1. Spirit Fanfics >
  2. Sequestro de última hora ( Taekook - Vkook ) >
  3. Convivência

História Sequestro de última hora ( Taekook - Vkook ) - Capítulo 6


Escrita por: Verena_Amakiir

Notas do Autor


Olá manteigas e dengos cheirosos! ☀️💜
Eu havia prometido que voltaria na quarta-feira, então cheguei para atualizar e vim aqui com esse capítulo cheio de evolução dos Taekook, quer dizer, estamos torcendo para que seja mesmo.
Não vou enrolar porque vocês querem ler KKKK

Boa leitura meus dengos cheirosos! ✨💖

Capítulo 6 - Convivência


§ Jeon Jeongguk pointer view §


Larguei as compras no balcão da cozinha, andando em direção ao meu quarto, mas parei ao ouvir risadas e bagunça no quarto do meu irmão, me fazendo estacionar no corredor.

— Você é mais alto que eu! Isso não vale, Taetae hyung. Está roubando. — falou meu irmão, mas não deixando de rir, significa que está feliz.

— É você que esqueceu de crescer, Soobin. — provocou o Kim, gargalhando alto e pude ouvir o som de algo caindo, mas parece que os dois estão se divertindo. — Mas não se preocupe, porque eu estou aqui.

— Taetae, já se passou uma semana, mas você ainda está aqui em casa. — ouvi meu irmão dizer, parando tudo que fazia por conta do silêncio. — Você não quer ir embora porque o hyung não o deixa, ou é porque gosta daqui?

— Isso é complicado de responder. — sussurrou Taehyung, então me aproximei em silêncio e encostei o ouvido na porta do quarto do meu irmão. — Eu ainda estou como refém do seu irmão, não posso simplesmente ir embora. Quer dizer, não posso ir até que ele se livre de mim.

— Então você não vai embora com medo do meu hyung fazer algo, mas está tudo bem, ele vive dizendo que você é uma maré de azar. — comentou, me fazendo revirar os olhos mesmo que ele não esteja vendo. — Eu queria te ver feliz, voltando para sua casa e contando as aventuras que teve aqui comigo para os seus irmãos.

— Soobin, está tudo bem. — disse, mas pude ouvir o seu suspiro de cansaço soando alto. — Não precisa ficar se preocupando com essas coisas, eu sou a vítima do seu irmão, tenho que seguir as ordens dele, obedecer e esperar até que ele me mande embora ou me abandone em algum lugar deserto. — explicou, me fazendo sorrir mínimo e negar com a cabeça. — Vamos voltar a brincar.

Eu estava prestes a dar as costas, mas algo no meu interior não me deixou sair do lugar, pensando na conversa que o meu irmão está tendo com o Kim.

— Você gosta do meu hyung, Taetae? — arregalei os olhos com essa pergunta tão repentina do meu irmão, então rapidamente dei as costas, mas não indo tão longe, pois voltei a me encostar na porta do quarto dele para ouvir melhor essa conversa.

— Ele está sendo legal comigo. — respondeu o rapaz, me deixando curioso.

— Não Tae. — negou rapidamente, me deixando em conflito interno com o que pode sair da boca desse pirralho, pois ele sempre inventa história. — Você gosta do Guk hyung como namorado?

— O que? Soobin! De onde você tirou isso? — questionou o Kim, tossindo desesperado e me segurei para não rir, mas me sentindo tenso igualmente. — N-Namorado? Como assim?

— Não adianta mentir, porque eu já peguei você observando meu irmão às vezes e até mesmo sorrindo. E já te peguei indo de madrugada para a sala apenas para ver se ele está coberto ou não. — acusou, me deixando um pouco surpreso por saber que as manhãs em que acordo com um cobertor me aquecendo na verdade é o Taehyung indo me ver nas madrugadas. — Eu sei que ele é chato, às vezes um pouco arrogante, mas mesmo que você venha me falar que odeia o meu hyung, eu sei que você gosta dele.

