História Sequelas - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook, V
Tags Angst, Bts, Jungkook, No Lemon Squad, Pinattsu, Taeguk, Taehyung, Taekook, Vkook
Visualizações 81
Palavras 1.620
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishounen, Drabble, Drama (Tragédia), Ficção, Musical (Songfic), Slash, Suspense, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura <3

Capítulo 1 - Dezoito anos e a perpétua


 

Jeongguk nunca esteve tão fora de si como naquele momento. 

Dançava com os olhos fechados, atento a mover-se se acordo com o ritmo da lenta música que ecoava por aquela boate praticamente vazia.

Quem o assistia imerso em seus devaneios concluía que sua única preocupação naquele momento era o cuidado com garrafa de vodka em sua mão.

Era seu aniversário de dezoito anos e seu presente, até então, fora uma desilusão amorosa e a negligência familiar.

Just barely out of school

Came from the edge of town

Fought like a switchblade

So no one could take him down

"Recém saído da escola, 

veio da periferia da cidade  

Lutava como um canivete 

Então ninguém poderia derrubá-lo"

 

Se sentia um fracassado por nao ter sido capaz de esquecê-lo mesmo depois de três meses. Ou seriam quatro? Ele não tinha certeza.

He had no money

No good at home

"Ele não tinha dinheiro

Nem um pouco bom em casa"

 

Lutou contra tudo e todos pra correr atrás do que achava ser sua Verdade e acabou abandonado. Achou-se então neste estado deplorável, sem alguém que o amparasse e o dissesse que nada era tão ruim quanto parecia. 
 

Walked the streets a soldier

and he fought the world alone

"Andava pelas ruas como um soldado e lutou contra o mundo sozinho"

 

Não é como se nutrisse a esperança de receber uma ligação depois de tudo.

Não sabia como havia se permitido chegar àquele ponto por algo tão supérfluo como uma paixão. 

And now it'

Eighteen and life you got it

Eighteen and life you know

Your crime is time and it's

Eighteen and life to go

"E agora são

Dezoito anos e a perpétua, você entendeu

Dezoito anos e a perpétua, você sabe

Seu crime é o tempo e são

Dezoito anos e a vida pela frente"
 

Sentia vergonha do próprio reflexo. Sua aparência estava horrenda, porém digna de um colegial que vivia sendo levado pelas festas e bebidas. 

No final, sempre se lembrava dele. Tudo nele era quente. Seu calor o atraía como um ímã. Sempre que estava perto dele, bastava um simples olhar e um sorriso de canto para que se entregasse sem que ao menos fosse solicitado.

Conseguiu destruir-se em poucos meses, e acabar com quem o amava também. 

Em um mínimo espaço de tempo Jeongguk já nao era o mesmo. Com o passar dos dias começara a chegar às seis da manhã com cheiro forte de álcool e vários hematomas de suas "aventuras" pelo corpo, afinal, Taehyung sempre foi mais agressivo com suas brincadeiras, mas Jeongguk nunca se queixou; amava aquilo. Faltava às aulas, às vezes por uma semana inteira, e suas notas se tornaram péssimas. Seus pais estavam preocupados, mas Jeongguk encarava toda aquela "implicância" com indignação.

Até o dia em que Taehyung propôs que fugissem. 

Não foram feitos muitos cálculos, tampouco planejamentos para a execução do plano. Tinham um ao outro, e isso bastava.

Jeongguk, ao refletir sobre tudo, acabava por não sentir nada além de desprezo. Não de Taehyung ou de qualquer outro, mas de si mesmo. Tinha nojo do que tinha se tornado, tinha nojo daquilo que chamou por tanto tempo de "amor".

Se permitiu mudar tão drasticamente por alguém. Embora ele pensasse que, na verdade, não havia mudado, mas se encontrado.

Jeongguk, que sempre se mostrou um bom garoto, estudioso, responsável e polido, agia agora como um rebelde. Era um desconhecido.

Jeongguk se viu deslumbrado perante a vida leviana que Taehyung levava, repleta de festas, bebidas, drogas e sexo, coisas que sequer cogitaria experimentar em seu juízo perfeito em sua antiga vida, e que estavam ali, bem à sua mercê.

Tequila in his heartbeat

His veins burned gasoline

It kept his motor runnin'

But he never kept it clean
 

"Tequila em seu batimento cardíaco

Suas veias queimavam gasolina

Ela mantinha seu motor funcionando

Mas ela nunca deixava-o limpo"

Taehyung nunca o forçou a nada, nem o coagiu a nenhuma das aventuras. Ele sempre o acompanhou por livre e espontânea vontade. Gostava da adrenalina de viver cada aventura ilícita.

Taehyung o levava para esses eventos diversas vezes, e era nesses momentos que ele via o lado mais insano de seu companheiro. Ele usava substâncias que Jeongguk sequer imaginava que existiam; quebrava móveis; invadia casas; pichava muros; furtava lojas de conveniência e dirigia bêbado. Entretanto, o mais novo não conseguia apenas se afastar, pelo contrário, se apegava ainda mais. Já tinham sido enquadrados e até presos. Mas as carícias repentinas e o jeito carinhoso com o qual tratava o mais novo o fazia esquecer de toda a podridão envolvida.
 

