1. Spirit Fanfics >
  2. Segredos (YOONKOOK - one-shot) >
  3. Único

História Segredos (YOONKOOK - one-shot) - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Procuro um amor que seja bom pra mim

Vou procurar, eu vou até o fim

E eu vou tratá-la bem

Pra que ela não tenha medo

Quando começar a conhecer os meus segredos

- Frejat


Capítulo 1 - Único


Fanfic / Fanfiction Segredos (YOONKOOK - one-shot) - Capítulo 1 - Único

Ia completar um ano que Min Yoongi havia começado a trabalhar para mim e consequentemente ido dividir um apartamento comigo em Gangnam. Para um cara com quase trinta anos aceitar um trabalho de assistente, sendo graduado em Marketing por uma boa faculdade, não devia ser fácil, mas ele raramente reclamava. 

Nos tornamos bons amigos assim que nos conhecemos na viagem de volta para casa. Eu, voltando de umas férias (as primeiras que tirara na vida) e ele, depois de alguns anos morando fora. Segundo ele, a experiência havia sido positiva, mas ele não conseguira se adaptar ao país estrangeiro.

A viagem era longa e não demorou para ele me contar sua história. Conhecendo-o como conheço agora, acho incrível que tenha aberto o coração com tanta facilidade. As coisas sempre funcionaram de forma fácil entre nós, ele sempre se sentiu seguro comigo.

Min Yoongi havia nascido no corpo errado. E ele sofreu muito até descobrir isso. Nasceu num país difícil. A depressão quase o levou, mas em sua primeira viagem para o exterior, ele soube que havia um chance para ele ser feliz.

E foi o que ele fez. Largou o emprego promissor, com bom salário, vendeu tudo que tinha e juntou todo o dinheiro necessário. O preço que pagou para se sentir no corpo foi alto, mas ele me garantiu que era um preço menor do que viver na infelicidade que vivia.

De volta a terra natal, a Coréia não o recebeu com os braços abertos. De fato, ele não conseguiu mudar seus documentos e muito menos conseguiu voltar a trabalhar. As empresas tradicionais queriam distância de tamanha polêmica. 

Foi assim que ele veio trabalhar e morar comigo, alguns meses depois. Yoongi era muito inteligente, diferente de mim, que havia passado no ensino médio com notas péssimas e sem nenhum futuro promissor no mercado de trabalho tradicional. Meu rosto bonito foi o que me salvou, como sempre comentava Yoongi.

Comecei como modelo de catálogo desde os 19 anos e continuava a fazer alguns anúncios de marcas pequenas. E havia ainda a internet, transformara meu hobby em profissão. Não demorou para estourar como um dos primeiros influenciadores digitais e continuava ser um dos mais influentes do país.

Com a ajuda de Yoongi, consegui ainda mais popularidade e contratos, o que nos proporcionava uma vida confortável. E também uma vida falsa.

Tudo era montado. Todos os dias escolher as roupas dos patrocinadores, comer a comida dos patrocinadores, usar os infinitos brindes de marcas. Horas gravando stories e tirando fotos, todas felizes, com pratos saudáveis e low carb. A vida era perfeita.

Todos os comentários eram de pessoas que eu nunca tinha visto na vida, mas que me tratavam como um velho amigo e eu tentava retribuir o carinho vazio. Enquanto tudo na minha vida parecia perfeito, as pessoas me amariam. E esse era meu ganha-pão desde que saíra da escola. Yoongi sempre brincava sobre o assunto, porque muitas das vezes quem respondia comentários era ele se passando por mim. 

As vezes chegava da rua com sacolas de frango frito e cerveja, dizendo: "Cheguei com sua marmita maromba." E dava risada da minha cara mau-humorada. Pois ele sabia que eu não poderia me dar muito ao luxo de extrapolar e comer tudo. Ele era quem melhor me conhecia e conseguia me animar. Mas mesmo depois de um ano, nem mesmo ele Yoongi me conhecia por completo. 

