História Segunda chance (Dividida 2) - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jung Hoseok (J-Hope), Kim Seokjin (Jin), Min Yoongi (Suga)
Tags Bts, Jin, Suga
Visualizações 55
Palavras 2.311
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Romance e Novela

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


:) desculpe os erros

Capítulo 10 - O envelope


Eu ia chegar atrasada no trabalho. Suga ia me matar. Nossa viajem havia sido maravilhosa. Cada momento. Exceto o trânsito na volta. Mando uma mensagem para JHope avisando.

- O que tanto escreve nesse celular? - Jin pergunta arrumando a gravata.

- Estou avisando que vou chegar atrasada.

- Não acho que seria ruim ser despedida por isso.

Olho feio para ele. Gostava do meu trabalho, da minha independência. A viagem me fez pensar sobre o meu trabalho e meu casamento. Ficar perto de suga estava mexendo comigo de uma forma ruim. Não fazia bem continuar ali. A tarde eu mandaria meu Curriculum para outras empresas. Eu não precisaria parar de trabalhar, só trocar de emprego. Jin sai correndo para o trabalho dele. Eu havia dito que ia de ônibus para não atrasa-lo ainda mais.

Fiquei no ponto. Não contava que aquela hora ia ser difícil pegar um ônibus. O primeiro estava tão cheio que foi impossível entrar. E o seguinte levou meia hora para passar.

Chego na August correndo. Chego na minha sala sem fôlego. Olho o relógio eu estava quase uma hora atrasada. Enquanto tiro meu casaco e guardo minha bolsa, suga sai da sua sala. Me encontrando ali

- Bom dia Sr Yoongi. - digo o cumprimentando.

- Bom dia? Sabe que está atrasada?

- Peço desculpas, eu saí atrasada de casa e perdi dois ônibus...

- Por que mandou mensagem para o JHope e não para mim avisando? - ele pergunta irritado.

- Eu não tenho seu número... - digo envergonhada.

Ele pega um papel em branco e anota alguma coisa e me entrega.

- É o meu telefone. Tanto o celular quanto o de casa. E anotei meu endereço também. - ele me entrega sorrindo.

- Obrigada.

- Traga meu café e vá até a recepção levar esses documentos para serem postados.

Ele me entrega alguns documentos com post-it com os endereços. Saio buscar seu café. No caminho de volta. Encontro JHope. Ele sorri aliviado ao me ver.

- Olá S/N. Você chegou sã e salva.

- Olá JHope. Quase que não.

- Na próxima vez se precisar posso te dar uma carona.

- Espero que não tenha uma próxima vez. Mas se acontecer pode acreditar que vou aceitar sua carona.

Ele sorri e volto para o escritório levando o café para Suga. Ele acompanha meus movimentos com os olhos, me deixando nervosa.

- Precisa de algo mais?

- Por enquanto é só.

Me viro encontrando o sofá. Aquele maldito sofá. Não conseguia olhar para ele e não lembrar do meu beijo com o suga. Volto a minha sala e me sento irritada. Coloco os documentos nos envelope preenchendo com os endereços dos post-it. Junto tudo e levo para a recepção.

Chego e entrego os envelopes para Bianca posta-los

- Poderia levar isso para o docinho? Acabaram de deixar aqui.

- O que é isso? - digo pegando um envelope pardo grosso e sem remetente. Tinha apenas um nome escrito. Min Yoongi. E um carimbo de confidencial.

- Não sei. Ninguém sabe. - Bianca se aproxima cúmplice. - As pessoas dizem que são fotos dos corpos das ex amantes dele mortas. Ele manda mata-las então exige provas.

- Como assim?

- Ninguém sabe ao certo a respeito da vida amorosa do docinho. Então criamos essa teoria. Ele sempre fica instável quando esses envelopes chegam. - ela dá de ombro.

- E ninguém nunca abriu?

- Não... exceto Rebecca a ex secretária dele uma vez viu seu conteúdo. Ela nunca me disse o que viu. - Ela diz pensativa. - Talvez se surgisse uma nova secretaria corajosa e o abrisse...

- Eu não faria isso, nem pense. - Sorrio para ela que finge estar muito decepcionada. - tenho que voltar ao escritório, obrigada.

Entro no elevador e aperto o botão do térreo. Olho para envelope me perguntando o que havia dentro. Será que havia mesmo fotos dos corpos mortos das ex namoradas do Suga ali dentro? Impossível. Mesmo assim eu era curiosa por natureza. Era pedir demais que eu levasse aquele envelope. Eu o giro em minha mão examinando se havia alguma abertura na qual eu conseguisse ver alguma coisa. Nada. Talvez eu conseguisse abrir e fechar sem que ele percebesse. Puxo devagar uma ponta, quando a porta do elevador se abre. Paro imediatamente disfarçando. JHope entra no elevador abrindo um sorriso. Ele olha o envelope em minha mão. Não sei se ele percebeu meu embaraço, mas se percebeu não disse nada.

