1. Spirit Fanfics >
  2. Sentimentos por Você. - (Imagine Cha Eunwoo - Astro) >
  3. Confessar.

História Sentimentos por Você. - (Imagine Cha Eunwoo - Astro) - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Oii meus amores! turubom com vocês?❤🍓 Estou trazendo aqui para vocês mais uma fanfic e assim ela é um quase presente de aniversário para uma amiga, mas quis compartilhar ela com vocês. É uma two-shot e postarei o segundo capítulo amanhã ou depois de amanhã. É um enredo que fiz com carinho, bem fluffy para vocês mas não tenho certeza de que ficou 100% bom pela pressa de postar^^" eu me inspirei em duas músicas e uma eu vou colocar nas notas finais desse capítulo e a outra no próximo.

Espero que gostem!❤

💞APROVEITEM E BOA LEITURA💞

Capítulo 1 - Confessar.


                  Pov's ____________


Alguns anos atrás


Seguro firme uma das mãos de minha eomma, tímida com a moça a frente. Seus cabelos castanhos escuro caiam sobre a face, com um delinear pelo rosto pálido e delicado parecendo uma boneca de porcelana.

Possui uma pequena marca no canto dos olhos quase que imperceptível, uma dobrinha de suas pálpebras duplas. Se abaixou, ficando de frente para mim com um sorriso adorável.

— Vamos querida, cumprimente a srta Cha... ela é a nossa vizinha. — Eomma apertou levemente a palma de minha mão.

— Oi... — Exclamo tímida, entrelaçados minhas mãos pequeninas uma na outra. — É um prazer conhecê-la srta Cha... Eu sou a Lim ____________.

— Que bonitinha. — Disse abrindo mais aquele sorriso doce. — ____________? Que nome lindo. Eu me chamo Cha Chae-rim, não é tão bonito como o seu. — Brincou com os dedos de forma divertida.

— O-obrigada... O seu também é bonito, muito bonito. — Faço um movimento repetitivo com o pé direito, como fazendo desenhos no piso límpido refletindo nossos reflexos.

— Sabe... Eu tenho um garotinho da sua idade. Quer conhecê-lo? — Indagou e corri tímida para trás do corpo de minha mãe.

Ambas riram fraco de meu ato, logo senti eomma afagar meus cabelos.

— Seria adorável. Não é querida? — Exclamou eomma, não respondi em alto e bom tom mas assenti que talvez um "sim" seria a resposta. Pediu para que entrarmos.

A decoração era meiga e alguns objetos que me traziam certa curiosidade.

— Ele está no jardim. Ah e por favor, sente-se Da-Hye. — A srta Cha apontou para o sofá a frente e minha eomma assim o fez. — Eu vou lá chamá-lo. — Apontou em direção ao pequeno corredor onde provavelmente uma das portas levava ao jardim.

— Está bem. — Fito a figura feminina ao meu lado, os cabelos curtos na altura do pescoço em tom caramelado. Duas pequenas pintinhas fazem um certo charme em sua bochecha esquerda, próximas ao olhos.

Chae-rim não demorou muito para reaparecer, ao lado segura a mão do filho. Era um pouco mais alto que eu, mas continuamos pequeninos pertos de nossas mães.

Seus cabelos são escuros como as penas de um corvo, pele alva igual a da mãe. Os olhos também escuros são levemente repuxados e os lábios são avermelhados e recém umedecidos com sutileza.

— Eunwoo, diga oi querido. — Colocou-o o menor a minha frente e um leve corar se formou nas maçãs de meu rosto ao meus olhos se encontrarem com os dele.

— Oi... — Acenou não muito tímido. — Eomma agora posso voltar pro jardim? — Indagou puxando levemente a barra do vestido rosado que a mulher usava, num sussurro meio indiscreto.

— Por que não convida a ____________ para brincar? — Me fitou meiga e olhou para o filho.

— Quer brincar comigo? — Voltou a me encarar e desviei o olhar para minha mãe com um olhar incerto se devia mesmo ir, ela assentiu e logo o garoto fez um ato inesperado.

Segurou minha mão, me guiando até o jardim. Pude ouvir minha mãe comentar algo como "Que bonitinho."

Me guiou para fora, a grama recém esverdeada traz um toque bonito ao jardim que possui um balanço para dois e um pequeno montinho de areia.

Nos sentamos na grama, um silêncio constrangedor se formou, notei um baldinho ao lado da areia e outros brinquedos. Fito tudo na dúvida se devo tocar ou não, se seria certo pegar alguma coisa e começar a montar um pequeno castelo de areia.

