História Sempre serei teu - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias EXO, SHINee
Personagens Jinki Lee (Onew), Jonghyun Kim, KiBum "Key" Kim, Kim Jong-in (Kai), Minho Choi, Personagens Originais, Taemin Lee
Tags 2min, Jongkey, Jongtae, Kai, Longfic, Onkey, Personagens Secundários, Triângulo Amoroso
Visualizações 25
Palavras 3.265
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishounen, Crossover, Drama (Tragédia), Fluffy, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shonen-Ai, Suspense, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hello people, tudo bão com vocês? Então tá bão
Capítulo novo na área, no prazo, vejam só que fantástico! kk
Tenham uma boa leitura
Nos vemos nas notas finais

Capítulo 8 - Luzes frias


Fanfic / Fanfiction Sempre serei teu - Capítulo 8 - Luzes frias

“Eu me sinto desperdiçando as horas longe de você. Fico atordoado com meus pensamentos confusos e perdido em momentos dos quais você se esqueceu. Sigo nessa batalha agora. De te trazer à tona. De provar que eu posso ser o que você quiser que eu seja. De que estarei sempre por perto independente da situação. Sou completamente seu.”

 

Narradora

 

Jonghyun havia quebrado seu abajur contra a parede. E socado sua cômoda. Jonghyun estava se consumindo em meio a sua fúria e se perguntando em que realidade paralela ele estaria preso naquele momento.

Porque doía tanto? Por que era tão insuportável?

Quem era aquela criança?

Só podia ser uma brincadeira de mau gosto.

Ele não podia aceitar que havia se apaixonado por um colegial. Por um estagiário. Por Taemin.

Não fazia sentido. Mas, era verdade.

E a verdade o corroía naqueles instantes. Como um incêndio sem fim. Queimando como se fosse lava derretida.

Porque pior do que perceber que ele gostava de Taemin era saber que ele estava muito provavelmente na cama de outro alguém. Fazendo coisas que ele sequer queria imaginar.

Não queria, porém imaginava. E isso o deixava fora de si.

Completamente alterado ele parecia escutar novamente a voz de Minho do outro lado da linha dizendo:

“- Desculpe o Tae não pode atender no momento”

“- Tae está tomando banho agora por que...”

            O que teria mudado se ele tivesse escutado aquela sentença até o fim?

            Era o que ele se perguntava. Mas, ao mesmo tempo ele dizia para si mesmo que não suportaria ouvir aquilo que ele achava que estava acontecendo.

            Era demais para ele.

            Ele precisava beber algo forte. Muito mais forte do que o saquê da sua geladeira.

            Então ele pegou o carro e saiu procurando o bar mais próximo. Porque ele precisava de algo como um whisky. Talvez misturado com vodka.

Jonghyun queria se esquecer de tudo. E também se possível de quem era Taemin e até mesmo de quem ele era.

 

Minho

 

            “Eu tinha sido encurralado.”

- Minho tudo bem? – a voz infantil do colegial a minha frente me trouxe de volta ao presente.

- Então sobre o Jong, ele ligou mais cedo pro seu celular. Sinto muito por atender no seu lugar. Acredito que deva me desculpar de verdade... Ele interpretou as coisas de uma maneira ruim.

- Maneira ruim? – revida Taemin em forma de pergunta

- Desculpe, eu entendo que não devia ter atendido. Mas, uma vez que atendi e percebi que era Jonghyun eu lhe disse que naquele momento você não podia atender.

            - Eu não estou bravo por ter atendido a ligação de Jonghyun – ele disse mexendo com a colher no molho – eu só gostaria de saber o que ele queria comigo.

- Na verdade eu também não sei, mas é que quando eu disse que estava no banho... Aqui em casa... Eu... Sinto muito.

            Desviei o rosto e olhei para meus pés enfiados em uma pantufa azul.

- Eu prometo concertar as coisas Taemin.

- Tudo bem – diz Taemin após um suspiro alto – O importante é que nós sabemos que isso não é verdade. Jong vai entender que fez um julgamento errado. Se ele não quiser falar sabe, com você, eu falo com ele.

            O olhei com olhos de cão sem dono, realmente arrependido.

- Na verdade sabe ele desligou o telefone na minha cara – eu disse meio constrangido.

