1. Spirit Fanfics >
  2. Seja o que o Destino Quiser - Minsung >
  3. Encher a cara de cachaça - parte 2

História Seja o que o Destino Quiser - Minsung - Capítulo 12


Escrita por:


Notas do Autor


Olaaaaaaaaaa, voltei atrasado, mas tudo bem. Fiquei muito sobrecarregado essa semana e, como uma pessoa muito importante pra mim disse, vou precisar do meu tempo. Desculpa, mas depois daqui é só no sábado e teremos um capítulo especial

Aproveitem 💜💜💜

E lembrando que ele também é curtinho porque complementa o outro

Capítulo 12 - Encher a cara de cachaça - parte 2


Comecemos com o encontro, porque hoje focaremos mais nos casais secundários e tem uma merda que vai acontecer só depois que as outras coisas acontecerem. Vocês entenderam o que eu quis dizer?

Tudo bem. Caguei.

Woojin esperava por Chan na porta do prédio. Estava ansioso demais. Mas, parando para pensar, aquilo não era a sua cara. Sexo primeiro e encontro depois lhe parecia um pouco errado, contudo, a cabeça de uma pessoa desgraçadamente apaixonada como ele não batia muito bem, então desconsiderem as questões.

Sinceramente, ao ver um carrão virando a esquina não imaginou que fosse ser o loiro. Só que era sim. E ele se encontrava de boca aberta quando Bang desceu da máquina, aparentemente caríssima, para abrir a porta do passageiro para ele.

Vamos descrever as roupas porque eu gosto de roupas e vou fazer isso toda vez. Tá achando ruim? Supera.

O alfa Kim usava uma roupa quase inteiramente preta, constituída por uma blusa de mangas compridas e gola ligeiramente alta e uma calça um pouco colada. Por cima de tudo, usava um sobretudo bege que chegava na altura dos joelhos. O cabelo moreno arrumado de forma que a testa estivesse visível, óculos de grau e o tênis branco completavam o visual de forma perfeita. Ficou se perguntando, durante a arrumação em frente ao espelho do próprio quarto, se estava exagerando, entretanto as coisas pararam de fazer sentido quando viu o mais baixo. Christopher usava um terno vinho que lhe caía perfeitamente bem. Bem até demais. E isso fez com que Woojin se sentisse desarrumado.

Cumprimentarem-se com um selinho e o mais velho entrou no carro, tomando um cuidado extremo ao deixar a mochila no tapete. Sabem o que é engraçado? Ele era tipo, RICO PRA CARALHO, e poderia comprar aquele carro no débito, mas agia como se fosse separado do mundo do dinheiro – e isso contando que a roupa dele era daquelas compradas em mercadão, diferentemente do terno vinho, que devia ter custado uns US$ 5.000.

Segundos depois, Chan repetiu o ato e sentou-se no banco do motorista, acelerando aos poucos.

- Eu queria saber qual é o problema de vocês com carteira de motorista falsificada – o comentário de Woojin fez com que o australiano risse um pouco.

- Não é falsificada. Tirei na Austrália. Com 16 anos já se pode dirigir em Sydney. – Explicou ele, enquanto freava pelo sinal vermelho e podia o olhar nos olhos. – Você está lindo.

Woo ruborizou na hora e desviou o foco para os pedestres.

- Você também. E o sinal já abriu.

Bang acordou para a vida e voltou a dirigir. É incrível como o relacionamento dos dois se resumia em milhares de olhares. Changbin e Felix funcionavam a base dos toques, enquanto Minho e Jisung de lembranças.

- Que carro é esse? – perguntou o moreno, curioso. Não se lembrava de já ter visto algum igual em toda a sua vida.

- Aston Martin DBS Superleggera Tag Heuer Edition.

Woojin ficou calado por alguns segundos.

- Você falou um quilo e eu não entendi nem 100g. – Chan riu de novo, porém com mais força do que da última vez.

- Um carro caro, de edição limitada e que vem com um relógio.

- Ahhhhh, agora sim – deu uma risada gostosa e o australiano sentiu, mesmo que por um momento, que era melhor ouvi-lo rir do que gemer. Estranho. Pra ele, é claro. Quem aqui é retardado o suficiente pra pensar que eles não vão ficar juntos no final pode sair da vida.

Chris resolveu ligar o som em um volume baixinho para que curtissem a música até chegarem ao lugar que ele planejava. Apenas o ritmo inicial dela já foi o suficiente para que Woojin o encarasse de olhos cerrados.

- Você não está realmente pensando em colocar Jay Park comigo no carro, né?

- Bem, eu estava. Mas agora que você disse, acho melhor que tro— Levou a mão até o "rádio" – que era mais um tablet que qualquer outra coisa – com um semblante levemente confuso, mas a teve segurada firmemente.

