História Self Control - The Selection, Interativa - Capítulo 2


Escrita por: e Enessa

Postado
Categorias A Seleção, Detroit: Become Human, Ian Somerhalder, Lucas Till, Matthew Gray Gubler, Noah Centineo
Personagens Elijah Kamski, Matthew Gray Gubler, Personagens Originais
Tags A Seleção, Bryan Dechart, Detroit: Become Human, Lucas Till, Matthew Gray Gubler, Noah Centineo, Rk800
Visualizações 117
Palavras 4.066
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Literatura Feminina, Policial, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


☇❀+*Oi gente.
☇❀+*Sei que demorei para trazer o capítulo das aceitas, mas creio que todas temos nossos motivos para tudo e o meu era a falta de criatividade que tive para terminar o capítulo, já que, como dito antes, metade do enredo estava com a autora.
☇❀+*Queria agradecer a Nanda (@Yutakhe) quem me ajudou a revisar o capítulo, além de adicionar os banners nas aceitas e descrever sobre algumas na mesma e que agora estará me ajudando a escrever daqui para frente. Lembrando que eu e ela temos nossa própria vida e recriar metade do enredo não é fácil. Peço que não cobrem muito de nós duas, daremos nosso melhor na história.
☇❀+*Se acaso seu personagem não esteja conforme você descreveu fale comigo por MP e não pelos comentários, por favor. Embora eu tenha lido todas as fichas mais de uma vez, ainda não absorvi bem a personalidade de cada uma.
☇❀+*Banner feito por mim, Enessa.
☇❀+*Bem, espero que gostem dos capítulos e se lembrem que não é possível colocar todas as selecionadas em um único capítulo, então se sua personagem não aparecer em algum (ou mais de um) saiba que isso é normal. Cada aparição tem sua hora.

Capítulo 2 - 01x01 - Bem-Vindas Selecionadas


Fanfic / Fanfiction Self Control - The Selection, Interativa - Capítulo 2 - 01x01 - Bem-Vindas Selecionadas

"Em homenagem a Letícia Hilário"

Uma garota sonhadora incrível nos deixou, mas acabou por virar mais um anjo no céu.

Que sua memória fique sempre viva nos corações daqueles que te amavam minha amiga. Descanse em paz.

— Lorena.

[ ... ]

Castelo da família real — Londres, Inglaterra — 19:30 

– Luzes, câmera e… bem-vindas selecionadas! – dizia a repórter, sempre sorrindo largamente – Boa noite, mundo! Hoje é o dia no qual todos esperávamos! O dia em que descobriremos quem serão aquelas que lutarão pelos corações de nossos três príncipes! Olhem, lá está a primeira. – ela ordenou que o cameraman virasse a câmera na direção do carro que se aproximava.

Não era ninguém mais, ninguém menos que Nicole Aubry, a bela jovem de apenas 25 anos estava elegante como uma dama, seu vestido liso bege seguia até os pés, seu belo penteado adornava bem seus cabelos negros. Sua maquiagem não era pesada, apesar dela estar bela.

– Vejo que há uma bela dama aqui! Alguém sabe sobre ela? Essa repórter também não. Quem será Nicole?

A moça fez algumas poses para as câmeras antes de ser guiada para dentro do castelo, seguida por seguranças.

Depois foi a vez de Mya Perida de La Cruz. A garota parecia uma boneca de porcelana e as pintinhas espalhadas por seu rosto lhe davam um charme a mais. As madeixas castanhas se achavam presas em um penteado medieval bem delicado e peculiar. Seu vestido azul lhe dava uma imagem de alguém nobre, talvez essa fosse a intenção.

– Uhhh! A nossa queridinha com um passado trágico, perdida nas ruas, somente com seu irmão para lhe dar ajuda. Sua mãe adotiva, infelizmente, veio a falecer há algum tempo. Mas será que ela terá um final feliz?