Sentado curvado em frente ao notebook disposto na mesa da cozinha, Yoongi brincava com os lábios pequenos e carnudos com os dedos enquanto forçava um pouco as vistas para algum contrato novo. Estivera por longos minutos o observando, largado no sofá. Eu o admirava muito, ele largara tudo para ser quem era. Ainda tinha que economizar muito dinheiro do salário que eu lhe pagava para contrabandear seus hormônios e manter sua saúde em dia.  Achava um desperdício de inteligencia e talento ele trabalhar para mim. Contudo, ele não tinha outras opções. 

"O que tá olhando?" Distraído em meus pensamentos, não percebi que agora ele me encarava do outro lado da sala-cozinha. Sempre quando desconfiava, estreitava ainda mais os olhos pequenos. 

"Nada, hyung." Lhe garanti isso com um sorriso com todos meus dentes. Dentes de coelho, como ele costumava dizer. Seus olhos se desviaram do meu rapidamente. "Hyung." O chamei novamente, ele tentava disfarçar, mas sua expressão sempre mudava quando o chamava assim, um quase sorriso se formava em seus lábios. 

"Hm?" 

"Hoje é nosso aniversário!"

"N-nosso?" Ele parecia um pouco desconcertado. Ri um pouco do seu jeito. Yoongi era muito reservado e não gostava muito de papos melosos, nem em questão de amizade. Me levantei para ir me sentar na cadeira, em frente a ele. 

"Sim. Faz um ano que moramos juntos hoje!" 

"Ah é, você lembrou disso?" 

"Eu prometi que ia lembrar e lembrei. Nós devíamos fazer algo, sair para comer e beber. O que acha? " 

Ele fechou o notebook, lentamente. Dando aquele sorrisinho sem jeito que só ele tinha. "Será...?" 

"Eu pago, hyung." Lhe garanti, dando um piscadela. Ele voltou a ficar sem jeito. "Por favor, hyung. É importante."

"Tá legal." 

Não fomos longe. Comemos churrasco de carne de boi e bebemos o suficiente para voltar se arrastando abraçados pelas ruas. No dia de aniversário de um ano morando juntos, nós dormimos na mesma cama. 

E ter acordado, abraçando seu corpo pequeno e esguio comparado ao meu, cheio de massa muscular e grande, mudou algo em mim. Apesar da amizade especial que começara em uma viagem de várias horas e todos os dias que convivemos juntos, pouco nos separando, nunca havíamos criado um laço tão íntimo. Não ousei  me mexer e tive medo até de respirar, pois meu nariz estava enterrado em seus cabelos negros. O cheirinho de shampoo já me era conhecido, mas nunca tinha sentido tão de perto. Senti Yoongi se remexer debaixo dos meus braços e fiquei mais nervoso ainda. 

Ergui o braço bem devagar, mas não tive sucesso, ele já estava desperto e se virou bruscamente para me olhar, com os pequenos olhos arregalados. "O-o que?" Ele parecia tão desnorteado. 

"Acho que exageramos ontem." Tentei acalma-lo o abraçando novamente e como tudo em nossa vida, foi natural ele retribuir o abraço e afundar seu rosto em meu peito. Ficamos assim por um bom tempo e até achei que ele havia adormecido novamente. 

"Vamos tomar uma sopa de ressaca." Ele finalmente falou algo, se desvincilhando de mim de maneira suave. Fazendo carinho na própria barriga, com uma careta no rosto. 

"Vamos sim." 

O caminho até nosso restaurante favorito para dias de ressaca estava praticamente vazio naquele dia. Comemos em silêncio, num conforto de quem tem um relacionamento com alguém há muitos anos. E mesmo que me sentisse curioso sobre o que ele achara de nossa intimidade repentina, não puxei o assunto. Muito menos ele se pronunciou sobre. 

