História Seven Steps - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Alissa Kroger, Jeon Jungkook, Jung Hoseok, Kim Namjoon, Kim Seokjin, Kim Taehyung, Min Yoongi, Park Jimin
Visualizações 81
Palavras 3.156
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


heyoooooooooooo

Tuts tuts!
Bom, eu ia sim postar o cap ontem, mas eu me enrolei e não consegui, mil perdões! Mas, como tinha dito no outro cap, sábado é certeza por isso cá estou eu!

Não vou demorar muito aqui não, então beijos e boa leitura! ❤️❤️

Ps: a fotenha ta aí para eu mostrar o meu orgulho pelos meninos estarem nessa campanha tão legal!❤️

Capítulo 18 - Mister Policeman


Fanfic / Fanfiction Seven Steps - Capítulo 18 - Mister Policeman

Min Yoongi’s POV

 

 - Arromba a porta, Jungkook. – falei com convicção, após perceber que a porta estava trancada, recebendo um olhar confuso de todos. – Faça o que eu digo, maknae! Tem um cara aí dentro com ela!

 

 - O quê? Vai, Kookie. Abre logo isso aí! – Jimin resolveu incentivar o amigo.

 

 Dito e feito, o mais novo deu um passo para trás e, com um belo chute, abriu a porta, quebrando a trinca.

 

 - NOONA! – o mesmo deu um grito forte e entrou na sala de Alissa. – O que você fez com ela, imbecil? 

 

 Logo depois de Jungkook, eu entrei na sala e senti meu coração apertar.

 

 Alissa estava caída no chão e desacordada. Cacos de vidro se espalhavam ao redor de seu corpo, junto com um líquido escuro que parecia ser whisky. Alguns cortes se encontravam em sua cabeça, juntamente com algumas marcas em seu pescoço. 

 

 Apenas voltei para a realidade quando Taehyung me empurrou para o lado e foi em direção à loira. Seokjin fez o mesmo e os dois tentavam ver se ela acordava. Jungkook e Jimin seguravam o idiota que ousou tocar na Alissa – que era um policial – pelos braços e olhavam para mim à espera de alguma ordem.

 

 Hoseok levou a mão ao meu ombro, o que me deu uma certa esperança, uma certa força. Respirei fundo, tentando manter a calma e passando a mão pelo cabelo. Esperei Tae e Jin levarem a loira para o sofá e tentarem uma reação da mesma.

 

 - Ela só está desmaiada. – o mais velho dali afirmou.

 

 Só?

 

 Bom, eu deveria tentar ver o lado positivo das coisas, afinal, o pior poderia ter acontecido.

 

 - Seokjin e Taehyung, vocês ficam aqui tomando conta da Alissa até ela acordar por completo. Hoseok e Namjoon, vocês dois vão descer e comprar o que vocês acharem necessário para a Alissa na farmácia. – dei as ordens me dirigindo àqueles que mencionava o nome. Por último, me voltei para Jimin e Jungkook que impediam o boçal de se mover. – Vocês dois, vamos levar esse energúmeno lá para baixo e mostrar para ele as consequências de mexer com a nossa Alissa.

 

 Quando me virei para trás, após falar, percebi que os dois mais novos, que estavam atrás de mim, saíram com passos apressados. Voltei minha atenção para a cena na frente e suspirei mais uma vez. Eu estava completamente irritado. Irritado não. Eu estava puto!

 

 Porém, ao mesmo tempo que a raiva me consumia e a vontade de transformar o babaca em um saco de pancada era cada vez maior, o desejo de me sentar naquele sofá, colocar Alissa em meu colo, abraçá-la e dizer que nunca mais aconteceria nada à ela só aumentava.

 

 - Toma conta dela. – pedi baixinho para os dois que ficariam e dirigi o olhar aos outros dois. – Vamos logo.

 

 - Cuidado, Yoongi. – Seokjin como sempre cuidadoso. – Lembre-se que existem limites.

 

 - Pode deixar. – disse para ele com firmeza e saí dali, acompanhado pelos três.

 

 Passei pela sala de pequenas ações e senti todos os olhares sendo voltados para mim. Ignorei-os e, após cerca de três minutos, já estava eu, Jimin, Jungkook e o policial em um beco qualquer, sendo que Jimin estava de vigia, mas prestava atenção em tudo.

 

 - Vamos lá, cara. – me pus a falar. – Você tem trinta segundos para se explicar, antes que nós três acabemos com você.