Em seguida, fora Alisha Sardothien. Seus cabelos dourados resplandeciam. Usava uma saia jeans branca, um suéter e casaco bege, dois colares pendurados no pescoço e uma bolsa de alça preta de couro. Era um traje simples, mas que deixava um ar de simplicidade à sua aparência.

– Bela Alisha. Céus, alguém avise os príncipes que essa Seleção vai ser o fogo? Além do mais – a repórter chegou perto da câmera, fazendo como se fosse contar um segredo aos seus espectadores – Essa aí parece que veio pra causar, mas confesso que estou adorando.

Beverly Gale fora a próxima moça a passar pelo tapete, onde muitos estavam amontoados para ver melhor as moças, mas eram impedidos de chegarem perto pelos seguranças.

A Hudgens trajava um macaquinho jeans por cima de uma blusa branca com estampa de Mickey, além de um tênis cor-de-rosa. Seus belos cabelos castanhos escuros estavam soltos, pendendo sobre seus ombros. Seus olhos castanhos médios combinavam perfeitamente com os mesmos.

– Uau. – a mulher que fazia a reportagem olhou para a câmera fazendo uma expressão de surpresa, embora fosse atuação – Uma bela garota. Os príncipes souberam escolher bem suas concorridas, até agora só apareceram mulheres dignas de aparecerem na capa das revistas de Londres! A bela Hudgens, para aqueles que não sabem, tem uma irmã mais velha que servirá como guarda para a família real. O que é uma pena, pois sabemos que estávamos doidas para ver irmãs concorrendo para o coração dos três herdeiros do trono, não é mesmo queridas?

Uma foi se seguindo da outra, até a última dama ser ofuscada pelas luzes da câmera, andando até o castelo onde maioria das garotas estava.

Enquanto isso, Serena observava todas calada. A Varadero não estava acostumada a tudo aquilo. Viver escondida era mais o seu forte e estar em frente a todas aquelas câmeras e pessoas curiosas lhe causava algo semelhante ao temor, deixando Serena em constante alerta.

– Sério que essas pessoas estão aqui só para conhecer as novas selecionadas? Não era mais fácil ficar em casa? – perguntou Ruby Josephine Marie Blanc, cruzando os braços sobre peito e suspirando, lembrando-se o do por que estava ali.

– Acho que só estão curiosos para nos conhecer. – falou Margo Collin, a mais nova das candidatas. A mesma usava um vestido justo simples, botas cano curto marrons e duas tranças laterais que terminavam em coques.

A Blanc revirou um pouco os olhos, mas não negou que ficou feliz em ver alguma candidata gentil ali, já que todas estavam para concorrer aos corações dos herdeiros, e não para fazer amizade.

– Talvez, mas acho que seria melhor nos ver em casa, assim o tumulto nos cerca demais!

– Bem, pense que agora o mundo todo irá te conhecer.

Isso fez a morena sorrir, começando a gostar da Collin e seu jeito amigável.

– Meu nome é Margo. Margo Collin. – se apresentou a segunda – Qual o seu?

– Ruby Josephine Marie Blanc. – respondeu a outra, ainda se acostumando com a conversa e pensando se aquilo não era uma tática para que a outra chegasse a coroa, embora não aparentasse. Não se podia saber de antemão que era quem ali.

– Muito prazer, Ruby.

– O prazer é meu, Margo.

Um pouco mais afastadas, Elise conversava com Mya, que aparentava estar um pouco nervosa com tudo aquilo.

– Ei, calma. Está tudo bem. – falava a Ledger, trajando um simples vestido rosa claro com sapatilhas pretas.

– Eu sei. É que… – La Cruz suspirou – Essa é a única maneira que achei para ajudar a mim e meu irmão. Espero não fazer bobagem

– Não se preocupe. – falou a loira, colocando a mão em seu braço – Sei como é aguentar uma barra. Qualquer coisa, é só dar um soco na cara de quem te encher a paciência, ok? Ou faz um sinal no céu pra mim que apareço mais rápido que o Batman.

