1. Spirit Fanfics >
  2. Sem Influência >
  3. Capítulo 17 Procura-se

História Sem Influência - Capítulo 17


Escrita por:


Notas do Autor


Oi gente! Bom dia! Como vocês estão? Senta que lá vem capítulo! Espero que gostem e comentem ok? Boa leitura! ♥

Capítulo 17 - Capítulo 17 Procura-se


Sasuke estava de folga no final de semana, mas dessa vez não passou os dias com os filhos porque Indra e Ashura foram numa festinha de aniversário de um dos coleguinhas da escola com Sakura. Portanto, o Uchiha tirou o sábado e também o domingo para procurar um apartamento para alugar em Nova York. No entanto, ele não contava que fosse tão difícil alugar nas redondezas da cobertura da ex-mulher. Quando Naruto chegou no casarão dos Uchiha para visitar o amigo, ficou surpreso com o afinco do moreno em achar um novo lar para chamar de seu.

- Oi, Sasuke. Já achou o seu apê? Quero que me convide pra passar as férias lá ok? Boruto me contou da sua mudança... – Disse Naruto, se aproximando de Sasuke e então se sentando ao seu lado no sofá. 

- Primeiro, eu preciso encontrar um apartamento decente. Tudo perto da Sakura é caro demais, afinal ela mora na Quinta Avenida. Pensava que um apartamento menor caberia no meu bolso, mas fica muito caro pro meu salário de professor universitário. – Comentou Sasuke visivelmente frustrado.

- Por que você não aluga um loft no brooklyn? Ia sair bem mais barato. – Opinou Naruto.

- Porque eu não quero. – Respondeu Sasuke.

- Boruto tem razão. Você não vai conseguir achar um lugar decente porque quer se enfurnar na cobertura da Sakura. – Riu Naruto.

- Não é isso. Só que eu quero ficar perto dos meus filhos.  Mudar de cidade não vai ter valido a pena se eu morar longe deles. – Justificou Sasuke.

- Então, por que você não abre logo o jogo com a Sakura de que qualquer apartamento perto dela é caro demais pra você?  - Questionou Naruto.

- Porque depois do que o Boruto disse vai parecer que eu estou fazendo de propósito.

- Bem, Boruto me contou que Sakura se propôs a achar um apartamento pra você. Certamente, ela vai achar...

- Ela já é tão ocupada que eu realmente não queria dar mais esse trabalho para ela. – Afirmou Sasuke.

- Você ainda tem tempo pra achar o lugar perfeito! Seja otimista! O Sai não está morando lá? Quem sabe ele possa te ajudar?

- O Sai divide um apartamento com a Shizune, que trabalha para a Sakura. Então, se eu pedir a ajuda dele vai chegar aos ouvidos dela rapidinho.

- Não custa nada tentar e pedir pro Sai ficar de bico calado. E, mesmo se chegar aos ouvidos da Sakura, que mal tem você estar pedindo ajuda para encontrar o lugar ideal?

- Verdade. Vou falar com ele, Naruto. Obrigado pelo conselho.

 

[...]

 

Boruto estava sozinho em casa com Saori. Sarada havia saído cedo para tocar numa cidade vizinha e só voltaria tarde da noite. Então, pai e filha tiraram o dia para brincar. Primeiro, de boneca. Depois, passaram para uma corrida de carrinhos, fizeram uma pausa para o almoço e então Boruto se dedicou e ensinar a pequena a jogar no videogame. Como tinha apenas 3 anos, não entendia direito as regras, mas achava divertido apertar os botões. Durante a brincadeira, Boruto ouviu a campainha tocar, então pausou o jogo e foi ver quem era, se deparando com Naruto e Sasuke.

- Oi, papai e Sasuke! Entrem! Como vocês estão? – Perguntou Boruto dando espaço para os dois passarem.

- Estamos bem. Cadê Sarada e Saori? – Questionou Sasuke.

- Sarada foi tocar na cidade vizinha, só volta mais tarde. Saori está brincando. – Respondeu Boruto.

- Cadê a princesinha do vovô? – Disse Naruto logo em seguida e ouviu Saori correndo em sua direção, então ele a pegou no colo.

- To aqui vovô! – Respondeu Sasori animada.

- Vou sentir ciúme hein? – Comentou Sasuke fingindo estar emburrado.

- Eu te amo também, vovô Sasuke. – Disse Saori.

