1. Spirit Fanfics >
  2. Set the World on Fire >
  3. I don't want to set the world on fire

História Set the World on Fire - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


roi, leiture ne?
ent gntkk voltei, sentiram minha falta?
eu reescrevi todos os capitulos que eu tinha pronto e eu estou satisfeita com o resultado, bom meu amores, eu tbm vou mudar os dias que eu atualizo, eu achei melhor atualizar apenas de sábado mais ou menos nesse horário, pd demorar, mas eu atualizo, pq assim eu não fico sobrecarregada, além de que eu tenho que estudar e não posso dedicar minha vida à essa fic, espero que vcs entendam, me digam o que estão achando! achei criticas construtivas kk
boa leitura, espero que gostem!

TW: sangue, automutilação, menção à suicídio.

Capítulo 2 - I don't want to set the world on fire


Debaixo das partes mais profundas da Terra, havia o lugar que todos temiam, mesmo sem saber se realmente existe, onde muitos dizem que é quente, outros já falavam que era completamente o oposto, mas apenas quem sabia como era de verdade, era quem está lá, sofrendo e agonizando, porém nem tudo mundo que está em um dos círculos do Inferno sofre, existe também as inúmeras criaturas demoníacas que lá habitam, e como todo lugar, tem alguém que o governa, e esse alguém não se encontrava os melhores dias. Ele residia no canto mais frio do Inferno, no último círculo, onde as almas ficavam congeladas, agonizando por causa de todos os pecados que cometeram, e o mesmo criou seu palácio, enorme, e muitas vezes ficava completamente sozinho, era frio demais, escuro demais, quem visse se sentiria extremamente incomodado, triste, porém quem tem dó do Diabo? Ninguém, e esse fato era uma das coisa que não deixava Lúcifer dormir de noite, saber que não importa o que ele fizer, nada vai mudar sua realidade, tudo graças ao seu pai, o único sentimento pesado que habitava Lúcifer era o ódio que sentia pelo seu pai, diferente de que todos pensam, o mesmo era uma pessoa boa, porém que humano ou ser celestial vai acreditar nisso?  

Chegando apressado e irritado na sala do trono, onde Lúcifer se encontrava, o seu irmão interrompe seus pensamentos. 

— Helel, já disse para comandar essa merda direito. – diz a criatura de aparência extremamente miserável e horrenda, com seus enormes chifres, onde o seu maior pecado seria a gula e tudo aquilo que ela representa, porém ele era apenas uma criatura altruísta, exatamente o oposto do que é o pecado imposto pelo Deus Pai. 

— Belzebu, já disse para não me chamar assim, ou Jeongguk ou Lúcifer, não é difícil. – o governador se pronuncia, era claro seu incômodo com o nome dado pelos seus pais, a única coisa que ele queria era apagar tudo o que já lhe ocorreu, porém sempre havia coisas que o puxavam para essa realidade, afinal, ele mora no Inferno. 

— Tudo bem então Jeongguk. – o tom irônico de Belzebu não afeta Lúcifer, a relação deles vai muito além disso –, ’tô falando sério, eu não estou conseguindo mais controlar o Cérbero, ele sempre insiste que você que tem controlar ele, eu ‘tô cansado. 

— Eu vou tentar, mas é complicado, você sabe. – sempre quando chegar essa época do ano Lúcifer se lembra de sua queda, e isso o deixava mal, lembrar de como sua vida no Paraíso era boa e fácil, e de como tudo mudou de uma hora para outra. 

— Eu sei que foi nessa época do ano que você caiu. – Belzebu consegue sentir como seu irmão estava triste, mesmo depois de milênios esse assunto continua afetando JK, o tom calmo era completamente diferente do que ele estava usando quando chegou no lugar, transmitia compaixão. 

— Eu prometo que vou tentar. – o mesmo não disse da boca para fora, afinal já se sentia inútil normalmente, fazer essas pequenas diminuíam esse sentimento dentro de seu peito. 

— Eu sei que você dá sempre seu melhor irmão. – Jeongguk sabia que sempre teria seu irmão do lado, sendo seu porto seguro e o apoiando, e isso o calmava de certa forma. 

— Agora dei-me licença, preciso resolver algumas coisas lá em cima. – e por ficar extremamente afetado pelo o que seu pai o fez, que ele resolveu se vingar da melhor forma possível, estava pensando em fazer algo a tempos, e finalmente colocaria seu plano para funcionar. 

