1. Spirit Fanfics >
  2. Senpai >
  3. Meeting Zeus

História Senpai - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Esse capítulo vai revisitar o prólogo de "Jungwoo, The Fujoshi", okay?
Agora, a história vai com suas perninhas!

Capítulo 3 - Meeting Zeus


Já era tarde da noite quando Kim Jungwoo chegou em seu apartamento. Foi surpresa encontrar Donghyuck muito bem acordado e assistindo o noticiário local.

— Percebeu que está mais frio do que o normal? — o Lee perguntou.


Jungwoo só riu, guardando seu casaco e suas galochas. Estava muito frio sim, mas não tinha pensado em nada tão fora do normal.

— Pronto para maratonar algum anime? — Jungwoo sabia da resposta, pois havia pipoca feita e refrigerante na geladeira.


— Na verdade, eu quero te contar uma coisa...


Jungwoo sabia quando Donghyuck estava sério, justamente como estava naquele momento.

O Lee contou tudo. Talvez tenha perdido as palavras aqui e ali, mas lembrou-se muito bem da linha cronológica de acontecimentos descritos por Mark Lee.

— Não me olha assim, eu juro que não estou de brincadeira! — pediu o menor, após concluir.


O loiro largou um longo suspiro, mirando as próprias mãos por alguns segundos e depois passou-as em suas madeixas.

— Eu poderia te chamar de louco agora mesmo se caso eu não tivesse ouvido a mesma história pela boca do meu namorado!


E estava explicado do porquê o Kim demorara tanto; Yukhei havia o chamado para um jantar de última hora, este para falar sobre toda a confusa história de Ten envolvendo um pincel, Senpai e personagens saindo do papel para a realidade. Julgou ser de mau gosto, talvez uma boa piada entre Kun e Yukhei, mas olhando para Donghyuck e todo o seu cuidado em falar sobre aquilo, ele preferiu acreditar.

O Lee mostrou-lhe a primeiríssima edição de Senpai, apontando para os personagens principais sumindo.

— Eu... eu não sei o que dizer ou fazer! — Jungwoo encolheu-se no sofá, abraçado pelo colega de quarto.


— Acho que o Mark precisa de um apoio seu. Ele não está nada bem!



•••



Após acordar com o doce cheiro de Lee Taeyong que dormia a seu lado, Yuta decidiu que deveria iniciar seu plano de rebeldia. Havia assistido vários filmes populares de romance, percebendo que muitas personagens mudavam de visual em algum momento e o ato de fazer compras parecia um ritual de cura para a alma.

Senpai, para onde você vai? — Taeyong coçou os olhos, encontrando-se chocado com as vestimentas de Yuta.


O moreno trajava uma regata branca com uma jaqueta jeans por cima, além do jeans rasgado, uma corrente fina no pescoço e o cabelo, antes sempre preso, estava solto em seus ombros.

— Senpai...


— O que foi? — encarou-o. — Não gostou?


— S-sim... eu... — o Lee ruborizou, fazendo-o rir.


— Vai se arrumar, vamos dar uma volta no shopping!


Os gritinhos do Lee garantiram mais um sorriso de Yuta. Será que conseguiria mudar Taeyong também?

Pensou em tirar a sua imagem séria, vendo tanto homens de sua idade sendo despojados e bonitos, mesmo se vestindo como jovens desempregados. Ele era um CEO, mas isso não fazia sentido naquele mundo, então por que não aproveitar?

O cabeleireiro analisava seus fios com cuidado, lavando-os e medindo o cumprimento para fazer o corte necessário antes de tingí-lo de loiro, até alcançar um tom quase prata.

O sorvete de Taeyong ficou a derreter em sua mão, de tão hipnotizado que estava com aquele novo Yuta.

— Wah! Você está...


— Espero que diga jovem! — Nakamoto passou a mão nas madeixas claras. — O que acha de ficar loiro?


— Q-quem? E-eu?


