História Sempre Haverá Uma Exceção - Mitw - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias TazerCraft
Personagens Mike, Pac, Personagens Originais
Tags Bilo, Filosofia, Fofinho, Lemon, Mike, Mitw, Pac, Yaoi
Visualizações 188
Palavras 1.539
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 10 - Imperfeições de uma maravilhosa e nada perfeita vida


Fanfic / Fanfiction Sempre Haverá Uma Exceção - Mitw - Capítulo 10 - Imperfeições de uma maravilhosa e nada perfeita vida

O almoço estava delicioso, dona Ivone. — Agredeci, ajudando a levar a louça até a pía na cozinha, dentro da pequena casa

Que é isso Mikhael? Não precisa me agradecer. — Ivone diz docemente, secando a louça enquanto Tarik lavava com sabão e enchagava — Tarik que fez a comida, eu apenas ajudei. — Diz, guardando um copo já seco dentro do pequeno armário grupado a parede

Sério Tarik? — Perguntei surpreso, olhando diretamente para o branquelo — Não sabia que cozinhava tão bem. — Elogio, sorrindo gentilmente

A-ah, obrigado. — Agradeçe, sorrindo tímidamente

Continuamos a lavar a louça. Após recolher todas as louças da mesa do aldo de fora, decidi ajudar a lavar. Eu fui ensabando, Tarik foi enchagando e a dona Ivone foi secando. De acordo que íamos trabalhando, jogavámos conversa fora para descontrair.
Risadas vinham, risadas vão...

Quando dei-me por mim, estavámos sentados na sala jogando conversa fora. Eu e Tarik estavámos sentados lado a lado no sofá, com os ombros encostando. Ivone estava em uma cadeira de balanço ao nosso lado. Sophia estava no quarto, dormindo. Já Willian teve que sair. Me contaram que ele tem dois empregos, um como faxineiro do prédio onde eu moro e outro como caminhoneiro. Ivone contava-me que seu marido quase nunca fica em casa, pois vive na rua trabalhando para sustentar a casa.

Descobri que Tarik também trabalha como ajudante em uma empresa de marketing ao centro de Nova York. Conseguiu esse cargo por causa de suas altas notas - as quais lhe proprocionaram também uma bolsa de estudo em um ótimo colégio particular ao leste daqui.

Já a mãe de Tarik - dona Ivone - não tem condições para trabalhar, pois ela é a mais velha da casa - sendo seis anos mais velha que Willian. Sempre foi ensinada a cuidar dos afazeres da casa sem não ter nenhuma expêriencia com trabalho fora de seu lar. Seu único conhecimento era de como ser uma dona de casa. Além que tinha que ter alguém para cuidar da pequena Sophia.

A história da priminha de Tarik me chocou completamente. Quando descobriram que a irmã de Ivone - mãe de Sophia - estava grávida a família inteira ficou chocada, pois ela não tinha condições finaceiras suficientes para cuidar de um filho. A situação piora quando o pai de Sophia simplesmente some - some do mapa - após descobrir que seria pai. Quando Sophia nasceu, a irmã de Ivone pegou uma grave infecção em seu útero, pois o parto foi em casa sem o mínino de higiene. Sem dinheiro para um tratamento adequado, a irmã da dona Ivone acabou por falecer quando Sophia tinha apenas seus três anos, deixando a menina para a única pessoa que ela realmente comfiava - sua própria irmã, a mãe de Tarik.

Quando mais tempo eu passava com Tarik, mas descobria que sua vida não era fácil. Pacagan possuí dezoito anos de idade, e está quase terminado o último ano do ensino médio. Ainda está em dúvida se vai se fazer alguma faculdade ou apenas alguns curso rápido, mas já deixei claro a ele que quero ajudar-lo em tudo que precisar.

Depois de horas de conversas, histórias e risadas, peguei me celular ligando ele para ver o horário.

 

[20:34]

 

Nossa, já passou das oito da noite. Está tarde. A noite já deve ter caído lá fora.

Bem gente, o papo está bom mas já tenho que ir indo. — Levantei-me, sendo seguido pelos olhares de Tarik e Ivone

Já? Mas ainda é cedo querido. — Diz a dona Ivone, ainda sentada

Já anoiteceu, melhor eu voltar pra casa dona Ivone. — Ditei, sorrindo. Virei-me na direção de Tarik, encarando-o — Tarik, quer ir dormir lá em casa hoje? — Perguntei gentilmente

Tarik arregala os olhos negros, se levantando rapidamente e ficando de frente para mim.

S-sério? Hoje a noite? — Pergunta animado, e eu acinto sorridente — E-eu não vou te incomodar nem nada do tipo, né? — Pergunta, receoso

Você nunca atrapalha, Tarik. Amanhã é sábado, não tenho trabalho. Se quiser passar o fim de semana todo lá em casa, por mim estará maravilhoso. — Falei, observando atentamente seus olhos brilharem de animação

Eu quero ir, mas... eu posso ir mãe? — Pergunta, desviando seu olhar do meu para olhar sua mãe. Repeti o ato, encarando a mulher de cabelos negros e grisalhos sentada na cadeira de balanço a direita do sofá de couro onde eu estava sentado

A vida é sua Tarik. Confio totalmente em Mikhael. — Diz doce como sempre — Mas se quer minha autorização para ir, eu a concedo a vocês. — Se levanta, indo em direção as escadas — Venha filho, eu te ajudo a fazer as malas. Mikhael, espere na sala. Já voltamos com tudo pronto. — Diz, subindo as escadas

Tarik se vira para ficar de frente para mim, e com a ponta dos pés se enrosca em meu pescoço dando-me um celinho rápido. Separa nossos lábios, e eu o olho estástico.

