1. Spirit Fanfics >
  2. Selvagem Possessivo >
  3. Alvo

História Selvagem Possessivo - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


Oi, eu to de volta... 1 mês depois, me desculpem eu não faço de proposito :'D

Surgiu essa pandemia de CORONA VAIRUS (não aguentei kkk) e ai todo mundo ta na merda da quarentena, então por que não escrever não é mesmo?
Eu só queria dizer para vocês se cuidarem direitinho, ta bem sério esse negócio, então se cuidem :) Fiquem em casa e lavem as mãos, aproveitem para por a leitura em dia também ^^

Esse capítulo ficou bem grande, ia ter mais só que eu decidi fazer no próximo capítulo.
Aproveitem :)

Boa leitura.

Capítulo 10 - Alvo


O acontecimento de minutos atrás fazia a mulher pensar mais do que deveria, andava de um lado para o outro em seu próprio quarto, totalmente distraída em pensamentos nada coerentes. Se antes estivera achando-se de comportamento estranho agora tinha certeza que estaria no mínimo doente ou mal do juízo. Andou tanto que suas pernas logo pediram por descanso, ela apenas se jogou na cama caindo de barriga para cima esparramada no grande colchão macio. Mordia o lábio inferior, nervosa, e suas pernas balançavam de leve com sua inquietude, seus olhos fixavam o teto como se fosse a coisa mais divertida do mundo, ela os fechou com força tentando recobrar a consciência de seus atos.

Quando sua vida tinha virado de cabeça para baixo tão rápido assim? Queria muito ter uma resposta, mas a única que tinha era: um criminoso a sequestrou. Se isso lhe agradava? Não, mas ela tivera escolha? Também não. Aquele 1 mês ficando ali, já que perguntava as vezes a Naruto sobre que dia era lhe fizeram ter uma noção de tempo, estava deixando-a louca e com as emoções em discórdia dentro de si. Não sabia o que pensar, nem o que fazer, muitos menos agir. Quando ele quase lhe beijou algo dentro de si mesma foi ficando quente, uma quentura boa e calorosa, e ela queria saber o que diabos estava acontecendo.

“Acho que depois de ficar tanto tempo aqui e ainda mais com ele, estou precisando de um psicólogo ou até mesmo um psiquiatra”

Um suspiro saiu de sua boca acompanhado de mais alguns em seguida. Essa noite foi estranha, por que simplesmente fechou os olhos esperando ele fazer algo em vez de sair dali correndo? E mais importante... eles iriam mesmo se beijar?

A coloração de seu rosto branco foi ficando vermelha e ela levantou rápido balançando a cabeça para os lados tentando fazer a queimação em suas bochechas passar, mas por conta de ter levantado rápido demais acabou ficando tonta e caindo novamente na cama. Seus olhos se fecharam, mas dessa vez eles não abriram mais e ela adormeceu.

No dia seguinte acordou desorientada, mesmo perdida sentia a vontade de usar o banheiro, se levantou da cama esfregando os olhos e indo para o banheiro. Escovou os dentes, molhou o rosto para despertar, usou o vaso e aproveitou para tomar um banho demorado. Quem sabe a água levaria embora sua paranoia sobre a noite anterior? ... não, ela não levaria.

O dia estava quente então optou por usar uma regata branca com um short jeans e chinelos, depois de vestida ela saiu do quarto, desceu as escadas e se encontrou na cozinha. Por sorte a empregada, que por incrível que pareça Hinata ainda não conhecia pois não a via muito na cozinha, estava preparando algo no fogão.

- Bom dia, senhorita Hinata – Saudou a mulher que tinha cabelos roxos presos em um coque, ela era jovem e aparentava ter seus 25 anos.

- Bom dia, senhora...

- Anko, Anko Mitarashi. E não me chame de senhora por favor. Ainda sou jovem com meus 34 anos

- É um prazer conhecê-la, Anko – Sorriu amigavelmente – Me desculpe não ter me aproximado antes

- Não precisa se preocupar com isso, você estava assustada, era comum não querer sair do quarto. Sei que o Naruto pode ser idiota, mas ele tem um cérebro

Hinata assentiu, observando Anko preparar o café da manhã. Se sentou em um dos bancos que ficavam perto do balcão na cozinha estilo americana.

