História Sétimo Andar - Capítulo 12


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Itachi Uchiha, Kiba Inuzuka, Naruto Uzumaki, Sai, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Temari
Tags Sasunaru
Visualizações 435
Palavras 3.742
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ecchi, Festa, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Heeey, meus amores, quanto tempo, não é? Demorai mais do que o comum, pois ando extremamente insegura, peço perdão, mas to tentando melhorar isso hehe. Sem enrolação hoje, aproveitem o capítulo e por favor leiam as notas finais! <3

Capítulo 12 - Você não entende de amor. Você entende de pornografia.


Cliquei no botão verde e antes que eu pudesse cumprimentá-lo ele começou a falar: 

"Naruto, qual o número do seu apartamento mesmo?" 

- 904 – falei desconfiado. - Por que, velhote? 

"Os porteiros não querem deixar eu passar sem que te avise. Só porque eu queria fazer uma surpresa." 

Desde que eu criei uma certa independência, Jiraya começou a viajar pelo o mundo, pois, segundo ele, eu poderia me virar sozinho, tendo as minhas próprias responsabilidades. Ele me mandava ainda uma mesada gorda, o que me fazia ter certas regalias como ter um carro. Coisa que eu não conseguiria ter se eu me sustentasse com o dinheiro do estágio. 

Jiraya queria conhecer o mundo e escrever milhares de livros falando sobre mulheres. Era a paixão da sua vida. Fiquei muito feliz quando ele conseguiu começar a realizar esse sonho. Tenho conhecimento de tudo que ele abdicou durante muitos anos da sua vida, me ajudando a crescer em um lar. 

Sei que ele não se arrepende desses anos perdidos, mas sei também do que ele perdeu. Jiraya era minha família e vou ser eternamente grato por isso tudo, mas por que ele foi aparecer aqui justo agora? 

Exatamente quando eu começo a descobrir a minha nova sexualidade, Sakura havia terminado comigo, tinha um homem ferido a bala na minha cama e eu, supostamente, posso estar apaixonado por ele. Seria um momento nada oportuno para colocar as novidades da minha vida em dias. 

"Pronto, estou subindo." 

Eu o ouvir dizer após alguns cochichos com os porteiros. 

Puta que pariu. 

- Hm, Sasuke. - Eu fiquei meio atordoado. - Jiraya está subindo agora e eu simplesmente não sei o que fazer. Não sei o que ele quer aqui. Hm, não conte nada sobre o que aconteceu com a sua perna, invente uma história qualquer ou pode dizer que foi assaltado. Sei lá. Só, não sei... 

A campainha tocou e meu estômago revirou. Eu me apressei para ir atender a porta, mas antes disso. Sasuke sussurrou meu nome me fazendo dar atenção a ele. 

- Por favor, depois vamos continuar essa conversa. 

Eu apenas concordei com o balançar da cabeça, não estava preparado para continuar aquela conversa, provavelmente eu iria evitar aquele assunto pelo o resto da minha vida, mas não sabia se Sasuke iria querer evitar. 

Ao chegar na sala, vi que Jiraya se deu a liberdade de abrir a porta destrancada. Ele sorriu e me puxou para um abraço forte, quase me tirando do chão. Aquele idoso tinha uma força inexplicável. 

- Você não parece feliz ao me ver. - Ele começou a falar sem parar. - Eu iria fazer uma surpresa, pensei que seria fácil entrar aqui, mas parece que nenhum porteiro me conhece mais, acho que faz muito tempo que eu não venho te visitar. Ah! - Continuou sem esperar por uma resposta minha. - Pensei também que você iria está no estágio. Está sem emprego? Aconteceu algo? Foi demitido? 

- Calma, Velhote. - Eu revirei meus olhos. - Está tudo sob controle. Apenas, não pude comparecer hoje. 

- Já disse para você não me chamar assim. Os anos se passam e você continua o mesmo malcriado. 

- Também - respondi apontando para ele. - Olha por quem eu fui criado. 

Cruzei meus braços com desdém, mas era uma pura brincadeira nossa. 

O senhor sorriu de novo. 

Olhei para o chão e vi algumas malas jogadas e logo imaginei o pior cenário: Jiraya iria ficar conosco por algum tempo. O universo decidiu conspirar contra mim.  Já podem jogar uma bomba aqui para eu não precisar passar por isso. 

