História Segunda Chance - Capítulo 19


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), TWICE
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Jungyeon, Nayeon, Rap Monster, Suga, V
Tags Amizade, Automultilaçao, Bullying, Colegial, Drama, Fantasma, Jungkook, Kokkie, Miawoshmer, Morte, Noona, Oppa, Patinação, Romance, Segredos, Taehyung, Tragedia
Visualizações 227
Palavras 5.260
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Esporte, Famí­lia, Fantasia, Ficção Adolescente, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


🐰 Olá meus amores! 🐰

🐰 Voltei com mais um capitulo e...
Sei de nada kkkkkkkkk

🐰 Só sei que se vocês ainda não conhecem Red Velvet, vão ouvir as musicas maravilhosas!

🐰 E se não conhecem You better Know eu aconselho que tirem 4 minutinhos para ouvir essa delicia e voltem a ler o capitulo.

🐰 Só isso ><

🐰 Amy pode tomar seu lugar agora kkkkkkkkkkkkkk

( Antes que me perguntem eu não bebi, só tive uma prova de direito tributário hoje, só isso! :,)

Capítulo 19 - Quero que você saiba


Fanfic / Fanfiction Segunda Chance - Capítulo 19 - Quero que você saiba

A conversa com a treinadora não havia sido muito fácil, eu não esperava que ela fosse aparecer e querer conversar comigo. Eu nunca nem pensei que ela fosse conversar comigo um dia. Mesmo depois de tudo que aconteceu toda aquela situação ainda era inacreditável, porém os fatos estavam ali e me provavam que era realidade. 

Com certeza tem dedinho da Jeongyeon nessa história. O que me intriga é o fato de ela saber que eu estava aqui, por mais que Jeongyeon estivesse por trás disso, eu não contei para ela aonde eu iria hoje, eu nem disse que sairia.

 

Tae me encheu de perguntas depois que eu voltei para a nossa mesa. Disse que eu estava feliz demais e que meu sorriso não estava cabendo em meu rosto. "Aquele era o maior sorriso que ele já havia visto", acabei gargalhando alto. Eu expliquei o que havia acontecido e ele quis comemorar. Eu fui repassando toda aquela conversa na minha mente no caminho de casa, ainda não conseguia acreditar no que havia acontecido.

 

 

- Jeongyeon me disse que você patina bem, disse que te viu fazer um meio giro e... Que ficou bastante impressionada, ela tem o dom de achar talentos, então...

- Pena que eu não posso dizer o mesmo da senhora.

- Como?

- Eu me recuso a aceitar sua proposta. Talvez a senhora não se lembre professora, mas há três anos eu fiz o teste e se eu tivesse que ser uma patinadora agora, já teria acontecido muito antes.

- Eu não entendo.

- Como não? A senhora mesma disse que “gente como eu poderia manchar o nome das ‘Perfect Dolls’, pobre e com uma família ‘desestruturada’ exatamente como a minha”. – Deixei que o rancor falasse mais alto.

- A um engano aqui, eu nunca disse isso, me disseram que você havia desistido.

- Desistido? Esse era o meu sonho! – Me alterei.

- Então o agarre agora, precisamos de você na equipe! Eu não entendo, seu teste havia sido excelente eu aprovei você! – Ela tinha uma expressão confusa no rosto.

- Como? Não, você disse...

- Eu não disse nada disso, como ousa colocar palavras na minha boca? -  pergunta irritada.

- Me desculpe, foi apenas o que eu soube e...

- Está errada. Eu nunca disse isso e a aprovei, você parecia ser muito esforçada, eu achei que com um pouco de incentivo você iria conseguir, mas quando soube que não queria mais eu pensei que...

- Eu nunca disse que não, eu sempre quis.

- Amy, aproveite. Agora é sua chance, eu posso treinar você, posso te fazer ser a melhor.

Eu não sabia o que dizer ou o que eu deveria fazer?

- Ok. – Digo, sobrecarregada de emoções. Eu não queria chorar, mas a lágrima solitária que caiu veio sem avisar.

A treinadora faltou pular de tanta alegria. Me abraçou e disse:

- Já sabe o horário do treino. Não se esqueça de que não pode se atrasar. – E saiu me deixando sozinha.

