História Sentimentos De Inverno - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Shingeki no Kyojin (Attack on Titan)
Personagens Armin Arlert, Eren Jaeger, Historia Reiss, Levi Ackerman "Rivaille", Mikasa Ackerman
Tags Amor, Attack On Titan, Drama, Eren X Mikasa, Gore, Guerra, Hentai, Luta, Mikasa X Eren, Mistério, Policial, Revelaçoes, Romance, Sangue, Tortura
Visualizações 47
Palavras 2.230
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ficção Científica, Hentai, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


puta merda to morrendo

Bem, eu to absurdamente doente, sério, minha garganta passou a ter autismo e parou de funcionar e eu tenho asma, melhor combinação, né?

O bagulho é que se eu não começar a escrever nessa madrugada eu n vou conseguir postar até terça, porque eu tenho aula e eu viro um vegetal quando eu volto da escola, o plano é sair domingo (provavelmente de madrugada, mas eu não sei se minha mãe vai me foder e dizer q eu tenho que dormir cedo, quero que entendam que eu só consegui manter uma frequência boa nessa e na minha última fic porque eu tinha tempo de madrugada, oque significa que provavelmente a frequência vai cair) mas se sair segunda, desculpa, e se sair terça puta que pariu eu sou um imprestável mesmo

Bem, eu já escolhi o nome e a capa (QUE POR SINAL, FOI DIFÍCIL PRA UM CARALHO PRA EU ACHAR) e já escrevi essas notas que você esta lendo nesse momento, então espero que gostem do capitulo que eu vou escrever amanhã pq eu tenho que mimir se não eu pego doença (mais que eu já tenho)

Capítulo 4 - Decisão Por Conta Própria


2 Meses depois, Quarta feira

-Unidade #534, Armin, ative todos os seus programas- A cientista famosa, Hange Zoe ordena ao IA com cabelos loiros, a máquina para de ficar estática em um só ponto e liga seus sistemas

-Olá, Hange Zoe, como vai você?- Diz o robô a sua criadora

-Estou muito bem, Armin, hoje, eu preciso que você faça mais alguns testes comigo, alguns clientes disseram que houve um acidente com um cabo de luz na frente da livraria e que você protegeu algumas crianças do fogo, felizmente a situação foi controlada pelas unidades J.E.A.G.E.R.S trabalhando como bombeiros- Explica Hange

-De fato, senhorita- Diz o Arlert

-Muito bem, entre na sala de testes, por favor

O local em que estavam era um centro de IAs no centro da cidade, o lugar era revestido de mármore e muito limpo, a sala em que estavam era bem grande, com um compartimento de vidro que encostava na parede, na qual havia uma porta automática, da qual sai outra unidade A.R.L.E.R.T feminina que trabalhava como atendente do local a vários meses, Armin sempre pedia acesso a ela para entrar no então já conhecido prédio, o garoto entra no compartimento onde é colocado uma cadeira, a garota se senta

-Oque esta fazendo com as máquinas, Hange?- Pergunta uma das cientistas do local, chamada Nifa

-Um experimento com o meu precioso Armin!- Responde a mulher, cheia de orgulho, falando dessa forma porque o som não conseguia penetrar o vidro para chegar aos receptores auditivos do robô

-Bem, esta certo que ele precisa de uns ajustes ainda, mas... As vezes, é melhor deixar as coisas do jeito que estão...- Diz a mulher com cabelos ruivos

-Não estou falando sobre mexer nos componentes dele... Oque importa para mim é saber se essas peças plásticas conseguem sentir empatia, Nifa- Fala a alta e feliz mulher

Logo após de dizer isso a companheira, Hange se move para dentro do cubículo, passando pela porta automática e voltando com um revólver em mãos, Nifa se surpreende, mas sabe que a amiga gosta de fazer experimentos exagerados

-Armin, essa é a Clara, a Arlert que você conversa todos os dias para entrar aqui- Diz enquanto rodeia o garoto, ela chega mais perto e entrega a arma para Armin- Olhe nos olhos dela, ela foi desenvolvida a mais tempo que você e passou por vários experimentos...

-Entendo, Senhorita Hange.