- Você conhece ele a muito tempo?

- Bem, eu fui contratada para ser babá quando ele tinha 9 anos, eu já conhecia o Kakashi naquela época já que tínhamos amigos em comum do mesmo grupo, então quando eu estava procurando por um emprego ele me perguntou se eu poderia cuidar do Naruto – Ela contava enquanto pegava a frigideira pondo ovos dentro da mesma, mexendo-os calmamente – No início fiquei apreensiva, eu nunca tinha trabalhado como babá e nem sabia lidar muito bem com crianças. Mas ele me convenceu e no outro dia eu conheci o Naruto, ele era bem quieto e reservado para a idade dele, quase nunca falava e muito menos brincava, sempre ficava na dele – Pôs os ovos prontos em um prato, pegou algumas tiras de bacon e botou na frigideira, deixando-as assar – Eu achei estranho, afinal toda criança é animada e energética demais, mas ele era diferente. No primeiro dia eu até estranhei, só precisei cozinhar suas refeições e ficar de olho nele, nada mais. Ele não queria brincar e nem gostava de sair de casa – Assim que os bacons ficaram prontos Anko os depositou no prato cuidadosamente – Daí eu decidi animá-lo um pouco, tentei fazê-lo jogar alguns jogos de tabuleiro comigo, mas ele negava, depois tentei me enturmar em algumas conversas, mas ele falava pouquíssimo, até tentei fazê-lo sair para um passeio no parque e ele de novo negou – Anko pegou algumas torradas e depositou-as no prato, foi até a geladeira e pegou um suco de laranja, pegou um copo de vidro e pôs o suco no mesmo – Eu sabia que algo estava errado então não desisti de pelo menos fazê-lo dar um sorriso mínimo, nos próximos dias foram difíceis e ele começou a se afastar de mim, acho que já sabia o que eu estava tentando fazer. Kakashi me disse do que ele gostava, ficar no quintal em um balanço na árvore, ver estrelas e ouvir histórias – Ela riu – Foi muito difícil para ele se abrir comigo, depois de duas semanas contando histórias e fazendo companhia para ele tagarelando de tudo que eu gostava ou fazia ele finalmente se abriu de verdade....

 

Estávamos no quintal, era de tarde, Naruto sentado em seu balanço pendurado na árvore e eu ao seu lado sentada no chão. Enquanto eu falava pelos cotovelos tudo que eu gostava ou fazia na vida, ele me pegou de surpresa.

- Eu gosto de animais – Ele falou de repente, balançava as perninhas para frente e para trás num ritmo lento.

Arregalei os olhos surpresa, pela primeira vez eu o ouvia dizer um gosto seu. Normalmente quem dizia o que ele gostava era seu pai, o Kakashi.

- É mesmo? – Depois da surpresa passar eu sorri para ele animada – E qual é o seu animal favorito?

- A raposa... – Disse baixinho, como sempre falava – São bonitas e bem espertas, elas pulam alto e correm muito rápido

- Sim, isso é verdade – Estava verdadeiramente feliz por ele ter falado comigo – As raposas são bem habilidosas e bem protetoras também. Então, o que mais você gosta, Naruto?

Silêncio, ele não respondeu. Me senti triste, ele não voltaria a falar novamente, eu sempre perguntava várias coisas sobre ele tentando engatar em uma conversa, mas ele nunca respondia.

Mas para minha perplexidade dessa vez foi diferente.

- Eu gosto de ver as nuvens, elas se formam em algo as vezes, como bichinhos – Ele olhou para o céu, e ali eu vi seus olhos meio opacos ganharem um brilho admirado. Eu nunca me esqueceria disso.

- Você quer um bichinho de estimação?

Até seria bom para ele, para interagir mais e normalmente crianças adoram brincar com bichinhos.

- Pode ser uma raposa? – Ele me encarou sem sorriso algum, sem muita expressão, sempre foi assim e eu queria entender o porquê.

- Infelizmente não, uma raposa não é igual a um cachorro ou qualquer outro animal doméstico que são fáceis de cuidar – Expliquei vendo-o abaixar a cabeça, tristonho – Elas são animais selvagens. Mas posso conversar com seu pai para comprar um cachorrinho

- Não quero um cachorro...

- Um gato então?

