História Senpai - Imagine Min Yoongi (Suga) - Incesto - Hot - Capítulo 18


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Got7
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bangtan Boys, Bts, Controlador, Coréia Do Sul, Daddy, Filha, Incesto, Min Yoongi, Pai, Possessivo, Sadomasoquismo, Suga
Visualizações 588
Palavras 1.146
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Bishounen, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Ooooi, minhas pitchucas! Queria agradecer pelos 700 favoritos... Sempre esqueço de agradecer sempre que batemos de cem em cem... Mas dessa vez eu lembrei 🌚 bom, espero que gostem e boa leitura! 💙💙

Capítulo 18 - O diabo veste terno


Fanfic / Fanfiction Senpai - Imagine Min Yoongi (Suga) - Incesto - Hot - Capítulo 18 - O diabo veste terno

E mais uma vez minha cabeça fez questão de me avisar que eu nunca iria entender essas diferentes faces que meu pai de tem... O vê-lo tão diferente dessa forma, me fez temer caso houvesse outras coisas que eu não sabia sobre o mesmo... Agora que eu tinha me dado conta, ele sabia tudo sobre mim, mas eu não sabia absolutamente nada sobre ele. Nem quero imaginar as coisas que ele não demonstra ou faz perto de mim. 

Meus olhos começaram a ficar marejados enquanto encaravam os seus, que não demonstravam nem sequer pena ou arrependimento, cada canto de seu olhar transmitia somente o vazio, e isso fez meu coração se quebrar. Seus punhos apertavam meus pulsos com tamanha força, que eu sabia que quando soltasse, a dor se tornaria maior ainda e o local ficaria vermelho por dias. Ele queria saber quem havia me machucado, mas estava fazendo o mesmo para obter tal informação... Parece que segundo Yoongi, só ele tem o direito de fazer esse ato tão banal em sua cabeça, mas tão absurdo nas dos outros, e na minha.

— Está me machucando. — Digo baixinho, mordendo meus lábios para segurar as lágrimas o quanto que eu conseguia, embora fosse quase impossível nessa situação.

Aperto meus olhos, tentando me distrair e viajar pra bem longe daquele momento que ganharia um espaço nas minhas lembranças. O ouço suspirar pesado, fazendo-me sentir sua respiração quente sobre meu rosto, por estarmos a milímetros de distância. As mãos, que antes agarravam meus pulsos com tanta facilidade, foram se abrindo até não existir mais nenhum contato entre nós naquele local. 

— Eu nunca deveria tê-la adotado... — Abro os olhos rapidamente, já deixando uma lágrima contida cair instantaneamente.

Minha visão estava começando a ficar embaçado por meus olhos estarem esbanjando lágrimas, mas conseguia ver o rosto do homem que dizia ser meu pai me olhando com desprezo e começando a caminhar até a porta de meu quarto, a fechando e me deixando aqui a mercê do silêncio, que so era quebrado pelos meus soluços.

(...)

Abro meus olhos lentamente, me dando conta de que havia adormecido novamente depois de horas e mais horas chorando. Respiro fundo enquanto me sentava em minha cama e olhava para o chão, lembrando do que havia acontecido antes de eu ter apagado e deixando outra lágrima clandestina escorrer de meus olhos. 

— Não. Chega de chorar... Por ele. — Penso alto, enxugando aquele cúmulo de fraqueza de meu rosto e me levantando.

Vou até minha janela, vendo o céu negro pairar sobre a rua deserta, que eu só conseguia enxergar direito por ter um poste de luz branca bem em frente à mansão. Olho o relógio confusa, vendo que se passava por 04:02 da manhã. Arg... Esse é o problema de ter um sono pesado. Vou até o meu guarda-roupa, pegando uma calça preta e um moletom branco, pois parecia que essa noite iria me congelar. Me visto e saio de meu quarto, não temendo mais aquele corredor totalmente escuro a minha frente, pois os gritos de socorro misteriosos haviam parado e eu não pensava em assombrações no momento. Estava mais preocupada em me lamentar por ter me apegado tanto e tão fácil a um homem que nem sequer tem o mínimo de afeto por mim... Eu nunca deveria ter o deixado me adotar... Bastava dizer "não". Mas a vida fez questão de esfregar na minha cara  que naquele momento, preferia mil vezes passar resto da minha adolescência no mesmo orfanato que a dias atrás, planejava minha fuga para me libertar daquela vida de órfã. Pelo menos eu tinha feito um amigo que se importava comigo.