A cientista entrega a arma nas mãos da máquina, ele nunca foi especializado em combate, mas sabia como apertar um gatilho

-Mate-a, Armin, atire nela nesse momento, é uma ordem, cabe a você respeita-la ou nã- Antes de Hange pudesse terminar, Etrito em estado líquido já se espalhava pelo chão, a Arlert já não poderia ser reativada devido aos danos em sua cabeça

-Esta pronto, senhorita Hange.- Ele diz

-... Atirou sem exitar...- Ela diz indignada 

Ambos saem da cápsula, Nifa olha para Hange de forma preocupada, praticamente dizendo "será que isso é mesmo uma boa ideia?"

-Armin, vá para sua cápsula de recarga. dispensado.- A castanha ordena, a máquina anda para fora da sala, assim que saí, Hange se vira pra Nifa com olhos maravilhados, para ela, qualquer resultado é incrível, nesse quesito, Hange é bem menos humana- NIFA, VOCÊ VIU AQUILO? ELE REALIZOU MINHA ORDEM SEM QUALQUER FORMA DE DEFESA! ELE BOTOU AS ORDENS DELE ACIMA DE TUDO! ISSO NÃO É INCRÍVEL, NIFA?- Grita Hange rindo e descontrolada

-...- Nifa não diz nada, só continua olhando com aquele olhar de desgosto para Hange, pegando sua bolsa e se virando para a outra porta

-Nifa? Onde você vai?

-Fumar um pouco... Tenho que clarear as ideias...- Ela diz já virada de costas enquanto fecha a porta

***

Olá, meu nome é Armin, unidade #534 da série A.R.L.E.R.T, há muitos do meu modelo mas eu sou uma versão privada, isso significa que eu estou sendo produzido por apenas um grupo de cientistas sem influência do estado, uma unidade que sera apresentada aos Estatuto Dos Construtores de Trost para ser analisado para logo depois ser aceitado ou reprovado em alguns testes para ver se é possível a produção em massa da minha versão, há dezenas de milhares da série Arlert, estimasse que há cerca de 34 mil IAs Arlert em circulação, mas também há mais 56 mil em produção, cada um tem uma prioridade de produção, os mais importantes são passados na frente da fila, por isso, as pessoas precisam esperar mais ou menos um ano para que seu IA seja entregue. Agora vou explicar melhor sobre a história dos IAs...

Há 200 anos atrás, a humanidade vivia em extinção, os perigos da natureza eram muitos e o conhecimento que tínhamos era quase nulo, certo dia, um homem muito, mas muito curioso resolveu deixar sua vila e explorar aquele vasto desconhecido, viajou por várias cidades, conheceu pessoas, viu animais incríveis, conheceu tudo oque queria conhecer, e por cada povoado em que passava, ele se sentava na frente de todos os aldeões e os contava tudo oque aprendeu até agora, prometendo voltar quando terminar suas aventuras, todos o conheciam... Com já 50 anos de idade, ele descobriu um minério cristalino dentro de montanhas, era azul claro e brilhava no escuro, o aventureiro nunca havia visto algo tão bonito, ele poderia ficar admirando o minério para sempre se fosse necessário; para ele, aquilo era um presente dos deuses.

O homem chamou aquele cristal de "Etrito" e, com ajuda de todos os povos que conheceu, começou a extrai-lo em massa, o homem não sabia o porque daqui-lo, ele só continuava pegando o máximo que conseguia e não parava por nada, por algum motivo, ele começou a tratar aquilo como a salvação da humanidade! Pra ele, o Etrito era incrível; assim que extraiu tudo, os primeiros experimentos químicos da humanidade começaram, ele notou que quando tirava o minério das cápsulas congeladas, ele se tornava líquido, mas não perdia seu brilho, virando uma espécie de água azul e contendo temperatura morna. O aventureiro ficou triste com aquilo, quando percebeu, era quase impossível fazer qualquer coisa com Etrito que durasse mais de uma hora, até que, ele viu um de seus companheiros criando uma máquina de madeira, ela tinha formato humanoide mas totalmente feita de blocos, ligada por fios resistentes, ela era posicionada na frente de uma cachoeira e precisava levantar e descer a mão para pegar e guardar água num balde, funcionava com um humano puxando uma corda que saía das costas do mecanismo, então, o cientista pensou "e se não precisássemos puxar a corda?" fanático com essa ideia, ele, já com 63 anos, ordenou seus homens buscarem todos os minérios que encontrassem saqueando cidades, nenhum dos povos ofereceu resistência, pois o homem já era poderoso e disse que "tudo isso vai valer a pena".