- Você não se importa de dormir no sofá esses dias, não é? - Ele falou quando reparou que eu estava analisando as suas malas. 

Não, eu nunca me importaria de fazer isso por Jiraya, mas eu tinha uma outra pessoa ocupando a minha cama. Como eu poderia explicar isso a ele? 

Ah, Velhote, você não pode ficar aqui conosco porque há um cara que está ocupando a minha cama e ele não pode ficar sozinho no seu belo apartamento, afinal ele levou um tiro na coxa, pois está em uma busca incansável de conseguir comprovar a inocência do seu irmão mais velho que foi acusado de ter matado os seus pais e precisa da minha ajuda. Ah, e por que eu estou ajudando? Eu não tenho a mínima ideia, ou pelo menos não tinha, já que depois que ele encostou a sua boca na minha, estou começando a achar que estou apaixonado por ele. Ah, e sim, estou começando a achar que eu sinto atrações por homens também.” 

Cada vez que eu repito isso na minha mente, eu percebo que realmente vão ser muitas informações para aquele homem processar. Do jeito que ele já está velho, ele iria ouvir aquilo e cair duro no chão. 

- Ei, Jiraya! – Falei mudando de assunto - Você lembra daquele bolo delicioso da padaria aqui perto? Você poderia ir comprar um para a gente?  

Fiz o meu olhar de gato sem dono e ele nunca resistia a esse olhar. Sempre fazia o que eu queria quando eu me expressava daquela maneira. Eu precisava de um tempo para pensar na melhor estratégia. 

Ele bufou e deu de ombros aceitando o meu pedido. Ele abriu a sua mala e pegou a sua carteira e saiu do apartamento. 

Eu rapidamente corri para o quarto e alertei para Sasuke:  

- Nós temos um problema.  

Eu não queria mesmo interagir com Sasuke depois daquela pergunta que ele havia me feito, mas eu precisava daquilo, tentei ser o mais sucinto possível sobre a história em geral e no fim, ele deu a solução para o velhote ficasse no apartamento dele, enquanto fosse necessário. 

 

Quando o velhote voltou, contamos que Sasuke era um amigo e havia sofrido um assalto e estava precisando de ajuda na sua recuperação e eu era aquela ajuda. Pedi muitas desculpas por não poder oferecer o meu quarto a ele, mas aparentemente Jiraya ficou muito feliz ao saber que ficaria de graça em um apartamento só para ele.  

Apesar de toda felicidade, Jiraya ainda parecia um pouco confuso com toda a situação. Eu ainda tinha que contar muita coisa a ele. 

Shikamaru já havia voltado da consultoria e estávamos almoçando nós quatro na mesa. Sasuke estava com a sua perna esticada em cima de um banco, um pouco desconfortável, o velhote insistiu que ele participasse do almoço para poder conhecê-lo melhor. 

- Onde está sua namorada, Shikamaru? – Ele perguntou ainda com a boca cheia. 

- Está no trabalho. – Ele foi simples, não queria aumentar a conversa, não queria ver Jiraya conversando de boca cheia. Ele simplesmente odiava essa mania. Ele comentava de que alguma maneira eu tinha puxado isso dele. 

- E a sua, Naruto? Soube que a Sakura se formou! 

E foi o momento em que todo mundo congelou. Eu fiquei parecendo com um tomate. Sasuke começou a estampar um sorriso irônico no rosto. Maldita pergunta. 

- Ah, nós terminamos. 

- Na verdade ela terminou com ele. – Shikamaru me corrigiu. 

Meu olhar mortal se voltou para Shikamaru naquele momento. Eu queria mesmo dar um pulo em cima dele e enforcá-lo com todas as minhas forças. 

- Como assim? Por que você não me contou nada? Qual foi o motivo? 

- Chifre. – Shikamaru falou mais rápido. – Parece que ela estava traindo ele com o meu cunhado. 

O meu amigo falava aquele tipo de coisa com tanta tranquilidade que parecia que estava se divertindo com toda aquela situação. Eu definitivamente precisava trocar de amigos. 