 

 - Não tenho nada a explicar. – deu um sorriso vitorioso, levando um belo empurrão do maknae, fazendo com que seu corpo batesse contra a parede e retirasse um gemido de dor do mesmo. – Querem que eu admita o que eu ia fazer com ela?

 

 - Admite e você morre, idiota. – Jimin o ameaçou e ele voltou a rir.

 

 - Eu ia tirar a roupa dela, iria beijá-la, iria tocá-la. – começou a cuspir as palavras. – E eu estava pouco me fodendo se Alissa queria ou não. – encarou Jimin. – Vai fazer o que agora, baixinho? Vai me bater? Pode vir.

 

 - Ah, mas você está pedindo para morrer, imbecil! – Jungkook gritou.

 

 - Ele vai primeiro. – segurei o braço do mais novo dali. – Ele desafiou o loiro. Jimin, vai logo acabar com ele. Jungkook fica na vigia.

 

 - Ah, muito obrigado, hyung. – Chim começou a caminhar em direção ao cara, enquanto Kookie caminhava para seu lugar. – Estou querendo quebrar a cara de alguém desde aquele dia no bar. – levantou as mangas do casaco e, quando chegou perto do policial, deu um belo soco em sua face.

 

 Park Jimin era o mais baixo entre nós, porém, não podíamos duvidar dele, principalmente quando estava com raiva, ou quando mexiam com alguém que ele gostava. Se o loiro não estava na farra, ou trabalhando, com certeza o encontraríamos na academia do hotel. Ele prezava muito pelo seu físico e, sempre que comia alguma coisa que não devia, gastava todo o dia malhando para queimar aquilo, o que, consequentemente, o deu força, ou melhor, músculos.

 

 Eu estava até começando a ficar com pena do cara. Depois do monte de socos, chutes e murros de Jimin, ele ainda apanhou muito feio de Jungkook.

 

 O mais novo era muito forte. Além de ser todo grande e musculoso, Jeon Jungkook é faixa preta em taekwondo e se dá bem com muitos esportes, o que faz com que ele tenha, acima de tudo, habilidade, e saiba onde bater, sem tirar uma gota de sangue do nosso “camarada”.

 

 - Sua vez, hyung. – Jungkook me avisou e eu dei um sorrisinho vitorioso.

 

 - Agora vai vir o namoradinho dela. – o garoto zombou. – o chefão da máfia.

 

 - Máfia? – perguntei, tentando me fazer de desentendido. – Só se for a máfia para bater em um policial.

 

 - Como se não me conhecesse, Yoongi! – falou, enquanto eu tirava meu sobretudo e entregava a Jimin. – Eu sou um Kim! Kim Mingyu!

 

 - Ah, sim. Porque Kim nem é um sobrenome comum na Coreia, é um dos mais raros. Você deve ser da realeza! – comecei a tratá-lo com sarcasmo, enquanto suspendia as mangas da camisa social. – E não me interessa quem você é!

 

 - Não te interessa, porque não foi a empresa do seu pai que foi falida! – gritou.

 

 - Ah... Agora tudo faz sentido. – revirei os olhos. – Se você tem raiva de mim, pode entrar para fila. Agora fala baixinho, porque eu não sou obrigado. – me aproximei dele. – E faz o favor de gritar baixo quando apanhar. – deferi um soco em seu rosto.

 

 Minha adrenalina estava a mil. O que ele fez não tem perdão, independente do que eu fiz ou deixei de fazer, se eu fali ou não a empresa do pai dele.

 

 Empurrei o cara com tanta força que seu corpo foi para o chão e, antes que ele pudesse levantar, eu já estava por cima dele, socando-o como um louco.

 

 - Nada justificaria o que você fez com Alissa! – gritei, quando percebi que seu nariz começou a sangrar, juntamente com algumas partes do seu rosto.

 

 - Hyung! Hyung chega! – Jimin pediu. – Ele não vai aguentar mais.

 

 - Não se intrometa! – falei com raiva e continuei com meu trabalho. Um soco, dois, três... Fui perdendo a conta da quantidade de surras que eu dei naquele cara. Eu estava descontando minha ira. Estava descontando meu ódio.

 

 - HYUNG! CHEGA! – Jungkook falou e me puxou, fazendo-me ficar de pé e me afastando do policial.

 

 - O QUE VOCÊ FEZ? – reclamei, com o mesmo tom de voz dele.

 

 - Você ia matá-lo! Ele apanhou demais! 