A piada fez a de olhos castanhos rir, se sentindo um pouco mais aliviada.

– Obrigada. Sou Mya. E você?

– Elise, mas pode me chamar de Lis.

Olhando ao redor, a Perida via o lindo salão no qual se encontravam. Era tudo adornado em dourado, parecia até que tudo era feito de ouro! Além de alguns detalhes e pinturas aqui e ali, o que dava um ar de graça para o local.

– Já imaginou ver isso todos os dias? Deve ser tão lindo.

Lis suspirou, fitando alguns dos candelabros de cristal. Ela deu de ombros, franzindo a boca.

– Não sei não. Ser rainha deve ser tão… chato. Não vim aqui para conquistar o coração desses caras. Eles parecem bem superficiais para mim.

– Ou talvez você se apaixone por algum deles se os conhecer melhor.

A Ledger teve vontade de dar uma risadinha com o comentário da morena, mas se conteve, sorrindo para a mesma.

– Disso, minha cara, eu duvido muito.

Mal sabiam as duas que uma terceira pessoa escutava tudo aquilo. Era Alisha, a garota que entrara na seleção com apenas um propósito: se tornar rainha e cumprir suas ordens.

– Bando de tolas. – murmurou ela, impaciente com a demora dos príncipes para finalmente chegarem.

Fora então que uma voz grave, mas suave ao mesmo tempo, ecoou da escada logo a frente. Assim que todas se viraram, se depararam com os três herdeiros de Londres bem ali, o futuro regente da Espanha, o duque de Wayland, além do guarda Jonathan.

Todos os homens estavam parados ali, com roupas elegantes para tal festividade. A chegada de mulheres ao castelo era algo novo, já que era difícil se ver algum dos herdeiros com uma. Bryan ainda tinha receios quanto a isso, pois nunca chegara a beijar uma mulher, que dirá namorar. Mas, por seu país, estava disposto a isso, não seria o fim do mundo, não é?

Spencer observava todas com um ar pacífico e um sorriso simples estampado no rosto, embora em seu íntimo não quisesse estar ali. Céus, aonde havia chego? A Seleção era um grande passo para todos, inclusive para ele, que era o único filho de sangue de Wilbur e Lauren.

Já Aidan se mantinha inexpressivo, nada além de sua programação para ser gentil e agradável se manifestava no loiro. Chegava a ser… assustador, de certa forma. Entretanto, ele não se importava. Era como uma criança em uma reunião de adultos, só seguia as ordens sem questionar.

Felipe estava emburrado. Seu pai sempre arranjava uma forma de o irritar, fosse o proibindo de sair com seus amigos ou não permitindo que mulheres com menos de 45 anos, fossem humanas ou andróides, trabalhassem no quarto do rapaz. Principalmente as atraentes. Embora isso não o impedisse de aproveitar de seus desejos carnais com a acompanhante de sua mãe, de 26 anos.

Todas ficaram atentas aos rapazes, algumas colocavam uma mecha atrás da orelha por conta do nervosismo, já outras tinham certeza da vitória que teriam sobre as outras candidatas. Era um simples jogo, onde a melhor sairia ganhando, isso se alguma outra não conquistasse a afeição dos cavalheiros antes.

Spencer deixou seu irmão mais novo falar, já que fora a ideia do andróide moreno o banquete para a chegada de todas, era comum que o anfitrião o fizesse.

— Boa noite, senhoritas, espero que tenham feito boa viagem e que tenham chegado bem à Londres. Nosso criados estarão à disposição daquelas que precisarem de ajuda ou suporte em qualquer coisa. Não vou demorar com isso, pois sei que algumas estão cansadas da viagem e morrendo de fome, então só gostaria de dizer que, falando em nome de todos aqui, desejamos uma boa estadia para todas. E boa sorte. Agora, se puderem me seguir...

Ele apontou para o outro grande salão, onde uma enorme mesa as aguardava.