- Como ela ousa trair você? – Ele estava em choque. – Você não me contou por que estava com vergonha de dizer que foi chifrado? 

- Não! – Revirei meus olhos. – Só foi muito recente, não queria tocar nesse assunto. 

- Você deve estar simplesmente devastado com isso. Eu lembro como você foi sempre apaixonado por ela. No seu primeiro dia de aula na escola você só sabia falar dessa menina. – Jiraya estava com um sorriso nostálgico no rosto. 

- E se eu te disser, Jiraya, que ele já superou. Já tá pegando as pessoas pelos bares, trouxe uma pessoa para eu conhecer, baixou um aplicativo de namoro e eu acho que ele ainda está com uma paixonite nova. 

Naquele momento eu e Sasuke coramos. Será que o moreno sabia que Shikamaru estava falando dele? Orei para todos os Deuses possíveis para que ele não suspeitasse.  

Eu segurei forte o meu garfo que eu segurava com a minha mão esquerda. Queria muito que aquilo fosse o pescoço do meu amigo. Shikamaru amava me tirar do sério e ele tinha achado a oportunidade perfeita naquele momento. 

Mas eu não poderia deixar aquilo me abater, ele não podia ter esse gostinho de vitória, então eu apenas fingi que estava tudo bem, tudo tranquilo e que aquilo não estava fazendo um inferno mental. 

- Eu não esperava isso do Naruto. - Ele ria. - Pensei que ele fosse ficar quatro meses chorando na cama tomando sorvete enquanto assistia aquela série besta de comédia. 

Revirei meus olhos por tudo o que ele falou. Quem ele pensava que era para xingar FRIENDS daquela maneira? 

- Eu não o deixei entrar na fossa. - Sasuke começou a entrar no assunto. Acho que ele queria poder se sair dessa. Não estava a fim do seu nome ser levado à tona naquele momento. - Teve um dia que eu tive que segurar o Naruto para que ele não saísse correndo para declarar para os quatro cantos do mundo o seu amor pela Sakura. 

Todos na mesa começaram a rir e, óbvio, menos eu. 

Eu definitivamente não precisava de nenhum inimigo. Faltou apenas Kiba para poder completar a equipe "eu amo brincar com a cara do meu amigo Naruto". 

- Ok, já deu. - Falei retirando o meu prato vazio da mesa de jantar. - Sakura terminou comigo, por causa daquele ruivo idiota e eu sofri sim! Foram sete anos! E já superei, pois eu descobri que a minha vida não gira em torno dela. Eu aprendi novas coisas. 

- Calma, meu filho. - Jiraya tentou não rir. - Estou feliz por você não ter passado muito sofrendo por aquela moça. Ela não merecia você. 

- Obrigado. - Completei. 

Shikamaru ainda rindo internamente, começou a me ajudar a retirar as coisas em cima da mesa, assim como Jiraya. Sasuke ficou apenas nos observando. Ele estava nitidamente, incomodado com aquela situação. 

- Shikamaru, você irá passar a tarde em casa? - Jiraya perguntou e o rapaz apenas confirmou com a cabeça. - Você poderia cuidar de Sasuke? Eu preciso ir na editora hoje e queria muito ter um tempo com Naruto. 

Shikamaru olhou para mim, como se me pedisse permissão para ele poder aceitar a proposta do mais velho. Eu apenas dei de ombros. Não queria deixar Sasuke sozinho com Shikamaru, ele não era nada delicado e sabia que ele não teria a mesma paciência que eu tinha, mas era o jeito. 

- Vou só escovar meus dentes. - Afirmei. 

Estiquei a minha mão para o moreno, logo ele segurou a minha mão para pegar impulso para se levantar sem colocar peso na sua perna. Eu passei meu braço pela a sua cintura e ele passou o dele pelos meus ombros e o ajudei a caminhar até a minha cama. 

- Amei conhecer sua família. 

Eu corei com aquele comentário. 

- Logo, logo eu também irei conhecer a sua. 

Sasuke assentiu um pouco triste. Não sei o que tinha se passado na cabeça dele naquele momento. Eu só sabia que meu coração estava um pouco dolorido por deixá-lo praticamente sozinho.  