- Bow! – exclamou Taemin com um sorriso estranho no rosto – Por que ele faria isso com o chefe dele?

            Engoli em seco.

- Por causa do que eu disse de você, eu acho.

            Taemin piscou os olhos algumas vezes. E então voltou a comer, sem dizer nada. Suas bochechas ficaram levemente vermelhas.

            Mas, então algo recorreu a minha mente. Taemin devia ter ido até meu apartamento por algum motivo, e ele ainda não havia mencionado nada a respeito.

            Minha curiosidade começou a crescer. Anteriormente ele apenas havia dito que queria falar muito comigo. Ou seja, devia ser algo importante.

            Será que no meio da confusão ele se esqueceu?

            Ou apenas estava sem jeito de falar o que quer que fosse?

           

Taemin

 

            O que aquilo significava?

            Quero dizer em relação ao Jonghyun. Por que ele tinha imaginado algo assim entre eu e Minho?

            E por que isso havia o deixado tão mexido?

            E afinal o que realmente ele queria falar comigo?

            Não bastasse não haver memórias suficientes na minha cabeça agora ainda havia um monte de perguntas. Eu estava confuso com todas aquelas situações. Estava cansado também.

- Minho? - chamei e ele levantou o rosto na minha direção parando de comer por um instante.

- O que foi? - ele perguntou

- Tem uma coisa que eu gostaria de te dizer.

- Claro, o que é?

- O real motivo de eu ter vindo dessa forma pouco convencional até a sua casa sem avisar nem nada, é que eu precisava mesmo falar com você.

            Minho ajeitou o talher ao lado de seu prato fundo de sopa e disse:

- O que é tão importante que fez você vir a casa de um completo desconhecido?

- É exatamente esse o ponto.

            E me percebi rindo soprado. Meio constrangido.

- Quero poder conhecê-lo. Você, Onew, Jong e Key provavelmente fazem parte da minha história embora eu não me lembre disso. Então, eu acredito também que a melhor forma de fazer isso é negando meu afastamento da empresa. Eu tenho que recusar a sua oferta Minho.

            Desviei o olhar enquanto dizia a última frase, então me surpreendi um pouco quando ouvi sua voz calma logo em seguida.

- Se é o que quer e o que acredita que vai te fazer bem, quem sou eu para dizer o contrário? Seja bem-vindo de volta Taemin. Tenho certeza de que eu e todos os colaboradores da Sky Light ficaremos muito felizes pelo fato de que você oficialmente é parte da equipe. Contaremos com o seu trabalho.

            Ele havia lidado muito bem com a nova informação. Acho que ele fez jus a seu cargo naquele momento.

- Obrigado – disse sem jeito e então voltamos a comer.

******

            Minho

 

            Depois da janta Taemin me ajudou com a louça, mesmo eu lhe dizendo que não precisava. Apesar de a minha empregada estar de folga naquele dia, ela teria lavado tudo no dia seguinte. Mas como ele havia insistido acabei deixando ele lavar. Aquela criança realmente parecia muito simples e disposta a ajudar os outros. Mas, também imagino que ele se sentia em dívida por conta do presente e da janta.

            Eu não me surpreendi com o fato de estar certo sobre Taemin. Afinal de contas esse foi um dos motivos que me levou a contratá-lo.

            Como ainda era meio cedo eu e Tae decidimos que era uma boa ideia assistir algum filme. Como um bom cavalheiro eu o deixei escolher algum que o agradasse.

            Taemin zapeava pelos canais com um brilho um pouco surpreso nos olhos. Acho que ele estava se divertindo com a quantidade de escolhas disponíveis. Eu me divertia também só que com as suas expressões.

            Estava feliz de poder estar ao lado de Taemin de uma maneira quase confortável. Um sofá de diferença, mas eu estava bem em apenas dividir o mesmo cômodo.

            Eu tentava não dar bandeira de que não conseguia tirar os olhos dele, vez ou olhando para a TV também. Mas, para minha sorte Tae estava bastante concentrado nos canais, o que acredito ter feito com que ele não me notasse o observando.

            Por fim acabamos parando em um filme de terror. Contrariava a sua aparência e o seu jeito meigo de ser e eu me perguntei se ele realmente gostava do gênero ou se só estava tentando parecer durão.