- Não quero nenhum... – Fez impulso para frente fazendo o balanço se mexer devagar.

Ok, ele estava chateado. Mas qual é? Uma raposa? Duvido muito que o Kakashi faria o gosto dele, mesmo ele amando o Naruto. Eu preciso animá-lo de novo, ele até falou comigo hoje! Não vou desperdiçar essa chance.

- Ei, que tal fazermos um bolo? – Indaguei chamando sua atenção, seus olhos me olhavam em curiosidade – Podemos fazer do sabor que você quiser, podemos botar muita cobertura também, o que você quiser!

Sua cabeça tombou de lado me olhando pensativo. Ah vamos, quem não gosta de bolo? Crianças adoram bolo!

- Bolo? – Perguntou, eu assenti sorrindo – Por quê?

- Como por quê? É bolo, vai me dizer que não gosta? – Cruzei os braços o encarando fixamente.

- Eu nunca comi bolo... – Seus olhos estavam fixos no chão.

- Nesse caso não temos tempo a perder! – Me levantei do chão passando a mão no meu short para tirar a sujeira – Faremos um bolo juntos, te garanto que irá adorar. Depois podemos fazer brigadeiro ou achocolatado se você quiser, o que acha?

Estendi minha mão para o loirinho que era tão quieto, ele pareceu hesitar por um momento, mas segurou minha mão e saiu do balanço. Fomos para dentro da casa até a cozinha, peguei um avental branco amarrando em mim e olhando para Naruto que parecia bem curioso e até em expectativa para o que viria.

O instrui a lavar bem as mãos, peguei todos os ingredientes e comecei o preparo do bolo. A todo momento Naruto estava comigo me vendo fazer a massa, ele estava animado, começou a sorrir e se divertir de verdade, eu pude perceber. Deixei que ele mexesse na massa, depois de pronta a botei no forno, tivemos que esperar um bom tempo até estar pronta e quando a retirei do forno vi o quão empolgado ele estava para experimentar.

Tirei-o da forma e o botei em um grande prato para deixar esfriá-lo.

- Antes de tudo vamos deixar esfriar – Disse orgulhosa vendo o bolo com a aparência bonita.

- Por quê? Já está pronto

- Não se pode comer bolo quente, minha avó sempre disse, se comer sua barriga vai doer então vamos deixá-lo esfriar um pouco. Não vai demorar muito – Acariciei seus cabelos loiros chamando sua atenção, ele olhou para mim – Enquanto isso podemos fazer a cobertura!

Seus olhos brilharam, entusiasmado.

- Eu irei ajudar! – Ele deu um sorriso sem mostrar os dentes.

- Muito bem, vamos lá!

E assim fizemos a cobertura de chocolate, a pedido dele, jogamos a calda por cima do bolo dando uma visão bonita. Depois de estar tudo pronto, arrumei a bagunça na cozinha e mandei Naruto tomar banho, o esperei na sala para assistirmos seus desenhos animados na tv. Ele voltou já de banho tomado e vestindo um pijama fresquinho, assistimos vários episódios seguidos de um de seus desenhos favoritos, ele ria algumas vezes e eu até achava graça também.

As horas se passaram sem que eu percebesse e o Kakashi chegou de seu trabalho, o loirinho correu até ele e Kakashi o recebeu de braços abertos em um abraço. Achei muito fofo visto que Naruto não era de ser carinhoso com ninguém.

- Fizemos um bolão – Naruto guiou seu pai até a cozinha apontando para a mesa onde o bolo estava, eu estava logo atrás – A tia Anko me deixou ajudar, fizemos juntos!

- É mesmo? – Ele me encarou e eu assenti sorridente – Que ótimo, deve estar muito bom. Você nunca provou não é Naruto?

- Hum-Hum – Ele negou.

- Vamos ver se está bom mesmo – Eu cortei uma fatia e botei em um prato, depositando na frente de Naruto que estava sentado – Bona Petit – Brinquei e ri, Kakashi também riu.

Naruto levou o garfo com um pedaço do bolo a boca e o comeu, mastigou um pouco e depois engoliu, ficou um pouco em silêncio e eu me senti apreensiva por achar que ele não gostou.

- Está ruim? – Indaguei preocupada.

- Eu amei! É macio e tem muito chocolate – Ele comeu mais fazendo um som de prazer quando engolia.

