1. Spirit Fanfics >
  2. Serendipity >
  3. Sentimentos e Emoções

História Serendipity - Capítulo 13


Escrita por:


Notas do Autor


Mais um :)

Capítulo 13 - Sentimentos e Emoções


Fanfic / Fanfiction Serendipity - Capítulo 13 - Sentimentos e Emoções


Estavamos sentados na mesa batendo um papo e se divertindo. Há, mais ou menos, uma hora que eu e Yeon saimos do quarto, não foi nada que afetasse nossos sentimentos, apenas sexo. Ela era divertida e bonita, flertava com todos.


A balada estava mais calma e eu já estava totalmentr bêbado e todos da mesa perceberam. Mas todos estavam do mesmo jeito.


Era a vez do karaoke, cada pessoa que subia ali nós faziamos alguma piadinha. Até que um homem disse: "Quem é o próximo?"


Eu estava totalmente avoado, meu amigos na mesa começaram a bater palmas e gritar meu nome.


- Não parem com isso - Disse meio embaralhado.


Todos na balada olharam pra nossa direção e começaram a bater nas mesas. Gritando meu nome.


- Vamos Jimin, não tenha vergonha! - Disse o cara no palco.


- Não é vergonha, é medo - Suspirei levantando. Indo até o palco, cambaleando um pouco mas me mantendo firme.


- Todo seu - Se referiu ao microfone, o peguei meio hesitante e selecionei a música, meus olhos estavam meio embaçados e eu não conseguia mexer. - Quer ajuda? - Disse o rapaz.


- S-sim - Dissd me segurando um pouco - Am... Cancer, My Chemical Romance - Ele digitou - Na melodia do Twenty One Pilots, por favor. - Disse por fim.


- Ai está. 


Ouvi a música se iniciar e encarei a tela atrás de mim, onde tinha o clipe e a letra abaixo. Encarei toda aquela gente e um aperto me veio ao coração pois é uma música melancólica.


Sem mais delongas, comecei a cantar. Minha voz estava um pouco embargada mas dava para entender. Fechei meu olhos, tentando expressar a música.


Turn away

If you could get me a drink

Of water 'cause my lips are chapped and faded

Call my aunt Marie


Vire-se

Se você puder me dar um copo

De água pois meus lábios estão rachados e desbotados

Chame minha tia Marie



Help her gather all my things

And bury me

In all my favorite colors

My sisters and my brothers, still


Ajude-a a juntar todas as minhas coisas

E me enterre

Em todas as minhas cores favoritas

Minhas irmãs e meus irmãos, permanecerão



A música deu uma pausa leve para o toque, foi quando abri os olhos e percebi o clima da festa calmo, escuro e apenas neon's balançando, crendo eu que seja os braços das pessoas balançando. Voltei a cantar, dessa vez de olhos abertos, balançando um pouco.



I will not kiss you

'Cause the hardest part of this

Is leaving you


Eu não irei te beijar

Pois a parte mais difícil disto

É deixar você



Now turn away

'Cause I'm awful just to see

'Cause all my hair's abandoned all my body

All my agony

Know that I will never marry

Baby I'm just soggy from the chemo

But counting down the days to go


Agora vire-se

Pois estou horrível de se ver

Pois todo o meu cabelo abandonou meu corpo

Toda minha agonia

Saiba que eu nunca me casarei

Querida, eu estou encharcado da quimio

Mas contando os dias para ir



It just ain't living

And I just hope you know

That if you say (if you say)

Good-bye today (good-bye today)

I'd ask you to be true (I'd ask you to be true)


Isso simplesmente não é viver

E eu espero que saiba

Que se você disser (se disser)

Adeus hoje (adeus hoje)

Eu peço que seja sincera (eu peço que seja sincera)



Nesse ultimo verso, encarei o chão e só consegui pensar em uma pessoa. Chun, por que minha mente me tortura tanto? Cantei por fim.



'Cause the hardest part of this

Is leaving you

'Cause the hardest part of this

Is leaving you


Pois a parte mais difícil disto

É deixar você

Pois a parte mais difícil disto

É deixar você


Ao terminar ouvi gritos e as luzes se acenderam, eu entreguei o microfone e desci. O homem voltou a agradecer e falar algumas coisas. Voltei para mesa meio cabisbaixo.


- Você foi incrível - Disse Yoongi sorrindo.


- Obrigada... - Encarei Tae e Namjoon que me olhavam tristes, os únicos que sabem da Chun e notaram que foi uma música totalmente pra ela.


Meu celular apitou novamente, encaro a tela e vejo chamadas perdias de mamãe e Chun. Verifico as diversas mensagens de mamãe.