Por um momento eu apenas fiquei esperando alguma palavra, reação e qualquer coisa que seja, mas infelizmente o silêncio tomou conta por longos minutos.

Eu fiquei perdido, pensando no que o meu dongsaeng disse e também nos meus questionamentos ao acordar, pois eu sempre aparecia com um cobertor para me aquecer. Sorri com esse pensamento de que no final Taehyung se preocupa comigo. Mas isso logo foi para o ralo, pois ele não gosta de mim e sempre deixou claro esse ódio na minha pessoa, Taehyung está apenas me aturando e tentando evitar problemas.

— Afinal, eu não tenho nada para oferecer em troca. — pensei em um sussurro, andando em direção ao meu quarto para guardar o dinheiro que roubei hoje.

Encostei a porta do meu quarto, andando até o guarda-roupa e abrindo as portas, procurando pela minha caixa de emergência. Ouvi a porta do quarto sendo aberta por conta do ranger, mas não olhei para trás e apenas guardei o quantia que consegui hoje, ao menos irei conseguir comprar algo legal para o meu irmão.

— Você chegou agora? — perguntou Taehyung, se aproximando com calma e me analisando.

— Sim. — respondi, fechando as portas do meu guarda-roupa. — Passei no mercado antes, precisava repor algumas coisas que estavam faltando em casa, mas cheguei agora e irei descansar um pouco. — expliquei, me virando de frente para ele e analisando. — E como você está?

— Estou bem. Eu e o Soobin estávamos brincando antes de você chegar, mas eu vou preparar um lanche para nós, pois ele está com fome. — respondeu, se sentando na cama e encarando os próprios pés.

— Tudo bem. — concordei, tirando a minha jaqueta de couro e deixando sobre a cadeira, andando para fora do quarto, pois irei até o quintal para fumar.

— Jeongguk, podemos conversar? — pediu, tocando meu braço com cuidado e leveza, olhando para mim e respirei fundo, concordando com um aceno de cabeça. — Vamos lá fora se for fumar.

Suspirei pesadamente, guardando a caixa de cigarros no bolso da calça e me sentando no sofá, dando espaço para que ele pudesse se sentar também.

— Hoje você vai voltar para casa. — falei, querendo quebrar esse silêncio e também calar os meus pensamentos, pois Soobin tem razão, já se passou uma semana e eu ainda não entreguei o Taehyung. — Não precisa se preocupar.

— O que? Quer dizer, por que isso agora? — perguntou, arregalando levemente os olhos e me avaliando, como se eu tivesse falado algo muito louco.

— Já se passou uma semana, com certeza a poeira já deu trégua e eu posso voltar, te deixar na cidade e dar no pé novamente. — expliquei, gesticulando com as mãos e achando confuso essa ação dele.

— Não! Eu não vou. — falou, mostrando seriedade e andando de um lado para o outro. — Sem chance! Eu não vou voltar, me deixe em qualquer canto, daí eu ligo para a minha mãe e mando ela me encontrar.

— Quer que eu convide sua mãe até a casa do seu sequestrador e a chame para tomar um café da tarde com nós reunidos? — perguntei confuso, pois eu não esperava esse comportamento estranho vindo dele.

— Idiota! — xingou, começando a me estapear e descontar sua raiva, pois na concepção desse bipolar é que eu sou um saco de pancadas. — Eu não vou!

— Por que? Inferno! — praguejei, segurando nos pulsos dele e jogando-o no sofá, deixando ele imobilizado para que largue a mão de ser doido. — Eu estou te liberando.

— Mas eu não quero. Porra! — retrucou, dobrando o seu joelho e acertando minha coxa, ao menos não foi as minhas bolas como de costume. — Sai de cima de mim. Babaca!

Soltei um riso baixo com esse pico de surto repentino, negando com a cabeça e me aproximando lentamente.

Deitei o meu corpo sobre o dele, prendendo as suas pernas torneadas com as minhas e deixando Taehyung totalmente imobilizado no sofá. Passei o meu nariz pela sua bochecha, subindo lentamente e roçando os nossos lábios, vendo ele vacilar um pouco nas ações.

