1. Spirit Fanfics >
  2. Sem Identidade >
  3. Desespero P.1

História Sem Identidade - Capítulo 2


Escrita por:


Capítulo 2 - Desespero P.1


2 anos atrás:

(Escola)

-Você é um idiota sem noção!

Duas garotas e dois garotos jogavam coisas em mim e repetiam a mesma frase. "Você é idiota! Tenho nojo de você!".

Estávamos no topo do prédio da escola. O sinal bate, eles pegão seus pertences e voltam novamente para suas respectivas salas. Eu não volto, fico ali por mais um tempo. Me sento no banquinho e ali fico. Eu estava sujo, eles tinhão jogado diferentes tipos de comidas em mim, suco, feijão, varias mesmo. Quase todos dias eram assim. De repente ouço passos subindo as escadas rapidamente.

Era uma menina.

Ela segurava seu celular fortemente em sua mão. Ela corria muito rápido em direção a ponta do prédio. A garota estava com seu rosto direcionado para frete, estava focada, então provavelmente não me viu ali. Eu continuei sentado, provavelmente tinha brigado com sua mãe pelo celular, com algum namorado, já que a maioria dos estudantes dessa escola estava namorando. Ao redor do prédio tinha, claro, um ferro para que nenhum acidente ocorra.

A menina parou em frente a esses ferros. Ela chorava loucamente. "O que a deixou tão triste?".

Depois de parada ali, ela leva seu celular deixando em sua visão, e assim começa a digitar algo. "seria o número de alguém?". Eu apenas a observo.

-Mãe como você tem coragem de fazer isso?

-...

-Mas eu sou sua filha

-...

-Você não me ama?

-...

-O Brayan nem é seu filho de verdade. Ele é daquele traste

-...

-Não falar mau dele? Ok! Você realmente não liga para mim?

-...

-Para de ser falsa. Eu estou cansada disso. Tudo é Brayan. "Ele é melhor que você. Ele se esforça mais que você. Você deveria estudar mais para ser alguém na vida" Realmente as notas de sua filha é mais importante do que o psicológico dela? Você só pensa no Brayan. Estou cansada disso. Você me tirou da coisa que eu mais gosto. A única coisa que eu fazendo me sentia bem, para me colocar em aulas extras?

-...

-Para o meu bem? Você nunca faz nada para o meu bem. Qual é o filho que você protegeu quando aquele desgraçado estava bêbado, e batendo loucamente nos seus filhos? Apenas Brayan. Você deixou ele quebrar meu braço, eu fui acertada por uma garrafa, uma garrafa de vidro. Você só me levou para o hospital porque Brayan te pediu loucamente.

-...

-Eu gosto do Brayan, mas realmente é necessário você fazer tudo isso só para ele? Me deixando sofrer? Qual nesse exato momento esta estudando em uma escola particular, o Brayan. Você realmente me vê como uma inútil...

A menina já estava perdendo seu controle. Ela falava e chorava loucamente, sua situação realmente era lamentável.

-Quer saber estou cansada dessa vida. Apenas saiba de uma coisa. Eu te odeio, porem amo mais o meu irmão que não e de sangue. É prazeroso ouvir isso? Acho que não. Mas saiba você uma coisa. No jornal irá sair uma notícia mais horrível ainda.

A garota de repente começa a escalar loucamente aqueles ferros. Apesar de proteger um pouco não era o suficiente, pois era possível de se escalar ali. Eu rapidamente me levanto e corro em direção da menina.

-Eu realmente te odeio, até nunca mais! Pelo menos saiba, um dia te amei mas, agora como não posso te desejar morta, eu estou fazendo isso, agora você esta livre de mim.

Ela desliga seu celular e joga para baixo do prédio. O celular se estilhaça no chão. Como havia algumas pessoas na rua algumas levarão um susto e olharão rapidamente para cima.

Uma garota estava preste a cometer algo horrível.

As pessoas começarão a pegar seus celulares e discar o numero de socorro. Eu não poderia simplesmente gritar 'menina!', 'não faz isso!' ou pegar em seu braço, ela poderia se assustar e acabar caindo, afinal ela já estava do outro lado, se ela soltasse o ferro, cairia de uma altura relativamente alta. A menina ficou ali por um tempo, não queria fazer isso. A garota segurava fortemente o ferro.

As pessoas que foram chamadas no local, foram se posicionado para salvar a vida dela. Ela estava chorando loucamente porem, quando viu as varia pessoas la em baixo foi possível ouvir uma palavra:

-Desculpa

Logo depois disso tive que agir, ela ia se soltar, peguei o braço dela rapidamente, porem ela era um pouco mais forte que eu. Como suspeitei, a menina tomou um susto e acabou se soltando. Agora eu estava no lugar dela e ela estava pendurada por mim no ar. Ela gritava escançadamente "me solta" porem, como sempre, chorando. Meu coração parecia que ia explodir a qualquer momento, ele parecia uma bomba na sua contagem final.

As pessoas gritavam assustadas.