- Posso fazer muitas outras comidas que você ainda não tenha provado, é só me pedir – Pisquei um olho para ele, o mesmo assentiu animado.

 

Anko depositou o prato do café da manhã no balcão em frente a Hinata, dando a ela um sorriso acolhedor.

- Foi difícil, mas no fim consegui agradá-lo e depois disso ele se abriu completamente comigo

- Não sabia que ele era assim desde pequeno...

- Assim como? – Arqueou uma sobrancelha, curiosa.

- Fechado... – Ela comeu um pedaço do ovo e depois do bacon, se deliciando.

- Fechado ele sempre foi, você só tem que o cativar e aí ele vai mudar no comportamento – Hinata assentiu voltando a comer – Bom, eu vou cuidar do jardim, se precisar de algo não hesite em me procurar

A morena assentiu outra vez e Anko se retirou deixando-a sozinha, após terminar seu café da manhã Hinata foi até seu quarto e pegou seu livro se acomodando na cama e começando sua leitura tranquilamente.

Enquanto isso no escritório de Naruto o mesmo estava em sua fiel cadeira, ou como gostava de chamar, seu trono, em uma ligação com seu confiável amigo ruivo.

- Alguns homens estarão lá, eles precisam de uma boa noite de folga e nada melhor do que uma farra envolvendo nossa querida velocidade

- De novo? Lembra o que aconteceu da última vez? – Questionou o loiro revirando os olhos.

- Só deu polícia porque estávamos em um lugar muito lotado, onde vamos essa noite é bem mais privado e apenas pessoas confiáveis irão. Pessoas que nos conhecem ou até mesmo outros membros de gangues aliadas

- Não estou confiante sobre isso, Gaara...

- Qual é, Naruto! Todo mundo tá precisando de uma folguinha, relaxar, espairecer. Vai ser só um racha, claro que vai ter bebidas e algumas prostitutas lá, mas será divertido – Gaara riu e o loiro revirou os olhos entediado.

- E o que a Ino acha desse seu pensamento hein? – Provocou.

- O que ela precisa achar? Eu só vou para correr e beber um pouquinho, e claro que ela vai comigo. Quero acabar a noite com grande estilo!

- Você é tão cheio de surpresas – Disse o loiro sarcástico.

- Sasuke, Shikamaru e até o Suigetsu vão, levarão as meninas também – Disse para convencer seu amigo a ir também – Leva a Hinata também, cara. Vamos nos divertir!

- Sei não, não estou com um bom pressentimento... – Falou desconfiado.

- Não vai dar merda com a polícia de novo, tenho certeza absoluta

- Que insistente do caralho você hein! – Bufou irritado.

- Obrigado pelo elogio... e aí, vamos?

A linha ficou em silêncio por um minuto, nesse tempo Naruto pensou profundamente sobre os riscos de dar algo errado, mas realmente estavam precisando festejar um pouco depois de tanto trabalho.

Mereciam uma folga.

- Tudo bem – Falou dando-se por vencido.

- Aí sim Naruto! Vamos cair na farra como nos velhos tempos! – Comemorou o ruivo empolgado.

- Preciso avisar a Hinata antes

- Ela vai estar com as meninas, ficará bem e animada perto delas

- Ok – Disse sem muito interesse enquanto brincava com uma caneta entre seus dedos.

- Conversei com o Bee ontem, ele continua o mesmo doido de sempre, não para quieto um minuto no hotel e se parar é com uma mulher na cama dele – Gaara revirou os olhos, mesmo achando isso um pouco irônico, até porque ele também era assim antes de conhecer Ino.

- Ele está fazendo bom proveito de sua viagem – Naruto de um sorriso ladino – Precisamos marcar alguns meses de viagem também, estou sentindo falta dos Jinchuurikis, aqueles tempos eram bons quando todo mundo estava junto...

- Pois é... – O ruivo suspirou – Os mais perigosos das ruas, botávamos medo em qualquer metido a play boyzinho... ah cara, que nostalgia

- Marcarei uma viagem em grupo para algum lugar, preciso convidar eles primeiro

- Ainda mantém contato com eles?

- Com alguns, sim – Pensou em seus amigos que fazia tempo que não via, alguns nem mais pareciam estar no mapa depois de se separarem. Como se tivessem sumido, evaporado da terra, sem deixar rastros.

