1. Spirit Fanfics >
  2. Senhor Malik >
  3. Capítulo sete

História Senhor Malik - Capítulo 7


Escrita por:


Notas do Autor


Desculpa pela demora e tenham uma boa leitura!

Capítulo 7 - Capítulo sete


Fanfic / Fanfiction Senhor Malik - Capítulo 7 - Capítulo sete

Capítulo sete

Sabrina Carpenter

Acordo, mas antes de abrir os olhos, sinto minha cabeça dando um giro de trezentos e sessenta graus, em uma intensidade chocada e jamais vista por qualquer outro ser humano. Ainda de olhos fechado, me espreguiço, sentindo o travesseiro confortável, me pegar de jeito com a maciez e o cheiro gostoso de homem. Rio dos meus pensamentos.

Aconchego-me mais aos lençóis e travesseiros que estão em uma temperatura gostosa, morna. Afundo o rosto entre os lençóis, sugando aquele cheiro gostoso que deve estar me deixando mais bêbada que o álcool de ontem. Jogo o braço por cima, em um delírio pós tomar todas, e encravo as unhas, puxando mais o travesseiro, que geme se mexendo.

O que?! Espera aí!

Abro os olhos assustada, vendo em minha frente um peito completamente tatuado. Engulo em seco, tentando me lembrar do que aconteceu ontem. Assustada, vou me afastando, vendo o corpo de Zayn vestido apenas com uma boxer preta, nada além disso.

Merda, Sabrina. Lembra do que houve... lembra do que aconteceu. Suspiro, nervosa e me levanto, puxando o lençol comigo. Eu não fiz isso, é impossível e... abro as pernas, curvando o tronco pra tentar conferir se tem algum indício de que um pênis entrou dentro de mim, mas nesse momento, eu não consigo nem chegar perto do meu umbigo, que a tontura vem.

Okay, respira. Não aconteceu nada, primeiro que você não cederia; segundo, ele não faria isso com você bêbada e louca. Pra ser honesta, eu nem sei o que aconteceu aqui.

Comprimo os lábios, observando Zayn dormindo em minha cama. Eu não consigo me lembrar de nada, apenas da raiva que sentia quando cheguei no bar por sem abandonada do outro lado da cidade por esse ogro. Suspiro, nervosa, enquanto olhos para Zayn.

O corpo carregado de tatuagens, com desenhos aleatórios e curiosos, caído em minha cama em um sono suave e tranquilo. Apesar de todas as tatuagens, uma em si, chama a minha atenção. Há um par de olhos azuis em seu peito. Olhos semelhantes aos meus, mas que devem ser dela.

Curiosa, me aproximo, tendo certeza que são olhos femininos. Subo na cama, curiosa, deixando minha mão se levantar involuntariamente em direção ao olhos calmo e suave, tatuado no peito de Malik, mas no momento em que meus dedos se aproximam, a mão de Zayn, agarra meu pulso, me dando um susto.

- O que está fazendo?! – Ele diz, com a voz rouca, afastando minha mão dele.

- O que fizemos ontem? – Pergunto o ignorando.

Ele ri, levantando da cama e deixando seu corpo a minha frente.

- Acho que você sabe muito bem o que fizemos – Há um sorriso intimidante no rosto de Zayn.

- Nós não fizemos sexo.

Ele ri, recolhendo sua calça e a vestindo.

- Se você acha que eu dormiria fora de casa, sem foder uma boceta, você tá enganada.

- Eu estava bêbada!

- E com tesão – Ele ignora minha revolta, e veste a camisa social preta, fechando os botões.

- Nós não transamos – Afirmo com mais firmeza.

- Se enfiar o pau em você, não é transar. Estou desconhecendo esse termo – Ele diz rude, calçando os sapatos e pegando o restante das roupas.

- Você é desprezível – Digo neutra, com indiferença, ainda não acreditando que fizemos qualquer coisa.

Alguma coisa deve estar errada, eu não treparia com Zayn. Sem fodendo.

- Olha, eu adoraria ficar o dia todo aqui te falando repetidas vezes essa baboseira, mas tenho coisa melhor pra fazer – Ele vai em direção a porta, mas antes de abrí-la, ele diz: - A, se contar pra Noora, qualquer coisa sobre Gigi, eu conto que passei a noite toda te fodendo.

Um tom ameaçador e seguro se si, sai com as palavras mais absurdas que alguém pode dizer.

