1. Spirit Fanfics >
  2. Serendipity - Imagine Ateez >
  3. Capítulo XXVI

História Serendipity - Imagine Ateez - Capítulo 27


Escrita por:


Notas do Autor


OI BEBÉS!!! Resolvi postar logo esse cap, porque Serendipity chegou nos 500 favs! Isso me deixou tão feliz :(( tô emocionada. Não imaginei que alguma fic minha chegaria a esse ponto. Obrigada a todos, amo vocês 😔✊💞
OBS: vai ter hot sim! A fic é de minha autoria, pois então decido o conteúdo que terá nela. Por isso, se você não gosta de ler hot, sugiro que não leia esse cap, e aguarde o próximo.
Boa leitura anjos 🌚🌈

Capítulo 27 - Capítulo XXVI


Fanfic / Fanfiction Serendipity - Imagine Ateez - Capítulo 27 - Capítulo XXVI



"—Deixe as explicações para depois. Eu sei que você me deseja, tanto quanto eu te desejo. - eu engoli a seco. Se você soubesse o quanto eu te quero, você sentiria pena de mim, Choi San."



• • •



—Melhor você ir dormir, está tarde. - coloquei uma mão em seu peitoral, o empurrando para trás em diante.

—Boa noite.

—Boa noite... - ele me respondeu. Saí daquele cômodo praticamente correndo, me trancando no quarto logo após.

—Meu deus... O que foi aquilo? - sentei na ponta da cama. San estava prestes a me beijar, e eu o rejeitei. Que tipo de pessoa dispensa alguém que ama? Ah, pessoas como eu. Parabéns s/n! Sabe quando terá outra oportunidade dessas? Se depender de San, nunca mais. Eu preciso fazer algo.

—Não acredito que irei fazer isso... - mordi o lábio inferior, em forma de preocupação. Ajeitei o vestido em meu corpo, e levantei às pressas da cama, saindo pela porta em seguida. Fiquei parada em frente a porta do quarto onde Choi dormia.


"será se eu bato, ou entro sem avisar?"


Optei pela segunda alternativa, e girei a maçaneta, por sorte a porta não estava trancada.

—Precisa de algo, s/n? - San estava deitado na cama.

—Na verdade, sim. - eu estava paralisada, ao ver que agora San estava usando apenas um short de pano fino.

—Hmm, e do que precisa? - tranquei a porta atrás de mim, o olhando apreensivo.

—Disso. - caminhei até onde ele estava, sentando em seu colo, com cada perna ao lado de seu corpo. Beijei seus lábios com urgência, como se fôssemos ser pegos por alguém a qualquer momento. Senti San sorrir com meu ato inesperado. Suas mãos foram parar em minha cintura, apertando ali com firmeza.

 A língua do garoto pediu passagem, e logo eu cedi. Seu beijo era tão saboroso, quem diria que finalmente eu estaria beijando-o. Nossas línguas dançavam em nossas bocas, movendo-se em sincronia. Minhas mãos foram parar em sua nuca, puxando seus fios a cada aperto sentido em minha cintura. De repente senti algo crescer logo abaixo do meu bumbum. Choi San estava excitado com apenas um simples beijo? Eu estava gostando disso.

Comecei a mover meu quadril, rebolando em seu colo, vendo San arfar com apenas esse ato. Confesso que eu estava me segurando para não soltar um gemido, aquela sensação era tão boa. Porém, eu queria muito mais que aquilo. Separei meus lábios do dele, olhando em seus olhos; tão escuros e cheios de desejos.

—Pensei que estivesse chateada comigo...

—Digamos que estou...

—Então te devo desculpas.

—Deixe elas para depois. E vamos nos entender aqui, nessa cama. - nunca imaginei que falaria isso, céus.

—Tudo o que mais quero... - ele sorriu ladino.

Dei um selinho demorado em seus lábios, e comecei a fazer uma trilha de beijinhos em seu corpo, passei em seu queixo, pescoço, abdômen e fui descendo até abaixo de seu umbigo.

—Posso? - ele acenou com a cabeça, ansioso com o que eu estava pretendendo fazer.

San sentou-se na cama, para facilitar meu trabalho. Abaixei seu short fino, o deixando em seus pés. Meus olhos se arregalaram, e minha boca salivou, assim que vi seu membro bem marcado em sua boxer azul escura. Passei meus dedos no cós da cueca, e logo abaixei a peça, vendo seu membro pular, parando em frente ao meu rosto. Segurei seu órgão pela base, sentindo a quentura em minhas mãos. Passei a ponta da língua em sua glande roxinha, e melada pelo pré gozo, ouvindo um arfar vindo do garoto. Sem mais delongas, abocanhei seu membro, começando a mover minha boca em movimentos de vai-vem. Com uma mão bombeava sua base, enquanto a outra massageava suas bolas. 

San jogou a cabeça para trás, com a boca entreaberta, soltando gemidos roucos. Eu já estava ficando toda molhada ao ver San naquelas condições. Comecei a chupar sua glande, e desci a boca até onde dava. Senti sua mão em meus cabelos, e ele então começou a ditar os movimentos. Com sua ajuda, conseguia engolir toda extensão de seu pau, me engasgando algumas vezes.