— Seus olhos são grandes e bochechas rosadas.— Comentou quebrando o silêncio o olhei vendo que já estava a me encarar nesse meio período. — Parece um coelhinho medroso. — Riu divertido, fazendo uma concha com as mãos e pegando um punhado de areia.

— Eu não me pareço com um coelho. — Murmurei rubra e meio brava com a espécie de "elogio".

Isso é... se foi um elogio.

— Parece sim. — Esboçou um sorriso fofo naqueles pequeninos e avermelhados lábios. — Eu quero recomeçar... Me chamo Cha Eunwoo, e você coelhinha?

— Meu nome é Lim ____________. — O vi estender a mão.

Fiquei relutante por alguns segundos, apertando a mesma com sutileza. Em seguida, um sorriso tomou conta de meu rosto junto do dele.

Ele é legal...

(...) "


Dias atuais


Peguei mais uma jujuba no pacotinho de doces que seguro frouxo entre os dedos, levando aos lábios o gominho sabor laranja.

Alunos passam segurando suas bandejas com aperitivos, escolhendo uma mesa para conversar com seus grupos de amigos.

Causando um barulho mesclado a múltiplas conversas. Mais a frente uma mesa com três garotos a conversarem sobre assuntos talvez aleatórios sobre o dia a dia, esportes mais provável. Mas entre eles aqueles olhos repuxados e negros como onix me atraem, cabelos também escuros e lábios levemente carnudos avermelhados, seu semblante contém um sorriso que faz meu coração pulsar forte.

Eunwoo...

Enquanto a cada passo lento vou me aproximando de onde ele está, fico perdida em devaneios.

— ____________ acorda. — A figura um pouco a minha frente de cabelos curtinhos estilo Bob e castanho claro estalou os dedos a frente de meu rosto me fazendo piscar algumas vezes e voltar meu olhar em sua direção.

— Ya... o que foi? — Exclamei levemente assustada.

— Estava no mundo da lua outra vez, ____________? — Indagou com um sorriso brincalhão.

— Não, eu acho... — Exclamei com incerteza.

— Aigoo, você não tem jeito amiga. — Bong- Sun balançou a cabeça em negação.

— Não enche Bong-sun. — Apanho outro gominho de jujuba o levando a boca.

— Quando você vai se declarar? — Questionou.

— Fala baixo, Bong! — Empurro a mesma para o lado que resmunga baixinho equilibrando a bandeja com um copo cheio de suco, frutas e um bolinho me fitando com fúria por quase ter feito a mesma deixar os aparitivos e ri fraco.

Nos aproximamos da mesa e os garotos voltaram sua atenção a nós duas.

— Aigoo, finalmente. — O rapaz de cabelos castanhos num contraste caramelo se virou a nossa direção, traços finos e olhos amendoados e puxados. — O que estavam conversando enquanto viam para cá, minha Bongbong?

— Nada demais meu bem. — A menor deu um beijo no rosto do mesmo. — Apenas pelo fato de que amanhã será o dia dos namorados.

Bong-sun sentou-se ao lado do mesmo que se encontra ao lado daquele par de olhos que me encaram com aquele sorriso doce que faz as batidas de meu coração vacilarem.

Devolvo o sorriso de forma adorável.

Me sento a frente de Eunwoo ao lado de meu outro colega, Rocky. Seus cabelos caem sobre a testa com os fones nos ouvidos, se distraindo com algo na tela de seu celular. Volto meu olhar para o casal a conversar.

— O que vocês vão fazer amanhã pessoal? — Perguntou entrelaçando as mãos no braço do namorado.

— Ficar com você depois da aula em casa assistindo série e... — Exclamou perto do ouvido da mesma que bateu fraco no ombro do mais alto.

— Omo, não fala essas coisas aqui Moon Bin. — Exclamou envergonhada. Arrancando uma risada minha, de Eunwoo e Rocky que tirou os fones de ouvido e desligou o celular.

Bong-sun e Moon Bin estão juntos a quase um ano, senão os conhecesse tão bem... Diria que são um casal de anjinhos. Mas os dois são fogo puro.

— Não esperava menos de vocês dois. — Provoquei a Bong. Que me olhou rubra de vergonha e um fogo desafiador nos olhos.

— Enfim, e vocês? O que vão fazer? — Voltou seu olhar para o jovem de cabelos quase loiros.

— Ficar o dia inteiro treinando. — Rocky exclamou com um pouco de ânimo. — Ou ir para alguma festa. ____________ gostaria de ir comigo em algum evento amanhã? —Indagou num tom zombeteiro.

