1. Spirit Fanfics >
  2. Serenatas - Chaelisa >
  3. Cosplay de Mad Max

História Serenatas - Chaelisa - Capítulo 16


Escrita por:


Notas do Autor


Primeiro, galera após o primeiro quebra de tempo deste capítulo, ou seja, o '(...)', peço que imaginem a Rosie com o estilo dela no mv de Kill This Love, beleUza?

Segundo, hoje tenho duas músicas para recomendar. A primeira é Kill This Love do blackpink mesmo, e a segunda é Everything Has Changed da Taylor Swift feat. Ed Sheeran. Eu pedirei no decorrer do capítulo que vocês comecem as músicas.

Bom, já chega de enrolar.

Boa leitura e ignorem os erros, please.

Capítulo 16 - Cosplay de Mad Max


Fanfic / Fanfiction Serenatas - Chaelisa - Capítulo 16 - Cosplay de Mad Max

Pov ~ Chaeyoung 


Foi tudo tão rápido. Em um instante eu estava quase adormecendo, enquanto esperava por Lisa, e no outro sou ligeiramente acordada com aquela bomba. Será que eu estava sonhando? Lisa realmente havia dito aquilo? 


    "É verdade, aquelas serenatas foram apenas um plano para deixar Chaeyoung com ciúmes, pronto falei, satisfeita?" 


    Aquelas palavras não saiam mais da minha cabeça. 


Chae?! - Ouso a voz de desespero dela. 


- Lisa, isso é verdade mesmo? 


Chae, por favor, só me escuta, tá bem? 


- Só quero saber a verdade! - Esbravejei, logo me levantando da cama e esperando por uma explicação e palavras sinceras. 


   Escutei um longo suspiro do outro lado da linha. Ela teria que ser sincera comigo, pelo menos isso ela teria que ser. 


Sim, é verdade. - Disse com a voz embargada. 


    De início não acreditei. 


- Está zoando comigo, não é? - Perguntei em meio a uma risada curta. 


Não, Chaeyoung... - Seu tom era bem sério, não havia nenhuma brecha de falsidade. - Estou te falando a verdade. 


- Mas, mas...  - Absolutamente nada vinha à minha mente, a não ser por duas palavras e um ponto de interrogação. - Por que? 


   "Por favor, seja sincera comigo". Pedi em pensamentos, totalmente embargada de esperanças. 


Porque... Aish, por que é tão difícil? - Perguntou, mais para si mesma do que para mim. - Porque... 


     "Por favor, Lisa...". Fora minha última súplica. 


Desculpa, eu não consigo dizer. 


      Seja lá qual seria o porquê, ela conseguiu me decepcionar. Apesar de me sentir enganada, eu acreditava que ela ao menos pudesse ser sincera comigo. Pelo visto eu estava tremendamente enganada. 


Chae? Você ainda está ai? - Perguntou, e na mesma hora encerrei a ligação. 


       E quem diria. Quem diria que durante a madrugada eu iria estar pensando apenas nela. Lalisa Manoban. E nas possíveis razões dela ter feito o que fez. Tudo me passou pela minha cabeça, parecia até uma espiral, nunca acabava. 


       Meu quarto estava escuro, meus pais já deviam estar dormindo, e cá estou eu, em claro, durante a noite, na companhia de meus pensamentos. Olhei a hora no celular. 2:45. Que ótimo. Uma crise de insônia, tudo por causa daquela maldita, desgraçada, filha da mãe, fofa, engraçada, linda, maravilhosa. Que merda, Chaeyoung! 


        De repente, ouso uma pancada em minha janela. Me levantei bruscamente. Mais uma pancada. Logo sai de dentro dos lençóis, calcei minhas pantufas do Scooby Doo e caminhei lentamente até a minha janela. Novamente uma pancada. Subi a cortina amarela e então percebi uma pedra chocando-se com o vidro da janela. Olhei para onde a pedra havia vindo, avistando Jennie do outro lado, na janela do seu quarto. Ao perceber que eu a fitava, ela logo fez um sinal para que eu suba a janela. Resolvi fazer o que a morena indicava, ou melhor, gesticulava com as mãos e braços, e ao abrir, finalmente podíamos falar. 


- O que houve, Jennie? - Perguntei, nossas casas não eram tão distantes uma da outra. Diria que apenas cinco metros de distância. 


- Eu estava até agora conversando com Lisa. - Disse, eu logo tratei de revirar os olhos. 


