História Senhor - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Lay, Sehun, Tao, Xiumin
Tags Baekhyun, Chanbaek, Chanyeol, Exo, Sebaek, Século Xix, Sehun, Yixing
Visualizações 29
Palavras 1.441
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, LGBT, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu não sei como falar um oi legal aqui então vamos começar assim mesmo.

Antes de tudo, quero que saibam que essa fanfic foi muito inspirada nos romances "Senhora" e "Lucíola" do nosso grande José de Alencar, um dos melhores escritores do romantismo na minha opinião (e o mais relembrado) então claro que vão ter semelhanças, mas a escrita é totalmente e inteiramente minha.

E como não sei fazer capa e não achei uma capista top a capa vai ser essa coisa aí mas que tá bom. Como é tratada em séculos passados, eu vou tentar o meu máximo para deixar a leitura confortável e realmente espero que gostem dela como um todo. É isso beijos.

MerEdith: EU CONSEGUI UMA CAPA NOVA E ELA TA LINDA tô muito feliz, créditos para a @ JoyMito que fez essa obra de arte incrível, ficou lindo demais socorro

Capítulo 1 - O Salão


1876, século XIX

Luzes brilhantes, chamativas, iluminavam todo o salão de baile, sendo um local ainda mais convidativo para aquela noite em específico, onde cidadãos – homens e mulheres – de todas as idades iriam para festejar. Os bailes para a alta classe da cidade começaram a ser frequentes naquele mesmo ano, e os encontros entre os jovens da alta classe cresceram assim como a popularidade das festas. E além de promover um bom momento de diversão para os que fossem, também era um ponto de encontro para romancistas de plantão, sofredores do coração e que desejavam, a todo custo, um casamento com alto preço.

Era ainda mais comum, além dos bailes, os casamentos por dote, onde os noivos ou até mesmo a família das noivas ofereciam uma quantia específica (muitas vezes alta e satisfatória) para seu pretendente. Este, por seu lado, poderia casar até mesmo sem conhecer seu companheiro, apenas interessado no valor que receberia. Mesmo que a idealização de um romance fosse algo procurado, a degustação de bens materiais acabava falando mais alto que o próprio coração. E assim seguiam casamentos infelizes, por aparências, baseados em brigas e desconforto, mas que trazia uma vida farta para os que dividiam a casa.

Raro seriam os casamentos que os sentimentos falassem alto. Mesmo que o casal acabasse se casando sem sentimentos firmados, estes o desenvolviam ao seu tempo, chegando em uma perfeita harmonia entre os sentimentos e os desejos materialistas.

Mesmo que as intenções principais daqueles salões fossem o romance/ casamento, o indivíduo que mais chamava a atenção, toda vez que entrava ali, não estava nem um pouco interessado naquilo. Ele estava lá apenas para esbanjar sua beleza, dançar com pessoas diversas, mostrar para todos que era auto suficiente e que não precisava de um relacionamento a base de dinheiro para se estabelecer.

Sempre que andava, com seu peito estufado em orgulho e as roupas totalmente perfeitas e bem construídas, arrancava suspiros de mulheres diversas. De homens recebia elogios e questionamentos sobre como conseguia se manter assim todas as noites. E era assim que Byun Baekhyun sempre era recebido naqueles locais, assim que entrava pessoas o rodeavam e tentavam puxar conversa com a estrela da noite.

Baekhyun era como a própria reencarnação da palavra perdição. Seu sorriso branco e brilhante, que fazia seus olhos se apertarem no rosto, era como o pecado para todas as pessoas. Os cabelos lisos e castanhos, que mesclavam com o rosto fino lhe davam um ar angelical, como se fosse um adolescente ainda, mas já beirava os 21 anos de idade. Se, nas literaturas universais, existiam a definição de “mulher anjo” como um ser intocável e perfeito, o Byun seria o “homem anjo”.

Andava pelo salão com a companhia de seus colegas, escritores, doutores, médicos e advogados, sempre sendo rodeado por pessoas muito bem sucedidas. Mas não fazia questão de os terem ali o tempo todo, preferia muito mais a presença de sua criadora e mestra da casa. Nenhuma garota ali lhe chamava a atenção, nem que fosse para apenas uma dança ou uma bebida, ele apenas não se interessava. Não sabia se era pelo fato de ter se relacionado com um homem em sua adolescência. Rodeou as mesas com seus amigos atrás, sempre o seguindo, fazendo comentários aleatórios sobre a vestimenta de certas mulheres que os olhavam.

- Por que não dança com Hwasa, Baekhyun? Ela não tira os olhos de você... – Yixing sorriu ao fazer o comentário, curvando-se para a moça que os olhava como se cumprimentasse a mesma e suas amigas. Era um romântico de carteirinha, sempre estava tendo casos com umas e outras, mas, assim como Baekhyun, nunca pensava em se casar. O de cabelos negros era alto, com um porte físico de se dar inveja, um escritor nato e reconhecido na cidade. Trabalhava como jornalista em uma imprensa importante e sempre acabava viajando para vários lugares. – Tenho certeza que o pai dela poderia lhe dar uma boa quantia.

