História Seja Ardente à Meia-Noite - Viktor - Capítulo 34


Escrita por:

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Ambre, Armin, Castiel, Charlotte, Kentin, Kim, Leigh, Li, Lysandre, Melody, Nathaniel, Personagens Originais, Priya, Rosalya, Viktor Chavalier, Violette
Tags Amor Doce, Drama, Luta, Romance, Sangue, Sobrenatural, Terror, Tragedia, Vampiros, Viktor
Visualizações 80
Palavras 1.690
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Canibalismo, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 34 - 3: Victórya


Fanfic / Fanfiction Seja Ardente à Meia-Noite - Viktor - Capítulo 34 - 3: Victórya

Antes:

-Tem certeza que não é melhor voltar para casa, Viktor? .

Pondo a mão em seu ombro, disse fitando-o não conseguindo parar de se preocupar.

-... Não... Estou bem... .

De cabeça abaixada, respondeu em tom baixo, voltando a sentir enjôo.

-Quem vai começar a leitura?! Hein?! Ótimo, então terei que escolher, que tal...

*PAH*

Abrindo a porta da sala bruscamente, alguém entrou mascando.

-Wake up, brother! .

Agora:

3°: Victórya

 

De bota e casaco de couro, mini-short jeans e com a auto-estima lá no alto. A garota de cabelos curtos, olhos tão dourados quantos de Viktor, boca em extremo vermelho, desfilou percorrendo até chegar ao seu destino. Chocada, Grace não sabia conceituar a coragem do ato ou imponência disparada.

Ouvindo a voz conhecida, o fez levantar a cabeça, um tanto confuso.

-Hã? O que... O que está fazendo aqui? .

Perdendo ainda mais sua cor, olhou-a surpreso.

-Vim te buscar, oras! .

-O-o quê? .

-Venha, estou com pressa! .

Encurvando-se na mesa de Vito, olhou-o esbanjando decisão. Paralisado, nosso vampiro ainda procurava se localizar.

A sala parou, todos, exatamente todos estavam olhando-os com a mesma expressão, ninguém esperava por essa, Viktor não esperava por essa.

-Rápido! .

Ordenando, puxou a mesa arrastando para um canto qualquer, quase a jogando, na mesma facilidade que se fosse um travesseiro. No ruído estridente, fez Kentin levantar, logo que, quase foi acertado.

Seguindo com seu “confronto”, agarrou o pulso do irmão e o puxou, forçando-o a sair. Quase caindo enquanto estava sendo puxado, passou pelos curiosos sentindo seu rosto queimar: Motivo um: A vergonha, motivo dois: Sua alta febre.

-Vamos para casa! .

-E-ei, e-espera... Ei! .

Conseguindo o que queria, a de fios castanhos pretendia levá-lo à força para fora dos muros escolares. Arrastando-o, o mesmo era levado sem muitas ações de impedimentos para fora da sala.

-O que é isso?! Que absurdo é esse?! NATHANIEL! .

-S-sim! .

Levantando em salto, olhou-a assustado, na verdade, todos estavam.

-Vou relatar isso diretamente a diretora! Fiquei e cuide de tudo! Fui clara? .

-... Sim... .

-COMO? .

-Sim! .

Saindo da sala, o murmuro logo deu partida. Sabendo que nada que fizesse geraria sucesso, o representante simplesmente deu em ombros e continuou sua leitura. Muitos se perguntavam se a garota era namorada de Viktor, já que agiu tão livremente, outros falavam o quanto ela era bonita e atraente. Rosalya mesmo pontua sobre o belíssimo figurino.

No fundo da sala, Grace angustiava-se sem ver o alcance da inquietação do seu coração, e ouvir tantos elogios vindos da garota que arrancou, literalmente, Viktor do seu lado, não era nada tranquilizador. Levantando, seguiu indo se retirar, se corresse talvez os alcançassem, tinha que saber, fazer alguma coisa! Claramente Viktor não estava em condições de se alto proteger, Grace não poderia deixar uma maluca o levar assim, não poderia! .

-Ei, Grace! .

Flagrando-a antes de sair, a mesma paralisou seu corpo, voltando-se para trás, a fim de saber quem a segurou.

-Nath.

-Aonde vai? Não pode sair sem autorização da professora.

Agitado, era fácil saber que estava preocupado com broncas futuras. Caindo seu braço, uma vez segurado, abaixou o olhar sem respostas prontas.

-Eu... Eu... Eu preciso... Preciso... .

