1. Spirit Fanfics >
  2. Senhor Malik >
  3. Capítulo dez

História Senhor Malik - Capítulo 10


Escrita por:


Capítulo 10 - Capítulo dez


Fanfic / Fanfiction Senhor Malik - Capítulo 10 - Capítulo dez

Capítulo dez

Zayn Malik

Foi real. Foi tão real.

Por aqueles momentos, eu pude sentir a pele macia dela em meus dedos, os fios loiros enrolados em minha mãe, o olhar azul com a pupila dilatada olhando diretamente para mim. Naquele momento tudo parecia tão certo, real, como se ela estivesse comigo, como se todo aquele delicioso prazer, tesão e conexão, viessem dela. Gigi Hadid.

Eu não consigo me mexer, não consigo acordá-la, porque sei que quando ela sair de cima de mim, vai levar uma parte de mim e eu não conseguirei fingir tudo isso dessa maneira, de uma forma tão real.

Sabrina se levanta do nada, como se estivesse apressada para algo, ou apenas fugindo de mim. Assim que ela se levanta, a sensação de estar preenchido se vai também, deixando o vazio tomar conta. Merda. A loira começa a pegar suas roupas tão rápido, que tenho certeza: está fugindo de mim.

- Bom dia? – Pergunto observando-a.

- Ah... bom dia – Ela veste o sutiã e coloca a blusa, mas antes que pudesse fechar, percebe que os botões foram arrancados – ótimo... – Ela murmura e pega a minha blusa, me fazendo lembrar mais uma vez de Hadid.

- Por que está tão apressada? - Pergunto e me levanto. Ela termina de se vestir, pegando os saltos nas mãos.

- Eu... Tenho uma massagem marcada pra daqui a trinta minutos – Sabrina fala apressada, saindo do apartamento.

Todo o tesão que eu poderia ter, simplesmente vai embora. Ela conseguiu me fazer broxar com esse jeito mimado insuportável. Rosno, recolhendo minhas roupas e vou para meu quarto, indo diretamente para o banheiro, tomando um banho.

Eu sei o quanto isso é errado e o quanto eu não deveria fazer isso. Pela primeira vez em mais de um ano eu consegui transar com alguém que não fosse Gigi. Isso me deixaria em êxtase, se eu não estivesse pensando nela todo momento. É tão errado, mas eu não controlo. Ela foi e será meu único amor, um amor de verdade, não essas paixões ridículas que os jovens de hoje dizem sentir.

O que eu senti por Hadid foi algo fora do comum, foi um amor puro e verdadeiro e eu deixei isso escapar, magoei ela e sei que não a terei mais. Isso me fode, me deixa impotente, mas essa noite tudo amenizou. A saudade que sinto de Hadid, por incrível que pareça, amenizou.

É errado, muito errado, mas não consegui evitar. Os olhos de Sabrina, o tom da pele e a cor dos cabelos, são parecidos com Gigi. Parecidos o suficiente para me fazer passar a noite imaginando-a comigo, do meu lado. É errado, mas inevitável. Eu amo Gigi Hadid.

Termino de vestir meu terno, e de me arrumar, percebendo o quanto estou atrasado. Ficar pensando nisso vai me deixar mais fodido. Eu sei que acabei de entrar em uma fria muito grande e instável.

Saio do quarto atrás do meu celular, e dou de cara com Noora, minha irmã e melhor amiga de Sabrina.

- Que susto... – Ela coloca a mão no peito.

- Desculpa, estou atrás do meu celular – Passo por ela rápido, indo para o sofá.

Eu me sinto mal, agora eu me sinto muito mal por esconder isso de Noora. Mas nunca fui de contar da minha vida pessoal, pelo contrário, gosto de ter as coisas apenas para mim. Não vejo isso como esconder um segredo, sou reservado, apenas isso. É algo que faz parte de mim.

- Não tem nada pra comer, então pede alguma coisa – Digo, ainda procurando o aparelho – Vou pra casa do Louis, qualquer coisa me avise e...

- Zayn – ela me chama e eu me viro para encará-la – Eu achei seu celular e... e uma calcinha – Ela olha surpresa, e eu me sinto constrangido.

Noora joga a calcinha para mim, e eu a pego, não conseguindo evitar um sorriso. Coloco a peça no bolso, e saio, fechando a porta.

Isso vai foder comigo. Eu sinto que toda a dor que foi se amenizando, vai voltar com tudo, e o pior é que eu não consigo evitar, preciso ter isso de novo, meu corpo está pedindo, quase implorando por mais uma dose, só mais uma pequena dose de Gigi Hadid.