 

  Eu dirigia em silêncio a caminho da Editora, enquanto isso, Jiraya fazia algumas anotações em seu caderninho. Segundo ele, eram alguns pontos do qual ele não havia gostado da edição. Jiraya era extremamente exigente quando o assunto abordava o lançamento dos seus livros. Ele já ia para o quarto lançamento e ele não poderia estar mais feliz com isso. 

Estacionei o meu carro em frente ao prédio e ele conversava consigo mesmo tentando decorar algo, provavelmente seu discurso. Ele se apresentou para a Secretária que sorriu de uma forma forçada e nos indicou para onde deveríamos ir. Era perceptível a ansiedade do homem que estava ao meu lado, mas minha cabeça estava muito longe naquele momento para poder encorajá-lo. Jiraya iria conseguir suas exigências, ele sempre conseguia. 

Jiraya pediu para eu esperar por ele sentado. Então eu o obedeci. Vi o homem de cabelos brancos grandes e roupas chamativas entrar em uma sala e eu me acomodei em uma das poltronas. Peguei meu celular, como qualquer pessoa entediada normal, começou a mexer em todas as redes sociais possíveis, instagram, facebook, twitter, pinterest. E havia se passado apenas meia hora. 

Simplesmente não ressisti. 

Eu: Shikamaru está cuidando bem de você? 

Mandei uma mensagem para o moreno, não podia mentir que também estava preocupado com o bem-estar de Sasuke. Como eu já havia dito antes, Shiakmaru não é a pessoa mais delicada do mundo. 

E alguns minutos depois ele me respondeu: 

Sasuke: Rlx, eu não preciso de uma babá, Loirinho

EuVocê me fez de escravo esses dias. 

Sasuke: Mas é pq eu queria ficar mais perto de você. 

Eu precisei reler algumas milhares de vezes para ter certeza do que eu tinha lido. Sasuke Uchiha tinha mesmo me dito que queria ficar mais perto de mim? Acho que o tédio estava me fazendo delirar. Eu estou delirando. 

Das duas uma: ou Sasuke é um puta escroto e gostava de brincar comigo ou ele estava mesmo flertando comigo. 

E por incrível que pareça, a primeira opção parecia muito mais válida para mim do qualquer outra. 

SasukeNaruto? 

Eu: oi? 

Queria apagar aquele "oi?'', mas ele já tinha visualizado! Droga. 

Eu definitivamente não sei flertar. Preciso de um livro me ensinando como fazer essas coisas. Já poderia chorar sangue.  

Mas por um lado tinha sido até bom, pois se a intenção de Sasuke fosse mesmo brincar comigo, aquilo demonstrava que não estava funcionando. 

Sasuke: Nada. Vou tirar um cochilo. 

- Vamos, Naruto? - A voz grossa de Jiraya ecoou pelo o espaço me fazendo levar um susto. - Fazendo algo de errado para estar tão assustado assim? - Ele deu uma risada por conta da sua piada besta. - Vamos tomar um café para colocar nossas conversas em dias? 

Eu apenas assenti e segui os seus passos largos.  

Rapidamente chegamos no nosso Café favorito. Conseguimos uma mesa rápido e eu fiquei ao lado da janela gostava de observar as pessoas caminhando pela calçada. 

- O livro será lançado em vinte dias. - Ele sorriu vitorioso.  

- Fico feliz, Velhote. E toda a população tarada do mundo também. 

- Não chame os meus fãs de tarados, eles apenas sabem apreciar a boa literatura. 

Não precisei responder, logo o garçom chegou nos questionando o que gostaríamos de pedir. Eu escolhi um afogatto de chocolate e o homem a minha frente pediu um café preto pequeno. Não sei como ele não me convidou para um bar de esquina para poder beber e olhar as mulheres passando. Dessa vez, fiquei grato por ele ter escolhido um café, não estava com clima de estar em um bar caindo aos pedaços. 

- Como está indo a faculdade? 

- Hm, da mesma maneira da última vez. Nem o melhor e nem o pior da turma. 

- Tsc, tsc... Você não toma jeito. - No mesmo instante o garçom retornou com o seu café e ele se permitiu beber um gole. - Sim e o que aconteceu com Sakura? 