Naquele momento eu me permiti chorar de verdade, deixei que as lágrimas escorressem por meu rosto e que lavassem a minha alma. Eu só queria que levasse embora minha dor e que me fizesse sentir o que eu não sentia há muito tempo.

Felicidade.

A verdadeira felicidade.

 Aquela que ia além de tudo e preencheria meu coração, aquela que nem mesmo Tae poderia me dar, embora estivesse tentando.

Essa felicidade eu só alcançaria se conseguisse superar todo meu passado, se deixasse que as feridas cicatrizassem. Se superasse os obstáculos que eu criei para me proteger dele, aquele passado horrível precisava ser apagado e a minha história deveria começar de novo, agora mais completa e mais feliz, ao lado de quem eu amo.

Eu conseguiria resgatar minha felicidade. A felicidade de se sentir bem que eu estava recuperando naquele momento. Foi na ponte do Rio Missouri que tudo começou, foi lá que eu comecei a recuperar a felicidade perdida, aquela que eu deveria dar e não receber.

Nunca tive nada para oferecer a ninguém, mas agora eu terei.

- Mãe... seja onde for que a senhora estiver, saiba que eu te amo e eu vou fazer de tudo para te orgulhar. Eu prometo mãe, com todas as forças que me restam, prometo que eu me tornarei uma campeã e que nada do que a senhora fez por mim, será esquecido. Eu te amo mãe.

Limpei as lágrimas e fui para o banheiro lavar o rosto, depois quando me senti mais calma voltei à mesa com o maior sorriso que eu tinha estampado no rosto.

(...)

 

O clima era tenso, estávamos no ginásio de patinação e Vivian me encarava com aquele olhar mortal.

Eu permaneci sentada na arquibancada sem jeito e muito ansiosa. Meio distraída eu mal percebi quando uma garota se aproximou de mim.

- Com licença, posso me sentar aqui? – Perguntou sem jeito.

- Claro. – Eu disse, nunca imaginei que teria uma reação de recepção calorosa a alguém na minha vida, mas ali estava eu sendo gentil com uma desconhecida. As coisas estão realmente mudando.

- Nossa! É incrível! – Ela disse iluminada de impressionismo.

- Você gosta de patinar? – Perguntei me achando um pouco curiosa demais.

- Lá no Texas eu patinei algumas vezes, mas não é meu forte.

- Eu gosto de patinar. – Sorri.

- E por que não tenta entrar na equipe?

- Por que é uma boba.

Viramos as duas para trás ao ouvir a voz que nos falava em um tom meio rude.

- Você vai assustar a garota desse Jeito Jeongyeon.

- Ela já deve estar acostumada, afinal, é prima do Yoongi.

- Você é prima dele? – Perguntei assustada. Será que ela é igual a ele? Me lembrei na mesma hora que Tae disse que não podemos julgar ninguém pela aparência ou nesse caso, por parentesco e me recompus.  

- Sou... Infelizmente, eu já percebi que a fama dele não é das melhores por aqui. – Ela diz sem jeito.

- Não mesmo, seu primo é um crápula eu falo isso na cara dele se for preciso. – Diz Jeongyeon decidida, ela é sempre a garota pulso firme da equipe.

- Eu sei que ele é, imagine eu tendo que conviver com ele. – ela realmente parecia triste com a ideia.

- Mudando de assunto o que disse a treinadora? – Jeongyeon interrompeu a garota do nada.

- Você já deve saber. – Disse sorrindo e Jeongyeon começou a dar pulinhos e me abraçou arrancando risos descontraídos da outra.

- Já contou para o Taehyung? Para o Jimin?

- O Tae já sabe, ele estava comigo já o Jimin preciso esperar ele chegar para contar. Eu não o vejo desde que bateu o sinal.

- Contar o que?

- Hoseok! – Corri para abraçar meu amigo. – Como foi à apresentação?

- Foi ótima! Parece animada, aconteceu alguma coisa?

- Eu sou uma patinadora agora! – Disse entusiasmada e Hoseok comemorou comigo.

- Parabéns Amy! Você merece, já é um motivo para voltar às minhas aulas.

- Vou pensar. – Se dependesse do Tae eu não voltaria nunca.

 (...)

 

 

A noite caiu e a chuva também, eu escrevia em meu diário animada com minha narrativa divertida sobre o meu dia, fazia tempo que não escrevia nada no coitado, tanto que as folhas estavam começando a desbotar, porém quando o Oppa entrou emburrado no quarto quase tive um bloqueio.