- Eu não preciso disso, senhor. Sem falar que tenho dinheiro o suficiente para pagar o casamento que quiser, mas não me interessa a dama Hwasa. Sua família é de trambiqueiros.

O escritor, e todos que acompanhavam atrás, fizeram um barulho em desgosto, como se o criticasse por ser tão rígido e intocável nessas questões. Pensavam se o mais baixo nunca se sentia solitário, sentia falta de ter alguém ao seu lado nem que fosse para conversar sobre assuntos que saíam nas notícias de jornais. E ele sentia. O que mais sentia falta era de ficar na janela de seu quarto, vendo seu antigo amor declamar poesias para si, fazendo juras de um amor invencível e infinito.

Seguiram um caminho, apenas perambulando pelo salão e trocando olhares e sorrisos hora ou outra com algumas pessoas. Ficaram todos quietos após o que Baekhyun havia dito sobre a garota jovem e apaixonada, não fazendo mais perguntas e nem comentários. Esse, por vez, não se importava com o silêncio, estava muito bem apenas analisando o local e escolhendo uma mesa estratégica para que pudessem se sentar. E foi ao ter visto o vaso de flores roxas sobre a mesa que escolheu esta, se interessando pelas pequenas flores que ainda não haviam desabrochado totalmente. Felizmente, a mesa dava uma ampla visão para a entrada do local, sendo ainda mais fácil de observar as pessoas.

Quando a noite chegava em seu auge, tendo todos da mesa com jeitos alegres pelas bebidas que ingeriam, outra “estrela” aparecia no salão, uma que há muito tempo não dava as caras na cidade e que muitos já haviam esquecido. Mas assim que entrou chamou a atenção de todos, tendo sussurros e murmúrios por todos os lados sobre como estava tão bem conservado. O jovem aspirante a músico começara a arrancar suspiros assim como Baekhyun fazia quando entrava, o que fez com que ele se sentisse curioso e, talvez, invejoso.

- Olhem, não é Park? Aquele cujo o pai falecera a pouco tempo enquanto ele estudava fora? – Kim Jongin, um dos médicos que estava na mesa, falou baixinho para Yixing, que estava ao lado de Baekhyun. Mesmo que o outro talvez não tivesse a intenção, Baekhyun conseguira ouvir claramente sua fala, estreitando ainda mais os olhos para o homem que andava todo empinado pelo salão. Ah sim, se lembrava muito bem dele.

Estava tão diferente, seus fios estavam agora em tons mais escuros, os músculos – que antes quase não se via – eram uma perdição sob o terno apertado talvez propositalmente. Até mesmo sua altura, crescera muito enquanto estava fora, Baekhyun não se lembrava de se sentir tão baixo assim perto do outro. Era Park Chanyeol, sim era ele mesmo. Conseguia o reconhecer por seu sorriso e o formato do rosto, nunca seria capaz de esquecer aquele homem, mesmo que fosse uma decisão para entrar nos céus. Ele já estava ciente de que iria para o outro lado.

Seus olhos bateram nos de Chanyeol como um feroz acidente entre automóveis, ambos saíram predestinados para a própria morte. O desespero nas orbes escuras do Byun era visível por todos dentro daquele salão, mesmo que não soubessem real motivo. Em pura verdade, nenhuma pessoa daquela sociedade, além dos dois jovens, sabia a trágica história que os rodeava por anos, aterrorizando a mente de ambos de forma ainda mais tenebrosa naquele exato momento. Suas vivências passadas apareciam diante de seus próprios olhos.

O mais baixo deles, sentado em uma das cadeiras luxuosas, teve que firmar seus pés no chão para que tivesse a absoluta certeza do que estava acontecendo, se aquilo não era apenas uma miragem de sua mente alterada pelo vinho forte. O outro, que andava pomposo de um lado para o outro, desviou o olhar como se não o conhecesse, e apenas se sentisse assustado por conta de estar sendo observado. O que não passava de uma pura verdade. Se Chanyeol havia mudado durante esses anos fora, Baekhyun mudara ainda mais por conta da riqueza que juntara com as heranças de seu avô desconhecido. Para Chanyeol, aquele que o observava não passava de um desafio qualquer, como um concorrente para as belas damas do lugar.

Percebendo que talvez fosse desconhecido, Baekhyun se levantou da cadeira com uma das expressões mais tristes e melancólicas que sua face poderia lhe dar. Não se despediu de seus colegas, apenas andou em passos largos e leves até a porta de entrada, passando pelo homem que tanto observava como se também não o conhecesse. Assim que sentiu seu perfume forte inebriando todo seu corpo, um sentimento de vingança lhe percorreu as veias. Não aceitava ser tratado assim, ainda mais por um mero estudante de música que acabara de voltar para a cidade.


Notas Finais


Só avisando que os 2 primeiros capítulos serão meio pequenos porque serão uma "introdução" aos personagens principais, então não se desesperem. Não prometo que os próximos ficarão TÃO grandes assim, mas vou tentar o meu melhor para que isso aconteça.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...