História Sentimentos confusos - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 3
Palavras 1.921
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Famí­lia, LGBT, Romance e Novela
Avisos: Homossexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Minha primeira fic e eu não sei se alguém vai ler pq eu só tenho 2 seguidores (kkk), mas eu fiquei a fim de escrever algo e vamos ver o que sai.

Capítulo 1 - Capítulo 1- Samuel Archibald


     Por Samuel 

Eu e o Alexander nos conhecemos desde que nascemos, nossas mães sempre foram melhores amigas desde o fundamental e eu espero que seja assim comigo e o Alex. Eu acho que estou um pouco nervoso com meu primeiro dia de aula em uma escola nova e eu não sei se os alunos de lá aceitam ou respeitam pessoas como eu. Você deve estar se perguntando "como assim pessoas como você?". É...gay, sim, eu sou gay e meus pais sabem disso assim como meus melhores amigos, mas infelizmente ainda existem pessoas que não aceitam muito bem e digamos que eu seja um pouco sensível. Na minha antiga escola eu meio que sofri um pouco, passei por um processo de aceitação. Só o Alex sabia, mas de algum jeito se espalhou e eu passei por preconceitos, mas pelo menos isso me ajudou a conhecer o Nate, meu Deus o Nate, eu gosto tanto dele e quando se trata dele eu não falo somente de amizade. O Nate passou a andar comigo e com o Alex, mas acho que a pior parte foi o Alex ter passado por preconceitos só por andar comigo, isso doeu, o Alex era bastante popular e meio que perdeu sua popularidade por minha causa, então eu acredito quando ele fala que me ama. Eu sempre adimirei o Nate, mas nunca tive a coragem de chegar e falar com ele, mas quando a história de eu ser gay se espalhou ele mesmo veio falar comigo e com o Alex, hoje ele é meu melhor amigo também e nós somos um trio. Ambos são heteros, pelo menos dizem ser, mas o Nate já ficou com meninos, o que me dá uma chance. Depois de um ano inteiro a escola passou a me aceitar da forma que eu sou e por mais que eu tenha sofrido e tenha sido agredido por puro preconceito eu fico feliz porque depois que a escola passou a me aceitar outras pessoas que tinham vergonha de assumir seu gênero sexual passaram a assumir, "saíram do armário". Agora eu, o Alex e o Nate iremos pro ensino médio. Começa hoje e eu realmente espero que eu não precise passar tudo de novo, foi bastante difícil, mas eu consegui superar porque eu tive o apoio da minha família, do Nate e, principalmente, do Alex que me trata como se eu fosse seu irmão mais novo, mesmo que tenhamos a mesma idade, mas às vezes eu gosto disso, porque em muitos momentos da minha vida ele agiu como se fosse meu irmão mais velho e acho que não estou mais nervoso porque tenho ele e sei que posso contar com ele. Eu estou esperando o Alex, a mãe dele irá nos levar no nosso primeiro dia, eu estou pronto, mas ainda não desci pra tomar café ou falar com minha mãe sobre meu nervorsismo, talvez seja por causa do nervosismo que eu não tenha descido ainda, não sei se quero ir pra escola hoje, mas eu vou, eu preciso. Eu estou com tanta vontade de ver o Nate, claro que eu senti saudades do Alex, mas eu vi o Alex quase todos os dias, então eu realmente estou com saudades do Nate, eu só o vi uma semana depois de ficarmos de férias. Tá, eu preciso muito descer ou quando o Alex chegar eu ainda estarei aqui e ele vai ficar realmente chateado porque ainda não estou pronto e o conhecendo, se tem uma coisa que ele odeia é chegar atrasado. Vou descer, 3...2...1... respira fundo Sam, calma.

- Bom dia, mãe. O café já está pronto?

-Bom dia, filho! Pensei que não fosse descer. (ela fala colocando café em uma xícara pra mim)

-Ataque de nervorsismo, sabe como é, primeiro dia de aula, escola nova, tals e tals. Acho que não vou querer comer nada, apenas tomar essa xícara de café mesmo. 

