1. Spirit Fanfics >
  2. Sete Anos Depois >
  3. Um Pouco de Calma

História Sete Anos Depois - Capítulo 21


Escrita por:


Notas do Autor


Olá! Como vocês estão?
Esse capítulo foi escrito praticamente às pressas, se não estiver muito bom, me perdoem, por favor.

Aos que comentaram: Vocês são pessoas incríveis, eu adoro cada um de vocês, vocês conseguem alegrar meus dias! Obrigada por dedicarem seu tempo para deixar um comentário na fic e fazer uma autora feliz!

Boa leitura!
E por favor, leiam as notas finais!!!!!

Capítulo 21 - Um Pouco de Calma


Após o horário de almoço, Zabini retornou ao quarto de Snape, bateu na porta antes de entrar, não queria presenciar nenhuma cena constrangedora entre Snape e Hermione.

Quem veio abrir foi Hermione, ela estava radiante, Zabini gostou de ver sua amiga dessa forma, ela aparentava estar genuinamente feliz.

— Resolvi bater, não queria ver nenhuma cena de “romance” entre você e Snape. — Disse Zabini debochado.

Hermione revirou os olhos e respondeu:

— Como você, às vezes, consegue ser tão infantil?

— É um dom, Hermione! — Respondeu ele, novamente de forma debochada.

Hermione sorriu.

— Apenas entre logo — disse ela dando passagem para Blaise.

Zabini entrou no quarto de seu paciente e foi até a cama onde Snape se encontrava.

— Como se sente Snape? Algum desconforto? Dor no peito? — Perguntou o medibruxo.

— Me sinto perfeitamente bem, nenhum desconforto ou dor. — Respondeu Snape.

— Certo. — Disse Zabini. — Alguma aceleração dos batimentos cardíacos sem aparente razão?

Snape olhou para Hermione discretamente e então respondeu ao médico:

— Sem aparente razão, não.

No princípio, Zabini não compreendeu a resposta de Snape, mas ao reparar no rosto corado de Hermione, ele entendeu o que seu antigo mestre quis dizer.

Zabini pigarreou, um tanto constrangido, antes de continuar com suas perguntas.

— Alguma dor ao respirar, Snape?

— Nenhuma. — Respondeu Severus.

— Seus exames não demonstram nenhuma irregularidade e de acordo com suas respostas, não há nenhum sintoma que possa indicar alteração em seu estado de saúde atual. Sua alta será mantida para hoje. — Falou Zabini.

O jovem medibruxo avisou que iria buscar os documentos relativos a alta e que voltava em alguns minutos.

Hermione e Snape voltam a ficar a sós no quarto. Snape a chama para perto, ela caminha vagarosamente até ele. Assim que se aproxima o suficiente, Hermione é envolvida pelos braços de Snape, que está sentado em seu leito.

— Quero voltar logo para casa, não aguento mais ficar nesse hospital. Quero voltar para nossa rotina. — Falou Snape enquanto apreciava o calor do corpo de Hermione tão próximo ao seu.

A jovem mulher apenas sorriu e acariciou os cabelos do homem. Ela também estava ansiosa por voltar para casa. Queria poder aproveitar mais momentos assim, mas na tranquilidade de um lar, de um local onde pudessem expressar tranquilamente seus sentimentos.

Cerca de vinte minutos mais tarde, Zabini retornou ao quarto com os documentos da alta e também alguns frascos em mãos.

Ele entregou os documentos da alta para Hermione assinar, pois ela ainda estava responsável pelos cuidados Snape. Ela assinou e os devolveu a Zabini.

Então ele passou três frascos para as mãos de Hermione.

— Aqui estão alguns frascos da poção quietam cordis, Snape precisa tomar um frasco desse toda manhã. Eu estou disponibilizando três doses da poção, as demais doses Draco vai entregar na casa de Snape.

— Certo. — Respondeu Hermione, já colocando os pequenos frascos no bolso de sua calça. — Seguiremos corretamente suas prescrições. Alguma outra orientação?