Me levanto, puxando o lençol junto e ando até Zayn com um sorriso no rosto.

- Então não transamos mesmo – Sorrio – Inventou isso pra me chantagear? Acho que não vai dar certo, Malik.

- Passar a noite aqui, pra te chantagear, parece ser bem atrativo, Carpenter - Ele aproxima o rosto do meu, com um sorriso mais cínico ainda.

Ele não vacila, sustenta o olhar no meu, até seu rosto ficar ao lado do meu, com sua boca próximo ao meu ouvido.

- Você me surpreendeu com esse lance de pompoarismo. Confesso que foi bem gostoso sentir você apertando meu pau, enquanto gozava – Ele sussurra, me dando o ultimato perfeito na minha quase certeza de que não havíamos feito algo.

Engulo em seco, sentindo meu estômago revirar. Nós transamos.

Ele volta a colocar o rosto enfrente ao meu, deixando-o a centímetros de distância.

- Se você contar a Noora...

- Eu vou contar tudo pra ela, Malik – O corto com a voz falha – Sobre a Gigi e sobre essa Noite. Não vou esconder as coisas de Noora por erro que eu cometi. Ela é madura o suficiente pra entender que não passou de sexo – Afirmo, diante do seu olhar. Ele ri, sem humor.

- Deixa eu te dizer o que vai acontecer... – Ele coloca uma mecha do meu cabelo atrás da orelha, de uma forma perigosa – Você vai contar, ela vai achar que traímos ela, e eu vou confirmar, dizendo que você vivia dando em cima de mim. Então ela vai ficar brava com você, por esconder algo dela e nunca mais vai falar com você – Ele sorri, passando o indicador na ponta do meu nariz, logo se afastando, sem tirar os olhos dos meus – Vou me certificar de que ela nunca mais olhe em sua cara, Carpenter.

- Você é uma pessoa odiável.

Ele me ignora, dando de ombros.

- De qualquer forma, é melhor você pensar bem, e ficar na sua – Ele se vira pra porta – E, tome pílula, não quero saber de gravidez não planejada.

E então ele sai, batendo a porta com força, me deixando totalmente chocada com o ser humano baixo e desprezível que me mostrou ser hoje. Mas não adianta, não cair nesse jogo e esconder de Noora as coisas. Somos amigas e eu não vou colocar nada na frente disso...

O barulho do meu celular acorda-me de meus devaneios. Vou até ele, ainda chocada com tudo que houve agora e vejo o nome de Liam na tela. Atendo.

- Oii, passo aí em trinta minutos – Ele diz animado.

- Eu preciso falar com a Noora – Murmuro, sentindo um frio na barriga.

- Aconteceu alguma coisa? – O tom de voz de Liam muda, para um mais preocupado.

- Sim, aconteceu... e porra, Liam... – Suspiro.

- Chego aí tem quinze minutos.


Zayn Malik

Chego em casa cedo, provavelmente Noora esteja dormindo.

Passar a noite na casa de Sabrina foi algo que não pretendo repetir. Cuidar de uma bêbada, faladeira e enjoada não é algo que eu goste. Primeiro que eu nem deveria estar cuidando dela, mas sua prima, Emma, estava dormindo no sofá e vamos combinar, aquela menina não deve nem ter cheirado um copo de álcool, imagina cuidar de uma bêbada.

Eu deveria ter deixado Sabrina jogada no seu quarto, deveria. Mas não o fiz. Depois da loira vomitar toda a bebida, tive que a ajudar a tomar um banho e antes disso ela me fez tirar toda a sua maquiagem com lençol demaquilante, que eu não sei o que quer dizer, mas depois disso eu tive que lavar o rosto dela com um sabonete líquido específico e depois do banho, tive que passar um creme em seu rosto. Segundo ela, esse é o seu “ritual noturno”, pra mim, é só mais uma frescura de menina mimada que não tem o que fazer.

Enfim, depois disso, ela se recusou a colocar uma roupa, me deixando puta, já que depois de tudo, ela cismou em ir tomar um banho de banheira. Haja paciência. Eu fiquei puto, com muita raiva e me submeti até em fazer um lanche pra ela comer.

Mas em algum momento eu fui deixando de ficar puto, percebi que ela era uma bêbada bonita, sem toda aquela maquiagem e com o corpo exposto a mim, sem vergonha alguma, como se já tivesse intimidade para ela ficar dessa forma diante de mim, completamente nua.