- Posso saber o por que dessa cara?

- Não é óbvio? Eu estou cansado de ficar aqui dentro. – Fez um biquinho irritado.

- Então sai. Vai lá para fora.

- Na chuva?

- Você é um fantasma não vai se molhar.

- Você está ouvindo o que está dizendo? Você me proíbe de sair e agora quer que eu saia na chuva.

- Só estou te dando uma alternativa.

- Você está de sacanagem comigo.

Eu olhei para ele.

- O que quer que eu faça?

- Noona eu já estou aqui há muito tempo e você não encontrou nada em lugar nenhum. Você não entende que eu fico entediado aqui? Eu tenho medo de desaparecer a qualquer momento.

- Não diga isso nem brincando, você não vai desaparecer eu não vou deixar. – Me coloquei de pé.

- Como tem tanta certeza? – Ele pergunta sem jeito.

- Eu vou fazer de tudo por você Oppa. Quero que saiba que não vou desistir. Eu assumi um compromisso com você de te ajudar. Sei que não progredi nada até agora e que estou sendo irresponsável negligenciando meu compromisso com você. Eu deveria estar mais preocupada em vez pensar só em mim o tempo inteiro. Sei que tenho agido de forma errada, mas vou te ajudar, eu devo isso a você.

- Deve?

- Devo e eu vou fazer o possível para te trazer de volta, existe um mundo que espera por você. – Sorri. – E eu estou nele. – Acrescentei.

O Oppa me olha de maneira intrigante e então eu percebo a gravidade das minhas palavras. Acho que estou exagerando na minha felicidade, esse negócio de dar e receber deve ser feito com mais cautela.

- É bom saber que você faz parte do meu mundo Noona. – ele diz sorrindo.

- Quer saber, acho que não tem nada demais fazer uma loucura de vez em quando.

- O que está dizendo?

- Você não quer ir lá fora? Então me acompanhe eu vou com você.

- Mas e a chuva?

- Ela vai ser nossa companheira hoje à noite, vem logo.

Saio correndo pelo corredor e desço as escadas de casa, vejo o garoto correr atravessando as paredes ligeiramente e abro a porta num puxão, me jogando na chuva sem me preocupar com a temperatura gelada das grandes gotas que caíam. O oppa me olhava espantado e eu decidi provoca-lo.

- Está com medo?

- Eu? Com medo?

- O que está esperando então?

Ele correu para debaixo da chuva também. Ele não se molhava como eu, mas se divertia igualmente, corríamos em volta das poças de água e gritávamos como dois malucos enquanto riamos como crianças bobas.

Parei para observa-lo por alguns segundos. Ele abriu um sorriso largo e soltou uma gargalhada gostosa enquanto pulava entre as poças e dançava uma coisa esquisita me fazendo rir altamente na rua.

Correu atrás de mim em seguida e embora eu soubesse que ele não podia me tocar, ainda sim eu corri para me esconder dele, era assim ou não teria graça, dançamos na chuva e até cantamos músicas bregas que provavelmente ninguém conhecia.   

Quando o cansaço chegou foi que percebi que estava ensopada, esqueci completamente da minha mortalidade, se eu vier a ter um resfriado qual desculpa vou usar quando a Nanny me perguntar? Ri de meus próprios pensamentos. Era inusitada a situação, pela primeira vez em toda a minha vida eu estava feliz por mentir.

Olhei para o Oppa que parado em minha frente tinha uma feição estranha, a chuva continuava caindo, porém não como antes, era mais parecido com a garoa fina que costumava cair em minha cidade natal. Sorri para ele sem entender e percebi de onde vinha à estranheza de sua face.

Ao sairmos de casa eu não me dei conta de que me molharia. Pode até soar estranho, mas realmente não me atentei aos detalhes de minha aventura na chuva. Eu estava com a blusa do pijama e a mesma era muito fina, resumindo minha roupa estava completamente colada em meu corpo e minha blusa marcava completamente o biquinho dos meus seios eriçados pela água fria que caia sobre eles.

Corei no mesmo instante, sentindo minhas bochechas pegarem fogo, tapei com os braços a parte exposta pela blusa. Que constrangedor.

- Não olha Oppa! – Digo fechando os olhos de tanta vergonha.  