— Que coisas? – seu irmão questiona, preocupado com o que poderia ocorrer com seu irmão ou o que o mesmo iria fazer. 

— Estou de olho em uma alma que amaria tirar de meu pai. – após a fala de seu irmão, Belzebu olha para o mesmo, ele se assustaria com os olhos completamente pretos e os chifres grandes e vermelhos que adornavam a sua cabeça, sua pele avermelhada e num aspecto escamoso o daria agonia, porém ele já estava acostumado, e até o preferia assim, passava autenticidade que ninguém, além de seus irmãos, sabia enxergar no mesmo. 

— Mas você não estaria fazendo o mesmo que ele? Jogando almas no Inferno sem motivo nenhum? – o tom de preocupação presente alarmou JK, o seu irmão sabia o quanto lhe incomodava todos falarem que ele os induzia a pecar, e por causa disso queria o alertar. 

— Não, eu convencerei essa alma a pecar. – o mesmo sorri, achando a melhor ideia, e talvez fosse, a preocupação não deixou Belzebu, mas o mesmo sabia que não importasse o que ocorresse, nada iria tirar essa ideia da cabeça de Lúcifer. 

— Espero que seja isso mesmo, e não vou comentar que você está se tornando aquilo que todos falam, alguém que força as almas a irem para o inferno. – Lúcifer o olha de canto de olho, sabendo que uma hora ou outra isso iria à tona, porém ele não se incomoda, tinha plena certeza do que estava fazendo, e nada iria o fazer mudar de ideia, estava convicto. 

— Eu sei muito bem, mas seria tão prazeroso tirar o único Park vivo das mãos de meu pai, imagina como o Paraíso vai ficar quando souber que a alma do tão bondoso e generoso Park Jimin está em um dos círculos do Inferno? Seria maravilhoso causar um agito naquele lugarzinho. – o conceito parado do Paraíso o enoja, e ele deixa isso muito claro para todos, e os mais próximos dele concordavam. 

— Toma cuidado com o que você faz, hein. Não quero nenhum arcanjo querendo guerra com você. – e essa era uma preocupação real de Belzebu, mesmo seu irmão sendo imortal, os seres celestiais tinham armas que fariam o mesmo sangrar até sua morte, e assim sua alma sumiria, essa era a última coisa que Belzebu queria que algo acontecesse com seu irmão. 

— Mas eu sei muito bem como me defender, tenho milênios de idade, não existe arcanjo nenhum que vai me impedir de fazer o que quero. – seu tom era convencido, porém ele sabia que se arrumasse briga com um ser celestial e ele tivesse a arma necessária, o mataria rapidamente. 

— Eu sei que você sabe, mas não sei o que faria sem você aqui, tanto para governar quanto para ser meu irmão. – Belzebu o abraça de forma carinhosa, o peito de Lúcifer se aquece, os melhores momentos de seu dia era quando estava com seus irmãos. 

— Não se preocupa, nada de ruim vai acontecer comigo. – JK sai da enorme sala do trono com seu plano em mente, ele acredita que não será difícil fazer o tão amável Park Jimin cair numa vida cheia de pecados e fadada ao Inferno. 

Chegando no terceiro círculo, o Lago de Lama, onde fica o Cérbero. Lá chove granizo constantemente, fazendo que a pele das almas que estão no lago seja dilacerada, o Cérbero as comias, sempre com uma fome sem fim, o mesmo estava descontrolado, ao perceber tal fato, JK fica furioso, afinal, ninguém deve desobedecer suas ordens e muito menos as ordens de seus irmãos. 

— Você sabe muito bem que não é assim que é para agir, estamos no Inferno, mas não significa que estamos em terra sem lei, você sabe quais são suas obrigações. – JK se aproxima do mesmo, as almas o olham aterrorizadas, nunca haviam o visto tão de perto. 

— Olha só quem decidiu aparecer, a madame cansou de ficar sentada no trono o dia inteiro? – disse o Cérbero, irritando ainda mais Lúcifer, era óbvio o seu tom de provocação. 

— Escuta aqui seu cãozinho desgraçado, eu sou dono disso tudo e você tem que me respeitar, a não ser que você queira terminar igual o nosso último Cérbero, e você sabe muito bem como eu dei um jeito nele. – a criatura de três cabeças não fala nada, apena solta ganidos baixos –, espero que você não traga mais problemas para Belzebu, não o estresse demais. – Lúcifer continuava furioso, e sua ameaça não havia sido da boca para fora. 