— Sim! — sorriu arteiro. — Quem sabe um azul céu, já que gosta tanto de cores... 


— N-não... — Taeyong encolheu os ombros. — Eu não quero tirar o rosa. Eu gosto de rosa!


— Tudo bem, Taeyong. Eu só quis sugerir, okay?


— Senpai! — impediu-o de sair, segurando sua mão. — Você quer que eu mude?


Yuta lambeu os lábios, passando seu polegar no cantinho da boca do Lee, tirando uma manchinha de sorvete dali. Sorriu, guiando-o para fora do cabeleireiro.

— Não importa se eu gostar ou não, sinta-se bem para mudar quando quiser!


— Certo!


— Está com fome? — ouviu a barriga dele roncar. — Como eu esperava! Vamos lavar suas mãos e comer muita besteira!


— E sua dieta?


— Dieta? Nunca nem vi! — gargalhou.


Após indicar o caminho do banheiro para Taeyong, Yuta ficou livre para colocar seus pensamentos no lugar, e como um chamado do destino seu celular tocou, surgindo a foto de Mark nele.

— Mark? — atendeu.


— Oh, você... você tem redes sociais agora, isso é...


— Não enrola!


— Preciso falar com você. — soou mais baixo. — Na verdade, Kim Jungwoo precisa!


Yuta sentiu a garganta queimar. Seus punhos fechados impediram que ele tremesse, lembrando-se de quando Mark lhe jogou na cara de que ele não era real, era só parte de uma narrativa romântica e construído para ser perfeito. Perfeição? Desde quando ele fora perfeito? Onde em sua vida sinaliza que ele é perfeito? Não queria julgar Kim Jungwoo como culpado, ciente de que surgir na "realidade deles" fora inesperado.

— Meu criador. — cortou o silêncio, sabendo que Mark não falaria se caso não o fizesse.


— E mais uma coisa: acho que eles sabem de uma possível razão para isso estar acontecendo...


— ...uma maneira para eu voltar a minha vida? — riu.


— Eu não sei, Yuta. — o Lee respondeu baixinho. — Por favor, vá ao parque próximo ao Rio Han. Pode levar o Taeyong, se quiser!


E falando na cerejinha rosada, lá vinha ele todo sorridente na direção do japonês, que desligou o celular sem falar mais nada.

— Podemos passar numa loja de chocolates?


— Como quiser, cerejinha!



•••



Mark estava no local que indicara a Yuta, afetado com a paisagem bonita e natural do gramado frente ao rio. Aguardava por Donghyuck, que foi pontual em seu horário marcado.

— Me diz que você não mentiu quando disse que tinha mesmo uma razão para isso estar acontecendo! — Mark disse, mostrando-se nem um pouco animado para isso. Mesmo sóbrio, estava acabado.


— Ten, o desenhista, falou para Yukhei, que falou para Jungwoo hyung, que me falou que foi culpa de um pincel aparentemente místico que o Ten roubou das relíquias da família dele na Tailândia! — tagarelou, então fitou Mark dos pés a cabeça. Mesmo acabado, ao menos vestia camisetas com estampas e uma bermuda. — Está estiloso, Canadá!


— Hein?


— Vestido para impressionar, certo? — piscou, recebendo um soco fraco no ombro. — Essa produção toda foi para o Senpai ou para mim?


— Vai a merda!


— Você gosta dele e eu sinto muito, só quero ajudar!


Mark levou as mãos ao bolso, fixando seu olhar no céu claro.

— Não está sendo positivo, Hyuckie!


— Cara, eu tô falando sobre Yuta Nakamoto e Lee Taeyong, que são o típico casal tradicional básico e clichê dos Yaoi! — se defendeu. — Eles foram feitos para se completarem em um momento, não posso fingir e dizer que isso será fácil!


Não era como se Mark não soubesse que era Taeyong quem estava naquela narrativa e que todos os altos e baixos da vida de Yuta seriam postos a prova com ele. Taeyong é um homem doce, gentil e disposto a se esforçar para encontrar luz nas sombras do japonês. Mark faria o mesmo?