Ele é alto, tem traços marcantes, olhos mas puxados e um cabelo claro que o deixa de certa forma bem charmoso. É um sujeito mais festeiro, também tem uma certa paixão por esportes, brincalhão e bem fofo quando quer e sempre diz que provavelmente não tem uma pessoa destinada a ele.

— Eu? Bom... — Olhei o mesmo entrando no clima da brincadeira. — Pensarei no seu caso. — Rimos e olhei para Eunwoo que riu fraco mas sem muito animo, parecia mais concentrado no momento em comer seu sanduíche, terminou de abocanhar tudo voltando sua atenção para todos a sua volta.

— Omo, por favorzinho. — Exclamou divertido e logo parou olhando de soslaio em minha direção e ri.— To brincando.

—E vocês dois? — Moon Bin perguntou olhando para mim e Eunwoo, tratei de terminar meu pacote de jujubinhas o arremessando numa cesta próxima.

— Eu? — Eunwoo fitou o colega incerto. — Acho que... ir para algum lugar, não sei dizer ainda.

— Talvez nada. — Exclamei e antes que pudesse terminar Bong-sun interrompeu.

— Omo? Por quê? Achei que amanhã tu ia se decl... — A olhei com um olhar mortal e levantei-me apressada.

Sabia que ela não ia deixar barato.

— Já vou indo. — Interrompi me retirando da mesa e em passos lentos vou andando direto ao corredor principal do colégio. Pude ouvir um "Espera. Eu vou junto com você." Vindo da voz que já era tão presente no dia a dia mas ainda sim faz as batidas de meu coração ficarem rápidas mas continuei indo em direção ao corredor principal.

Ando pelo corredor lentamente a espera de que ele chegasse. Passos ecoam pelo piso límpido se aproximando em minha direção, tocou em meu ombro olhei para o lado, não vendo ninguém. Solto uma lufada de ar vendo que o mesmo estava do meu outro lado, dando um sorriso fraco.

— Esqueceu sua mochila, coelhinha. —Mostrou minha bolsa em sua mão e a peguei timidamente.

— Obrigada, Eunwoo. Coelhinha? Até quando vai me chamar assim? — Perguntei enquanto andávamos já praticamente do lado de fora do colégio.

— Até a eternidade, coelhinha. — Brincou fazendo bico.

Coelhinha...

Desde que a gente se conhece ele me chama assim. Quando nos conhecemos tínhamos apenas oito anos, desde então esse é o apelido que o mesmo deu para mim. Sempre ficava a me provocar fazendo caretas e me chamando assim, antes eu o odiava por essas brincadeiras. Mas agora com 18 anos posso dizer que ele melhorou, só um pouquinho mas se tornou mais maduro.

— Eternidade? Mas é muito tempo não? — Rio fraco o vendo cruzar os braços e colocar atrás da cabeça, me fitando de soslaio.

— Com toda certeza. — Respondeu esboçando um pequeno sorriso de canto saindo pelo portão principal.

Não moramos muito longe do colégio, A primavera chega pelo bairro de Seul, as árvores de cerejeira e diversas outras flores dão beleza as ruas e pequenos bairros.

Caminhamos pelas ruas com flores a caírem graciosamente pelo ar, pousando no chão as pétalas rosadas, as ruas estavam cheias e isso trás um cenário encantador.

Me equilibrei sobre o meio fio, andando cautelosamente para não cair enquanto Eunwoo me fita com um sorriso distraído no rosto.

O caminho tido conversamos sobre bobagens, seu olhar calmo sempre faz um sorriso involuntário aparecer em meu semblante.

— Vai fazer algo amanhã? —Indaguei para o mesmo segurando as alças de minha mochila enquanto o fito distraído.

— Talvez fugir das garotas que me mandam cartinhas. — Brincou, revirando os olhos com um sorriso bobo no rosto.

— Não tem interesses nelas? — Questionei. — Aigoo, mas as garotas do nosso colégio são tão bonitas.

— Mas elas não são como... — Exclamou em devaneios, sorrindo fraco.

— Como? —Repeti as últimas palavras, balançou a cabeça negativamente.

— Quero dizer, não tenho interesse nelas. — Explicou meio embaralhado, coçando a nuca e ri. — Elas só não são iguais a. — Se embaralhou de novo.

— A...? —Repeti com curiosidade. O que ele quer dizer? Eunwoo as vezes para mim é como uma caixa de pandora.

As vezes sei o que ele pode estar pensando, outras vezes não...