- Agora, vocês só vêm aqui por causa da Saori. Esqueceram que tem filho e afilhado é? – Retrucou Boruto.

- Sem drama, filhão. Você sabe que a Saori é a coisinha mais linda desse universo. – Disse Naruto ainda com a neta nos braços.

- Vá se acostumando que Saori agora é o centro do nosso Universo. – Afirmou Sasuke.

- Vamos brincar Saori? – perguntou Naruto.

- Vamos! – Gritou a menina, então Naruto a colocou no chão e ela guiou ele e Sasuke até a frente da TV para brincarem no videogame.

Após um tempo brincando com Saori, Sasuke deixou a neta numa partida com Naruto e se concentrou em conversar com o genro.

- Vocês vão ficar bem comigo, a Sakura e os gêmeos fora de Konoha? – Perguntou Sasuke a Boruto.

- Eu sei que o senhor se preocupa com a gente, Padrinho. Mas já somos bem grandinhos e temos uma boa rede de apoio aqui. Conseguiremos ficar bem. – Afirmou Boruto.

- Não se preocupe Sasuke. Eu e Hinata vamos ficar de olho nos três. Além disso, eles podem contar com Itachi, Izumi e os seus pais. – Comentou Naruto.

- Viu? Não tem motivo pro senhor ficar pesaroso em ir. – Garantiu Boruto.

- Eu nunca deixei Konoha. É estranho partir agora. Sinto que minha vida é aqui. – Soltou Sasuke.

- Mas está indo pra recuperar a sua família né? – Perguntou Boruto.

- Sinto que se deixar a Sakura ir embora com os gêmeos agora ela nunca vai voltar. No início, ela fala que é apenas por um ano, mas se a função como jurada for boa e ela mudar de ideia? Eu fico me questionando se essa mudança pode ser definitiva depois que nos mudarmos. – Revelou Sasuke.

- Se Sakura falou que é temporário, é porque é. Ela não tem motivo para mentir. – Ressaltou Naruto.

- Acho que a questão meu pai não é ela estar mentindo, mas ter a intenção de voltar à Konoha só que algo no meio do caminho fazê-la mudar de ideia. É esse o medo do padrinho. – Resumiu Boruto.

- Bom, eu duvido muito que ela queira ficar lá por mais tempo. As crianças adoram Konoha. A família toda está aqui. – Opinou Naruto.

- Verdade, padrinho. Sakura não ia aguentar ficar por muito tempo longe de Sarada ou deixar de ver Saori crescer. – Acrescentou Boruto.

- É. Tomara que vocês tenham razão.

Boruto então trocou de lugar com Naruto e brincou com Saori por um tempo até que a menina ficou sonolenta e Sasuke se prontificou para colocar a menina para dormir. Enquanto Naruto e Boruto jogavam videogame, Sasuke levou Saori para o quarto, pegou um livrinho e começou a ler uma história para a neta dormir. Saori estava bastante sonolenta, quando Sarada chegou e ficou na porta observando o seu pai com a filha. O Uchiha então cobriu a neta e na hora que estava saindo do quarto se surpreendeu com a presença da filha.

- Você já chegou Sarada? – Perguntou Sasuke.

- Cheguei. Quando passei pela sala Boruto e o Naruto estavam muito compenetrados no jogo, mal me olharam quando perguntei onde estava Saori e aí eles disseram que estava aqui com você pai. Fiquei feliz em saber que veio nos visitar. – Garantiu Sarada.

- Vim enquanto ainda posso. Vou sentir saudade de vocês quando me mudar. – Afirmou Sasuke.

- Eu sei, pai. Vamos para a sala? Aí o senhor me conta melhor a saga pelo apartamento em Nova York. – Disse Sarada então caminhou com o pai até a sala e se sentaram no sofá enquanto Naruto e Boruto ainda jogavam.

- Está muito mais difícil do que eu imaginava encontrar um apartamento legal próximo da sua mãe por um preço ok. – Confessou Sasuke.

- Do lado do dela o senhor não vai conseguir mesmo. Deveria pedir a ajuda dela logo. Mamãe tem muitos conhecidos, talvez, alguém esteja alugando um bom apartamento por lá. – Sugeriu Sarada.

- Naruto sugeriu que eu fale com o Sai. Talvez, ele possa me ajudar. – Comentou Sasuke.

