História .sempre foi você - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Mamamoo
Personagens Moonbyul, Solar
Tags Mamamoo, Moonbyul, Moonsun, Solar, Yuri
Visualizações 64
Palavras 1.087
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, FemmeSlash, Fluffy, Literatura Feminina, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yuri (Lésbica)
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - .único;


Fanfic / Fanfiction .sempre foi você - Capítulo 1 - .único;

O dia que Yongsun tanto aguardou estava há uma noite de sono de distância; o dia em que ela enfim reencontraria sua tão amada Byulyi. As duas passaram grande parte do colégio grudadas uma à outra; mas desde que entraram em universidades diferentes e em regiões diferentes, apenas puderam conversar por chamadas de vídeo ou de voz.

As duas garotas, sempre foram 'amigas', mas quase todo mundo que conhecera as duas, percebia que o afeto que compartilhavam ia um pouco além da amizade. Estavam mais felizes, quando juntas e frequentemente, tinham pequenas brigas, que diziam ser por alguma falta de confiança, mas que na verdade eram por pequenos ciúmes, geralmente sentidos pela mais nova, que sempre encontrava algum garoto tentando colocar um bilhete nas coisas de Yongsun ou pedindo que ela mesma os entregasse; e assim ela ficava emburrada por algum tempinho, achando que a morena iria gostar dos bilhetes e correspondê-los, mas mal sabia que a outra apenas ria dos garotos e sempre preferiu sua companhia a de qualquer outra pessoa.

Yongsun pegou o trem na manhã de um sábado nublado e gelado, em direção à cidade em que Byulyi mora; o brilho nos olhos e as palpitações no coração eram as demonstrações de quanto a outra lhe fizera falta e de como estava com a saudade acumulada demais, para que adiasse esse encontro.

A loira, levantou muito cedo, preparando o pequeno apartamento, arrumou e limpou tudo, deixou a foto que mantinha das duas, bem na estante da tv, para que ficasse fácil de ser vista; quando foi se arrumar, se demorou um tanto no espelho, ajeitando os fios longos e até arriscou um pouco de maquiagem, desejava estar com sua melhor aparência, para encontrar seu pequeno sol, de quem sentia falta todos os dias.

Antes das duas da tarde, o trem se aproximava da estação, onde em pé e com os pés impacientes, estava a loira, com seu casaco pesado e um guarda chuva, transparente e com girassóis desenhados, que ganhara de Yongsun há muitas anos.

Quando a morena desceu na plataforma, com a grande mochila nas costas, parecia perdida, ao tentar olhar para todos os lados, em busca de Byulyi; mas não foi preciso muito tempo, até que a loira chegasse até ela, gritando seu nome, a passos apressados.

O abraço das duas foi longo e apertado, não sabiam se riam ou se choravam, pelos quase dois anos de distanciamento. Quando enfim se separaram, pareciam não querer desgrudar os olhos uma da outra, como se precisassem analisar os pontos do rosto de cada uma, para reparar em qualquer mudança.

Depois de quase quinze minutos na estação, finalmente começaram a caminhada até a casa da mais nova; que fez questão de levar a mochila pesada de Yongsun, dizendo que estava mais acostumada com as ruas da cidade.

Chegaram ao apartamento, com muito frio e quase sem fôlego; a loira sabia que a mais velha não gostava nem um pouco de tempos muito frios, e não demorou a buscar duas grandes e fofas cobertas, a colocando no sofá, toda embolada e quentinha, enquanto preparava um chá bem quente.

Com o chá pronto, se embrenhou nas cobertas ao lado de Yongsun e as duas acabaram se aconchegando uma na outra como faziam nos tempos de colégio. As duas tinham muito o que conversar, já que as ligações nunca pareciam suficiente, sempre deixavam algo passar; passaram o resto da tarde ali, contando como a vida fora de casa era complicada e como queriam estar juntas, na nova fase que viviam.

Depois que jantaram, estavam de banho tomado e vestidas nos pijamas quentinhos, decidiram continuar a papear, embaixo dos cobertores na cama larga da mais nova. Naquele momento, estavam as duas, uma de frente para a outra, prontas para continuar a conversar; mas por um certo motivo, as palavras não vinham, assuntos não surgiram. A mente das duas estavam exatamente no sentimento que vinham guardando desde seus quatorze anos.

Yongsun sempre fora a que mais demonstrava carinho, e naquela noite não foi diferente, foi ela quem desistiu de buscar o que dizer, e ao invés disso, levou uma das mãos ao rosto de Byulyi, fazendo-a fechar os olhos e sorrir, como se estivesse esperando o dia todo por aquele afago.

Algumas coisas, ficam mais claras quando não são ditas e sim mostradas; as duas meninas queriam mais que tudo, acabar com aquela máscara de amizade próxima que vinham mantendo há tanto tempo. Queriam deixar de se elogiar de forma polida, sem poder dizer de fato, que tiravam a concentração uma da outra com olhares e toques, que queriam juntar os lábios e dizer as mais lindas palavras.

As duas sabiam de tudo isso, sentiam as reações e as respostas não ditas; e naquela noite, olhando-se nos olhos, se sentiram livres para diminuir a distância centímetro por centímetro, até que estivessem com narizes colados, sentindo o toque suave. Não demoraram a unir os lábios, demonstrando o quão apaixonadas sempre foram e Yongsun sorria aproveitando a maciez da mais nova; Byulyi não se conteve em deixar que sua mão, caminhasse pelo corpo da mais velha, acariciando a pela da cintura e das costas, causando à ela alguns arrepios e mais risadinhas entre o beijos, que foi interrompido logo, pela falta de ar.

O primeiro olhar, depois de se beijarem pela primeira vez, foi tão doce quanto poderia ser, não precisavam dizer nada, sabiam que estavam no momento certo, fazendo a coisa certa; os carinhos eram a melhor coisa que podia usar para expressar o quanto estavam felizes, em se entregar assim, sem aviso prévio e sem nenhum impedimento, de forma tão recíproca.

Mas ainda assim, Byulyi, que sempre foi aquela que gostava de deixar tudo claro, queria respostas e certezas, sentiu que precisava dizer apenas uma coisa, que guardou consigo por todos esses anos; queria que Yongsun tivesse certeza.

- Yong, eu só quero te dizer uma única coisa... Foi você, todos os dias, sempre foi, você.

Yongsun, só pôde sorrir largo em resposta; para ela também, sempre foi Byulyi, sempre foi por ela os seus sorrisos e seus batimentos acelerados, por ela se manteve apaixonada por muitos anos e nunca conseguiu sentir nada por mais ninguém, sempre foi ela, só ela. 

As duas, ainda precisam usar o celular para se falarem, pelo menos até que finalizem os semestres restantes, e possam enfim, voltar para a cidade onde se conheceram e assim, juntar seus travesseiros, dividirem as tarefas de casa, e adotarem um cachorrinho, juntas, como o casal, que mesmo entrelinhas, sempre foram.


Notas Finais


moonsun casadinhas, bem lindas, só não vê quem não quer ❤❤❤❤❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...