- Olá de novo S/N.

- Olá Jhope.

- Ah o envelope do Suga já chegou? Dessa vez chegou mais cedo.

- Você sabe o que tem dentro?

- Claro. Arquivos confidenciais. É o que diz o carimbo. - ele ri da piada.

- Dizem que são fotos das exs que ele mandou matar.

JHope dessa vez ri de verdade. Eu fico sem graça com sua reação.

- Se fosse verdade sua foto seria a primeira que ele receberia e você não estaria aqui hoje. Não é? - ele tinha razão.

- Você não acha cruel pensar assim?

- Não. Mas seria maldade da parte dele fazer isso.

- Matar é crime. – digo chocada com calma ao falar.

- Seria maldade ele mandar matar todas as outras e só deixar a Isabela nos infernizando.

Desse vez eu também caio na gargalhada com ele. Chegamos até nosso andar e JHope me acompanha até minha sala.

- Preciso falar com o Suga. Pode deixar que eu entrego isso. - ele diz tirando o envelope das minhas mãos sorrindo.

- Obrigada.

Ele se vira e entra na sala do Suga. Retorno a minhas atividades JHope sai do escritório me dando uma piscadela antes de sair. Enquanto eu atualizava a agenda do Suga. Ouço um grito seguido de alguma coisa se quebrando contra a parede. Levo um susto com o barulho. Me pergunto se deveria ver o que estava acontecendo quando JHope retorna a sala.

- Oi s/n vai querer almoçar... - Ele me olha e percebe que estou assusta. - Aconteceu alguma coisa?

Eu só olho para porta de Suga no mesmo momento que ouvimos um barulho vindo de lá.

- Fique aqui. Eu vou ver como ele está.

Aceno com a cabeça ficando no mesmo lugar. Alguns minutos depois, JHope aparece por trás da porta evitando que eu olhasse lá dentro.

- S/N? Pode trazer um copo de água com açúcar? - faço que sim com a cabeça.

Vou até o fim do corredor providenciar a água com açúcar. Retorno batendo de leve na porta. JHope pega o copo agradecendo e retornado para dentro. Fico aflita do lado de fora. O que estava acontecendo ali dentro?

Após o que pareceu horas. A porta se abre JHope sai seguido de Suga. Ele estava abatido seus olhos estavam vermelhos e inchado como se tivesse chorado. Mas por que? Ele evita me olhar.

- S/N o Suga não se sente bem vou leva-lo para casa. Cancele todos os compromissos dele e pode tirar a tarde de folga. - JHope me diz de forma calma.

- Tá tudo bem com ele?

- Ah sim só uma enxaqueca.

Eles saem pela porta. Faço o que ele diz. Fico preocupada com o Suga. Não sabia que ele sofria de crises de enxaqueca. Respiro fundo. E pego minhas coisas olho o papel com o seu número. Pego e salvo os números em seguida mando uma mensagem para ele.

"Está melhor? Se precisar de alguma coisa me avise."

Guardo meu celular. E saio para casa. Quando estava chegando em casa sinto meu celular vibrar. Era uma mensagem de Suga.

" Estou bem melhor obrigado."

Fico aliviada de saber.

" Poderia me trazer o jantar?"

Ele manda em seguida.

" Posso encomendar para entregar ai"

" Não consigo sair da cama para receber. :("

Pelo jeito eu teria que levar mesmo o jantar dele.

"Ok. Estarei aí as 19h"

":)" serio? Ele enviou uma carinha feliz como resposta?

Chego em casa e começo a arrumar a casa. Para passar o tempo faço um bolo. Enquanto assa procuro na internet o endereço do Suga e qual ônibus deveria pegar para chegar lá. Era um bocado longe o mais perto que o ônibus passava era três quadras de lá. Eu não sabia que horas Jin chegaria para pegar o carro emprestado. Deixei um bilhete para Jin e sai para casa do Suga.

Tive que pegar três ônibus e andar as três quadras. Suga morava na cobertura de um grande prédio na área rica da cidade. Entro no prédio. O porteiro me cumprimenta.

- Boa noite. Eu trabalho para o Min Yoongi...

- O elevador de empregados é no fim do corredor. - ele diz sem se dar o trabalho de me olhar novamente.

- Obrigada.

Sigo para o elevador apertando o botão do térreo. Subo tranquilamente o elevador se abre para um pequeno corredor com uma porta no final. Toco a campainha, após alguns minutos alguém me atende.

- Quem é? - ouço a voz de Suga.

- S/N. - a porta se abre com um click.

