1. Spirit Fanfics >
  2. Sem palavras >
  3. Capítulo 5

História Sem palavras - Capítulo 5


Escrita por:


Capítulo 5 - Capítulo 5


Fanfic / Fanfiction Sem palavras - Capítulo 5 - Capítulo 5

Assim que arrumamos as minhas coisas, fomos diretamente a recepção assinar os documentos. Parece que aquela funcionária não estava mais lá, deve ser Tânia, eu acho, não importa.

Confesso que ainda estou emocionada, pode parecer simples para você, mas fico contente em ouvir o som do bebedouro. E das pessoas fofocando na sala de espera.

- Assine aqui, aqui .... e aqui - falou a secretária para mim. Confesso que ainda estranho, principalmente as novas palavras, pois eu tinha um certo tipo conhecimento sobre as palavras, porém, agora na fase adulta, parece que é outro mundo. Eu assenti e escrevi.

Assim ue estávamos quase no final do corredor, vi o Dr Artur Davis saindo do quarto de uma paciente com o ipad nas mãos. Ele olhou para cima e nos viu, cumprimentando-nos.

- Está tudo nos conformes - que palavra é essa?

- O que você falou? - sinalizei, eu posso ouvir mas, muitas coisas não entendo, como eu disse, foram 10 anos. Deve estar perguntando-se, "mas você não trabalhava como corretora online de redação?", sim, mas ler é diferente de ouvir, quando se é surda, você imagina o sinal, e quando é ouvinte, você imagina o som, e eu era uma ex-ouvinte, então, as palavras que eu conhecia, imaginava seu som e as que eu não conhecia, imaginava seu sinal.

- Está tudo nos conformes? - ele sinalizou e falou, e dessa vez eu entendi, afirmei que sim com a cabeça, e sorri - não sente-se a vontade de falar? - ele continuou falando e interpretando, parece que todos falam a mil por hora fica difícil acompanhar.

- Eu ainda estou me readaptando - embolei um pouco na última palavra mas deu certo.

- Obrigada, Artur - disse Vivi, quando íamos saindo ela virou-se para ele - Ah, quase que ia esquecendo, a Luna comentou sobre sairmos como forma de agradecimento, nós três - comentei? quando falei isso, encarei ela como se minha cara fosse um enorme ponto de interrogação. E outra, que intimidade foi essa? O Dr. Davis deu um largo sorriso.

- Não fiz mais que meu trabalho, mas obrigado.

- Nós insistimos - ela disse, eu estou perguntando "NÓS"? ela está incluindo quem? a mim? hahahaha, engraçadona ela. Ela virou-se para mim e olhou no fundo dos meus olhos como se dissesse "Ou afirma ou morre" - né, Lunara?

-Sim - digo meio embolada e desconfortável com sua cara de pau.

- Por mim tudo bem - ele diz e nos despedimos.

Assim que chegamos em casa,coloco  minha bolsa no guarda-roupa, e vou no quarto de Vivi.

- Que coisa foi aquela, Vivi - sinalizei bruscamente - eu não estou necessitada por macho não sua louca!

- OI? Só um instante, depois te ligo - ela desligou e se virou para mim enquanto eu estava de braços cruzados - Calma...- ela falou.

- Você sabe que eu não quero relacionamentos, e eu estou muito bem, eu preciso focar-me na minha faculdade.

- Luna, ele é um cara legal, tranquilo, sem contar que ele parece entender-te, e isso é muito raro hoje em dia, sem contar que ele tem princípios... - ela sinalizou.

- Eu ainda não quero.... não me faz ir você sabe... - sinalizo com minhas mãos trêmulas.

- Calma, Luna, você sabe que ele não é o Francis, ele não vai fazer aquela burrada - Francis foi meu primeiro namorado, ele não sabia falar em libras, mas depois de um tempinho ele aprendeu, namoramos por seis meses, e nesse tempo achei que nosso relacionamento iria durar mais tempo, porém, um dia, eu estava indo para o shopping com a Vivi, sentamos em uma mesa da lanchonete de lá. Próximo havia uma pequena roda de garotos, mas eu não me importei, deixei ela lá e fui no banheiro, quando cheguei do banheiro, a única coisa que vi foi Vivian jogando um copo de refrigerante no Francis, e em seguida dando um tapa em sua cara. Depois desse espetáculo, ela caminhou em minha direção, e chamamos um Uber. Assim que chegamos na casa dela, ela me contou tudo. Ele estava falando que tinha feito a merda de uma aposta com os amigos sobre ele "conseguir pegar a surda", a final, eu não ouviria nenhum boato, e ela também disse que nesse período, ele tinha ficado com outras mulheres. Para falar a verdade, o que ela fez com ele foi pouco. Desde então, fico com um pé atrás com relação a relacionamentos. Claro, que, só por que não estou em um relacionamento, não quer dizer que eu não fique com ninguém, mas eu nunca chego ao ponto de apaixonar-me. Não desejo o mal para ele, mas também, não desejo que ele não receba o que ele me fez. Quero que ele apaixone-se, e no final... a pessoa o trate pior. Talvez  eu possa ser um pouquinho vingativa, mas, isso é segredo.

- Okay, eu vou, é bom você não aprontar - sinalizo.

- Vamos sair hoje? Comemorar! - Ela diz e sinaliza toda animada.

- Claro que EU vou sair hoje, vou sair do seu quarto e ir para o meu, beijinhos,  fui! - assim que terminei saí mais rápido do que um raio. E tranquei a minha porta. Sou nem doida de querer sair hoje.

Comecei a mexer no meu celular, até que bateu-me uma onda nostálgica e fui rever minha foto com a Vivi no instagram.



Nessa foto eu tinha meus 16 anos, e Vivi tinha seus 18 anos, ela tinha acabado de fazer a tatuagem na nuca. Estávamos no orfanato, e naquela época eu tinha aquele sinal, ou sei lá o que em minha boca, por sorte, removi aos 18 anos. Dei uma risada ao me lembrar daquela época. Vivi achava a dona do mundo, e por isso, todos tinham que olhá-la. Ela sempre gostou de ser o centro das atenções. 

Quando éramos mais novas, sempre a via no palco apresentando-se, todas as comemorações que tinha, ela estava lá.

Fechei os olhos por uns instantes, não sei por quanto tempo, mas depois meu celular começou a vibrar com algumas mensagens.

Y.F: Ei cacheada.

Y.F: Está acordada?

Y.T: Fui dispensado da minha missão, pois recebi umas "férias" para ficar com a minha família.

Y.T: Como está ai? Você ainda está morando com a minha irmã? Não fala para ela que eu entrei em contato, quero fazer uma surpresa. Amanhã bem cedinho já estarei de volta, ficarei por um tempo indeterminado.

Depois que terminei de ler as mensagem do Yan, ainda sonolenta, respondi.

L.W: BOA NOITE! sim, você me acordou, férias é sempre bem vindo, sim estamos morando juntas, só não sei se terá espaço para mais um cabeça quente, não quero explodir o apartamento sabe.

L.W: Que horas você irá vir?

Y.F: 10:00h já estou em casa...não sou cabeça quente!

L.W: É sim, bem tchau, vou voltar a dormir, TCHAUUUUU!

Bloqueei ele pois, sabia que ele iria querer enviar inúmeras mensagens e pela manhã eu  respondo-o.

Tirei o aparelho, e o desliguei. Fechei os olhos e dormi novamente.





Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...