História House of Cards - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bts, J-hope, Jin, Jungkook, Park Jimin, Princesa, Principe, Selecao, Suga
Visualizações 16
Palavras 1.333
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Ficção Adolescente, Literatura Feminina, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 5 - Casamento


Fanfic / Fanfiction House of Cards - Capítulo 5 - Casamento

Era normal noivos nunca terem sequer se beijado? Porque eu não considero o que fizemos para tirar fotos oficiais como beijo. Conforme eu ficava mais próxima dele, mais vulnerável o meu coração estava de se apaixonar e na verdade isso já havia acontecido. Eu lembrava muito bem dele dizendo que ia demorar algum tempo para se recuperar do que ele sentiu pela tal Maria, mas não era certo ele agir assim comigo só que me faltava coragem de conversar com ele. Toda vez que eu pensava em conversar com ele sobre isso eu imagina ele dizendo "eu nunca vou te amar como eu amei ela" e toda vez eu chorava em desespero. Mas o nosso casamento estava mais próximo a cada dia e antes do grande evento fizemos uma última viagem. Dessa vez eu estava decidida a falar tudo o que eu pensava para ele e eu estaria pronta para ouvir qualquer coisa. Pelo menos tentava estar. Dessa vez ele quem planejou a viajem e nos fomos a uma ilha cujo nome eu nunca havia ouvido falar. Ele mandou prepararem um jantar maravilhoso para nós, e uau era simplesmente incrível comer vendo o sol se pôr. Apesar do clima estar perfeitamente perfeito, eu estava decidida do que fazer e não ia deixar mais aquela dúvida corroer meu coração.

Eu: Jimin, você me ama?

Jimin: que? É claro que sim, você é minha me...

Eu: melhor amiga, eu sei disso. Mas eu quero saber se você me ama como sua mulher, porque é isso que eu vou ser sua em alguns meses. Preciso saber se eu sou a única pessoa que esta se entregando nessa relação.

Jimin: você sabe que é difícil pra mim falar disso, a Maria...

Eu: você sequer está tentando né? Qualquer coisa que envolve seus sentimentos, envolve a Maria. Olha, tudo bem, não precisa mais me responder.

Ele se levantou e entrou no quarto, me deixando sozinha na varanda. Eu não estava surpresa com a sua resposta, já esperava por ela, por isso eu simplesmente continuei comendo e bebendo aquele vinho incrível. Depois de um tempo eu comecei a ficar curiosa sobre o que ele estava fazendo, já que eu sabia que ainda estava no quarto, mas não fazia barulho algum. Quando eu entrei novamente no quarto ele não estava, então eu deduzi que ele estava no banheiro. Eu escutei barulho de água, mas mesmo imaginando que ele estava tomando banho eu abri a porta assim mesmo. A cena que eu vi nunca mais vou esquecer: ele estava sentado sob a tampa do vaso, o chuveiro estava ligado para abafar os seus soluços. Eu era uma idiota, eu fiz uma pessoa que eu amava tanto chorar. Imediatamente eu fui até ele e o abracei, e pedi mil vezes desculpas pelo o que eu disse, e para a minha surpresa ele me beijou.

Jimin: eu tento, todos os dias eu tento. Ela foi o meu primeiro amor de verdade e pra mim esquecer isso é difícil, mas eu tento totalmente. Tudo isso por você.

Eu: me desculpa, eu não quis dizer aquilo. Eu entendo o quão é difícil esquecer alguém, eu fui uma idiota mesmo.

Jimin: eu sei que eu nunca vou te amar como eu amei ela, mas eu pretendo amar ainda mais.

Antes dele terminar a frase eu pensei no pior, mas no final quem estava chorando era eu. Eu me levantei e sentir no seu colo, eu queria beija-lo de verdade agora que tínhamos sido sinceros sobre o nosso sentimentos. Aparentemente assim como eu, ele também queria aquilo. Nossos beijos se tornaram cada vez mais intensos, cada vez mais ele levantava o meu vestido e assim eu conseguia sentir algo bem rígido entre minhas pernas. Eu abri sua blusa e depois a sua calça e transamos ali mesmo, em uma posição desconfortável, mas que foi bem prazeroso. Saímos dali, entramos no chuveiro e devo dizer que valeu 100% ter esperado tanto tempo para investir nele, naquele banheiro haviam uns apoios dentro do box (provavelmente para pessoas mais velhas não caírem) que serviram perfeitamente para o apoio das minhas pernas. Transamos todos os dias e em todos momentos do resto da viajem, inclusive no avião. No castelo tentamos nos conter, mas praticamente todos os dias de manhã eu estava com o pau dele dentro da minha boca, isso quando eu não que era surpreendida com suas mãos apertando meus seios, e seus lábios beijando o meu pescoço.