Eu já volto. — Sussurra, desgrudando-se de mim e correndo em direção as escadas, tropeçando as vezes

Assim que Tarik sobe as escadas, toco meus lábios com a ponta dos dedos e sorrio.

Ah Tarik, o que você faz comigo?

Voltamos! — Ouvi a voz de Tarik depois de dez ou quinze minutos no segundo andar

Ele estava com uma roupa diferente. Um moleton cinza fino - de aparência muito confortável - com capuz aberto mostrando uma camisa cinza lisa que contrastavam com sua calça jeans preta. Em seus pés estava um super star preto de cano baixo com os cadarços sujos soltos, o que me causava certa agonia - a qual decidi ignorar. Seus cabelos - agora penteados - estavam livres daquela fileva preta que antes prendia sua franja e caiam sobre seu rosto. Rosto o qual continha um belo sorriso estampado.

Em suas costas estava uma mochila de alças consideravelmente grande comparada a outras mochilas com provavelmente suas roupas para todo o final de semana.

Logo, Ivone e Sophia descem da escada também. A menina estava com um pijama de um desenho antigo chamado Os Setes Monstrinhos como estampa e um coelhinho cinza encardido em mãos. Seus cabelos negros estavam bagunçados, e a garotinha coçava os olhinhos com a canhota.

Aqui Tarik, não se esqueça do Jetosbaldo. — Sophia diz sonolenta, estentendo o coelhinho de pelúcia até Pacagnan

Ah, obrigado Sophia. — Agradeçe, pegando o bicho de pelúcia e o guardando na mochila

Tarik se abaixa para ficar do tamanho da menina e a abraça. Consegui ouvir um "cuida bem da mamãe" por parte de Tarik. Ele se preocupa muito com dona Ivone, Tarik realmente ama sua mãe.

Sorri sabendo do tamanho do amor entre mãe e filho que Tarik e Ivone tinham. Dizem que amor de mãe nunca vai ser superado por qualquer outro amor. Talvez isso seja verdade, talvez amor de mãe não possa ser superado nem igualado com nenhum outro tipo de amor.

Amor de mãe é e sempre será único. Especial.

A bença mãe. — Tarik diz, levantando-se e abraçando sua mãe em uma forma de despedida

Que o senhor te abençoe meu filho. — Ivone diz, se separando do abraço e beijando a testa de seu filho

Fale pro' pai que mandei benção também. — O branquelo diz, se afastando da mãe e se aproximando de mim

Ok filho. Juízo crianças! — Diz brincalhona

Após me despedir adequadamente de cada uma delas, abraço Tarik de lado e vamos junto até o carro do lado de fora da casa. Saímos pela porta, indo adando pelo quintal sendo acompanhados pelos olhares das duas que nos encaravam pela janela, para averigar que estava tudo bem. Abri o portão da cerca, dando espaço para Tarik passar, logo fechando o portãozinho e me encaminhando até o carro. Ajudo Tarik com a sua mochial, colocando-a nos bancos de trás.

Entro pela porta do motorista, vendo Pacagnan entrar pelo outro lado, na porta de passageiro. Fechei a porta atrás de mim, colocando o cinto de segurança e vendo Tarik repitir os mesmos atos que eu. Sorri para esse, que sorriu de volta. Liguei o carro, manobrando para sair da vaga e entrando nas ruas de Nova York, dirigindo em direção ao meu apartamento.

Quer ouvir música? — Perguntei a Tarik

Adoraria. — Responde alegre, e eu sorrio enquando ligo o rádio que tocava músicas do momento

E a viagem inteira até meu apartamento foi assim, ouvindo as músicas do momento e cantando as partes e refrões que sabíamos - bem desafinadamente, pois ninguém aqui é um cantor profissional para saber cantar. Ríamos cada vez que alguém errava a letra, e as vezes criavamos paródias sem sentido algum.

Sempre ria de nossas palhaçadas. Eu ainda nem acredito que aquele homem que antes quase se suicidou estav agora nesse carro, rindo igual uma criança cantando como se a vida fosse perfeita.

Ah Tarik, eu não sei o que seria de mim se você não tivesse me salvado naquele dia...

Minha vida nunca foi perfeita, e também nunca será. Ninguém é perfeiro. Até nas perfeições podemos encontrar imperfeições, é só procurar direito pelos erros que os encontraremos. Mas desde que Tarik entrou em minha vida, ela se tornou completamente maravilhosa.

Mas não quero ligar para isso agora. Nesse momento, tudo que eu quero é continuar a cantar desafinado junto a Tarik, sem ligar para as imperfeições de minha maravilhosa e nada perfeita vida.


Notas Finais


ADIVINHEM?
Meu celular estava no conserto e ontem fomos pegar ele, mas descobrimos que ele NÃO TEM CONSERTO!
Estou definitivamente sem celular agora!
Mas minha vó me deu o celular antigo do tio Dudu e agora voun usar ele, só QUE ADIVINHEM?
Minha mãe quebrou sem querer meu chippe! E não vou poder responder o zap!
Que maravilha!!! Mas pelo menos vou poder manter a comunidade Animo ativa, o que me deixa feliz :3


Spoiler: lemon a vista, me deixem ser feliz

''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''
Capítulo feito por @Bilo_Bilusco
Não revisado pois estou vendo A Liga Feminina De Vôlei Brasil x Japão

''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''
Istagram @bilo_bilusco
Twitter @BBilusco

''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''
Então, foi isso, espero que tenham gostado, e... #KTCHAU!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...