— Nenhuma orientação nova, apenas evitar emoções muito intensas, pelo menos por alguns dias. — Disse Zabini dando uma piscadela para Hermione.

A jovem corou intensamente, mas respondeu ao amigo:

— Sem problemas, seguiremos suas orientações da melhor forma possível.

Snape, que estava ouvindo aquilo tudo, imaginava que Zabini suspeitasse que a natureza de sua relação com Hermione havia mudado. Era quase divertido observar Hermione sendo zombada por Zabini.

— Dr. Zabini, — falou Snape — acredito que eu possa sair dessa cama agora?

Zabini, que passou a prestar atenção em seu paciente naquele momento, falou:

— Certamente. — Respondeu o medibruxo. — E agora, como já está mais forte, é possível que volte para casa aparatando, com ajuda, é claro.

Snape levantou-se da cama sem nenhuma dificuldade e dirigiu-se à Hermione:

— Vamos?

— É claro, — respondeu a jovem mulher.

Zabini os acompanhou até a saída do hospital.

— Em alguns dias eu farei uma nova visita. Mas, Snape, se sentir qualquer dor ou sensação estranha, me mande uma coruja imediatamente. — Disse o jovem medibruxo.

— Mandarei, sim. — Respondeu o mestre em poções.

O casal despediu-se de Zabini e aparataram de volta a seu lar.

~ x ~

Hermione e Snape aparataram em frente a uma casa tijolos cinzas, a casa de Snape. Apesar de não ser sua própria casa, Hermione estava feliz em estar de volta.

Os casal caminhou lentamente e de mãos dadas até a entrada da casa. Snape abriu a porta e cedeu passagem para Hermione, seguindo-a logo em seguida. Hermione, assim que entrou na casa, retirou os frascos de poção do seu bolso e os guardou em segurança na cozinha.

A jovem logo retornou à sala de estar e passou a observar Snape, que estava parado próximo a porta.

Hermione, que ainda observava Snape, diz:

— Tudo parece tão diferente, não sei exatamente como devo me sentir agora. Até ontem, eu era uma amiga, que assumiu seus cuidados. Hoje eu já não sei o que sou. Isso soa tão confuso para mim, Severus. — Disse Hermione sinceramente.

Snape aproximou-se de Hermione e a envolveu em seu abraço, Hermione aproveitou o momento para aspirar seu amadeirado perfume.

— Tudo realmente está diferente, Hermione. — Disse o homem. — Ontem você era uma “idealização” e hoje você é real.

Hermione levantou seu olhar para Snape, tinha uma expressão interrogativa em seu rosto. Snape acariciou os cabelos da jovem mulher e disse:

— Hoje você está aqui, em meus braços, e eu tenho a liberdade para tocar-lhe. Hoje eu posso beijar-lhe e não apenas imaginar que o faço.

Snape aproximou seus lábios dos de Hermione e iniciou um lento em calmo beijo. Hermione prontamente retribuiu o beijo de Severus.

Quando separaram os lábios, Snape continuou.

— Não sei como chamar nossa relação nesse momento, mas eu quero que sejamos um casal. Você aceita, Hermione?

Ela deu um sorriso e respondeu:

— É claro.

Durante o restante daquele dia, Snape e Hermione aproveitaram a companhia um do outro. Os momentos que passaram juntos os faziam voltar, aos poucos, à rotina que haviam construído ao longo de doze dias de convivência.

Snape agora podia observar Hermione livremente, não precisava mais esconder sua admiração por aquela mulher.

Ambos estavam na sala de estar, estavam descansando após o jantar. Snape comtemplava os delicados movimentos de Hermione, ela tinha um livro em suas mãos e o lia atentamente.

Às vezes, suas sobrancelhas franziam levemente, quando ela fazia isso, Snape já sabia que havia surgido uma dúvida em meio a sua leitura. Logo depois dela franzir as sobrancelhas, Snape sabia que ela iria fazer uma anotação em um pergaminho que estava ao seu lado. E, em breve, ele também sabia que ela faria muitas perguntas e isso não o incomodava, na verdade, era ótimo saber que era útil a Hermione.