O nosso casamento, assim como eu sugeri, foi uma cerimônia aberta ao público. Nos casamos na mesma igreja que me deu suporte quando eu precisei, e a festa foi um grande banquete para os moradores da cidade. Eu não podia estar mais feliz naquele momento, tinha os meus amigos, minha família, meu pai e o homem que eu amava ao meu lado, tipo tudo perfeito. Mas eu mal sabia o que me esperava horas mais tarde. O meu marido tinha pedido para a Diana preparar um quarto para nós dois e quando chegamos lá ficamos em choque: ela tinha colocado sob a cama algumas algemas, chicotes, lubrificantes e... aquilo são vibradores? Eu só conseguia rir daquela situação, rir pois estava muito nervosa. Quando esse primeiro choque passou, nós trancamos a porta e resolvemos experimentar algumas daquelas coisas. O chicote foi o primeiro a ser descartado ("vamos te usar em outra situação" disse Jimin), os vibradores não seriam necessários já que tínhamos o amiguinho do Jimin, os lubrificantes com certeza seriam usados junto com as algemas. Depois que já estava nua, algemada, vendada, fiquei deitada apenas esperando o que ele estava preparando para mim. Eu senti seus dedos gelados deslizando sob a superfície do meu corpo; seus lábios beijando o meu pescoço e seus dentes se prendendo nos bicos do meu peito, que a essa altura já estavam bem duros; sua mãos afastaram minhas pernas e sua língua percorreu toda a minha buceta. Eu gemia baixinho enquando ele me chupava e penetrava os seus dedos dentro de mim. Todas as vezes que eu tentei fechar as minhas pernas, ele as segurou mantendo as duas afastadas o suficiente para que ele continuasse o que estava fazendo. Quando ele parou eu fiquei um pouco sem saber o porquê, mas logo depois eu pude sentir o seu corpo sobre o meu e depois sua voz no meu ouvido "eu quero ouvir você gemer o meu nome durante a noite toda".

Eu diria que era impossível "durar" a noite toda, mas para mim foi exatamente o que pareceu. Depois de algum tempo me penetrando ele retirou a minha venda e as algemas. Eu chupei ele brevemente antes de pedir para testar o tal lubrificante. Eu não era muito experiente nessa questão, mas já li muito e sabia exatamente para o que uma coisa daquelas podia ser usada e apesar de ter ouvido que doía demais, eu queria experimentar. Deitei-me de costas para ele e apoiei parte do meu corpo com diversos travesseiros, deixando minha bunda totalmente vulnerável a penetração, mas era exatamente por isso eu estava daquele jeito. Jimin passou lubrificante em todos os lugares possíveis e mesmo assim eu senti uma dor muito forte, depois apenas um desconforto e depois prazer, muito prazer na verdade. Agora era o momento perfeito para pensar "Maria sei lá o que você fez com o Min, mas muito obrigado". O fato do nosso quarto ser afastado dos demais nos deu a liberdade de fazer qualquer barulho que queríamos, e estávamos sendo, como posso dizer? escândalosos. Quando acabou eu estava sem estruturas para fazer mais nada, apenas fiquei deitada na cama. Acordamos no dia seguinte praticamente na mesma posição em que havíamos dormido, mas quando nos olhamos tenho certeza que a mesma coisa se passou pela sua cabeça, pensou em como eramos perfeitos juntos, em como nos completavamos e se a vida permitivesse iríamos viver juntos para sempre.

Depois de tantas noites animadas como essa acabamos nos descuidando em algum momento e por isso não demorou muito para novos membors chegaram a família Kim, nossos pequenos bebês reais, Jungkook e Hoseok.


Notas Finais


Espero que tenham gostado. Até a próxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...