Dançando os olhos, focou na mochila de Viktor, que com a partida repentina, deixou-a.

-Oh! A mochila de Viktor! .

Apressando-se, correu para buscá-la, enquanto os olhos de Nathaniel seguiram-na, um tanto confuso.

-Olhe! Ele deixou aqui, preciso correr e entregar! .

-Ah... Mas já deve ter ido embora... Não seria melhor deixá-la na secretária para amanhã ele recolher? .

Desviando os olhos sem pôr verdades em seus dizeres, disse querendo fazê-la desistir. Engolindo a seco, Grace se aproximou.

-Por favor, Nathaniel! Deixe-me entregá-lo, correndo conseguirei! .

Esticando os lábios diante dessa convicção, abaixou a cabeça soltando uma leve risada abafada.

-... Vocês se aproximaram mesmo, hein... Bem, tudo bem! Eu te dou cobertura, vá rápido! .

Surpresa, corou e lhe entregou um sorriso firme.

-Sim! .

Podendo agora sair, correu pelo corredor com a mochila em mão. Olhando-a partir, sorriu tristonhamente.

 

No Pátio, procurou-o apressadamente. Indo para rua, o encontrou ao longe.

-Ah! Viktor! .

Voltando a correr, gritou e sacudiu o braço chamando sua atenção.

-Grace? .

Conseguindo chegar, começou sentir o peso da mochila e de seu corpo.

-Arf, arf, arf... Ser sedentária é uma merda, viu? Arf, arf... .

Pondo as mãos sobre os joelhos, ofegava descansando um pouco, trazendo asco para a garota à frente.

-O que está fazendo aqui? .

-Não está vendo que está nos atrapalhando, garota?! .

Levantando a cabeça, olhou-a pensativa. Parecia ter gênero forte, mas e daí? Grace também tinha. Fogo com fogo, veremos quem queimará primeiro.

-Você esqueceu sua mochila, toma.

Entregando, Viktor lançou um olhar duro para a garota ao seu lado, indicando o motivo de esquecer.

-Obrigado, mas não... Cof, cof... Não... Cof! Cof! N-não precisava... Ah... .

Pondo sua mão em sua garganta quente, olhou-a não querendo preocupá-la.

-Está vendo?! Não era para ter vindo! Vamos.

-Espere, Victórya! .

Olhou-a firme; o mesmo fez a de cabelos curtos apertando seus olhos intensos, dourados. Foi então que Grace percebeu a semelhança, eram os mesmos olhos.

-Grace, terei que me ausentar por uns dias, conto com você para pegar toda a matéria.

-... .

Embora mantivesse um sorriso, nada adiantou em alegrar Grace, a morena já estava coberta de desgosto.

-... V-você ficará bem...? .

Abaixando a cabeça, soltou cada palavra dolorosamente, quase se entregando ao choro.

Percebendo isso, suspirou tocando-a no ombro, retirando seu falso sorriso.

-Não se preocupe, Grace. Logo estarei de volta.

Erguendo seu olhar ao dele, queria tanto acreditar.

-... Não, você nunca mais vai voltar, não é? .

Com olhos cheios, segurou sua mão implorando mentalmente para estar errada. Pegando-o de surpresa, sorriu verdadeiramente e pôs a mão no topo da cabeça dela.

-Ora, Grace... Desde quando ficou tão chorona? .

-Hã?! .

Como levasse um tapa, arregalou seus olhos sobre a pergunta, bem incomodada. Era verdade, a mesma se orgulhava de quase nunca derrubar lágrimas, mas sua vida entrou em um curso que, francamente, não conseguia fazer mais nada além de chorar.

Engolindo o choro, secou rapidamente seus olhos, ainda segurando levemente os dedos dele.

-... Não ria de mim, Chavalier! Vá e se recupere logo! Lembre-se que me ajudará com meu plano de dominar o mundo.

Terminando de falar firme com um sorriso doce e ao mesmo tempo malicioso, o fez sorrir e consentir.

-Sim, senhora. Até.

Virando-se deixando escapar o simples aperto dela, a morena segurou-o por uns segundos, tendo dificuldade em deixá-lo ir. Com olhos trêmulos, permitiu-o partir.

-É-é bom você voltar, hein... .

Olhando ir, novamente o pesar parou em seu coração, ficando preocupada. Embora ficasse com ele por um curto período, havia instalado em si que Viktor era seu herói. Ele era um vampiro! Insólito demais vê-lo abatido, não vê-lo mais... Ao seu lado.