Os homens foram na frente, o guarda brasileiro seguia atrás para garantir que ninguém tentasse algo contra ninguém ali, seu treinamento militar o ensinara a ser um exímio combatente.

— O que acha que servirão no jantar? Perguntou Margô para Ruby.

— Não faço idéia, mas aposto que vão colocar tanta comida na mesa que nem passando nossa vida toda aqui conseguiríamos comer tudo. — respondeu a morena, soltando uma risadinha com a menor.

Cassandra observava todas bem atenta, vendo algumas se entrosarem e outras caladas, como Nicole, que fazia como a loira: apenas observava.

Cassandra se aproximou, com um ar angelical, bem diferente do que a mesma era por dentro, então falou com a mesma:

— Olá, sou Cassandra. Muito prazer. Nicole, não?

A morena se virou e encarou a garota, desconfiando da mesma, já tendo conhecido outras pessoas como ela antes.

— Sim. Nicole, e você deve ser a Cassandra. Já ouvi falar de você.

Isso inflou um pouco do ego da Leux que deu um sorrisinho.

— Sim. Minha família é conhecida por aqui. Pelo gosto, já escutou dos Leux.

Aubrey suspirou, fazendo força para não revirar os olhos. De fato, Nicole sabia que aquilo de tratava de puro teatrinho, a espiã não era boba e muito menos trouxa para cair nos truques de Cassandra.

— Para falar a verdade, eu preferia não ter escutado. Os Leux são famosos sim, mas isso não os faz incríveis como todos pensam.

Isso fora como um soco no estômago na loira, que sempre quis ser a melhor, jamais sendo rebaixada e colocada para baixo como uma qualquer. Era ela quem sempre ganhava, arquitetava planos e calculava seus passos para sempre sair por cima. Escutar alguém dizer que sua família não era incrível e que todos poderiam pensar assim irritou a mesma, que fechou a cara para Nicole.

Isso a fez colocar a Noir em primeiro lugar em sua lista das primeiras que faria ser expulsa da seleção. Era questão de tempo.

Chegando ao grande salão de jantar, todas foram para seus devidos lugares, impressionadas com a beleza na qual o castelo se encontrava. Os lustres e candelabros de cristal enfeitavam as paredes e teto dourados com detalhes brancos. Cada devido detalhe parecia ter sido pintado por um famoso pintor para que ficasse tão... lindo.

A enorme mesa em "T" estava adornada por objetos de prata e porcelana. As cadeiras de veludo vermelho combinavam perfeitamente com a toalha de mesa.

Assim que todas se sentaram, Bryan e seus irmãos se colocaram atrás da mesa dos nobres e o mesmo entendeu os braços, dizendo em um tom cordial:

— Bom apetite à todas.

E então vários criados e cozinheiros surgiram, carregando bandejas e carrinhos cheios de comes e bebes, dos mais variados tipos, para que todas pudessem comer algo que mais se aproximasse de seu agrado.

— Que cheiro bom. — falou Beverly, olhando para seu prato que acabava de ser servido por um criado.

— Uma pena que meus sistemas não me permitem comer. — disse Lavander, a bela andróide com um vestido justo de seda que revelava bem suas curvas, que deixariam qualquer homem babando.

— Você é uma andróide? Deve ser, para não poder comer... Que grosseria da minha parte. — imendou a Gale, ficando corada, mas logo limpou a garganta — Sou Beverly.

— Lavander. Mas muitos me chamam de Nani. — informou ela de forma simples com um singelo sorriso nos lábios fartos.

— Nani? Apelido engraçado. Até parece aquelas frases de anime onde sempre fazem uma cara engraçada antes de dizer "Nani?!". — isso causou risos na humana, mas Lavander não tinha entendido bem a piada, então apenas observou a menina, que, ao ver que a andróide se mantinha normalizada, parou.

— Desculpe, eu…

Mas então, para a surpresa da Gale, a andróide riu. Isso fez Beverly ficar mais confusa do que se tivessem lhe contado uma charada.