No ano de 1610, a energia era algo comum, vilas se tornaram cidades, computadores eram usados por centros de pesquisa, um estouro de novidades tecnológicas ocorreu e a humanidade viu esperança, o conhecimento foi enviado a todos os países, a colonização americana foi mais efetiva do que tudo, dando um fim a escravidão e tornando o mundo num lugar melhor, as máquinas como computadores e centros de dados são a base de Etrito, é implantado "veias" de conexão, onde percorre o líquido que distribui a energia por toda a máquina, essa energia vem da radiação que o cristal produz, essa radiação que faz o Etrito brilhar, porém, no estado líquido, o Etrito perde grande parte do seu poder, oque ocasionou o desenvolvimento das fontes, nome dado ao cristal sólido de Etrito implantado no interior de cada máquina, tendo um refrigerador que chega a, num dia quente, diminuir a temperatura da máquina a -10 graus, esses refrigeradores também são movidos a Etrito que é enviado de um gerador que é por lei implantado em cada bairro.

O homem já tinha 80 anos, mas não tinha concluído seu objetivo, ele queria ver aquilo que apelidou de "robô" funcionando automaticamente, como herói nacional, os primeiros IAs foram produzidos, mas não eram robôs, eram simples softwares que desenvolviam inteligência a cada erro, então o homem continuou misturando fórmulas químicas, até chegar a um tecido absurdamente parecido com pele humana, ele sabia que usaria aquilo para revestir suas máquinas no futuro

Pesquisou, pesquisou e pensou muito, até atingir, em 1840, seus 90 anos; ele não conseguia mais andar e dormia por dias, acordando por 5 horas e adormecendo novamente, certo dia, ele estava quase fechando seus olhos, mas viu a porta do hospital se abrindo, 2 dos seus amigos entravam com algo que parecia ser outro ser humano, mas, aquele ser levantou sua mão e mostrou sua fonte de energia na mão direita. Grisha Jeager morreu enquanto via o primeiro robô do mundo sorrindo para ele.

***

-Você viu algo suspeito?- Levi Ackerman pergunta para um homem que estava perto de uma cena do crime, já era de noite e eles se localizavam na entrada de um beco perto da casa dos Ackerman

-Como assim, "suspeito"?- Ele pergunta

-Você sabe, suspeito, algo estranho...

-Tipo você?

-Hmm, sei bem oque veio fazer aqui, vamos, disperse antes que eu te prenda- Fala o policial ao lado de Eren

-Eu não vou fazer porra nenhuma, playboy do caralho- Diz o homem agressivamente

-EU MANDEI VOCÊ SAIR DAQUI, PORRA! ANTES QUE EU TE PRENDA!

-Você não pode me prender, eu não fiz nada

Levi pega um cortador de unhas do bolso e ameaça:

-EU VOU ME ARRANHAR COM ISSO E VOU DIZER QUE FOI VOCÊ, CARALHO!

-Vai em frente- O homem fala duvidando, mas Levi realmente faz isso

-ARGH, SEU LOUCO, PORQUE DIABOS VOCÊ ME ARRANHOU COM ESSA MERDA? PRO CHÃO AGORA!- Levi grita sacando sua arma

-E-ESPERA CARA, EU SÓ TAVA BRINCANDO, POR FAVOR NÃO ME PRENDE!

-Então da o fora daqui

-Ok, ok, to indo- Diz o homem enquanto anda para longe

Levi olha em volta por um momento

-Senhor Levi, chegou uma mensagem da central

-Reproduza.- O policial diz e Eren obedece

-421, liberado por hoje, tenha uma boa noite, Levi.

-Obrigado, câmbio, desligo.