- Não estou olhando. – Ele diz rapidamente. Eu já estava pronta para protestar, abri os olhos o suficiente para confirmar minha teoria de que ele não passava de um pervertido, porem me surpreendi ao ver o mesmo de costas para mim. – Entra. Eu vou depois.   

Suas palavras foram o suficiente para me fazer entender um pouco mais sobre a personalidade do meu fantasma, talvez se fosse Tae não seria assim, mas o Oppa está sempre me surpreendendo de alguma forma, ele sabe ser cativante a sua maneira.

Não desobedeci a sua ordem, mas só porque se alguém passasse na rua e me visse daquele jeito poderia pegar mal pra mim. É melhor evitar mais constrangimentos.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                 

Entrei em casa e corri para o chuveiro, tomei um banho rápido e quando sai do banheiro encontrei o Oppa encostado no pé da minha cama cansado.

- Eu...

- Não vi nada não se preocupe.

- Eu não ia falar sobre isso!

 Ele me olha intrigado.

- Além disso, você não precisa mentir, sei que você viu. Eu vi!

- Não tem nada para ver aí. Você parece uma tábua.

- Como?

- Exatamente. – Mostra a língua para mim em deboche.

- Seu fantasma idiota!

Ele ri e eu o acompanho ainda frustrada com o que ouvi.

 - Você é inacreditável.

- Igual à Noona.

- Então deve ser por isso que estamos juntos.

- Faz sentido. – Ele diz se sentando ao pé da cama.

- Você vai ficar ai? Venha para a cama.

- O que?

- Deite-se comigo.

- Noona... – ele me olhou malicioso, só pensa nisso.

- Não assim né? Quer saber, se não quiser não venha.

Ele correu para cama e se deitou ao meu lado com um olhar sapeca.

Estávamos um de frente para o outro. Eu podia ver o desenho de seu rosto falhado por causa da condição de seu corpo. Para mim era ainda mais nítido que o Oppa era um garoto muito atraente, como fantasma ele era bonito, imagino como homem de verdade. Todos os dias eu tinha mais certeza disso.

- No que está pensando?

- Em você.

- Em mim? – Ele arregalou o olho.

- Pareceu uma criança hoje.

- Não sou criança! – Falou emburrado.

- Eu sei que não. – Digo assim que me lembro do ocorrido. – Sabe, o Hoseok me apresentou algumas músicas da Coréia uma vez, eu as salvei no celular, eu costumo ouvi-las quando bate a vontade.

- Gosta das músicas coreanas?

- Eu não diria isso, eu conheço muito pouco. Conheço músicas do BTS, EXO, BigBang e algumas do Red Velvet, nada muito alarmante. Algum desses parece familiar para você?

- Acho que Exo.

- Exo, que legal!

- Sim, lembra sexo.

- Idiota.

- Foi só uma piada calma. – Ele diz sorrindo.

- Tem uma música do Red Velvet que eu gosto muito.

- Tem? Qual é?

- You better know.

- Cante para mim. – Seu olhar era tão pidão que eu juro que tentei resistir.

- Eu não sei cantar...

- Eu já ouvi você cantar Noona, você tem uma voz maravilhosa.

- É que eu não sabia que você estava aqui e...

- Finja que não estou! Pensando bem eu não estou mesmo...

- Está bem, eu canto. – O interrompi, eu odiava aquele assunto com todas as minhas forças, só de pensar eu já me sentia angustiada. – Mas tem uma condição.

O vi resmungar em minha frente.

- Qual é?

- Você vai tentar dormir.

- Não. Está louca! E se eu não conseguir voltar? Se eu for torturado de novo?

- Eu andei pensando.

- Você pensa em outra coisa que não seja a rola do Taehyung? - pergunta um pouco irritado.

- Oppa!

- Desculpa.

- Eu aqui pensando em uma maneira de te ajudar e você sendo um idiota como sempre.

- Eu já pedi desculpas.

- Tá bom. Você precisa dormir ou pode ter aquela crise de novo e se eu provoquei aquilo, posso provocar o efeito contrário.

- Como?

- Desejando que fique. Quando eu desejei que fosse para o inferno, foi para lá que você foi. Então se eu desejar que fique você não vai ir embora.

- Está dizendo que eu vivo para satisfazer seus desejos? Isso me parece meio masoquista. – Diz malicioso.

- Tudo você leva para o outro lado.