Minha mão já estava escorregando da dela e também do ferro. Ela começou a se balançar dando um jeito para que eu não consegui-se segurá-la, e foi exatamente isso que aconteceu. Porem, não foi ela quem eu soltei sem querer e sim o ferro.

Nós caímos juntos, eu a protegi porem, ninguém obviamente me protegeu.

Ela caiu no lugar certo porem, eu cai um pouquinho mais para esquerda, e não reto, havia apenas um colchão, então isso me fez ficar desacordado por um longo tempo. Ela saiu ilesa. Eu conseguia ouvir de fundo algumas pessoas comemorando, mas depois já mudando de ideia vento que eu tinha me ferido. Sinto algumas pessoas me tocando e assim eu desmaio.

 

[Hospital. / Visão de alguns médicos.]

Múltiplos médicos corrião de um lado para o outro. Dois pacientes haviam chegado, um em cada maca porem, em quanto um estava bem o outro estava totalmente em sua situação final.

-Eles acabarão de cair do topo de uma escola.

Isso foi o que um dos que estavam colocando as macas para dentro do hospital falou.

-A garota parece estar bem, apenas trouce para conferir, porem eu suspeito da situação do garoto.

Na ambulância do garoto, médicos de primeiro socorros observavam encasadamente os batimentos dele que estavam uma loucura. O menino estava vivo por um milagre porem, se não o socorressem logo sua história poderia ter um final nesse exato momento.

Os médicos corrião para salvar uma vida. Já tinhão conseguido conectar o aparelho de batimento cardíaco, o que facilitava na hora de socorrer o garoto.

-Os batimentos dele esta irregular! -Grita um dos médicos.

Estava uma muvuca irreconhecível. Alguns corriam para algumas salas e traziam aparelhos, eles não podiam perder tempo.

-Ele esta ficando sem oxigênio! -Grita o médico desesperado

 

(Informação extra:

Dias antes de uma determinada ligação:

-Vai! Pega a merda dessa passagem logo

-Eu não quero! Quem você pensa que você é?

-Seu marido?

-Já fez um ano que nos separamos

-Mesmo assim. Foda-se você vai para Ianev, hoje a noite

-Mas eu não quero!

-Você vai, eu não gastei 20 Mil reais em uma passagem para Ivanev. Você sempre quis.

-Está certo mas, eu sempre quis ir com a minha família, com meus filhos, e não ser mandada sozinha para lá

-Já está confirmado, você vai essa noite

-Onde você colocou Subian?

-Ela já esta longe

-E o meu...

-Já não esta mais aqui -Interrompe a moça

-??? Como assim?

-Acabou a sua linha de vida- O homem abre a porta e a fecha, saindo do quarto da mulher.

-Ele esta morto? Você o matou? Me responda seu desgraçado! -A mulher grita em meio de seus prantos, lagrimas e mais lagrimas escorriam pelo seu rosto moreno e caiam no chão sem uma pausa, ela chorava enquanto gritava sem parar "Onde está meu filho? Eu quero ele de volta! Por favor me devolva meus filhos! Você o matou? Me devolva eles!"

[...]

Horas se passaram, a mulher já tinha parado de chorar poucos minutos atras, ela tomava banho.

A moça se vestiu, pegou sua grande mala preta e bateu em sua porta.

-Já estou pronta -Fala ela em tom de tristeza.

Depois de um tempo a porta é aberta pelo lado de fora.

-Não ouse se descomportar no meio do caminho -Fala o homem em um tom medonho

O homem a leva para o aeroporto. Chegando lá eles esperam cerca de 3 horas, afinal era um voo internacional.

'Atenção passageiros do voo 178 com destino a Ivanev, embarque autorizado no portão 21'

E os dois foram para o portão de embarque. Depois de um tempo, antes de entrar ela se virou e o perguntou?

-Quando eu voltarei?

-Daqui dois anos. Boa viagem! -Ele se virou e saiu, e a mulher seguiu o seu caminho para dentro do avião.

Depois de um pequeno tempo quando o avião já se encontrava no ar, sua ficha caiu "Eu estou viajando para outro país, sem saber onde meus próprios filhos estão. Eu sou uma berração" O que a fez voltar a chorar novamente.

Essa foi a ultima vez que Alynna foi vista.

Cidade:City Of Flowers

Pais: Mennax

Horas:00:30

Já o homem duas semanas depois mudou-se da grande casa, e também nunca mais foi visto.)


Notas Finais


Sim essa ultima parte não faz nenhum sentido com o capitulo inteiro. Essa parte era do prologo que ia ser postado, porem eu mudei de ideia, e decidi não postar. Mas, duas determinadas partes que tinhão no prologo são realmente muito importantes, ou seja eu estou tendo que postar no final de algum capitulo, para que mais para frente faça sentido.

Como foi dito, essa parte vem antes de uma determinada ligação. Quando aparecer novamente, informação extra, agora vocês sabem que faz parte do prologo, e estão ligadas. Parece confuso agora mas, pode ter certeza que no final faz sentido eu não ter apagado elas e ter feito de conta que nunca existiu um prologo...

Foi isso! Espero que não tenham ficado muito incomodados com isso. Vai por mim, faz sentido kkkkkk...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...