— Oh meu deus...! — Donghyuck despencou seu maxilar ao ver o loiro se aproximar.


Yuta Nakamoto, de verdade.

O japonês manteve sua seriedade, curvando-se para os Lee e em especial, sorriu para o mais novo.

— Por isso que não me arrependo de me apaixonar por homens 2D! — exclamou Donghyuck, sem filtro algum. Sequer se importou para as indiscretas cotoveladas de Mark.


— Eu não trouxe o Taeyong, consegui distrair ele com...


— ...doces! — Hyuck completou com um gritinho. — Meu deus, que vadia previsível!


— Okay... — Mark moveu Donghyuck para longe de Yuta, ao mesmo tempo, tentou mantê-lo próximo de si. — Yuta, já deve conhecer Donghyuck, meu ex. Vocês se viram na comic-con!


— Vocês voltaram? — ergueu uma sobrancelha.


— Querido? Em que mundo você vive? — Donghyuck bradou. — A fila anda e quem vive de passado é você, chorando pelo seu ex chinês!


Yuta pegou-se surpreso e atingido. Sabiam sobre seu passado, como se ele fosse um... quadrinho aberto!

— Vou ver se o Woo chegou! — Donghyuck aproveitou o silêncio para se sair.


Agora era Mark e Yuta, frente a frente, com o menor sob o olhar analítico e intenso do mais velho.

— Gostei do loiro. — comentou, olhando para um ponto qualquer no Rio Han.


— Estou saindo do roteiro! — disse orgulhoso. — Está tudo bem...?


— Você sumiu, mas obrigado por se importar. — abaixou a cabeça.


— Estou tentando!


— O quê? — Mark o olhou. Não houve respostas.


Momento certo para Donghyuck avisar da chegada de Jungwoo com seu namorado.

— Jungwoo-ssi! — Donghyuck chamou, arrastando Mark consigo.


— Está pronto? — Mark o perguntou ao Kim, após Yukhei deixá-lo.


Jungwoo assentiu.


Seguiram juntos para o outro lado da praça, uma área gramada com famílias espalhadas com suas toalhas coloridas no chão e fazendo piquenique. No centro, em destaque, Yuta assistia o sol sumindo entre os arranha ceus, com os trejeitos de morder os lábios e semicerrar os olhos para tudo enquanto pensava alto.

— Não surta. — Mark pediu, guiando o Kim até sua criação.


Yuta virou-se para os dois, mencionando se levantar, mas Jungwoo caiu sentado a sua frente, inclinado para frente e com seus olhos arregalados para atentar-se a cada minúsculo detalhe que compunha Yuta Nakamoto — em carne e osso.

— NaYu?! — chamou, deixando as lágrimas rolarem. Tocou sua pele, ouviu o riso baixo. — Você detesta loiro, por que está loiro?


— Soube que nunca pude escolher. Agora eu posso. — ele riu, colocando sua mão por cima da de Jungwoo.


— Tudo bem, está perfeito. Você é perfeito! — então olhou para Mark. — Como...?


O Lee suspirou.

— É uma longa história... — respondeu. — Ele surgiu na minha sala e... demorei um pouco para associar o nome dele ao do cara da história de Donghyuck. Foi um surto, eu não sabia o que fazer, então só o prendi. — invocou um fraco riso no japonês. — Eu li sem pretensão alguma... quando percebi que era ele e que alguma coisa estava acontecendo, eu só entrei em pânico. Eu queria ter falado, mas eu não sabia como!


— Certo! — Jungwoo respirou fundo, recebendo a atenção de Yuta toda para si. Chegou a sorrir com o olhar brilhante que, literalmente, saiu de sua imaginação. — Ten disse que isso parece ser um grande problema, já que eles presentes no nosso mundo, coisas estranhas podem acontecer... aos poucos eles vão ficando mais e mais aqui, até começar a alterar tudo... e ele também me lembrou que estamos esquecendo de um terceiro personagem off-screen que não foi para as cópias vendidas e só ficou na edição leiloada.