- Eu estou do outro lado. – Ri anasalado.

- Mas o que acha? Está disposto a tentar?

- Não deveria, mas confio em você. – Seus olhos possuíam um brilho caloroso, difícil de resistir, era encantador como suas extraordinárias lágrimas de diamante.

Ajeitei-me na cama e respirei fundo antes de começar.

 

eoduun bami jina bicceul pumeun


saebyeogi jameul kkaeugo
sesangeun bunjuhage neoreul majeul
junbihae nunbusidorok

keodaran byeok ape hollo meomchwo seon chae
sangcheoro dathyeobeorin ne nunbicc
cheoeumui seolleim biccnadeon ikkeullim
jigeumeun eodijjeume issneunji

ne simjangeul ttwige haessdeon
sojunghan kkumi neol bureul ttae
pogeunhage neol gamssajul
naui i norael deureojullae

You better know nunbusin bicceul
ttara harureul geuryeo
You better know ireon neol
gidaryeoon sesangi isseo

So are you ready or not i sunganeul nohchiji ma
sigani heulleogajanha tick tock tick tock
You better know eonjena neoui
gyeote naega isseulge

seotureun aicheoreom hemaeneun
geon dangyeonhae i naccseon gire
neurige pieonan jeo deulkkocccheoreom
cheoncheonhi swieogado dwae

jichyeoissdeon neoui mameul
dallaejul baram piryohal ttae
hyanggiropge bureooneun
naui i norael deureojullae

You better know nunbusin bicceul
ttara harureul geuryeo
You better know ireon neol
gidaryeoon sesangi isseo (you better know)

So are you ready or not i sunganeul nohchiji ma
sigani heulleogajanha tick tock tick tock
You better know eonjena neoui
gyeote naega isseulge

So are you ready or not gidaryeoon sigandeuri
neoege dagaojanha tick tock tick tock
So are you ready or not jejarie meomulji ma
deo keun kkumdeureul geuryeobwa tick tock tick tock

You better know nunbusin bicceul
ttara harureul geuryeo
You better know ireon neol
gidaryeoon sesangi isseo

So are you ready or not i sunganeul nohchiji ma
sigani heulleogajanha tick tock tick tock
You better know eonjena
neoui gyeote naega isseulge

You better know
You better know
You better know
You better

 

 

- Você sabe qual é a tradução desta música? – Me perguntou manhoso.

- Eu nunca pesquisei para saber, acho que não é coisa feia, a melodia é bonitinha e “É melhor você saber” deve ser alguma coisa de amizade, sei lá...

Ele abriu um sorriso fofo e carregado de sono.

- Obrigada Noona... Eu me sinto muito melhor agora que eu tenho certeza que você faz parte do meu mundo e sua voz é realmente linda!

Fico sem jeito ao ouvir o elogio. Perdi-me um pouco daquele momento, depois pensei em perguntar para o Oppa a tradução, mas quando voltei a olha-lo ele havia pegado no sono, dormia serenamente. Observei o em seu sono profundo, seus cabelos desgrenhados era uma visão bonita e estranha para mim.

Ele se mexeu franzindo as sobrancelhas, sua feição era de alguém que poderia estar angustiado no sonho. Sua respiração estava acelerando, e seu rosto ganhando traços de dor. Será que errei na minha observação? O encarei apreensiva e tentei cantar o refrão da música novamente, dessa vez com uma suavidade exagerada, e aos poucos senti seus músculos tensos relaxarem e sua expressão voltar a ser serena de novo.

Que susto!

Resolvi ficar acordada mais um pouco para ter certeza de que ele conseguiria ter uma noite tranquila de sono e não sumiria como da última vez. Era tão bom observa-lo dormir, o modo como seu peito subia e descia e a sua respiração meio sufocada me atraía, ele provavelmente deve ter tido rinite quando vivo, sorri com meu pensamento, não importava o que tivesse tido, eu só sabia que era bom tê-lo ali comigo, pelo menos eu não me sentia tão sozinha.

Levantei da cama e peguei o celular, entrei na página inicial do Google e digitei o nome da música, eu já havia visto a tradução uma vez, quando Hoseok me passou a música, mas como não era nada feio ignorei-a e eu não fazia a mais vaga ideia do que vinha a ser porque não me lembrava.

Assim que apareceu a letra no visor comecei a ler... algo em meu peito começou a palpitar me fazendo tremer...