— Chegamos... — Parou em frente às duas casas, somos vizinhos já a dez anos. Quando éramos crianças brincávamos no jardim de sua casa ou na minha, bons tempos.

— Bom... Então acho que já vou indo. — Apontei em direção à residência ao lado, me virando lentamente em direção a casa.

— ______________. —Eunwoo me chamou mesmo ainda próxima a ele. Volto a ficar de frente para o mesmo com uma ansiedade inabalável em meu peito.

Seus olhos possuem um brilho único, deu um pequeno sorriso, reprimindo os lábios e disse quase num sussurro :

— Nada... Até depois. —Levou os dois dedos até minha testa e a cutucou, me fazendo sorrir com as bochechas sutilmente rosadas.

— Até, Eunwoo-nii. — O provoquei vendo o mesmo ir em direção a sua casa, acenando de costas.

Volto minha atenção à residência a minha frente, logo tratei de me direcionar a mesma em passos calmos.

Chego em frente à porta branca, retirando meus velhos tênis pretos e surrados, os deixando num canto próximo a porta. Tateando a maçaneta gélida, a girei num manear cauteloso. Revelando o interior da casa, ando pelo assoalho de madeira só de meias.

— Eomma! Cheguei. —Exclamei tirando as meias para não ocorrer o risco de escorregar e cair de cara no chão.

—Ah oi meu amor.—Gritou da cozinha e pude ouvir o barulho de talheres e panelas.

Me aproximo lentamente do local que vinha o barulho vendo a mesma com alguns pontos do rosto sujos de farinha enquanto mistura uma massa numa grande tigela. O mesmo corte de cabelo um pouco maior na altura dos ombros, presos num rabo de cavalo desleixado.

— O que está fazendo? —Indaguei franzindo o cenho, olhando para uma figura menor feminina toda coberta de farinha com um sorriso no rosto.

Seus cabelos castanho avelã, olhos grande e ao mesmo tempo puxados, rosto num formato ovalado e bochechas amáveis.

— Unnie, estamos fazendo cupcakes. — Exclamou sorridente e sorri de volta com a careta que fez ao provar um pouco da farinha nos dedos.

— Isso explica muita coisa. — Esboço um sorriso divertido seguindo de uma risada.— Tem algum motivo em especial para fazerem cupcakes?

— Teste de receita nova e também vou ajudar a sua irmã a levar amanhã, já que é dia dos namorados. — Eomma explicou, pegando uma toalha umifa e limpando o rosto enfarinhado. — Mas me conta, como foi seu dia, querida? — Indagou voltando a misturar a massa no recipiente.

— Normal, nada demais. — Disse tocando minha testa, dando um pequeno sorriso.

— Encontrou com o Eunwoo-oppa unnie? — Perguntou Soojin e a olhei surpresa e minhas bochechas queimam de vergonha.

Soojin é minha irmã caçula, tem oito anos, bom tá mais para pestinha. Ela sabe que eu gosto do Eunwoo, e me provoca como a Bong-sun por que ainda não encontrei as palavras certas para dizer o que sinto por ele.

Aigoo, o que será que eu fiz para ter uma amiga e irmã com mesma personalidade?

— Claro, ele é meu colega de classe. Como não vou me encontrar com ele? —Expliquei a vendo pegar as raspas na latinha de leite condensado.

— Anyoo, ele é muito bonito unnie por que não se... —Tentei tapar a boca da mesma para que minha eomma não ouvisse, ela já sabe, mas minha irmã não sabe ficar quieta quando o assunto é me perturbar, mas não consegui. — declara pra ele? — Completou a frase, risonha.

A fitei rubra de vergonha e raiva.

— Soojin, deixa sua irmã em paz e vem me ajudar a colocar a massa nas forminhas. — Eomma sorriu fraco a chamando, a figura menor logo se aproximou.

— Obrigada eomma. —Exclamei e a mesma piscou para mim sorrindo divertida. Dou passos em direção à escada que dá para o corredor de quartos. — Qualquer coisa eu estou lá em cima, ok? — Avisei e ouvi um "ok" em resposta, avanço os degraus de madeira ouvindo o curto ranger a cada passo que dou.

Subi, passando pelos três quartos do corredor indo até o último. Pego a maçaneta, girando num toque sentindo sua frieza metálica. Fechei a porta assim que adentrei o quarto.

A decoração é simples, uma escrivaninha branca próxima a janela com meu celular em cima dos livros espalhados, cômoda com fotos e mais livros.

Cama está parcialmente arrumada com travesseiro jogados pelos cantos dando um ar mais despojado e confortante.