Hermione, por alguns segundos, desviou seu olhar das páginas do livro e dirigiu sua mirada para Snape. Quando percebeu que ele a observava, ela corou levemente e então perguntou-lhe:

— O que foi? — Disse Hermione colocando uma mecha de seu cabelo atrás da orelha.

— Nada. — Respondeu Snape. — Estou apenas observando você, vendo o quanto você é linda.

Hermione não esperava que Snape a elogiasse tão abertamente. Ela adorou ouvir aquilo, mas também ficou um pouco envergonhada, não estava acostumada a ser elogiada, não daquela forma.

Snape, percebendo o constrangimento de Hermione, falou:

— Não é apenas sua inteligência que se destaca em você, sua beleza também deve ser mencionada. Hermione, você é realmente linda.

Hermione deu um sorriso, era tão bom ser elogiada por Severus, seu ego estava feliz.

A jovem mulher largou o livro que estava lendo, o colocou sobre o sofá, e foi até Snape, que estava sentado em um poltrona próxima.

Ela sentou-se sobre o colo do homem e disse:

— Você nem imagina o quanto suas palavras são capazes de me afetar.

Snape colocou suas mãos sobre as coxas de Hermione e respondeu:

— E a senhorita não imagina o quanto seus gestos são capazes de me afetar.

Hermione, após ouvir aquilo, aproximou seu rosto do rosto de Severus e iniciou um beijo nada casto. Era um beijo urgente e desejoso.

Hermione enlaçou o pescoço de Snape com seus braços e intensificou o beijo. Severus aproveitou aquele momento para acariciar o corpo de Hermione, suas coxas, suas costas e por fim seus seios.

Hermione já conseguia sentir a excitação de Snape sob suas pernas. Ela desceu suas mãos pelo peito de Snape, percebendo suas formas sob o toque de suas mãos.

Snape colocou as mãos na cintura de Hermione e a pressionou contra si, ele a desejava imensamente. Ela era a única criatura capaz de acabar com toda a sua sanidade em poucos minutos.

Ele, consumido pelo desejo de tocar Hermione, vagarosamente colocou as mãos sob a blusa dela, sentiu o calor de sua pele, sem roupa nenhuma interferindo em seus toques.

Quando Hermione sentiu o toque de Severus, direto em sua pele, seu corpo inteiro arrepiou-se e em meio ao beijo ela soltou um suspiro desejoso, ansiava por mais toques daquele homem.

Snape, percebendo o que seu toque causou, subiu um pouco suas mãos. Seus toques agora eram distribuídos pelas costas de Hermione.

Hermione estava extasiada pelos toques de Severus, o prazer que sentia, apenas pelas suas carícias, era indescritível. Quando ele tirou uma das mãos de suas costas e passou a percorre-la por sua barriga, ela deu um novo suspiro.

Snape entendeu esse suspiro como uma “permissão” para subir um pouco mais os seus toques. Ele colocou sua mão sobre seio esquerdo de Hermione e exerceu uma leve pressão. Ela arqueou seu corpo para trás, interrompendo assim o beijo.

Hermione, quando sentiu a pressão sobre um de seus seios, não pode suportar, acabou arqueando seu corpo, devido a onda de prazer que a atingiu. Ela, abriu então seus olhos e encarou Snape.

Snape percebeu que o olhar de Hermione era lascivo, ela o mirava com volúpia descarada, não tentava esconder seus desejos. Severus então retirou sua outra mão das costas de Hermione e colocou sobre o seio direito dela. Nesse momento, Snape tinha ambos os seios de Hermione em suas mãos, mesmo tendo o tecido do sutiã atrapalhando o toque, Severus percebeu que os seios dela encaixavam-se perfeitamente entre seus dedos.