- Não quero saber daquela idiota, passar bem, Jennie. - Falei, e antes de fechar a janela novamente, ela jogou mais uma pedrinha, bem em cima da janela. - Está maluca? Se essa pedra pegasse em mim, eu iria lhe processar! 


- Tá bem, faça o que quiser. Só quero uma coisa de você. - Ela disse, despreocupada. 


- O quê? 


- Que você me escute, pode ser, ou tá difícil? - Perguntou, dava para ver de longe o seu péssimo humor e as olheiras em seus olhos. Talvez Lisa tivesse a perturbado até agora. 


- Está bem. - Suspirei em derrota. Talvez só assim ela me deixasse em paz. 


- Olha, se estiver odiando a Lisa por causa desse plano idiota, saiba que...


- Espera ai, você sabia do plano? - A cortei rapidamente. No momento eu me encontrava boquiaberta. 


- Sim, mas isso não vem ao caso agora, beleza? - Ela balançava a cabeça em negação, talvez tentando não perder o foco no que dizia. 


   E pensar que durante minha sessão de pensamentos instantes atrás, eu havia cogitado a ideia dela ser uma vítima. De Lisa a ter enchido de esperanças, apenas para causar ciúmes em mim. Que previsível. Elas pareciam até uma dupla de desenho animado, senhoras e senhores, apresento-lhes o Tico e Teco, versão vida real. 


- Quero que saiba que a Lisa não fez por mal. Ela pode ser bem idiota, e meio distraída, ela nem sequer pensa duas vezes antes de fazer algo. Resumindo, ela é uma anta. - Acabei abrindo um leve sorriso com o xingamento. - Mas ela gosta muito de você. E eu não estou falando de amizade, muito o contrário disso, o buraco está bem mais embaixo. 


   Lisa gosta de mim? De alguma forma, eu já sabia disso, era visível todos os olhares estranhos, sorrisos nervosos e o jeito como ela suava quando estava comigo. Mas ouvir aquilo foi como um choque de realidade. 


- Ela pagou todo aquele mico para chamar sua atenção, sinceramente falando, eu desconheço alguém que teria coragem o suficiente para se humilhar, por um amor platônico. 


   Amor... Seria isso o que ela sentia realmente? Só poderia acreditar verdadeiramente se ela me contasse, olho a olho, frente a frente, apenas nós duas. 


- Jennie, entendo que esteja ajudando sua amiga e tudo mais, porém, quero que Lisa seja sincera comigo. Se ela quiser que eu a desculpe, terá que falar comigo, mande esse recado por mim, está bem? - Perguntei, a observando suspirar em derrota. Ela pareceu ter entendido o que eu queria. 


- Entendo... 


- Então, boa noite. 


- Espera! - Falou rapidamente, antes que eu pudesse fechar a janela. - Só mais uma coisa. - Ela disse em meio a um bocejo, dava para ver o quanto estava exausta. 


- A última coisa. - Falei, esperando que ela começasse. 


- Na festa, enquanto você estava bêbada, você acabou comentando sobre um tal de Joey... 


   Oh, merda! Será que fiz alguma idiotice? Se for o que estou pensando, Jisoo irá me matar. 


- Esse Joey, por acaso é algum crush, ficante, senpai, ou o que você quiser chamar, da Jisoo? - Perguntou. 


    "Não, ele é só a dupla personalidade da Jisoo e que está doido para te dar uns pegas, nada de mais". Pensei, isso definitivamente não cairia bem, é melhor ficar de bico fechado. 


- Não faço ideia de quem seja esse Joey. - Menti. - Olha Jennie, como você mesma disse, eu estava bêbada. 


- É, tem razão. 


- Agora posso ir dormir? - Perguntei. 


-Tudo bem então, boa noite. 


- Boa noite. - Falei, em seguida fechando a janela e as cortinas. 


  

   (...) 



    No dia seguinte eu mostraria que não estava para brincadeiras. Iria a ignorar na escola, não iria falar com ela, e muito menos a olhar. E havia vestido uma ótima roupa para a ocasião. Algo bem diferente do meu habitual. Dígamos que estava mais para Rosé do que para Chaeyoung. Fiz tranças no lado esquerdo da minha cabeça, deixando o resto dos meus fios loiros caírem para o lado direito, e alguns sobre as minhas costas. Optei por roupas bem ousadas, estava parecendo até um cosplay de Mad Max. Mas que se foda. O objetivo era parecer durona, e creio que havia conseguido. 