- Pode ser. Fale com ele então.

- Vou falar em breve.

- Papai, por favor, não estrague as coisas em Nova York. Lá, o senhor terá a chance de fazer a mamãe perdoá-lo. Então, aproveite. Está bem? – Pediu Sarda.

- Eu vou fazer o meu melhor para provar a sua mãe que mudei e sou digno do amor dela. – Afirmou Sasuke

 

[...]

Karine tinha tirado um peso dos ombros após descobrir os segredos de Karin. Agora, se sentia mais próxima da irmã além de ter encontrado um lugar agradável para reconstruir a sua vida. Desde que chegara a Konoha sua única amizade era Haku. Apesar de ter se aproximado de Sasuke e de Itachi, não era íntima deles. Então, apesar de ter uma boa vida na cidade que escolhera para chamar de lar, a ruiva ainda se sentia muito sozinha fora do trabalho.

No seu dia de folga, a recepcionista do hospital foi jantar fora sozinha. Quando pediu mesa para um, ela se sentiu um pouco triste. No entanto, não tinha o que fazer. Diferente dela, Haku estava trabalhando e não poderia acompanhá-la.

Quando estava esperando pelo seu prato, Karine foi pega de surpresa pela presença de Neji no mesmo restaurante. De longe, ela cumprimentou o médico, que, em seguida, veio até a sua mesa.

- Olá, Karine. Jantando sozinha? Está tudo bem? – Perguntou o pediatra.

- Está tudo bem, doutor Hyuuga. Haku não pode me fazer companhia esta noite. Então, vim aproveitar a minha folga aqui, no meu restaurante preferido. – Respondeu Karine.

- Pode me chamar só de Neji fora do hospital. Eu também vim jantar sozinho. O que acha de jantarmos juntos? Assim fazemos companhia um ao outro... – Sugeriu Neji.

- Acho uma ótima ideia! Sente-se! – Pediu Karine, então Neji se sentou à sua frente e fez o seu pedido ao garçom.

- Itachi me contou sobre revelar o segredo de Karin a você, do drama envolvendo a esposa dele. Que bom que agora tudo foi resolvido, não é? – Comentou Neji durante o jantar.

- Sim, eu vim pra cá pra conhecer a minha irmã e fiquei satisfeita por ter acesso a detalhes de sua vida. Karin não teve uma vida fácil, mas foi bastante intensa. – Contou Karine.

- Perder alguém que a gente ama é muito difícil. Imagino a sua dor de ter vindo conhecer a sua irmã gêmea e então receber a notícia de que ela faleceu...

- Sim, foi realmente um banho de água fria a notícia da morte dela. Mas, por sorte, Sasuke e Itachi foram muito solícitos e me deram a chance de conhecer como a minha irmã era. Acho que teríamos sido grandes amigas se ela estivesse viva.

- Imagino que teriam sido mesmo. – Concordou Neji.

- Me desculpe por tocar no assunto, mas todos no hospital falam sobre a perda que o senhor teve. O acidente que vitimou a sua esposa deve ter deixado marcas profundas, certo?

- Primeiro, não me chame de senhor. Temos praticamente a mesma idade. E, sim, a minha perda deixou muitas marcas. Tenten era tudo o que eu tinha e, de repente, não havia mais nada. Foquei no trabalho totalmente.

- Ok, vou tratá-lo por você fora do hospital então. Neji, você sabe que os funcionários do hospital adoram uma fofoca né? Todos comentaram da sua briga com o Sasuke por causa da Sakura.

- Aquela briga me custou qualquer chance que eu tinha com a Sakura. Me arrependo profundamente de tê-lo provocado. – Admitiu Neji.

- Então, você ainda é apaixonado pela Sakura? – Perguntou Karine.

- Acho que sim. Ela foi a primeira mulher que me impressionou após a morte de Tenten. Cheguei a ter uma namorada por algum tempo, mas nada que me fizesse sentir como antes. Acho que Sakura foi a única até então que acendeu o meu interesse. Mas, infelizmente, isso também acabou.

- Entendi.

- O que mais os funcionários do hospital fofocam ao meu respeito? – Perguntou Neji curioso.

- Falam também do quanto você é bom cuidando das crianças e que imaginam como seria um bom pai. – Revelou Karine.

- Concordo com eles. Espero ainda ter tempo de construir uma família. – Afirmou Neji.