- Eu só mantive com o Bee, que foi o único que não se afastou completamente, e a última vez que eu conversei com a Yugito ela estava grávida – Falou espantado – Isso foi a anos atrás! Como será que ela está agora?

- Não faço ideia, mas quero vê-la muito e os outros também – Naruto sorria pequeno, sem mostrar os dentes, verdadeiramente se lembrando de como o tempo passava rápido – Todos já têm filhos?

- Eu não sei Naruto. O Bee nem procurando mulher para sossegar de vez tá, a Yugito é a única que eu soube que teve um bebê, os outros duvido muito que tenham achado uma esposa, sinceramente – Gargalhou e o loiro fez o mesmo com a piada nada malvada do amigo – Eu quero muito ter filhos e construir minha família, e eu farei, mas esse não é o momento certo. E você?

- Eu o quê? – Se fez de desentendido.

- Quer ter filhos?

- Não vejo necessidade, e eu nem gosto de crianças – Disse qualquer coisa que veio em sua cabeça para desviar do assunto.

- Mas você vai ser um bom tio para meus futuros filhos, ou eu mato você

- Não prometo nada, Gaara – Provocou rindo maleficamente.

- Quero ver quando for os seus, você vai ser tornar um pai babão com certeza – Riu provocando de volta o loiro, Gaara sabia que ele não gostava do assunto “filhos”.

- A única coisa que vou ensiná-los é se defender, usar uma arma e não ser um viciado em drogas que nem esses mimadinhos filhos de ricos metidos a besta

- Falou e disse, caro Naruto

Conversaram por mais alguns poucos minutos e encerraram a ligação, Naruto deixou seu celular em cima da mesa, ela estava organizada e não tinha nada para ele fazer. Entediado, ele saiu do escritório passando pelo corredor tranquilamente e descendo a escada, foi para o quintal, pegou uma garrafa vazia de whisky que tinha perto da churrasqueira e se direcionou ao outro lado da piscina onde tinha uma parte mais ampla de grama.

Pôs um banco e botou a garrafa em cima, tomou uma distância considerável e sacou a arma da cintura. Mirou o alvo com atenção e concentração, sua mão não tremia e sua respiração era calma e controlada corretamente. Ele esperou um tempo olhando fixamente seu alvo sem desviar sua atenção, e enfim disparou precisamente contra a garrafa que explodiu quebrando em milhares de pedaços caindo pelo chão. Respirou fundo olhando o resultado, como sempre bom, vindo de sua mira.

Se orgulhava de ser bom de mira desde quando era pequeno, foi quando Kakashi o ensinou a usar uma arma da forma certa. Mesmo sendo um pirralho na época ele conseguia ter um raciocínio de um adulto e isso não interferiu em nada na sua vida.

- Boa pontaria – Ele escutou a voz de Hinata atrás de si, virou-se vendo-a o observando atentamente – Você é bom de mira

- Quando eu era pequeno era péssimo na mira, sempre errava quando fazia meu treino diário com armas – Ele viu o espanto no rosto alvo, logo explicando – Sim, eu pegava em armas de verdade desde pirralho. Kakashi me deu a arma dele quando eu tinha uns 10 anos, eu pedi quando a via e perguntei para o que funcionava, ele me ensinou tudo que eu sei. Quando peguei em uma pela primeira vez a achei pesada e difícil de mirar, nos primeiros dias sempre errava o alvo e depois fui aprendendo, isso me ajudou de certa forma

- Entendo... – Hinata ficou em silêncio pensando quão louca tinha sido a vida daquele homem desde quando ele era uma criança. O mundo era realmente um lugar sombrio.

- Quer tentar? – Ela se espantou quando ele estendeu a arma para ela, negando firmemente – Por que não?

- Não gosto de armas... – Se lembrou da vez em que pegou pela primeira vez, a lembrança de ter apontado a arma para Naruto enquanto tremia de medo naquele dia foi horrível. Odiava lembrar disso.

- Não gosta ou tem medo? – Arqueou a sobrancelha loira, em curiosidade.

Touché.

Ela ficou sem saber o que dizer.