 

 

 A noite escura passa e a manhã brilhante surge


Te acordando do sono
O mundo está ocupado preparando-se para te receber
Deslumbrante

Antes de uma grande parede, parado ainda sozinho
Você fecha seus olhos para não se machucar
Aquela primeira vez que você teve borboletas no estômago, aquela atração radiante
Onde elas estão agora?

Quando seu precioso sonho
Que fazia seu coração bater mais rápido
Você vai ouvir minha música
Que vai abraçá-lo confortavelmente?

É melhor você saber: Eu desenhei cada dia
Seguindo uma luz brilhante
É melhor você saber: Existe um mundo que espera por você
Do jeitinho que você é

Então, você está pronto ou não? Não deixe esse momento ir
Porque o tempo está voando tic-toc tic-toc tic-toc
É melhor você saber que eu sempre

Vou estar ao seu lado

É normal que você esteja perdido como uma criança desajeitada
Nesse caminho desconhecido
Está tudo bem parar para descansar, sem pressa
Como aquela flor selvagem que floresce lentamente

Quando você precisar de um vento para acalmar
Seu coração cansado
Você vai ouvir minha música?
Isso vai explodir

É melhor você saber: Eu desenhei cada dia
Seguindo uma luz brilhante
É melhor você saber: Existe um mundo que espera por você
Do jeitinho que você é

Então, você está pronto ou não? Não deixe esse momento ir
Porque o tempo está voando tic-toc tic-toc tic-toc
É melhor você saber que eu sempre
Vou estar ao seu lado

Então, você está pronto ou não? Veja todas aquelas oportunidades que você estava esperando
Elas estão chegando tic-toc tic-toc tic-toc
Então, você está pronto ou não? Não fique parado aí
Sonhe com coisas maiores tic-toc tic-toc tic-toc

É melhor você saber:eu desenhei cada dia
Seguindo uma luz brilhante
É melhor você saber: Existe um mundo que espera por você
Do jeitinho que você é

Então, você está pronto ou não? Não deixe esse momento ir
Porque o tempo está voando tic-toc tic-toc tic-toc
É melhor você saber que eu sempre
Vou estar ao seu lado

É melhor você saber
É melhor você saber
É melhor você saber
É melhor você

 

 

Nossa...

 

Eu não podia ter cantado isso para ele, sei que parece bobo, mas... O encarei pela milésima vez naquele dia, ele tinha um sorriso nos lábios... Eu não sei por que isso estava me incomodando, tem algo errado, muito errado.

 

Quando o dia amanheceu eu fui para a escola mais rápido do que pretendia, seria a primeira vez que participaria de um treino de verdade, estava ansiosa, o que a treinadora diria? Como eu iria me sair? Será que o Tae iria ficar orgulhoso quando me visse na pista?

- Que sorriso lindo! Espero que seja para mim. – Ele pareceu me surpreendendo.

- Bobo claro que sim, você vai ao treino hoje?

- Não vou poder ir, precisarei ir para casa preparar o jantar.

- Jantar?

- Exatamente, e depois eu venho te buscar.

- Tae...

- Minha mãe quer conhecer minha namorada.

- Eu tinha um compromisso para hoje à tarde. – Menti.

- Não tem problema o jantar é à noite.

- Hum. – foi tudo que disse, a mãe do Tae deve ser uma mulher refinada e... O que eu faço?

- Quer que eu te busque?

- Sim. Vou te fazer uma surpresa.

- Eu gosto de surpresas. – Diz malicioso.

- Me pegue em casa.

- Você quem manda. – Nos beijamos rapidinho antes de entrarmos para a sala.

Estou ferrada, que surpresa que vou fazer para o Tae? Amarílis você é muito burra.

 

Vou precisar da ajuda do Oppa!

 

Quando a aula acabou fui para a pista de patinação junto com Hoseok. Eu estava animada e mesmo caindo de vez em quando eu recebia palavras positivas. Tanto Jeongyeon quanto a treinadora estavam dispostas a me ensinar o modo certo de patinar. Jeongyeon me fez repetir o mesmo movimento várias vezes, era cansativo, mas o prazer de estar fazendo aquilo me motivava a continuar. Eu havia prometido a minha mãe que tudo que fosse fazer, tentaria fazer bem. Prometi que daria o meu melhor para deixa-la orgulhosa e era o que estava fazendo, estava realizando nosso sonho, o sonho que um dia sonhamos juntas e eu tenho quase certeza de que ela estava sorrindo para mim.

