História SETE-TERMOS (Imagine - Taehyung) - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bangtan Boys (BTS), Bts Imagine, Drama, Escolar, Feitiços, Ficção, Imagine, Imagine Kim Taehyung, Imagine Taehyung, Kim Taehyung, Lutas, Magia, Mistério, Poder, Poderes, Reencarnação, Romance, Sobrenatural, Suspense, Taehyung, Vampiro, Você
Visualizações 30
Palavras 3.282
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Luta, Magia, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


•OIII espero que gostem do capítulo ♥♥ desculpem qualquer erro.

• Críticas construtivas são bem vindas!.

♥ Boa leitura:

Capítulo 2 - 02- Um começo turbulento.


Fanfic / Fanfiction SETE-TERMOS (Imagine - Taehyung) - Capítulo 2 - 02- Um começo turbulento.

{Mesmo que cada parte do meu corpo esteja em pedaços eu ainda a protegerei.} -KimTaehyung. 



Século XXI.

     TAEHYUNG ON. 


Mágoas, nada além desse sentimento se passa em minha mente todos os dias, até diria coração, no entanto, não tenho certeza se realmente tenho um. E ainda tem aquelas regras toscas que tenho que seguir; 

   01- Sem matar os deuses.

   02- Sem massacre. 

   03- Não beber sangue de Inocentes. 

   04- Não revelar minha identidade. 

   05- Ajudar no equilíbrio. 

   06- Ter uma vida como uma pessoa normal

 07- Caso eu siga esses termos, metade do meu poder que eles arrancaram e selaram em Afroid é devolvido para mim, já que o deus da fúria não vai estar sendo um "perigo pra humanidade". E claro, eu sempre acreditei no sétimo termo afinal, os deuses sempre foram muito honestos comigo não é mesmo. Patético, isso tudo é uma desculpa pra mim não acabar com a vida desprezível deles. 

Desperto dos meus pensamentos quando ouço vozes próxima à mim. 


- Kazuo eu bato e você pega a carteira, pode ser? ( uma voz menina.) 


Bater?

Não se pode mais ficar em paz no século XXI, só porque estou ás meia noite deitado no banco da praça não significa que sou presa fácil. 


 Oque aparenta ser inocente, pode ser bem mais perigoso do que imaginamos. 


- T-Tá Minzy. (um garoto desta vez.) - Mas cadê ele? 


- Como assim!? (estava mexendo no bolso a procura de algo, mas logo para olhando pra ele.) - Para de ser burro!, ele ta ali kazu-... C-Cadê ele? 

 

- Buh. 

- AAAAAAAH!!! 

Apareço atrás deles os assustando. Dão passos para trás confusos. 


- C-Como você sumiu assim? 


A garota pega uma faca do bolso. Então era isso que ela tava procurando.


- Faca? -- Arqueio a sobrancelha.


- SIM!, passa o dinheiro senão vou matar você! 


Aponta a faca em minha direção, mas ainda sim não é nada convincente. Fecho os olhos em negação. 


- Vou te ensinar como se " mata " alguém. 


Olha assustada largando a faca no chão quando sumo novamente, apareço atrás da mesma a mordendo. Eu poderia matá-la, está dentro dos termos, ela não é uma pessoa digamos... boa. Não estou nenhum pouco interessado, adolescentes dessa idade tendêm a se rebelar mesmo, e o amigo dela fugiu pra ajudar. Suspiro entediado. Quem irá acreditar em um louco que vê vampiros?


________________________

S/N ON. 

     6h30 da manhã.


- Acorda preguiçosa! 


Sinto pela segunda vez um travesseiro sendo batido contra minhas costas de leve, e pela segunda vez resmungo. 


- Só mas cinco minutinhos... 


Falo sonolenta e sinto novamente o travesseiro contra minhas costas. Quem seria o indivíduo tão chato?. Me viro com dificuldade pra olhar a pessoa a minha frente. 


- Hoseok? 


Olho confusa vendo ele tediado á frente da minha cama. Hoseok é meu primo é vizinho, primo é bom, agora vizinho... Pelo visto a ousadia é demais. 


- Oque você quer?, sabe que horas são pra você ficar zanzando que nem fantasma pela casa das pessoas? 


- Você nunca vai mudar, é tão esquecida... Você ao menos colocou seu celular pra despertar? 


- Mas... Pra quê? 