Seu corpo pequeno, baixo, gostoso, combinam com sua personalidade de princesa mimada e os olhos azuis. Em um momento naquela noite eu deixei esses olhos azuis me lembrarem de Gigi, meu grande e único amor e isso foi um erro. Eu deixei as coisas saírem do controle, deixei essa saudade incontrolável que sinto da Gigi me dominar e me descontrolar de uma forma inexplicável e inconsciente.

E agora, eu tenho que aguentar essa decisão de dar o primeiro beijo, de iniciar essa porra. Tenho que aguentar e resolver. Por isso, ameacei Sabrina. Preciso que ela esteja contida e finja que nada aconteceu entre nós.

Antes de ir buscá-la naquele bar, havia contato a Noora, um pouco da minha história com a Gigi. Contei sobre a merda toda que a morte do nosso pai causou a minha vida. Em como eu tive que abandonar o amor da minha vida, pra cuidar do escritório e da minha família. Não pensem que foi uma decisão fácil, não foi. Eu estava pronto para construir o meu futuro e família com Gigi, mas nossos planos foram interrompidos pela morte do meu pai.

Eu sei que minha irmã para idade dela, é madura. Mas a alguns assuntos que ela não saberia lidar, como por exemplo, eu fodendo a melhor amiga dela. Sim, eu sou horrível. Então, para fazer Sabrina se corroer por muito tempo, e abaixar a bola de mimada, assim fiz, dando um ultimato: ela abre a boca, e perde a amizade de Noora.

Claro que a nossa noite cansativa pra cacete influenciou nessa ideia de merda. Mas, desde que Sabrina não abra a boca pra Noora e que minha irmã não conte que já sabe sobre mim e Gigi, tudo dará certo e os erros ficaram jogados debaixo do tapete.

Depois de tomar um banho e uma xícara de café amarga, deixo Noora na Styles. O clima entre nós está estranho, eu sei que é muita coisa pra digerir, eu errei com ela e ainda fiz um desabafo emocional, ao qual não estou acostumado.

- Se precisar de carona pra faculdade, me avise.

Digo com a voz rouca, e então ela assenti, saindo do carro sem dizer nenhuma palavra. Merda. Eu não deveria ter feito isso, não deveria ter falado com Harry e eu sei que preciso deixá-la tomar suas próprias decisões, mas porra, ela é uma criança.

Controlo toda angústia que sinto e sigo para o escritório. Eu não posso cometer um deslize no meu ambiente de trabalho, não posso deixar minhas emoções sobressaltarem sob minha profissão, preciso seguir o legado do meu pai, com eficiência e qualidade.

Entro no escritório, vendo Vanessa, minha secretária. Ela caminha até mim, com algumas pastas e um café médio nas mãos.

- Bom dia, Sr. Malik – Ela me cumprimenta com um lindo sorriso. Balanço a cabeça, a cumprimentando – Café puro sem açúcar e alguns processos que as audiência serão essa semana.

- Obrigada, Vanessa.

- Por nada – Ela sorri me acompanhando até o elevador – O Sr. Styles ligou, pediu para que lhe enviasse o anexo do Sr. Jay o mais rápido possível.

- Isso eu irei fazer, Vanessa. Obrigada – Ouço a voz charmosa de Louis e reviro os olhos entrando no elevador – Tenha um bom dia – Louis sorri e minha secretária agradece com um sorriso, enquanto as portas da cabine vão se fechando.

Não digo nada, ao meu amigo, Louis por si só começa a falar nem motivo algum. Talvez eu não goste dessa característica dele, mas afinal, esse filho da puta é um excelente advogado.

- Ela é afim de você pra caralho – Ele bate em minhas costas. Rosno – Para com essa frescura de ficar sem foder por causa da Gigi. Enquanto você está se segurando pra não enfiar seu pauzinho de merda em uma boceta, ela deve tá quicando feito louca no pau daquele mauricinho – Louis começa a tagarelar.

- Tenha um bom dia, Tomlinson – Digo vendo as portas do elevador se abrirem e agradeço por isso.

- Vai se foder, Malik – Ele revira os olhos indignados, enquanto vai pro seu lado do corredor.

Eu conto? Melhor não. Gosto de ter minha vida reservada apenas pra mim. Quanto menos pessoas souberem, mas chances a de dar certo. Espera... dar certo? Porra, Malik.