— Entendi. "Nani?!". Hahaha! Isso foi engraçado! Hahaha!

Os olhos da garota de arregalaram e sua boca se abriu um pouco. Como reagir aquilo? A andróide era maluca ou era um problema em seus sistemas? De uma hora para outra ela começara a rir mais do que ela própria de sua piada. Isso não era algo normal.

Mal sabia ela que Lavander, a simples andróide do clube de "diversão" masculina — e até mesmo feminina — passava por uma fase de divergência, pois seus sistemas ainda não haviam se tornado completamente divergentes e a mesma tinha problemas para assimilar sentimentos de sua programação.

Do outro lado da mesa, Beatriz observava a cena com ar curioso. Se perguntava sobre o que as mesmas estariam conversando, já que a garota robótica parecia se divertir com algo que sua companhia ao lado lhe dissera segundos antes.

Mas seus pensamentos foram cortados por uma discussão que se iniciou ali ao lado, qualquer um teria escutado. Quando a morena se virou, ela se deparou com Nicole discutindo com Cassandra, Aubry tinha uma enorme mancha de vinho em sua roupa, que agora estava ensopada em vermelho escuro.

— Você fez de propósito. Qual o seu problema garota?! — exigia saber a morena, completamente irritada.

— Como ousa colocar a culpa em mim?! — a loira gritou de volta, com algumas lágrimas nos olhos, naquele momento todos se voltaram para ambas, já que era impossível não ter notado sua discussão — Todas aqui estão de prova que não fiz nada! Só está falando esse tipo de coisa para manchar minha imagem com os príncipes! Isso é golpe baixo!

Nicole não soube como agir, seus punhos se fecharam com força pela vontade que a mesma sentiu de esganar a Leux. Ela não havia o feito, notara quando Cassandra esbarrara em seu braço fazendo o vinho cair em seu colo propositalmente.

— Se não foi culpa dela, creio que não haja motivo para esse drama todo. — uma das jovens falou e quando notaram viram Elise levantada com os braços cruzados e olhando seriamente para a mais nova, pois já convivera com pessoas de seu tipo para entender seu "joguinho", e como.

— Está insinuando que estou mentindo?!

— Não, só estou querendo saber para quê tanto drama se não foi no seu vestido que o vinho caiu. E se é ela quem está mentindo, creio que não precise chegar a tanto.

A garota de trajes chiques franziu as sobrancelhas, ficando levemente irritada com aquilo, afinal estava sendo taxada de mentirosa por outra concorrente. Isso chegava a ser pior do que ter sua família esnobada pela Aubry. Outra que ia para sua lista.

— Escuta aqui, sua…

Ambas foram cortadas, Cassandra acabara "escorregando" na barra do vestido e levara Lis ao chão junto dela. Na queda, a Ledger acabou segurando o pano de mesa e acabou por despejar bife e um líquido que parecia ser um molho em suas vestes.

Cassandra soltou um sorrisinho, mas logo tratou de tirá-lo do rosto, para que não desconfiassem de nada. Lis tirou um pouco de molho de seus olhos com as mãos, tentando se levantar, mas escorregou novamente e fez outra vasilha com purê cair em seus cabelos, isso porque o pano de mesa foi movido mais alguns centímetros na queda.

O penteado que demorara horas fazendo, o vestido e sapatos que custaram suas economias para serem comprados haviam ido para o ralo, além de sua maquiagem, embora não tivesse quase nada, estava borrada.

Agora sim ela parecia uma refeição completa.

— Já chega! — exclamou Bryan, mostrando irritação.

Nada daquilo estava nos planos do andróide. Calculara tudo para que fosse perfeito, chamara chefes conhecidos de Londres para cozinharem naquela noite, tomara cuidado para que todas tivessem uma recepção boa. Droga! Ele havia até praticado um maldito discurso para depois do jantar, onde desejaria uma boa noite para as damas.

Agora tudo ia água abaixo por conta de duas encrenqueiras que não sabia se comportar à mesa. Isso quase fritou seus circuitos.