- Ah, - respirei fundo. - do nada ela sumiu por uma semana. Quando apareceu foi para me dizer que não queria mais estar comigo. Queria ser independente. Não queria mais ser conhecia como "Namorada do Naruto" e horas depois postou uma foto com o Gaara, cunhado de Shikamaru. Não sei se você chegou a conhecer... 

- Não e nem pretendo conhecer. E desde então vocês não se falaram mais? 

Lá vai ele, começando a se aprofundar nos assuntos. 

- Não exatamente... - tentei ser sucinto. 

- E como foi esse reencontro? Tranquilo? 

- Que nada. - Suspirei. - Nunca tive uma briga tão séria com alguém na minha vida. Ela me tirou do sério. 

- Por que? 

- Ah... - Jiraya perguntava demais, meu senhor! - Ela chegou lá em casa sem avisar e me viu em um momento muito inoportuno. 

- Você estava se agarrando com outra menina? - Ele falou animado. 

- Não exatamente... 

- A gente vai ficar brincando de adivinhar agora? Conta logo o que aconteceu! 

Eu olhei meio receoso. Não saberia qual seria a próxima vez que eu iria vê-lo pessoalmente, depois da sua breve passagem que ele iria ter pela cidade. Queria contar para ele as coisas que estavam acontecendo comigo, mas eu tinha muito medo da sua reação. Não queria que ele se decepcionasse ou simplesmente não aceitasse. Jiraya era minha família e eu não queria perdê-la. 

- Jiraya... – Falei quase sem voz. – muita coisa aconteceu, sabe? Por favor, você não enlouqueça. Por favor. - Frisei. 

- Como assim, Naruto? 

- Sakura viu eu me agarrando com um rapaz que estuda comigo... – Foi difícil demais falar aquilo em voz alta. Meu rosto estava quente. Eu estava nervoso, esperando uma reação totalmente adversa. 

Mas ele riu de mim. 

- Imagino o que a Sakura deve ter passado. – Continuou a rir. – Então esse rapaz é por quem você está tendo uma paixão? 

- Hm, não, mas.... 

- Então, é Sasuke? - Ele me interrompeu. 

Se eu tinha a capacidade de ficar mais vermelho do que eu estava antes eu fiquei. Como ele conseguia falar com tanta naturalidade sobre o assunto e por que até ele havia percebido esse clima que todos falavam entre mim e o moreno? Nunca iria entender. 

- Eu não tenho uma paixão por ninguém, ok? – Falei sério. – Vocês deviam parar de fazer essas brincadeiras comigo. 

- Naruto, eu escrevo sobre amor e entendo bem este assunto. Não adianta fugir, seu coração já está dominado. 

- Velhote, você não entende de amor. Você entende de pornografia. 

Revirei meus olhos e ele voltou a rir da minha cara. Era uma risada escandalosa e muito alegre. Mesmo com raiva, aquilo me enchia o coração. 

- Obrigado, Velhote. 

Ele apenas sorriu para mim como se entendesse o que eu queria dizer. Eu estava feliz e com o coração tranquilo. Diferente do que Sakura havia dito, Jiraya tinha sido incrível. E aquilo facilitava muito eu tentar entender melhor o que se passava dentro de mim. 

 

. . . 

 

Sorte de mim que Jiraya não teve que me criar desde bebê, afinal depois do café, ele me levou para um bar da esquina bem derrubado e me fez tomar muitos Saquês em plena segunda-feira. Aquilo não era um exemplo de guardião a ser seguido. Eu havia bebido tanto que eu não lembrava nem meu nome direito. Acabei deixando o carro por lá e pedimos o primeiro táxi que apareceu. 

Eu e Jiraya nos segurávamos um nos outro para não cair. Era uma cena meio cômica de se ver. Passamos vergonha dentro do condomínio. Conseguimos arrancar alguns olhares de julgamentos de muito moradores. Mas eu não ligava, eu estava feliz. Muito feliz. 

Jiraya ficou no sétimo andar, disse que precisava dormir e ainda no final soltou uma piada dizendo que queria me deixar sozinho com Sasuke. Ah, maldito. 

Caminhei pelo o hall cambaleando. Era difícil andar em linha reta após ter bebido tudo o que eu bebi. 