Entro devagar e saio no que parece ser uma cozinha grande e moderna com uma bancada no meio. Era aberta e bem clara. Sigo reto admirada. Saio numa parte que dava acesso para uma biblioteca, a uma sala, o hall de entrada eu estava parada de frente para uma escada. Eu não sabia bem aonde ir. Talvez ao quarto dele. Sinto um frio na barriga com esse pensamento. Eu não tinha pensado nisso quando concordei com aquilo. Fico parada me perguntando se deveria continuar ali. Talvez eu devesse ir embora me viro para voltar de onde tinha vindo. Dou de cara com Suga. Levo um susto, esperava que estivesse na cama moribundo. Mas ele estava ali parado na minha frente com um pijama de seda azul.

- Você veio.

- Eu disse que viria. - ele estava bem próximo de mim.

- Por que usou o elevador de empregados?

- Eu trabalho para você. - dou de ombros.

- Da próxima vez use o elevador principal. Vou te passar a senha de acesso. - Eu concordo com a cabeça.

- Você não deveria estar na cama?

- Me sinto melhor. O que você quer jantar? - ele sorri para mim.

- Não precisa. Já que está melhor acho que vou indo. - digo me afastando.

- Sério? E se eu passar mal de novo? Ainda estou com o estômago embrulhado.

- Certo. Eu fico até você terminar de comer.

- Vou pedir comida chinesa. - ele segue para sala e eu acompanho.

Fico o observando falar no telefone. Ele desliga vindo em minha direção e se sentando próximo a mim. Ele me olha profundamente, a ponto de me deixar desconfortável.

- Desde de quando tem enxaquecas?

- Há alguns anos. Ficou pior de três anos para cá. - ele diz sem desviar o olhar.

- Você já visitou um médico?

- Não é necessário. Posso te oferecer algo para beber? Água, Suco ou talvez uma taça de vinho? - Eu não beberia na sua presença, não confiava em mim nem sã.

- Tem chá gelado?

- Tenho vou pegar para você.

Ele se levanta retornando com dois copos me oferecendo um. Aceito e agradeço.

- Casa legal.

- Você gostou?

- Aham. Bem espaçosa. Pena que a localização não é das melhores.

- Por que diz isso? - ele me olha me estudando.

- Não passa nenhum ônibus aqui na frente. Não sei como você mora aqui. - Eu rio nervosa. Mas Suga ao contrário me olha sério.

- Você veio de ônibus? – pergunta incrédulo.

- Sim.

- Por que não pegou um táxi?

- Eu meio que estava sem dinheiro. Eu teria pego o carro do Jin emprestado mas ele ainda não tinha chego.

A campainha toca. Suga se levanta atender a porta. Ele pega nosso jantar e paga o entregador. Eu o sigo para a cozinha. Ele pega dois pratos e me serve um pouco de yakisoba e frango xadrez. Comemos na bancada da cozinha. Ficamos em silêncio. Levanto meus olhos e vejo um sorriso em seu rosto. Então ouvimos alguém entrando no apartamento.

- Suga?? - uma voz masculina ressoa da entrada.

- Aqui. - Suga responde.

- Suga vim ver se você quer jantar fora - JHope entra na cozinha parando ao me ver. - S/N? O que faz aqui?

- O Sr Yoongi precisava de ajuda com o jantar.

- Ah yakisoba? Meu favorito. - ele entra na cozinha pegando um prato para si e se servindo.

- Bom agora que o JHope está aqui. Acho que já posso ir. - digo me levantando.

- Você vai embora como? - Suga pergunta preocupado.

- Eu me viro.

- Deixa que eu te levo. - Suga diz.

- Não precisa se preocupar. E além do mais pode ser perigoso você dirigir assim. - ele fica sério

- Tudo bem eu levo você. - JHope diz. - Suga está alimentado e eu estou apto a dirigir.

Respiro fundo. Não tinha argumentos contra isso. Após o jantar me despeço de Suga, e sigo com JHope para a garagem. Passo pela BMW do Suga em meio a outros carros caros até chegar na BMW preta de JHope. Entro me sentando ao seu lado. Ele coloca uma música calma para tocar, preenchendo o silêncio do carro. Por mais calmo que JHope parecesse por fora percebi que segurava com força o volante. Fora isso seguimos calmamente pelas ruas até minha casa. Ele para enfrente a minha casa. Tiro o cinto.

- Obrigada pela carona.

- Que isso, eu disse que se você precisasse podia contar comigo. - sorrio para ele abrindo a porta do carro. - Ah S/N?

- Sim? - ele me olhava como se se confrontasse internamente.

- Boa noite.

 - Boa noite. - saio do carro indo para casa.


Notas Finais


O final ficou meio vago porque eu tava escrevendo de noite (vulgo 2:30) e se eu continuasse ia parar só no outro dia. ;)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...