Os outros membros da nobreza só observavam de boca aberta, menos Felipe que se divertia um pouco com a cena. Sabia que muitas tentariam algo para chegarem até a coroa, mas não que seria tão cedo assim. Isso era algo que ele poderia assistir de camarote. E outra, quem sabe não poderia aproveitar da companhia de algumas em certos momentos?

— Por favor, senhorita Ledger, senhora Leux e senhorita Aubry. Se dirijam até seus devidos quartos. Já tivemos o suficiente por hoje.

Ele mantinha os olhos fechados por um momento, tentando manter a sanidade. Ser um recém divergente não era fácil para o homem, eram tantos sentimentos de uma vez só, mal sabia como agir em algumas situações. Quando ficava irritado, era como se batessem um martelo em sua cabeça, uma sensação que ele aprendeu a detestar rapidamente.

— Serão acompanhadas pelos guardas até seus dormitórios. Peço que pensem no que houve aqui e que ajam de maneira civilizada no jantar de amanhã.

Lis suspirou, tentando tirar o máximo de comida de si que conseguiu. Nicole tentou pensar em uma maneira de consertar sua imagem, seria bem ruim ser eliminada de primeira sem antes descobrir o que o país — principalmente seus governantes — pareciam esconder sobre os ataques rebeldes. Já Cassandra só queria uma maneira de se livrar dos dois empecilhos encontrados em sua frente.

Dante, o guarda andróide recém chegado, guiava a Aubry, Jonathan levara Cassandra e Löic a Elise.

No caminho, Nicole se manteve calada, assim como o rapaz de olhos azuis safira. Nenhum dos dois teve a menor vontade de puxar assunto. Dante só queria terminar logo com aquilo para poder ver seu protegido novamente, pois o menino odiava ficar muito tempo sozinho nos aposentos em que ambos estavam. Mas prometera a seu protetor que seria responsável e não sairia de lá.

Chegando em frente ao quarto, Nicole a abriu, olhando rapidamente para Dante antes de entrar no aposento desejando boa noite para o mesmo.

Ele apenas falou:

— Boa noite. Sinto pelo vestido. — embora fosse algo que devesse dizer, ele sentia um pouquinho de pena dela.

— Sente muito. — ela soltou uma risada fraca e sem graça em ironia — Homens só sentem algo quando estão na cama, o que acontece fora dela não é nada mais do que desinteresse.

Isso foi algo que Dante não esperava ouvir. Ela parecia estar com um profundo amargor para dizer algo daquela maneira e o moreno se questionou do que poderia ser.

Ao fechar a porta, Nicole respirou fundo, passando a mão na testa e indo diretamente até o guarda roupa. Muitas coisas ainda se mostravam um mistério para ela, mas, sem dúvida, logo ela descobriria cada um deles.

Em outra parte do corredor, Jonathan levava a jovem loira. Ele a observava quieto enquanto a mesma não parecia nada satisfeita com aquilo, embora nada dissesse para não se enrolar mais com os membros do castelo e ela sabia que o guarda brasileiro era um amigo próximo de Spencer quando o príncipe visitara o Brasil em suas viagens. Todos sabiam pelo visto.

— Dá para acreditar que ela fez isso? Sério, qual o problema dessas garotas? Se não sabem jogar de maneira certa, nem tentem então. — falou ela, tentando parecer chateada com a situação e se fazer de vítima para convencer o moreno de sua atuação.

— Sim. — foi o que ele respondeu.

Ela limpou a garganta, tentando pensar em uma forma de se entrosar com o rapaz, pois assim poderia chegar ao príncipe mais rapidamente através de seu amigo.

— Não é de falar muito, não é?

— Só digo o necessário, senhorita. Digamos que não sou muito de falar sobre briga de mulheres.

— Mas bonito da forma que é, com certeza deve ter muitas pretender atrás de você, não?

— Chegamos, senhorita Leux.