Sento na cama vendo o Hoseok arrumar a gravata do seu uniforme escolar insinuativo. 


- Meu Deus Hoseok, a escola! 


Levanto em um pulo da cama correndo até o banheiro. 


- Que tipo de pessoa se atrasa pro seu primeiro dia de aula? -- ouço ele falar consigo mesmo. 


A resposta é: Eu, S/n uma pessoa lerda me atraso pro primeiro dia de aula. Se mudar derrepente de país não é fácil, a uma semana atrás estava morando em Tóquio de férias é agora estou em Seul com as férias acabada, isso mesmo, é começo de ano, meu último ano escolar. Meu pai foi convencido pela mãe do Hoseok é pelo Hoseok de se mudar para Seul, o porquê dessa decisão eu não entendi e muito menos como meu pai ranzinza aceitou, mas como a mãe do Hoseok é irmã da minha mãe falecida deve ter feito a cabeça do meu pai. 


- Pronto, vamos logo! 


Saio do banheiro arrumada atrás da minha bolsa. Poderia ao menos ter arrumado sua bolsa né S/n?.


- Meu Deus... -- Hoseok olha indignado. - Vamos logo, ou não vão deixar nós entrar S/n! 


Me puxa pelo braço enquanto coloco meu livro na bolsa. Ótimo começo S/n...

________________

- Vamos! 


Saímos do táxi ás pressas atravessando a rua. 


- Priminho diz aí, qual a possibilidade de não deixarem nós entrar? -- aponto pro portão da escola fechado a sete chaves. 


- Vamos invadir! -- diz sorrindo sapeca. Esqueci que ele é louco, isso não vai dar certo. 


Fomos para trás da escola vendo um portão entre aberto, provavelmente é aonde os professores entram. Hoseok segura minha mão e de vagar entramos no local agachados até à entrada principal. 


- Droga, a diretora tá bem aqui na entrada. -- sussurra nós escondendo dela. 


- E agora? -- sussurro no seu ouvido. 


- Agora vocês vão ficar de castigo. 


Olhamos tensos para trás vendo uma mulher de braços cruzados. Ela parece ser bem nova. 


- Lavander, como vai -- Hoseok acena tenso. Parece que estamos encrencados. 


- Você sabe muito bem que não toleramos atrasos desse tipo, a aula já começou faz uma hora Hoseok, devo ligar pra sua mãe? 


- N-Não professora que isso, e que minha prima acordou atrasada sabe como é né... Deixa nós entrar por favor?


Implora com as mãos. Ela me olha de canto mas logo toda sua atenção é dada ao colar no meu pescoço, parece vidrada. Hoseok percebe e parece não gostar muito. 


- Algum problema? -- pergunto receosa, ela parece voltar à si dando um sorriso mínimo. 


- A-A Sim, só achei bonito... Quem te deu? -- olha nos meus olhos como se precisasse urgentemente saber. 


- Eu dei a ela. -- Hoseok corta seu contato comigo. Ele realmente parece não estar gostando disso, mas por quê?. Ela parece ter entendido. 


- Ah Sim... Vamos!, vou levar vocês a sala antes que a diretora veja vocês de papo furado aqui fora. 


Aponta pra entrada. Papo furado?, a única que ta conversando aqui é ela, nós só queremos conseguir entrar na aula sem reclamações bem no primeiro dia.  Entramos na sala de e todos os olhares foi para nós. Constrangedor... 


- Ou!, a que devo a honra dos meus alunos terem chegado tão cedo no primeiro dia de aula? -- o professor brinca fazendo a sala rir. Ele tem os cabelos e olhos marrom, e é bem alto. 


- Desculpe... 


Falamos em uníssono tomando os assentos de muitos que havia na sala, parece que não somos só nós os atrasados. Droga!, o professor me colocou longe do Hoseok... Que vida cruel, que sacanagem. 


- Oi como é seu nome!? 


Me assusto quando uma menina à carteira a frente se vira me olhando toda animada. 


- S/n... -- sorri fraco por causa do susto. 


- O meu é Mei, você é amiga do Hoseok acerto? -- concordo. - Então você deve ser uma pessoa ótima!, espero que sejamos amigas certo? 


Sorri animada, ela é amiga do Hoseok?, ele tinha falado dela pra mim já. Essa energia, é dela ou foi o tempo que ela passou com o Hoseok?... Eu tento cara mas nunca vou ter essa energia extra que o Hoseok tem, eu sou tão cansada. 


