História Seja Minha!! - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia), Tokyo Ghoul
Personagens Aizawa Shouta, Asui Tsuyu, Bakugo Katsuki, Hideyoshi Nagachika, Ken Kaneki, Lida Tenya, Midoriya Izuku, Mineta Minoru, Personagens Originais, Todoroki Shouto, Uraraka Ochako, Yagi "All Might" Toshinori
Tags Apaixonado, Explosivo, Katsuki Bakugou, Kawai, Kawanami Akane
Visualizações 87
Palavras 2.799
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Bishounen, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shounen

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 12 - Kirishima


Fanfic / Fanfiction Seja Minha!! - Capítulo 12 - Kirishima

        

        P.O.V 'S on KAWANAMI AKANE


O bakugou só me deixou até aqui pertinho de casa e depois voltou. Acho que ele não tá querendo encarar meu irmão, também, depois de ontem acho que vai demorar um pouco até ele poder pisar aqui em casa de novo.

Mal abri a porta e dei de cara com dois seres desesperados.

-NEE-CHAN/IMOUTO!! - gritaram ao mesmo tempo.

-Hm? - o que aconteceu com eles?

Meu irmão correu pra me abraçar e me virou pra todos os lados se certificando de que eu estava bem, enquanto o Hid-tan se jogou no chão com uma mao no peito e a outra cobrindo os olhos.

-Graças a Deus... - ouvi ele murmurar entre bobulhoes de lágrimas - Imouto tá bem.. graças a Deus...

Inclinei a cabeça se entender.

-Nossa... O que vocês tem? Não deveriam estar na faculdade?

Meu irmão segurou meus ombros.

-Nee-chan porque não atendeu o celular? - perguntou em tom de repreensão - e nem avisou aonde ia? Onde estava até a essa hora? Fiquei preocupado sabia?

-E-ei! - Hid-tan levantou um pouco a cabeça - EU também tava preocupado com ela, seu insensível!

-Calado! - Se virou pra ele com as mãos na cintura - Você nem mora aqui Hide! Porque não vai pro seu apartamento de uma vez?! Está encostado aqui já faz semanas!

Ele desviou o olhar e sentou em posição de índio esfregando a cabeça.

-S-sabe... O que a-acontece.. é que e-eu... perdi a c-chave.. de casa. - riu sem graça - De novo.

-PERDEU??! - Se assustou - Como assim perdeu Hide?! Você só tá a quatro messes naquele apartamento e já perdeu a chave umas sete vezes!!

Ele não perdeu a chave. Na verdade o sindico expulsou ele de lá por não pagar o aluguel em dia. Claro que o maninho não sabe. Se soubesse Hid-tan ia está numa fria daquelas, já que trabalha e não tem nem no que gastar o dinheiro.

Até eu me pergunto o que ele faz com o salário dele.

-Bem... - tentei me escapulir pro meu quarto. Não estou nem um pouco a fim de contar onde estava e nem o que estava fazendo até agora - Eu vou subir e tomar um banho tá? Já já eu desço.

Mal comecei a me dirigir ate as escadas quando ouvi novo grito.

-NEE-CHAN! VOCÊ TÁ MACHUCADA!

Eu tô oque?

-É VERDADE SEU PESCOÇO TÁ TODO VERMELHO! - Hid-tan completou vindo na minha direção tentando me segurar.

Bakugou acabou de ferrar com a minha vida.

-N-nao foi nada! - desviei quando tentou me segurar - E-eu tô bem!

-"Está bem" coisa nenhuma! Você tá cheia de Manchas feias irmã! - Os dois vieram com tudo pra cima de mim.

Corri em volta do sofá com as maos cobrindo o pescoço e eles sempre atrás de mim. Mas que merda hein bakugou?! Seu filho da mae! Amanhã você me paga!

-PARA DE FUGIR IRMÃ! DEIXA EU DAR UMA OLHADA NISSO! - Nem ferrando que eu deixo! - Hide! Vai por aquele lado que eu vou por esse!

Nem sei como mas consegui escapar por entre as pernas deles. Melhor pensar em um jeito de esconder isso. Se eles descobrirem, o bakugou vai estar na lista de morte dos dois.

.......


-Pronto! - Hid-tan disse sorridente ao parar o carro umas duas esquinas antes de chegar na yuuei - Já pode descer imouto, daqui voce vai andando ta?

-Ta bom. - Acenei pra ele ao descer do carro. Eu mesmo pedi que parasse um pouco antes, gosto de andar.

-Estude muito hein?! E se esforce! Ah. Mas cuidado pra não se machucar de novo.

Bufei ao fechar a porta com força. Meu irmão achou que seria bom ele me trazer pra escola já que estou com o tornozelo machucado.