Jogo minha mochila em cima da cama, logo me deitando no colchão ao lado da bolsa, fitando o teto cheio de fotos e pinturas de estrelas.

Pude ouvir meu celular vibrar da escrivaninha, provavelmente uma notificação, me levanto num impulso lento dando menos de três passos em direção à escrivaninha.

Apanhei o aparelho, no qual havia deixado carregar em casa pois havia esquecido de colocá-lo para ficar carregando a noite, fiz uma nota mental para não repetir isso novamente.

Ligo o mesmo vendo os avisos de mensagens, todos da Bong. Revirei os olhos rindo baixo logo abrindo o aplicativo de mensagens.

***

Bongbong

Aigoo, quando vai se declarar pra ele?

Tô cansada já de mandar indiretas pra você acordar pra vida, será que tu ainda não se tocou? Vocês formam o que chamam de par perfeito.

Ele é a sua metade da laranja. Vocês se vêem todos os dias, ficam perto do outro quase que inseparáveis. Dois lerdos.

Aí sou uma cupido sofridah KKK

Você

Se chama de indireta quase falar que eu

vou me declarar para alguém na frente dele?Não sei mais o que é indireta agora.

Amiga eu só não sei como fazer isso. E eu não sou lerda.

Bongbong 

Em relação à isso me desculpa.        Exagerei na provocação ^^"

Hmm, deixe-me pensar. Como amanhã vai ser dia dos namorados.

Pense em fazer algo simples para ele. Um desenho, poema ou uma música.

Espera, já sei!

Você

O que?

Bongbong

Faz uma carta ^-^

Você

Tem certeza disso? Eu não sei... já

que, ele recebe cartas de muitas

garotas bem mais bonitas do que

eu ou até mesmo melhores. Talvez

não goste.

Bongbong

Confia amiga, quando se trata da melhor amiga de infância dele não tem como ele não gostar! E também tu é mais gata do que qualquer outra menina daquele colégio e ainda tem uma deusa grega como amiga, vulgo eu ksksks

Você 

Convencida 

Só você mesmoKSK obrigada amiga. Até depois

Bongbong

Até meu anjo!


*** 

Desliguei o aparelho, fitando a janela em frente à escrivaninha. Talvez fosse uma boa idéia da Bong-sun, eu não sei se vai ser algo que vai surtir efeito ou vai dar certo mas... não custa tentar né?

Me sento na cadeira com uma almofada branca macia ao lado, colocando a mesma no colo. Pego meu caderninho azul Royal na mesa que se encontrava quase que escondido entre os livros.

Abri revelando as páginas limpas com um leve tom bege sobre elas, dado uma textura de papel envelhecido. Um desenho ou outro se encontra em páginas perdidas.

Me levanto, voltando em direção à minha mochila. Puxo o zíper de metal gélido, revelando o interior da mesma com alguns cadernoa e um estojinho vermelho, o apanhei. Tirando uma lapiseira roxa e guardei o estojo no lugar onde havia pegado.

Por onde eu devo começar? Ah já sei....


O anoitecer já se encontra presente no céu, a tonalidade negrume traz um destaque a lua que brilha de forma tão bonita e as estrelas complementam isso de forma delicada. Um vento entra pela janela de meu quarto e pigarreio baixinho, abrindo meus olhos lentamente.

Droga...

Fitei o caderno ao meu lado com apenas quatro palavras escritas " Meus sentimentos por você...". Havia cochilado na cama logo após escrevê-las.

Esfrego minhas mãos nos olhos, soltando um bocejo manhoso e cansado. Coçando minha nuca olhei o horário no celular.

20:05

Acho que dormi um pouco até demais.

Antes que pudesse desligá-lo novamente, uma notificação apareceu, encaro fixamente a tela do celular, meu coração dispara e quase que dou de cara no chão ao me desequilibrar na cama.

Pelo menos não cai de cara, Me levanto dolorida por ter caído no assoalho de madeira. Revejo a mensagem e solto uma lufada de ar. Afinal não é a primeira vez que converso com Eunwoo.

Só fiquei surpresa por ele me chamar de forma tão repentina. Abri o aplicativo de mensagens e logo a visualizei.

Eunwoo-ni♡

Coelhinha, tá acordada?

Você

Sim. Precisa de algo? E para de me chamar de Coelhinha!

Eunwoo-ni♡

Nada só que... Será que dá pra me encontrar na área de natação do colégio?

Parar de te chamar assim? Nunca ksks

Você

Você não muda nunca ksksk. Te encontro lá ^^

***


Desliguei o aparelho, o colocando na cama, um pequeno sorriso brotou em meu rosto.