- Está certíssimo. Ele é perfeito, maravilhoso, divo. Pode estourar esse Mommae aí que eu não quero nem saber.

Chan o encarou mais uma vez, esquecendo-se que estava dirigindo por um momento. O boy gostava de Jay Park... Meteu a mão no botão de volume e aumentou até que fosse impossível conversar e eles apenas mexessem os corpos conforme o ritmo da música.

Com mais uns cinco minutos, curtindo a sua playlist do funk versão coreano, finalmente parou na frente de um restaurante enorme e absurdamente chique. Pausou a música e fez menção de sair.

- Ãn, Chris... É aqui que vamos comer? – Woojin parecia levemente deslocado, mas apenas desceu do carro quando Chan confirmou com a cabeça e abriu a boca para perguntar "Por quê?".

O loiro, apesar de não ter entendido nada, pediu para um dos funcionários disponíveis que estacionasse o carro e seguiu atrás do de óculos, que o esperava na porta do estabelecimento. Entrelaçou seus braços e o guiou para dentro.

- Excuse me, I have a reservation in the name of Christopher Bang. – Disse à moça da recepção e um "mordomo" os levou até uma mesa afastada do resto dos clientes. Era cercada pelos vasos de plantas mais bonitas que o Kim já tinha visto em toda a sua vida. Teriam privacidade ali.

Acomodaram-se dos bancos acolchoados, de frente um para o outro.

- O que vai querer, Woo? – perguntou Chan, ao entregar o cardápio para o mais alto, mas logo notou que ele estava claramente desconfortável observando tanto as comidas quanto as pessoas. – Woo, você está bem?

- Não exatamente. – Respondeu sincero. – Tudo aqui é... Muito.

O preço da comida, a classe e a elegância das pessoas, a decoração, até as folhas das plantas pareciam muito. Todo mundo ali conversava em inglês, cara. Bang o olhou com um sorrisinho e posicionou uma de suas mãos sobre a do moreno.

- Fica tranquilo. Você sabe que sou eu quem vai pagar, certo? Mas se quiser, podemos ir pra outro lugar... Menos. – Woojin deu uma risada discreta.

- Eu vou aceitar. – Concordou enquanto se levantavam. – E é claro que você que vai pagar. Eu podia estar comendo a minha comida de graça em casa. Eu escolho o lugar agora.

- Estou em suas mãos – brincou ao passar o braço por seus ombros.

•••

- Sério? Uma pastelaria?

- Algum problema? Eu quero comer pastel de flango.

- Que merda é essa?!

- Cala a boca e senta.

- Em você todo dia.

- Christopher!

- Tá, tá. Já tô sentado, tá vendo?

- Claro. Eu uso óculo óculos é pra isso mesmo.

- Nossa. Ignorante.

- Ai Christopher... Me erra.

Olharam-se por alguns instantes.

- Por que você gosta tanto de frango? – Chan questionou distraidamente ao ver o moreno devorar seu pastelão daquele sabor. Woojin fez cara de confuso e engoliu a comida antes de responder.

- Meu pai ômega. Ele nunca soube cozinhar muita coisa, então, dos sete dias da semana, cinco tinham frango. Acabei tomando gosto demais por isso. E por que você quer tanto saber o motivo de eu gostar de galinha frita?

- Na verdade, que queria saber porque você estava tão desconfortável no restaurante que eu te levei, sendo que eu ia pagar, mas achei que perguntar isso de uma vez poderia ser indelicado.

- É. Talvez. Não gosto muito dessas coisas. Meus pais são juízes, mas fui ensinado desde a minha infância a ser humilde e cresci no meio da simplicidade. Porém, meus tios e primos, não tão ricos quanto a minha família, sempre esbanjavam da riqueza e eram pessoas arrogantes e metidas. Então... Acaba que esse desperdício de dinheiro me lembra deles. É muito melhor pagar três conto em um lanche estando em boa companhia do que 200 dólares em 50g de comida. – Concluiu, enquanto devaneava sobre a infância e os parentes que tanto odiava.

- Entendo – confirmou o mais novo. – Me vê cinco pastéis de frango, dois de queijo e três de carne, então. – Chris pediu à atendente e ouviu Woojin gargalhar. Claro que aquela coisa toda nem era pra ele, mas era fofo ver Woojin comendo e quanto mais tempo o segurasse ali, mais poderia fezê-lo lembrar de como fora seu primeiro encontro.

•••

Deixando Woochan dormir e Minsung se agarrar na sala, vamos para out— Pera... Minsung? Woochan? Até eu estou pegando a mania daquele garoto agora? Bom, é mais fácil de falar assim... Ok, prosseguindo. Deixando Minsung de lado, vamos focar em Changlix, lá no quarto do Felix. Cara, isso é realmente mais fácil.