Havia coisas que nem Yoongi sabia sobre mim e que nunca me questionara. Nunca achou estranho eu não me envolver com ninguém ou fazer pouco caso para as fãs mais atiradas. Não esboçou reações quando lhe confessei uma noite bêbado que nunca havia namorado com ninguém. Ele parecia não se importar. 

Eramos diferentes nesse aspecto. Yoongi sempre parecia estar quase engatando em um relacionamento. Ele sofria calado quando seus encontros fracassavam. Até que ele pareceu se resignar com a vida de solteiro e parou de tentar. E agora, nós dois parecíamos dois solteirões solitários. Talvez, ele chegara a conclusão, como eu, de que fora algo de carência que nos unira naquela noite. 

Naquele final de semana, eu fiz minhas atividades diárias e ajudei Yoongi organizar as postagens da semana. E mesmo que não falássemos abertamente sobre, algo havia mudado em nós. Estávamos mais próximos, haviam mais toques e muitas das vezes partiam dele. Até mesmo quando sentamos no pequeno sofá para terminar de assistir um seriado juntos, ele se encostou em mim deliberadamente e eu envolvi seus ombros. Nos olhamos longamente, naquela posição confortável. 

"Kookie, eu preciso de te dizer uma coisa." 

Girei meu tronco para poder olhar-lo melhor, mas em nenhum monte soltei-o de meu abraço, nossos rostos estavam próximos e seus olhos pareciam tentar ler os meus, me analisando. "Pode falar, hyung..." Meu coração disparou, pois no fundo eu sabia do que se tratava.

"E-eu.." Ele mordeu seu lábio inferior e meus olhos se fixaram em sua boca naquele instante. Estávamos tão próximos que podia sentir a mudança em sua respiração, que ficara agitada. 

"Você?" Meu aproximei mais ainda, a tensão era tão densa entre nós, só cortei o contato visual com ele quando seu rosto se inclinou naturalmente para o lado, mas eu não consegui reagir. Então sua mão direita, ergueu hesitante e tocou levemente meu pescoço, me puxando para que eu o beijasse. E eu o fiz. 

Tinha segredos tão profundos em mim que nem mesmo eu ousava desvenda-los. 

O toque macio de seus lábios deram passagem para mim, mas demorei demais a reagir. Então foi Yoongi que aprofundou o beijo, sua língua tocava levemente sobre a minha e eu tentava retribui-lo com mesmo  entusiasmo. Passei o polegar sobre sua bochecha num carinho suave, selamos os lábios várias vezes, nos separando por fim. 

Seus olhos buscaram pelos meus em ansiedade. Continuei a acariciar seu rosto pálido e lindo. "Hyung..." havia tantos segredos que não sabia sobre mim, que ninguém sabia. E naquele momento achei melhor que fosse assim. Abracei-o com força. 

"Estou apaixonado por você, Kookie." Ele confessou no meu ouvido e eu só podia sorrir. 

Naquela noite, dormimos juntos mais uma vez, abraçados. 

Para o mundo ainda eramos JK e seu amigo-assistente Yoongi. E em vez de dividir meus segredos, eu apenas adicionei mais um.

De qualquer maneira, estávamos felizes. Pois ele não se importava em termos um relacionamento discreto e ao nosso tempo. Dormíamos e acordávamos juntos todos os dias. Demorávamos uns minutos a mais entre beijos e carinhos inocentes. 

Algum dia eu teria que me abrir, mas enquanto ele não ultrapassava barreiras, eu também não fazia nada para mudar o pequeno incomodo no fundo do meu coração. 

"Toma Kookie." Ele me entregou uma shakeira nova, mais uma para a coleção enorme do armário da cozinha. Ele já havia preparado a bebida. "Lembre-se do nome, Force Vibe 3000 de banana." 

"Ok." 

"Repete antes." 

