer nada e eu prossegui.- Ela pode até ser uma garota legal, tirando toda a superficialidade, mas vocês...- Suspirei.

- Eu não acho isso.- Deu de ombros.

- Cada um com sua opinião.

- Porque está dizendo isso? Porque eu sei que você tem ciúmes bobos por causa dela.- Houve silêncio, até eu continuar.

- Porque eu gosto de você Derick, sou sua melhor amiga e quero que alguém te valorize.- Minha voz saiu baixa, encolhi os ombros. Ele sorriu e me olhou no fundo dos olhos.

    E ficamos assim por mais uns 5 segundos, até ele se inclinar e encostar seus lábios nos meus. Uma onda de calor percorreu por todo meu corpo, então segurei sua nuca puxando ele mais para mim, abri mais a minha boca para que ele a explorasse, ele segurou minha cintura com força e aumentou a velocidade do beijo. Era como se eu estivesse entrado em chamas, eu só queria beijar e beijar o Derick mais ainda.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...