Desisto de ir para casa de Louis e vou direto para o escritório. Como sempre, Vanessa, minha secretária, me acompanha até o elevador, onde vai me dizendo algumas audiências e papéis que devem ser assinados. Desde que assumi a Malik’s, tento estar a par de tudo, seja em relação aos funcionários, o desenvolvimento do trabalho, ou até na área financeira. Eu gosto de saber tudo o que está acontecendo, e talvez me envolver mais hoje, fará eu esquecer de tudo o que houve essa noite.

- Obrigada, Vanessa – Agradeço com um tom contido e entro no elevador, deixando minha secretária com um sorriso agradecido no rosto.

Subo direto para minha sala, com tudo ainda na minha cabeça. As emoções que senti, um misto de necessidade, luxúria e... e algo muito familiar que não consigo distinguir. Eu só preciso de mais uma dose, e depois disso, eu paro. Não é legal brincar com os meus próprios sentimentos dessa maneira, não quero me foder mais do que já estou.

Passo o dia trancado no escritório, tentando a todo custo trabalhar, mas flashbacks voltam a minha mente toda vez que pisco. Isso é estranho e tão surreal, como Sabrina conseguiu fazer isso? Ela... porra.

- Estou entrando... – A voz de Louis me tira de meus devaneios e quando percebo ele já está sentado a minha frente – Mais duas audiências ganhas e outra foi adiada para daqui a cinco dias.

- Que ótimo, fica bem feliz com isso – Digo e assino um dos últimos papéis.

- Não parece tão feliz – Ele debocha – O que houve?

- Nem queira saber – Assino o último papel, colocando na pasta.

- Acho que quero saber... – Ele se acomoda na poltrona a minha frente.

Suspiro.

- Eu transei com uma amiga da Noora... – Digo e vejo-o ficar surpreso.

- Do nada?

- Havíamos nos beijado antes, e um dia dormir na casa, ela estava muito bêbada e...

- Vocês transaram nesse dia?

- Não, nesse não... – mordo o lábio começando a me sentir um lixo humano – Mas ela acha que sim. E, ontem ela apareceu na minha casa e aconteceu.

- Então ela acha que vocês já tinham transado? – Ele diz em um tom incomodado.

- Isso. Eu sei, errado, mas a situação piora.

- Você sabe que provavelmente sua mentira influenciou na transa que vocês tiveram, não é? – Louis fala como se fosse obvio.

Eu não tinha parado para pensar nisso. Mas faz sentido. Então se eu não tivesse mentido, naquela noite, falando que transamos quando ela estava bêbada – o que eu jamais faria com qualquer outra pessoa naquele estado –, ela não teria ido ontem para minha casa? E eu não teria sentindo isso, que estou sentindo?

- Vamos lá, Malik... o que pode piorar? – Louis me incentiva a contar.

- Quando ela apareceu no apartamento, eu fiquei surpreso... e então ela me beijou, ele tomou toda a iniciativa e quando percebi estava no sofá, com ela e porra... eu nenhum momento minha mente ficou em Sabrina... era só...

- Gigi Hadid? – Ele revira os olhos – Ela não esperou nem uma semana pra pegar o filho da puta do seu coleguinha de classe, Zayn, e você aí, obcecado por ela. Passa mais de um ano sem foder alguém, e quando vai foder, fica pensando nela.

- Eu sei – Suspiro.

- Você é um filho da puta... como você fode uma garota pensando em outra – Louis parece indignado – Qual era o problema? Ela não deu tesão? Não fez direito e por isso usou sua imaginação fértil?

- Pra falar a verdade, eu nem sei. No momento em que ela entrou e me beijou, eu já imaginei Gigi... eu sei, isso é louco.

- É doentio, Malik, isso sim. Já está na hora de você superar a sua paixonite por ela – Ele se levanta, um pouco revoltado, com seu jeito exagerado – Você mentiu pra garota e fodeu ela pensando em outra... é meu amigo, você é o famoso “babaca”.

Ele vai em direção a porta.

- Boa sorte com sua consciência de merda que vai pesar, e não se esqueça, Harry nos chamou para ir a um barzinho hoje – Louis sai, como se não tivesse acabado de ofender seu chefe.

O dia todo foi nesse pique, pensando e lembrando do quanto fui filho da puta com Sabrina, e que ela não precisa e não vai saber, pra falar a verdade, eu acho que ela nem se importa, afinal, não é só sexo? Com quem fantasio ou deixo de fantasiar, não é de desrespeito a ela e nem ninguém. Ela só precisa me fornecer mais uma vez aquela bocetinha gostosa e me deixar delirar por mais alguns minutos.


Sabrina Carpenter

Eu adoro festas, adoro bebidas, bar e todo o clima erótico e divertidos que eles trazem. Mas, ir a uma festa com Kendall, a contadora da Styles, não me deixa muito confortável. Tem algo nela e no Harry que me deixa intrigada, algo que eu vou descobrir.