Suspirei. "Force Vibe 3000 de banana." Coloquei a câmera frontal na minha frente, próximo a grande janela de nosso apartamento. Gravei os stories, uma, duas, três vezes. O gosto não era tão ruim, não era minha marca favorita, mas era a que ajudaria a pagar nosso aluguel. Consegui completar os vídeos na quinta vez e entreguei para Yoongi, que completou a tarefa de editar o material. Engoli o resto do conteúdo, limpando a boca com o antebraço. "Bom, vou indo para academia."

Yoongi estava muito distraído e pareceu um pouco abalado quando o envolvi pela cintura, espalmando minha mão em suas costas, sua boca estava aberta em surpresa e aproveitei para beijar-lhe uma ultima vez antes de ir embora. Ele pareceu um pouco abalado com o que acontecera. Eu não via diferença naquela despedida. 

Mas aquilo foi como um clique para Yoongi. Naquela noite, depois de terminar de tomar banho. Ele veio diretamente para o meu quarto, vestindo um bermuda preta solta e regata branca e larga, que mostrava muito mais seu corpo do que as camisetas largas e escuras que usava com frequência. Ainda terminava de secar os cabelos com a toalha. Sentou-se próximo a mim na cama, largando a toalha molhada no chão. Havia um sorriso travesso em seus lábios. 

Inclinou-se para me beijar de maneira lenta, sem apressar as coisas. Ele passou as pernas, sentando-se sobre minhas pernas, ambas de suas mãos seguraram meus cabelos igualmente úmidos pelo banho recente. Yoongi mordeu meu lábio inferior antes de iniciar outro beijo um pouco mais lascivo. E eu tentava acompanhar seu ritmo, o segurando pela cintura fina. 

Nossos lábios se separaram e eu sentia a falta de ar e o calor de nossos corpos. Ele sorriu para mim antes de puxar os fios da minha nuca, expondo meu pescoço para que começasse a beijar e dar leves lambidas. Fechei meus olhos tentando aproveitar as sensações, mas elas não me pareciam tão incríveis como parecia ser quando assistia a algum filme e via os atores reproduzirem cenas íntimas. 

Era Yoongi ali, eu estava apaixonado por ele e ele por mim, estávamos namorando há mais ou menos um mês, então porque eu tinha que ser assim? 

Tentei ignorar aqueles pensamentos aos quais eu havia trancando junto com as lembranças da escola e da puberdade. Suas mãos percorreram meu torso até a barra da minha camiseta, a levantando e a w. Seus dedos passearam pelo meu abdômen e meus mamilos, tracejando as linhas dos músculos, seu olhar perdido em meu corpo enquanto lambia os lábios. "Você é tão lindo Kookie..." Segurou meu queixo antes de me beijar novamente com intensidade e tesão, enroscando sua língua na minha com vontade. 

Acariciei suas costas e atrevi-me a tocar-lo por baixo do tecido leve de sua regata. Ele não me rejeitou. Seus beijos voltaram para meu pescoço e desceram até minha clavícula, lambendo a região e esfregando seu nariz pela minha pele que reagia aos seus estímulos. Meu corpo reagia, mas eu não sabia como retribuir e muito menos sabia lidar com a crescente culpa que tomava meu ser. 

"Kookie, deita." Ele pediu e o obedeci, ele permaneceu sentando sobre meus quadris e sentia ele esfregar-se ocasionalmente a minha semi-ereção. "Tudo bem?" ele murmurou e sua voz estava mais grossa, embargada pelo seu desejo. Acenei que sim, mas sabia que minha expressão não devia ser muito boa. Yoongi me beijou nos lábios mais uma vez. "Kookie..." me chamou, "você é virgem?" Fiz que não com a cabeça. "Não precisamos fazer, se você não está se sentindo bem... eu sei que é novidade..." Ele pareceu inseguro. 