_______________


O sinal do intervalo toca e saímos até o pátio. É impressão minha ou essa escola é exageradamente grande?, não que seja ruim mas o lugar de comer parece um restaurante cheio de mesa. 

- Nossa... -- falo admirada. 


- Oque esperava? HaHa essa é a melhor escola do país S/n.


Hoseok ri da minha reação, acho que tava com cara de pateta. 


- A escola que você estudava no Japão era assim? 


- Era grande mas não desse jeito... 


- Você é Japonesa S/n? -- Mei pergunta confusa.


- Meu pai é japonês, então quando minha mãe ficou grávida resolveu morar no Japão por um tempo, nós se mudamos pra cá quando eu tinha cinco anos mas... Quando minha mãe faleceu voltamos pro Japão. 


- Sinto muito... -- parece tá arrependida perguntar. 


- Tudo bem! -- sorri a deixando confortável. 


- Agora vamos comer que eu to morrendo de fome!! 


Hoseok fala fazendo nós rir.

Olho para as guloseimas e penso na dieta que havia começado mês passado. Maldade, como que se recusa isso tudo em troca de alface é brócolis?, Ah não, isso é muita maldade. Olho para comidas saudáveis e olho para os bolos de chocolate bem à minha frente. Para S/n, dieta pra quê?, isso é peito é bunda não gordura!, e mesmo se fosse, o importante é ser feliz!. Hoje eu sou feliz e amanhã eu sou saudável... Decidido!

Coloco dois pedaços de bolo na minha bandeja e pego a mesma virando sem cuidado algum... Sim, eu bati com alguém de maneira brusca. Minha comida caiu no chão e o suco, bem, este estava na blusa branca de seda do menino à frente que me olha de maneira estranha e raivosa. Acho que ele não gostou. 

- Eu... 

- Ela é louca por acaso? 

 Ouço cochichos pelo refeitório.


- Derrubou comida nele, olha amiga!

- Ela ta ferrada.


Olho pro garoto á minha frente começando a me preocupar com a situação. Sinto um aperto no peito quando olho em seus olhos, meu ar parece ficar mais pesado a medida que ele parece estudar cada centímetro meu, e essa sensação... Eu conheço ele? 

- D-Desculpa... -- minha voz finalmente sai, porém gaguejo. 


Ele pisca parecendo se recompor. 


- Tanto faz, preste mais atenção. 


Diz e sai do refeitório sem me olhar. Oque foi isso? , que mal educado. 


- S/n, tudo bem? 


Sinto Hoseok e Mei se aproximar de mim. 

- Ah!!


Grito fraco quando coloco a mão no meu colar. Ele esta quente, é como se estivesse vibrando, eu sinto. 

- S/n? -- sinto Mei encostar sua mão no meu ombro. 


- S-Sim? 


- Tudo bem? -- olham preocupados. 


- Acho que sim... -- vejo que minha roupa sujou também. - Vou no banheiro tentar limpar isso, me ajuda? -- Mei sorri concordando. 

_________________


Acabou a aula e adivinha?, o garoto que eu derrubei o suco é da minha sala junto com mais alguns garotos, ao que parece estavam atrasados propositalmente. Kim Taehyung, esse é o nome dele... Mei me disse que ele estuda aqui dês do primeiro ano, parece mudou de cidade pra está e sempre teve essa aura mistériosa e Fria, no entanto, mesmo com o jeito rude dele é um dos mais populares da escola, seja por motivos bons ou ruins. Claro, quando ele me viu na sala ficou mais sério, se é que é possível. Devo pedir desculpas?... Aish 

Voltei até meu armário pois esqueci de pegar meu uniforme de cima que tirei por ter sujado com aquela pequena confusão no refeitório, mas acho que estou um pouco arrependida, Taehyung está vindo pelo mesmo corredor que eu estáva. Ele para no meio do corredor com as mãos no bolso da calça e me olha de cima a baixo, como se estivesse esperando algo acontecer, um próximo passo. 


- Algum problema? -- pergunto incomodada com seu olhar. Ele se aproxima e se encosta no armário junto ao meu continuando a me encarando. 


- Eles te mandaram me vigiar não foi? -- sua voz e calma mas nota-se a frieza e falta de interesse nela. Olho sem entender vendo ele revirar os olhos. - Vai se fazer de desentendida? 