Hoseok filmava tudo. Cada detalhe e às vezes eu ficava brava com ele, agora sei o que Jeongyeon passa comigo.

Jeongyeon caçoava de mim quando podia e depois começava a cantar aquela música chata que não saia da minha mente ela até me ensinou a coreografia.

Nunjisdo sonjisdo eotteon pyojeongdo

Soyongi eopsne hanado an tonghae
Nunchido kochido jeonhyeo eopsna bwa
Deo isang eotteohge nae mameul pyohyeonhae

Eonjebuteonga nan nega joha
Jigi sijakhaesseo baboya
Wae ireohgedo nae mameul molla

Eonjekkaji ireohge dunhage
Nareul chinguroman daehallae
Naega wonhaneun geon geuge aninde

Signal bonae signal bonae
Jjirit jjirit jjirit jjirit
Nan neoreul wonhae nan neoreul wonhae
Wae baneungi eopsni
Mannal ttae mada maeumeul dama
Jjirit jjirit jjirit jjirit
Gidarijanha da boijanha
Wae alji moshani

Trying to let you know
Signeul bonae signal bonae
I must let you know
Signeul bonae signal bonae

 

 

- Essa música é muito chata e o pior é que estou começando a gostar!

- Mais uma once está prestes a nascer. – Disse rindo e mudou de assunto do nada. – Engraçado a prima do Yoongi não ter aparecido.

- Nem ela e nem Jimin apareceu, ainda bem que Hoseok veio me ajudar já que o Tae está no treino.

- É, ainda bem. – Eu não consegui decifrar as expressões de seu rosto, mas algo nele me incomodava. Espero que seja só paranoia.

 

Riamos como se estivéssemos contado piadas uma para a outra e Vivian só nos rodeava como um leão querendo roubar a caça alheia. Sei que ela estava odiando tudo aquilo e tive certeza depois que a treinadora me elogiou em sua frente, pior burrada que ela podia ter feito.

(...)

 

Quando o treino acabou eu corri para casa desesperada. Eu reparei que Nanny não estava em casa, o que era estranho demais, desde que eu passei a ter mais atividades durante o dia, eu não a encontro em casa. Cheguei até a comentar com meu psicólogo sobre isso, ele disse que era normal devido a minha nova rotina. Mas eu ainda acho suspeito.

- Oppa, lembra que você disse que ia me ajudar!

- Eu lembro que você disse que ia me ajudar também.

- Eu sei, eu preciso da sua ajuda agora. Tenho que fazer compras.

- Está querendo dizer que vai se livrar dessas tralhas?

- É sério.

- Tá bom. Então vamos.

 

Levei o Oppa ao centro de St. Louis, entramos em várias lojas e ele me fez vestir roupas bem diferentes das que eu estava acostumada. As vendedoras me achavam maluca por falar algumas coisas sem pensar, mas o que podia fazer, eu estava falando com o Oppa e não com elas.

O Oppa tinha realmente bom gosto, me ensinou várias coisas em um só dia, como a combinação das peças e a variedade de cores que combinava com meu tom de pele, ele insistiu que o azul me cabia bem e que realçava ainda mais a cor dos meus olhos.

Compramos sapatos novos, roupas, bijuterias e maquiagens, nunca achei que fosse achar aquilo divertido. E no fim ele me fez ir ao salão de cabelereiro, eu não quis mudar a cor e nem o cumprimento, ele já estava quase chegando ao meu ombro e pra mim estava perfeito. A cabelereira fez hidratação, escova e finalizou com alguns cachos e eu confesso que me senti muito diferente.

 

Já em casa tive que me arrumar às pressas para esperar Taehyung chegar, graças a Deus meu Oppa estava comigo para me ajudar, não sei o que seria de mim sem ele.

- Coloca esse aqui de cachorrinho. – ele diz me entregando o pingente.

- Acha que combina?

- Combina com você, traz um ar de eu sou Amarílis, e esse é meu jeito, entende?

- Sim. – Sorri para o espelho e coloquei o pingente logo em seguida, o Oppa sorriu para mim acanhado. Ele fica tão fofo quando está com vergonha.