"Yoongi-hyung, eu te amo." Disse firmemente olhando nos seus olhos. O puxei pela nuca para beijar-lhe os lábios. Pois amava seus beijos. "Eu te quero sim." Ele mordeu o lábio, antes de tirar a camiseta. E aquilo não era novidade para mim, pois já o tinha visto dessa maneira, mas naquele momento ele me parecia ainda mais vulnerável. "Você é lindo..." lhe disse, passando os dedos levemente por sua barriga lisa e branquinha, subi os dedos para seus mamilos e acariciei com carinho suas marcas, parte do seu presente, do que ele lutara tanto para conquistar. "Você é lindo demais..." Ergui meu tronco novamente e beijei cada pedaço de seu torso e lambi lentamente seus mamilos, até ouvir pequenos gemidos saírem de seus lábios. 

Ele me empurrou levemente para que voltasse a me deitar sobre o travesseiro, voltando a beijar meu peitoral e se demorar um tempo a mais em meus mamilos. Desceu seus beijos pela minha barriga, saindo de seu colo e começando a abaixar minha bermuda. Se demorou um pouco a mais beijando a pele próxima a barra da minha cueca. Acariciei seus cabelos que secavam e tinham uma maciez especial. Ele me lançou um olhar significativo antes de enroscar seus dedos no elástico da última peça que vestia. 

Yoongi retirou minha cueca lentamente, me fazendo me sentir um pouco mais vulnerável também. Seus dedos envolveram minha ereção com delicadeza, me masturbando lentamente, me fazendo cerrar os olhos e tentando absorver aquelas novas sensações. Quando seus lábios envolveram minha glande, umedecendo a área sensível, meus olhos arregalaram e se encontraram com os seus, ele começou me chupando com delicadeza. Um pouco mais confiante, ele começou a me engolir,  causando uma pressão deliciosa, quente e úmida, sua mão acompanhava o ritmo, enquanto a outra mãos massageavam meus testículos rijos. 

Afastei um pouco minhas pernas tentando me concentrar no que acontecia com todo o coração. Todavia, minha mente me levou longe, para as memórias da minha puberdade, que muitos diziam ter acontecido tardiamente. Foi só no último ano do ensino médio que eu descobri que meu desinteresse não era somente por meninas, mas também meninos. É claro que eu havia me apaixonado várias vezes, mas eu não sentia o que meus amigos me descreviam quando falavam das meninas que haviam beijado ou até mesmo transado. E quando finalmente eu tive minhas primeiras experiencias com uma menina e depois com outro menino, não sentia que aquilo era lá tão excitante como os outros contavam. 

Yoongi colocou mais força na sucção me fazendo soltar um gemido sofrego e me trazendo aquele momento, seus olhos buscavam os meus e ele sorriu com minha reação. Suas mãos separaram minhas coxas um pouco mais. Suas unhas cravaram na minha carne, levantando minhas pernas para o alto e expondo minha entrada. "Ah Kookie, tão lindo..." Ele lambeu minha ereção mais uma vez antes de chupar minhas bolas e descer a língua pelo períneo, me fazendo arfar com a sensibilidade no lugar. 

Segurou firmemente minhas pernas flexionadas e distribuiu lambidas úmidas em minha entrada. A sensibilidade me fazia reagir instintivamente. Sua mão destra voltou a me masturbar enquanto ele me fodia com sua língua, o estimulo simultâneo me fez gozar em sua mão me deixando exasperado. Me sentei surpreso, ele se afastou. "H-hyung..." 

"O que foi? Você ta bem?" Ele sentou-se também um pouco preocupado. Acenei positivamente, tentando o acalmar. 

"Eu gozei." Disse um pouco envergonhado, sem muito bem entender. Ele riu levemente. 

"Tudo bem... Não tem problema. Podemos continuar...se quiser..." E minha reação foi involuntária, quando me vi, já estava negando, o pegando de surpresa. 

"Você não gostou?" 