- Eu não sei do que você tá falando...  


- Só um aviso... -- leva sua mão até meu cabelo colocando-o atrás da orelha se aproximando do meu ouvido. - Qualquer gracinha, eu arranco sua cabeça e mando de presente pro seus pais. -- sussurra. 


Me afasto rapidamente assustada com sua atitude. Não acreditaria em tais palavras vindo de uma dolescente mas seu olhos... Ele não está brincando, é tão convincente que consigo sentir seu instinto assasino se possível, ele é humano?.

Me da uma última olhada e vira caminhando pra saída sem pressa. Fico  paralisada, meu corpo não se mexe um centímetro sequer, só consigo acompanhar com o olhar seus passos lentos até a saída aonde ele desaparece de vez. Oque foi isso?. A sensação quase boa e familiar que senti quando vi ele pela primeira vez se transformou em medo, meu corpo não consegue nem sequer sair do lugar, estou tremendo.


  TAEHYUNG ON. 

Aquele sensação... Eu poderia ter desviado da bandeja mas não consegui, estava imerso em casa detalhe dela, mesmo que minha mente me alertasse que era uma farça eu estava... Hipnotizado. Os deuses realmente estão de brincadeira colocando uma qualquer com o aroma da Lua para me vigiar, isso é uma afronta. Não irá funcionar, essa humana é uma farça dos deuses é não vou exitar em acabar com ela. 


______ Quebra de tempo_____

HOSEOK ON. 


- Você está bem S/n? 


Me olha como se tivesse em alerta. 


- Sim. -- se encolhe no sofá. - Só estou cansada. -- sorri forçado. 


Estranho... Dês que ela voltou pra pegar seu uniforme ela está quieta. Ela se encontrou com o Taehyung?, aquele extinto assasino pude sentir de longe, me deu calafrios. Mesmo que demore pra perceber o Taehyung não pode evitar o fato de amar a S/n, ele só não sabe por causa do colar de proteção que dei a ela. Eu sou o anjo da guarda da S/n, o colar que dei a ela me permite protegê-la é não deixar nenhum ser sobrenatural descobrir quem ela realmente é, a reencarnação da mulher do Taehyung. Mas isso não está adiantando muito, tem pessoas atrás dela dês do Japão, um dos motivos pra minha mãe e eu ter convencido o pai dela de voltar a morar em Seul aonde posso protegê-la. Em último recurso vou ter que quebrar o feitiço do colar e pedir ajuda do Taehyung... Não sei quem está atrás dela, mas sinto que não vão descansar até pegá-la, afinal, o sangue dela é o único que tem o poder de quebrar qualquer selamento sobrenatural. 


- Oi meus amores, cheguei! -- vejo minha mãe entrar em casa com sacolas em mãos. - Que bom que está aqui S/n, vou preparar sua comida favorita! 


S/n finalmente se desencolhe do sofá dando um sorriso verdadeiro. Comilona. 


- Cadê o Kazuo, ele desceu do quarto Hoseok? -- minha mãe pergunta enquanto colocamos as sacolas na mesa da cozinha. 


- Não sei, ele tá em casa? -- olho estranho, ele não desceu em nenhum momento de lá de cima. 


- Quando eu saí ele tava, não quis nem ir pra escola hoje. Provavelmente deve ter aprontado com Minzy, namoradinha mal caráter dele. 


- Quer que eu falei com ele tia Hina? 


S/n diz animada. De fato, sempre dava certo quando ela conversava com o Kazuo, ele mesmo ranzinza ouvia ela mais do que a mim. 


- Se você puder querida. 


- Daqui a pouco já desço com ele pra nós comer nossa comida favorita -- brinca indo até as escadas do segundo andar. Pelo menos ela parece está melhor. 

- Como foi o primero dia de aula? -- minha mãe pergunta enquanto lava os legumes. 


- Foi bem normal, até a S/n derrubar suco na camiseta do Taehyung. -- minha mãe solta o tomate na pia me olhando chocada. - O destino fez eles se reencontrarem de um jeito cômico não? Haha. Mas acho que ele não foi muito, digamos... Educado, melhor eu evitar de deixar ela á sós com ele. 


- já?! 