O apartamento estava com a porta aberta, então eu entrei tranquilamente. Ouvi um barulho no quarto de Shikamaru, mas não me dei ao trabalho de ir até lá. Segui até ao meu. Lá estava ele. Sasuke Uchiha deitado na minha cama! E o que aquilo significava? Nada! 

Sasuke estava na minha cama e eu não podia fazer nada. 

Na-da. 

Não sabia o porquê, mas ele estava sem camisa apenas com um short preto curto. Eu tive a oportunidade de poder ver seu corpo definido. Eu me escorei na porta do quarto e fiquei analisando aquela obra de arte. Quando ele percebeu minha presença, baixou um pouco o volume da televisão e olhou para mim. 

- Você está bem? – Ele perguntou. 

Eu não respondi e fui em direção a cama. Aquela mesma cama que Sasuke Uchiha estava deitado sem camisa. Mostrando o teu peitoral pra que eu pudesse ver. Eu só queria passar a minha mão ali naquela pele branca. 

Deitei do meu lado da cama e suspirei: 

- Você está com cheiro de sabonete, Sasuke. 

- Eu acabei de sair do banho. 

- Prefiro esse seu cheiro ao de cigarro. 

O moreno estava um pouco assustado, eu conseguia perceber isso. Mas eu também podia perceber que eu estava um pouco fora de mim naquele momento. 

Fiquei deitado de lado para poder observar aquele homem alvo que estava ali.  

Não fale nada que você não vá se arrepender quando tiver sóbrio, Naruto.  

Tentei repetir para mim, várias vezes na minha mente para ver se eu conseguia processar isso. Mas como um bom bêbado, eu não consegui me controlar. 

- Seu corpo é tão lindo, Uchiha. – Meus dedos começaram a caminhar lentamente pelo seu abdômen. – Sabia que eu comecei a questionar minha sexualidade por sua causa? – Ele ainda em silêncio, balançou a cabeça negativamente. – Algumas borboletas começam a voar no meu estômago quando eu te vejo, Sasuke. 

- O que você tem, Naruto? 

- Jiraya me fez beber uns saquês baratos e eu estou um pouquinho bêbado. 

Eu me aproximei dele e coloquei minha cabeça no seu peitoral. Eu já não tinha controle de mim mesmo naquele momento. O moreno se assustou um pouco com a minha atitude, de início, mas posteriormente ele me puxou para mais perto dele. Eu fechei meus olhos enquanto, Sasuke me fazia um cafuné. Não entendia porque ele estava fazendo aquilo, mas estava tão bom que eu não podia questionar. 

- Você acha que vai lembrar de algo amanhã, Naruto? 

Ele falou quase sussurrando, como se o quarto estivesse lotado de pessoas, mas só estava apenas eu e o moreno naquele quarto. Em resposta, eu apenas balancei a minha cabeça negativamente. Não tinha mais forças para falar. 

O garoto continuou brincando com os meus fios de cabelos loiros em silêncio. Eu estava um pouco enjoado por conta da bebida, mas aquilo estava me trazendo uma tranquilidade tão boa que eu já podia sentir o meu corpo começando a adormecer. 


Notas Finais


Sei que MUITA gente estava esperando uma interação maior entre nossos dois bebês nesse capítulo, peço desculpas por isso. Maaaaaaaaaaaas, Naruto precisava disso para poder se entender melhor. Acho que quem faz parte da comunidade LGBT+, assim como eu, sabe que quando temos o apoio dos nosso familiares passamos a viver de uma outra forma e o com esse conforto que o Jiraya deu a ele, com certeza vai ajudá-lo a processar melhor tudo o que se passa dentro dele, mesmo que seja de uma forma inconsciente.
Então é isto, meus amores, não tenham raiva do Jiraya por ter atrapalhado aquela conversa, ele chegou no melhor momento acreditem em mim, pq provavelmente Naruto teria mentido e falado qualquer coisa para fugir daquela situação.

Blá blá blá já falei demais, não é? É pq eu gosto de papear um pouco com vocês <3
Espero que tenham aproveitado o capítulo da melhor maneira possível e é isto.
Vou postar o próximo logo logo e prometo que vocês vão gostar hehe
Quem quiser bater um papo (não muito) cabeça meu twitter: @lorenafalb


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...