 

[...]

Depois do jantar com Karine, Neji ficou pensativo sobre a conversa com a ruiva e voltou a pensar em Sakura. Não tinha falado mais com ela, então resolveu ligar pra saber como ela estava.

- Oi, Neji. – Disse Sakura assim que atendeu à ligação.

- Oi, Sakura. Liguei porque estava pensando em você. Faz tanto tempo que não nos falamos. – Disse Neji.

- Eu andei bastante ocupada ultimamente. Aconteceu algo? – Questionou Sakura.

- Fiquei sabendo que vai se mudar. – Comentou Neji.

- Sim, eu vou com meninos. Recebi uma proposta boa de trabalho em Nova York. Será temporário, mas acredito que será bom para todos nós.

- Não será bom para mim. Vou te perder. – Lamentou Neji.

- Neji, nós somos amigos. Flertamos por um tempo, mas nossa relação não irá para frente. Não depois da sua briga com o Sasuke. Pensei que já tivesse deixado claro isso. – Comunicou Sakura.

- Você deixou claro, mas ainda estou apaixonado por você. – Declarou Neji.

- Eu lamento muito, mas não sinto o mesmo. Você precisa de alguém que possa corresponder seus sentimentos. Essa pessoa não sou eu, Neji. – Explicou Sakura.

- Eu não canso de levar um fora seu né? – Riu Neji amargo.

- Não penso isso de você. Respeito seus sentimentos por mim, só que a gente não daria certo. Se algum dia eu arranjar um novo namorado, essa pessoa precisa ter um bom convívio com o Sasuke, afinal ele é o pai dos meus filhos. Quando nós tentamos nos relacionar, percebi que isso não seria possível.

- Dei um tiro no meu próprio pé comprando briga come ele...

- Sim, infelizmente. Neji, saiba que eu o admiro muito e torço para que encontre alguém bacana que possa fazê-lo menos solitário.

- Que ódio! Eu não consigo nem sentir raiva de você me dando o fora. Por que é tão adorável, Sakura? – Desabafou Neji e Sakura riu.

- Eu só quero me sentir digna de ter cativado o seu afeto. Não quero magoá-lo, mesmo sabendo que de alguma forma estou fazendo isso.

- Seria mais fácil te esquecer se você fosse alguém desprezível.

- Se eu fosse assim, um cara legal como você não teria se apaixonado por mim. Agora, Neji, siga em frente. Será mais saudável até pra nossa bela amizade. – Pediu Sakura.

- Ok. Prometo que vou tentar. Ah, Sakura! Vou sentir saudade de você quando estiver longe com as crianças.

- Eu voltarei logo! Você vai piscar os olhos e estarei de volta a Konoha. – Prometeu Sakura.

 

[...]

 

No dia seguinte, Sasuke resolveu ligar para Sai. O amigo havia se mudado para Nova York alguns anos antes por causa da relação com Shizune e não havia se queixado. Pelo contrário, o pai de Inojin estava completamente adaptado à nova rotina e o namoro com a assistente de Sakura ia muito bem.

- Oi, Sai. – Disse Sasuke assim que ouviu o outro dizer alô.

- Oi, Sasuke. Tudo bem? Shizune me contou que você vai se mudar junto com a Sakura para cá. Você vai adorar morar em Nova York. – Comentou Sai.

- Tudo bem. Ah, eu te liguei por isso mesmo... Estou tendo dificuldade de encontrar um apartamento legal próximo da Sakura. Você acha que pode me ajudar com isso? – Pediu Sasuke.

- Vou ser sincero. Para alugar algo perto da casa dela você vai gastar uma fortuna. – Disse Sai.

- Eu sei. Eu to procurando já há um tempo e não tem nada que seja bom, bonito e barato.

- Você já pensou em dividir o apartamento com alguém? – Sugeriu Sai.

- Com quem? Eu não conheço ninguém aí além de você e da Shizune.

- Tá aí! A gente tem um quarto de hóspedes. Você pode ficar aqui. São só 12 meses. O que acha? – Propôs Sai.

- Mas eu vou atrapalhar a dinâmica de vocês como casal. – Comentou Sasuke.

- Que nada! Eu vou falar com a Shizune e se ela topar você pode vir. Ok?

- Ok, mas aí ela vai bater pra Sakura na hora. – Reclamou Sasuke.