- Sim, mas ele não sabe que é ela, o colar não vai deixar ele descobrir, ele dispersa tudo deixando apenas um aroma fresco bem distante do cheiro verdadeiro dela. 


- Mas cedo o mais tarde ela tem que saber a verdade, estão atrás dela e seja lá quem for é bem perigoso. -- concordo em um suspiro pesado. 



   S/N ON. 

Dou dois toques na porta mais não ouço resposta nenhuma, consequentemente pela porta está destrancada os toques que dei fez ela ficar entreaberta. Abro mais um pouco entrando devagar. 

- Kazuo? é a S/n.


Vejo ele sentado na cama com o rosto entre as mãos. 


- Kazuo? -- me aproximo vendo seu olhar se encontrando com o meu. 


- S/n? 


- Você tá bem?, sua mãe disse que você não desceu hoje ainda -- sento ao seu lado da cama vendo seu rosto frustrado. 


- É que ontem aconteceu algo com a Minzy... -- ameaça a chorar. - Se eu sair ele pode voltar pra me pegar S/n!  -- fala afobado. Do que ele está falando? 


- Ele quem?, alguém te ameaçou!? --- olho preocupada, quem faria isso com um menino de quinze anos?


- Você não vai acreditar se eu contar...  -- desvia o olhar. 


- Claro que vou!, eu sou sua amiga lembra? -- concorda. - Vamos oque aconteceu? 


- Eu fiz algo muito errado S/n... -- me olha culpado. - A Minzy me convenceu a assaltar um homem que tava deitado no banco e como tava á noite eu achei que fosse de boa, m-mas e-ele... -- meu Deus ele está apovorado. 


- Ei calma-- toco em seu ombro. - Oque ele fez? 


- E-Ele desapareceu d-derrepende e depois mordeu ela, ele era um vampiro S/n! -- fala afobado. Pisco várias vezes tentando digerir oque e ele disse. Acho que os adolescentes hoje em dia vêem filmes demais. - Eu juro! 


- Kazuo... 


- Você não acredita ne?, eu sabia...  -- abaixa a cabeça. 


- Calma não é isso. -- falo lembrando da ameaça do Taehyung, as pessoas também não acreditariam em mim se eu falasse oque ele me disse. - Eu te entendo se acalma, ela vai aparecer logo, logo -- concorda chorando. Isso é tão doido...


Depois de uma longa conversa desço com o Kazuo para a cozinha vendo todos à mesa nos esperando, até mesmo meu tio que provavelmente chegou do trabalho. Comprimento o mesmo.


- Eai conseguiu convencê-lo a sair da toca? -- Hina ri da cara emburrada que o filho faz com suas palavras. 


- Consegui, e ele me disse que ta morrendo de fome! 


- Disse é? 


Me olha estreito fazendo todos rir. 


- Disse! 


Nos sentamos á mesa e aproveitamos a deliciosa comida da Hina, minha tia realmente cozinha muito bem, estava com saudades de comer sua comida. Depois de minha mãe ela é a única que consegue fazer meu prato favorito ficar maravilhoso, não é surpresa, já que são irmãs afinal. 


______________


Entro em casa vendo meu pai sentado na poltrona da sala com um copo de uísque em mãos. Parece que o dia dele também não foi muito bom.


- Aonde estava? 


- Na casa do Hoseok, ele é nosso vizinho então não achei que fosse um problema chegar tarde. 


Olha pro seu copo de uísque bem distante, parece pensativo.


- Algum problema no trabalho? -- não consigo evitar de perguntar vendo seu estado, mesmo sabendo da provável resposta. 


- Não te interessa. -- ai está. Nunca esperei a compreensão do meu pai, ele ficou assim quando minha mãe se foi, como se eu não importasse para ele e meu único objetivo que devo fazer pra agrada-lo é se tornar psiquiatra igual ele. 


- Entendo... Vou pro meu quarto. 


Sem graça subo as escadas em busca do meu quarto o mais rápido possível, minha garganta insiste em queimar e as lágrimas insistem em sair. Eu já deveria está acostumada com isso. 

Me deito na cama pensando em tudo que ouve hoje. Não acredito que aquele garoto ameaçou arrancar minha cabeça assim, de forma simples, e o Kazuo vendo vampiros... Se não fosse pelo Hoseok preferia estár no Japão agora. 


CONTINUA. 



Notas Finais


Devo continuar? ♥
Favoritem e comentem, inventiva muito♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...