Donghyuck entregou a sua edição de Senpai para Jungwoo folhear até às últimas páginas, mostrando uma única sequência de quadrinhos.

Alguém parecia caminhar, saindo aos poucos do quadrinho pintado de negro, exibindo um olhar frio e roupas que se completavam com a escuridão que o rodeava.

O ex chinês! — Donghyuck presumiu. — Claro, eu lembro que todo mundo achou que ele ia aparecer na história, mas você cortou essa última página e só deixou na edição original!


— Eu desisti desse plot de vingança de ex, pois já era algo que os leitores iriam esperar... mas eu planejava uma continuação com isso. — o Kim parecia desgostoso em falar disso, pois claro, lembrou-se do fato de que fora expulso de casa pouco antes do lançamento de Senpai e tudo isso o fez ficar longe da escrita.


— O ex vilão que iria mexer com a estrutura do casal já estabelecido. — Donghyuck explicou, sabendo que Mark e até mesmo Yuta não entenderam do que os experientes em Yaoi falavam.


Dong Sicheng. O nome dele é Dong Sicheng!


— Claro que não, eu não dei nome a ele...


— Como eu poderia esquecer o nome do homem que me fez sofrer tanto quanto sofri com meus pais? — foi firme em defender-se, mas suas mãos tremeram e Jungwoo percebeu, segurando-as com força.


— Você acabou de falar uma frase sua em Senpai. — o Kim riu fraco.


Yuta recuou, afastando suas mãos dele e se levantou da mesa de pedra.

— Por que me criou assim? Por que eu tive aqueles pais? Aquele primeiro amor? Por que eu tive de amar? — apertou seu peito, deixando as lágrimas rolarem após sentir a dor de novamente ser colocado "em sua realidade". — Isso só me deixa mais triste...


— Eu sinto muito por isso, Yuta. Eu jamais pensei que seria tão péssimo se tudo fosse...


— ...real? — completou, com um riso fraco. Olhou para todos. — Certo. Liguem para mim quando encontrarem uma maneira de me levar de volta para meu mundinho perfeito, romântico e cor de rosa!


— Yuta...! — Mark tentou correr, até alcançou o braço do Nakamoto, mas ele desvencilhou-se de si.


Ele se foi.

— O que eu fiz? — Jungwoo choramingou, cobrindo o rosto com suas mãos. Estava resistindo ao máximo para não chorar.


Sicheng agora estava naquele mundo, e isso assustava Yuta até demais. Todo o seu passado, coisas que não lembra, mas que sente que foram ruins... elas pareciam crescer em seus pesadelos todas as noites. Sicheng era a escuridão que temia; e ele estava crescendo.

— Taeyong? — chamava pelo coreano já em sua mansão. — Yong... está aqui? Sem brincadeiras, por favor!


O coração acelerado já o deixou trêmulo e incapaz de raciocinar rápido ou ao menos se acalmar. De qualquer maneira, Taeyong não estava ali e isso significava muitas coisas... ele poderia estar bem.


Uma notificação em sua rede social.


Sicheng:

Oi

Precisamos conversar!


Notas Finais


Pois bem, agora a treta começa. Sim, as coisas serão um pouco dramáticas e no próximo capítulo, conhecerão mais de Taeyong e Sicheng, grandes extremos opostos. Esperem por qualquer coisa!

Curiosidade que você pode gostar (e serve de panfletagem):
A história de Senpai inicialmente seria uma "paródia" de Cherry Pink, minha longfic Yutae. Mesmo não sendo do mesmo universo, coloquei várias e várias referências dela nessa "comic life" dos Yutae daqui. Se quiserem ler para conhecer a história e catar algumas referências, eis o link:
https://www.spiritfanfiction.com/historia/cherry-pink-yutae-18279574

Eh isto, galera. Até logo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...