- Se tem uma coisa que eu aprendi é, as armas não matam, gente mata – Ele explicou sereno enquanto olhava para ela – As pessoas são movidas pela maldade e fazem coisas ruins, elas matam. Outras apenas querem se defender da melhor forma, entende?

Hinata assentiu, particularmente ela achou o que ele disse bem profundo. Seria uma indireta de algo que aconteceu em sua vida? Ela não sabia dizer.

Naruto saiu de perto da morena, ela o encarou indo até a churrasqueira e pegando do chão três garrafas de bebida, ele apoiou uma embaixo de seu braço e as outras segurava nas mãos. Voltou até o banco e depositou uma, depois pôs as outras duas de cada lado da do meio na grama, se afastou ficando perto da perolada.

- Tome – Botou a arma em suas mãos pequenas, Hinata ficou com medo e tremeu um pouco. Naruto foi para trás dela, juntando seus corpos o máximo possível, segurou as mãos dela e isso fez um choque percorrer o corpo da morena. Ele lhe mostrou como segurava a arma com firmeza, com as mãos juntas a todo instante, a respiração dela já estava entrecortada com toda aquela aproximação – Antes de tudo mire com cuidado seu alvo, depois que sua mira estiver correta tente normalizar sua respiração, ou não acertará o alvo – Explicou, Hinata então respirou fundo e expirou devagar, fez isso duas vezes e sua respiração ficou mais calma e ela se concentrou – Segure com força a arma ou quando disparar ela voará de sua mão – Ele apertou suas mãos nas dela, sentindo a firmeza que ela botara – Concentre-se apenas no alvo, esqueça o mundo alheio ao seu redor e foque em sua mira... e então... – Ele pausou, escutando a respiração calma tanto dela quanto a sua, ela segurava a arma com força e não desviava os olhos da garrafa como se ela fosse seu inimigo prestes a atacar. Estava atenta, com o dedo no gatilho preparada para disparar em um segundo apenas – Atire...

O som do disparo foi alto e acertou o vidro da garrafa a despedaçando completamente, os cacos de vidro pareciam cair em câmera lenta na grama. Ela se sentiu como em um filme de ação, a sensação de ver os disparos e a arma através do filme e ver como era na vida real eram completamente diferentes.

Tudo era real, e não fictício.

Estava ainda mais chocada que conseguira acertar o alvo de primeira. Se sentiu orgulhosa de si mesma.

- Viu? Não tem o que temer, mesmo que esteja em uma situação de vida ou morte com uma arma apontada para você saiba como agir – Naruto a soltou devagar olhando sua pose com a arma nas mãos, ele achou aquilo internamente satisfatório. Nunca achou que aquela menina assustada tinha garra desse jeito – Se você tiver medo de uma arma, não conseguirá raciocinar e nem mexer-se para sair da zona de perigo. Os medos nascem para serem superados Hinata, supere seus medos... – Sua mão foi até o topo de sua cabeça e de uma forma carinhosa fez um afago de leve em seu couro cabeludo.

A perolada ficou paralisada perante aqueles olhos azuis e pelo carinho, surpreendente, vindo dele. Naruto como se lembrasse de algo trouxe sua mão para si novamente, causando frustração em Hinata.

- Acabei de lembrar – A morena piscou diversas vezes prestando atenção em sua fala – Hoje vai rolar um racha, os caras vão e as meninas também, eu decidi ir também, quero correr um pouco, então você quer ir?

Hinata pensou seriamente sobre a oferta, nunca tinha estado em rachas, sabia que na cidade era bem famoso já que muitas das vezes adolescentes eram aprendidos por policiais, pois era contra a lei apostar corridas de alta velocidade. Mas mesmo assim muitas pessoas o faziam.

Ela estaria cercada de carros e muitas pessoas, que sabem até uma multidão, mas estaria com as meninas, suas novas amigas e... com ele. Não podia negar, se sentia segura perto de Naruto, era inevitável.

Deveria tomar novos ares apesar de tudo, pensar de forma positiva também.

- Quero – Assentiu com convicção.

- Certo – Ele olhou no celular as horas, o pôr do sol já dava seus indícios, voltou seu olhar para ela – Vai ser a noite, então é melhor começar se arrumar agora. Não sei que horas temos que estar lá

- O-O que eu devo usar? – Indagou tímida.

Nunca tinha pedido a opinião dele em seu armário, mas precisava saber com que roupa frequentar o local. Não sabia o que os outros usavam.