 

 Suspirei e olhei para minhas mãos. Elas estavam com um pouco de sangue do cara e também levemente feridas. Abri e fechei-as algumas vezes, tentando eliminar, nem que fosse um pouco, a dor que estava ali e, claro, também me acalmar. Os mais novos estavam certos. Era o que Seokjin havia me alertado “Existem limites”.

 

 - Sabe qual a melhor parte? – o “Kim” conseguiu falar, após cuspir um pouco de sangue. – É que um dia você vai descobrir a verdade. Ah, Yoongi, você vai se foder tanto... E eu vou estar aqui para rir de você.

 

 - Do que está falando? – ri debochado. – Eu sou Min Yoongi, não um qualquer como você.

 

 - Quando você ver o que realmente está acontecendo... Ah, grande Min... Vamos ver se sua realeza continuará tão grande.

 

 - Não o ouça. Ele só está querendo te derrubar. – Jimin me avisou.

 

 - Acha mesmo que eu estou ligando? – perguntei, virando para Jimin e dando as costas para o cara. – Um idiota desses não merece atenção...

 

[...]

 

Kim Taehyung’s POV

 

 - Vocês o deixaram lá? Sozinho? – Jin parecia preocupado, após os três terem retornado.

 

 - Deixamos. – Yoongi pareceu não ligar.

 

 - E se ele diz alguma coisa? Se ele fala que vocês bateram nele? Você sabe muito bem, Yoongi, que Jungkook não pode bater em ninguém!

 

 - Sim, Jin, eu sei. Eu sou um bom advogado, caso não se lembre. – o de cabelos pretos fazia uma cara de tédio. – Ele é faixa preta e, consequentemente, a “habilidade” dele em luta se torna uma arma, sendo assim, ele não pode usá-la.

 

 - E você continua tranquilo dessa forma?

 

 - Eu só estou preocupado com uma coisa. – continuou sério e apontou para a porta de seu escritório. – A garota que está lá dentro quase foi estuprada e o cara admitiu que iria fazer isso, independente dela estar desmaiada, ou não. Se ele abrir um processo contra o maknae, eu jogo um boletim de ocorrência contra ele! Qual caso você acha que a polícia vai preferir dar atenção?

 

 - Ok, Yoongi. – Jin suspirou. – Vão vocês dois falar com Alissa, ela está deitada no sofá. Eu, Hoseok e Namjoon cuidamos dos ferimentos dela.

 

 - Vamos, V. – Suga Hyung indicou para que eu o acompanhasse e assim o fiz, porém, ele esperou que o mais velho entre nós voltasse para sua sala. – Por que não ficou com Alissa?

 

 - Eu? – perguntei, depois de tanto tempo me mantendo em silêncio.

 

 - Acho que não tem mais ninguém conosco, Taehyung.

 

 - Ah, sim. Desculpa. É que estou meio aéreo depois do que aconteceu com Alissa. Ela é importante para mim e eu me senti um babaca por não poder ajudá-la. – admiti.

 

 - Podia ter ajudado os outros a cuidar dela. 

 

 - Eles pediram para que eu fizesse isso durante a noite. 

 

 - E como pretende fazer isso? – arqueou uma sobrancelha.

 

 - A loira vai dormir comigo, no meu quarto. – respondi. – Os outros acharam que seria melhor que fosse assim.

 

 - Por quê?

 

 - Aparentemente, eles acham que, de nós sete, eu sou o que tem mais intimidade com ela.

 

 - E, infelizmente, estão certos. – suspirou.

 

 - Por que o “infelizmente”?

 

 - Só vamos entrar, Taehyung!

 

 - Tá, né. – concordei e, logo depois, Yoongi girou a maçaneta e abriu sua sala. 

 

 Eu já tinha visto Alissa daquele jeito, afinal, fiquei olhando meu hyungs tomarem conta dela, mas, aparentemente, o de cabelos pretos que me acompanhava ficou meio em choque.

 

 Suga foi com passos rápidos até o sofá e se abaixou próximo ao mesmo. A loira sentiu uma movimentação e abriu de leve os olhos, enquanto o outro fez um pequeno carinho em sua cabeça.

 

 Eu... Bem, estava encostado na parede, só assistindo e esperando ele acabar com aquilo rápido, já que eu ficaria livre do trabalho, pois tomaria conta dela.

 

 - Eu prometo que nada mais vai acontecer com você de novo, ok? – ele finalmente se pronunciou.