They said he loved adventure
Ricky is the wild one
He married trouble
Had a courtship with a gun

"Eles disseram que ele amava aventuras
'Ricky é o selvagem'
Ele se casou com o problema
Teve um caso com uma arma
"


Até o dia da separação

Foi uma separação pacífica; não houve discussão, nem lágrimas, nem oposição, por mais trágica que parecesse sua partida. Taehyung comunicou a Jeongguk que partiria na manhã seguinte para o Canadá. Aquilo foi uma pedra no teto de vidro do garoto.

 

Bang bang, shoot 'em up

The party never ends

You can't think of dying when the bottle's

your best friend 
 

"Bang bang, atire neles

A festa nunca acaba

Você não pensa na morte quando a garrafa é sua melhor amiga"

 

" - Deixe-me ir com você. - pediu o mais novo, sem se importar se sua voz falhava.

- Jeongguk, você tem dezessete anos e sequer completou o ensino médio. - disse ríspido. -  Eu tenho vinte e seis, e você sequer sabe falar inglês. Não seja idiota.

Aquelas palavras o feriram profundamente, mas não foi capaz de se manifestar, estava estático. Ainda não acreditava que aquilo era real. Se recusava a aceitar aquela outra personalidade de Taehyung que nunca tinha visto antes.

- Além disso, eu não vou sozinho. - continuou, com um tom de voz baixo como se hesitasse depois de pensar um pouco. Jeongguk, que antes fitava o chão por faltar-lhe coragem de olhar Taehyung nos olhos, passou a encará-lo imediatamente, e o outro já sabia o que ele queria dizer. Agora que tinha começado, havia de terminar. - Eu estou com outro, Jeongguk. - foi sua vez de desviar o rosto das grandes orbes negras.

Jeongguk sentiu a dor de um punhal cravado no peito. Ainda repetia para si mesmo que tudo não passava de uma miragem; um sonho ruim.

Depois de alguns longos minutos, o silêncio constrangedor foi cortado. 
 

- Há quanto tempo? - balbuciou quase inaudível. 

O mais velho ficou surpreso pela pergunta inesperada.

- Dois meses, eu acho. - falou passando a mão entre os cabelos, deixando transparecer seu nervosismo. O rapaz ficou apreensivo, pois fazia cerca de oito meses que estavam juntos, então o affair já existia durante boa parte de seu relacionamento bem abaixo de seu nariz.

- Se é isso que você quer, - moveu-se para mais perto do outro. - então não vou tentar te impedir, não se preocupe. - deu um sorriso pequeno, com a voz mais serena do que o adequado para este tipo de situação. 

O mais velho permaneceu imóvel analisando a compreensão de Jeongguk. Ele fazia tudo parecer tão simples que chegou a sentir uma pontada de remorso.

- Apenas permita que eu faça um último pedido antes que nunca nos encontremos novamente. - aproximou-se mais, ficando a uma distância um tanto sugestiva, porém seu semblante não denunciava suas intenções. 

Taehyung assentiu com um leve ar de curiosidade.

- Faça amor comigo mais uma vez. A última vez.
 

Depois disso, nenhuma palavra mais foi dita. Apenas gemidos arrastados e o chocar de corpos ecoavam pelo quarto abafado. 

Foi a melhor transa que já tiveram. Foi uma noite com gosto de despedida e com sentimento de 'última vez'."

 

And now it's

Eighteen and life, you got it

Eighteen and life, you know

Your crime is time and it's

Eighteen and life to go

"E agora são

Dezoito anos e a perpétua, você entendeu

Dezoito anos e a perpétua, você sabe

Seu crime é o tempo e são

Dezoito anos e a vida pela frente"


Taehyung partiu. Meses se passaram. Nenhuma ligação, nenhuma mensagem. Não conhecia seus pais para que pudesse questioná-los sobre notícias do outro. "Amor", certo?

Jeongguk não sentia raiva, nem sentia-se no direito de sentir-se abandonado. Taehyung nunca o disse "eu te amo", nem mesmo um "você é único", e finalmente ele pôde entender o porquê. 

Jeongguk não foi o primeiro, e nem seria o último na vida de Taehyung, e ele sabia que um dia partiria, por isso nunca dava motivos para iludir seus parceiros. Não dizias coisas românticas, não o levava para tomar sorvete ou para conhecer seus pais.

Sua imaturidade havia o cegado, mas tudo tornou-se mais claro.

Depois de tanto tempo, e com dezoito anos, Jeongguk pôde entender que Taehyung sabia tudo sobre ele, mas ele não sabia nada sobre Taehyung. Não passava de um visitante na vida do mais velho. Assim como ele propôs que fugissem para o Japão devido os problemas com seus pais, que era onde permanecia, ele possivelmente fez o mesmo com outra pessoa, para um pouco mais longe dessa vez. "Canadá", isso soava tão estúpido.
 

Mesmo com tantos motivos pra deixar tudo para trás, Jeongguk não podia, e não devia, fugir de seu destino. Deixou-se levar por um ato impulsivo, corriqueiro e impensado. Agora teria de arcar com o fardo de suas ações. Seguiria conformado com sua sentença, pois agora tem dezoito anos e uma vida pela frente.

Jeongguk, tinha apenas uma certeza em sua existência: ele amou. 

 

Ele amou demais alguém que só amava a si mesmo, e estava fadado às sequelas que o amor havia deixado.





Notas Finais


eh isto.

música: 18 and Life - Skid Row

Acho que daria até pra fazer uma long com esse plot aí rs mas não vou nem dar ideia.

Postando 5 horas da tarde, vai flopar mais que meu whatsapp, mas nois lida, fazer oq

Espero que tenham gostado, obrigada por terem lido essa coisa até aqui.

•mari


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...