Passei o dia inteiro com Noora, me arrumei em sua casa e pela primeira vez, me senti uma verdadeira traidora. Eu transei com o irmão da minha melhorar amiga, duas vezes... tudo bem que a primeira, eu não me recordo, as a segunda, meu deus... é como se eu ainda sentisse Zayn me tocando.

Eu vou contar a Noora, não consigo e nem vou esconder qualquer coisa dela. Eu sei que ela é madura o suficiente para aceitar isso, até porquê, é só sexo. Um sexo estranho, com uma conexão bizarra, que não saiu da minha cabeça em nenhum momento, mas para meu bem, é melhor isso não se repetir.

Liam nos deixou no bar, já que vamos beber e não gosto de dirigir alcoolizada. Noora e eu entramos. O bar estava cheio, e o tema de hoje é sobre o Brasil. Esse bar teve a ótima ideia de trazer a experiencia de novas músicas e bebidas para nós. A cada semana, uma festa relacionada a algum país. Essa é a primeira, e o sorteado foi o Brasil.

- Ali elas, vamos... – Noora me puxa para uma escada, onde subimos para a área vip – Oi gente.

Minha amiga cumprimenta Kendall e também Eva, se não me engano. Elas já estão bem alegres e esse clima, me contagia.

- Oii! O que vão querer beber? – Kendall pergunta chamando o garçom.

- Que garçom... – Digo analisando-o, enquanto ele vem até nós.

- Bem vinda ao paraíso – A contadora da Styles diz.

Noora e eu pedimos nossas bebidas, e então minha amiga avisa ao seu irmão a hora de vir nos buscar. Não sei se me sinto a vontade com essa situação; Noora não saber sobre mim e Zayn. E por isso, irei contar tudo para ela, amanhã.

- Esta ansiosa para ir ao Brasil? – Noora diz.

- Sim! Dizem que lá é um país bem caloroso e com bastante funk.

- Eu já fui lá – Digo para Kendall – As baladas são ótimas.

- Estou ansiosa para conhecer!

Então do nada, eu, Kendall e Eva iniciamos uma conversa muito aleatória sobre países que já visitamos, enquanto isso, Noora vai ao bar, bebe uma cerveja e depois vem até nós, nos chamando para dançar.

A noite foi correndo, dançamos e nos divertimos muito. Digamos que o garçom e eu trocamos alguns olhares bem... intensos. Esses joguinhos me excitam tanto...

- Se eu estiver tentando flertar com alguém, o que eu faço exatamente? – Noora pergunta em meu ouvido, no meio da pista de dança. Sorrio.

- Só dance, e solte uns olhares sexy – Digo bebendo minha bebida – Quem é?

- Não vou dizer, ainda não é certeza e... – Noora leva seus olhos verdes para o andar de cima, onde tem um homem levando a bebida até a boca, sem tirar os olhos da minha amiga.

- Ele é gato... – Digo para Noora – Mas não olhe muito, deixa uma certa dúvida do flerte no ar – Falo e vejo Kendall e Eva voltar com mais bebidas.

- Ele é bonito – Eva diz.

Vejo o olhar nervoso de Noora, então a puxo para dançar, afinal, ela tem que relaxar para continuar seu flerte, que aliás, não tem nada demais, não é mesmo?

As músicas são alegres, em uma batida ótima para mexer os quadris e descer até o chão. E estamos fazendo. Isso entre uma bebida e outra, uma rebolada e sorriso, seguimos a noite, até Noora decidir ir ao bar pegar mais cervejas. Fico com as meninas, que já estão bem alcoolizadas, mas divertidas.

O telefone de Noora começa a tocar sem parar, ela havia deixado comigo. Tento ignorar, mas cara, af. Saio da pista e subo, vendo que Noora esta conversando com o mesmo cara no bar. Sem um pingo de vergonha na cara, me aproximo deles.

- Oi, desculpa incomodar, mas seu celular não para de tocar – Eu digo.

Noora sorri sem graça, se levantando e vai até o banheiro.

- Oi, sou Sabrina, você é...

- Alec... – Ele sorri de uma forma bem atraente e aperta a minha mão.

- Pronto, não vai mais tocar – Noora volta, me entregando o aparelho.

- Certo... a, podem voltar a fazer o que estavam fazendo.

Falo e volto para a pista, mas antes de começar a dançar, o celular de Noora vibra mais uma vez. Reviro os olhos e o pego, mas na verdade é o meu. Desbloqueio e leio a mensagem:

“Espero que tenha tomado a pílula. ZM

Leio a mensagem mais de uma vez, só para ter certeza de que estou lendo corretamente e não tendo um delírio pela bebida, então escrevo:

“Achi qur voci já ssbr que eu n prcjesio de pillakdj”

Tento ler minha própria mensagem, não da certo.

“O que?”