 

 - Tudo bem. – ela respondeu e voltou a fechar os olhos.

 

 - Ei, marrentinha. – Yoongi chamou. – Olha para mim! – assim ela fez. – Me desculpa, de verdade...

 

 - Eu estou bem, senhor Min. Não se preocupe. – disse, colocando a mão no rosto dele. – Yoongi... Não chora, por favor.

 

 Pera. QUÊ!? 

 

 Min Yoongi estava chorando? Não é possível.

 

 - A culpa foi minha, me desculpa. – ele falou com a voz embargada, levantando o rosto. Assim que fez, pude notar algumas lágrimas por suas bochechas.

 

 - Não foi culpa sua. – a loira respondeu e o chamou para um abraço.

 

 - É... Vou deixar vocês a sós. – finalmente comentei alguma coisa e saí de lá. 

 

 Caminhei com passos rápidos até minha sala, ainda meio em choque com o jeito que Yoongi olhava para ela. Será que..? Não, não pode ser.

 

 - Você deixou Alissa sozinha? – ouvi Jungkook e Chim falarem juntos e me virei para eles.

 

 - Claro que não. 

 

 - Estamos indo lá dar um oi, então. Hobi já disse que você vai tomar conta dela à noite. – Kook soltou.

 

 - É melhor não irem. – alertei. – Yoongi está com ela e... É melhor não se meter.

 

 - Aconteceu alguma coisa que você não quer contar. Eu te conheço, Tae. – Jimin comentou.

 

 - O hyung está lá dentro com ela, só isso.

 

 - Não é só isso, fala logo! – ele insistiu.

 

 - Não foi, esta feliz? Eu estava lá dentro para levar a Alissa, mas parecia que eu estava sobrando... Que eu estava...

 

 - De frente a um casal? – o mais novo perguntou.

 

 - Exatamente.

 

 - Já tive essa sensação antes. – Jimin admitiu e olhamos para ele de uma forma estranha. – Antes de Yoongi, eu estava com Alissa ontem. Quando ele foi buscá-la para ficarem juntos, parecia que estava indo buscar algo que o pertencia.

 

 - Vocês estão achando que o hyung está caidinho pela Alissa? – perguntei.

 

 - Mais um para a lista. – Jungkook deu de ombros. – O que foi? – ele reclamou da forma que Jimin olhava-o. – Vai dizer que, mesmo com esse papo todo de serem amigos, você não ficaria com ela?

 

 - Aigoo... Claro que não!

 

 - Não minta, ChimChim. – Kookie pediu.

 

 - Tá, tá! Eu me rendo. Ficaria sim, mas, como você mesmo disse, somos muito amigos. Não gostaria de estragar nossa amizade.

 

 - É... Eu concordo. Acontece a mesma coisa comigo. – o maknae falou, enquanto eu só observava. 

 

 - Muito bonito, muito belo. – soltei. – Mas, de qualquer forma, ainda temos que descobrir o que está acontecendo entre os dois.

 

 - Sobre isso, nós resolvemos hoje à noite.

 

 [...]

 

- Você quer comer alguma coisa? – perguntei para Alissa, que agora se encontrava sentada sobre minha cama e vestida com um conjunto meu de moletom.

 

 - Pode ser... – ela abaixou a cabeça.

 

 - Quer comer alguma porcaria, não é? Que tal pedirmos uma pizza? – ela concordou com a cabeça. – Qual sabor?

 

 - Que tal pepperoni?

 

 - Hum! Ótima ideia! – tentei parecer animado. – Vou ligar e pedir, aí depois eu tomo conta de seus curativos.

 

 - Tudo bem.

 

 Peguei meu celular em meu bolso e mandei uma mensagem, pedindo a pizza.

 

 - Muito bem. – falei, após colocar o telefone na mesinha de cabeceira, e pegar um frasco que Hoseok me dera. – Hobi disse que esse remédio deve arder um pouco, mas qualquer coisa é só você me dar um tapa que passa.

 

 - Só você mesmo, Tae. – ela disse, dando uma risada. Eu fiz o mesmo, era bom ver um sorriso de volta em seu rosto.

 

 - Você fica mais bonita sorrindo, sabia? – sentei na cama de frente para ela. – Está se sentindo melhor?

 

 - A tontura passou, mas eu ainda me sinto estranha.

 

 - E a dor no corpo?

 

 - Se eu não me mexer muito, não incomoda tanto.