- Você tem que alimentar, Sam. (ela me dá a xícara de café) 

- Desculpa mãe, mas realmente não dá pra me alimentar da forma que meu estômago está agora. 

- Tudo bem, mas come algo mastarde, ok? O Alexander ligou, ele já está chegando e disse que te queria pronto. 

- A cara dele. (bebo meu café e vou escovar os dentes, conferir se tudo está ok para o primeiro dia) 

Passo uns 15 minutos no meu quarto e desço, assim que estou no último degrau eu vejo um Alex correndo em minha direção e me abraçando tão forte que eu quase caí pra trás, eu retribuí o abraço, eu também estava com saudades, mas não tanto quanto eu estou do Nate, meu Deus, eu preciso ver o Nate além da tela do meu celular. 

- Bom dia, Alex! Eu também estava com saudades. Bom dia tia Emma! (eu aceno pra ela, é a mãe do Alex)

- Sammy! Você não tem noção do quanto seu abraço é bom, que saudades, cara. (um observação, só o Alex pode me chamar de Sammy.) 

- Meninos, eu sei que sentiram saudades um do outro, mas tenho que levar vocês à escola e ir pro trabalho. Não quero uma pessoa dando xilique mastarde por ter chegado atrasado na escola. (ela fala encarando o Alex porque ele tem pavor de atrasos, todos sabem)  

Eu e Alex nos despedimos da minha mãe e a tia Emma nos leva pra escola. Chegamos, ela nos deixa no portão e vai para o seu trabalho. Nós entramos, muitas pessoas, meu Deus, aqui tem muitas pessoas. Enquanto eu estou tendo um mini pânico por dentro por ter muitas pessoas naquele lugar eu sinto o Alex me cutucar, provavelmente ele falou algo que eu não ouvi por estar me concentrando no meu mini ataque. Então, eu me viro pra ele.

- Cara, se liga, eu estou falando. Relaxa, Sammy, são só pessoas. 

- Eu estou tentando, Alex. Você sabe do meu pânico, você sabe. 

- Relaxa, Sammy. (ele põe a mão dele no meu ombro e isso me relaxou um pouco) O Nate disse para esperarmos ele aqui na entrada, ele falou algo do tipo que deveríamos entrar juntos. (quando ele falou o nome do Nate eu passei a prestar total atenção, ai meu Deus, eu vou ver o Nate) 

Eu apenas faço que sim com a cabeça e percebi que ainda estávamos parados no mesmo lugar assim que entramos, então nos sentamos em um banco vazio próximo ao portão, que, com certeza o Nate nos veria. Então eu peguei meu celular, coloquei meu fone, iniciei uma música e fechei os olho. Eu me sinto bem, eu tenho o meu melhor amigo ao meu lado e meu outro melhor amigo está chegando, eu me sinto feliz. Enquanto eu estou totalmente em outro mundo eu sinto duas mãos geladas fecharem os meus olhos, então eu automaticamente toquei essas mãos e tentei tirá-las do meu rosto, sem sucesso. Eu escutei o Alex:

- Levanta, Sammy! 

Então eu levantei, ele é o meu melhor amigo, eu confio nele. Eu levantei e fiquei de costas para a pessoa que estava tampando meus olhos, que, com toda certeza não é o Alex. Se for o Nate, ele trocou de perfume, ou de hidratante, seja lá o que ele usava, se for ele, seu cheiro está diferente. Então eu senti meus olhos sendo libertos dessas mãos geladas e essas mãos rapidamente me abraçaram. Primeiro, está esquisito porque a pessoa está me abraçando por trás. Tudo bem, eu me virei, olhei pra cima e era o Nate, eu automaticamente retribuí o abraço. Meu Deus, o Nate está aqui, quanta saudade. 