— Você é tão mimado. — sussurrei com a voz rouca, vendo a pele dele toda arrepiada e desci meus lábios até a sua orelha, lambendo o lóbulo com a ponta da língua para provocar. — E eu gosto disso.

— J-Jeongguk… — chamou com a voz falha, engolindo a seco e se encolhendo no sofá. — Eu vou te chutar lá embaixo.

— Pode tentar. — provoquei, mordendo levemente o lábio inferior dele e sentindo seu corpo tremer um pouco abaixo do meu. — Me chuta, baby. — desafiei, observando sua feição vacilando novamente e sua boca tremendo. — Não quer ir embora mesmo?

— E-Eu tenho namorado. — sussurrou, quase fechando as pálpebras, mas tentando a todo custo manter os olhos bem abertos.

— Tem? Mas ele não está aqui. — falei, me deitando por completo sobre o corpo dele e vendo suas bochechas ganhando aquela coloração rosa que sempre revela o quanto ele está envergonhado, mas apenas beijei o canto dos seus lábios. — Ou está?

— B-Babaca. — resmungou manhoso, fechando os olhos lentamente e se rendendo. — Eu te odeio.

— Me odeia? Muito ou pouco? — provoquei, sorrindo vitorioso por ganhar esse joguinho e soltei os pulsos dele que eu estava prendendo. — Vamos conversar, baby.

— Cala a boca. — mandou, agarrando os meus fios de cabelo e me puxando novamente para se deitar, me fazendo rir baixinho por essa atitude impulsiva.

— Você vai se arrepender depois. — avisei, encarando os lábios dele e vendo que estamos olhando na mesma direção, falando a mesma língua. — Depois não diga que eu não avisei.

Tomei os lábios de Taehyung para mim com sede e necessidade, sentindo os dedos nervosos dele puxando levemente meus fios de cabelos da nuca.

Senti a tensão que ele estava tendo em seu corpo se esvaindo aos poucos, dando um alívio para os seus músculos e então me deitei por completo por cima do seu corpo. Levei a destra em direção a sua nuca, ouvindo os suspiros que vez ou outra Taehyung deixa escapar entre o ósculo e soltei as suas pernas presas nas minhas.

Chupei o lábio inferior dele com desejo, sentindo os tremores gostosos que o seu corpo está tendo abaixo do meu e com isso deslizei as mãos até a cintura fina, apertando e sentindo esse local.

— Jeon… — chamou baixinho, mas não afastando sua boca da minha por nem um segundo e continuei brincando com os seus lábios. — O seu irmão…

— Está no quarto dele. — sussurrei, voltando a beijar seus lábios e me deliciando com esse sabor, essa textura e maciez. — Não pense demais.

Bastou eu falar isso para que Taehyung tomasse a iniciativa de iniciar outro beijo, dessa vez mais quente e ousado, com sons molhados e puxões no meu cabelo.

Ousei a me encaixar melhor no seu corpo, provando da sua boca e pedindo passagem com a língua para aprofundar nesse desejo. Senti que aos poucos Taehyung foi se rendendo mais, entreabrindo os lábios e me deixando explorar sua boca, envolvendo as nossas línguas e deslizando minhas mãos pelas curvas da sua cintura delineada.

Desci as mãos até as coxas dele, apertando o local e gemendo sôfrego ao sentir o joelho dele acertando meu ponto fraco, me fazendo se afastar e interromper o nosso momento.

— Desculpa. Não foi de propósito, eu juro. — falou desesperado, me deixando sentado no sofá e vendo a minha feição de desespero. — Eu fiquei tenso, não era minha intenção. Desculpa Jeon.

— M-Merda… — resmunguei, mordendo meu lábio inferior e observando a forma desesperada que Taehyung está tentando lidar com a situação, mas parece constrangido e também assustado.