- A blusa que você quiser, e vá de short. Quem vai de saia normalmente é levantada pelo vento forte assim como vestidos

- E-Entendi – Imaginou a cena vergonhosa indo de saia e o vento levantar toda sua veste mostrando partes que eram estritamente proibidas – Obrigada

Deixaram o tiro ao alvo e foram para seus próprios quartos, para se arrumar e até passar um tempinho de bobeira antes de chegar ao anoitecer. Depois de algumas horas Sasuke mandou uma mensagem para o loiro marcando onde seria o ponto de encontro, o mesmo já estava arrumado, usava uma blusa preta de manga curta com um casaco jeans, uma calça jeans escura e botas cano alto pretas. Seus cabelos continuavam iguais, completamente arrepiados e rebeldes.

- Hinata! Vamos logo! – Gritou da sala, mexia no celular fazia um tempo enquanto esperava a morena descer.

Não bastou minutos para a mesma aparecer descendo as escadas, Naruto desviou o olhar da tela de seu celular para prestar atenção na nova presença e ficou chocado com sua beleza. Já sabia que ela era muito bonita desde que a sequestrou, mas a cada dia se surpreendia que sua beleza aumentasse mais. Ela usava uma blusa cinza com uma blusa xadrez vermelha, um short jeans preto curto e nos pés um tênis preto cano alto, seu cabelo estava preso em um rabo de cavalo alto e em seu rosto uma leve maquiagem deixando-a mais corada e um batom vermelho não tão chamativo.

Naruto admitiu naquele instante mesmo para si, estava babando só de olhar para ela. Teria que ficar em cima dela caso algum engraçadinho se aproximasse.

- Estou pronta! – Ela deu um sorriso empolgada.

- Está linda – Elogiou encarando descaradamente seu corpo de cima a baixo, Hinata corou levemente com seu olhar predatório sobre seu corpo na cara de pau.

- O-Obrigada... – O observou com mais atenção vendo que ele também estava muito bonito – Você também está... – Naruto fez careta, o que a perolada achou estranho – Algum problema?

- Seu short não está curto demais? Ele destaca muito bem a sua bunda

Se ela tinha corado pouco agora seu rosto tinha ficado completamente vermelho. Ele sempre falava sem pensar duas vezes.

- N-Não tem nenhum problema com meu short! E pa-pare de olhar minha b-bunda!

- Tudo bem se fosse apenas nós dois, mas vai chamar muita atenção. É melhor você trocar, não quero um bando de marmanjo te secando

“COMO SE VOCÊ JÁ NÃO O TIVESSE FEITO!”

- Não vou trocar nada e eu uso o que eu quiser. Nenhum homem tem o direito de dizer o que uma mulher pode ou não pode vestir, deixe de ser machista Naruto!

Deu-lhe uma olhada mortal e raivosa, o loiro arqueou uma sobrancelha para seu transtorno de bipolaridade tão repentino. Achou melhor não opinar mais ou ela poderia ficar mais raivosa ainda, mesmo a contragosto ele aceitou ela usar seu short. Ambos saíram da casa e entraram no carro de Naruto, o portão automático se abriu e o automóvel deu partida para seu destino, enquanto dirigia ele observava Hinata olhar pela janela as árvores que passavam. O silêncio era leve e tranquilo, o clima estava bom entre os dois.

- Nunca fui para um racha antes... – Hinata comentou com sua visão na janela.

- Sério? – Ele olhou para o lado e ela assentiu, sem olhar para ele – Não tem nada de especial, apenas muitas corridas e apostas grandes

- Apostas? – Perguntou interessada agora o olhando, ele assentiu – Você já fez alguma aposta?

- Algumas poucas vezes, sempre achei esses rachas entediantes então nunca me importei muito com isso

- Então você não corria?

- Não muito, não acho interessante correr se eu sabia que ia ganhar no final

- Você é bem humilde né? – Debochou cruzando os braços.

- Um pouco, eu sempre consigo ganhar de todos que competem comigo – Riu convencido – O Sasuke, Gaara e até mesmo o Shikamaru que é um preguiçoso

- Então você é o melhor no volante?