- Sam! Como eu senti sua falta. (ele fala ainda me abraçando, Deus, que abraço bom)

- Eu também senti a sua. (falo, mas acho que ele não ouviu, seu corpo abafou minha voz) 

Ele deu um beijo na minha testa e me soltou, eu tenho quase certeza que meu rosto está parecendo um tomate. Tocou o sinal, o Alex me encarou, eu conheço esse olhar, mastarde teremos uma discussão, mas ele vai me zoar neste momento. O Alex sabe que o Nate é meu melhor amigo também, mas ele é um tanto ciumento e esquentadinho e acho que esse abraço com o Nate demorou tempo o suficiente pra ele se irritar e ainda teve esse beijo na minha testa, que ninguém, além dele, tinha feito isso comigo, principalmente em público. 

- Sammy, o que houve com seu rosto? Está vermelho como um pimentão. (ele aperta minhas bochechas e eu desvio o olhar, meu rosto começou a queimar, certeza ficou mais vermelho ainda) 

- Alex, deixa o Sam. (dá um tapinha de leve na cabeça de Alex) Vamos pra sala, seja lá pra qual lado fica. Espero nossos horários sejam iguais. 

Eu estava envergonhado, de verdade, então eu baixei a cabeça e fui andando. Na entrada nos entregaram um mapa da escola, eu não sou bom com mapas, mas acho que estou indo até a boblioteca. Eles apenas me seguiram e, acertei, chegamos à biblioteca. Pegamos nossos horários e a localização dos nossos armários. A diretora pediu para esperarmos, ela iria trazer dois alunos para nos apresentarem a escola. Eu fiquei nervoso, talvez seja por ter que conhecer pessoas, eu não me acho sociável. O Alex percebeu meu nervosismo, ele sempre percebe, e colocou uma mão em meu ombro e sussurrou:

 -Relaxa, Sammy. Eu estou aqui.

Acho que é por esses motivos que eu agradeço por ter o Alex como meu melhor amigo, ele sempre sabe o que dizer ou fazer, isso é tão confortante.  

- Então, Samuel, Alexander e Nataniel. (a diretora fala apontando para cada um de nós ao falar nossos nomes) Esses são Kevin Bass e Killian Cooper, eles estudam aqui a um tempo e vai apresentar a escola a vocês. 

Até que eles são bem bonitos e parecem legais, eu não estou tão nervoso até que...

- Vocês dois tem algo além da amizade? Tipo, namoram? (Kevin apontou pra mim e para o Nate) 

Antes que eu pudesse falar algo o Alex quase que berrou, mas mantendo a calma, do jeito dele: 

- NÃO! Eles não tem nada, ok? Eles são só melhores amigos.

- KEVIN! (a diretora o repreendeu e mais uma vez eu tive a certeza que meu rosto está igual a um tomate) Não se faz esse tipo de pergunta. Se eles tivessem algo não seria da sua conta. 

- Desculpa, eu não queria chatear ou constranger vocês. Eu só vi o reencontro de vocês e tive a curiosidade de saber. Nada contra gays, ok? Eu mesmo sou e você, Samuel, não precisa se envergonhar, você é bem bonito. 

O Alex revirou os olhos e senti meu rosto queimar novamente, percebi que o Killian está secando o Alex. Acho que pessoas como eu aqui são bem aceitas. 

- Ótimo, agora podem nos apresentar a escola? (o Nate falou, ele pareceu meio rude) 

- Vão logo, meninos, não quero vocês fora de todas as aulas. (a diretora e muito gente boa, eu gostei) 

O Killian e o Kevin são bem amigáveis, eles nos apresentaram todas as salas, os armários, a biblioteca, enfermaria, secretaria, diretoria, refeitório, pátio, banheiros, os laboratórios de ciências, o bebedouro, a quadra, o campo e a escola inteira. A escola é maior do que eu pensei, eu gostei daqui, principalmente da biblioteca. Eles nos falaram da personalidade dos nossos professores e nos falaram dos grupos, populares, patricinhas, nerds, insignificantes e etc. Eles, com certeza, nos ajudaram muito e acho que a aceitação das primeiras pessoas que eu conheci é um bom sinal, mesmo que eles ainda não saibam que eu sou gay. 






Notas Finais


Não sei se ficou bom, mas acontece. Só tenho medo de faltar criatividade, já que não tenho muita. Mas vou pensar positivo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...