— Entendi, Lúcifer. – após a fala do cão, o mesmo continua seu caminho até a Terra, decide não falar com seus outros irmãos, os seus assuntos com Park Jimin eram prioridades, quando descesse novamente iria os contatar. 

• 

JK anda calmamente pelas ruas de Seul, sua forma humana era alta e extremamente bela para quem olhasse, era notável a diferença desde a última vez que ele havia ido para a Terra, a urbanização do local foi enorme, os prédios se tornaram altos e a quantidade de árvores se tornou pouca, principalmente pelo fato de ele estar no centro da cidade, o mesmo não sabia a data exata, a única informação que teve foi de um outdoor anunciando a estreia de um dorama, lá ele viu que estava no ano de 2020, isso bastava por enquanto. Seu objetivo era conhecer Seul mais um pouco, por isso o mesmo andou durante muito tempo, porém ainda era cedo da manhã, o Sol mal havia nascido, ele conseguia ver o quanto as pessoas andavam apressadas pelas ruas, com seus ternos e blazers. Após longos minutos de caminhada, ele já estava mais afastado do centro, por isso o tamanho dos prédios diminuiu e as árvores começaram a aparecer, a rua em que estava era calma, com casas pequenas e alguns prédios residenciais de três andares, os sobrados eram incomuns, os jardins e quintais das casas não eram muitos grandes, em algumas árvores que haviam naquela rua, tinham passarinhos construindo seus ninhos, os mesmos cantam, voando de um lado para o outro, o seu canto era lindo, trazia calma e paz, e ao pensar nisso Jeongguk fica triste, pois o mesmo sabia que nunca poderia morar em uma rua como essa, ele anda cabisbaixo, tentando controla as lágrimas que queriam escapar de seus olhos, e por isso não podia desistir do seu plano, graças ao seu pai jamais poderia viver bem, tinha que mostrar para Deus Pai como era viver uma vida infeliz, sabia que se Park fosse para o Inferno, seu pai ainda conseguiria ver como sua alma está, assim ele veria Park Jimin agonizando no Inferno por toda a eternidade, se seu pai não sofresse, pelo menos seu queridinho iria. 

— Opa! Me desculpe, não te vi. – um humano esbarra no JK, sua voz era gentil e doce, Jeon logo tratou de fazer suas lágrimas sumirem, não queria assustar aquele humano, precisava se mostrar alegre. 

— Não, foi culpa minha, eu que devia olhar mais para onde ando. – o único pensamento que passava pela cabeça de Jeongguk era o quanto aquele humano era o mais bonito de todo o mundo, ele solta um suspiro quando o viu, o humano era apenas alguns centímetros mais baixo que ele, com o cabelo rosa e um rosto esculpido pelos deuses, literalmente. 

— Ah! Não tem problema, às vezes ando meio distraído também. – ele dá um riso soprado, o sorriso que surgiu no rosto de JK foi tão sincero, fazia tempo que ele não sorria desse jeito, é impossível não sorrir vendo as bochechas levemente coradas do humano na sua frente, foi o que o mesmo pensou –, mas qual é o seu nome? Nunca te vi por aqui, e olha que eu ando por aqui desde que nasci.  

— Meu nome é Jeon Jeongguk, e o seu? – ambos se cumprimentam, o sorriso ainda não saiu do rosto de JK, coisa que Jimin achou adorável. 

— Park Jimin, prazer. – ao saber qual era o nome do humano, seu sorriso murcha, ele não conseguia acreditar que seu objetivo estava na sua frente, e era tão lindo, mas isso não podia afetar seu plano, jamais, não importava se o humano era o mais lindo de todos, com um sorriso maravilhoso que causava um frio na barriga de JK, ele tinha que continuar com seu plano, ele tinha que fazer seu pai sofrer – Enfim Jeongguk, eu estou atrasado para meu trabalho, nos vemos depois? 

— Claro, mas como eu vou te encontrar de novo? – talvez foi melhor ter o encontrado agora, pois JK já havia mudado seu plano, e esse daria mais certo. 