Mãe: Jimin? Quando vai voltar? 20:47

Mãe: Jimin volte logo, por favor. 21:35

Mãe: Jimin, não vá para casa, estou no hospital, a Chun não se sentia bem e presumo que não tenha levado a chave. 1:27

Mãe: Fique na casa de um amigo. 1:33


Encarei o relógio e batia 1:40. Suspirei nervoso e levantei da mesa.


- Onde vai? - Julie perguntou.


- Tenho que ir, minha mãe precisa de mim.


- Você tá muito bêbado, não pode ir sozinho. 


- Nos vamos com ele - Tae disse apontando pra ele e Namjoon.


- Mesmo? Está sóbrio o bastante?


- Sim, qualquer coisa o Nam dirige, ele não bebeu quase nada.


- Não precisa Tae eu pego um táxi. 


- Não, tudo bem. A noite já acabou pra mim faz tempo. - Se levantou, pondo seu casaco. - Vamos Nam.


- Boa Noite galera - Disse Namjoon.


- Até mais! - Todos disseram em umissono.


Saímos da balada, indo direto pro carro do Tae, que estava até bem quanto a bebida. Entrei no banco da frente ouvindo resmungos de Namjoon sobre suas pernas grandes.


- Aish, Taehyung abre esse teto. - Disse encolhido no fundo.


- Calma, deixa eu ligar. - Tae ligou o carro, apertando o botão fazendo seu teto se encolher. - Feliz madame?


- Me sinto livre - Nam respirou profundamente o ar.


- Então Jimin... O que realmente aconteceu? - Perguntou Tae, claro que ele me conhece e percebeu minha mentira.


- A Chun não está bem, hospital cara. - Disse suspirando. Ele entendeu e deu partida até o hospital central, pouco longe de onde estávamos.


- O que teve? - Namjoon perguntou. 


- Não sei - Disse - Mamãe foi curta e não deu detalhes. Também não me respondeu. - Encarei o celular. 


- Tomara que ela esteja bem - Disse Tae, focado na estrada.


- Nam? - Chamei. Ele respondeu com "hum" - Pareço muito bêbado? 


- Só chupa uma balinha e tenta não cair. - Eles riram.


- Aish!


- Tem um saco ai dentro - Tae disse.


- Tem que parar com doces cara, sua família tem histórico de diabetes.


- Minha tia morreu por isso - Disse, tem umas semanas... Cuidado.


- Eu me cuido, não como muito doce.


- To de olho em você. - Nam o fuzilou.


Peguei o saco e entreguei um a Nam. Não demorou até que chegassemos ao destino. Saí do carro e agradeci ao Tae, até o ver saindo do carro também.


- O que está fazendo? - Perguntei.


- Acha mesmo que vamos deixar você só nessa? - Disse, agora com um pirulito na boca.


- Jimin é tão lerdo Senhor - Namjoon saiu do carro negando com a cabeça.


Encarei a imagem dos dois, ambos com os cabelos bagunçados. Tae com sua jaqueta de couro e Nam com uma camisa social e jardineira.


- Ele ficou emocionado, olha Namjoon.


- Terra para Jimin!


- Vamos entrar e fazer com que você não passe vergonha, e evitar que caia, claro.


- Evitar cair é o principal - Disse Nam.


- Parem de palhaçada - Finalmente me pronunciei.


Adentramos hospital, me ocorrendo um breve calafrio. Fomos até a atendente e perguntamos pela Chun, ela deu o quarto e crachás de visita. Subimos pelo elevador. Ouvimos apitar e saímos em seguida, procurando o quarto da Chun.


Vi mamãe sentada numa cadeira do corredor, frente ao quarto. Ela me encarou e correu até mim. 


- Aish, que bom que está aqui. - Me olhou carente.


- Desculpe não ter vindo antes, eu não vi as ligações e mensagens. - Senti as mãos de taehyung tocar meus ombros, não sei se foi consolo ou precaução. Mamãe se aproximou de mim e me cheirou.


- Aigoo, quanto vocês beberam? - Perguntou a nos três.


- Está tudo bem Senhora Park, cuidamos muito bem do Jimin - Disse Namjoon.


- Francamente Jimin! Que vergonha!


- Mãe! Eu me cuidei sozinho. - Ela riu pouco.


- Como se conseguisse! Obrigada Namjoon e Taehyung! Os Kim's são os melhores.


- Por nada - Disseram juntos. Curvando-se.


- Vou pegar café pra nós. - Tae disse.


- Tome uns trocados! - Mamãe ofereceu.


- Não precisa Senhora Park...


- Aigo! Pegue comida naquelas máquinas! Devem estar famintos.


- Bem... Obrigada. - Tae pegou as moedas da sua mão e foi a procura das máquinas.


- Como ela tá? - Sentei, juntamente com Namjoon.


- Melhorou a pouco tempo. Anda tossindo sangue e seus cabelos caindo. - Suspirou preocupada.


- Amanhã ela tem quimio novamente? - Mamãe assentiu - Aish.


