História Sem Clichê (Diabolik Lovers) - Capítulo 24


Escrita por:

Postado
Categorias Diabolik Lovers
Personagens Ayato Sakamaki, Azusa Mukami, Carla Tsukinami, Kanato Sakamaki, Kou Mukami, Laito Sakamaki, Personagens Originais, Reiji Sakamaki, Ruki Mukami, Shin Tsukinami, Shu Sakamaki, Subaru Sakamaki, Tougo Sakamaki "Karlheinz", Yui Komori, Yuma Mukami
Tags Carla, Diabolik Lovers, Família Desconhecida, Guerra, História, Morta, Mukami, Sakamakis, Sem Clichê, Shin, Sozinha, Subaru, Tougo, Tsukinami
Visualizações 25
Palavras 1.092
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Poesias, Romance e Novela, Survival, Suspense, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 24 - Joguinhos? Chega!


...me encurralando direcionando seus olhos vermelhos, todos eles, ouvi sua risada cortar o lugar e uma dor familiar na barriga vir, olhei para baixo e vi que um deles havia cortado minha barriga que agors jorrava sangue.

Comecei a gritar e esperar, pedindo que acordassem, mas não me ouviam, Até perder minhas forças e cair no chão gelado, o chão logo se tornou vermelho e o lugar sumiu dando a um chão de terra com capim alto, uma árvore no centro.

Uivos, gritos de dor, ordens sendo gritadas.

Disparei a correr por onde o som vinha e entrei na floresta a minha frente, continuei correndo mas nunca chagava ao fim.

O barulho se intencificava até chegar em um abismo de onde o barulho vinha, i chão derrepente ficou vermelho, o céu cinza escuro e do outro lado um campo de batalha, vários corpos de animais, pessoas ou criaturas, muitos cadáveres, muitos mesmo.

No horizonte a minha frente uma linha vermelha no céu antes de subir e chegar a parte cinza.

Fui empurrada e cai no abismo um feio na barriga percorreu por meu corpo e gritei abrindo os olhos e vendo Carla assustado assim como Shin olharem pra mim.

Carla- O que você viu?

Hana- Vocês...Sangue... cadáveres... - ele me aperta mais nos braços e disparo a chorar.

Carla- Tudo bem, foi só um pesadelo - paramos e ouvi um uivo - Chegamos

Abri meus olhos e olhei para frente, o chão coberto de névoa e já estava de noite, um enorme muro bloqueava a vista, em cima dos muros vultos andavam de um lado para o outro com armas pesadas.

Um portão de madeira e ferro pesados fora aberto e entramos, armas foram apontadas para nós.

Carla- Tirem essas armas pontadas para nós! Onde já se viu duvidar do próprio dono do lugar!

As armas foram recolhidas e o portão fechado.

Yagi- Hana! - ouvi a voz de Yagi e pulei do colo de Carla correndo em sua direção, antes que eu pudesse chegar perto o lobo preto pulou em cima de Yagi e lambendo seu rosto.

Os caras uniformizados apontaram as armas para o lobo prontos para atirar.

Foram destrava das e entrei em pânico 

Hana- NÃO ATIREM ELE É MEU É NÃO VAI FAZER NADA PRA NINGUÉM - no mesmo momento ele desviaram a atenção do lobo e moraram as armas para mim, recuei um passo olhando todos.

Novamente com os dedos no gatilho das armas elas foram disparadas, cobri meu rosto com as mãos esperando as balas e flechas me acertarem.

Isso não aconteceu então abri os olhos dei de cara com as munições suspensas no ar. Respirei aliviada e parece que com esse ato elas caíram no chão.

O lobo voltou para meu lado se enfiando por baixo da capa vermelha, me abaixei fiz carinho em suas orelhas.

Eles mantinham o olhar sobre mim, isso era incômodo. Até Carla vir em minha direção a afastar todos.

Carla- Todos aqui ficam desconfiados de qualquer pessoa nova que entra aqui, a primeira pessoa que eles não atiraram quando entrou.