[Dêem play na primeira música] 


    Assim que entrei na classe, recebi alguns olhares e um único assobio de um dos meninos. Garotos... Até parece que um deles me interessaria, são um bando de seres pré-históricos que insistem em não evoluir. Ridículos. Revirei os olhos enquanto deixava minha mochila em cima da mesa e sentava em minha carteira, ignorando totalmente os cochichos idiotas vindo deles. 


   No minuto seguinte, percebi que a pessoa cujo estava esperando havia acabado de entrar na sala de aula. Lisa logo pôs os olhos em mim, e quando percebeu que uma garota estava prestes a sentar na única carteira vazia ao meu lado, ela não perdeu tempo e correu como se sua vida dependesse daquilo. Assim que conseguiu pegar o lugar, lançou um sorriso amarelo para a garota, que apenas bufou e procurou outro lugar para sentar. Irene parecia estar de bom humor, ela reclama de tudo, sorte a de Lisa, caso contrário, ela teria dois problemas para cuidar, um com a líder de sala e outro comigo. No exato momento em que ela se virou para mim, fiz questão de ficar olhando para o quadro branco da sala, mantendo minha postura de bandida má. 


- Chae... 


   Permaneci em silêncio. 


- Chae... - Ela novamente chamou, pude perceber seu olhar sobre mim. - Você está linda... 


    Não saia da personagem, Chaeyoung! E daí que ela disse que você está linda? É apenas um elogio, mantém a porra da personagem. 


- Marcamos de fazer o trabalho hoje depois da aula, lembra? 


- Sim. - Respondi seca, mantendo o olhar no quadro branco. - E eu estou desmarcando. - E assim virei lentamente meu olhar em sua direção. 


- O que? Por quê? 


- Porque eu quero. - Falei, e logo me virei para a frente, cruzei os braços e voltei a fitar o quadro branco. Ela ficou em silêncio por alguns segundos. 


- O que tenho que fazer para você me perdoar? - Perguntou, a julgar pelo seu tom de voz, ela estava bem arrependida. 


- Só quero saber o motivo de ter feito esse plano, e quero um motivo vindo de você, não de Jennie. Até lá, não fale comigo. - Disse por fim, logo levantando da carteira e indo sentar em outra mesa, levando minha mochila comigo. 



   (...) 



   Mais tarde no intervalo, resolvi abrir o jogo com Jisoo. 


- Hum, entendo... Eu meio que já sabia, sabe... - Ela murmurou, meio hesitante. 


   Ah, não, até a minha melhor amiga?! 


- Até você?! - Perguntei, completamente surpresa. 


- Desculpa Chae, mas primeiro eu tinha que ter certeza se era verdade. - Se explicou. 


- Quem te contou? 


- A Jennie. - Respondeu, beleza, ao menos não tinha sido a Lisa. Não pode ficar pior do que já está. - Logo depois que a gente se beijou. - O.k, retiro o que eu disse, tem como ficar pior sim. 


- Você e a Jennie se beijaram?! - Perguntei, novamente surpresa. A observei balançar a cabeça em afirmação. - Por que eu sou sempre a última a saber?


- Desculpa amiga... 


- Agora que fiquei sabendo, me conta tudo, agora! - Ordenei, sentando ao lado dela. Estávamos em um dos bancos que havia no pátio da escola. Jisoo bebia seu típico suco de caixinha e comia um sanduíche de presunto. 


- Foi tudo tão rápido. Joey estava ousado aquela noite na festa. 


- Isso foi na festa?


- Sim. Mas foi algo do momento, Jennie nem deve se lembrar. - Ela disse normalmente. Conheço Jisoo o bastante para saber que ela estava bem mexida com o que havia acabado de dizer, a prova disto é que nesse exato momento ela mexia nas pulseiras coloridas em sua mão direita. 


- Hum, então por que ela me perguntou sobre o Joey? 


- Joey? Chaeyoung, o que você disse a ela? - Jisoo agora havia tomado um semblante nem um pouco amigável. 


- Não disse nada, relaxa. Ela apenas me perguntou se você e o Joey tinham algo, provavelmente Jennie deve achar que Joey é um rapaz interessado em você. - Contei, observando um sorriso de canto surgir nos lábios de Jisoo. 


- Sério isso? - Perguntou sonhadora. 


- Óbvio, por que eu mentiria para você?


   Após nossa conversa, Jisoo não tirava aquele sorriso por nada do rosto. Minha amiga estava tão estranha... Nunca havia visto Kim Jisoo daquele jeito. Tão boba, sonhadora e radiante. 