Levi faz um sinal para Eren o seguir

-Você vem pra nossa casa por hoje, a central é longe e vai demorar pra uma carroça chegar... Não quero assinar a papelada sobre equipamento danificado- Diz Levi, dando o melhor de si para continuar sério, mas acaba se enrolando um pouco quando vai falar sobre Eren

Depois de algum tempo andando nas ruas iluminadas da cidade, eles chegam em segurança na mansão, o jardim era enorme e a B.R.A.U.N dona de casa regava suas plantas, mesmo de noite. O Ackerman abre a porta com a chave, sendo atendido por sua namorada Petra, que estava esperando

-Oi meu amor- Ele diz rapidamente enquanto da um selinho em sua noiva, sendo retribuído, ela da um leve sorriso a ele, logo se virando para Eren

-Oi, Eren- Ela diz de seu jeito simpático 

-Olá, senhora Raul

-A Mikasa esta na sala, venham, vocês dois- A ruiva indica

-Ok, eu só vou tirar minha farda no andar de cima- Levi diz já indo em direção ao elevador

Petra leva o garoto para dentro do aposento, Mikasa sentava com certo tédio, mas quando vê Eren, corre para abraça-lo, ela era fria com todos, até mesmo seu pai, mas com Eren, era como se ela se tornasse outra pessoa

Eren se sente estranho enquanto a garota colava seus corpos, ele a abraça de volta rapidamente, oque era anormal, ele sentiu a vontade de olhar para o rosto da adolescente, os olhos escuros de Mikasa se encontram com os de Eren, e, pela primeira vez na vida, Eren da um beijo em sua testa, demonstrando um real afeto pela pessoa que o considerava um ídolo, mesmo que o IA não entendesse oque estava fazendo, Mikasa fica feliz.

-Mikasa, por hoje, estou livre do trabalho, posso ficar com você pelo tempo que for- Diz o robô, entendendo que ficou um tempo sem ver Mikasa, já que o turno era rigoroso e raramente ele recebia autorização para ir a casa dos Ackerman

-Be-Bem... Qu-Que bom... Eu... Eu te amo, Eren!- Ela fala de maneira que Petra acha fofa,  percebendo de uma vez por todas que Eren é sua família- Ve-Vem!- Ela diz o guiando até o sofá, eles se sentam lado a lado e Mikasa insiste em descansar no ombro do IA

Levi volta e se surpreende por um momento quando vê Eren e sua filha, mas não sente ciúmes e entende o ato, logo se sentando numa cadeira do lado de sua amada,

-Nós temos algo a anunciar para vocês dois- Petra diz orgulhosa de si mesma, deixando Levi em seguida dizer

-Eu e Petra vamos nos casar no fim do inverno desse ano- Levi revela, soltando um de seus raros sorrisos enquanto olha para o rosto da amada, Mikasa fica espantada

-Se-Sério!? Que bom...- Ela diz sorrindo de forma perdida

-Porque?- Pergunta Eren inesperadamente enquanto olha para baixo

-Eren fazendo uma pergunta?- Petra diz totalmente confusa e insegura, estranhando o acontecido

-Porque?... Dizem que é por causa de algo chamado "amor"... Mas... Eu não sei oque isso significa... Já vi pessoas dizendo "eu te amo" para as outras... Eu não sei se posso me questionar sobre isso... E-Ei.. Eu... Eu sou amado?... Eu... Amo alguém?... *gulp*... Senhor Levi... Eu...

-Eren levanta seu rosto para o espantado do policial

-... Eu acho que estou com defeito...


Notas Finais


Demorou, mas saiu tecnicamente no prazo...

Desculpa mesmo, não era minha intenção demorar tanto, mas estou relativamente satisfeito com oque fiz, e vocês, oque acharam?

Grisha, quem foi esse homem? O jeito que o Armin explicou foi muito conto de fadas, não acha? Será que há um segredo por trás dessa história?

Quais serão os próximos personagens a serem apresentados? O Eren realmente tem um defeito ou ele esta começando a abrir seus olhos?

Eu esqueci de dizer que cada estação é meio que uma parte da fic, nesse caso estamos no verão e a cada 5 capitulos muda de estação, então o próximo será o fim do verão, logo, a fic é pra ter 20 capitulos!

Espero que tenham gostado, eu quero mesmo saber a opinião de quem esta lendo, a vaga de co-autor que eu estava esperando é algo que esta próximo de se tornar realidade, mais detalhes no momento certo!

Digam oque acharam nos comentários, sendo uma crítica boa ou ruim, de forma construtiva, é claro!

(sem plágio, nunca.)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...