            Depois de uma hora e pouco de filme Taemin dormiu. Então, tive certeza de que terror não o assustava. Como pra mim continuar assistindo ao filme era indiferente eu apenas desliguei a TV.

            Ponderei sobre deixá-lo no sofá e cobri-lo ou levá-lo até o quarto de hóspedes. Acabei o carregando no colo até o quarto percebendo que era provável que eu teria de o levar até sua escola na manhã seguinte.

            Ele sequer se moveu. Estava em um sono profundo. E eu me permiti admirar a sua face angelical com seus cabelos castanhos emoldurando a sua face, e sem seu tradicional penteado eles se esparramavam lisos e longos pelo travesseiro. Admirei sua beleza apenas por mais um minuto ou dois e então caminhei em direção a porta, olhando para ele uma última vez antes de encostá-la.

- Boa noite Taeminnie… - sussurrei e saí.

****

           

Taemin

 

            Kai parecia bolado comigo. Enquanto eu tentava prestar atenção a aula de matemática ele me olhava da carteira ao lado com o olhar meio atravessado.

“Qual o problema?”

Escrevi no canto do meu caderno e o cutuquei com o cotovelo para lhe chamar atenção. O ouvi suspirar alto enquanto ele lia minha pergunta.

“Eu é que pergunto”

Ele escreveu no caderno dele.

Me percebi fazendo uma careta estranha. Kai estava bravo e aparentemente não havia motivo algum. Era totalmente desnecessário discutir no meio da aula. Então eu não o respondi.

O senti me cutucando alguns minutos depois. Havia uma nova frase em seu caderno.

“Tá me trocando pelos novos amigos do escritório?”

Eu estava indignado. Então era isso? Por que ele havia resolvido ser tão infantil com uma coisa dessas?

“Podemos falar disso depois?” - escrevi para ele.

Meio contrariado ele fez que sim com a cabeça. Esperamos até o intervalo para conversar lá fora.

Gostávamos de ir até um banquinho que ficava embaixo de uma árvore velha. Aparentemente os outros alunos gostavam mais de grupinhos e da cantina então costumava ser tranquilo ficar ali.

- Você sabe que eu não estou trocando ninguém né Kai? - perguntei um pouco apreensivo com a reação dele.

            Ele olhou pro lado, depois para cima, como alguém que queria fugir da conversa. Então, ele se esparramou esticando os braços pelo banco e finalmente olhou para mim.

- Isso não explica o fato de ter vindo com aquele almofadinha pra aula.

- Bow! - exclamei indignado – Você sabia que aquele era meu chefe?

- Então tá puxando o saco dele?

            Senti meu rosto esquentar, estava quase sem paciência pra lidar com o Kai.

- Eu apenas peguei uma carona. A casa dele fica no caminho da minha. Algum problema com isso?

- Todos Taemin! - ele respondeu emburrado – Qual é a sua pra ficar entrando em carros de desconhecidos agora?

- Kai ele não é um desconhecido tá legal? É meu chefe. E outra que não somos mais criancinhas.

- Ótimo, super adulto você não é? Afinal você tem um emprego de meio período fodão agora, está com a vida feita Taemin?

            Estava farto de ouvir aquelas grosserias vindo dele. Ele estava sendo cruel. Me levantei do banco e virei as costas pra ele.

- Dispenso sua opinião.

            E praticamente marchei em direção da cantina, estressado e desapontado com Kai. Não olhei para trás sequer uma vez. Acho que ele não me seguiu também.

            Talvez seja melhor ficarmos longe mesmo até esfriarmos a cabeça. Palavras podem ser cortantes como facas, então é melhor evitar dizer as que sabemos que vão machucar.

 

*****

Narradora

 

            Kai esmurrou o banco de madeira com o punho esquerdo, depois da silhueta de Taemin desaparecer em meio a multidão de alunos. Estava chateado consigo mesmo. Levou a mão até seus cabelos despenteando-os. Encarou sua mão agora machucada e suspirou alto.

            Por que Taemin não percebia?

            Através de suas palavras ásperas havia um jovem vulnerável. Kai se sentia em chamas. Seu peito queimava e derretia. Seus dentes trincados continham o grito entalado em sua garganta.