— Eu te passo meu celular, sem problemas, e também eu estou sempre numa cafeteria aqui perto, se chama “Soulmate’s Coffe”, ou na Universidade de Seul. Bom, já vou indo, até mais! – Jimin se afasta acenando, Jeongguk acena de volta, ainda em estado de choque, jamais imaginaria que o Park seria desse jeito, isso o incomodou, afinal, o de cabelo rosas não parecia ser alguém mal, e nem tinha ações de um, ele não merecia ir para o Inferno, mas seu pai merecia ver como era lá, e essa era a única forma, esse pensamento assustou JK, ele nunca tinha pensado dessa forma, e isso foi o que mais o incomodou. 

Tudo dentro de JK estava confuso e extremamente mexido por causa do encontro inesperado, o mesmo não sabia decifrar o que sentia dentro de si, se estava admirado pela forma como Park é, se estava incomodado pelo mesmo motivo, ou se estava triste, a única coisa que sabia era que precisava conversar com seus irmãos e amigas, eles saberiam o que fazer. Ele se apressa para chegar logo ao Inferno. 

• 

Segundo círculo, o Vale dos Ventos, onde tem Minos, o juiz que ouve as confissões das almas e os leva para um dos noves círculos, enrolando sua cauda envolta do corpo, e cada volta representa um dos círculos. Nesse círculo ficam os que cometeram o pecado da luxuria, lá as almas são atormentadas por furacões e ventanias, nos quais representam os vícios da carne, que assim como o vento os levam de encontro ao pecado. Mesmo que tivesse Minos para controlar as almas, Asmodeus, seu pecado seria o da luxúria, comandava tudo por lá, sendo um dos irmãos de Lúcifer, seu corpo era misturado com os de vários animais, o dando uma aparência grotesca, as almas que chegam lá ficam perturbadas com a visão horrível, Lúcifer o chama para a sala do trono, o mesmo não demora a descer. 

Já no terceiro circulo, o Lago de Lama, onde se encontram os gulosos, atolados numa lama suja, sua punição é ficar debaixo de uma forte chuva de granizo, agua e neve, sua pele é dilacerada pelo Cérbero. Belzebu, era a imagem da gula, o mesmo controla as coisas por lá, com suas enormes asas parecidas com as de um dragão, seu chifres tão grandes quanto o do próprio Diabo, sempre com seu arco em mãos, logo assente, sabendo que pela feição de seu irmão o assunto seria sério. 

Ele chega no quarto circulo, as Colinas de Rocha, lá ficam os avarentos, que rolam com seus próprios peitos grandes pesos, esses que representam suas riquezas e lá estão fadados a trocas injúrias entre si. Mamom, o seu pecado é referente à ganância, era quem controlava as coisas por lá, mesmo não tendo um pingo de maldade, ele se divertia demais vendo as almas sofrendo, carregando enormes rochas morro acima, sua aparência era semelhante a de um humano qualquer, porém ele era muito mais alto, além de ter um nariz longo e uma feição miserável, ao ver como seu irmão estava, logo se preocupa, o mesmo o lança um olhar como se estivesse afirmando que estava tudo bem, e continua sua jornada de chamar todos os seus irmãos. 

Já no quinto círculo, o Rio Estige, onde ficam os acusados de ira, amontoados no lago formado de água e sangue borbulhante, batendo-se e torturando-se, no fundo desse rio ficam os rancorosos, que não demonstram sua ira, permanecendo lá, proibidos de subir à superfície. Lucifer não demora para encontrar Azazel, o demônio com a figura humana, porém com chifres e carregando um tridente, e sempre acompanhado de seu bode, o mesmo não demora para ir de encontro aos seus outros irmãos. 

E ao chegar no sexto círculo, de repente tudo fica mais quente, lá era o Cemitério de fogo, lugar onde ficam os hereges, sua punição era ficar em túmulos abertos, de onde sai fogo, fazendo referência a como os hereges eram punidos pela igreja, eram queimados vivos em fogueiras. Belphegor foi escolhido para comandar lá, mesmo que seu pecado ser a preguiça, era quem Lúcifer confiava para tal cargo, sua aparência era tão grotesca quanto a de seus irmãos, com o corpo de um humano e o rosto com proporções grandes, sua barba era grande o suficiente para tocar seu peito, seus chifres eram pequenos mais ainda continuavam aparentes, sempre estava sentado na sua cadeira de roda mal feita. 