   (...) 



[Dêem play na segunda música] 



    A noite, após o jantar, enquanto meus pais decidiram ficar no quarto, resolvi assistir TV para aproveitar meu tempo livre, já que durante a tarde costumo manter minha rotina de estudos. 


    Estava assistindo um dorama bem clichê, daqueles que a menina é toda bobinha e o cara é bem rico. Aquele tipo de dorama era um saco, mas teria que esperar ele acabar para assistir ao filme que vinha logo em seguida. Adoro Monstros S.A, e esse filme merece um sacrífico como aquele. 


     Bem quando o casal principal iriam se esbarrar, ficar se olhando por dez minutos e depois agirem como dois bobos, a campainha tocou. Logo me levantei e caminhei até a porta. Arrumei meu moletom do Bob Esponja e fiz um coque em meus cabelos, provavelmente eles estariam horríveis. Ao olhar no olho mágico, tive uma breve surpresa. Era Lisa. Meu coração começou a trabalhar mais rápido. 


      "Que droga, Chaeyoung, mantenha a sua postura má". Pensei, encorajando a mim mesma. Suspirei profundamente antes de abrir a porta e a encontrar ali, escondendo algo atrás das costas com as mãos. 


- Oi. - Ela disse. 


- Oi. O que você... 


- Tem alguém que quer falar com você. - Lisa cortou minha fala, logo mostrando o que havia atrás de si. O pelúcia do Mestre Yoda. - Chae, Lisa é uma covarde. Ela me procurou, me pediu emprestado para Jisoo e pediu para que eu viesse falar com você. - Lisa forçou uma voz fina, exatamente como eu me lembrava. 


   Aquilo era ridículo, tínhamos dezessete anos... Isso ai Chaeyoung, está indo bem, postura má, continua assim. 


- Lisa... 


- Por favor, escuta ele. - Ela pediu, me fitando com aqueles olhinhos de gatinho pidão. Quase me fazendo abandonar a postura, QUASE. 


- Está bem... - Me dei por vencida, desmoronando os ombros. 


Bom, sobre o plano, Lisa queria dizer que senti muito por ter te enganado. - O "Mestre Yoda" dizia, eu apenas fiz um gesto para que "ele" continuasse. - Mas é que ela gosta muito de você. Ela gosta de você mais do que aqueles cinco minutinhos depois que o despertador toca. Ela gosta de você mais do que tomar banho na chuva. Ela gosta de você mais do que gosta de assistir desenhos animados. Resumindo, ela gosta muito, muitão de você. E por isso que ela teve esse plano maluco. 


    Eu apenas alternava o olhar da pelúcia para a garota que o segurava. Estava sem palavras, tentando manter a postura. Que merda, por que ela tinha que ser tão maravilhosa? 


Lisa me disse que te acha linda, disse que você tem o sorriso mais lindo do universo, e a risada mais gostosa também. 


   Se controla Chaeyoung. Bandida má, bandida má! 


- Enfim, mas uma vez resumindo tudo o que eu disse até aqui, ela pediu para te dizer que o que ela sente por você é impossível de demonstrar em palavras. 


    Inferno, se segura Chaeyoung! 


Mas ela não veio aqui pedir que você corresponda aos sentimentos, e sim para que você a perdoe... - Cortei sua fala, me jogando nos braços daquela garota. Rodeei seu pescoço fortemente, com os dois braços. Dane-se a maldita postura. - O que esse abraço significa? - Desta vez fora ela quem havia perguntado. Não me impressiona uma pergunta tão óbvia como aquela vinda de Lisa. 


   Eu nada respondi, apenas desfiz o abraço, sem tirar meus braços de cima de seus ombros, e em seguida, sem aviso algum, eu a beijei. Lisa se assustou no começo, mas logo ela se deixou levar. Abraçou minha cintura firmemente enquanto ainda segurava o Mestre Yoda. Segundos depois, por falta de ar, separamos o beijo lentamente, parecíamos até não querer que ele acabasse. 


- Desculpa, eu não resisti. - Falei, sorrindo meio sem jeito em sua direção. 


- Tudo bem... - Ela também estava bem envergonhada. 


  Em seguida eu não consegui segurar e novamente roubei mais um beijo de Lisa. 


  Adeus, postura de bandida má. 






Notas Finais


Quem mais perdeu a postura de bandida má?

Mano, até eu fiquei soft enquanto escrevia kkkk SOCORRO kkkk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...