"Eu gostei, é só que... Vamos devagar..." 

Havia muitas coisas que Yoongi não sabia sobre mim e por não saber, ele respeitou. Me limpando e me vestindo novamente a cueca. Me envolvendo em seus braços e acariciando meus cabelos até que eu adormecesse. 

Acordei no meio da noite e não pude mais fechar os olhos, Yoongi ressonava tranquilo do meu lado. Estávamos em um relacionamento sério, algo que havia evitado por tanto tempo e que parecia um esforço enorme desde que o conhecera. Sim, no fundo sabia que eu o amava mais que um amigo. Mas meu medo de envolver-lo em algo tão complicado me fez me afastar, o fiz até quando foi inevitável. 

Aquela foi a primeira de muitas noites as quais não dormi. Eu tentava agradá-lo de todas maneiras e nossos relacionamento íntimo ia funcionando de forma precária. Conseguia satisfazer-lo e aos poucos ia aprendendo como ele queria e o fazia sentir-se bem. Mas no final, ele sempre se sentia um pouco frustado com minhas reações. Eu não conseguia disfarçar e quanto mais nos conhecíamos mais fácil era para ele me ler. Então a insônia me fazia companhia, assim como uma crescente ansiedade. 

Ele continuaria me amando, se soubesse? 

Ele me comprou um presente especial no meu aniversário e assumimos nosso namoro para nossos amigos mais próximos que nos apoiaram com frases cheias de amor e carinho. Naquela noite foi a primeira vez que neguei suas investidas, falando que havia bebido demais. E o primeiro não que disse a ele me fez me sentir mais a vontade de lhe negar outras investidas. 

Yoongi respeitava meu espaço. 

Foi só quando comecei a lhe negar os beijos - pois sabia aonde eles nos levariam, que ele tomou iniciativa. 

"Jungkook, precisamos conversar." E eu queria chorar apenas por ouvir aquelas palavras. 

Estávamos deitados na cama. Ele se aprumou, sentando-se de frente para mim. Procurou por minha mão e entrelaçou nossos dedos. "Calma, não fica nervoso. Eu só preciso entender... Você ainda me ama?" Sua voz era uma mistura de tristeza e ansiedade. 

"Eu te amo muito hyung." Meu olhos começaram a ficar muito úmidos, mas fiz um esforço para não derramar nenhuma lágrima. 

"Então, por que?" Ele tentou. Sua testa estava enrugada em confusão. "Você não me deixa te beijar, te amar...Tem algo te incomodando? Estou fazendo errado?" Ele pediu.

De início nós tentamos de tudo e fomos nos adaptando. Era uma descoberta para ambos, mas principalmente para Yoongi que nunca tivera experiencias com outro homem.  Ele apertou minha mão me trazendo a realidade e foi difícil não chorar.

"Você é perfeito, hyung! Eu te amo, entenda...É só que...é só que..." 

Havia um segredo que eu guardava só para mim e havia o guardado por tanto tempo, que ele não queria sair de nenhuma jeito. 

Aquele segredo de toda uma vida estava entalado em minha garganta. 

"Tem algo errado comigo..." 

"Como assim?" 

"Acho que eu sou quebrado." A confusão estava estampada no rosto de Yoongi que segurava minha mão com as suas duas mãos. Ele parecia que iria chorar a qualquer momento. Funguei fundo, limpando com a mão livre as lágrimas estúpidas que eu não conseguia segurar. "N-não é você, eu juro. Eu sempre fui assim..." Ele soltou minhas mãos para limpar meu rosto e beijar meus lábios. "Por-por favor, não termina comigo."

"Nós vamos descobrir o que está acontecendo. Eu te amo, Kookie! Não vou te abandonar!"

Meu segredo que era só meu, virou nosso. Depois de me acalmar, aos poucos fui contando sobre meu passado para Yoongi, que achou melhor procurarmos ajuda especializada.