- Está sendo difícil.


Levantei e fui até a porta, a encarei através so vidro e entrei em seguida. Ela estava acordando, sorriu ao me olhar.


- Oi - Ela disse, meio fraca.


- Oi, se sente melhor?


- Um pouco... meus pulmões doem.


- Você vai melhorar


- Não diga isso, por favor.


- Desculpe - Me aproximei e sentei na poltrona que havia ao lado. - O que o médico disse?


- Novos tumores, vão fazer radiografia - Suspirou - Pra saber onde estão e... Também prevêem uma biópsia.


- Bem... estou aqui com você. Não precisa ter medo. - Sorri sem mostrar com dentes.


- Obrigada Chim. Falei com o Jungkook, ele vem me ver amanhã.


- Is-isso é bom.


- Ele é divertido.


- Que assistir algo? - Assentiu. Liguei a TV e procurei por um desenho. Larguei controle ao encontrar.


Nos riamos dos personagens, os quais se davam mal. Senti uma mão na minha, me fazendo encara-la. Ela olhava pra TV, rindo sem parar, me encantei com sua risada, que ecoava no quarto e ri junto a ela.


Depois de um tempo, ela se encostou levemente na cama, seus olhos ficaram pesados, fazendo suas pálpebras se moverem pouco.


- Jimin?


- Hum?


- Você fede a álcool - Disse sonolenta. Me fazendo rir.


- E você está dropada de remédios! - Ela riu meio brisada'.


- Cala boca. - Dormiu em seguida. Ri da mesma e apertei sua mão.


A soltei em seguida e cliquei no bloco de notas. Cliquei em "Poesia em andamento" e acrescentei


Nada disso é uma coincidência

Estou apenas, apenas seguindo o fluxo

O mundo está diferente do que era ontem

Apenas, apenas com sua alegria


Quando você me chama

Eu vou para sua flor

Como se estivesse esperando

Nós florescemos até ficar frio


Sorri com o que escrevi e voltei a encara-la, dessa vez com encanto.


...


Senti alguém tocar meu ombro, me fazendo abrir os olhos. Eu acabei dormindo. Vi Taehyung sorrindo pra mim.


- Ei cara, você dormiu - Ele estendeu o café pra mim - Expresso, talvez tenha colocado açúcar demais.


- Valeu. - Peguei da sua mão e tomei um gole.


Ele se sentou ao meu lado juntamente com Namjoon que encarava Chun.


- Ela parece bem - Disse Namjoon.


Taehyung levantou-se e chegou o prontuário da mesma.


- O que você ta fazendo? - Namjoon riu.


- Só to vendo o histórico, calma.


- Cuidado com as câmeras. - Alertei.


- Só tem nos corredores - Bufou.


Uma enfermeira entrou, espantando Taehyung. Ele a encarou sorrindo ladino.


- O que pensa que está fazendo? Já está fazendo besteira? - Ela sorriu para Tae, que amoleceu um pouco.


- Estava pensando em ajudar no seu trabalho. - Ela pegou o prontuário de suas mãos e o ameaçou com o olhar.


- Você é melhor quietinho - Disse próximo ao seu rosto, encarando o rosto e lábios de Taehyung.


Taehyung riu de lado, enquanto olhava a garota. Ela mexeu em alguns tubos da Chun e anotou no prontuário, o guardando em seguida.


- Tente não bagunça Kim. - Disse ela.


- Preciso estar ocupado pra isso - Sorriu safado.


- Até mais. - Sorriu, saindo do quarto.


Eu e Namjoon nos encaramos e depois encaramos ele.


- Nem me olhem assim - Ele disse.


- Porra Taehyung, chegamos aqui a mais ou menos meia hora e você já ta chavecando?


- Chavecando? Só trocamos números.


- Onde? No armário nao é? - Os garotos riram, me fazendo rir também.


- Idiotas. E foi uma dispensa! - Disse ele cessando o riso. - Vou tragar um - Disse puxando seu maço e saindo do quarto.


- Nada romântico, cheio de seringas! - Gritou Nam.


- Chupa uma bala quando voltar pra dispensa! - Eu e Nam rimos.


- Vou avisar a minha mãe que não vou voltar hoje.


- Não precisa cara, pode voltar. 


- Chega desse assunto, eu e Tae ficamos. Até Taehyung pensar o contrário - Rimos juntos.


- Você é rico, tem grana pra táxi.


- Fala sério, essa história de novo?


Ele riu e foi até a janela, a abrindo e puxando o celular do bolso. Encarei o quarto e voltei meu olhar para Chun, todos diziam que ela parecia bem, mas, não parecia nada bem.


Seu rosto estava palido e parecia morto, seus cabelos cairam tanto que já era possível ver partes da sua cabeça. Suspirei triste e pensei na hipótese dela morrer.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...