Zayn responde quase que na mesma hora. Reviro os olhos. Não posso continuar com isso, e não vou. Guardo meu celular, vendo Noora sair com Alec para o lado do bar. Nesse momento, volto para pista de dança e assim que começo a dançar, o garçom gostoso para por mim, me dando uma olhada e indo em direção ao banheiro. Ele me olha, sorri, e entra, como se estivesse me chamando.

Viro meu shot.

É óbvio que vou.

Em passos largos, começo a caminhar para o banheiro, indo atrás do meu primeiro orgasmo da noite. Mas, antes de chegar ao local, um homem se coloca a minha frente, impedindo que eu passe.

- Desculpa, você não está me... vendo – Meus olhos sobem diretamente para o rosto do homem alto, magro. Zayn – O que você tá fazendo aqui?

- O que você ia fazer? – Ele ignora minha pergunta.

- Não é da sua conta – Respondo imediatamente. Quem ele pensa que é?

- Você ia pegar aquele cara? – Ele da um passo a minha frente, ficando muito próximo.

- Eu por acaso lhe devo satisfação da minha vida? – Pergunto.

- É, não deve – Ele concorda e com raiva, eu me viro, para voltar para pista.

Mas, antes de dar qualquer passo, Zayn me puxa pelo braço, fazendo meu corpo bater contra o dele, e com uma das mãos, ele segura meu queixo. Minha respiração se acelera com tal brutalidade. Ele me olha dentro dos olhos, com um olhar feroz e intenso o suficiente para renascer a faísca entra em nós, causando um incêndio.

Zayn gruda seus lábios nos meus com rapidez, de uma forma grossa e com urgência. Fora de mim, abro minha boca para o recebê-lo e me entrego aos seus lábios. A música alta, a bebida e a necessidade de sentir qualquer toque, faz-me me entregar a ele de uma só vez. Ele aberta meu queixo, guiando o beijo de uma forma manipulável, fazendo minha boca dançar no ritmo que ele quer.

Sem pensar muito, caminhamos e entramos no primeiro banheiro que vemos. Ele me empurra para dentro de uma das cabines e tranca a porta, voltando a me beijar com rapidez e necessidade, como se precisasse do meu beijo para algo. Deve ser o álcool. Me rendo ao beijo, sentindo suas mãos firmes tocarem meu corpo, causando-me arrepios.

Nós viro, fazendo ele bater as costas contra a porta da cabine, ele morde o lábio com força e eu me aproximo, beijando sua mandíbula travada de tesão. Sorrio, e desço minha boca para seu pescoço. Ele rosna e se arrepia sob meus lábios.

Com os olhos nos seus, me abaixo, tirando a fivela do seu cinto com rapidez, sem cessar nosso contato visual. Ele parece fascinado pela cena. Tiro seu pênis da calça com rapidez, vendo-o completamente ereto. As veias saltando, e a cabecinha completamente molhada com seu pré-gozo. A cena me excita, Zayn é bonito e atraente, e vê-lo nessas condições, me tiram do sério.

Passo a língua por sua cabecinha rosada, deixando-o lubrificada com a minha saliva. Ele continua me olhando, com os olhos atentos. Passo a língua novamente, mas dessa vez, vou da base até sua cabecinha, onde eu enfio seu pau todo na minha boca, até a garganta. Ele rosna, agarrando meus cabelos, me fazendo chupar. Assim faço, coloco-o todo na minha boca, puxando devagar, enquanto sua mão se enrola em meu cabelo, os puxando de leve.

Levo os olhos para os seus. Zayn está com o rosto levantado para cima, me fando a visão do seu pescoço, suas veias saltadas, sua boca entreaberta, ele rosna a cada sugada que dou, ele pressiona minha boca mais, fazendo com que eu o engula por completo. Meus olhos se enchem de lágrimas, mas eu continuo, coloco-o todo dentro da minha boca, fazendo pressão, sugando-o todo para mim.

Zayn perde seu autocontrole, ele geme algo que não entendo, um gips, gigs, algo assim, e então eu perco todo o controle do boquete que estou pagando. Ele começa a controlar, com as mãos fortes em meu cabelos. A cada vez que ele pressionava minha boca mais contra ele, mais ele soltava múrmuros e sussurros incompreensíveis.

Seguro em seu cintura, deixando-o se enfiar todo em minha, deixo seu pau completamente babado, molhada, e sugo novamente. Em questão de segundos, Zayn sai, gozando no vaso. Ele está ofegante, suado, ainda em seu terno ridículo de bonito. Me levanto, limpando os cantos da boca, então saio da cabine, como se nada tivesse acontecido e volto para a pista de dança, agarrando a primeira bebida que vejo pela frente.

Isso tem que acabar. 


Notas Finais


Não esqueçam de comentar!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...