 

 - Então acho bom você ficar paradinha. Vamos lá, vou tirar esse esparadrapo feio daí. – falei, colocando com cuidado em seu rosto e removendo o curativo. – Olha, esse já está melhor, até parou de sangrar!

 

 - Namjoon disse que os piores estão na minha nuca.

 

 - Vemos esses depois, vamos comemorar que o da sua têmpora deve cicatrizar rápido! 

 

 - Obrigada por ver o lado positivo, Taetae.

 

 - Sempre. – disse, pegando o frasco e pingando algumas gotas na ferida, vendo-a fazer uma careta. – Calma...

 

 - Aish. – sua expressão foi se desfazendo.

 

 - Deixa eu ver essas da nuca. – pedi e ajudei-a a se virar. A loira colocou os cabelos para o lado e eu retirei os três esparadrapos que se encontravam ali.

 

 Namjoon estava certo, aqueles machucados estavam piores e eram bem mais profundos. Mas... Como ali estava machucado? Logo a nuca? Será que o cara havia cortado-a de propósito? Que filho da puta!

 

 - Tae... Como eles estão? – Alissa tirou-me de meus pensamentos.

 

 - Eles vão melhorar, é o que importa. – respondi. – Deve arder um pouco mais, se você quiser apertar a minha mão para descontar a dor.

 

 A puxei para mais perto de mim com cuidado e coloquei minha mão ao lado de seu corpo. Alissa a segurou e, com a destra que estava livre, pinguei algumas gotinhas. A loira apertou minha mão e contraiu de leve o corpo.

 

 - Vai passar... – fiz um carinho em sua costas, após soltar o remédio.

 

 Ficamos um tempinho daquele jeito, até ela endireitar seu corpo e dar uma fungada. Soltou minha mão e virou-se com meu auxílio.

 

 - Obrigada, Tae. – agradeceu e olhou em meus olhos, assim pude perceber que os seus estavam meio avermelhados, o que me fez lembrar de Yoongi mais cedo.

 

 - De nada, Alissa. – sorri para ela e a mesma me abraçou.

 

 - Eu te amo... – falou, enquanto retribuía seu abraço. – Me promete que nunca vai deixar de ser meu amigo?

 

 - Prometo. – respondi, dando um beijo em sua testa. - Nada vai atrapalhar nossa amizade.

 

 - Você é demais. – falou, dando um beijo em minha bochecha e voltando a deitar na cama.

 

 Parabéns, Kim Taehyung. Acabou de ser colocar na eterna friendzone, assim como Jimin e Jungkook.

 

 - Quer que eu pegue seu computador para falar com Mark? – sugeri, arqueando a sobrancelha.

 

 - Eu já falei com ele hoje, obrigada. – sorriu de leve e abraçou um travesseiro.

 

 - Tudo bem. Fica aí que eu vou trocar de roupa.

 

 - Não vou sair. – ela fechou os olhos e se aconchegou. – Tem minha palavra.

 

 Caminhei até o armário e peguei uma blusa branca de algodão. Como Alissa estava com meu moletom favorito – que estava até bem grande nela, o que chegava a ser engraçado –, fui obrigado a pegar um outro, porém não o conjunto, só a calça mesmo.

 

 Fui para o banheiro e tomei um banho curto. Coloquei as minhas roupas e saí daquele local secando meus cabelos com uma toalha, realmente estava na hora de fazer um novo corte, meu cabelo já estava ficando grande.

 

 - O que acharia se eu pintasse o cabelo? – perguntei para Alissa.

 

 - Depende da cor.

 

 - Relaxa, nenhuma cor extravagante. Talvez um ruivo ou um loiro, que tal?

 

 - Me parece bom. Você fica bonito de qualquer jeito, TaeTae. – sentou-se na cama, cruzando as pernas. 

 

 - Eu sei que minha beleza é eterna, mas não precisa encher minha bola. – zombei, arrancando uma risada gostosa dela e ouvindo uma batida na porta.

 

 - Quem será? – a loira perguntou, mas eu já sabia exatamente quem era.

 

 Caminhei até a porta e a abri, mesmo sem olhar ou perguntar nada. Dei passagem para os dois e, assim que eles entraram, ouvi a voz de Alissa, que já estava bem mais animada.

 

 - Kookie? Chim?

 

 - Foi daqui que pediram pizza de pepperoni?


Notas Finais


Próximo capítulo ta aí para a gente descobrir o que aconteceu com a Alissa e o Suga nesse meio tempo, né non?

Até sábado que vem, amores❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...