É. Eu torci o tornozelo ontem. Culpa de quem? Deles dois que passaram horas correndo atrás de mim.

Céus, eles são completamente malucos. Enquanto andava.. Quer dizer.. "Tentava" andar até a escola, puxei os montes de curativos que os dois tinham posto em mim.

Não tinham me deixado sair de casa sem eles. Curativos. Curativos. Curativos. Não se pode aguentar viver sem eles... Mas eu nem precisava disso.

-Ai. - deixei escapulir um gemido de dor enquanto andava - Caramba dói!

Fiz uma pequena bola com todos os curativos que tirei e procurei por uma lata de lixo. Encontrei uma e joguei-os fora.

Ajeitei meu cabelo de modo que ficasse um pouco mais pra frente que o normal, agradeci a Deus que ele fosse comprido.

-Kawanami-san! - uma voz animada chegou aos meus ouvidos - Bom di-AHHH VOCÊ TÁ MACHUCADA!

Kirishima-kun apontou meu tornozelo enfaixado. Suspirei e esfreguei a nuca.

-He... parece que sim né? ... - dei uma risada - E bom dia pra você também Kirishima-kun... está chegando cedo agora não é?..

Ele riu sem graça.

-Ah... Kawanami-san você percebeu - Segurou as alças da mochilas estufando o peito - É que eu meio que quero ser um exemplo melhor de herói.

-Em outras palavras você cansou de chegar atrasado? - coloquei uma mão no queixo apertando os olhos

-Exatamente - Sorriu mais ainda, então ficou sério de repente - Sabe Kawanami-san, você tá mancando...

-Eu sei disso - Tá meio óbvio até.

-Como se machucou assim? - encarou meu tornozelo

-Cai ue... - Dei de ombros. O que de certa forma não deixa de ser verdade.

-E tá doendo? - Quanta pergunta! Kirishima-kun é tão curioso.

-Um pouco... - Assenti, falando sério está doendo mais que um pouco.

Ele parou na minha frente de costas pra mim se abaixando até ficar da minha altura.

-Pode subir - Sorriu fazendo sinal de jóia.

Esfreguei a cabeça.

-Não sei se é uma boa idéia... e eu gosto de ir andando sabe?.. - Mas meu pé está doendo, então não pode ser tão ruim.

-Kawanami-saaann - choramingou fazendo biquinho - Estou tentando ser um cavalheiro aqui, da pra me ajudar? - Deu dois tapinhas nas costas - Vamos, suba.

Sacudi os ombros. A yuuei não esta tao longe, talvez uns cinco ou dez minutos andando nao vao cansa-lo, meu pé esta doendo e o Kirishima-kun se oferendo pra me fazer uma gentileza entao... se não tem jeito.

-Entao tá. Me dá sua mochila que eu levo... - Pus os braços em volta dos ombros dele e passei as pernas em sua cintura, ele me segurou passando o antebraço em torno dos meus joelhos e me ergueu do chão sem dificuldade alguma - Woooh! Kirishima-kun você é alto!

Ele riu me sacudindo em suas costas. Acho que até hoje a única pessoa que chamei de alto foi o histoshi, e ele quase me matou de cócegas.

-Kawanami-san você é tão levinha.. - disse por cima dos ombros - Pra alguém que come tanta porcaria até estou surpreso.

-Eu não como porcaria! - respondi emburrada.

-Ah come sim - riu mais um pouco - O que é engraçado porque você é bem baixinha e tá sempre com alguma coisa doce na mão... Aí fica parecendo uma formiguinha.

Encolhi os ombros sentindo o rosto enrusbecer.

-Não sou uma formiga! - Não que o comentário dele tenha me incomodado nem nada, já ouvi coisas do tipo tantas vezes que nem faz diferença.

Ficamos um tempo em silêncio. Reparei que o cabelo dele também é espetado igual o do bakugou, será que também é macio? Encostei meu nariz bem de leve nos cabelos vermelhos, não queria ser flagrada outra vez fazendo isso.

Era cheiroso. Diferente do bakugou, mas também era agradável de sentir.

-Sabe... Acho que estamos parecendo um casal não é? - ouvi ele dizer em tom mais baixo que o normal.

Um casal? Pensei um pouco piscando os olhos.

Devia ser isso mesmo porque as pessoas passavam nos encarando e depois suspiravam. Olhei pro rosto dele, estava corado. Mas porque? Não me diga que ele percebeu?!

Mas ele não disse nada, ficou calado até chegarmos na U.A. e em vez de se dirigir ate as salas de aula foi por outro caminho. Acho que ele acabou se confundindo.

-Ei Kirishima-kun, nossa sala é pra lá... - apontei pro prédio principal.