            Taemin era seu amigo de infância. Taemin era por quem seu coração clamava em silêncio e o qual ainda o levaria a cometer alguma loucura.

            Taemin era quem brincava com seus sentimentos, como se ele pudesse aguentar viver naquela montanha-russa de emoções misturadas.

            Taemin não tinha compaixão ou apenas era ingênuo demais para conseguir ver através daquela máscara que Kai usava para disfarçar suas verdadeiras intenções?

            Kai voltou para a sala antes do sino tocar apenas para pegar suas coisas e ir embora mais cedo. Ele não suportaria encarar Taemin. Deixou-lhe um bilhete anônimo, escrito por Luna uma garota do primeiro ano do ensino médio, que havia feito tal coisa sob sua encomenda.

            Kai ponderou se algum dia Taemin seria capaz de adivinhar quem era seu admirador secreto através daqueles bilhetes.

            Mas, já fazia tanto tempo que ele os escrevia que de fato quase já perdia a esperança. Talvez ele devesse parar com esse hábito. Mas, embora tivesse tentando fazê-lo mais vezes do que conseguia contar, ele nunca havia conseguido. Era mais forte do que ele.

            Algumas vezes imaginava que Luna daria com a língua nos dentes e acabaria contando. Ou que ele mesmo contaria. Mas, era tudo momentâneo. Uma ilusão passageira que nunca se concretizaria.

            Kai nunca teria coragem de falar sobre seus sentimentos e Luna não tinha interesse em revelá-los. Mas, muitas vezes impulsos queriam dominar Kai.

            Talvez em meio a um ataque incontrolável de fúria Kai diria palavras desconexas que não faziam sentido e se perderia tanto com seus pensamentos que saísse sem querer.

            Kai sabia que era inútil tentar se reconciliar com Taemin naquele momento. E ele era arrogante demais para lhe pedir desculpas, principalmente quando ainda lhe queimava aquele ciúme no peito.

            Então ele fez o que melhor se encaixava em sua personalidade. Deixou o campo de guerra antes do ato final.

 

Taemin

 

            Definitivamente aquele não era um bom dia pra mim.

            E isso não estava relacionado ao fato de eu ter tido um dia cheio no trabalho, mas sim com o que aconteceu pouco antes de eu sair da empresa. Ainda mais somado isso a minha discussão com Kai.

            Eu acreditava que o melhor que poderia fazer era ir conversar com Jonghyun e esclarecer as coisas com ele, lhe dizer que havia sido um mal entendido. E que eu tinha ido a casa de Minho para falar com ele sobre cancelar o meu afastamento.

            Mas, no momento que me aproximei dele me arrependi no mesmo segundo da decisão que havia tomado. Jong estava impregnado com o cheiro do álcool e suas olheiras fundas entregavam que ele tinha tido uma noite difícil.

            A maneira como ele foi frio e indiferente me deixou triste e um pouco chocado. Era como se para ele olhar para mim fosse suficientemente pesaroso.  Então depois de uma porção de palavras duras que ele me disse, eu saí de sua sala assustado. Ele não me parecia ser aquele tipo de pessoa, mas acho que no fim das contas eu acabei me enganando a seu respeito.

            Acabei esbarrando em Onew quando ia pegar as minhas coisas para ir embora já que o expediente havia acabado, e isso nos traz ao momento presente: Eu e Onew em uma barraquinha de lamen.

- E então como você está? - Onew perguntou com a voz calma apesar de seu semblante um pouco sério.

            Decidi responder de maneira sincera, mas sem encarar os olhos dele. Pois assim eu tinha certeza de que não perderia minha coragem.

- Eu acho que estou confuso e perdido – respondi incerto – Parece que o mundo está contra mim hoje.

            Como ele não disse nada decidi olhar para ele. Ele acenava positivamente enquanto comia. Então eu esperei até ele terminar de mastigar.

- Sim, entendo. É assim que você se sente – ele disse adotando um ar de psicólogo – Então me diga uma coisa Taemin? Quando começou a se sentir dessa forma?

            “Quando?”

            Eu ainda não tinha parado para pensar nisso.