Já se fazia alguns anos que Eunwoo e eu não saíamos a noite só para ficar nas piscinas do colégio. Tem vigilantes pelo colégio, mas conhecemos entradas secretas do local.

A última vez que fizemos isso, ficamos conversando sobre bobagens algo como "se nuvens fossem algodão doce". Senti saudades de fazer isso...

Me levanto, olhando para minhas vestes. Acabei adormecendo e nem troquei de roupa, ainda estou com o uniforme do colégio, aish!

Caminho em direção à minha cômoda, a procura de uma roupa decente. Isso seria uma espécie de encontro? Ainda não sei dizer...

Acho que desde que o conheci comecei a gostar dele, mesmo me irritando com suas provocações, chegava em casa de cara amarrada e eomma sempre me perguntava o que havia acontecido, acariciava meus cavalos presos numa trancinha e sempre lhe dizia que o Eunwoo me chamava de "Coelhinha medrosa." E ela sempre respondia que era porque ele gostava de mim e não se expressava direito. Mas acho que agora sou só eu quem está num conflito apaixonado e não consigo lhe dizer o que sinto.

Pego um blusão branco e short jeans simples. Deixo minhas madeixas soltas, as jogando para trás. Visto a peça de roupas, vendo que havia ficado bom e confortável, pego meu caderninho e lapiseira sobre a cama. Preciso escrever o que está guardado dentro de mim ao vê-lo, sentimentos doces e delicados... mas não sei ainda como descrevê-los.

Me retirei do quarto apressada, descendo as escadas num pulo. Passo pelo corredor em direção à porta sendo surpreendida pela mini figura escorada na parede a me observar.

— Unnie. Onde você vai? —Indagou meio corpo mole.

— Ah, Soojin o que está fazendo acordada? — Tentei desviar de assunto, mas logo inventei uma desculpa.

— Hm, acabei acordando quando ouvi o barulho de algo cair no chão lá em cima. E vim tomar um pouco de água. — Esfregou os olhinhos, soltando um bocejo.

— Eu vou na casa da Bong, avisa pra eomma que daqui a pouco eu volto, ok? — Exclamei saindo o mais rápido possível antes que ela fizesse outra pergunta.

Calço os mesmos tênis de hoje de manhã. Correndo em direção ao colégio.

Não demorou muito para chegar, dei a volta no enorme local, indo por uma das portinhas dos fundos que dava direto as piscinas do colégio.

Com cautela adentrei vendo as três enormes piscinas ali vazias, não acho que Eunwoo já tenha chegado.

Me sento próxima à uma das piscinas, a espera do mesmo.


Minutos e minutos passam...


E nada dele, abri o meu caderninho que estava em mãos desde que sai, voltando a página onde havia somente três palavras, posicionando a lapiseira próxima a última pensando no que escrever. Começo a colocar tudo que vem a minha mente em relação à ele, fazendo pequenos rabiscos de estrelinhas e corações em volta quando as palavras que me faltam para continuar a escrever desaparecem por completo num nevoeiro em minha mente.

— O que está fazendo? — A voz ecoou perto de meu ouvido e fechei o caderno rapidamente, vendo o rosto de Eunwoo um pouco acima de minha cabeça.

— Aigoo, quer me matar? —Botei a mão no peito o fitando incrédula.

— Não, eu não quero matar um coelhinho medroso. — Riu se sentando ao meu lado e revirei meus olhos. — Desenhando? —Apontou ao caderno.

— É... mais ou menos isso. — Esboço um sorriso com timidez. Logo fingi estar com um semblante zangado, empurrando seu ombro sem muita força.— Yah, por que demorou?

— Sei que não gosta de atrasos. Mas eu fui comprar isso. —Mostrou uma sacolinha em uma das mãos, retirando uma garrafa de refrigerante.

— Aigoo, é meu preferido. — Murmurei triste ao ver o mesmo tirar a tampa e dar alguns goles no líquido gaseificado e doce.

— Bunny... boo boo... — Colocou a garrafa ao lado e com as duas mãos imitou as orelhinhas de um coelhinho e corei forte, desviando o olhar de seus olhos serenos e dóceis.

— Vai... por favor, para de fazer esse aegyo, pensei que já tivesse se esquecido disso. Me dá só um pouquinho do refri, por favorzinho. —Exclamei com os olhos brilhando.

— Vou dividir com você só porquê sou legal. — Exclamou zombeteiro me passando a garrafa. — Como é que eu vou esquecer o aegyo que você fez na frente dos garotos por que perdeu uma aposta no verdade ou desafio? É absolutamente inesquecível e...