— Calma. — sussurrou, me fazendo arregalar os olhos com tamanha ousadia. — Eu vou pegar gelo. — avisou, massageando levemente as minhas bolas por cima da calça jeans. — Já volto.

— N-Não. Faz massagem que melhora. — falei, fazendo a minha melhor cara de dor e sofrimento, tentando ao menos conseguir alguma coisa vinda dele.

— Você quer uma massagem? — perguntou, parecendo incerto sobre isso e concordei com um aceno de cabeça, franzindo as sobrancelhas. — Tudo bem. Eu faço.

Arregalei os olhos, um pouco surpreso, observando a mão do Taehyung se enfiando na minha calça e tocando meu membro, iniciando uma massagem lenta.

Eu não conseguia nem mesmo piscar para não perder o que estava acontecendo, pois ele realmente está massageando meu pau e parece tão tranquilo. Abri um pouco as pernas, sentindo a mão do Taehyung apertando levemente as minhas bolas e voltando a massagear, me fazendo suspirar enfraquecido.

— Isso baby. É aí que está doendo. — sussurrei, franzindo as sobrancelhas em contentamento e apreciando esse contato, sentindo meu membro dando sinais de vida e mordi meu lábio inferior. — Embaixo agora. Aí mesmo.

Joguei a cabeça para trás, levantando um pouco o meu quadril, querendo me livrar dessa calça, mas observando Taehyung retirando a sua mão e se sentando ao meu lado novamente, me deixando confuso.

— Prontinho, Jeon. — sorriu, apoiando as mãos nas próprias coxas e olhando para a minha ereção marcada na calça, rindo baixinho.

— Por que parou? — perguntei, piscando confuso e vendo o seu sorriso aumentando, me deixando pasmo por alguns segundos. Não pode ser. — Taehyung, não faça isso comigo.

— Você já está melhor. — respondeu, dando dois tapinhas no meu ombro e se levantando do sofá.

— Taehyung! Eu estou duro. — choraminguei, ouvindo ele rir da minha cara e se virar na minha direção, mostrando seu sorriso cheio de deboche.

— Boa noite, Jeongguk. — desejou, acenando para mim e dando as costas, seguindo pelo corredor e abri a boca chocado por tamanha audácia.

— Filho da puta. — praguejei, encarando a minha ereção e xingando esse mimado de vários nomes em pensamento, rogando mil e uma pragas também. — Você me paga, Kim.

[ק×]

Acordei um pouco mais cedo que o habitual, me levantando do sofá e andando até o banheiro, pois eu necessito de um banho para despertar e começar a colocar minha vida nos trilhos novamente.

Fechei a porta do banheiro, começando a me despir e andando até o box. Liguei o chuveiro na água fria, molhando meu cabelo também e tentando relaxar os músculos, pois na noite passada eu fiquei com raiva do que aconteceu.

Estava tudo indo muito bem para ser verdade, porque beijar o Taehyung estava muito fácil para que não acontecesse algum azar. Eu sabia que cedo ou tarde acabaria com alguma lesão, mas não esperei que fosse receber uma joelhada nas bolas e ainda ter sido largado na sala com uma ereção marcada na calça. Aquele garoto se aproveitou do momento, pois sabia que poderíamos ter chegado em outro caminho e por isso me chutou, só que quando eu pensei que estávamos progredindo, veio a vida e mostrou a maré de azar novamente.

Neguei com a cabeça, começando a tomar meu banho com calma e ensaboando o meu corpo. Lembrar do episódio na noite passada me deixa nervoso, pois com certeza eu devo ter jogado pedras na cruz, ou até mesmo feito algum mal para Deus que não estou lembrando, porque Kim Taehyung é o próprio Karma em pessoa.

Enrolei a toalha na minha cintura, saindo do banheiro assim que terminei o meu banho e comecei a assobiar uma melodia que ouvi esses dias. Enquanto eu enrolava na loja antes do assalto, passei a prestar atenção nas músicas que tocava e pude reconhecer na hora a canção Let me love you do cantor Justin Bieber.