Mas minha atenção dos meus pensamentos é tirada ao passar em frente ao quarto de Yoongi e ver sua porta aberta, mas nada se encontrava dentro do cômodo e sua cama estava impecável. Com muita coragem, coloco meu pé direito na fronteira da porta, entrando e vendo melhor ao redor, que estaria totalmente escuro se não fosse a luz da lua iluminando sua cama e o chão ao seu redor. Me questiono em onde ele estaria a essa hora da noite, mas balanço minha cabeça negativamente ao me pegar pensando nele, vendo que era burrice da minha parte me preocupar com alguém que nunca se importou comigo. Era mais que evidente que aquilo mexeu comigo... Ele mexeu comigo... Eu já não sabia mais o que sentia.

Continuo minha caminhada pelo corredor até chegar nas escadas, que estavam visíveis por ter várias janelas. Desço-as e vou em direção a porta principal, pousando minha mão direita na maçaneta, pensando se seria certo ou se "meu pai" iria gostar se eu saísse no meio da noite. Mas eu a giro imediatamente ao lembrar daquela cena no meu quarto... Eu precisava pensar direito, precisava esfriar a cabeça.

(...)

Eu estava literalmente encarando o chão enquanto me mantia sentada em um dos bancos daquela mesma praça. Outro lugar que me trazia tantas lembranças ruins. Vir com esse homem para cá certamente não melhorou a minha vida... Pelo contrário. Isso acabou com ela e destruiu o meu psicológico. Eu estava machucada por por fora e por dentro, e saber que um desses machucados foi causado pela mesma pessoa que dias atrás prometeu cuidar de mim e me proteger, era decepcionados. Não podemos confiar tanto assim nas pessoas... Mas, eu não estava magoada ou chateada com ele. Embora suas palavras tenham doído, aquilo serviu como um banho de água fria para me acordar pra vida e me punir por fazer tanta questão de amor.

Decido voltar para casa ao olhar que os ponteiros do meu relógio de pulso marcavam 05:39, e logo se poderia ver o sol aparecer no horizonte. Volto novamente pela mesma rua que havia passado, que agora estava mais clara. Eu deveria acordar mais de manhã... É tão bom sentir os raios fracos de sol bater na sua pele em um clima frio, sem contar no silêncio reconfortante que curaria qualquer coisa. Mas minha angústia infelizmente logo volta ao meus olhos se encontrarem com a sacada da casa, me fazendo prever o que aconteceria o resto do dia. 

Respiro fundo e tomo coragem para girar aquela maçaneta, enquanto meus olhos não faziam outra coisa além de encarar o chão. Abro a porta lentamente para não fazer barulho, vai que algum dos empregados que se hospedam aqui tenha um sono leve... Começo a fechar a porta, fazendo uma careta com cada ruído que ela fazia, mas meu coração congela por completo ao sentir meu corpo ser virado para trás e se colidir com outro. Se não fosse por aquele aroma inesquecível, eu não saberia quem estava a envolver os braços em meus ombros, me prendendo naquele abraço acolhedor.

— Eu... Pensei que tinha fugido. — Ouço sua voz rouca próxima à minha orelha, me fazendo arrepiar.

Agora... Eu não sabia mais o que pensar... Tudo estava tão confuso. Eu realmente nunca vou entender meu pai.


Notas Finais


Aaaah eu não tô conseguindo pôr muita coisa em cada capítulo ;-; isso tá me dando agoniaaa ;-; eu tô enrolando muito, eu sei sksksksk mas eu não consigo mudar isso, desculpa ;-; bem, espero que tenham gostado e me perdoem qualquer erro 💙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...