Antes que Cassandra notasse, ambos já havia chego em seu quarto. Ela se virou para dizer mais algumas palavras, mas Jonathan se mostrava sério e pacífico.

— Bem… espero te ver outras vezes. — mentiu ela, pois o achou o maior chato que designaram para a levar até ali.

— Se a senhorita me permite dizer — começou ele assim que ela ia fechar a porta — sei que poderia se sair melhor se fosse você. Parece uma garota inteligente, além de bonita. Creio que, dessa forma, atrairia mais a atenção das pessoas ao seu redor.

Ela assentiu e sorriu de forma simpática, ficando levemente irritada por lhe dizerem o que fazer ou como deveria agir. Mas de outro ângulo, ele tinha razão. Tinha que pensar em outra tática para chamar a atenção dos príncipes. Além disso, ela não escondeu o fato de si mesma de ter gostado de ser chamada de inteligente e bonita, embora ela acreditasse piamente que fosse tudo isso e muito mais.

— Obrigada pela dica. Boa noite, guarda Anjos.

— Boa noite, senhorita Leux.

Fechando a porta, Cassandra foi recebida por Liza, a andróide que considerava sua irmã desde seus 14 anos. Ela olhava atentamente para sua dona que se mostrava frustrada.

— Aconteceu alguma coisa? — quis saber ela, vendo-a se sentar na cama bufando e jogando o sapato longe quando o tirou.

— Aquela Ledger acabou com meus planos! A Aubry estava prestes a cair na minha armadilha! Mas essas duas não perdem por esperar.

No quarto ali ao lado, Lis conversava com o D’Auvergne de forma descontraída, embora seu estado não estivesse dos melhores.

— Parece ter acabado de sair de uma guerra de comida. — diz ele, fazendo-a rir com seu comentário e olhar para si mesma.

— É, pelo visto pareço um prato e tanto. — ele sorriu, encostando na parede.

— Sabe que pode ter sido armação, não é? — perguntou ele.

Ambos haviam se conhecido quando o mesmo ficara encarregado de buscar a moça em sua casa, iniciando uma "amizade" logo de cara, mesmo que ainda estivessem se conhecendo.

— Sim. — suspirou ela, passando a mão nos cabelos com purê — Eu sabia que alguém ia tentar algo contra mim hora ou outra. Muitas aqui estão doidas para conquistar a coroa e não se importariam em queimar o filme das outras selecionadas. Eu nem me importo com esse trono idiota ou com esses quatro metidos sentados nele. Só quero ficar aqui até pensar em um plano para poder pagar o tratamento da minha mãe, além de já receber o suficiente por estar aqui. Isso está sendo de grande ajuda.

Löic estava por dentro do que acontecia na vida da garota, a viagem do aeroporto até o castelo fora um pouco longa, então tiveram bastante tempo para conversar.

O rapaz sentia pena dela, ninguém merecia passar pelo que a jovem passava. Lis se mostrava uma garota simples e que não ligava para poder, só tentava achar uma solução temporária para seus problemas.

Ele suspirou, desencostando da batente porta.

— Espero que melhore, garotinha. Tome cuidado se for passar nos corredores dessa forma. Podem te confundir com uma marmita e te devorarem.

Ela revirou os olhos, mas sorriu. Era bom que tivesse alguém para conversar, como o rapaz ali. Muitas poderiam querer guerra por uma única coroa, mas há quem quisesse somente paz.



Notas Finais


☇❀+*Personagens aceitas:
http://bit.ly/2Mkj2Sf

☇❀+*Grupo do whats (gostaria de avisar que não estou online a todo tempo e que posso demorar para responder, mas sintam-se livres para conversarem e teorizarem entre si)
https://chat.whatsapp.com/I7NYT8m38KLDr6oltxi34Q

☇❀+*Sinto muito se seu personagem não foi aceito, mas não desanime. Uma hora você consegue❤

☇❀+*Lembrando que ainda há vagas (temporárias) para guardas masculinos na história, reservas femininas estão fechadas.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...