Entro na minha sala, jogando a pasta e o café em cima da mesa. Assim que dou a volta, para me sentar em minha cadeira, o telefone toca.

- Sim? – Atendo encarando a tela do notebook.

- Sr, Malik, tem uma loira...

- Sabrina Carpenter! – Ouço a voz de Sabrina.

- A, Sr. Carpenter – Vanessa volta a falar – Ela está dizendo que precisa falar algo sério com você e...

- Mande-a subir – Ordeno com a voz baixa. Não quero escândalos no escritório do meu pai.

- Tudo bem – Vanessa diz por fim e desliga.

Em questão de segundos, aa porta da minha sala e aberta por um furacão, putasso. Olho para a loira, que dessa vez estava vestida e mais sóbria. Sabrina usa um vestido branco, solto, decorado. Os cabelos soltos, com soltas e um salto médio, cor branco. Seu rosto está maquiado, como sempre, dando intensidade a garota mimada que vive nessa garota pequena e determinada. Engulo em seco, sentindo falta da saliva em minha boca, e antes que pudesse sentir qualquer outra transformação em meu corpo, desvio o olhar, voltando minha atenção a mesa.

- O que você quer, Carpenter? – Digo indiferente, tirando os papeis da minha pasta.

- A verdade, Malik – Ela joga sua bolsa cor preta em uma das poltronas e caminha de um lado para o outro.

- Que verdade?

- Não se faça de cínico, Malik – Ela sorri irônica – Você sabe muito bem do que estou falando.

- Eu já disse a verdade – Digo calmo.

- Okay, eu tentei ser pacífica, Malik – Ela levanta as mãos em forma de rendição e se vira pra mim.

A olho, tentando descobrir o que exatamente isso quer dizer. Ela sorri ainda mais e se senta em uma das poltronas, cruzando pernas.

- Você sabia que Gigi é uma das poucas pessoas em Londres a ter o perfil do instagram privado? – Ela diz, com a língua carregada de veneno. Sinto meu corpo ficar tenso. – É, eu também fiquei surpresa. Mas, o que mais me deixou surpresa vou ver que você a segue e curti todas as suas fotos – Ela curva-se em cima da mesa e sorri sapeca – Aa, não foi isso que me deixou surpresa. Mas, descobrir que você ativou as notificações do instagram da sua ex!

Travo a mandíbula sentindo meu corpo ficar ainda mais tenso.

- E o que você tem a ver com isso? – Pergunto transparecendo calma.

- Eu? Absolutamente nada. Mas... talvez Noora devesse conhecer a mulher pela qual você é obcecado Joe Goldberg.

- Quem é esse?

- Protagonista da série “You”... enfim, isso não tem importância. Eu quero a verdade, Zayn. Nós fizemos mesmo algo?

Me levanto, sabendo que tenho que controlar esse caos que é Sabrina.

- Olha, Carpenter, eu já disse o que fizemos. Se acredita ou não, eu não posso fazer nada. Infelizmente. – Sorrio falso – Agora me dê licença, eu preciso trabalhar e você está me atrapalhando.

- Você tá mentindo pra mim... – Ela levanta, ficando a minha frente.

Suspiro puto.

- Acredita na merda que você quiser, agora sai da minha sala, porra – Aponto pra porta.

Sabrina agarra sua bolsa, com tanta raiva que me surpreende ela não sair gritar como a surtada que é. A loira passa por mim, agarrando a maçaneta da porta, mas antes que ela sai, eu a chamo, fazendo-a olhar pra mim.

- Se quiser contar a Noora sobre a Gigi, pode contar. Ela já sabe. Se quiser contar sobre o sexo entre nós, conte também, isso não me importa. Mas, em nenhuma hipótese, pense em ir atrás da Gigi, ou pense em envolvê-la nisso, porque eu juro, Carpenter, se você ousar a falar com ela, ao menos uma vez, eu acabo com você.

Ameaço, sabendo que estou errado por isso. Mas não posso deixar ninguém magoar Gigi por minha causa, não posso deixar uma garota mimada abrir uma ferida já cicatrizada na minha mulher. E para evitar isso, eu sou capaz de tudo.


Notas Finais


Desculpem pela demora, espero que gostem e não esqueçam de comentar, o comentário de vocês me motivam bastante.

Até o próximo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...