Talvez a música tenha ficado na minha mente, por isso já me peguei assobiando a melodia algumas vezes e também já me peguei refletindo sobre a letra. Neguei com a cabeça, entrando no meu quarto em silêncio e vendo que o Kim ainda está dormindo. Caminhei até o guarda-roupa, pegando uma calça moletom preta e um pouco folgada, procurando por uma camisa logo em seguida.

Depois de pegar a minha roupa, andei para fora do quarto e voltei para o banheiro, encostando a porta. Tirei a toalha da cintura, vestindo a minha cueca e a calça moletom, pegando a minha escova de dentes e o creme dental, iniciando minha higiene pessoal.

Alguns minutos depois, notei a porta do banheiro sendo aberta e olhei para o lado, franzindo as sobrancelhas ao ver Taehyung entrando com a cara amassada e o cabelo desgrenhado por ter acabado de acordar. Observei a cena com atenção, sendo levemente empurrado para o lado e pisquei confuso, vendo que ele também vai escovar os dentes.

— Bom dia. — desejei, vestindo a camisa que eu escolhi e não obtendo resposta, então apenas dei de ombros e andei para fora, mas fui impedido pela mão do rapaz.

— Sobre o que aconteceu na noite passada… — ponderou alguns segundos, abaixando a cabeça e parecendo um pouco tenso. — Você poderia esquecer, por favor?

— Eu não vou esquecer o que aconteceu, mas fique tranquilo, pois também não vou ficar comentando sobre o que rolou. — falei, pois eu tomei essa decisão depois de muito pensar durante o banho e não desejo arranjar mais problemas para cima de mim. — Com licença, eu preciso acordar o meu irmão e levá-lo para a escola.

Andei para fora do banheiro, sentindo o olhar do Kim pesando sobre as minhas costas, mas não olhei para trás.

Eu não vou me submeter a esse tipo de envolvimento. Se Taehyung acha que vai ficar me usando de gato e sapato, brincando com a minha sanidade e também fazendo esse joguinho, ele está muito enganado. Eu não sou um objeto para ser usado, muito menos sou alguém pelo qual ele deva se interessar, então que ao menos eu corte o mal pela raiz de uma vez por todas.

Abri a porta do quarto do meu dongsaeng, mas notei um bilhete na cama e peguei o papel rapidamente ao me aproximar, lendo o que estava escrito e negando com a cabeça. Ao menos Yoongi veio mais cedo e já levou meu irmão para a escola, assim fico mais aliviado e ainda mais hoje que preciso levar o Kim de volta.

Provavelmente hoje vai ser mais um dia agitado, espero ao menos que tudo dê certo e saia exatamente como eu planejei. Pois eu só quero levar esse mimado para a família dele, voltar na minha vida normal e continuar com o meu trabalho indigno na língua de outras pessoas.

Eu só espero que tudo ocorra bem na viagem, pois algo me diz que o Karma gruda igual chiclete no cabelo, basta um deslize e sua vida vai para o fim. Espero que ao menos hoje eu possa conseguir completar essa missão, me livrar dessa maré de azar e voltar na ativa com os meus planos.

Finalmente vou me ver livre de Kim Taehyung.


 



Notas Finais


Espero que tenham gostado, afinal, eles estão evoluindo, mesmo que as diferenças e as intrigas continuam. A convivência deles são assim mesmo, às vezes confusa e surtada, mas ao mesmo tempo conseguem se dar bem.
Provavelmente sexta-feira eu volto para atualizar, então me aguardem e agradeço desde já por tanto carinho que vocês estão dando para essa fanfic, agradeço de coração.
E se você é novo ou nova por aqui, seja muito bem-vindo (a)! Deixe seu coraçãozinho aqui embaixo e a sua opinião sobre a fanfic, irei adorar estar interagindo com vocês de verdade. Venham fazer parte das manteigas e dengos cheirosos! 🥳 Obrigada novamente para todos vocês.
Beijos e até a próxima! ✨💖


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...