O sétimo círculo, para onde iriam aqueles que cometeram algum tipo de violência, era o círculo que mais havia almas. Era dividido em três vales, o primeiro sendo o Vale do Flegetonte, onde ficam aqueles que foram violentos contra o próximo, eles ficam mergulhados no sangue daqueles que eles oprimiram, na margem ficam o Minotauro de Creta e alguns centauros, que atiram setas nas almas que tentam se erguer do sangue. No segundo vale, chamado de Vale da Floresta dos Suicidas, onde ficam aqueles que praticam violência contra si mesmo, esses se transformam em árvores sombrias e retorcidas. O Vale do Deserto Abominável, o terceiro e último, onde ficam aqueles que praticam violência contra os Deuses, contra a natureza e a arte, são condenados a permanecer num deserto de areia quente, onde chove fogo. Leviatã controlava tudo lá, seu pecado era a inveja, assim como Belphegor, seu pecado não tinha conexão com seu círculo, seu corpo era como se um ser marinho, uma espécie de cobra misturado com dragão, voando pelo círculo e observando todas as almas que lá ficavam. 

Agora Lúcifer estava no maior círculo de todos, o oitavo, conhecido também como Malebolge, é dividido em dez fossos, onde cada alma que cometia um tipo de fraude era enviada para lá. No primeiro fosso ficam os rufiões e sedutores, açoitados sem pausa pelos demônios menores presentes lá, sua aparência era de qualquer demônio, pele vermelha brilhante, baixinhos e barrigudos, com chifres e olhos completamente pretos, JK aproveitou e chamou suas duas amigas, Jisoo e Lisa, que eram os únicos demônios menores que o mesmo confiava, as mesmas pararam imediatamente de rir e chicotear as costas das almas, logo indo para onde eram pedidas. No segundo fosso estão os aduladores, esses ficam imersos em fezes, representando a sujeira que deixaram no mundo, resultado do proveito que tiravam dos medos e desejos dos outros e das falsas palavras proferidas. O terceiro é destino dos simoníacos, enterrados de cabeça para baixo e com as pernas sendo queimadas por chamas. No quarto encontram-se os adivinhos, que como punição têm suas cabeças voltadas para as costas, os impossibilitando de olhar pra frente. No quinto fosso estão os corruptos, submergidos em um lago de piche fervente. No sexto são punidos os hipócritas, estes estão vestidos em pesadas capas de chumbo dourado. No sétimo estão os ladrões, que são picados por serpentes que os atravessam e os desintegram. No oitavo são castigados os maus conselheiros, aqui eles são envolvidos por infinitas chamas, e padecem ardendo. O nono fosso abriga os que semearam a discórdia, e são então esfaqueados e mutilados por demônios que lhes arrancam o que representa a discórdia semeada. No décimo fosso, os falsários são punidos com úlceras fétidas e diversas enfermidades. E quem comandava as coisas lá era o único que não era irmão dos demais, porém de alta confiança de Lúcifer, o Astaroth, com seu corpo retorcido, com quatro asas, duas sendo semelhante ao de um dragão e outras duas semelhante a de um anjo, todas maiores que si, sempre segurando uma serpente e montado na criatura horrenda semelhante à um cachorro. 

E, finalmente, Lúcifer chega no nono e último círculo, o Lago Cócite, seu pavimento é formado por gelo, onde estão os traidores, o canto mais frio de todo o Inferno, este é composto por quatro esferas. A primeira esfera é a de Caína, onde são punidos os que traem seus parentes, estes ficam apenas com o tórax e a cabeça fora do gelo. O nome Caína faz referência a Caim que matou seu irmão Abel. Na segunda esfera, a esfera de Antenora, estão os que traíram sua pátria, aqui apenas as cabeças ficam fora do gelo; A terceira esfera, chamada esfera da Toloméia, é onde os traidores de seus convidados são punidos, ficando apenas com o rosto exposto e quando choram, suas lágrimas congelam e cobrem os seus olhos; A última esfera do nono círculo do inferno, é chamada de esfera Judeca, seu nome claro, faz referência ao traidor mais conhecido da história, Judas, e é o destino dos que traíram seus senhores e benfeitores, permanecendo completamente submersos no lago de gelo, conscientes. No meio da esfera está o Palácio, no salão principal está o trono e na parede atrás está os corpos de Judas, Brutos e Cássio, estes dois últimos sendo responsáveis pela morte de Júlio César.  

— Bom, como vocês sabem, eu tenho o objetivo de trazer a última alma Park para o Inferno, hoje fui até a Terra, na busca dele, e o encontrei. – JK começa a falar sobre o ocorrido de mais cedo, todos os olhavam atentamente, esperando ele continuar com a fala. 