Não havia nada errado com minha saúde. Eu era um jovem de 23 anos, forte e saudável. Ainda mais com a vida ativa que levava. Yoongi não desistiu de mim. Começou a pesquisar por profissionais de psicologia, especializados em sexualidade e gênero, o que foi mais difícil do que achar uma estrela no céu nublado de Seul. 

Quando o segredo virou nosso segredo e quando finalmente consegui abri-lo, um peso saiu de meu coração. 

"Não tem nada de errado com você." 

Tive que pesquisar muito para entender que eu não era o único que me sentia assim. E Yoongi ficou do meu lado todo esse tempo. Íamos completar dois anos morando juntos, quando finalmente entendi quem eu era. 

Queria que isso diminuísse minha insegurança quanto ao nosso futuro juntos. Eu o amava mais do que tudo, mas sabia que não eu não conseguiria satisfazê-lo de todas as maneiras e mesmo assim ele foi paciente comigo nos momentos mais difíceis. 

Comemoramos nosso aniversário de dois anos comendo um prato especial cozinhado por mim. E dormimos abraçados depois de uma garrafa de vinho. 

A campainha no outro dia nos acordou. Era uma entrega especial. Algo que Yoongi havia pedido de outro país e que tinha quase certeza que havia se perdido no caminho. Ele repousou a caixa na mesa de centro na sala. "Afinal, o que é isso?" 

"Ah...não importa agora..." Ele parecia incomodado e não se atrevia a abrir a encomenda, não comigo ao seu lado. Engoli em seco, um pouco nervoso. "Eu comprei já faz algum tempo, achava que isso melhoraria, bem..., que você gostaria mais..." 

Yoongi lidava bem com sua disforia, poucas vezes ele se sentia mal. Mesmo quando passamos pelo período de distanciamento, ele parecia bem. Eu havia me enganado. Ele sofrera muito com meu afastamento.

Lhe abracei por trás, beijando seu ouvido antes de sussurrar um pedido de desculpas. "Por favor, abra." Logo entendi o que era. 

Suas mãos hesitantes buscaram uma tesoura e abriram a caixa super embalada e cheia de estampas de diferentes lugares. Muito bem embalado e com uma carta cheia de instruções. Yoongi havia investido em uma prótese cara com muito realismo e com vários usos, diferentes dos outros modelos que ele tinha. Ele chorou e eu chorei junto com ele. Pois eu sabia que mais do que agradar a si, ele havia escolhido aquilo pensando em mim também. 

"Eu te amo, Yoongi." Lhe beijei entre as lágrimas. "Estou tão feliz por você, meu amor". 

Re-aprendemos o significado do amor juntos, aos poucos. E eu agradecia todas as noites por Yoongi ser quem era e me amar como eu era. Dormíamos tranquilos nos braços um do outro. 

Ao nosso tempo, aprendemos sobre nossos segredos. 


Notas Finais




Oi, espero que tenham gostado do texto.

Por favor, se gostou deixe seu comentário, voto, e compartilha com seus amigos!

Espero que tenha conseguido passar na história um pouco das duas realidades, eu procurei bastante informações e relatos de quem tem lugar de fala para elaborar o texto.

Algumas notas adicionais:

• Atualmente na Coréia do Sul, a saúde não disponibiliza nenhum a apoio, procedimentos cirúrgicos, medicamentos e reposições hormonais para pessoas transgênero.

• Com relação aos documentos, há variantes, dependendo do juiz responsável pelo processo. No caso da história, Yoongi não consegue mudar oficialmente seus documentos na Coréia do Sul.

• Pela falta de informação e representatividade válida, Jungkook demora muito para se descobrir assexual. Na história, ele é birromântico, ou seja, sente atração romântica por homens e mulheres. E não tem repulsa ao sexo. (Só prefere bolo)

Ficou mais alguma dúvida vamos conversando pelos comentários!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...