- Você não quer que ela saiba?

- Eu preferia que não, mas sei que a Shizune não aguentaria não dizer para ela.

- Ah, Sasuke! Uma hora ou outra a Sakura ficaria sabendo. Então, é melhor falar logo! A gente vai adorar te receber! – Garantiu Sai.

 

[...]

 

Como Sasuke havia previsto, assim que Sai bateu a história para Shizune ela foi correndo contar para Sakura. A assistente da Haruno deu permissão para o namorado convidar o Uchiha como hóspede, mas revelou a novidade para a amiga.

- Sakura, que bom que me atendeu! Eu tenho novidades para você. – Começou Shizune.

- Que novidades? – Perguntou Sakura.

- O Sasuke pediu pro Sai ajuda pra encontrar um apartamento perto do seu e adivinha qual foi a ideia do meu namorado? Chamar o seu ex pra morar com a gente! – Soltou Shizune.

- Sério? Ele não vai atrapalhar vocês? – Questionou Sakura.

- Atrapalhar a nossa intimidade vai, mas o Sai não negaria isso a um amigo. – Comentou Shizune.

- Eu entendo...

- Você sabia que ele ia ter problema para achar o apartamento...

- Sim, eu sabia. Mas queria ver até onde ele iria para ficar perto dos filhos.

- E o que achou da solução dele?

- Bom, o Sasuke está se sacrificando para ficar perto deles. Orgulhoso do jeito que é, sei que foi difícil pra ele pedir ajuda ao Sai. Além disso, ele sabe que morar num quarto de hóspedes de um amigo não é o ideal, então está abrindo mão da sua privacidade também.

- E agora Sakura?

- Não se preocupe. Sasuke não vai ficar no seu apartamento. Eu vou arrumar um lugar para ele ficar. – Afirmou Sakura.

 

[...]

 

Sasuke havia chegado em casa após um longo dia de trabalho e corrido para o banho. Quando já tinha saído e estava secando os cabelos com a toalha, ouviu alguém batendo na porta de seu quarto e pensou que deveria ser a sua mãe para lhe perguntar qualquer coisa, mas se surpreendeu ao ver Sakura.

- Oi, Sasuke. Podemos conversar? – Perguntou Sakura.

- Claro, podemos Sakura. Por que veio até aqui? – Questionou Sasuke, largando a toalha em cima da cama.

- Shizune me ligou para contar da sua conversa com Sai. – Disse Sakura, pegando a toalha de Sasuke de cima de cama e estendendo em cima de uma cadeira.

-  Claro! Eu já sabia que ela faria isso. E o que tem?

- Você vai mesmo se mudar para a casa deles?

- Não é o que eu queria, mas se é o único jeito de ficar perto dos meus filhos então eu vou me mudar pra lá. O aluguel perto de onde você mora é um absurdo de tão caro.

- Eu tenho um lugar pra você ficar, Sasuke.

- Desculpa, mas eu não quero. Já arrumei um canto.

- Não vai querer nem se eu falar que é lá em casa? Eu tenho um quarto pra você na cobertura. – Disse Sakura pegando Sasuke de surpresa.

- Pensei que a sua cobertura era o último lugar do mundo onde você quisesse que eu ficasse.

- Está errado. É claro que é esquisito ver um ex-casal morando junto, mas no nosso caso acho que tudo bem. Assim, você pode ficar perto de Indra e Ashura diariamente e ainda poupa seu dinheiro.

- E por que não me convidou desde o início?

- Queria saber que tipo de sacrifício você faria para ficar perto dos seus filhos. Você passou no teste com louvor.

- Você estava esse tempo todo me testando? – Perguntou Sasuke e Sakura assentiu.

- Sim. – Admitiu Sakura.

- Que ódio, Sakura! Você me torturou sabia? – Disse Sasuke e ela riu.

- Te dei uma missão impossível e você se saiu bem. Gostei que você procurou de fato um apartamento para alugar, que pediu ajuda quando não conseguiu e aceitou o convite do Sai mesmo sabendo que não te deixaria confortável ficar lá. Fez tudo isso por Indra e Ashura.

- Tá orgulhosa de mim então?

- Estou. Muito. Agora você aceita morar comigo e com as crianças?

- É tudo o que eu mais queria. – Admitiu Sasuke e então abraçou Sakura num impulso, que retribuiu o carinho. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...