— Tá, mas porquê da reunião? – diz Asmodeus, já impaciente, Lúcifer nunca foi de demorar para dar notícias dessa forma. 

— Ele fez algo comigo que eu não entendi muito bem, acho que ele é um feiticeiro. – afirma convicto, quase como se fosse uma verdade absoluta, alguns o olham como uma sobrancelha arqueada, duvidando do que o mesmo acaba de dizer. 

— E qual seria o feitiço? Além de que eu duvido muito que aquele lá não iria seguir a religião de seus adorados antepassados. – agora quem se pronuncia é Leviatã, ele junto de Mamom foram os únicos que acreditaram de fato que o Park seria um feiticeiro, e até mesmo um bruxo. 

— Quando o vi pela primeira vez, meu coração bateu muito rápido e eu não consegui parar de sorrir, e quando ele foi embora, meu peito estava apertado de um jeito que me incomodou demais. Acho que quando nos esbarramos, ele jogou alguma poção em mim. – todos presentes na sala olham para JK com desconfiança, até mesmo Leviatã e Mamom começaram a desacreditar de Lúcifer, tendo certeza de que aquilo que o mesmo falava não era nenhuma poção ou feitiço, talvez um crush

— Não acredito nisso. – disse Lisa, todos a olharam assustados, sabiam da verdade, mas não teriam coragem de dizê-la a JK – Nossa – disse exasperada – você parece estar tão velho, credo. É óbvio que não foi poção, e sim, quem sabe uma paixão? – disse sugestiva, Jisoo soltou um leve riso, sabendo bem onde sua namorada queria chegar. 

— Mas isso nem faz sentido, eu nem conversei com ele direito. – após a fala de sua amiga, Jeongguk ficou ainda mais confuso, só o pensamento de se apaixonar de novo fazia JK se desesperar, da última vez que o mesmo estava caindo de amores por alguém, ele se machucou das piores formas. 

— Eu já não sei, mas acho possível, já que você é feito do amor de seus pais. – Belphegor afirma - Além de que, já houve aquela vez, e você sabe bem do que eu estou falando.  

— Não mencione eles, além de que eles não me amam. – mesmo depois de séculos, a raiva do que ocorrera consigo ainda o consumia – E não mencione sobre aquilo, já é passado de qualquer forma, eu não estava são. 

— Mas não muda o feito que você é feito de amor. – continua Belphegor – E quem sabe assim você até não muda de ideia e desiste do seu plano.  

— Eu nunca vou desistir. Aquela alma me pertence e eu vou fazer de tudo para a ter nas minhas mãos. – ele se levanta irritado com a ideia de perder mais alguma coisa para seu pai, ele faria de tudo para ter a alma de Park em um dos círculos do inferno – Com licença que agora irei para meus aposentos. – e ele sai da sala do trono agitado, a conversa não havia o feito bem, sua mente estava cheia de pensamentos, e todos eles direcionados para um humano em questão, e por esse motivo JK se odiou mais ainda. 

Seria possível um demônio se apaixonar novamente? E se ele mudasse de ideia e desistisse do plano? Não! Isso jamais! Lúcifer nunca permitiria isso! Ele não tem empatia com qualquer humano, certo? Ele nem sabia mais, na sua cabeça ele colocaria fogo no mundo se fosse capaz, ele jamais iria desistir de algo por apenas um mero humano, mas era um humano tão lindo. JK balança a cabeça, tentando afastar os pensamentos que inundavam sua cabeça, ele anda de um lado para o outro, o mesmo começa a coçar seus braços com suas unhas longas e pontiagudas, fazendo que se abrissem cortes e pingasse sangue no chão do seu quarto, logo ele se dá conta do que estava fazendo, parando de o fazer, o mesmo deita na cama, sua cabeça ainda cheia de pensamentos, ele precisava pensar direito no que iria fazer, revirava de um lado para o outro logo começando a ter dor de cabeça, ele suspira frustrado, do jeito que estava não sairia nada de bom da sua cabeça, decide fechar seus olhos na tentativa de se acalmar um pouco, e acaba dormindo, seu cansaço mental era enorme e foi grande o suficiente para fazer dormir durante horas, mesmo que seu corpo físico não necessitasse. 


Notas Finais


bom, foi isso!
comentem oq acharam, bjs de luz e bom final de semana.

meu twt: https://twitter.com/correctisbea
meu ccat: https://curiouscat.me/correctisbea


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...