Peguei a mesma ruborizada, dando uns quatro goles vendo o líquido ficar na metade da garrafa o entregando de volta.

— E?... —Repeti o vendo murmurar algo como "fofo". Dei um olhar de soslaio junto de um sorriso envergonhado.— Aqui sempre fica tão bonito a noite... — Mudei o assunto olhando para as piscinas que tinham um brilho pelas luzes abaixo da água, dando uma tonalidade reluzente a mesma, refletindo os movimentos calmos da água em uma textura magnífica sob o teto do local.

— Realmente. — Se levantou correndo em direção à borda vertical do outro lado da piscina.

— Ei! O que você vai fazer? — Indaguei o fitando retirar a camisa, revelando o corpo esguio mas com massa muscular minuciosamente definida no peitoral, abdômen e braços, minhas bochechas ficam ainda mais rubras que antes.

— Estamos num local com piscinas. Acha que eu te chamei para ficarmos apenas sentados? — Falou em resposta causando breves ecos no local. Pulou na água numa posição que não causara tantos esguichos de água quanto eu imaginava.

Nada em minha direção fazendo alguns "splashes" na água. Abri meu caderno o vendo ficar cada vez mais próximo logo as palavras certas surgem em minha mente e continuo a escrever meus sentimentos ao vê-lo se aproximar.

Seu sorriso encanta qualquer um, mas o que é mais cativante nele é seu jeito descontraído, preocupado e gentil. Conhecemos os gostos, sonhos um do outro... Viramos quase que inseparáveis mas... Meus sentimentos estão florescendo numa forma desajeitada e confusa .

— Coelhinha. Você não vem? —Indagou ficando de braços debruçados na borda da piscina, apoiando o queixo nos braços.

— Eu não sei... —Brinco com a ponta de meus dedos, vendo Eunwoo soltar um sorriso maroto.

— Vem logo, coelhinha. — Disse logo nadando até a extremidade horizontal da piscina, pegando uma bóia enorme de abacaxi que estava bem próxima a margem, talvez alguém tivesse esquecido de guardá-la.

Colocou a mesma na água, boiando em minha direção.

—Sobe. — Sugeriu segurando a bóia para que não fosse levada até o meio da piscina.

— Tem certeza que... — Falei meio desconfiada. Dá última vez que ele me pediu pra fazer isso, virou a bóia e eu cai na água igual uma caipora e ele ainda me pegou no colo me soltando na água de novo.

— Vem logo. Não vou te derrubar, prometo. — Sorriu de canto e mordi os lábios desviando meu olhar do dele.

— Tá. Vou confiar só dessa vez. — Gesticulei arregaçando as mangas de meu blusão, fechei o caderninho, colocando no chão distante da margem para não ter o risco de molhar. Num impulso me levanto, retirando os tênis de forma atrapalhada.

— Aish, não confia em mim? — Perguntou fingindo estar ofendido.

— Só quero ter certeza. — Imitei seu sorriso ladino de poucos segundos atrás. — Dá última vez que você fez isso cai na água e ainda borrou meu rosto com tinta assim que sai da água, sem contar no meu uniforme. —Exclamei subindo cautelosamente na bóia me sentando de joelhos para não correr o risco de cair.

— Foi divertido.

— Eunwoo! —Gritei ao ver o mesmo guiar a bóia ao centro da piscina, jogando respingos em minha direção. E revidei o vendo se afastar.

— Aigoo. — Riu jogando mais água e fiz o mesmo novamente.

— Voce não tem jeito. — Ri Logo me desequilibrando, cai. Sentindo me colidir com a água causando um splash grande.

Balanço meus braços na água tentando voltar a superfície. As bolhas se mesclam ao meu redor, sentindo braços me envolverem e me levarem de volta à superfície.

— Você está bem, ____________? — Exclamou Eunwoo preocupado. Os fios de cabelos negros e encharcados com as gotículas descendo de suas têmporas até o ombro, sua respiração descompassada se mescla a minha, meus olhos estão presos a ele como algo magnético.

— Estou... — Disse olhando delicadamente para seus lábios avermelhados. — Você não vai me soltar como da última vez. Não é...?

— Não... — Nossos rosto ficam mais próximos, seu hálito de menta é suave que se faz mesclada à minha respiração. Meus lábios ficam entreabertos seus lábios estão prestes a tocarem nos meus.

Barulho de passos a se aproximar e lanternas, com suas luzes a ofuscar o corredor próximo. Desviei meu rosto do seu com um sorriso nervoso.