-Eu sei, mas vou te levar na enfermaria antes. A Recovery girl vai cuidar desse seu machucado aí. - disse me olhando fixamente.

-Enfermaria? Não precisa disso.

-Claro que precisa! - ele tá parecendo o meu irmão - Aquela velhinha cura qualquer coisa, e vai ser melhor do que você ficar mancando por não sei quanto tempo não acha?

Concordei. Ele tinha razão quanto a isso. Mas não podia pelo menos me por no chão?

-Pronto. - Parou na porta da enfermaria e a abriu sem bater - Vovozinha? A senhora está aí? Tenho uma pessoinha machucada aqui.. Vovó?

Não demorou até encontrar a senhora que cuidava dos doentes ali, e demorou menos ainda pra ela concertar meu tornozelo.

-Tome mais cuidado da próxima vez menina - a velhinha sorriu bagunçando meus cabelos - Foi só uma torçaozinha de leve mas mesmo assim teria inxado se o rapaz não a tivesse trazido.

Cocei a nuca rindo.

-Viu só Kawanami-san? Eu sou ou não sou uma pessoa incrível ?! - riu pondo as mãos na cintura.

- Claro que sim, Kirishima-kun... Aliás acho que vou te amar pro resto da vida por isso. - Sorri, lhe estendo a mão pra que me ajudasse a descer da maca em que estava.

Me encarou ainda sorrindo mas sem dizer nada. O empurrei pra fora da sala da Recovery e nos despedimos dela com acenos.

É tão bom voltar a andar com as próprias pernas. Não tem nem comparação. Andamos pelos corredores em silêncio, Kirishima-kun parecia distraído com alguma coisa. Estava sério.

Acho que nunca o vi tão sério assim.

Talvez estivesse com algum problema ou coisa parecida. Problemas são tão chatos. Incomodam a gente e quase sempre nos atrasam pro jantar. Deveria tentar animá-lo? Acho que seria o melhor a fazer. Mas o que eu digo?

-Ei. A biblioteca já está aberta tão cedo? - perguntou quando passamos em frente à biblioteca - Que tal a gente entrar e procurar por algo interessante?

Fiquei surpresa com isso.

-Você gosta de livros? - arqueei uma sobrancelha. Ele não me parece o tipo que lê muito

-Beeeeemmmm.... Eu... até gosto. As vezes. Talvez. Um pouquinho. - Pela demora que levou pra dizer uma palavra depois da outra, suponho que não é muito a praia dele

Cobri a boca com as mãos tentando conter a risada.

-Entao o que quer fazer lá dentro? - ri quando ele virou os lábios e pôs as mãos atrás da cabeça.

-Hm. Boa pergunta. - Pos o indicador no queixo fazendo uma cara engraçada.

Rimos disso. Não que fosse engraçado, mas deu vontade ue... Percebi que os dentes dele são diferentes, são pontudos e branquinhos. Parei de rir e me inclinei na direção dele.

-K-kawanami-san... - Se afastou um pouco virando o rosto pro lado -Está perto.

-Hummm.... Seus dentes são bonitos Kirishima-kun.. - aproximei meu rosto um pouquinho mais, queria vê-los direto

-Você gosta? - Sorriu ainda mais

-É são legais... parecem presas...

-Bom, não são como presas... sao só dentes normais. - esfregou a cabeça, meio sem-graça

Me afastei um pouco. Definitivamente dentes normais não são pontudos assim.

-É claro que não são normais! São presas! Tipo de animais ferozes sabe? Um jacare ou.. nao jacare nao... Um tubarão! ou um lobo... - coloquei as mãos acima da cabeça, imitando orelhas

Kirishima-kun riu pondo as mãos atrás da cabeça.

-Sempre tão animada você... - Se inclinou pro lado sorrindo -Mas eles não machucam não viu?..

Mentira. Sério?

-Kirishima-kun mentiroso.

-Não estou mentindo

-Está sim

-E-eu não minto

-Men.Ti.Ro.So.

-Não me chame de mentiroso eu não gosto - juntou os punhos - Quer ver como não machucam?

-Hmm? Como?

-Deixa eu te morder, Ora.

-..... Tá. - comecei a puxar a manga da blusa pra cima. Essa eu queria ver, não tem como umas coisas pontudas dessas não doerem. O que eu faço? Não deu pra recusar, estendi meu braço pra ele - Aqui. Pode morder

Kirishima-kun coçou a cabeça hesitando.

-Tem certeza? - Assenti - Entao tá. Só não vá se arrepender depois.

Em vez de segurar meu braço, foi chegando mais perto. Principalmente o rosto. Antes que eu percebesse ele estava com a boca na minha bochecha. Apertou os dentes um pouco, deu pra sentir umas agulhadinhas finas mas nada desconfortável.