Após uns momentos bem intensos de pegação desenfreada, a qual eu não vou descrever, porque já me basta a desgraça que aconteceu no mesmo dia, né minha gente? Ninguém é obrigado a aturar ficar comentando macho descascando a banana do coleguinha o tempo todo.

Mas prosseguindo... E lembrando mais uma vez que hoje focaremos nos casais secundários.

– Velho, você bem que podia deixar eu te comer.

– Esquece Changbin. Não vai rolar. Sei que sou gostoso, mas supera. E você tá ligado que eu gosto de pão, né?

– Caralho, Felix, você tá muito bêbado.

– Culpa sua cuzão. Você que trouxe a corona.

– Você que bebeu ela.

– Pera... A gente tá falando da bebida?

– Pelo amor, Felix. Pode descer já. Uma galera morrendo e você fazendo suas piadas de bêbado. Vai fazer o que agora? Ligar pro ex?

– Não tenho ex.

– Ah... Foda-se então.

– Vem me ajudar.

– Você acabou de dizer que não queria.

– E não quero.

– Então para de oferecer, cacete.

– O cú é meu e eu faço o que quiser com ele.

– Me dá então.

– Vai pra casa do caralho, Changbin. Já falei que não.

– Realmente não rola?

– Rola? Adoro.

– Puta que pariu. Você é um saco.

Changbin e Felix, nus e espremidos na cama de solteiro do australiano, iniciaram aquela discussão há um tempo. Ficaram se encarando por alguns segundos, cada um perdido em seu próprio mundo de cachaça.

– Mano, estamos eu e você, sozinhos num quarto por tipo, uma hora e meia... Você não acha que eles já desconfiaram que a gente tava se pegando a essa altura? – questionou Seo, divagando.

– Não existe uma alma nesse planeta que ainda não tenha percebido que a gente se pega. E outra, Hyunjin já deve ter saído da sala pra não pagar de vela pro Minho e pro Sung.

O alfa olhou-o levemente surpreso, mas alterado demais para raciocinar de forma correta.

– Se tem uma coisa que o Hyunjin adora é atrapalhar casalsinho. Duvido.

– Meu anjo, ele está mais preocupado em arrumar um jeito de entrar no quarto do Woo pra ficar com os meninos do que com estragar os moments das pessoas.

– Mas Woojin o proibiu de entrar lá. Se fizesse, seria muito burro.

Foi a vez de Felix encarar Changbin, incrédulo.

– Puta merda, não sei se você é sonso ou só se faz. – Disse o australiano e o moreno ficou sem entender. – Você acha mesmo que o Woo, perfeccionista do jeito que é, teria uma letra feia daquele jeito? – Seo continuou perdido e mexeu a cabeça de leve em um "sim", não estava com capacidade de raciocinar direito. – Changbin! Lógico que não! Aquilo ali é obra do Seungmin.

– Hã? Pra quê?

– Porque o Jeongin quer dar uns pegas no Hyunjin e o Minnie acha que separar os dois vai dar mais tempo à ele.

– ... O Jeongin quer pegar o Hyunjin?

– Cacete Changbin, sai do meu quarto! Lerdo pra caralho, puta que pariu. Até agora você não tinha notado? Pela misericórdia – ordenou alto e o mais baixo acabou caindo da cama.

– Que susto desgraçado, Felix!

– Foda-se. Sai do meu quarto!

E Changbin teve que vestir ao menos sua bermuda enquanto era empurrado para fora do cômodo. Em parte também, é claro, por ter entornado a pinga e não conseguir se manter em pé efetivamente.

- Qual é o seu problema, Fe—

E a porta bateu em sua cara pela segunda vez. O ômega voltou para a própria cama, deitando-se ali e respirando fundo de olhos fechados. Não conseguia dormir. Jisung passou pela mesma estrutura da qual ele tinha enxotado o mais velho uns 10 minutos depois.

– Que saco, Lix. Você não podia vestir uma roupa não? E o quarto 'tá com um puta cheiro de sexo, não vai rolar ficar aqui. – Resmungou ele, alto, e fez o australiano mirá-lo. O cabelo estava bagunçado, a boca inchada e vermelha e a roupa toda amassada. Os beijos com Minho na sala tinham ultrapassado alguns limites depois do primeiro.

– Então sai, cacete. E nem rolou nada demais aqui. Isso é frescura sua. Além de tudo, olha o seu estado também. Dando aula de Yoga não estava, mas sem a parte do Yoga talvez...

– Sai pra lá, Felix! Me erra. – E deitou-se na cama do loiro, tomando cuidado para não encostar nele como se o Lee fosse contagioso. – Eu só estava... Conversando com o Minho. É isso.

– Ata. Eu super acredito em você. Pode deixar.