—S/n, i-isso... - ele gemia meu nome, estreitando os olhos. —Mais r-rápido. - ele pediu, e assim eu fiz. Comecei a chupá-lo rapidamente, masturbando sua base.

—Eu vou... - senti suas veias engrossarem, e seu abdômen contrair. Logo, um jato quentinho e viscoso preencheu minha boca. Engoli todo seu líquido, mantendo contato visual com o garoto.

—Você fez um ótimo trabalho. - ele sorriu, me puxando para seu colo novamente. Iniciamos um beijo paciente, e eu arfei, ao sentir seu membro descoberto, batendo em minha intimidade.

—Eu quero que você me foda. - eu falei, me separando do mesmo. Por sorte os meninos estavam dormindo.

—Vou te tornar minha. - ele retirou suas peças de baixo. E logo em seguida, ficou de joelhos sobre a cama, assim como eu. Choi tirou meu vestido, me deixando apenas de calcinha. Seus olhos fixaram meus seios, e eu fiquei mais vermelha que um pimentão.

—Se toque para mim, por favor. - ele passou o dedo indicador no tecido da minha calcinha, vendo o quanto eu estava encharcada. Por mais que eu estivesse com vergonha, eu resolvi fazer aquilo.

Sentei de frente para ele, abri as pernas, e coloquei a calcinha para o lado. Comecei a massagear meu clitóris, fazendo movimentos circulares.

—Ah, Choi San... - gemi seu nome baixinho. Enfiei dois dígitos em minha vagina, começando a movimentá-los freneticamente. Comecei a rebolar em meus dedos, mostrando o prazer que estava sentindo. Olhei para o garoto, e o vi se masturbando, enquanto me observava. Comecei a me tocar mais rápido, já sentindo meu ápice se aproximando. San foi até mim, retirou meus dedos, e me deitou na cama. Sua língua começou a se movimentar, enquanto me penetrava com um dedo.

—Rápido San... hmmm. - segurei em sua nuca, empurrando seu rosto para mais próximo da minha vagina. Ele me chupou mais algumas vezes, até eu me desmanchar em sua boca. Gemi manhosa ao vê-lo lamber meu líquido melado em seu dedo.

—Tão saborosa... - o garoto deu uma piscadela para mim.

—Quero que você pule encima de mim. - ele sussurrou.

O fiz deitar na cama novamente, sentando em seu pau pausadamente. Nós gememos com o enorme prazer que isso nos proporcionou. Apoiei minhas mãos em seus ombros, e iniciei os movimentos. Comecei a pular em seu colo, da forma de como ele pediu.

—S/n, você é tão apertadinha, tão gostosa... - seus olhos estavam fechados. Cavalgava em seu pau com urgência, sentindo meus seios pulando junto a mim. San segurou um deles, massageando-o suavemente, fazendo-me arfar com aquilo. Soltei um gemido arrastado, no momento em que San puxou o bico do meu mamilo, arrepiando meu corpo instantaneamente. Nossos gemidos ecoavam pelo cômodo com pouca iluminação. Tornando-se uma bela melodia para nossoa ouvidos. Choi levantava o quadril, me fazendo sentir cada centímetro do seu membro, dentro de mim. Ah, como eu desejava chegar a esse ponto com San.

O mesmo percebeu meu cansaço, então inverteu nossas posições. Me deixando deitada na cama. Sem aviso prévio, ele deslizou seu pau para meu interior, me fazendo soltar um gemido tanto de prazer, quanto de dor. Começou a me foder, literalmente.

—Sabe quantas vezes eu me imaginei te fodendo assim? Sabe quantas vezes me toquei pensando em você? Então agora você vai pagar por cada vez que me fez pensar e agir assim. - pingos de suor escorriam por seu rosto, repleto de prazer. Eu não conseguia falar absolutamente nada, por conta do enorme prazer que eu estava sentindo.

 Minha boca estava entreaberta, soltando gemidos baixos. Revirava os olhos a cada vez que Choi entrava seu pau em mim por completo. Ele era tão gostoso de se sentir.

Suas mãos apertavam minha cintura firmemente, isso, continue assim. Ele se curvou até mim, dando fortes chupões em meu pescoço. Com certeza ali iriam ficar grandes marcas, porém, no momento não estou dando a mínima para esse detalhe. O loiro me estocava fortemente, e gemidos saiam de sua boca tão gostosa. Senti meu interior se contrair, seu pênis vibrar dentro de mim, deixando claro que iriamos gozar em breve.

—Mais rápido... - supliquei. Então ele aumentou seus movimentos, fazendo o barulho de nossos sexos se chocando, invadir o cômodo. Acabamos chegando ao nosso limite no mesmo instante. San se retirou de dentro de mim, ejaculando em minha barriga. Ele jogou seu corpo ao meu lado na cama, enquanto tentávamos recuperar nossas respirações, gastadas durante sexo.

—O que você achou? - ele virou seu corpo em direção ao meu.

—Eu adorei. - deixei um sorriso moldado em meu rosto.

—Que bom. - ele riu.

San fazia carinho em minha bochecha, então acabei pegando no sono com esse ato. A melhor transa da minha vida, com certeza.



Notas Finais


E então?? o que acharam? confesso que não sou boa em fazer hot, mas eu tentei, e saiu essa meleca aí.
vejo vocês nos comentários.
bjsss 🌈


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...