Se afastou de novo. Coloquei a mão sobre o lugar que ele havia acabado de morder.

-Desculpa. Acho que vai ficar marcado depois - Sorriu meio nervoso

-Poxa, não dói mesmo... - Fiz bico. Isso era estranho estava sentindo um misto de decepção e dúvida.

-Eu disse que não. Agora é melhor a gente ir pra sala né?

Os dentes de bakugou não eram como os do kirishima, com ele tinha sido diferente. Quando o bakugou estava me mordendo ontem machucava um pouco mas de um jeito bom. Que esquisito.

Porque com o bakugou eu tinha gostado mais?

-Onde você estava, pirralha? - um braço me puxou quando passei por um corredor.

-Bakugou? - Me encolhi um pouco quando ele chegou mais perto. Ele estava com um olhar assustador.

-Oe Bakugou! Bom dia pra voce tambem, cara.. - Kirishima-kun sorriu pra ele levantando a mao.

Bakugou olhou pra ele depois pra mim.

-O que estavam fazendo? - Me encarou claramente irritado - O que estava fazendo sozinha com ele?

-Nada ue. - Dei de ombros afinal, não fizemos nada mesmo.

-Ela estava com o tornozelo machucado então eu a.. - Kirishima-kun começou a explicar

-E DESDE QUANDO VOCÊ É MEDICO??!

-Eu não disse que era médico! E você nem me deixou terminar de falar seu agressivo!! Eu só levei ela pra enfermaria, só isso.

Bakugou se virou pra mim.

-Isso é verdade?

-Ah não cara, como é que você nem acredita mais no seu amigo? - O ruivo cruzou os braços fazendo bico.

-Kirishima faz um favor? Morre. Mas morre bem longe que é pra eu não ter que ficar sentindo seu cheiro. - Virou ele de costas e lhe deu um chute no traseiro - Agora some daqui antes que eu mesmo te mate!

Ele tá me assustando. Eu é que não vou ficar aqui. Bem devagar fui me escorregando pelo corredor.

-Aonde vai? - resmungou me puxando de volta - Você fica.

-N-não me m-mata tá? ... - cobri o rosto com as mãos.

-Deveria. Porque preferiu ir na enfermaria com o idiota do kirishima? Poderia ter me chamado - Tirou minhas mãos.

-Não sabia que já tinha chegado... - Me defendi recuando até encostar na parede.

-Saberia se olhasse seu celular - Encostou a testa na minha - Sabe o que eu acho? - Foi se aproximando. O sorriso tomando o lugar de sempre - Que você está precisando é de um castigo.

Não tive nem tempo de digerir a frase. Ele já me beijava tirando todo meu ar. Fechei os olhos aproveitando o momento, gosto do sabor do beijo dele, é meio sufocante e um tanto bruto mas é bom, Extremamente bom.

Deslizei meus dedos nos cabelos loiros, bakugou apertou seu corpo contra o meu, descendo as mãos pelas minhas costas até....

-B-Bakugou!! - O afastei, sentindo o rosto queimando - Não pegue na minha bunda!

Ele riu me dando um selinho.

-Porque não? Você é minha, esqueceu? - Me beijou outra vez - E isso inclui seu corpo também.

De onde ele tirou isso??!

-Idiota! Não quero que fique me apertando assim, bakugou!

-Não quer? Tem certeza? – roçou o nariz pelo meu pescoço dando uma mordidinha bem de leve e um chupão molhado.

-B-Bakugou! – Droga. O que diabos ele tá pensando pra fazer isso bem no corredor da escola?

-Ora o que é isso? – Me encarou com seus olhos avermelhados – Minha pirralha está corada, sério?

Que desgraçado!

-N-não sou pirralha e nem estou c-corada, seu filho da mae eu só... só... – Maldição! Pense em alguma coisa garota.

Ele riu um pouco

-É pode ser... – Sorriu de canto – Mas é minha. E isso você não negou.

Congelei onde estava, o que só fez o sorriso dele aumentar. Dessa vez ele me pegou de jeito. Não neguei é verdade.... Mas foi só porque não pensei direto! Foi só por isso!

- É melhor a gente ir logo pra sala - disse passando por baixo dos braços dele e me afastando.

-Eu não estou nem um pouco apressado... – sussurrou ao passar por mim – Ainda tem muita coisa que você precisa aprender... e eu vou fazer questão de te ensinar.

-Aprender? Aprender oque bakugou!? Bakugou?! – corri atrás dele mas a criatura já ia longe.

Acabei ficando só na curiosidade. Afinal, oque era isso que ele disse que faria questão de me ensinar?



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...