— Acho melhor a gente sair daqui... — Sugeri e nadamos até a borda com pressa o barulho de passos a ecoar em direção à porta principal do local.

— É melhor mesmo. — Soltou uma risada nervosa.

Saímos dá água, e peguei meu caderno de forma desengonçada e os tênis jogados próximos a ele.

Corremos para a porta no qual havia entrado, correndo feito loucos com risadas divertidas, andando rapidamente a primeira esquina que vimos.

Eu poderia repetir isso um milhão de vezes se fosse possível, desde que pudesse ver esse sorriso no rosto dele mais vezes.

Seus olhos...

Tudo.

— Se você pudesse dizer o que realmente sente à alguém... O que você diria? — Eunwoo Indagou com aquele sorriso divertido e o peitoral desnudo cobrindo parcialmente com a camisa seca e fiquei desconcertada com a pergunta.

— Eu ainda não sei como expressar a ela. — Sorri sem jeito, colocando meu caderninho contra o corpo. — E você, o que diria?

— Que... Se você estiver ao meu lado e nós tropeçarmos no escuro. Eu sei que ficaríamos bem. Desde que esteja ao meu lado — Exclamou de um jeito inquieto, com um sorriso doce antes reprimido nos lábios se revela e as batidas de meu coração se aceleram.

A noite de estrelas tem uma beleza única enquanto andamos num silêncio levemente constrangido. E com ele, minhas batidas do coração ficam cada vez mais desgovernadas mas ao mesmo tempo uma sensação tão segura.

Quero ficar ao lado dele assim...

Para sempre.


(...)


Faltam menos de cinco minutos para o horário do intervalo tocar. As garotas estão eufóricas por conta do dia dos namorados. Mandando cartinhas para os garotos que gostam e bom eu seria mais uma, mais não estava eufórica e sim nervosa, ansiosa e frustrada. Termino de escrevê-la e colocar num envelope simples com um pequeno coração de adesivo a selando com delicadeza.

Ontem a noite foi incrível, foi especial ficar ao lado dele e vê-lo tão próximo. Mas algo me domina que me impede de querer contar o que realmente me vêm à mente ao fitar aqueles olhos tão bonitos.

Medo de não ser o que ele espera, de nao ser bonita o suficiente para ele, me ver apenas como uma amiga que cresceu a infância praticamente junto dele.

— ____________. — Bong-sun cutucou meu ombro e a olhei dispersa. — Falta menos de 1 minuto para o sinal tocar, vê se declara desta vez hein. — Riu fraco batendo em meu ombro.

— Você não tá ajudando. — Disse nervosa.

— Fica tranquila amiga, vai dar tudo certo. — Me tranquilizou passando uma de suas mãos por meu ombro.

O sinal tocou e num empurrão, Bong-sun me levantou erguendo o punho e logo dizendo :

— Vai dar certo. Fighting!

— Espero que sim. —Murmurei insegura.

Preciso me confessar...

É agora ou nunca. 

Suspirei seguindo o amontoado de pessoas a minha frente até a saída. Eunwoo estava mais a frente andando pelos corredores apressado.

O sigo atravessando os corredores de forma sorrateira e cautelosa para não esbarrar-me em ninguém.

O perdi de minhas vistas por um momento prensando entre os dedos a carta com ansiedade e nervosismo, e um pequeno sorriso tímido.

Tinha visto logo o mesmo ir para uma das salas de música do corredor principal e em passos lentos me direciono ao local com a porta aberta parando na borda da mesma.

Vendo uma cena que fez meu sorriso desaparescer e a carta escapar de meus dedos, caindo no chão.

Estava a conversar com uma garota, seus cabelos loiros, olhos puxados e grandes, com um sorriso enorme no rosto o puxando para um abraço.

Uma lágrima escorre em meu olho esquerdo, reprimindo os lábios ao notar que a jovem olhou em minha direção surpresa, mudando o seu semblante para um sorriso convencido e olhar superior. Dou um passo para trás vendo Eunwoo se vira a minha direção quase encontrando meus olhos com os dele.

Mas antes que isso pudesse acontecer me viro.

Correndo pelos corredores com as lágrimas ardente escorrerem por meus olhos de forma violenta.

Eu só quero sair daqui... 


Notas Finais


Música do capítulo:
https://youtu.be/qLIC_d6NQPM

Foi isso meus anjos. Até o próximo capítulo dessa two-shot fofinha huehue ksk 💞 Me digam: o que acharam?

Beijos, fuii💋
Xauu ~~ <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...