- Acho que depois do acidente… Quando eu decidi continuar aqui e encarar o meu novo emprego onde eu nem conhecia ninguém direito de qualquer forma, mas… Sinto que passar pela experiência de desconhecer as pessoas que já conhecia está me afetando bastante. É como se eu não me encaixasse.

            Ele repetiu o processo de acenar enquanto comia. E pra mim era difícil prever para onde essa conversa iria e no que Onew estava pensando.

- E onde Jonghyun entra nessa história?

            A pergunta dele me pegou de surpresa. Eu quase engasguei com meu macarrão.

- Como assim? - perguntei.

- Você estava razoavelmente melhor antes de entrar na sala dele.

            Então eu percebi que Onew devia ter ligado o fato de meu humor mudar depois de sair da sala do Jong. Suspirei alto antes de responder:

- Bem, essa é uma longa história.

- E você vai confiá-la a mim? - ele perguntou enquanto pedia uma segunda tigela.

            Ponderei se devia confiar nele. Mas, Onew parecia fazer o tipo reservado. Alguém que seria capaz de guardar um segredo. É claro que ao mesmo tempo eu tinha medo de confiar nele e acabar me arrependendo depois.

            Como eu demorei para responder, ele parou de comer e virou o banco na minha direção. Isso fez com que eu o encarasse.

- Taemin – ele disse sorrindo – está tudo bem se não quiser falar sobre isso agora, sério. Eu só achei que de repente você iria se sentir mais leve caso colocasse isso pra fora. É claro que não quero influenciar na sua decisão, então eu vou terminar minha segunda tigela e esperar até que esteja pronto para sua escolha.

            Embora ele tenha se virado de volta e continuado a comer, continuei o encarando. Pisquei algumas vezes um pouco atordoado. E então recomecei a comer em silêncio.

            Quando Onew terminou sua tigela ele olhou pra mim e perguntou se eu gostaria de ir pra casa. Eu neguei. E então lhe contei sobre o que havia acontecido na casa de Minho e o que havia acontecido na sala de Jonghyun. Ele ouviu tudo pacientemente e não me interrompeu nenhuma vez.

- Foi muito difícil… - eu disse por fim – Sabe? Escutar Jong dizendo coisas como “não se faça de inocente pra cima de mim pirralho” e “pare de perder tempo comigo”.

- Sinto muito mesmo – Onew disse com os olhos distantes, como se ele sentisse por si mesmo também – Jong nunca foi agressivo com ninguém antes. E Taemin acredito que você não possa supor o porque. Talvez eu não devesse interferir e deixar você descobrir por si próprio, mas acredito que levaria muito tempo. Há coisas que você ainda não viveu eu suponho. Há sentimentos que ainda não experimentou.

- Do que exatamente está falando? - perguntei ainda mais confuso.

- Você já se apaixonou Taemin?

“Me apaixonar? Eu não tinha certeza sobre isso. Mas, achava que não. Não romanticamente. Não por uma garota. Apenas pela dança.”

- Não hyung, acho que nunca me apaixonei.

- O amor pode doer muito Taemin – ele disse observando os raios de sol no horizonte – pode mudar as pessoas. Mas, a maioria não fala sobre isso. Porque é mais fácil mostrar o outro lado e contar histórias sobre os casais que deram certo.

- Mas por que você está dizendo isso pra mim?

- Porque Taemin – ele disse olhando nos meus olhos com a luz do sol os deixando com um castanho intenso – Amor é complicado. Não se escolhe amar alguém sabe? Quando se percebe é tarde demais. Jonghyun está lutando contra isso, sem perceber que ele já perdeu a batalha.

- Eu não entendo – disse observando minhas mãos segurarem com mais força a minha tigela.

            Senti minhas bochechas aquecerem. Devo ter corado.

- Jonghyun está apaixonado e o que isso tem a ver comigo?

            Onew tinha uma expressão serena no rosto. Nem parecia que ele estava prestes a jogar minha mente num turbilhão.

- Acontece que Jonghyun está apaixonado por você.

 

 


Notas Finais


Revelação chocante para nosso maknae favorito aí no final né gente? kk
Comentem o que vocês acharam
Bom, ruim, médio, lível?
Espero que tenham gostado
Beijos de luz e até :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...