Tae tocou a campainha logo em seguida, e eu contei até 100 antes de descer, ele e a Nanny aguardavam na sala e os dois me fitaram com os olhos arregalados a me ver descer as escadas.

- Você está linda. – Ele diz sem tirar os olhos de mim.

- Obrigada. – Eu digo sem jeito.

Nanny parecia perplexa, não conseguia dizer nada até soltar mais uma das suas piadas.

- Quando o jantar acabar, nada de sexo ou motel, venha direto para casa, você está gostosa demais pra passar das 11 fora entendeu? – Ela continuava me olhando surpresa.

- Tá bom. – Digo e Tae me leva até o carro.

- Que pena. – ele diz e eu sei a que se referia. Mordo os lábios para conter minha empolgação, ou acabaríamos fazendo algo dentro do carro.

Durante todo o jantar a mãe dele foi extremamente simpática comigo, ela era mulher baixinha que aparentava ter vinte anos, eu não sei o que acontece com os asiáticos, eu nunca diria que ela tinha quarenta e cinco.

Tae parecia derretido pela doçura da própria mãe comigo, pelo que entendi, ele nunca havia lhe apresentado uma namorada antes, aquela era a primeira vez e por isso ele estava apreensivo.

- Foi um prazer conhece-la querida, eu espero vê-la mais vezes, Taehyung me disse que você patina, acredito que ele não se importara em levar sua velha mãe para ver o campeonato.

Meu coração acelerou, como? Aquela mulher elegante e refinada queria me ver patinar?

- Claro que a levarei mamãe.

- Será muito bom ter a presença da senhora, embora eu ache que vou ficar nervosa se ver vocês dois na arquibancada.

- A você não quer que eu vá? – Tae fingiu ter se ofendido.

- Claro que eu quero, mas confesso que estou muito apreensiva, será minha primeira apresentação.

- Não fique querida vai dar tudo certo. – Ela diz segurando minha mão.

- Obrigada.

Nós nos despedimos e Tae me trouxe para casa. Conhecer a mãe do meu namorado foi ótimo, eu nunca pensei que conhecer a sogra fosse ser algo tão legal, dizem que é tão embaraçoso.

- Ela gostou mesmo de você sabia?

- Que bom pra mim, não é?

Estávamos na frente da minha casa. Taehyung selou nossos lábios com vontade e envolveu suas mãos em minha cintura apertando a mesma com seus dedos firmes, passei meus braços em volta de seu pescoço para aproximar nossos corpos, senti aquele calor me envolver em seus braços, nossos ósculos se tocavam devagar e intensamente.

Ele me deixava sem ar.

- Tae... Eu preciso entrar. – Mordi o lábio inferior arrancando um sorriso soprado dele.

- Droga. – Ele morde meu maxilar.

- Seu traidor, não faz assim tenha um pouco de paciência comigo.

- Eu tenho, mas eu estou me matando de ansiedade, eu não vejo a hora de te fazer conhecer o paraíso.

Suas palavras me deixaram de pernas bambas, eu tive vontade de pedir para que me fizesse conhecer naquela hora, mas por alguma razão eu resisti, tive a impressão de que estávamos sendo vigiados. A Nanny era muito legal, mas eu não podia pisar na bola com ela.

- Eu também não vejo a hora. – Digo maliciosa e lhe dou um selinho rápido fugindo de seus braços, o vejo sorrir desacreditado, esse sorriso qualquer dia me mata.

Eu te amo Tae, não tenho dúvidas.

Então não me abandone, sei que sou complicada, mas seu sorriso é o que me sustenta, então tenha paciência comigo na hora certa eu te darei tudo que você quer. Tudo e mais um pouquinho.

 


Notas Finais


Sei que vcs estão ansiosas (os) - ou não - para ler o hot do Tae lindo e da Amy, mas assim como no capítulo anterior este já trouxe algumas mudanças para a nossa história, estamos caminhando para o objetivo dela afinal,
Mas e esse hot sairá ou não?
Não sei kkkkkkkkk

Eu preciso dizer que eu gosto muito de Twice, mas essa musica é muito irritante e muito chiclete também kkkkkk
Não resisti em coloca-la na história ( Então não me matem! Eu ainda sou Once tá? kkkkkkk)

Agora sim meu shippe está nascendo! JK e Amy!
Minha prova difícil já até esqueci!

Bjinhos amoras S2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...