– Falou o cara que tá pegando o Changbin e não contou pro melhor amigo. – Riu com escárnio, mas parou na hora ao ouvir a resposta.

– Me destinei a ele também.

Han analisou com bastante atenção, esperando que o mais alto dissesse que aquilo era só uma brincadeira de mau gosto. Porém, infelizmente, não era.

– Que desgraça. – Jisung suspirou profundamente. – Por que a gente só dá azar?

– Ah, sei lá. Acho que eu e Changbin vamos ficar nessa de "bobeou passei o pau" pelo resto da vida. Nós dois só gostamos de casos. Até que o nosso tá durante bastante já. Mais de uma semana. Mas não passou de pegação. Uns beijos, amassos, 69—

– Credo Felix!

– E eu acho bom que fique por aí mesmo – ignorou o comentário alheio. – Por outro lado, parece que o seu relacionamento com o boy tá melhorando...

– Ele não é o meu boy. Só... É só que somos conhecidos de longa data e vamos acabar ficando juntos de qualquer jeito.

– Sabe... A vida é tão estranha. Estamos deitados na minha cama, coversando sobre os caras pelos quais a gente vai ter que passar o resto da vida às 02:40 da madrugada. Falando nisso, você me deve cinco dólares, seu tempo já acabou.

– Ah! Merda – resmungou, tirando algumas notas de dentro do bolso da calça e jogando em Felix. – Achei que tinha esquecido, seu cuzão. Nunca mais faço isso.

– Nunca. Apostamos dinheiro. E... Quer fazer outra aposta?

– Claro. Qual vai ser o assunto? – concordou rápido até demais, esquecendo do que tinha dito mais cinco segundos mais cedo.

– Você acha que o Jeongin vai se destinar à alguém que a gente conhece? Porque eu aposto 30 dólares no Hyunjin. Até agora eles não demonstram nenhum tipo de gentileza, então...

– Pago 50 nos dois.

– Que dois? – Lee ficou confuso.

– Seungmin e Hwang. Algo me diz que o três vão acabar ficando juntos.

– Sério? Não duvido tanto, mas é impossível três pessoas serem destinadas ao mesmo tempo. Ainda vou de Hyunjin.

Eles se encararam por um tempo e sorriram.

— Fechado – finalizaram em uníssono.

Estavam quase pegando no sono quando, de repente...

– Ei, Felix.

– Hum.

– Você tá sentindo esse cheiro?

– O de fumaça ou de sexo?

– Achei que eu tava delirando. Fumaça.

Olharam-se de rabo de olho e levantaram correndo, se empurrando para ver quem chegava primeiro até onde o rastro os levava. Pararam, cambaleantes, na porta da cozinha. A boca dos dois foi abrindo e elesp acabaram tossindo.

— Puta. Que. Pariu.

•••

Woojin abriu os olhos subitamente. Olhou o relágio do quarto. 03:12.

– Chris. Chris – chamou enquanto sacudia o corpo, um pouco desesperado. Viu o loiro abrir os olhos preguiçosamente e resmungar. – Tem algo de errado com os meus meninos.

– O quê? Woojin, vai dormir, eles estão be—

O celular tocou bem na hora. Número desconhecido. O Kim atendeu-o drepessa.

– A-Alo?

– O senhor é Kim Woojin?

– Sou sim. Aconteceu algo.

– Precisamos que compareça ao prédio em que mora. Agora.

E o mais alto se vestiu correndo, contagiando Chan com seu desespero. Se seus filhos tivessem se machucado, não perdoaria o loiro nunca.

•••

– Você está me dizendo que Hyunjin, Changbin e Minho estavam fazendo churrasco. Em um apartamento fechado. Bêbados. ÀS 3 DA MANHÃ?!

– Olhando por esse lado parece bem estranho mas veja as coisas boas da vida... Eles só botaram fogo... Na... Parede?

Woojin estava tão vermelho que parecia estar prestes à explodir. E explodiu.

– CHANGMINJIN, NO MEU ESCRITÓRIO AGORAAAAAAAAAAAA!!!

– Foi o Minho que queimou a carne! Não tenho nada a ver com isso.

– Viu, Hyunjin, eu avisei que era não era pra ter notado aquela pedra de carvão. Agora a gente vai apanhar!



Notas Finais


Foi issooooo 💜💜💜

Aproveitem as fotos das tatuagens e ignorem os locais onde elas estão nas imagens porque não teve como pegar tudo certinho.

https://pin.it/wvba6sd6i37nix
https://pin.it/yxdk42n4nqiozl
https://pin.it/5hhhg5n5slchvt
https://pin.it/w7fnrep4jpr5mx
https://pin.it/lskvute2vhbwqp
https://pin.it/elv2py462nzcu3
https://pin.it/gq7rzyt5xenegw


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...