História Sentimentos Hipócritas - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 10
Palavras 787
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Comédia, Ficção Adolescente, Romance e Novela

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 6 - Passado II



  2 anos atrás.
  Acabei visitando ele muitas outras vezes, ultimamente quando vou falar com a Clara sobre algum trabalho ela simplesmente me abandona, se juntando ao Matheus e me dizendo "você tem o Ethan, faça com ele" com um sorrisinho de cupido meia-boca.
  No fim, já tem um quase um mês que ir para a casa dele no fim de semana se tornou rotina, e cada dia mais algo me incomodava, era como conhecer duas pessoas diferentes, um Ethan sorridente e tímido, e um outro completamente diferente, que aparecia apenas quando ele estava concentrado em algo, um olhar sério e maduro que insistia em ficar gravado na minha cabeça pelo resto do dia.
  - Ah. - A minha caneta saiu voando para o outro lado da mesa, me tirando do transe de ficar girando ela enquanto esperava Ethan terminar de copiar a matéria que ele perdeu, o que o atrasou ainda mais já que ele teve que parar para pegar o objeto voador que quase furou a testa dele.
  - Você parece pensativa hoje. - O comentário ficou no ar, ele apenas continuou olhando para os cadernos sem dar sinais de que continuaria falando, apenas concentrado em copiar, e eu, tentando me concentrar em não ficar encarando ele, de várias formas isso era constrangedor - Ei, você já namorou com alguém?
  Por um breve momento eu fiquei sem resposta, ele continuava olhando para os cadernos como se nada tivesse acontecido, o que eu não sabia se considerava isso algo bom, já que senti meu rosto esquentar, por algum motivo eu não queria ter de admitir para ele a minha inexperiência, várias vezes elogiaram meu cabelo e meus olhos, mas eram sempre caras superficiais que eu mal conhecia.
  - Por que essa pergunta?
  - Particularmente, eu gosto dos olhos das pessoas, e os seus são muito bonitos.
  - Bonitos como? - A pergunta saiu por reflexo, como em todas as outras vezes que fizeram o mesmo elogio, mas dessa vez era como se eu estivesse torcendo para que fosse diferente.
  - Eu apenas acho eles bonitos. - Ele soltou a caneta e cruzou os braços sobre a mesa, me encarando por alguns segundos com olhos sérios, como se estivesse procurando algum defeito, igual nos desenhos - Se fossem de alguém que eu odeio eu acharia eles feios, eu não acho eles bonitos porque são verdes, e sim porque são seus.
  Senti a temperatura da sala subir, ele pareceu peceber o que tinha dito e ruborizou também, um silêncio constrangedor tomou conta do ambiente, até que percebi o som da caneta rabiscando o caderno, decidi aderir a decisão dele de ignorar isso por hora.
  - Ei. - Ele me olhou rapidamente, para checar se eu havia ouvido e prestava atenção - Você não respondeu minha pergunta.
  Na confusão achei que ele tivesse esquecido, uma estranha sensação de sinceridade me fez querer dizer, enquanto uma conhecida vontade de tentar desviar da pergunta insistia em me dar opções de como fugir do assunto.

  - Não.
  Ele ficou em silêncio, por um momento achei que eu tivesse falado muito baixo, com um olhar mais atento percebi que ele fez uma leve expressão de surpresa sem tirar os olhos do caderno, de certa forma foi bem irritante.
  - Por que perguntou se não tinha nada para falar?!
  - Apenas fiquei curioso, queria saber como é. - Ele guardou a caneta no estojo e fechou o caderno, voltando a me encarar como antes - Eu apenas estava pensando se é mesmo tão simples dizer que se ama alguém, afirmar isso e depois simplesmente ignorar, como se fosse algo tão descartável.
  Ethan transparecia sinceridade, como se estivesse compartilhando um dos seus pensamentos mais secretos comigo, ele parecia esperar uma resposta a altura da dúvida, e a vontade de testar algo em que eu pensava a muito tempo ganhou talvez a sua única oportunidade.
  - Não se mexa.
  Ele vacilou por um momento, mas manteve-se parado com os braços apoiados, me encarando. Lentamente me debrucei na mesa, chegando perto dele, meu coração começava a acelerar com o pensamento do que eu estava tentando fazer, o rosto dele começou a ficar perigosamente perto, seu olhar era rígido e não demonstrava qualquer sinal de que se mexeria dali, a respiração dele começava a compassar a minha, nossos lábios quase se tocaram, e então eu desisti.
  Coloquei as mãos nas minhas bochechas para saber se estavam muito quentes, tudo certo, apenas o suficiente para fritar um ovo, peguei todas as minhas coisas e joguei dentro da mochila, não arrisquei olhar para onde Ethan estava, apenas acenei um adeus e pedi para a mãe dele abrir a porta para mim, e fui embora com talvez um dos meus maiores arrependimentos.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...