- Sim – Naruto pensou por um tempo, ficou pensativo e sentiu o sentimento de nostalgia se apossar de seu peito dando um sorrisinho – Mas tem alguém que consegue me vencer...

Hinata percebeu o sorriso mínimo que ele deu, ficou interessada e curiosa para saber quem era que conseguiu tirar um sorriso dele.

- E quem é? – Ela franziu o cenho.

- Seu nome é Yugito, ela é uma ótima corredora, se duvidar até melhor do que eu. Nós sempre competíamos para ver quem ganhava em um racha e sempre ela me vencia, eu conseguia vencer ela também, mas aquela mulher conseguia me pôr para trás de uma maneira inacreditável

Naruto falava de sua velha companheira com carinho e saudade, fazia anos que não a via e estava sentindo falta de apostar corridas de alta velocidade com ela. Hinata por outro lado escutava-o falar com tanta vontade sobre ela que sentiu algo incomodo com o modo que ele falava.

- Ela era sua namorada? – Sua pergunta saiu sem pensar duas vezes, ela arregalou os olhos por ter saído tão de repente. Ficou envergonhada com sua atitude e impulsividade.

Mas antes que seu rosto pudesse ficar mais vermelho ela ouviu a gargalhada alta que Naruto soltou, ela achou-a muito gostosa até porque ele ria com vontade. Franziu o cenho para sua crise de risos incontida.

- Qual a graça?!

- Você, você é a graça – Limpou seus olhos marejados pelo riso com a mão – Essa piada foi boa Hinata, boa mesmo

- Como assim? Não estou entendendo...

- Yugito e eu nunca ficamos nem nada, a considero uma irmã para mim e outra ela já é casada e já deve ter tido seu filho

Hinata arregalou os olhos e desviou o olhar do dele se sentindo muito envergonhada. O que tinha sentido era uma coisa que ela jamais pensou em ter naquele momento. Ciúmes. Pera... Hinata com ciúmes, não, devia ter sido outra coisa diferente. Bom, pelo menos foi o que ela pensou. Se sentiu irritada com isso, afinal, por que ela sentiria ciúmes?

Dele?

De jeito nenhum.

- Você falou dela com tanta saudade, eu pensei que...

- Pensou que eu estivesse com ela? – Completou rindo – Eu senti seu desconforto. Isso foi ciúmes?

- C-CLARO QUE NÃO!

- Sei

O assunto deu por encerrado, Naruto ficou calado e Hinata fez o mesmo pedindo para chegarem logo no ponto de encontro. Por sorte eles chegaram em poucos minutos, encontrando o carro de Sasuke, Naruto parou seu carro ao seu lado direito e abaixou o vidro para poder falar com ele.

- Ei, teme! – O chamou, o vidro foi abaixado também revelando Sasuke no volante e Sakura no banco do passageiro – Onde fica esse lugar hein?

- E eu vou saber?! O Gaara que frequenta sozinho, ele disse apenas para virmos para cá – O loiro estalou a língua se irritando.

Hinata sorriu para Sakura acenando para ela, feliz por ver sua amiga novamente.

- Que droga, vou ligar para ele – Naruto pegou seu celular discando o número do ruivo, mas caiu em caixa postal – Merda!

- Acha que ele tá tirando uma com a nossa cara? – Indagou Sasuke.

- Se for eu o mato!

Um barulho se fez ouvir atrás dos carros, Naruto e Sasuke olharam para trás vendo outro carro chegar e parar ao lado esquerdo do carro do moreno. O vidro preto foi abaixado revelando ninguém mais ninguém menos que Sai.

- Boa noite – Sorriu – Vou mostrar o caminho para vocês

- E o resto do pessoal? – Questionou Sasuke franzindo o cenho.

- Já devem estar lá, o local é muito privado e afastado por isso devemos tomar cuidado para não sermos seguidos por ninguém e muito menos a polícia – Sai explicou sorrindo.

- Que seja, vamos logo – Naruto falou impaciente.

O carro de Sai foi na frente e o carro de Sasuke começou a segui-lo, o carro de Naruto logo foi atrás. Ele sentia que algo estava errado, como se algo estivesse para acontecer e era uma coisa ruim. Suspirou profundamente atraindo a atenção da perolada.

- O que foi? – Perguntou preocupada.

- Estou com um mal pressentimento...


Notas Finais


Até a próxima


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...