-... Vivito... H-huh... Vik... VIKTOOOOOR! .

Assustando-o com tremendo berro, o fez olhá-la preocupado.

-SE ALIMENTE BEM! NÃO SE ESQUEÇA DE SE AGAZALHAR! COMA BASTANTE FRUTA E... E...

Puxando fôlego, apertou as mãos sentindo seu corpo fraquejar.

-VOLTE PARA MIM! AINDA PRECISO DE VOCÊ! .

Rindo levemente, pôs a mão no coração em seguida esticou o mesmo braço com a mão fechada, indicando uma promessa. Se surpreendendo, imitou-o com lágrimas brilhantes nos olhos, firmando a promessa silenciosa.

Finalmente sumindo da visão, Grace soltou a respiração, queria tanto que os dias de ausência, rapidamente, passassem.

-Grace! .

-Hã?! Oi?! .

Olhando para trás assustada com o grito, viu Nathaniel acenar, quase desesperado.

-Corre! Professora Delanay está voltando! Vem! .

-Ah, cacete! Estou indo! .

Entrando correndo, agradeceu mentalmente por vir lembrar.

 

Pela floresta, ambos retornavam calados. Nas pisadas e suspiros, Viktor resolveu quebrar a quietação dos lábios.

-Tudo bem, pode me dizer por que foi no colégio? E mais, por que agiu daquela forma?! .

Zangado, sabia que isso não era de importância a sua irmã, mas mesmo assim exigiu esclarecimentos.

-Não devia me perguntar se fiz uma boa viagem? Depois de tanto tempo, pensei que ficaria feliz em me ver viva.

De braços cruzados, disse secamente sem olhá-lo, focada no seu caminho. Trazendo-o suspiros, Viktor procurou relaxar.

-Okay, desculpe, eu...

-Só fiz o que fiz porque me importo com você! Deveria ser mais grato! .

-Eu sei disso Tory, é que a forma que veio, eu...

-Timóteo e Bartolomeu que dizem serem ótimos irmãos não levantaram um dedo para te impedir! Agora eu, cansada da viagem, tive que me submeter a ir naquela pocilga que você ama ficar.

Se calando, rodou os olhos imaginando por quanto tempo faria esse drama.

-Poderia ir com mais sutileza, não é mesmo? Agora terei que ir para secretária! .

-Grande merda! Eles são humanos, Viktor! HU-MA-NOS! Usamos e matamos, apenas isso! .

Parando, explodiu revoltada, fazendo-o parar também.

-Por que se importa tanto com eles? E daí o que vão achar ou não?! Que porr*! .

Voltando a seguir, Viktor analisou. Era mais que isso, essa revolta, era mais que isso.

-Ei, Victórya! .

Agarrando seu pulso, olhou-a sério.

-Você sabe que não é esse o ponto! Você sabe que não é isso que te traz raiva, todo esse ódio! .

-... Hã? .

-Não finja não entender! Não é porque vivo no meio deles, que estou em um colégio! .

-Sim, exatamente! Não é! Eu os odeio porque me tiraram você! .

-Isso não é verdade! Você sabe que não foi por isso, Tory! .

-Claro que foi! Por culpa deles perdi você! Nossa família se separou! .

-Pare de mentir! Até quando viverá sobre influência dos outros, Victórya?! Já está na hora de pensar por si só, cacete! .

-NÃO! Por culpa desses malditos você foi embora! Se não fosse aquela vagabu... AH! .

Não suportando, agarrou o pescoço fino de sua irmã brutalmente. Seu olhar mudou, estava agressivo, irado. Um ponto sensível foi tocado, não, foi escancarado.

-Nunca mais a dirija assim, entendeu bem?! Ou me esqueço que sou seu irmão! .

Escurecendo seus olhos, seus dizeres eram tão sólidos quanto suas presas à mostra. Cicatrizes abertas... .

 


Notas Finais


Drama/Romance/Mistério/Comédia, MAS NADA DE TERROR/HORROR AAAAAAAA!!! Q BOSTA

Gostaram do Cap?? Eu, particularmente, gostei hehe ;3 Achei fofinho com aquela pitada de "N TÔ ENTENDO MERDA NENHUMA" KKKKKKKKKK

*** COMENTEM PARA TITIA ***

*N sei o nome da modelo ( como sempre) kkkkkkk mas curtiram? Achei um mulherão :D


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...