Snape queria arrancar aquela peça de roupa que estava atrapalhando seu toque, queria tocar os seios desnudos de Hermione. Na verdade, desejava tocar todo o corpo de Hermione, a queria nua em sua frente, a queria a mercê de seus toques. A desejava profundamente.

Hermione percebeu que Snape sustentou seu olhar, os toques dele sobre seus seios ficavam mais intensos, percebeu que as mãos dele invadiam os limites de seu sutiã. Ele a desejava, ela tinha certeza disso. A ereção dele era uma prova disso, a cada toque mais íntimo, Hermione era capaz de sentir a ereção de Snape tornando-se mais rígida.

Ela desceu uma de suas mãos, que estavam no peito do homem, até a ereção dele. Quando passou seus dedos sobre o membro de Snape, ainda coberto pela calça, ele deu um longo suspiro. Hermione gostou da reação que provocou em Severus, então continuou a tocá-lo.

Snape, não conseguindo mais resistir aos deliciosos toques que Hermione lhe infligia, acabou deixando escapar um prazeroso gemido.

Hermione deu um sorriso lascivo ao ouvir o gemido do homem, era ótimo saber que tinha “poder” sobre as emoções de Snape. A jovem mulher voltou a colar seus lábios sobre os de Snape, mas sem deixar de acariciar a ereção dele.

Snape estava deliciando-se com os toques de Hermione, assim como Hermione estava deliciando-se com os toques de Snape.

Os toques entre o casal estavam ficando mais intensos. Snape já estava com as mãos na barra da blusa de Hermione, pronto para retirá-la. Quando deu-se conta do que realmente estava fazendo, seu coração estava muito acelerado, parecia que iria explodir dentro do peito.

Ele afastou seus lábios dos lábios de Hermione, parou para pensar por alguns segundos e ponderou, não era dessa forma que queria ter sua primeira noite com a mulher que amava. Não tendo como sombra o medo de ter um novo episódio de arritmia.

— Hermione... — disse ele com sua voz rouca de desejo.

A jovem mulher parou o que estava fazendo e voltou seu olhar para Snape.

O homem colocou as mãos sobre a cintura de Hermione e continuou falando.

— Acho que devemos ir com mais calma. — Disse Severus. — Por favor, vamos com mais calma.

Hermione entendeu imediatamente o que Snape quis dizer e logo colocou a mão sobre o peito dele.

— Seu coração está muito acelerado. — Disse ela. — Vamos chamar Zabini.

Snape colocou sua mão sobre a dela e disse:

— Não é necessário, não sinto dor alguma, estou bem. Só não sei se continuarei bem se nós dois continuarmos o que estávamos fazendo. — Disse ele de modo irônico.

Hermione deu um sorriso compreensivo.

— É claro que podemos ir com calma, Severus. Afinal, ainda temos muito tempo para “terminar o que começamos”. — Disse ela com uma expressão divertida no rosto. — E sua saúde é o mais importante agora.

Snape deu leve beijo sobre os lábios de Hermione e disse:

— Acredito que o que nos resta agora é ir dormir.

Hermione concordou com um aceno de cabeça e levantou-se do colo de Snape. Então, passou a recolher os pergaminhos e livros que tinha espalhado pelo sofá.

Snape observava Hermione enquanto ela recolhia suas coisas, ela era tão linda, pensou ele, foi necessário muito autocontrole para afastar-se dela. Mas seu autocontrole não resolvia tudo, Snape ainda tinha uma grande ereção entre as pernas. E a única coisas que poderia resolver isso, naquele momento, era um banho bem gelado. 


Notas Finais


O que acharam? Comentem!!!
***IMPORTANTE:
Algumas pessoas pediram hot na história, só que meu planejamento inicial não era escrever nada explícito, tanto que a história está marcada como +16.
Mas, se vocês quiserem que eu escreva hot, posso mudar a classificação para +18, não tem problema, vou me basear nas opiniões de vocês.
Avisem nos comentários se vocês querem que:
mantenha a classificação (+16) - sem hot explícito
altere para (+18) - com hot explícito

Um beijão!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...