Hana- Eles.... eles atiraram em mim - dou um sorriso torto.

Carla- Como...

???- Tsukinami Carla já estão preparados para partir - um cara grande portando uma escada na bainha presa ao sinto falou fazendo uma reverência - Quem é ela?

Carla- Tsukinami Hana - ele fez uma cara de espanto e faz uma reverência pedindo desculpa - Mande essa e prepare mais algumas mandaremos mais se precisar.

???- Está bem, com licença - ele sai gritando ordens...como as do sonho...

Yagi- Que bom que você chegou, eu não aguentava mais o Carla ficar se perguntando se você estava bem - ele olho para trás de mim - Cadê as meninas?

Eu senti um soco em minha barriga, me curvei e meus olhos se encheram de lágrimas, vai de joelhos e meu rosto encharcou com as lágrimas salgadas. Eu tinha me esquecido delas...eu não acredito...eu esqueçi...

Yagi- Hana?! - ele se agachou me levantando - Onde está Flora e May?

Hana- Elas...eu...sai...uma horinha...voltei...tinham sumido, fui procurar...e encontrei o cheiro de sangue...em uma casinha numa cidade abandonada... - desato a chorar novamente.

Yagi- Uou... - o lobo preto lambe minha mão e faz uma carinha fofa.

Shin- Você só chora, não parou dês de wue saiu daquela casa - àquele comentário maldoso de Shin me fez ferver de raiva e para de chorar para olhar seu rosto que esboçava um sorrisinho debochando de minha cara.

Minha vontade era de pular em seu pescoço e o torcer quebrando, Carla chegou por trás e pousou a mão em meu ombro.

Carla- Shin volte ao seu trabalho e Yagi também, Hana vem comigo - Shin e Yagi desaparecem e eu sigo Carla entrando naquela casa enorme, parecia mais uma organização secreta camuflada, usando o muro como proteção, não tinha janelas de vidro claro e sim escuro, tanto fora como dentro tinham cores escurasbe era frio.

Andamos por corredores e descemos escadas entrando mais a fundo no chão, ele para em frente a uma porta e abre.

Carla- Meu quarto, ninguém vai entrar aqui, então ninguém irá te perturbar a não ser quando eu mandar alguém te chamar, pode andar mas não se perca e não se meta em confusão - ele suspira fechando a porta - Tem gente que ainda não acredita em você, então não de trabalho.

Hana- Por que me trouxe aqui?

Carla- Seu que tem milhares de peguntas mas não vai dar pra responder agora - ele se aproxima de mim e me beija nescessitado, segura minha cintura com força e me leva para a cama me deitando.

Carla- Não sabe o quanto foi torturante ficar sem ver seu corpo - ele tira o capuz vermelho e o jogo em algum canto, tira meu vestido deixando apenas de calcinha.

Meus seios amostra, ele passa a mão por minha barriga e leva até meus seios os apertando. Uma descarga elétrica corre por meu corpo quando ele toca.

Hana- A-Ah... - gemi quando ele abocanhou um dos meus seios e apertou o outro. 

Quando ouviu mais um gemido alto ele parou e arrumou suas roupas olhando para mim.

Carla- Eu vou ter que deixar pra mais tarde, eu tenho que resolver umas coisas - ele sorri pervertido e me deixa no quarto nua e sozinha, abri a porta e deixo espaço para que o lobo entre e pule na cama se aninhando nos cobertores.

Fecho a porta e rodo a chave por precaução.

Hana- Ele é um vagabundo mesmo - meu corpo fervia e minha intimidade doia, esses joguinhos tinham que acabar, eu não estava aguentando mais.

Mexo em seu guarda-roupa e pego uma blusa de pijama dele, coloco e fico sem nada mesmo, deito na cama e abraço o lobo.

Hana- Eu preciso dar um nome pra você...


Notas Finais


Fantasma
Ou
Tempestade
Um nome pro lobinho ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...